História Correndo Perigo - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Nathanaël, Nino, Nooroo, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Adrien, Adrinette, Alya, Alyno, Marinette, Miraculous, Nino, Plagg, Romance, Tikki
Visualizações 13
Palavras 2.469
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Fantasia, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Shoujo (Romântico), Steampunk, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - ARMAS


Fanfic / Fanfiction Correndo Perigo - Capítulo 3 - ARMAS

Depois de um tempo absorvendo toda aquela informação, Marinette e Alya, conversavam com suas kwamis, afinal elas seriam companheiras para o resto de suas vidas.

-Meninas, por favor.-Mestre Fu chamou a atenção das duas.- Para que vocês possam treinar, vamos lá pra fora.- Elas concordaram e foram todos para fora da casa, essa era muito simples e pequena, feita de pedras, madeira e palha. Não tinha nenhum tipo de metal ali.- Meninos mostrem como se faz.

-Plagg, transformar!

-Wayzz, transformar!

Falaram juntos, e logo em seguida seus kwamis, assim como os Miraculous, brilharam, Wayzz, que brilhava em verde, tomando um forma redonda e concava se anexou a pulseira de Nino, que estava no pulso esquerdo, quando o brilho parou, pode-se ver um escudo verde com desenhos que lembravam o casco de uma tartaruga. Já Plagg, que brilhava em preto, tomou forma de um bastão que se alinhou a sua mão direita onde estava o anel, quando parou de brilhar era mesmo um bastão preto com detalhes em verde.

-Hum, muito bem.- Diz Mestre Fu alisando a pequena barba.-Meninas, agora façam o mesmo, digam o nome de sua kwami e depois transformar.- As amigas bravamente consentiram, respiraram fundo e disseram uníssonas:

-Trixx, transformar.

-Tikki, transformar.

E elas brilharam em laranja e vermelho, respectivamente, a raposinha também tomou forma de um bastão só que mais fino, quando essa forma se aproximou do colar de Alya, parando de brilhar, viram uma flauta de bambu laranja. A joaninha se tornou uma forma redonda, parando bem em frente aos olhos de Marinette, quando o brilho cessou, dava para ver que eram um ioiô vermelho com 4 bolinhas pretas.

-Muito bem. Alya se você tocar sua flauta criará uma bola de explosão, quanto mais tempo ficar tocando maior será a bola, depois é só olhar para onde quer lançar que a bola de explosão iriá pra lá.

A morena assentiu, respirou fundo e tocou a flauta, e apesar de nunca ter feito aquilo, tocou com maestria, e logo uma esfera brilhante, pouco maior que uma bola de basquete, cresceu na ponta da flauta. Alya olhou para um parte do chão, do outro lada de onde estavam, e parou de tocar, como um meteoro a esfera foi para lá com velocidade, o impacto da explosão, fez um vento tão forte que todos tiveram que se agachar no chão, e quando a poeira abaixou pode-se ver uma cratera enorme, que nem parecia ser feita pela aquela esfera de tão grande.

-Uhull!!!- Nino estava comemorando com os braços pra cima.- Isso foi demais.

-Me lembra de não pisar no seu calo.- Marinette falou boquiaberta, olhando para a amiga.

-Muito bom, só precisa aprender a controlar melhor esse poder. Agora Marinette.- Se virou para ela.- Como campeã de Yin você tem um poder da sorte e de purificação, se jogar o ioiô para cima e disser "Lucky Charm" obterá um objeto que te ajudará em uma situação difícil, não use a toa, pois, isso esgota a sua kwami. Quando se deparar com o Mal ou algo que ele tocou, pode purifica-lo com seu ioiô. Além dessas individualidades as duas ganham poderes como flexibilidade, pulos altos, força e resistência. Prestem atenção, vocês não podem usar seus poderes de forma ilimitada, pois isso não vem de vocês e sim dos miraculous, e consequentemente de seus kwamis, e quando eles estiverem esgotados, vão ouvir suas joias apitando, e quando isso acontecer, vocês tem 5 minutos restantes com suas armas. Entendido?

