História Coração Por Coração - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Colegial, Drama, Original, Romance, Suspense
Visualizações 112
Palavras 2.604
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 24 - O impacto


Estava diante de fazer uma escolha que sabia que mudaria toda a minha vida, mas nada mais me importava, somente a sede de vingança. Depois da ligação de Matt, simplesmente desliguei o celular e voltei para a sala. Chris estava jogado no sofá, porém quando me viu sentou-se rapidamente.

– Quem era no telefone? – ele perguntou.

– Não é da sua conta.

Grossa. – sussurrou.

– O que você disse?

– Nada. – levantou as mãos em gesto de rendição.

– Então vamos à casa de Joshua agora mesmo, não podemos perder tempo.

– Não acredito que interrompeu meu sexo e ainda quer me tirar de casa com duas gostosas no meu quarto.

– Você faz sexo depois.

– Com você? Eu topo!

– Cala a boca. Isso é sério, preciso achar o assassino.

– Eu já disse que vou te ajudar, mas uma recompensa até que seria legal.

– Pode deixar, sua recompensa será um chute.

– Caramba Samantha, está me dando só fora em. Se continuar assim eu não te ajudo.

– Então tchau. – levantei começando a andar em direção a porta quando ele segurou meu braço.

– Relaxa aí marrentinha, vou te ajudar. Somos amigos.

– Nós não...

– Cala a boca. Eu vou ir lá em cima mandar as meninas irem embora e já desço.

Antes que eu pudesse responder ele saiu correndo subindo as escadas. Estava na hora do assassino receber tudo aquilo que merecia. Chris desceu abraçado com as duas garotas – de programa, eu imagino – e eu saí de sua casa, parando ao lado de seu carro. Ele se despediu e deu dinheiro a elas que logo depois seguiram seu caminho.

– Não imaginei que fosse do tipo que chama garotas de programa. As coisas estão tão ruins assim para você? – perguntei assim que entramos no carro.

– Vê se não me zoa. Não me amarro em ninguém, isso é perda de tempo.

– Concordo plenamente.

– Não venha com essa Sam, eu sei que você é apaixonada pelo Evan. Todo mundo sabe.

– Está enganado, o Evan é só mais um o qual não quero perder tempo.

– Isso é o que você diz. Você pode até enganar a todo mundo, mas você não engana seu coração e nós dois sabemos quem ele quer.

Fiquei calada e virei a cabeça para a janela, encarando a rua. Talvez ele estivesse certo, mas o meu coração só havia me colocado em roubadas e ouvir ele, causaria minha total destruição.

O carro parou e nós saímos, parando em frente à casa de Joshua. Uma casa grande de dois andares, com as paredes brancas e umas janelas na parte de cima ocupadas com vasos de flores. Na parte de baixo somente uma porta e uma estrada de pedras que levava a tal. Um lindo jardim de dar inveja a qualquer um, com diversos tipos de flores e por volta da casa uma cerca também branca.

Assim que bati na porta, uma menina aparentando ter minha idade abriu a porta. Magra, olhos verdes, cabelo cacheado curto e um pouco mais alta que eu.

– Podemos falar com o Joshua? – Christian perguntou.

– Quem são vocês? – ela perguntou fechando a porta atrás de si.

– Somos amigos dele. – forcei um sorriso.

– Desculpem, os amigos de Joshua estão trabalhando. O que querem?

– Eu sou amiga dele, pode ir chama-lo, diga que é a Samantha.

– Samantha? – arregalou os olhos.

– Isso mesmo, por que?

– Se eu soubesse que era você já tinha te mandado entrar faz tempo. A propósito, me chame de Ca. – ela fez um gesto para que a seguíssemos.

Entramos na casa e a única coisa que consegui reparar foram as inúmeras pessoas correndo de um lado para o outro, antes que Ca me puxasse brutalmente para um escritório provavelmente de Joshua.

– Vou chama-lo, esperem aqui. – saiu e fechou a porta.

– Isso está me cheirando a encrenca, eu notei os seguranças escondidos e armados.

– E quem disse que eu vim despreparada? Tem uma arma presa na minha cintura e alguns desses seguranças armados eu contratei.

Mentira! – ele pareceu surpreso.

