História Coração de vidro - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Junghan "Jeonghan", Lee Seokmin "DK"
Tags Hansol, Jeonghan, Jihan, Jisoo, Joshua, Seungkwan, Verkwan, Vernon
Exibições 289
Palavras 1.214
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa tarde para quem gosta de b1a4, para quem não gosta só tarde mesmo. O que foi esse comeback hein!? Nem chorei, só tremi. Como sou muito bana mesmo deixarei o link nas notas finais para quem ainda não viu o mv, divulgar e enaltecer, esse é meu trabalho. Enfim...acho que vão curtir esse capítulo, cada vez mais misteriosa essa história...

49 faves em 3 capítulos!! É tudo de bom mesmo, obrigada por darem uma chance para minha fic, é realmente gratificante :))

Boa leitura, mores <3

Capítulo 4 - Mistério


Fanfic / Fanfiction Coração de vidro - Capítulo 4 - Mistério

Tudo, aliás, é a ponta de um mistério, inclusive os fatos. Ou a ausência deles. Duvida? Quando nada acontece há um milagre que não estamos vendo.

- Guimarães Rosa

 

— O quê!? Como assim!?- Seungkwan perguntou, em um misto de preocupação e nervosismo. Eu por minha vez sentei-me na poltrona em um silêncio perplexo. Acreditava que Seoul era uma cidade relativamente segura, mas talvez tivesse me enganado.

Antes que Min Hee voltasse a falar, Seokmin pediu que esta respirasse fundo, então a guiou até o sofá. Felizmente ela parecia estar mais calma, entretanto suas mãos ainda tremiam ligeiramente. Sob os olhares atentos e preocupados dos amigos, a garota de madeixas azuis inspirou e expirou lentamente, então enfim relatou o ocorrido. De acordo com suas palavras, um homem encapuzado a perseguira até que ela chegasse à entrada do nosso prédio.

— E por que você estava andando sozinha na rua a essa hora?- meu colega de trabalho questionou, soando como um irmão mais velho superprotetor.

— Minha amiga teve que me deixar do outro lado da avenida.

— Nunca mais faça isso, Min Hee, é perigoso- ela assentiu, parecendo reconfortada com a preocupação dele.

— Felizmente não aconteceu nada- Seungkwan disse, acarinhando sua cabeça afavelmente. Surpreendi-me comigo mesmo ao inusitadamente me imaginar no lugar de sua amiga. Balancei a cabeça, tentando me livrar daquela visão mental constrangedora.   

— Você aceita um chá de camomila, Min Hee? É bom para acalmar os nervos- sugeri, ansioso para ajudar de alguma forma. Através da visão periférica notei que Boo me analisava, como se tentando descobrir quais eram minhas reais intenções.

— Aceito de bom grado. Muito obrigada, Hansol- ela agradeceu, um pequeno sorriso simpático eliminando um pouco de sua tensão.

Levantei-me e me dirigi até a cozinha, sentindo o peso do olhar do garoto de cabelos vermelhos na minha nuca. Eu realmente gostaria de saber o que ele pensava sobre mim e também gostaria de saber por que eu me importava com sua opinião.

Minutos depois retornei a sala com uma xícara de chá em mãos, a entregando a Min Hee, que me agradeceu mais uma vez.  

— Você tem certeza de que não viu quem era? Nem um pouco?- Seungkwan perguntou a sua amiga, trazendo à tona a lembrança do lastimoso ocorrido do dia anterior.

— Eu não consegui ver quem era, fui consumida pelo medo.

Sentei-me novamente em silêncio, pensando no quanto era suspeito seu ex-namorado tê-la estapeado e horas depois ela ter sido perseguida em plena luz do dia.

 

 

 

Faltavam duas horas para meu turno acabar quando a paciência do Joshua se esgotou, mas felizmente a culpa não era minha. Ele decidira por conta própria passar à tarde comigo mesmo eu lhe dizendo para aproveitar seu tempo de uma forma melhor.

— Não me diga que eu não te avisei que ficaria entediado- comentei enquanto ele guardava seu notebook na mochila.

— Eu simplesmente não acredito que não apareceu nenhuma pessoa interessante durante todo o tempo em que fiquei aqui- meu amigo reclamou, claramente decepcionado.

— Hoje não foi seu dia de sorte, meu camarada- Seokmin disse, dando tapinhas amigáveis nas costas dele.

— Acho que você...- antes que ele terminasse sua frase, um rapaz de madeixas longas e aparência elegante adentrou o hostel. Ele me parecia familiar– Acho que você está errado- Jisoo concluiu, sem desgrudar o olhar do possível hóspede.

— E aí, Hannie!?- meu colega de trabalho bem-humorado o cumprimentou assim que ele se aproximou do balcão. Ao meu lado, Joshua parecia hipnotizado pelo amigo do Seokmin, que possuía um sorriso simpático iluminando suas feições indiscutivelmente belas.    

