História Coração de Fogo - (Segunda Temporada de Meu Amor de Seda) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Beatrix, Christa, Cordelia, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Ruki Mukami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Comedia, Drama, Magia, Romance
Exibições 60
Palavras 1.303
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hello pessoal. Voltei com mais um capítulo quentinho. Novo personagem se revelando, será que ele é vilão? Sim ou com certeza? 💭

Capítulo 8 - Capítulo VIII - Visitas Inesperadas


Fanfic / Fanfiction Coração de Fogo - (Segunda Temporada de Meu Amor de Seda) - Capítulo 8 - Capítulo VIII - Visitas Inesperadas

Hiroshi P.O.V - 2 Semanas Depois

 Eu olhava as gotas de chuva escorrer atentamente no vidro embaçado da janela. O clima estava frio, logo chegaria o inverno. Eu não estaria aqui quando a neve começasse a cair, e isso me deixava aborrecido, já que nunca senti ou vi a neve.

 Me levantei da poltrona verde-musgo assim que ouvi um rangido vindo do canto do cômodo.

 — Finalmente lhe reencontramos! — A voz asquerosa do homem pareceu reascender a chama do ódio em meu interior.

 Olhei para o homem a minha frente. Ele estava sem nenhuma expressão em seu rosto, mas com o ódio brilhando em seu olhar. Me encarando mortalmente, foi assim que ele caminhou até mim como um felino pronto para atacar.

 — O que faz nesse mundo? — Perguntei, o fazendo rir.

 Fechei minhas mãos em punhos assim que ele parou na minha frente. A maldade emanava de seu corpo, me fazendo ficar apreensivo, já que tudo vindo de Barus é um mal sinal.

 — Mamãe quer vê-lo novamente. Que sentimento amoroso desnecessário! — Ele fez cara de nojo.

 Revirei os olhos. Não iria cair nesse papinho de novo. Com toda a minha certeza, posso afirmar que Barus está apenas inventando uma desculpa para me levar novamente ao Submundo.

 — Diga que mandei beijos a ela. Mas eu não vou voltar! — Disse me virando de costas.

 Estava pronto para caminhar até a porta, mas um chute em minhas costas me fez voar até a parede. Rosnei irritado, tanto por eu ser tão burro e me virar para o adversário, quanto por ter rachado a parede de Shu. Ele provavelmente irá me matar, se eu não morrer agora.

 — Seu idiota! Não me dê as costas! — Barus exclamou.

 Um círculo de fogo foi formado a minha volta. Eu conhecia muito bem essas chamas negras. Sim, eu estava incapacitado de passar por esse fogo, caso fizesse isso, iria queimar minha pele e eu não conseguiria me curar.

 — Churrasquinho de irmãozinho, hahaha! —gargalhando empolgado.

 

 Ryoko P.O.V

 O teto do meu quarto parecia tão interessante. Eu estava trancada no cômodo a praticamente duas semanas inteiras, não comia, não ia a escola ou sequer via o rosto de alguém na mansão. Eu só conseguia ficar na cama, pensando no que Aiko me falou.

 Flashback On

 — Sakamaki... Aiko...

 A mulher me olhou e abriu os braços. Sem esperar por mais tempo, corri em sua direção e a abracei fortemente, sentindo seu calor me aquecendo. Suas mãos afagavam meu cabelo, fazendo com que alguns fios caíssem em meu rosto.

 — Sei que está pensando que sou sua mãe, mas eu não sou. Queria poder te alegrar dizendo que sou a mulher que te pôs no mundo, mas não posso dizer isso. Eu sou a primeira a receber o nome Aiko, vivi a muitos anos atrás. O nome de sua mãe foi dado em homenagem a mim. — Ela disse com a voz embargada.

 Me separei do abraço rapidamente. Seus olhos estavam lacrimejando, e por isso uma lágrima não demorou a escorrer por seu rosto. Suas mãos, que agora estavam sobre as coxas, apertavam o tecido da yukata com força.

 Abaixei minha cabeça, sentindo mais lágrimas tomando conta do meu rosto. Eu fui muito precipitada, novamente. Como eu posso tomar uma conclusão assim? Sem mais e nem menos.

 — Então, o que você é do meu pai? — Perguntei.

 Ouvi Aiko suspirar profundamente. Esperei a resposta pacientemente, mas nada foi respondido, então eu levantei a cabeça, vendo o quarto vazio novamente. Abracei meus braços e deixei que as lágrimas continuassem a cair.

 Flashback Off

 As palavras remoíam ainda remoíam minha mente. Fazia sentido, mas eu não conseguia acreditar em uma só palavra que ela disse. Não posso me enganar novamente.

