História Cotton Candy Kingdom (Jikook) - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bissexualidade, Drama, Fantasia, Heterossexualidade, Homossexualidade, Jikook, Jikook!flex, Lemon, Livro, Realeza, Reino, Romance, Suícidio, Taegi, Taeseok, Tragedia, Vhope, Violencia, Yaoi
Visualizações 187
Palavras 2.869
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Então gente, antes de irmos ao capítulo, eu quero desabafar um pouco com vocês (e os leitores fantasmas).

No último capítulo que postei, apareceu umx Vkook shipper (HouseOfVkook ou HouseOfTaekook, se eu não me engano, ou elx mudou o nome) aqui EXIGINDO que Yoonmin e Vkook se tornassem casal, já que Jikook são irmãos. E depois de umas discussões por comentário, elx apagou tudo, denunciou a fanfic e agora desapareceu.
Primeiramente, essa história é sobre Jikook, pois eles foram o primeiro casal que shippei do BTS e eles são meu OTP (Junto com Vhope, Yoonsek e Taejin), e claro que iria escrever algo e colocar o que eu shippo com todas as forças juntos.
Vkook, Yoonmin, Yoonkook e outras shippers, são bem-vindas aqui, desde que respeitem a história e o casal. Em todos os lugares (inclusive do título) está assinalado "Jikook" e nem nas tags tem Taekook/Vkook e Yoonmin para atrair as shippers do casal e conseguir leitores "de graça". Não importa se eles são irmãos ou não, continua sendo um romance entre eles. Se alguém está esperando a história dar um plot twist e algum desses casais acontecer, vão esperar o tempo todo, pois eu não tenho nenhuma pretensão até agora de por Vkook e Yoonmin como casal, e não é porque eu "odeio Vkook/Yoonmin", Yoongi e Jimin são meu UTT e bias, respectivamente, acho eles lindos juntos e tenho todos os motivos do mundo para shippá-los, porém não shippo como casal e não vou shippar aqui.
Segundo, há histórias maravilhosas de Yoonmin e Vkook (que eu já li, inclusive) em vários sites, então não tem nenhum motivo no mundo em virem aqui dar hate porque não é seu o OTP.
Terceiro, se shippa algum casal e está aqui lendo porque gostam do jeito que eu escrevo, eu posso dizer que tenho planos de escrever uma fanfic Vmin/Vkook no futuro, então peço que aguardem até lá e sem ficar odiando Jikook por isso, pois Jikook já é odiado até demais mundo a fora.

Também no último capítulo, a/o HouseOfVkook/Taekook, disse que estava plagiando sua história chamada "The Power Of The Soul" por ter o enredo igual. Eu fui atrás dela e sinceramente não tem nenhuma semelhança há não ser que se passa em um mundo fantasioso. E além de tudo, eu postei a história primeiro e quando a autora postou, eu já estava no 5° capítulo da minha história. Conversei com a autora da história e ela, assim como eu, não considerou plágio. Então, por favor, quando acharem que algo é plágio, prestem atenção em datas, enredo e tudo mais para não acusarem alguém sem provas e gerar uma confusão, principalmente comigo que sofro de ansiedade e quase morri de falta de ar sofrendo por antecipação.

E por último, um problema que aconteceu comigo no Nyah (espero que não aconteça aqui) é das pessoas odiarem as personagens femininas e pedir a morte delas. Não vai acontecer também, não é pq a história é Yaoi que todas as mulheres são putas e querem destruir o casal gay. Mulheres também são muito mal-vistas e sofrem por machismo, inclusive das próprias. A história não trata só de casais gays. A história também trata algo que é muito mal-visto tanto por héteros e homossexuais que é a bissexualidade, se não perceberam Taehyung e Jimin são tratados como bissexuais. Então como mulher, eu não vou matar por causa do casal gay e se for para ser vilã, vai ser porque a história pede por ela sendo vilã.

Ok, é só isso o que eu tenho para falar, espero que os leitores (principalmente os fantasmas) entendam e tenham uma boa leitura <3

Capítulo 18 - 18- Don't touch him (POV JM e TH)


Fanfic / Fanfiction Cotton Candy Kingdom (Jikook) - Capítulo 18 - 18- Don't touch him (POV JM e TH)

POV TAEHYUNG

Sun e Yoongi desceram dos cavalos, pegando algumas armas. Eu, amedrontado, fiquei no mesmo lugar que estava e qualquer sinal de perigo, eu pudesse fugir rapidamente. Yoongi chegou perto do portão, falando algo com um dos guardas e entregando-o uma joia. Visivelmente parecia muito valiosa. Então os portões foram aberto, com certeza, Yoongi tinha comprado o guarda. Como funcionários reais podem ser corrompidos tão fácil? — pensei.