– E por que eu mentiria? Agora fique quieto, estão abrindo a porta.

A porta abriu-se completamente e Joshua – que estava de boné – nos chamou fazendo um sinal com a mão. Logo após sentou-se em sua poltrona que se encontrava em nossa frente e colocou os pés em cima da mesa.

– Ao que devo a honra dessa visita? Resolveu se entregar querida Samantha? – tirou o boné revelando seu cabelo um pouco bagunçado.

– Nunca, vim atrás de respostas e você me dará.

– Está brincando né? Acha mesmo que vou te contar alguma coisa? – ele gargalhou.

Peguei o celular e enviei uma mensagem para o chefe dos seguranças que estava dentro da casa. Não demorou muito e eles entraram no lugar, trancando a porta.

– O que estão fazendo aqui? Vão vigiar a casa. – Ca falou repreendendo-os.

O mais forte me encarou e eu assenti dando permissão. Então, ele puxou uma arma de sua cintura e apontou para a garota que se assustou.

– Ei, nem pense nisso ou você morre. – Joshua tentou ir para perto deles e eu entrei em sua frente.

– Então querido Josh... Vai ser do jeito fácil ou do difícil? – perguntei o mesmo que ele havia me perguntado naquela noite.

– Você não faria nada comigo, porque sempre me considerará um amigo. Sempre foi muito bobinha Sam. – ele se gabou.

– É aí que você se engana. Chris! – o chamei e ele veio parando ao meu lado. – segure-o com muita força.

Ele ficou com certa dúvida, mas lancei meu olhar de furiosa para ele e então, sem pestanejar, segurou Josh por trás, fazendo-o sentar novamente na poltrona, quando o mesmo tentou levantar.

– Se gritar, aquele cara ali vai atirar na testa da Ca e depois atirar em você. Então é melhor cooperar. Onde está ele? Quem está por trás disso tudo?

– Não vou dizer, você não é capaz de me machucar. – ainda duvidando de minha palavra, tentava se soltar a todo custo.

Vi uma faca na mesa e a peguei, segurando firme. Sorri e então me aproximei dele, fazendo carinho no seu rosto e segurando a faca firme, enfiei-a perna de Joshua, que gritou ao sentir a lâmina atravessar sua pele. Vi o sangue logo começar a escorrer e continuei segurando a faca, pressionando-a cada vez mais e tentando girá-la dentro da perna dele, o que só causava mais gritos de dor.

– Agora diga ou farei pior. – sentei-me à mesa esperando uma resposta enquanto Chris ainda o segurava.

– Eu não sei quem ele é. – Josh disse entre dentes.

– Vai continuar com esse joguinho?

– Eu juro que não sei! Mas acho que sei onde ele está.

– Então me diz.

Não! Se quiser eu vou com você. Também quero saber quem é ele e acabar com tudo isso de uma vez por todas. Ou eu vou e você acaba logo com isso ou então me mata e nunca o encontrará.

Sabia que seria arriscado, mas eu precisava achar a pessoa por trás daquilo tudo e pôr um fim de uma vez por todas naquela história. Concordei com a cabeça e mandei Chris soltá-lo. Joshua arrancou rapidamente a faca de sua perna colocando-a em cima da mesa.

– Não tente nenhuma gracinha ou eu mato sua irmã.

– Como sabe que a Ca é minha irmã?

– Eu não sou burra. Por isso, ela ficará aqui com todos os meus homens vigiando-a. Qualquer passo em falso e ela morre. Você me entendeu Joshua? – inclinei-me para perto de si.

– Perfeitamente. – rosnou.

Meu celular tocou e eu me assustei com o mesmo vibrando em meu bolso. Levei a mão até lá e retirei-o, andando para longe de todos e atendendo.

Graças a Deus você atendeu! – era Brian.

– O que quer?

Sam, eu preciso muito conversar com você.

– Eu estou ocupada, pode deixar para depois.

Você não entende, é importante. Tem a ver com os nossos pais e você. – bufou.

– Eu já disse para deixar isso para depois, estou resolvendo algo sério.

Mas eu não quero que resolva nada, quero que venha para casa e pare de palhaçada. Está agindo como uma criança mimada.