 Quando cheguei em casa já era noite, Yui estava me esperando sentada em um dos bancos no hall de entrada, junto dela estavam outras quatro garotas. Eu estava tão imersa aos meus acontecimentos do dia, que havia esquecido completamente das novas moradoras da mansão.

 Cada uma se apresentou devidamente. Enquanto conversávamos, Yui me puxou para um canto e disse eu não deveria tocar no assunto sobre o sobrenatural em nossa família. Eu me incomodei poro elas não saberem quem somos nós de verdade, mas por outro lado eu estava aliviada por não ter que presenciar elas correndo apavoradas.

 Agora era de manhã, eu havia faltado na aula novamente. Todas as garotas foram para uma escola diferente, acho que era a mesma que escola que meu pai estudou junto com todos os outros vampiros da mansão.

 Me levantei da cama rapidamente ao ouvir um estrondo. Agarrei Arashi e corri para fora do quarto, já podendo ver a fumaça saindo da porta da biblioteca no fim do corredor. Empurrei a porta no desespero.

 Hiroshi estava de ponta cabeça, sendo segurado somente por sua cauda preta. O mesmo fazia caras de dor, mas não tentava fazer nada para se livrar. O homem que o segurava gargalhava, parecia estar se divertindo a visão do menor derrotado.

 Tirei Arashi da bainha e corri em sua direção, acertando a ponta da espada em seu rosto, já que ele infelizmente fez o favor de desviar do meu golpe. O homem me olhou sorridente e jogou Hiroshi no chão bruscamente, me segurei muito para não ir ajuda-lo.

 De repente o homem desapareceu. Olhei ao redor, não o encontrando, mas logo senti um puxão forte em minha cauda, e isso fez com que eu soltasse um grito de dor e surpresa.

 — A princesinha de Karlheinz. Ouvi falar muito de você! — O homem disse entre risadas.

 Virei meu tronco, tentando acerta-lo com Arashi, mas não foi possível. Ele me soltou e me deu um soco bem no nariz e logo em seguida uma rasteira. Cai no chão como um saco de batatas. O homem tentou pisar em mim, mas eu fui para o lado.

 Arashi estava longe, perto do corpo de Hiroshi. Tentei me levantar, mas senti algo agarrando meu cabelo e me puxando para cima. Fiz uma careta, mas não me entreguei aos gritos.

 — Porque parou de gritar? Hahaha, era tão divertido! — Ele disse gargalhando.

 Agarrei seu pulso e o torci, mas pareceu não surtir efeito nenhum, já que o homem não reclamou ou me soltou, apenas puxou mais ainda meu cabelo.

 — Vamos brincar, neko-chan! O pai não disse nada sobre uma suposta namorada, mas isso deixa tudo mais divertido! — Ele disse.

 Fechei os olhos com força, ao sentir as unhas pontiagudas de sua outra mão encostarem em meu pescoço. Eu estava me sentindo uma inútil por não conseguir proteger Hiroshi, por ter que morrer desse jeito, pelas mãos desse demônio desprezível.

 — RYOKO! — Abri os olhos ao ouvir a voz de Hiroshi.

 Em suas mãos estava Arashi, brilhando como sempre. Ele atirou a espada em minha direção, e sem esperar muito, a agarrei e me soltei das mãos do homem. Finquei a espada em seu ombro, sentindo a lamina atravessar a carne.

 — Sua maldita! — O homem praguejou.

 Rosnei e afundei a lamina ainda mais, o fazendo sumir. Minha boca estava em um ‘o’ perfeito, talvez por incredulidade, porque ele simplesmente sumiu!

 Ouvi algo pesado caindo e logo em seguida um resmungo. Me virei para trás e corri até Hiroshi, que se encontrava caído no chão. Me agachei perto de seu corpo e fiz uma careta, ele estava detonado.

 — Morreu? — Fiz uma pergunta retórica.

 Ele resmungou um xingamento, o que me fez gargalhar e logo em seguida também resmungar, só que de dor. Seu braço estava sobre seus olhos, me impossibilitando de ver suas íris douradas que eu tanto adoro.

 — Porque me salvou? — Ele perguntou enquanto se sentava lentamente em forma de índio.

 — Porque eu sou sua protetora e amiga — disse e sorri.

 Hiroshi abriu um sorriso, mostrando seus caninos, e logo em seguida me abraçou. Pisquei algumas vezes em surpresa, mas logo o abracei fortemente, o fazendo resmungar de dor.


Notas Finais


Esse foi o capítulo de hoje. Barus foi revelado e pretende fazer muitas maldades ainda.
Espero que tenham gostado e até o próximo! 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...