História Coração Dividido - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Meu Coração é Teu
Personagens Ana Leal, Fernando Lascuráin Borbolla
Exibições 7
Palavras 1.188
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Droubble, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Visual Novel
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 11 - Capítulo 11


Rafael sobe as escadas com Ana na nos braços levando-a para o quarto, a coloca na cama com cuidado, ela veio dormindo todo o caminho do hospital até em casa, coloca as cobertas sobre ela, beija sua testa e acaricia seu rosto, ele fica alguns minutos no quarto, sente vontade de deitar ao seu lado coloca-la em seus braços e nunca mais soltar, Fernando chega à porta e pergunta se esta tudo bem, tirando assim, Rafael dos seus devaneios, ele assentiu, vai em direção à porta apaga a luz e sai... Rafael percebe que Fernando ficou na entrada do quarto, ele volta e pergunta:

— Você não vem? Estão nos esperando lá em baixo.

— Fernando não responde, Rafael volta a perguntar. - Fernando ! Você não vem?

— Fernando se assusta e olha para ele. - Você quer acorda-la, porra! Sim eu vou. - Os dois seguem em direção à sala.

– Ela esta dormindo?- Pergunta Dona Carol aos dois, Fernando afirma com a cabeça e vai à cozinha.

— A cobriu filho, diminuiu o ar? - Dona Carol falava com semblante de preocupação, olhando para Rafael, aflita.

— Cobri mãe, a porta da varanda esta aberta, não precisa de ar a manhã esta fresca, bem, acho que vou dormir um pouco eu estou morto, agora que o susto passou e o sangue esfriou a fadiga me pegou.

Rafael segue em direção as escadas, realmente a madrugada de sábado foi longa para todos, ninguém havia dormindo e o cansaço estava no rosto e no corpo de todos.

Fernando esta na cozinha, sentado na ilha com um copo com água nas mãos, perdidos em seus pensamentos, essas últimas horas foram uma verdadeira batalha para ele, em menos de 24 horas ele conhece a mulher da sua vida e quase a perde, e se não bastasse ela pertence ao irmão, ele ri..."Caralho eu estou fodido, quando iria imaginar que um dia amaria perdidamente a namorada do meu próprio irmão, ela foge a todas as minhas regras... É mais nova que eu, inocente, ingênua, merda! É Fernando você esta numa grande encrenca”

Não sabe ele que é apenas o início da guerra, muitas batalhas virão entre ele, Ana e Rafael. Ele bebe a água e volta à sala, resolve subir para tomar um banho e dormir um pouco lembra que passou a madrugada inteira lutando contra o medo e não fodendo como sempre faz quase todas às madrugadas, quando chega à porta do quarto da Ana algo o faz parar, ele ouve um barulho, parece um choro ou gemido, ele resolve entrar, se aproxima da cama, ela esta inquieta se mexendo, ele senta na beira e a observa, percebe que ela segura a cabeça, acha que é o travesseiro que a esta machucando, Raymundo falou que ela estava com um trauma e que iria doer um pouco, ele tenta consertar o travesseiro com cuidado pra não acordá la, Ana chama o nome dele e abre os olhos lentamente.

— Fernando! — Ela fala suavemente ainda sonolenta e os olhos semi-serrados.

— Como soube que sou eu? - Ele tira uma mecha do cabelo que estava nos olhos dela, e alisa sua cabeça, percebe o galo que formou com a queda, era enorme!

— Ele pergunta: — Está doendo muito?- Aponta para o local machucado.

— Está minha cabeça toda doí, parece que vai explodir. - Ela diz fazendo careta.

— Sabia que era você pelo seu cheiro, o seu perfume.

Ele ri e faz carinho no rosto dela.

— Já me conhece pelo cheiro? Não sou o único que uso este perfume. -  Fernando cheira a camisa olhando para ela.

— É o único que eu conheço. - Responde ela tentando sorrir, mas a dor é maior que a vontade de rir. Fernando percebe e segura o queixo dela com a mão.

— Esta doendo tanto assim?- Ela assentiu e põe a mão na cabeça. Ele se aproxima a segura pelos ombros a levanta, pega um travesseiro coloca na cabeceira da cama e se encosta, pega ela e a coloca encostada ao seu peito, envolve seu braço ao redor dela e com a outra mão começa a fazer cafuné no local dolorido ela se aconchega mais e passa o braço em torno dele, em questão de segundos ela dorme, más ele não...

“Deus! Estou no céu com um anjo nos braços, nunca me senti tão bem com alguém assim, Deus! O Senhor poderia destruir o mundo agora eu não iria me importar, Deus isso é amor? Se não for, me diz o que é, porque é muito bom o que estou sentindo, tenho vontade de protegê-la, mima-la, cobri-la de carinho, beijos... Deus o Senhor me sacaneou, manda uma mulher pra dois homens, porra isso não se faz”.

Fernando fica um bom tempo com ela nos braços, enfia seu rosto nos cabelos dela inspira fortemente o cheiro deles, faz carinho nos seus braços no rosto, levanta-se bem devagar a coloca deitada nos travesseiros se ajoelha e a beija nos lábios o inicio é suave depois ele exige um pouco mais, de alguma forma ela retribui, ele arruma as cobertas certifica-se que ela esta dormindo e vai para o seu quarto. Fernando chega a seu quarto muito excitado, quando ele fica assim nem masturbação resolve, ele é um homem sexual, movido pelo prazer e ativo, adora fazer sexo, não tem um dia que não fique sem pratica-lo, estava entrando em combustão por falta dele e quando ficava perto da Ana é como se seu corpo e mente acelerasse tão rápido que sua necessidade por ela se transformava em desespero, ele precisava urgentemente de diversão... Pegou o celular e começou a verificar a agenda, encontrou um numero que o interessou.

— Alô! Elisa? Aguardou a resposta e continuou. - Tudo bem? Sabe quem está falando princesa? A linha fica muda por alguns segundos, ele se antecipa e diz. – Elisa, já me esqueceu, poxa princesa magoou! Fernando! Lembra? Ela ri do outro lado da linha, respira fundo e fala:

— Quem é vivo sempre aparece, onde andava, liguei várias vezes para o outro número, mas dava número inexistente, ai encontrei a Nanda e ela me disse que você foi fazer a Pós fora da capital. Ela az uma pausa à resposta de Fernando.

— Pois é não deu pra avisar, mas estou de volta e você foi a primeira pessoa que pensei em ver, quer jantar comigo hoje e depois dançar um pouco? Pego você as 19hrs em sua casa, ok? Ele espera, já estava procurando outro numero na agenda caso ela quisesse bancar a difícil.

— Humm! Não sei... Ok! Sabe ainda onde moro? Ela provoca Fernando. - E ele diz o endereço dela completa e desliga.

Pronto o encontro foi arranjando, Fernando vai para o banho já pensando em todas as sacanagens que iria fazer, deita-se na cama nu, e acerta o relógio para despertar, precisa descansar um pouco recuperar as energias, pois a noite promete. Fernando acorda às 18hrs veste-se, pegou a carteira as chaves do carro e desceu. A casa esta um grande silêncio, já, já eles acordam Fernando sair às pressas, pois não quer dar explicações a ninguém.





❤❤FerAna❤❤


Bjos..... 💋💋💋💋💋💋

Continua.... 😍😍😘😘😘😘



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...