História Coração Fantasma - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), VIXX
Tags Bts, Drama, Fantasmas, Incesto, Sobrenatural, Vixx
Exibições 8
Palavras 732
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Perdoem qualquer erro, o capítulo etá mais curto e estou adicionando pelo celular.. tá embaçado o.o*

Capítulo 5 - Ligação


O dia passou até devagar demais para os dois, porém se mantiveram em silêncio sobre qualquer coisa enquanto a polícia não chegava, Sakura tentou optar por uma ambulância, mas deixou que o irmão decidisse dessa vez.

Era quase meio dia e Sakura ainda estava trancada no quarto, distraída com a luz fraca que entrava pela janela. O dia anterior fora tão quente que a mudança brusca de tempo era estranha. Tahyung entrou no quarto devagar para não assustá-la e fechou a porta sem dizer nada.

Ao mesmo tempo que Tae abriu a porta Sakura sentiu uma brisa extremamente gelada passar por si a arrepiando completamente, mas Taehyung não sentia nada.

-O que foi isso?! -O vento gelado pareceu permanecer ao redor dela e uma mísera voz alcançou seus ouvidos, falando de modo quase inaudível ”Ajude-nos".

-O que foi o que?

-Quieto! Ouviu isso?

A voz parecia gritar como se estivesse a quilômetros de distância, o som era quase sufocado. Taehyung franziu o cenho e segurou o riso.

-Você está ouvindo coisas? Está tudo bem mesmo?

-Droga Taehyung! Eu tenho certeza que ouvi alguma coisa, está frio aqui... Parece que algo passou por mim.

O mais velho revirava os olhos e ia até ela a abraçando, não precisava ouvir outro pequeno surto agora que estavam a alguns passos de ficarem livres.

-Você está nervosa, eu sei, mas tente pensar em outra coisa, ignore essas sensações que elas passam.

-É isso que você sempre diz, eu sonhei que vi um fantasma ontem e agora isso e... -Antes que ela pudesse continuar o irmão a jogava na cama e começava uma série de cócegas.

-Vamos ver se você melhora agora!

-NÃO TAE ISSO É ROUBADA! PARA!

Ela começou uma crise de riso e dava socos no ar tentando livrar-se das mãos dele, Taehyung sorriu quadrado ao vê-la rir e continuou com as cócegas até que ela estivesse exausta.

-Eu já disse que odeio isso. -Mesmo depois de recuperar o fôlego ela ainda ria gostosamente.

-Mas você já está bem sorridente, aposto que não aguenta outra rodada!

-Ora seu... -A moça partiu para cima dele com as mãos fechadas, porém estava quase na beirada da cama e desequilibrou-se caindo por cima dele no chão. Os rostos ficavam absurdamente próximos e Taehyung viu-se novamente com o olhar preso a ela. Um mínimo soprar selaria os lábios de ambos, por alguma razão que ele não queria contestar sentiu vontade de o fazer.

-Ah, desculpe, eu ia só... -Um barulho vindo do andar de baixo os fazia perder o assunto para o alívio do mais velho. A polícia havia chego.

Estavam quase lá. Imaginavam que poderia ser mais complicado, mas o máximo que precisaram fazer foi escutar os insultos do pai enquanto ele era levado à viatura. Tinham que responder várias perguntas ainda.

O telefone fixo, quase nunca usado, tocava do nada assustando Sakura, o irmão se dispunha a atender enquanto ela conversava com uma policial sobre os crimes de seu pai.

-Alô?

-Oi, Kim Taehyung está?

-Sou eu, o que quer?

-Sou eu Tae, seu primo, disse que precisava falar comigo lembra-se?

-Ah, oi Nam, obrigado por ligar é que eu perdi aquele celular, se importa de passar aqui mais tarde?

-Hoje eu não poderei sair, seria mais fácil você vir, ainda se lembra o caminho?

-Tae, acho que precisamos ir à delegacia, com quem está falando? -Sakura na verdade sabia que era com o primo, duas semanas antes tiveram que se virar para conseguir um celular descartável e conseguir falar com ele.

-Aliás, agora não é um bom momento, estou resolvendo aquele problema, amanhã podemos ir eu e a Sa?

-Claro que podem, está tudo bem mesmo? Parece que está nervoso.

-Na verdade sim, ainda vamos ligar para umas pessoas e até amanhã nos livramos dele. -Fitou os olhos de Sakura recebendo um olhar triste, mas não se importou. Depois de mais algumas palavras ele desligava e saía junto dela e dos policiais.

Se tudo desse certo como queriam, em poucos dias não voltariam mais àquela casa. Porém, no instante que Sakura fechou a porta o vento gelado voltava.

"Ajude-nos, ele vai destruir todos nós... Ajude-nos".

A voz soou rouca e lamentável, mas como um mísero sussurro que apenas Sakura ouviu e novamente o frio a arrepiava.

"O que está havendo comigo? Ajudar quem? Eu devo estar louca, só pode". -Por fim ignorou e seguiu o irmão.


Notas Finais


Oq estão achando? Estão gostando? Comentem e deixem suas opiniões (^.^)√s2

E então? Como anda esse mistério? Quem está falando com Sakura? Quais suas teorias até o momento?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...