Ele deu um sinal para mim, pedindo para descer. Fui com um pouco de medo, mas fiz o que ele pediu. Nós fomos andando devagar, e vi que Sun escondia duas facas no meio de seus seios e arrumava para não machucá-la. A fachada do palácio de Hazem era um pouco maior do que a de Meltzam, porém as cores eram escuras como cinza e marrom. Diferente de Meltzam que tinha as cores azul e branco predominando quase em toda a decoração.

— Acho que Sun deve ir atrás de Hoseok. — Yoongi propôs. — Ele pode falar que é a nova empregada.

— Eu já acho que você tem que ir. — falei. — Eu e Sun ficamos aqui fora e para corrermos para salvar nossa vida.

— Por quê? — Yoongi me encarou.

— Você é o sangue frio que não tem medo de morrer, vai lá. — dei um sorriso.

— Vai tomo mundo. — Sun passou na nossa frente andando.

— Está vendo? — ele me bateu. — Se tivesse concordado comigo, ela iria. Agora a gente vai fazer o que ela quiser, sabe por quê? Porque ela é a mulher e pode bater na gente!

— Estou ouvindo. — Sun falou.

Senti uma mão atrás de mim, me apertando no pescoço. Quando olhei para trás, vi um homem enorme com uma cara de malvado, parecendo um pitbull raivoso, só faltava babar encima de mim. Sun virou para me ver, pegando uma faca e apontando por homem.

— Você não mexe com ele. — ela o ameaçou, enquanto Yoongi o golpeava por trás. — Vá atrás de Hoseok!

Eu fiquei parada olhando para ela.

— VÁ LOGO! — Yoongi gritou.

Sai correndo para o interior do castelo, me escondendo atrás de uma cortina. Vi uma empregada subir com uma bandeja e segui-a, discretamente. Pelo menos ela não me viu. Ela entrou em um quarto e pude ouvir a voz alegre de Hoseok. Fui andando cuidadosamente para nenhum guarda me pegar e levar para o calabouço de lá. Quando abri a porta do quarto, vi-o sentando em uma mesa no quarto. Ele estava sorrindo falando com a empregada que servia sua comida para ele. Ele parecia bem por voltar para sua casa. Eu entrei por completo no seu quarto e ele ficou com a boca aberta.

— O que está fazendo aqui?

— Eu vim buscá-lo! — disse me aproximando nele.

— Para quê? — Hoseok saiu da cadeira, me abraçado. — Eu estou finalmente em casa.

— Eles esqueceram você por anos em uma prisão. — eu me separei. — Nós precisamos voltar e ajudar Jimin.

— Daqui duas semanas, eu vou voltar para Meltzam. Minha irmã é prometida para Jimin. — ele olhou para a empregada, pedindo para ela sair.

— Jimin não pode casar com sua irmã. Ele não a ama. Jimin… — falei assim que ficamos sozinhos.

— Ama o Jungkook? Assim, mesmo que eles pudessem acho que os outros reinos não permitiram o casamento dos dois. Afinal são seis reinos.

— Seis?

— Seis que têm acordo para manter a paz. — Hoseok, sentou-se. — Hazem não é um desses. Só que os outros não iam. Eu super apoio os dois, só que leis são leis… Se eu fosse ele, eu proporia casar com Sun. Só que ele gosta da Sun também… — ele ficou pensativo. — Se fosse o Jimin casava com os dois mesmo.

— Jungkook e Jimin não podem casar! — eu me aproximei dele. — Eles são irmãos!

— O QUÊ? — Hoseok arregalou os olhos.

— Você precisa voltar com a gente para Meltzam.

— Eu não vou.

Yoongi apareceu na porta junto com Sun.

— A gente não atravessou uma floresta congela para você não ir! — Sun brigou.

— E eu não foi picado por uma cobra para isso. — Yoongi entrou no quarto batendo o pé.

— Eu… — Hoseok não conseguiu completar sua fala, pois Yoongi injetou uma coisa nele que o fez cair desacordado.

— O que é isso? — perguntei.

— Um sossega-leão. — Yoongi pegou ele do chão, me chamando para ajudá-lo. — Ele não tem escolha, vai por bem ou dormindo!

— Vocês são malucos! — eu balancei a cabeça.

O mesmo guarda que Yoongi tinha sabotado mais cedo, nos ajudou a tirar Hoseok do castelo e ajeitá-lo encima do cabelo de Yoongi.

— Se tudo der certo, amanhã à noite estaremos no castelo. — Yoongi disse, subindo em seu cavalo, enquanto fazíamos o mesmo.

