História Correntes que nos ligam ao passado - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Akame ga Kill!, Bleach
Personagens Ichigo Kurosaki, Rukia Kuchiki
Tags Akame, Esdeath, Ichigo, Rukia
Exibições 91
Palavras 3.031
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Harem, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Seinen, Shounen, Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoal, sei que a maioria esmagadora votou que eu acumulasse mais capítulos antes de posta-los, mas uma leitora me deu uma boa ideia, eu vou postar logo o primeiro capítulo, para os leitores que ainda não assistiram o manga ou lerem o anime de Akame Ga Kill vejam um pouco como esse mundo funciona, então é com muito orgulho que trago minha primeira fic Crossover, tenho que admitir que estou um pouco nervoso, já que essa história é bem diferente de tudo o que eu já fiz, para escreve-la eu tive que ler o manga novamente e assistir o anime de Akame Ga Kill, além de ler o mangá Akame Ga Kill Zero (Não que isso tenha sido um grande sacrifício kkk), mas falando sério, eu preciso muito da participação de vocês, principalmente nesse primeiro capítulo, então se puderem deixar sua opinião eu ficaria muito agradecido.

Então sem mais delongas, aqui está o primeiro capítulo dessa fic, tenham uma boa leitura.

PS: Leiam as notas finais, elas são muito importantes.

Capítulo 1 - O Shinigami e a princesa do gelo


Fanfic / Fanfiction Correntes que nos ligam ao passado - Capítulo 1 - O Shinigami e a princesa do gelo

 

                                               Capítulo 1 – O Shinigami e a princesa do gelo

 

Ano Imperial – 1024.

 

Era quase meia noite, e uma garota andava tranquilamente pelas ruas da Capital, o que não era recomendado, já que esse era o horário que os maiores e mais infames ladrões, assassinos e estupradores costumavam agir, e a poucos metros atrás dessa garota, caminhava um homem que praticava todas essas transgressões, ele estava carregando um saco de joias preciosas presa a sua cintura, e exibia um sorriso satisfeito no rosto, tinha acabado de roubar a casa de um proprietário rico. Num primeiro momento, sua intenção era de voltar para seu esconderijo o mais rápido possível, mas a visão de uma garota sozinha no meio da noite era tentadora demais pra ele resistir.

- Ei – O homem tentou chamar a atenção dela, mas a garota simplesmente o ignorou.

- Estou falando com você. – A voz dele tinha uma nota de impaciência, o homem claramente não gostava de ser ignorado, a menina continuou seu caminho, mas parou assim que sentiu um mão segurar seu ombro com força.

- Não me ignore. – O homem forçou a garota a se virar, e por um momento ele ficou mudo, mas tinha uma boa razão para isso, a menina era linda, seus cabelos eram escuros como a noite, sua pele era clara e ela possuía olhos violáceos que pareciam brilhar na penumbra.

Essa noite promete, ele concluiu com um sorriso.

- Algum problema? – O olhar da garota passou brevemente pelo saco de joias que ele tinha.

 ...

- Venha comigo. – Ele puxou o braço da menina com violência, o homem ficou surpreso pelo fato da garota não gritar ou oferecer resistência, não que isso adiantasse alguma coisa, ele a conduziu para um beco e prensou a garota contra uma parede, sua mão tocou de leve o rosto dela.

- Agora vamos nos divertir. – Ele lambeu os beiços, imaginando as centenas de possibilidades que tinha para usar o corpo dessa garota, mal conseguia raciocinar com clareza.

-... Sim. – Ela falou pela primeira vez. – Mas acho que tem um problema.

- E o que é?

- É porque tenho a ligeira impressão que eu serei à única que irei me divertir. – Ela tirou lentamente o punhal que estava escondido em sua roupa.

– Ou talvez não, você é do tipo que tem fetiche por desmembramento?

 

Após ter feito essa pergunta, tudo o que se pode ouvir em seguida foram o sons de um homem gritando e de carne sendo cortada.

 

E depois veio o silêncio.

 

- Obrigado pelo dinheiro. – Após pegar o saco de joias, a garota fez uma pequena reverência para o cadáver mutilado do homem e saiu do beco.

 

Afinal, ela sabia que isso era uma questão de bons modos.

 

                              Alguns minutos depois...

