História Cores


Escrita por: ~


Sinopse:
[VIOLÊNCIA DOMÉSTICA] [SATANSOOCHALLENGE]

Nosso amor era representado em cores.
Iniciado
Atualizada
Idioma Português
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Originais, Satansoochallenge, Violencia
Exibições 55
Comentários 1
Palavras 146
Terminada Sim

NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Lista de Capítulos

Capítulo
Palavras
1.
Ultraviolence
1
55
146

Gostou da História? Compartilhe!

Comentários em Destaque

Postado por ~jeonq
Capítulo 1 - Ultraviolence
Usuário: ~jeonq
Usuário
Estava eu e outro a discutir sobre a sua fanfic: "Romantiza ou não?"
E ninguém melhor pra me responder acerca da história se não o próprio autor.

Analisamos do princípio de romantizar que segundo os dicinários descreve-se como:
"Dar à expressão ou descrição de qualquer fato a forma e feição romântica; narrar à maneira de romance."
E chegamos à conclusão de que violência doméstica não é romantizada uma vez que o autor passa a ideia de que o amor já deixou de ser o que era e passou apenas a ser medo e dor, porque isso que acontece quando você ama alguém e ela passa a te agredir. Sua forma de sentir sobre a pessoa muda.

Nessa do amor deixar de ser o que era, disse-me: "Aí é que 'tá, mesmo depois de agredido, o narrador ainda chama de 'amor'."
Em sua perspectiva, a violência era romantizada porque em momento algum a personagem disse explícitamente que o amor havia desaparecido, o sentimento que ele descreve ao decorrer da história começa "amor" e termina "amor".

Porém, em meu ver e em sua defesa, eu interpretei de tal maneira:
"Nosso amor era como o vermelho vivo[...]representava o fogo, o perigo."
Além da relação começar aparentar-se perigoso para o narrador, a cor vermelha quente, vívida, capaz de transmitir não só sentimentos de amor e paixão como de terror. Seriam aí os primeiros indícios de que a protagonista sabia das condições violentas da segunda personagem.

"Logo nosso amor virou cinza, representando a amargura da sua alma e a tristeza do meu coração"
Os primeiros indícios de abuso se dão quando as cores figuradas passaram do 'vermelho vivo' para cinza; cor neutra associada à crueldade, morbidez, falta de caráter, etc. que acaba casando perfeitamente com a amargura da alma do que agride, além de ser uma cor diretamente ligada à /tristeza/.

"Então nosso amor virou roxo. [...] Representava as marcas, agora espalhadas por todo o meu corpo"
Roxo é uma cor fria, fazendo oposição com o calor do vermelho. A grande exposição à essa corpo pode causar melancolia e depressão e em alguns lugares roxo é cor de luto. Também há análises em cima do termo "violeta" que se assemelha à "violência" e que acredita-se ter surgido porque roxo era a cor da soberania, essa que utilizava da força contra o povo. Além de, certamente, como diz a própria história, remeter à hematomas, a dor e a própria agressão.

Além de que o cinza possúi variações como quente e frio, "cinza quente" puxa pro vermelho e "cinza frio" mais para o azul. Essa oscilação permite a interpretação de que os sentimentos eram quentes, tornaram-se neutros e, por fim, frios. Logo, com o perigo veio a tristeza e transformou-se em melancolia.

Com essa interpretação da história concluí: Não há romantização uma vez que a personagem usa o termo "amor" para mostrar essa transição entre os sentimentos que vão desenrolando durante a narração; para mostrar que o "amor" (entre aspas) deixou de ser o sentimento passional e passou a ser pura e simplesmente marcas e amargura, e não que continuou sendo o mesmo sentimento após uma série de abusos.

Deixo aqui as duas vertentes que uma única simples e curta narração desencadeou, deixando para que você corrija-me se errado em algum ponto ou acrescente acerca do próprio pensar ao escrever essa história.