História Coração dividido - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Sasosaku Itasaku Deisaku Nejisaku Gaasaku Suisaku
Exibições 28
Palavras 2.959
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura, boa surprises!

Capítulo 18 - Orgulho do passado


Fanfic / Fanfiction Coração dividido - Capítulo 18 - Orgulho do passado

SAKURA POV'S ON

 

Abri meus olhos com dificuldade, minhas pálpebras pesavam e luzes brancas perfuravam minha retina. Uma dor agonizante corria em minhas veias, memórias invadiam minha mente e faziam minha cabeça doer e meu coração se apertar. 
Um vazio, era isso que eu sentia. Um vazio no meu coração e na minha alma. 

Olhei adiante, para analisar mais atentamente aquela sala e pude perceber que eu estava em um hospital. 

Uma figura ruiva dormia no sofá, Sasori. Sua expressão era calma, mas eu sabia que ele não estava tão calmo quanto parecia.

Tentei chamá-lo, mas o que saiu de minha garganta foi agonizante: um fio de voz. Senti meu coração apertar, eu quase não conseguia falar, era uma sensação horrível. 
Minha maior preocupação era meu filho, meu precioso filho e seu pai, Sasori.

-Sa...Sasori... - o chamei sem me mexer. O ruivo se levantou em um pulo e foi até mim de fininho, sua expressão era calma, mas seus olhos transpassavam preocupação.

-Você acordou! -  me abraçou, apoiando sua cabeça em meu ombro. Senti água molhar minha roupa, ele estava chorando. -Eu estava tão preocupado com você meu amor.

-Obrigada, eu estou bem agora. - ele se afastou e me olhou enquanto limpava as lágrimas. -Mas, tenho algo a perguntar.

-Hm, eu imagino o que seja. - de repente seus olhos preocupados se transformaram em olhos tristes, marejaram e as grossas lágrimas insistiram em escorrer. -Ele..morreu. - chorava sem parar.

Meu coração parou.

-Não. Não. Não. Não! - eu repetia pra mim mesma, como uma forma de auto-ajuda. -Eu não posso ter perdido meu filho! Nosso filho! - o abracei o chorei em seu ombro, eu já não tinha forças nem para pensar no que faria agora. 

Mas a única coisa que torturava minha mente era um nome.

Um nome que eu me arrependi amargamente de ter pronunciado com tanto amor e carinho na minha infância.

O nome do homem que destruiu parte da minha vida.

-Naruto. - sussurrei com os dentes trincados e fechei os punhos. -Eu não vou abandonar este mundo antes de me vingar! - gritei me afastando de Sasori, o mesmo me olhou confuso.

-O que...? - perguntou desentendido.

-Naruto. Foi ele que fez isso. - expliquei.

-Amor, acho que isso foi muito para a sua cabeça. - posou as mãos pelo meu rosto e me deu um beijo na testa. -Você saiu de uma cirurgia para a retirada do bebê. Descanse um pouco.

-NÃO! - gritei. -Eu não vou descansar! Sabe o que eu estou sentindo agora? Nojo! Nojo de mim mesma, por ter sido tão imbecil e confiado tanto naquele monstro que disse me amar! - trinquei os dentes. -E não ouse me obrigar a ficar aqui enquanto ele vai embora.

-Ele quem? Sakura, o que você está falando? 

-NA-RU-TO!

-Ele está morto Sakura! Você está ficando louca? - perguntou levemente alterado.

-Ele não está morto! Ele me machucou! Ele matou nosso filho! - gritei.

Eu não me aguentava mais, arranquei todos aqueles aparelhos do meu braço. Sasori me olhava paralisado.

-Bem ela falou...Você ganhou algo também. - falou estático, sem piscar. -Mas como? Era impossível.

-O que...? - só ai me dei conta de que eu estava...Em pé. -Eu...Eu...Estou andando! - sorri e corri para o abraçar. -Olha isso Sori!

Ele sorria verdadeiramente, era lindo.