 

Após caminhar um pouco, a garota entrou em um motel simples, foi passando por um estreito corredor, ela andava de modo suave e silencioso, algo que era essencial quando se trabalhava no ramo dos assassinatos, até encontrar o seu quarto, a maçaneta da porta fez um barulho desnecessariamente alto quando foi girada, ela rapidamente foi até o quarto, que era bem pequeno e possuía apenas uma cama, a garota observou o homem que estava deitado nela por alguns segundos, ele era um pouco diferente dos outros moradores da Capital, o que significava que ele provavelmente havia nascido fora do império, para começar seus cabelos tinha a tonalidade alaranjada, ele também era mais alto que a média de sua idade, e apesar dele ter apenas dezoito anos, sua constituição física já era de um homem feito.

- Ei, Ichigo, você está acordado? – A garota sacudiu levemente o ombro de seu ‘’mestre’’ que parecia estar num sono profundo, mas sabia muito bem que alguém como ele não era do tipo que se deixava ficar assim tão vulnerável, suas suspeitas foram confirmadas quando o homem abriu os olhos no instante seguinte.

- Rukia? – Ele bocejou - Eu estou acordado agora... O que foi? – O ruivo baixou o olhar até o saco que estava na mão dela.

- E o que é isso que você está segurando?

- Joias.

- E onde você as conseguiu?

- Eu encontrei. – Ela respondeu rapidamente.

- Você encontrou? – Por alguma razão, Ichigo duvidava profundamente dela - Sério? Então um saco cheio de joias estava simplesmente jogado no chão?

Ela confirmou novamente, o ruivo suspirou.

- Eu já disse para você não ficar andando por aí à noite e bancar a ‘’garotinha indefesa’’. – Ele a advertiu - O que você faria se tivesse dado de cara com um assassino profissional? Ou pior, com um usuário de Teigu?

- Isso é obvio... – Ela nem ao menos piscou ao concluir sua frase.

 

-... Eu iria mata-lo.

- Acho que você está ficando tempo demais comigo. – Ele coçou a cabeça. – Então... Você encontrou algum pedido?

- Sim. – Ela confirmou entregando um pedaço de papel para ele - O trabalho deve ser feito ainda hoje. Nosso alvo é um homem chamado Genma, segundo a cliente, ele é um sádico que se finge de bom moço, primeiro ele oferece abrigo e comida para as pessoas que acabaram de chegar a Capital, e então as dopa para iniciar seu jogo doentio de tortura.

 

- Humm... – Ele analisou as informações que continham no papel, como o endereço de Genma, o número de guardas que ele costumava manter por perto, a quantidade de vítimas que ele assassinava semanalmente, e até mesmo os seus tipos preferidos de tortura.

- Essa lista é desnecessariamente detalhada. – Ele jogou o papel para o lado. – Mas você tem certeza que a informação é verdadeira?

- Tenho. – A garota confirmou - Ao que parece a cliente é uma das poucas que saíram com vida do armazém que ele mantem suas vítimas presas, mas pelo o que eu vi, ela mesmo está bem debilitada, não acho que tenha muito tempo de vida, com o dinheiro que ela nos ofereceu para o trabalho, tenho certeza que conseguiria um tratamento de primeira, mas ao invés disso a cliente prefere ver Genma enterrado.

- Então ela escolheu a vingança em vez da própria vida? – Ichigo riu - Isso é bem a cara do Império. – O ruivo então se lembrou na nota extra que a mulher tinha escrito no final do papel. – Parece que nossa cliente quer algo a mais.

- Sim... Ela nos pediu para a morte de Genma ser bem dolorosa.

- Entendo. – Ele se levantou – Isso vai ser fácil.

- Nós vamos agora? – Rukia perguntou.

- Isso mesmo. – O ruivo confirmou, ele foi até a cabeceira da cama e tirou uma espécie de máscara.

- Vai usar essa coisa de novo? – Rukia perguntou, mesmo sabendo a resposta.

- Mas é claro, afinal essa é a minha marca registrada, além disso, eu não tenho um método de disfarce tão sofisticado quanto o seu. – Ele colocou a máscara e se dirigiu para fora do quarto. – Agora vamos.

- Iremos garantir que esse desgraçado tenha a morte que merece.

.

.

.

Genma, juntamente com sua guarda pessoal, estava voltando de uma reunião extremamente produtiva, ele havia conseguido enganar quatro caipiras de uma vila distante que tinham se mudado para a Capital hoje.