— Graças a Deus. — falei. — Espero que já tenham descoberto um jeito de irmos para casa.

 

A viagem de volta estava sendo bem mais calma do que a de vinda. Nós paramos perto de um rio para poder passar a noite já que estávamos bem cansados. Até o momento que nós tínhamos ido tomar um banho e conseguir madeiras para poder acender uma fogueira, Hoseok não tinha acordado. Porém assim que voltei do meio da floresta com Sun, ouvi a risada de Yoongi e Hoseok. Me aproximei lentamente deles e vi Hoseok dar um pulo para abraçar Yoongi. O mesmo rodopiou com Yoongi e depois se largaram. Senti algo dentro de mim que estava me destruindo e tive a vontade de sair gritando “Não toque nele!”, só que eu me controlei. Assim que vi Yoongi pegar e entrelaçar suas mãos com a de Hoseok, eu virei indo até Sun.

Tudo na minha cabeça estava claro. Eles tinham algo de verdade e o beijo surpresa que Hoseok me deu, não passou de apenas um beijo surpresa mesmo. Me sentia incomodado por saber que tinha confundido a amizade com algo maior e que quando voltasse, eu nunca mais veria nenhum deles.

Fiquei ao lado de Sun, enquanto ela fazia o fogo, porém ela já me conhecia bem, mesmo com o pouco tempo e perguntou:

— Hoseok e Yoongi?

— Sim. — cocei a cabeça.

— É melhor você deixar isso de lado. — ela suspirou mexendo nas folhas. — Deixa para Hoseok só quebrar o coração de Yoongi mesmo. — ela sentou-se ao meu lado. — Príncipes não podem se casar com plebeus, eu já te disse.

— Mas…

— Única solução era você levar ele para a tal Seul. Só que o que deve ter visto deve ter te abalado muito e tirado todas as suas esperanças.

— Tenho que admitir que é verdade. — eu senti vontade de chorar, mas me segurei. — É a primeira vez que me… Me apaixono? Eu nunca me senti assim antes, Sun. Nunca me senti devastado por ver alguém com outra.

— Eu te entendo. — ela tentou sorrir. — É um dos motivos de eu querer ir embora também. Não vou aguentar ver Jimin todos os dias com outra mulher ao seu lado.

— Você pode ficar com Jimin…

— Não posso!

— Jungkook vai embora.

— Problema não é Jungkook. Jungkook não representa perigo para ninguém! — ela me olhou. — Mesmo que tiverem algo, eles são irmãos e quando souberem a ética vai pesar mais. Irmãos não namoram, não casam e muito menos príncipes casam-se com empregadas. Só em contos de fada!

— Você pode destruir a família do Jungkook!

— Eu que tive a família destruída, Taehyung. Jungkook pertence aqui. Eu não posso me contentar em ser uma empregada por resto da minha vida, sabendo que eu não pertenço a esse lugar, ok?

— Então estamos destinados a vivermos longe das pessoas que nós amamos? — perguntei.

Sun ficou calada por alguns segundo, balançando a cabeça positivamente por algum tempo.

— Exatamente. — falou baixo.

Ela me estendeu a mão e eu a peguei.

— Hoseok pode ser só feliz demais e tava comemorando com aquele jeito maluco dele o fato de ter o melhor amigo dele de novo. — ela tentou me consolar. — Depois você conversa com ele e tomara que se ajeitem.

— Se nos ajeitarmos, ele nunca vai querer sair daqui para tentar outra vida.

— Já perguntou?

— Eu vi. Ele estava muito feliz em casa sendo tratado como realeza e sendo mimado. Lá ele vai ter que trabalhar ao menos dez horas por dia.

— Não fique triste se ele não for, eu vou. — ela deu um sorriso, fazendo eu retribuir.

— Eu não vou deixar você ir.

— Você não tem que deixar nada. Eu vou e você não vai me impedir! Só se me matar. — ela tirou sua mão da minha. — E eu acho que não faria isso.

— Você acredita muito em mim.

— Faz algo suspeito e eu queimo sua cara nessa fogueira.

— Você é tão agressiva.

— Eu não sou agressiva. É só como eu fui criada. Ameaçada, humilhada e vendo agressividade por todo canto. Pessoas achavam-se melhor que nós só porque moravam na capital ou porque tinham sangue azul… Aqueles malditos nobres. — seu olhar ficar perdido no horizonte. — Yoongi me protegia e me ensinou várias coisas, por isso hoje eu sei me defender e manusear armas. Ele que me fez fazer amizade com Jimin. Únicos amigos que tenho são os dois.

— A irmã do Jimin?

— Ela sempre foi a estranha. — Sun fez uma cara estranha também. — Ela é boa pessoa, mas nunca chegou a ser minha amiga.

