História Correndo Perigo - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias NCT 127, NCT U
Personagens Doyoung, Jaehyun, Taeyong, Ten, Yuta
Tags Jaeyong, Nct, Yaoi, Yuten
Exibições 46
Palavras 1.732
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Escolar, Luta, Policial, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Beira da morte


Uma santa pessoa acaba entrando no banheiro, obrigando os dois a se separarem, Johnny mais uma vez... Parece que ele amava fazer esse tipo de interrupção.

Yuta não ligando para a presença do jovem, depositou um beijo na bochecha de Ten descendo até o pescoço deixando uma pitada de arrepio e vergonha ao mesmo tempo.

- Te vejo mais tarde. – Sussurrou o maior perto da orelha de Ten para depois sair do local.

O moreno ficou ali parado em transe tentando se recuperar, estava com aquela sensação de estar sonhando em um paraíso. Johnny ficou observando a cara de tacho que o outro fazia por um bom tempo.

- Hansol hyung não vai gostar nada disso. – Sem querer pensou alto fazendo Ten sair do transe rapidamente.

- Você conhece... – Johnny se aproximou de Ten o cortando. – Sim, eu sou irmão dele.

O menor se afastou impressionado com o que tinha escutado, até tentou limpar os ouvidos.

- Mas vocês não têm nada em comum...

O maior foi até a porta suspirando forte, olhou mais uma vez para Ten que o fitava sem entender nada até agora.

- Só um aviso, é melhor você ficar longe do Yuta. – Disse como últimas palavras já se retirando para voltar a curtir seu santo precioso intervalo.

 

---------

 

Jaehyun o olhou de cima para baixo seriamente, tirou a mão de Taeyong do seu braço, olhou para os lados percebendo que todos os olhavam achando que seria mais uma briga.

- Não brinca com a minha cara... – Disse em tom um pouco baixo para quem sempre estava de queixo erguido, ele se virou de cabeça um pouco baixa.

- Jaehyun... – O ruivo parou ainda de costas, Taeyong umedeceu os lábios colocando as mãos no bolso. – É sério...

Antes que Jaehyun pensasse em falar alguma coisa o som barulhento do sinal se faz presente, Johnny chama o ruivo para ir até a sala segurando a mão do mesmo enquanto olhava para Taeyong que sorria por algum motivo idiota.

- Você está bem? – Perguntou Ten se aproximando.

O platinado continuou sorrindo, eles então foram andando até o corredor. Ten o observou suspeitando de várias coisas.

- Taeyong, eu te conheço cara... – Parou em frente a ele com os braços cruzados. – Você estranhamente sempre sorri quando algo que te irrita acontece.

Olhou para baixo desmanchando o sorriso, fez um gesto negativo fazendo Ten ficar inconformado e ir direto para a sala. A aula não foi normal como todas as outras, muito pelo contrário. Manteve um clima tenso que todos estranhavam, Jaehyun ficou quieto duas aulas seguidas, o que sempre foi muito estranho. Taeyong não fazia mais piadinhas com qualquer coisa que a professora dizia, bem, não por muito tempo...

- Hum, será que o nerd ficou burro? – Perguntou em deboche, todos riram.

Porém, só foram risadas como resposta, Jaehyun não revidou nem sequer olhou para Taeyong o que o fez ter serias dúvidas. Décimos minutos se passaram, e a mesma coisa continuou, até a aula acabar.

Ten recebeu uma mensagem de Hansol para ir até um endereço que ele nunca tinha ouvido falar sozinho, os dois estranharam.

- O que será que ele quer comigo? – Perguntou olhando para o platinado um pouco preocupado.

- Deve ser algo que só você possa fazer. – Disse se afastando ainda achando estranho, mas ignorou tais pensamentos.

Ten então fez o que seu chefe pediu e foi até o local marcado, era um lugar isolado e abandonado.

Uma casa velha no meio de uma plantação que tinha perto de uma estrada, Ten desmontou de sua bicicleta entrando no local sentindo um frio na barriga.

Engoliu seco abrindo a porta que fazia um ruído no chão ecoando pelo lugar todo, quando deu seus primeiros passos escutou a voz do loiro, olhou em direção e ali estava ele... E o pior, Yuta estava ao lado dele amarrado em uma cadeira.

- Então, vamos direto ao assunto, meu caro? – Falava Hansol olhando para Yuta de relance.

Ten correu até Yuta tentando desamarrar a corda que prendia sua mão a cadeira, feito puxou ele para trás de si.

- O que você quer? – Cruzou os braços encarando Hansol, tinha um pouco de medo guardado dentro de si, não tinha entendido ainda o que Yuta estava fazendo aqui, e o que Hansol realmente queria.

- Ah, ainda não entendeu? – Apontou para Yuta que abaixou o olhar no mesmo instante. – É o seguinte, você se afastara dele... Vocês não podem ficar juntos, será que não entende isso, oras?! – Disse puxando Yuta pelo braço o afastando enquanto encarava Ten mais de perto.

- E por que eu teria que fazer isso? – Perguntou dando dois passos para trás se sentindo intimidado com o olhar que Hansol jogava sobre si.

- Porque, se você não fizer... – fez uma pausa indo até Yuta para alisar seu maxilar virando o rosto do mesmo para si. - Estará mortinho. – Falou baixinho observando Yuta franzir o cenho.

- Você não pode fazer isso, Hansol... Eu mandarei meu pai te prender, antes de qualquer coisa. Não pense que tem tanto poder! – Falou o japonês para depois cuspir na cara do loiro e sair de perto dele.

Hansol suspirou forte, pegando um lenço do bolso, limpou com certa indignação. Porém ainda tinha uma carta na manga, e ela seria impossível de Yuta revidar.