Como eu irei me divertir com elas? Um sorriso sádico surgia em seu rosto apenas pensando nas diferentes formas de tortura que estavam a sua disposição, ele só precisava passar por um beco e virar para a direita que chegaria em sua casa, mas no meio do caminho uma figura encapuzada apareceu e obstruiu sua passagem. 

- Olá Genma-san. – A fugira o cumprimentou - A noite está linda hoje, não concorda?

- Quem é você? – Um dos guardas de Genma perguntou desconfiado. – Se veio aqui para pedir esmola, pode esquecer.

- Ah Parece que estou sendo mal interpretado aqui, eu não quero dinheiro, na verdade, eu vim aqui para buscar uma coisa bem menos significante e que ninguém sentiria falta.

- E o que seria? – O guarda perguntou.

 

- A vida do seu chefe. – Ele respondeu.

- Oh? – O guarda sacou sua espada. – Você diz coisas bem corajosas, mas aposto que você não passa de um fraco... – O guarda parou de falar, um rápido e preciso som de carne sendo cortada ecoou pelo beco, e logo depois a cabeça do guarda se desprendeu de seu corpo e caiu no chão.

 

- O-O que foi isso? – Genma berrou assustado, isso aconteceu tão rápido que a mente dele não foi capaz de processar tudo - O que diabos aconteceu aqui?

- Creio que isso tenha sido minha culpa. – No mesmo instante, uma voz feminina assumiu a autoria do assassinato, Genma e seus guardas se encolheram de frio, pois a temperatura do local pareceu cair cerca de vinte graus de uma só vez, o único que não foi afetado pela mudança brusca de temperatura foi à figura encapuzada, que ao invés de tentar se aquecer, apenas olhou por cima do ombro até que um vulto feminino saísse da escuridão.

- Rukia... – A figura olhou bem para a sua companheira, que agora possuía uma aparência bem diferente, agora ela tinha cabelos brancos e seus olhos tinham a cor azul - Eu já falei que é falta de educação matar as pessoas enquanto elas estão falando.

- Ops... Eu tinha esquecido disso, me desculpe Ichigo.

- Espero que isso não se repita. – Após dar um sermão, Ichigo voltou à atenção para o seu alvo.

- Me desculpe pelo comportamento de minha amiga Genma-san, ela é um pouco nova nesse tipo de trabalho e você sabe como são as crianças de hoje em dia, não conseguem esperar nada, mas infelizmente eu também estou com um pouco de pressa hoje, então...

 

-... Você se importaria em fazer um favor para esse mundo e morrer?

- M-Matem... – Genma aproveitou que seus capangas haviam cercado a dupla de assassinos e saiu correndo - Matem esses dois insetos imediatamente.

- Acho que isso foi um ‘’não’’. – Rukia comentou. – Eu realmente ainda não sei por que você ainda pergunta isso.

- Cuide deles... – Ichigo a instruiu – Eu irei atrás do Genma. – Sua companheira se limitou a assentir.

Os guardas que os cercaram começaram a sorrir, um deles deu um passo à frente.

- Você acha que mesmo que vai conseguir escapar... – O restante da frase morreu em sua boca, pois uma espada de cor negra perfurou o peito do guarda, Ichigo arremessou o cadáver dele para o lado e seguiu atrás de Genma.

- E ele ainda fala que não devemos arremessar porcarias no chão... – Rukia reclamou, mas em seguida voltou sua atenção para os guardas.

- E então... – Ela começou, apesar de sua aparência frágil e inocente, a presença da garota estava fazendo até o maior daqueles guardas tremerem de medo.

 

- Quem quiser ser o primeiro a morrer, pode dar um passo à frente.

.

.

.

Genma corria como se sua vida dependesse disso, pois ele sabia que realmente dependia, ele só estava correndo há alguns segundos, mas já estava ofegante e sentia que seu limite estava próximo, porém o medo da morte forçava seu corpo a continuar correndo, seu medo se transformou em terror absoluto quando ele começou a escutar os gritos de seus guardas, ‘’essa garota é um monstro’’ e ‘’estou congelando’’ foram às únicas frases que ele conseguiu ouvir em meio à cacofonia de berros, grunhidos e clamores do que parecia ser por piedade.

Mas agora estou salvo, Genma concluiu ao ver que faltava pouco para que chegasse em sua casa, onde ele dispunha de dezenas de guardas fortemente armados, além de um esconderijo secreto praticamente impenetrável.