– Você que está sendo mimado, não irei para casa só porque quer. Olha Brian, não estou afim de discutir. Quando eu chegar, poderá falar comigo. Tchau. – desliguei antes dele dizer algo.

Chris me chamou e eu caminhei em sua direção segurando em seu braço e o acompanhando para fora do escritório. A caçada iria começar e não importavam as consequências, eu iria até o fim para alcançar meu objetivo.

 

Evan

– Essa é a nossa casa, você gostou? – Agatha perguntou enquanto segurava minha mão arrastando-me para ver todos os cômodos.

Já estava de saco cheio daquilo, nunca pensei em morar um dia com Agatha, mas Lucas tinha razão, precisava investigar mais a fundo as coisas, já que Agatha era mesmo irmã de quem estava por trás daquilo tudo. Às vezes, ela se permitia ser gentil, mostrava seu lado doce, mas então pensava um pouco e com a expressão triste, voltava a agir do jeito de sempre. Ela havia me confessado da falsa gravidez, fiquei com um ódio incontrolável, mas Chris me convenceu por telefone a continuar com o plano e ficar com ela para descobrir mais coisas.

Tomei um susto quando ela gritou meu nome e apenas arregalei os olhos.

– Você nem estava prestando atenção em mim. – reclamou.

– Me desculpe, estava pensando em umas coisas.

– Em umas coisas ou na Samantha?

– Estava pensando em você e em como tudo tem dado certo. – segurei sua mão forçando o meu melhor sorriso.

– Pois é, eu estou adorando ficar com você o tempo todo, sem toda aquela gente atrapalhando. Por isso, eu queria selar isso para sempre.

– Como assim?

– Evan, você quer casar comigo?

Minha feição foi completamente de surpresa. Casar? Não era o que eu pretendia para mim, muito menos com Agatha. Ela era sim uma boa pessoa às vezes, ou pelo menos naquele momento era, mas casar era uma decisão séria e que devia ser tomada depois de um longo período. Eu amava a Sam, mesmo ela estando insuportável. Era com ela que eu queria ficar.

– Agatha, estamos juntos faz pouco tempo, casar agora seria loucura.

– E por que? Evan, nós estamos namorando e uma hora isso irá acontecer, por que não agora?

– Você me dá um tempo para pensar?

– Tem até amanhã para tomar uma decisão. Eu amo você e quero ficar contigo para sempre.

Beijei sua testa e ela sorriu torto, indo conversar com o dono da casa. Peguei o celular e disquei o número de Samantha. Depois de tanto tempo sem ouvir aquela voz, me encontrei nervoso com a reação que ela teria ao receber uma ligação minha. Eu podia muito bem fingir me casar com Agatha, minha condição seria saber quem era seu irmão antes de chegarmos na igreja e assim, descobrindo tudo, poderia contar a verdade para todos, incluindo a polícia e de uma vez por todas acabar com aquilo, mas antes de jogar tudo para o alto me arriscando desse jeito, precisava saber se minha Sam ainda me amava e me queria por perto. Porque se ela quisesse, eu largaria tudo e voltaria para ela, sem me importar com as consequências. Acharíamos um jeito de pegar o assassino juntos e sem prejudicar talvez o nosso relacionamento conturbado.

Alô? – ouvir aquela voz fez meu corpo todo estremecer.

– Sa-am? – quase não consegui falar.

Evan? Por que está me ligando?

– Eu preciso saber se você ainda me ama. Seja sincera e diga a verdade. Se disser que me ama eu volto e ficaremos juntos, acharemos uma solução. Mas se disser que não me ama, então eu não volto.

Uma longa pausa. Ela não disse nada e nem eu mais. Aquele silêncio estava me matando. Isso significava que ela ainda me amava e que queria ficar comigo ou significava que cansou de mim? Estava ficando louco sem a resposta, quando finalmente a ouvi suspirar e tive sua resposta.

Eu não te amo mais. – a ouvir dizer aquilo me destruiu. Já podia sentir meu coração apertando-se. Mas eu seria forte, não a deixaria me ouvir chorar como um fraco por mais que por dentro eu estivesse totalmente acabado.

