História Coração Dividido - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Meu Coração é Teu
Personagens Ana Leal, Fernando Lascuráin Borbolla
Exibições 16
Palavras 1.407
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Droubble, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Visual Novel
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Capítulo 6


Na saída Fernando encontra o Rafael, ele o olha como se quisesse o espancar, o ciúme esta gritando.

— O que você estava fazendo no quarto da Ana? “Merda o que o Fernando quer no quarto dela, caramba não quero ele junto dela, ele conquista qualquer mulher que quer, se ele... Juro que mato o Fernando se ele tocar um dedo nela! Ele que não se atreva”.

- Responde Fernando o que foi fazer no quarto da Ana?

— Não é da sua conta! Pergunte a ela! Se preocupe não irmão, não vou roubar sua namorada no dia do seu aniversário. Fica frio. “Caralho era só o que me faltava dar explicação dos meus passos para o Rafael, ele que tome conta direito do que é dele, porque se ela fosse minha com certeza ele não chegaria perto”.

Fernando caminha em direção ao seu quarto batendo a porta atrás de si. Rafael entra no quarto onde Ana esta, ela estava sentada, pensativa "O que será que aconteceu aqui"

– Oi! Você esta melhor? Sente alguma dor? Ela olha pra ele, um olhar distante como se estivesse confusa.

— Rafael! Abraça-me! Ela pede quase suplicando, os olhos cheios de lágrimas quando ele vê aquilo se joga no chão e a agarra, aperta ela, a segura pelos cabelos forçando-a a olhar para ele, seus olhos tinham lágrimas teimosas querendo escorregar pela sua face uma conseguiu escapar, automaticamente ele passa seus dedos na face dela a lágrima depois outra e outra, ele fica encarando ela, a respiração deles acelera, ele a sente tremer, ele solta seus cabelos e a segura pelo rosto com as duas mãos aproxima-se lentamente sem tirar os olhos dos dela, sente o hálito dela, passa a língua em seus lábios, ela fecha os olhos e abre os lábios um pouco mais, ele encosta sua boca na dela, ela treme com seu toque, fica tensa, ela se afasta um pouco e o olha.

– Preciso te dizer uma coisa, antes que me beije... Ela não sabe como dizer aquilo a ele, mas tinha que contar. Ela fica vermelha e começa a gaguejar.

– Tudo bem Ana se não quiser vou entender, fui com muita pressa posso ser mais lento se quiser, já esperei tanto por isso posso esperar um pouco mais isso só vai me fazer te querer ainda mais.

– Não Rafael não é nada disso, me abraça, preciso de coragem, eu também quero.

– Ana! Olha pra mim. Rafael a pega pelo queixo e a força olhar nos fundo dos olhos dele

– Seja o que for pode me contar. Ele percebe que ela esta muito nervosa, beija sua testa, as maças do rosto a ponta do nariz o queixo e seus lábios, ela suspira fundo e o afasta um pouco.

– Rafael, não pense mal de mim... Ela reluta um pouco e despeja o verbo. – É que, que eu não sei beijar pronto falei, nunca beijei um rapaz na vida, não sei como faz se coloco a língua, se chupo se mordo, ficava com vergonha de perguntar as minhas amigas e isso não é coisa que se aprende nos livros nem na aula. Não ri de mim, por favor, só me ensina a bei...

Rafael não a deixa terminar a frase, a agarra pelo pescoço e prende a sua boca na sua, foi um beijo com força com vontade, com posse, ele a obriga a abrir os lábios fazendo sua língua entrar em sua boca, queria que ela sentisse seu gosto, procura sua língua e a suga, chupando com força, fazendo suas línguas dançarem em suas bocas, ele massageava a sua nuca apertando seus cabelos e puxando um pouco, continua saboreando a língua dela depois desenha seus lábios com sua língua, ela estava tensa, mas aos pouco foi se soltando entregou sua boca a ele e começou a fazer a mesma coisa, de repente ela voou no pescoço dele e o abraçou tão forte que Rafael engasgou, caíram no chão ele a segurou firme e ela sentou em seu colo com as pernas abertas ele sentiu sua umidade, ela o apertava puxava os seus cabelos mordia seus lábios chupava sua língua, Rafael  fica louco com aquela pequena menina-mulher em seu colo, ele passa o inferno pra não chegar à loucura e não arrancar a roupa dela e beija-la por inteiro seu membro latejava em sua calça, ela se esfrega, aperta ele o lambe passa a mão no seu corpo, peito, abdômen, ele fica louco com aquela mãozinha quente gostosa, foram minutos intermináveis, eles ficam ofegantes, ele já não consegue se segurar queria ela precisava dela, foi quando sem querer ele segura a mão dela machucada, ela grita...