-Meu amor, eu estou tão feliz! - me pegou no colo e me rodopiou no ar. -Apesar de tudo, eu ainda tenho o amor da minha vida. Nós podemos recomeçar Saky. - sugeriu.

-Sim, nós podemos! - exclamei.

Apesar de estar com raiva do Naruto, eu estava feliz por andar e por ter apoio de Sasori. Eu queria recomeçar. O Uzumaki disse que nunca mais iria aparecer na minha vida, então eu iria segui-la sem ele.

A porta foi aberta e meu amigos estraram de uma vez.

-Sakura! - Deidara, Karin e Konan correram até mim. 

O loiro me pegou no colo e beijou minha testa.

-Caramba, nunca mais faça isso comigo garota! Quase que eu morri! - ele chorava desesperadamente.

O envolvi com meu braços e desci no chão, ficando em pé. 

-Com dificuldade, mas eu consigo! Olha! - fui me apoiando em tudo, cama, parede, móveis, pessoas. Mas eu andava!

Todos me olhavam boquiabertos.

-Saky! Você está andando! Meu Deus! -  Konan exclamou animada e jogou as mãos para o alto correndo até mim.

Me deu um abraço de urso, de repente todos já estavam em cima de mim me abraçando daquela forma. Me senti querida, amada, infinitamente feliz.

-Obrigada! - agradeci feliz e senti braços me segurarem e me levantarem. 

Fui rodopiada no ar, era uma das coisas que eu mais gostava, quando eu andava. Pain que fazia isso comigo.

O ruivo me colocou no chão novamente e me fitou com um belo sorriso, um que eu não via a tempos, Pain não é muito de expressar seus sentimentos. 

-Ah! Eu estava com tanta saudade disso! - abracei o ruivo.

-Eu estava com saudades desse teu sorriso lindo, essa sua alegria que contagia! - sussurrou no meu ouvido me deixando corada.

De repente fomos interrompidos pela porta, que se abriu bruscamente, e um médico de cabelos loiros e olhos violetas adentrou o quarto. Em uma mão ele segurava uma prancheta, na outra, um estetoscópio. O mesmo se encontrava ofegante, parecia estar bem cansado e abatido.

-Com licença, estou aqui para avisar que você terá alta hoje. - examinou a papelada que estava em sua mão e arqueou uma sobrancelha. -Sinto muito... - olhou para minha barriga, se referindo ao meu filho perdido. Abaixei o olhar.

Uma lágrima sorrateira insistiu em escorrer pelo meu rosto e se chocar ou chão. Logo outras lágrimas invadiram meus olhos com rapidez, se chocando ao assoalho e provocando barulhos incomodantes, mas que não podiam ser parados.

Senti mãos nas minhas costas e pude constatar que era Itachi e Sasuke. Sasori também chorava, um choro abafado. 

-Está tudo bem Saky, nós estamos aqui. - Itachi tentou me confortar, mas eu senti raiva, raiva de Naruto.

Novamente aquele loiro abusado estava rondando minha mente. Tentei afastá-lo de meus pensamentos, mas o que eu ganhei em troca foi uma bela dor de cabeça, a mesma parecia querer explodir.
Levei minhas mãos até o local onde doía, com a intenção de fazer parar, mas não deu certo.

Era insuportável, gemi de dor e caí de joelhos.
O "baque" que meu corpo fez ao ir de encontro ao chão, chamou a atenção do médico, que veio correndo me ajudar.

-O- o que houve com você? Está sentindo algo?! - o doutor me perguntou enquanto me colocava na cama.

-Na...Ru...To! - falei entredentes. -Desgraçado! - levantei a cabeça e pude perceber que todos me olhavam confusos. Sasori sussurrou algo para Gaara, que sussurrou para Neji, que arregalou os olhos. 

-Sakura... - Gaara veio até mim e se sentou ao meu lado. -Você se lembra de algo que aconteceu antes do acidente? Lembra-se de que te machucou? - perguntou calmamente, mas sua expressão mudou totalmente quando eu o respondi.