Hahahaha, ele comemorou antecipadamente ao olhar por cima do ombro e ver que ninguém estava em seu encalço, até parece que o grande Genma será morto uma mísera dupla de assassinos, seus devaneios foram interrompidos quando um cansaço súbito o atingiu e ele tropeçou nas próprias pernas, se chocando contra um saco de lixo no processo e acabou caindo ali mesmo, ele tentou se levantar, mas sentiu um arrepio percorrer sua espinha ao se virar e perceber que o assassino estava a poucos metros dele.

De onde diabos esse cara veio!? Era o pensamento que tomou conta de Genma enquanto ele se arrastava para trás, até se escorar em uma parede, mesmo assim ele continuava pressionando suas costas contra a parede, como se quisesse atravessa-la, por fim ele desistiu e voltou sua atenção para a figura misteriosa.

 

- Por favor, não me mate. – Ele jogou um saco de ouro para o ruivo - Você foi contratado por alguém, não foi!? E-Eu pago o dobro do que eles pagaram.

 

Ichigo deu mais um passo na direção dele e fez um movimento com a mão, Genma demorou a perceber que parte de seu braço direito havia sido decepada.

- Ahhh Não. – Ele se corrigiu – Eu pago... Eu pago o triplo.

O mesmo aconteceu com seu braço esquerdo.

- Nããooo. – Ele balançou os cotocos que haviam se tornado seus dois braços, com isso o sangue era espirrado por toda a parte. - Eu pago quanto você quiser, me fale seu preço.

- Pare com isso, é patético, se você vai morrer ao menos tenha alguma dignidade.

- Eu já falei que pago o que você quiser, apenas diga um número.

- Um número, não é? – O assassino pareceu pensar um pouco na oferta de Genma e depois respondeu.

- Que tal 78?

- 78?

- Isso mesmo, esse é o número de mulheres que você matou só no último mês, eu sei tudo sobre você Genma, desmembramento e chicotadas, esses eram os seus métodos preferidos de tortura, não eram? Eles não parecem tão bons agora, não é mesmo?

- Q-Quem... – Devido à perda excessiva de sangue, Genma sentia todo o seu corpo ficar fraco, sua visão estava turva e até mesmo permanecer consciente estava se tornado uma tarefa difícil. - Quem é você?

- Ah é verdade, acho que até mesmo um verme como você tem o direito de saber quem o matou... Muito bem então. - Ichigo deu mais um passo para frente e retirou seu capuz, agora a luz da lua iluminava seu rosto, ou melhor, iluminava sua máscara.

 

- Essa máscara... E essa espada negra – O rosto de Genma perdeu a cor, se isso aconteceu devido à falta de sangue ou de medo, Ichigo não podia dizer com certeza. – Você é o rebelde dos boatos, aquele que as pessoas chamam de Shinigami. – Logo após terminar sua frase a cabeça de Genma foi separada de seu corpo.

- É isso mesmo, mas sabe de uma coisa? Eu não gosto muito desse apelido. – Foi tudo que o ruivo falou antes de girar os calcanhares e voltar ao local onde tinha deixado Rukia, ele caminhava de maneira lenta e despreocupada, pois tinha certeza que uma ou duas dúzias de guardas não eram problemas para sua companheira, por isso ao chegar ao local ele não ficou surpreso ao ver inúmeros corpos desmembrados por toda a parte, e sentado em um deles estava Rukia, parecendo estar entediada.

- Você demorou. – A garota reclamou. – Eu matei mais de vinte guardas, e ainda tive que te esperar, se eu soubesse que matar um velho gordo, lento, fraco e doente era uma tarefa tão difícil assim, eu mesma teria feito isso.

- Eu apenas gosto de fazer meu trabalho bem feito. – O ruivo se defendeu. - Principalmente se for algo relacionado a tornar a morte de um inseto como ele, a mais dolorosa possível.

- Ichigo... – Rukia apontou para a cabeça dele, só agora tinha notado que ele havia retirado o capuz - Sua máscara...

- Você sabe que eu gosto de mostra-la antes de matar os alvos.

- Entendi... – Rukia conhecia bem o jeito que Ichigo fazia as coisas - Ele te reconheceu? – O ruivo assentiu.

- Não que eu goste desse tipo de ‘’reconhecimento’’, além disso, porque será que eles me chamam de ‘’ Shinigami’’? – Ichigo pensou em voz alta. – Acho esse apelido um pouco ofensivo.