-Sim senhor.-Marinette e Alya falaram juntas.

-Muito bem, agora chegou a hora de treinar.- As duas olharam ansiosas para aprender as lições que Mestre Fu tinha para dar, ele entregou 4 cordas, uma para cada um, fazendo as duas ficarem com dúvida de como ele iria ensinar a lutar, Fu só se afastou indo em direção ao banco que tinha do lado de fora da casa.- Madeira contra Fogo e Yang contra Yin, vence quem capturar o outro primeiro.- Disse se sentando.

Sem demora os meninos pularam para a batalha, na hora, as meninas só podiam desviar, os dois bateram com tanta força no chão que fez a terra do local levantar, assim, se viraram e cada um estava com sua dubla do duelo. Nino e Alya, ela estava muito rápida em seus ataques, fazendo um rodízio de socos e chutes, ele desviava, como se tivesse brincando de luta com um bebê, pois, para ele, seus ataque passavam em câmera lenta, fazendo a garota ficar brava.

-Como uma raposa, Alya, você deve ser ardilosa.- Gritou Mestre Fu.

Ela, então, parou de atacar, tentando analisar a situação, Nino estava clamo, esperando o primeiro passo ser dela, e isso a irritava, muito. Até que ele deu o primeiro passo, e correu para ataca-la, e como uma raposa esperta desviou rapidamente, e tão rápido quanto seu desvio, foi atingida nas pernas pelo escudo da tartaruga, que analisou os passos dela, fazendo-a girar no ar.

-Que merda, Capitão América.- Disse com ironia, misturada com dor e raiva.

-Uma boquinha muito linda para um palavrão tão feio.-Nino disse pegando o escudo.

-O que? Não entendeu a referência?- Disse se levantando do chão, tentando disfarçar o rosto corado, tanto pelo que ele disse e tanto por raiva.

Mais furiosa que antes, Alya, partiu para o ataque, caindo no chão de novo, quase sendo acertada pelo escudo.

-Hei! Esquentadinha!- Nino debochou, entre risos.

-Sou a representante do fogo, idiota.-Disse soltando labaredas pela boca (figurativamente).

Pegou a sua flauta, e começou a tocar, a esfera era maior que antes, aquilo causaria uma explosão catastrófica, Nino percebeu isso, e o alvo, era ele. Quando a música acabou, a esfera "correu" em direção ao rapaz, o que ele podia fazer?  Pois, uma vez que a Raposa definia seu alvo, não tinha como escapar. E ele foi atingido, o chão, melhor tudo tremeu, com um sorriso no rosto, Alya pegou a corda.

-Estou procurando uma tartaruguinha queimada.-Disse se aproximando da fumaça, causada pela explosão.

-Ahhhh! Raposinha, tenho que dar os parabéns, você me fez usar o meu poder.

Nino apareceu entre a fumaça, intacto, já o local aonde estava... Era uma cena lastimável o chão não estava só perfurado como completamente queimado e a floresta ao redor em chamas, menos no local onde ele, ao redor dele e atrás, nada tinha acontecido, de pé, bem no meio da destruição Nino estava com um sorriso não bobo como antes, parecia mais um orgulho. Imediatamente Alya arregalou os olhos e tremeu, fazendo-a cair no chão.

-C-c-c-co-como?- E com um sorriso Nino, se aproximou da menina, que ainda tremia, se agachando ao seu lado e explicou.

-Você é o fogo, com um poder devastador, chamado Burner-Se virou e olhou para cena.- Eu sou a madeira, um escudo, quando ativo o Defense, meu poder, sou capaz de proteger tudo que esta ao meu redor e atrás de mim. -Está bem... Vamos acabar com isso.- Ele aproveitou a situação em que Alya se encontrava, e amarrou os pulsos dela.- Consegue levantar?

E a morena tentou, mas suas pernas ainda estavam tremendo, fazendo-a cair no chão. Nino respirou fundo, com um olhar carinhoso, pegou Alya no colo, os dois ouviram um grito.

-Marinette!- Alya preocupou-se.