-Naruto. - apenas.

-M-mas...Ele está morto...! 

-ELE MATOU MEU FILHO! - gritei exaltada e todos pularam de susto.

-Calma Saky. - Deidara se sentou ao meu outro lado. 

-Calma nada! - me levantei. -Estou de alta? - perguntei olhando para o loiro dos olhos violetas e o mesmo assentiu. -Então quero que fique bem claro, eu vou destruir quem tentar me impedir de me vingar. - suspirei e levei a mão até a nuca. -Não tentem fazer nada. Eu vou encontrar Naruto, e quando isso acontecer. - comecei a rir alto, mas sem ânimo, uma falsa risada. -Eu vou torturá-lo, vou arrancar cada órgão do seu corpo, vou fazer ele cuspir a última gota de sangue em minhas mãos. 

Todos me fitavam assustados, inclusive o médico. 

Fui até uma bolsa que estava jogada em cima da bancada, e peguei uma blusa e um short. Caminhei até o banheiro, mas de lá de dentro eu pude ouvir murmúrios e conversas.

-Acho que ela está louca. - Konan.

-Sim, temos que impedi-la de sair, ela pode fazer alguma coisa, como se matar. - Itachi.

-Vamos cuidar dela. - Sasori e Deidara.

-Não sabemos que foi, mas vamos achar esse sujeito que a machucou. - Gaara. -Não pode ser o Naruto, ela está blefando, ele está morto!

Sai do banheiro já trocada, pisei fundo no chão, fiquei parada em frente a todos e mordi o lábio inferior, escondendo minha raiva.

-SE VOCÊS QUEREM DESCONFIAR DE MIM E ME CHAMAR DE LOUCA, VÃO EM FRENTE! MAS NÃO TENTEM ME IMPEDIR, EU SEI O QUE EU VI! - gritei exaltada e o médico foi até mim. 

-Calma garota! - me segurou. -Assim pode acelerar seus batimentos, então não poderá receber alta. 

-D-desculpe. - falei cabisbaixa.

-Meu nome é Yagura. - se apresentou. 

-Prazer. - falei por fim.

-Bem, como eu havia dito, você já pode ir. Só passe da recepção antes e assine o papel que eles lhe darão. - explicou e caminhou até a porta. -Tchau! - acenou e foi embora.

Não falei nada, apenas me dirigi até minha bolsa e de Sasori. Também tinhas algumas sacolas do shopping, provavelmente de Deidara. 

-Ah! Isso é seu. - Deidara apontou para uma sacola branca que estava no sofá. 

Caminhei até a mesma, e a abri, revelando um jogo de quebra-cabeça de 100 peças. Meus olhos brilharam, eu AMO isso. 

-Ah! Obrigada Deidei-kun! - corri até o loiro e o abracei. -Vamos jogar assim que chegarmos em casa. 

Olhares cúmplices, foi isso que eu notei. 

-Bem, mas antes eu vou dar uma saidinha. Sozinha. - falei e eles reviraram os olhos. -Acham que vão me comprar com jogo barato? - ri.

-Como assim? - Neji perguntou.

-Vocês acham que eu estou louca, por isso compraram jogos para me distrair e me impedir de sair de casa. - respondi como se fosse óbvio. Arquearam a sobrancelha. -Mas não vai funcionar, eu sei o que eu vi, e esse ser que eu vi foi Naruto. - olhei para Sasuke, o mesmo estava estranho, não estava socializando. -Sasuke? Tem algo à dizer? - não sei, mas sinto que ele sabe da existência de Naruto.

-E-eu? - perguntou.

-Não, o outro Sasuke. - ele ficou me olhando. -Só tem UM Sasuke aqui seu imbecil, é lógico que é você!

-Calma, calma. - levantou as mãos em rendição. -A Sakura não está louca, ele também veio atrás de mim. - falou e todos arregalaram os olhos, sorri de canto. -Mas é lógico que eu sou mais esperto e não deixei ele fazer nada. - lançou um olhar provocante pra mim.