– Ai, ai, ai! Jesus isso dói. Ana pula do colo do Rafael segurando a mão machucada.

– Poxa Ana desculpe! Foi sem querer, foi minha fome por você, caramba me deixa ver.

Ele pega a sua mão machucada percebe que esta sangrando, começa a soprar a beijar como se isso fosse resolver a dor que ela esta sentindo.

– Vamos ter que remover este curativo e fazer outro, esse está muito ensanguentado, fique aqui paradinha vou buscar a caixa de primeiro socorros no quarto dos meus pais. Rafael sai correndo.

Poxa fui salva pelo gongo, se ele não tivesse batido em minha mão há essa hora já teria feito uma loucura, n-o-s-s-a que beijo, que mãos, que homem... Deixou-me de calcinha molhada, coração na boca. Não demora muito Rafael volta com caixa de medicamentos, limpa o machucado faz um curativo novo.

Merda... Que loucura foi aquela, quase faço uma doideira, Ana a senhorita tem o dom de me tirar o juízo, eu estou duro até. Rafael vai direto para o chuveiro, arruma-se o mais rápido possível, ele ouve sua mãe o chamando da porta do quarto, ele coloca uma calça jeans escura uma camisa de mangas compridas verde bem clara com uns quadriculados bem leves cinza, um sapa tênis, passa um pente no cabelo e um pouco de perfume 212 Sex Man da Caroline Herrera, ele adora esse perfume, tudo certo, agora vai ao encontro com a mulher da sua vida. Ele vai direto ao quarto dela, bate na porta e sua mãe aparece.

– Epa moço! Pode dar meia volta ela esta se arrumando espera lá embaixo, descemos já. Com Dona Coral não tinha conversa, ele da meia volta e desce as escadas, foi espera-las na sala junto com seu pai e o Fernando.

Fernando parece agitado, nervoso, alguma coisa esta o atormentando. Rafael conhece muito bem seu irmão, ele esta lutando contra algum fantasma, Fernando sempre foi um mistério. Por detrás daquela alegria tão evidente e as conquistas amorosas existe um homem buscando ou fugindo de algo que ele tem medo de conhecer. Fernando  sai em direção à porta da frente. Vozes são ouvidas vindas da parte de cima da casa, e quando Rafael olha na direção das vozes, fica paralisado, Ana vem descendo as escadas junto com sua mãe em um vestido longo amarelo claro justo até a cintura e solto nos quadris com aplicação de renda na parte superior deixando a mostra sutilmente o decote dos seios pontos de luzes terminava a delicadeza do vestido, ela estava m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a Rafael ouve a voz do seu pai tirando-o do seu transe.

– Minha nossa! Hoje terei trabalho em dobro, como vou espantar um monte de babões pra longe de vocês duas? Parecem mãe e filha, Ana se tivesse tido uma filha gostaria que fosse parecida com você.

Pedro vira-se pra porta, ele ouve a voz do Fernando, o Rafael  também se vira e não gosto nada do que ouve.

– Não sabia que a perfeição poderia ser aperfeiçoada! Enganei-me... Quando vi hoje o canteiro de flores amarelas no jardim, achei parecido com algo que naquele momento não lembrava, mas agora vendo você, lembrei... Ofereço-me papai, para ajuda-lo a espantar todos os babões, e se me permitir senhorita linda quero uma dança no mínimo com você. “Caralho quero você, não a dança, quero sentir esse cheiro de flor que você tem bem perto do meu corpo”.

Ana fica ali parada ouvindo todos aqueles elogios, não estava acostumada aquilo, três homens lindos a olhando e dois que ela desejava sem conseguir explicar o turbilhão de sentimentos que estava sentindo.

– Gente é só um vestido e um pouco de maquiagem, continua sendo eu a “Ana” não precisa isso tudo, vocês estão me deixando sem jeito. Ela sorri, segura o braço da Carol e as duas vão em direção à porta de saída.







         ❤❤FerAna❤❤

Continua...... 😘😘😘😘😘😘

Bjos... 💋💋💋💋💋💋💋



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...