-Adrien deve ter capturado.- E o sorriso bobo voltou.

Quando percebeu a situação que estava, a garota logo ficou vermelha, estava sendo carregada, com facilidade, por aquele que, até dias atrás não confiava nada, constrangida ela tentou esconder seu rosto no ombro do rapaz, pouco eficaz, pois sentiu os músculos de Nino, deixando-a mais vermelha. O que ela não percebeu era que, ele também estava um pouco vermelho, tinha começado a criar afeto, por aquela que até dias atrás achava que era mais uma capanga de um dos braços de Hawk Moth.

----

Sem demora os meninos pularam para a batalha, na hora, as meninas só podiam desviar, os dois bateram com tanta força no chão que fez a terra do local levantar, assim, se viraram e cada um estava com sua dubla de duelo. Marinette a Adrien se encaravam, estavam em posição de ataque, mas ninguém dava o primeiro passo.

-E ai? Quem começa eu ou você? Eu diria primeiros as dam...- Provocou Adrien.

-Eu não faço questão.-Mari disse cruzando os braços, e o interrompendo.

-Então posso fazer as honras.

Marinette se espantou ao ver que, o bastão dele crescia (Que duplo sentido isso, hein?), e quando, a princípio estavam longe, ela viu de relance o bastão atingi-la, não deu tempo de escapar, e com isso acabou voando como impacto e caindo no chão, mas estava bem, levantando se perguntou o quanto estava sua resistente agora. Se pois de pé e virou para o adversário.

-Existem mais truques ai?

-Para você, minha princesa, quantos quiser.- Se curvou como se ela fosse mesmo um princesa.

-Marinette, analise a situação, veja os pontos que pode usar ao seu favor.-Mestre Fu tentava ajudar.

Mas ela não deu ouvidos, e vermelha, o atacou com o ioiô, Adrien desviava de todos seus ataques facilmente, como um gato flexível, sempre com olhar e sorriso debochado, isso deixava ela com um misto de frustração e vergonha, e, como se não fosse o suficiente, ele só abria a boca para em cima dela ou provocar alguém. Os dois acabaram se afastando da casa, entretidos com a briga, pulavam de árvore em árvore Marinette atacando e Adrien fugindo, fazendo provocações a ela.

-Seu escorregadio!-Gritou furiosa, parando em uma dos galhos de uma árvore.

-Pode acreditar, M'Lady, se você não tivesse tentando me matar eu pularia em seus braços.- Disse Adrien também parando em um galho mais distante.

-Ora seu! Provocador.-Jogou o ioiô que, e ele desviou, para o próximo galho. -Mulherengo.

Marinette continuava gritando insultos ao campeão de Yang, e esse, continuava desviando. O que ela não percebeu foi jogou tantas vezes sua arma e correu atrás do gato que não reparou que corda do seu ioiô estava enroscada dentre os troncos e galhos das árvores. Agora adivinha quem percebeu isso? É claro, Adrien, aliás esse já era o objetivo dele, provoca-la de tal forma que ela esquecesse a estratégia de luta e simplesmente atacasse. Quando a joaninha impulsiva percebeu a sua situação já era tarde, não tinha como atacar, entrando em pânico na hora.

-Não se preocupe, princesa, vou te tirar dessa teia.

Adrien estava no mesmo galho que ela, com os braços para trás e com aquele sorriso debochado de lado, a campeã de Yin nem tinha notado quando pisou ali, ou quanto tempo estava ali. O gato, então, levantou a mão direita, Marinette se preparou para levar um ataque, mas ouviu.

-CATACLYSM.

Colocou sua mão no galho, fazendo ele apodrecer e cair. Marinette soltou um berro, pensou que ia morrer, mas sentiu algo a segurando.

-Estou aqui, te protejo, princesa.

Dessa vez Adrien disse de forma carinhosa, e olhava de forma carinhosa, enquanto a segurava no colo, e ela não podia desviar daquele olhar verde esmeralda, até porque, senão ela caia. Então eles pousaram no chão, Mari ainda enfeitiçada pelo olhar carinhoso dele.