— Eu estava fazendo compras aqui perto e resolvi dar uma passada- o garoto comentou, colocando três sacolas em cima do balcão. Como se notasse nossa (minha e do meu amigo) presença pela primeira vez, ele questionou casualmente:   

— Seus amigos?   

— Meu mais novo colega de trabalho e de apartamento, Hansol. E seu amigo, Jisoo. E este é meu primo, Jeonghan- Seokmin nos apresentou com um sorriso grande no rosto. Ele parecia estar sempre sorrindo, seu bom humor com certeza deixava qualquer ambiente mais leve.

Trocamos cumprimentos, então Jeonghan disse, parecendo se divertir com a situação:

— Eu acho que já os vi em algum lugar. Foi você que me derrubou ontem no meio da rua, não foi!?- ele perguntou ao meu amigo, que até aquele momento não parara de encará-lo. Finalmente entendi porque ele parecia familiar, fora a vítima do Jisoo.

— Vocês já se conhecem?- Seokmin perguntou, repentinamente interessado na conversa.

— Acho que está me confundindo com outra pessoa- Joshua disse descaradamente. Como não queria que ele passasse vergonha novamente, permaneci calado.  

— E foi você que me ajudou a me levantar, não foi!?- Jeonghan se voltou para mim, ignorando meu amigo.

— Foi?- questionei, tentando agir casualmente. Se eu dissesse que me lembrava dele, temia que a pessoa ao meu lado me faria pagar mais tarde.

— Tenho certeza de que eram vocês. Você até me chamou de anjo- o garoto de madeixas longas comentou, bem-humorado.

— Sério, Jisoo!?- Seokmin questionou em meio a uma risada alta. Meu amigo tentava em vão manter a pose despudorada.

— Não precisa fingir que não se lembra, eu não estou com raiva de você.

— É sério?- Joshua questionou esperançoso, deixando o fingimento de lado e arrancando risadas de nós três.

 

 

 

Já passava das 19 horas quando cheguei a minha mais nova moradia. Seokmin fora visitar seus pais, então eu estava sozinho. Para a minha dor e infelicidade, a energia havia acabado, por essa razão fui obrigado a subir cinco andares de escadas. Assim que finalmente alcancei o quinto andar, suspirei aliviado e me dirigi até a porta com o número 12 gravado nela. Reuni toda disposição que ainda me restava e a destranquei. Logo que adentrei o apartamento, surpreendi-me ao encontrar Seungkwan agachado na entrada.         

— O que você...?- comecei a perguntar, fechando a porta com um baque surdo e a trancando. Apesar de apenas a luz da lanterna do meu celular iluminar o ambiente, seu cabelo vermelho ainda se destacava.     

— Por que demorou tanto?- ele questionou, parecendo irritado. Sua súbita mudança de comportamento em relação a mim me deixou estranhamente animado.

— Eu passei em uma livraria- respondi, levantando a pequena sacola que segurava.   

— Ah, sim. Você é um daqueles nerds que vivem nas livrarias e bibliotecas, certo!?- Seungkwan afirmou, se levantando. Ele parecia tão certo sobre aquilo quanto dois mais dois são quatro.  

— Eu não me considero uma pessoa nerd.

— Mas você é. Enfim, vamos para a sala, estou cansado desse corredor estreito.  

Gostaria de saber por que ele estava agachado no hall do apartamento ao invés de sentado no sofá, porém me limitei a me dirigir para o cômodo vizinho. O garoto de madeixas vermelhas me seguiu, parecendo incomodado com a escuridão. Será que ele tinha medo de escuro?

Sentamo-nos no sofá, eu no canto esquerdo e ele no direito. Antes que o silêncio se tornasse estranho, Seungkwan se virou para mim e disse:

— Eu acho que nós já nos conhecemos antes.   

Ele estava falando sobre aquela vez em que impedi que se esborrachasse no chão, mas ele se assustou?

— Quando exatamente?- questionei, optando por não tocar naquele assunto primeiro. Não desejava que voltasse a me ignorar novamente.  

Antes que meu colega de quarto pudesse responder, um grito agudo e aterrador gelou meu sangue. Quem quer que fosse o dono daquele berro, não parecia estar a salvo. 


Notas Finais


vish, vISH, VISH!! Espero ter cumprido minha missão com essa capítulo e deixado vocês ainda mais curiosas. Adoro HAHA Quem será o dono ou a dona dessa voz hein!? E finalmente o Boo está se comunicando com o Vernon, ~palmas~ E o Jisoo passando vergonha, adoro também.

Ps: aqui está o link de A lie, se viram, vejam de novo, se não viram, vejam: https://www.youtube.com/watch?v=YJV2V4ZGxnU

Até o próximo capítulo, mores <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...