Soltou uma risada totalmente psicótica jogando o lenço no chão voltando a erguer o queixo.

- Não viu os jornais? Seu pai fugiu do Japão ele não poderá fazer nada por você. – Disse Hansol mais sério de uma hora para outra.

- É verdade, Yuta? – Perguntou Ten surpreso, não esperava isso de jeito nenhum.

- Ah, pior que é... – Disse com um olhar baixo, o moreno abraçou forte aquele ser frágil que agora chorava em silencio.

 

--------

 

Taeyong andava diretamente a sua casa relembrando de tudo que aconteceu essa manhã, até ver um carro conhecido na frente de sua humilde residência, ele adentra no lugar suspirando fraco até olhar para frente e ver Doyoung sentado no seu sofá o olhando com certa seriedade que batia medo só de ver.

- Taeyong-ssi, sente-se... Precisamos conversar. – Falou batendo fraco no espaço que sobrou do sofá.

O platinado o olhou sem entender, o que diabos esse cara queria logo na preciosa hora de almoço? No entanto, se sentiu forçado a sentar, então apenas o fez.

- Bem, se eu disser que seu amigo tem risco de morte hoje...

- O que?! – Taeyong interrompeu totalmente remorso.

- Calma, não quer dizer que ele irá, mas tem grandes chances... – Respondeu se levantando cruzando os braços pensativo.

- Hansol... Por que ele mataria...

- Hyungnim, sempre foi apaixonado por Yuta, e completamente doido... Seria capaz de fazer tudo só para tê-lo e como você sabe... – Doyoung o olhou fazendo um gesto de morte com a mão.

- Sim, agora entendi... Não podemos ficar parados aqui, aonde eles estão?! – Disse Taeyong se levantando com pressa e com uma aura totalmente sombria e furiosa.

Doyoung apenas concordou fazendo um gesto positivo com a cabeça, eles saíram de casa silenciosamente entrando no carro do maior.

Durante todo o percurso o platinado não parava quieto, esqueceu até de pôr o sinto, estava muito preocupado e se sentiria culpado se algo de ruim acontecesse.

- BOTA ESSA DESGRAMA DE CARRO PARA CORRER! SE O TEN MORRER A CULPA VAI SER SUA!!! – Falava totalmente nervoso olhando para Doyoung que rolava os olhos a cada surto.

- Calma, cara... Se eu bem conheço o Hansol, ele é o tipo de psicopata que vai ficar 2 horas falando de toda a raiva dele e explicando coisas do tipo. Paciência. – Falava um pouco mais calmo porem já estava quase dando a louca também.

Depois de décimos minutos brigando os dois finalmente chegam no local, Taeyong já desce fechando a porta fortemente para que todos ali escutem que ele chegou, pegou uma arma de seu bolso e escondeu atrás das costas, olhou para Doyoung fazendo o mesmo se arrepiar ao sentir o quanto ele estava sedento e furioso.

Os dois então entraram no local dando de cara com Hansol e Ten brigando e Yuta chorando, Taeyong limpou a garganta fazendo todos o olharem.

- Oras, olha quem chegou... Veio para presenciar a morte de seu amiguinho, meu caro? – Falou olhando para os dois que vinham se aproximar.

- Eu vim, presenciar a sua morte. – Respondeu Taeyong apontando a arma para Hansol. – Deixe eles irem. Agora!

Hansol riu alto apontando uma arma maior na cabeça de Ten, o clima foi ficando cada vez mais tenso juntamente com o platinado que já não raciocinava direito.

- Isso é só entre eu e Ten, vocês não têm que se meter! – Falou já se preparando para atirar.

- Para! Para, Hansol! – Gritava Yuta ao meio dos choros.

Até que nada convencia Hansol, parecia uma câmera lenta aos olhos de quem esteve por la. A bala foi saindo em direção ao alvo.

Doyoung sem pensar duas vezes entrou na frente de Ten rapidamente deixando a bala penetrar em sua barriga, o moreno assustado com o que acabou de presenciar segurou Doyoung em seus braços. Taeyong observou surpreso, a minutos antes tinha falado que a culpa seria do maior caso Ten morresse, e agora salvou a vida dele. Estava totalmente sem anexo de tudo que estava acontecendo. Não sabia como reagir...

- Por que?! – Gritou mais uma vez Yuta indignado com o que tinha acabado de ver, tirou o ruivo do colo de Ten o levando para fora de casa o mais rápido que pôde.

Pegou a chave no bolso de Doyoung e o deitou no banco de trás do carro, assim feito, deu partida acelerando com tudo.

- Eu te levarei no hospital, então aguente mais um pouco. – Falou olhando o ruivo pelo retrovisor.

Então ficaram só os 3 dentro da casa, Hansol também estava com raiva, mas era porque a bala não foi em Ten.

- Uma bala de graça, lamentável... – Disse coçando o cabelo.

- Seu monstro... Por que diabos eu não consigo atirar em você? – Resmungou Taeyong abaixando a arma. – Deve ser porque não sou um miserável, olha o que você está fazendo com a sua vida!

Hansol sorriu em deboche abaixando a arma também, até que mais um ruído de porta se faz presente. Todos olham em direção, e quem estava lá era logo Jaehyun, Taeyong o olhou estranhamente.

- Como você chegou até aqui?!


Notas Finais


Vish...
Postei antes do sabado devido o atraso da semana anterior
Ah, esqueci de falar aqui
Ando percebendo que ninguem está comentando, então caso tenha alguma critica algo do tipo, por favor apenas comente
Ficarei agradecida de recebe-la..
Até o proximo
bjs :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...