-Muito bem, agora vamos voltar.

Adrien disse alegre e satisfeito, já que, nesse meio tempo, tinha amarrado as mãos da mestiça, demorou, um pouco, para ela perceber, e ficou chocada por não ter sentido amarrarem os pulsos dela, nessa hora várias coisas passaram pela cabeça dela, mas estava obvio que foi o encanto dos olhos verdes que a deixou assim, acabou se conformando com a vitória dele.

E os dois caminharam em silêncio, Marinette pensando no erro que cometeu ao deixar o gato provoca-la, e Adrien, saltitando a sua vitória. Os quatro se encontraram na frente da casa, diante de Mestre Fu, que se levantou da cadeira, ainda alisando a barba branca.

-O resultado já era esperado, afinal os rapazes treinam desde crianças. Alya e Marinette, quero que vocês treinem todos os dias de agora em diante.

-Sim!-Disseram as duas juntas.

-Agora, vocês tem que ir, Hawk Moth.- Fu olhou para Marinette.- Não pode perceber que, um dos seus braços, sumiu. Ah! E Adrien vai se tornar um dos seus capangas.

Marinette não gostou muito dessa decisão, mas acabou concordando. As cordas foram desamarradas, e agora todos podiam voltar para base. Adrien e Nino, caminhavam na frente, eram eles que sabiam o caminho, cantando vitória e super felizes. Alya e Marinette iam atrás, caladas, cada uma planejava como seria sua vingança. Enquanto isso seus kwamis admiravam a floresta, porque nunca tinham saído daquela casa.

Já tinha passado de meio dia, decidiram então fazer uma refeição rápida, ou seja, foram preparam sanduíches. Almoçaram em silêncio, até que Adrien decidiu puxar assunto.

-Querem ver minha roupa para ser o capanga?

-Mostra lá cara.- Nino disse, também desesperado para falar de algo.

Então Adrien saiu, para se vestir, e voltou com a mesma roupa, só que, sem o manto de lobo, uma mascara preta, luvas de couro sem dedo, com orelhas de gato presa no cabelo, e um rabo que era uma parte do seu cinto, com uma pistola, e uma besta no ombro. Fez uma pose de super herói.

-Que tal? Agora eu sou Chatnoir- Alya e Nino se aproximaram dele um apontando para as orelhas e outro para a cauda.

-Para que isso?

-Porque eu quis.- Adrien deu de ombros, e olhou para Marinette.- O que achou?

Ela o olhou de cima a baixo, terminando de recolher os pratos, também deu de ombros.

-Caguei.- Disse com desdem indo para a cozinha.

-Viu ela não se incomoda.

Disse o gato feliz, apesar do desprezo que recebeu, deixando Alya e Nino com cara de "sério isso?". Mari voltou da cozinha e olhou para a amiga.

-É melhor irmos nos arrumar.-Obs.: Elas estavam de pijama até agora.

As duas foram para seus quartos, enquanto Nino colocou a mascara, voltando a ser Turtle e seu cinto com munição, e no seu ombro uma espingarda, e preso ao seu pescoço um óculos de aviador, modificado, com várias lentes. As amigas voltaram como Ladybug e Volpina. A primeira com suas botas vermelho e preto, uma calça de couro justa preta,  vestido largo e curto, que só não caia por causa do corpete metálico e uma capa com capuz vermelha, uma faixa que atravessava o peito cheio de munição para a sniper, também carregado pelo ombro. Já a segunda voltou com a sua calça boca de sino marrom, com botas vitorianas de cano curto e salto, um cinto com dois revolveres, um blazer laranja desbotado e por baixo uma blusa bufante branca suja. Ambas com mascaras da Mari vermelha, e da Alya laranja.

-Uhull!-Chat se aproximou de Ladybug, pegando a sua mão para dar um beijo, ele nunca a tinha visto assim.-Está linda My Lady.

Rapidamente Mari tirou a mão.

-Corta essa, tenho o que fazer.- Ela estava se referindo as roupas, mas logo seus planos mudaram quando ouviram um barulho vindo da porta.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...