-Babaca! Você não era impossibilitado de andar e também não estava grávido! - lancei um olhar mortal para o mesmo, que engoliu em seco.

-E-então v-você quer d-dizer que o Naruto está vivo?! - Gaara estava estático.

-Não, não. Ao que tudo afirma, as aparições dele, os atos...Ao certo ele está morto. - falei em tom debochado. 

-Isso não é hora para brincadeiras Sakura. - Neji adivertiu. 

-Ah! Mas é que eu já cansei Neji, cansei de ser idiota e séria. - cerrei os punhos. -Ser cínica é mais divertido, ainda mais quando se trata de vingança. - sorri.

-Você está se tornando outra Sakura, não a que nós conhecemos. - Itachi.

-A Sakura que conhecemos não seria capaz de se vingar nem de uma formiga. - Sasori concluiu.

-Essa Sakura morreu junto com meu filho, junto com o carinho inútil que ela tinha pelo Naruto, o homem que estragou parte da sua vida. - sorri. -Mas talvez a culpada por isso seja eu. - passei a fitar o chão. -Se eu não tivesse o deixado lá...Se eu não "os" tivesse deixado lá... - olhei para Gaara e Neji. -Talvez as coisas fossem diferentes. - suspirei. -Mas eu tive medo. 

-Ainda bem. - Sasori falou e me abraçou por trás. 

-P-porquê?! - perguntei confusa.

-Porque se tudo fosse diferente, nós não teríamos te conhecido, não teríamos essa família perfeita que temos hoje. - respondeu e sorriu verdadeiramente, lindamente. -Porque se não, eu não estaria apaixonado agora. - me beijou. -Eu não teria nem um quarto da felicidade que eu tenho hoje. 

-Com certeza! - todos falaram em uníssono.

-Então só posso dizer uma coisa: Eu tenho orgulho do meu passado, pois amo meu presente! - sorri verdadeiramente.

-É isso ai! Agora vamos embora daqui. - Karin falou. -Vamos, vamos! Eu estou com fome, e a tia Tsu está nos esperando, olha. - mostrou a foto de um prato de macarrão delicioso, confesso que fiquei com água na boca. -Tia Tsu que fez! - a ruiva deu pulinhos de alegria, como todos. -Vamos! - saiu puxando todos. 

(Quebra de tempo)

Eu estava no meu quarto, lendo um livro extremamente chato. Porque? Porque eu não tenho nada pra fazer. 

De repente minha porta se abre e um loiro hiperativo entra no meu quarto, Deidara.

-Saky! Saky! - sentou na minha cama. 

-O que foi? Que susto, seu loiro aguado! - falei e ele revirou os olhos.

-Isso é inveja! - foi minha vez de revirar as órbes esmeraldinas.

-Você que pensa, meu cabelo é bem melhor e mais exótico do que o seu. É rosa! - rimos.

-Okay! Mas não foi por isso que eu vim aqui. - colocou a mão na minha coxa e eu corei.

-D-deidara? - perguntei corada.

-Caraca rosada, eu não sabia que eu tinha tanto controle sobre você! - falou rindo e eu bufei.

-Fala logo o que você quer! - joguei uma almofada no mesmo.

-Ai! Calma! Eu vim conversar com você, não tenho nada pra fazer. - pegou uma almofada e colocou no meu colo, se deitando.

-Folgado! - revirei os olhos e me encostei na cabeceira, fazendo cafuné no loiro. -Sobre o que quer conversar.

-Sei lá! Me conte como anda sua vida amorosa. - pediu.

-Ah! Agora você me pegou. - falei corando. -Eu...não sei.

-Bem, pense sobre isso. 

-Confusa. Aliás, confusão, acho que é a palavra perfeita para definir minha vida amorosa! - respondi arrancando uma risada abafada dele.

-Porque parou de gostar do Sui assim? Do nada. - perguntou me fazendo suspirar.

-Porque eu vi que eu gostava de outros. - outros que incluem você Deidara. -.- 

-Hm, quem são essas pessoas? - perguntou me fazendo corar.