– Então eu já sei que decisão tomar. – desliguei o celular e limpei qualquer lágrima que ousasse querer escorrer. Então seria isso. Eu a livraria do seu maior mal: o assassino, mesmo que no caminho para isso eu morra ou fique preso a Agatha para sempre. Caminhei até Agatha que me encarava confusa e lhe dei uma resposta. – Eu caso.

 

Samantha

Mais duas semanas haviam se passado desde que Evan havia me ligado. Não sabia ao certo o que sentir, mas dizer que não o amava mais me pareceu o certo, mesmo me sentindo estranha. Chris conseguiu rastrear onde aparentemente o assassino estava e Joshua tinha sido muito útil, afinal se ele não fosse, a querida irmã dele morreria. Todo o esquema já estava pronto e viajaríamos na semana que vem para onde o assassino se escondia e eu mal podia esperar... Ele não poderia desconfiar de nada.

Estava deitada na cama assistindo TV enquanto devorava um pote de sorvete sozinha quando a porta do quarto se abriu, revelando ser Brian.

– Oi, entra maninho. – sorri e sentei.

– Comeu o sorvete todo e nem deixou para mim né? – ele se sentou ao meu lado.

– Se quiser, eu vomito tudo e aí você come.

– Deixa de ser porca. – riu.

– Você tem me ajudado muito sabia?

– Eu sei, sou seu irmão mais velho, estou aqui para isso. E quando é que vai voltar a ser como era com seus amigos?

– Nunca, eu não vou ficar vulnerável de novo.

– E o Evan? – ouvir o nome dele mexeu comigo causando-me desconforto, meu coração batia tão forte que tive até a impressão de Brian poder ouvir.

– O que tem ele?

– Nada, só achei estranho não estarem se falando.

– Ele foi embora.

– Ah. – pareceu pensativo por um tempo. – De qualquer forma, eu vou estar aqui do seu lado sempre e irei te apoiar seja qual for sua decisão.

– Brian?

– Eu.

– O que tanto queria conversar naquele dia e até agora não me contou?

– Ah, isso... – ele fez uma cara estranha e riu nervoso. – Não é nada que importe. – beijou minha bochecha logo após saindo do quarto.

Respirei fundo umas três vezes enquanto andava de um lado para o outro dentro do quarto. E se ele estivesse certo? E se eu devesse abandonar a pose de durona e voltar ao ser o que era? E se eu contasse para o Evan que o amava mais do que tudo e que precisava dele comigo? Será que ele iria abandonar tudo para ficar comigo mesmo eu tendo mudado? Olhar o celular em cima da cama estava me torturando e quando finalmente o peguei, Margarida – a nova empregada já idosa – bateu na porta colocando a cabeça para dentro do quarto.

– Com licença senhorita White, chegou uma carta.

– É para mim?

Ela assentiu e eu dei permissão para que ela entrasse, fazendo isto, Margarida entregou a carta em minha mão e eu agradeci, esperando que ela saísse do quarto.

 

“É com grande prazer que lhe convidamos para o nosso casamento. O endereço, data e o horário se encontram abaixo. Contamos com sua presença. Dos noivos: Evan Miller e Agatha Fernandez.”

 

Deixei que o convite escorregasse de minhas mãos e fosse até o chão. Sentei na cama ainda tonta com o que acabara de ler e deixei as lágrimas escorrerem livremente pelo meu rosto. O celular apitou avisando que uma nova mensagem havia chegado.

 

“Querida Samantha, como eu disse: toda escolha tem uma consequência. Algumas maiores que as outras, algumas mais drásticas que as outras. Tudo o que você fez apenas te trouxe pelo caminho mais difícil até mim, mas te trouxe até mim de qualquer maneira.”


Notas Finais


Oi gente!!! Eu sumi por MUITO TEMPO, eu sei disso. Havia perdido a senha da minha conta e como achava que ninguém estava lendo essa história, deixei pra lá. Ontem que fui entrar e vi que tinha sim gente lendo e eu sem querer acabei deixando vocês na mão, mil desculpas! Como estão? Ah eu mudei muita coisa na história, tirei cena, acrescentei cena, então se estiverem meio perdidos, recomendo que leiam tudo de novo ou pelo menos o capítulo anterior, pra se lembrarem do que rolou. Não esquece de deixar seu comentário com sua opinião dizendo o que está achando dos acontecimentos do capítulo. Um grande beijo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...