História Coração de Vampiro - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Bruxas, Lobisomens, Vampiros
Visualizações 17
Palavras 764
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem.

Capítulo 2 - Cartas



POV William







Mas quando chegou no Brasil, seu tio que não via há muito tempo havia se encarrado das buscas, infelizmente o seu pai foi encontrado morto, William chega à hospedaria do senhor Francis e reencontra o seu velho tio Haisen.



- Tio o que aconteceu com o meu pai?



- Ele saiu muito bêbado da taverna há alguns dias, e foi para o bosque sozinho desde então ninguém o viu até agora.



- O senhor tem certeza que é ele mesmo tio?



- Sim tenho infelizmente.



- Nunca pensei que ele poderia chegar a este ponto de beber tanto, é difícil de acreditar.



- William o seu pai já estava assim desde que a sua mãe faleceu, foi uma forma que ele encontrou para esquecer a dor que estava sentindo.




- Até do seu próprio filho!



- Não diga isso o seu pai sempre quis o melhor para você não seja tão duro assim com ele.



- O que acontece agora?



- já cuidei dos preparativos para o enterro do seu pai.



- A onde está o corpo dele preciso vê-lo?



- O corpo do seu pai está na casa funerária da cidade, vou levá-lo até lá.



- Muito obrigado tio.



- Não precisa me agradecer e o minimo que eu poderia fazer, mas antes quero que saiba que tomei a liberdade de examinar o corpo do seu pai, notei que alguns ferimentos foram causados por animais, mais a causa de sua morte, pelo que constatei foi traumatismo craniano, estava tão bêbado que acabou caindo de um penhasco, e consequentemente bateu com a cabeça em uma pedra, e foi a causa de outros ferimentos em seu corpo também.



- Posso vê-lo agora tio?



- Sim, claro venha comigo.



Ao chegar à casa funerária William sente um arrepio.




Haisen perceber que William não está se sentindo bem, neste momento ele perguntar:



- Está se sentindo bem sobrinho?




- Sim, estou bem não se preocupe.



-Venha por aqui, por favor.



William acompanha o seu tio até a sala onde está o corpo de seu pai. 



Ao ver o corpo do seu pai William, sente um grande peso de culpa, por ter deixado o seu pai sozinho neste estado.



Haisen tenta consolar-lo dizendo:




- William não fique assim, o que aconteceu com o seu pai não foi sua culpa.




-Mas seu eu estivesse aqui com ele poderia ter evitado.



- Isso iria acontecer mesmo você estando aqui com ele, não se culpe por isso.



- Talvez tio, por favor pode nos deixar a sós.



- Sim, como quiser.



- Obrigado tio.



William espera seu tio sair da sala, nesse momento ele  se aproximar do corpo de seu pai, e fala em voz baixa.



- Pai o que aconteceu com o senhor?



Ao olhar para o corpo dele, William percebe que apesar de todos aqueles ferimentos, ele acha estranho o estado do corpo, pois ainda não entrou em estado de decomposição, e ainda ele nota um ferimento incomum em seu pescoço, mas precisamente na jugular e pulsos, na verdade duas pequenas perfurações aparentando ser uma mordida de algum tipo de animal diferente dos outros ferimentos encontrados em seu corpo.



- Não entendo porque será que o meu tio não falou nada sobre isso, é muito estranho! 



Ao dizer isso e ao tocar na mão do seu pai ele tem um pressentimento muito ruim.



Neste momento ele sente um pequeno peso de uma mão em seu ombro.



Era o seu tio Haisen.



- Está tudo bem William?



- Sim tio, novamente muito obrigado por cuidar de tudo. 


- É o mínimo que eu poderia fazer, porque não vai descansa um pouco, você deve está muito cansado já que fez uma viagem muito longa.



- Sim, vou descansar um pouco, obrigado tio por tudo.



Como o seu pai devia muitos aos bancos, acabaram confiscando as poucas propriedades que ele ainda possuía para liquidar as suas dividas, a única coisa que o seu pai deixou de herança, foi um velho baú empoeirado, ao abri-lo William encontra dentro dele alguns livros, cartas que ele recebeu antes de morrer, de um velho amigo que lhe escreveu relatando coisas estranhas que estava acontecendo em sua cidade.



Alguns dias depois do enterro.



William vai visitar o túmulo de seu pai para se despedir, lá ele reencontra um velho amigo de infância Gregório Smith de Almeida dos Anjos, que havia se tornado um historiador.



Mas tarde numa taverna conversando sobre os seus passados, William comenta para Gregório que vai visitar esse velho amigo de seu pai o senhor Van Haute, que lhe escreveu tantas cartas.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...