-Ah! Você sabe! - falei e ele me lançou um olhar de: "Não, não sei." Então eu lancei um olhar de: "Lerdo da porra!" -Está amando alguém? - perguntei cinicamente e ele estreitou os olhos.

-Está tentando fugir da minha pergunta senhorita Haruno? 

-N-não! - sorri amarelo. -É que sabe...Você nunca me falou sobre seus sentimentos. - realmente Deidara e eu nunca conversamos sobre isso.

-Não significa que eu não os tenha. - falou me fitando.

-Eu não falei que você não os tinha. - parei de mexer em seu cabelo. -Só quero saber quem é sua amada. - ele sorriu.

-Descubra. 

-Não sou boa nisso Deidara, fala logo! - vi o loiro balançar a cabeça negativamente e sorrir.

-Realmente, você é a pessoa mais lerda que eu já conheci. - bateu com a mão na própria testa. -Chute alguém. - pediu e eu sorri maldosa e o chutei bem na coluna. -Ai caralho! Não era nesse sentido! - choramingou.

-Hahahahaha! Ok. Vou me chutar. - parei de rir e fiquei sentada em cima dele. Pude sentir o abdômen definido dele. -Gosta de mim? - sussurrei em seu ouvido.

-Não. - sussurrou no meu, me fazendo se afastar bruscamente dele. Mas ele me puxou de volta. -Eu te amo. - me beijou.

Era um beijo com urgência, um beijo selvagem, ele explorava cada canto da minha boca. Também envolvia paixão, desejo, luxúria. 
Ele passava as mãos pego meu corpo, me causado arrepios. Subiu minha blusa e passou a acariciar meu seio esquerdo por cima do sutiã. Eu não fiquei por baixo, agarrei a borda de sua camiseta e a subi, revelando um tanquinho perfeito e músculos mais que definidos. Ele era extremamente gostoso!

-Vai ficar me analisando, hn? - perguntou sorrindo de canto, e que sorriso, senhor!

-Claro, o que é bonito é pra ser olhado! - falei e rebolei em seu membro já rígido. -Vamos Deidei-kun! - falei manhosa e ele arfou trocando nossas posições e ficando por cima.

-Eu também sei brincar! - sorriu e roçou seu membro me minha intimidade, estávamos apenas de roupas intimas.

-Você é muito safado Deidara, já estava planejando isso não é mesmo? - perguntei rindo.

-Eu sou louco por você Sakura, desde a primeira vez em que te vi. - mordeu o lóbulo da minha orelha me fazendo arfar. -Há muito tempo que eu planejo isso, amor. - tomou meu lábios em um beijo eletrizante, uma onda de energia tomou conta de nossos corpos suados que se chocavam um com o outro. 

A luz da lua nos iluminava, provocando alucinações descontroladas, nós já não aguentávamos mais.

O olhei com aprovação, e, em um ato rápido, ele tirou minha calcinha, sua cueca e me penetrou de uma vez, arrancado um gemido abafado.

-Shii! - beijou meu lábios e começou os movimentos que se intensificaram mais e mais. Colocou suas mãos na cabeceira da cama para ir mais rápido, enquanto me beijava e eu arqueava as costas.

Chegamos ao nosso ápice. Ele caiu ao meu lado e me puxou para ficar deitada em seu peito, estávamos ofegantes e cansados.

-Isso...foi...perfeito! - falou ofegante, tentando normalizar a respiração.

-Com certeza! - falei também ofegante. 

-Eu te amo. - beijou minha testa e começou a fazer cafuné em mim.

-Eu também. - sussurrei pra ele e fechei meus olhos esperando o sono chegar. 

E como a noite toma conta do dia, o sono tomou conta de mim.

 


Notas Finais


Uh! Essa foi por pouco ein?! Ficaram com medo de ter acontecido algo com a Saky? Hahahaha!
Também teve o gostoso do Deidei-kun neh?! Hmmmmm, vamos ver esse Deisaku!

Bjs, comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...