- Sério? - Rukia comentou – Acho que eles têm um bom motivo para chama-lo assim, você sempre usa essas roupas negras, e todos que lutam com você acabam morrendo, é perfeito. O meu apelido que é estranho, digo, ‘’princesa do gelo’’? De onde eles tiraram isso?

...

Malditas aberrações, Um dos guardas, que estava se fingindo de morto, para não ser morto de verdade, ao ver a dupla de assassinos conversando distraidamente pegou uma espada que estava próxima a ele.

Ao menos um de vocês eu irei levar comigo, ele tentou pegar a garota pelas costas, seu objetivo era mata-la num único golpe, entretanto, um muro de gelo se interpôs entre ele e Rukia.

- Você perguntou de onde eles tiraram seu apelido? - Ichigo olhou bem para o gelo que estava se formando em volta dela. - Acho é porque você consegue fazer isso. – O ruivo observou que a temperatura do ambiente ficava cada vez mais baixa até o ponto de se tornar bem desconfortável, mesmo para ele.

 

- O que? – O guarda quase engasgou ao ver que o gelo pouco a pouco estava se propagando por todo o beco, ele tentou correr, mas suas pernas já estavam congeladas e presas ao chão.

- Atacar alguém pelas costas é algo que apenas covardes fazem, e sabe de uma coisa... – Rukia se virou, sua expressão era tão gélida quanto o gelo que ela produzia.

 

-... Eu odeio covardes. – Uma lança de gelo se formou acima dela, Rukia fez um simples movimento com as mãos e a lança perfurou a cabeça dele, matando-o instantemente.

- Que frieza. – O ruivo comentou com um sorriso contido.

Rukia lançou um olhar ligeiramente irritado para ele.

- Você prometeu que nunca mais usaria esse trocadilho horrível de novo.

- Foi mal, mas ele nunca perde a graça.

- Isso nunca foi engraçado. – Ele apenas assentiu com a cabeça, prometendo não fazer mais isso.

- Esse foi o último? – Ichigo examinou o local, e não viu nenhum sinal de vida, apenas sangue, órgãos e corpos empilhados por toda a parte, então ele acenou com a cabeça, satisfeito.

 

– Parece que sim, isso só significa uma coisa... – Eles falaram o restante da frase em uníssimo.

 

- Missão completa.

 

                                                          Continua...

 

                                            No próximo Capítulo – Sem testemunhas


Notas Finais


Bem, esse foi o primeiro capítulo, eu sei que a primeira impressão é a que conta, então eu me esforço bastante para deixar o primeiro capítulo o mais interessante possível, espero que tenham gostado, na minha opinião esse foi o capítulo mais ‘’bem escrito’’ que eu já fiz, além de possuir um escrita mais madura se comparada com ‘’Renascido nas Trevas’’, achei que isso seria necessário, pois gosto de deixar minha histórias no mesmo clima que o universo que elas estão inseridas, o capítulo também está cheio de frases de efeito e frases sarcásticas, agora aqui vão algumas informações que vocês precisam saber...

Como podem ver por esse inicio, o Ichigo e a Rukia são dois dos personagens principais da fic, meu plano inicial era apenas colocar o Ichigo, mas eu tive uma ideia muito boa e a Rukia se encaixou perfeitamente no que eu estava planejando (a origem de seus poderes será revelada no momento certo), tenho certeza que vocês também vão gostar dessa versão dela. Percebe-se também que a personalidade de ambos já é bem definida, isso se deve ao fato deles já serem assassinos profissionais, mas não se preocupem, pois irei revelar o passado de ambos, e mostrar como eles se tornaram os assassinos que são agora, vocês também devem ter percebido que eles não são do Universo Bleach, na verdade, essa é a versão deles no mundo de Akame Ga Kill, eu não pretendo colocar outros personagens de Bleach, (na verdade eu pretendo, mas será apenas quando eu contar o passado deles, que será bem ao estilo Akame Ga Kill, e sinceramente, não sei qual dos dois teve o passado mais fudido, mentira, acho que a Rukia ganha por pouco, mas vou deixar que vocês tirarem suas próprias conclusões), é claro que muitos outros personagens irão aparecer, aliás estou planejando que o próximo capítulo tenha um grande foco na Night Raid, e ele irá se passar algumas horas antes da primeira missão do Tatsumi, ( o que equivale ao capítulo três do manga, e ao episodio dois do anime). Enfim, tenho muitas ideias legais para essa fic, e espero contar com os comentários de todos vocês, até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...