— AAAAH! — Hoseok gritou, trazendo umas frutas e pulou para se sentar ao meu lado. — Vamos comer, Yoongi pegou um peixe enorme ali para nós comermos.

— Você está muito feliz para que acabou se ser sequestrado de novo. — Sun ironizou.

— Eu gosto dos meus sequestradores. — ele riu, pegando um cacho de uma. — Quer? — ele me ofereceu.

— Não. — respondi tentando me livrar do sentimento de ciúmes. — Eu vou esperar o peixe primeiro.

— Você que sabe. — Hoseok deu de ombros, mas enfiou uma uva na minha boca de surpresa, rindo.

◈ ◈ ◈

POV JIMIN

O dia estava um pouco estranho. Até aquele momento, mesmo tendo se passado horas desde o café da manhã, meu pai ainda não tinha me procurado. Não tinha falado muito com minha mãe ou minha irmã. Ela estava um pouco distante de mim desde que me pegou no quarto com Jungkook. Possa ser que ela pensou melhor e viu que era errado aquilo e, internamente, estava me julgado. Depois do almoço, só a vi indo para biblioteca com Seokjin e Namjoon. Jungkook ficou um pouco comigo, porém foi atrás dos amigos para saber o que estavam fazendo. Faziam horas desde que ele tinha ido. Eu tinha ideia do que eles estavam fazendo: descobrindo um jeito de voltarem para casa. Sooyoung estava bem interessada e ela iria sem pensar duas vezes, já eu era um medroso que mesmo que quisesse fugir, eu nunca conseguiria já que tudo o que eu faço é em prol de meus pais.

Continuei sentado na varanda, olhando o pôr do sol. Quando mais se aproximava do outono, mais bonito ficava o contraste no céu.

— Ei! — meu pai sentou-se ao meu lado. — No que está pensando.

— Em nada. — respondi no automático. — Às vezes a gente precisa não pensar em nada.

— Nós precisamos conversar. — ele disse firme.

Naquele momento, eu fechei os olhos, me ajeitando mais na cadeira e olhei para ele. Tinha convicção de que não sairia nada bom a partir daquele momento.

— Você está quase perto de se casar e construir uma família, certo?

— Vai dizer que preciso amadurecer meus pensamentos e que eu estou muito idiota para governar Meltzam?

— Mas você está mesmo. Porém como eu só deixarei o trono antes de eu morrer, então significa que você tem anos para amadurecer, pois eu não pretendo morrer tão cedo. Mesmo que você e sua irmã tentem a todo custo me infartar.

Eu dei uma risada de leve.

— A gente não faz por mal.

— Só quero dizê-lo coisas do passado, mais especificamente sobre seu irmão mais novo.

— O qual morreu?

— É. Tem muitas coisas que você não sabe sobre ele ou desse tempo.

— Na verdade eu nunca quis saber mesmo. — joguei as palavras nele. — Eu nunca senti necessidade de saber de algo que eu nunca conheci ou que eu me lembre. Eu não me lembro absolutamente nada dele.

— Eu sei, você não tinha nem dois anos quando ele nasceu. Seu irmão nunca morreu, Jimin.

— Como é que é? — eu quase tive uma parada cardíaca ali mesmo.

— Seu irmão nunca esteve doente, somente sua mãe estava. — ele suspirou. — O feiticeiro que pedi que curasse sua mãe, pediu seu irmão como pagamento e eu neguei-o dizendo que ele estava morto. Então ele descobriu que era mentira minha e tentou amaldiçoar o seu irmão, mas a maldição acabou pegando em você…

— Como assim eu sou amaldiçoado?

— Foi um acidente. — meu pai ficou nervoso para explicar. — Essa maldição era de que quando seu irmão se casasse, ele morreria. Eu levei ele para outra família cuidar e para protegê-lo.

— Você tentou protegê-lo antes de mim? — fiquei indignado. — Afinal, eu que tenho a maldição!

— Você não tem mais a maldição. — ele me encarou. — Eu consegui reverter isso. Eu consegui livrá-lo disso, consegui salvar sua mãe da morte e salvar seu irmão. — ele respirou fundo. — Entreguei até partes do meu corpo para que pudesse salvá-los. Mantive você aqui por ser o filho mais velho e meu sucessor.

— Pai…

— Isso é para você. — ele tirou o colar de seu pescoço, aquele que eu sempre me perguntava o motivo dele nunca largá-lo. — É para te proteger de toda a maldição que um dia poderão jogar em você. — ele colocou em mim. — Acho que agora é a hora certa de trazer eu irmão para casa e saber se eu consegui me salvar também.

— Eu não consigo acreditar nisso, pai!

— Nem eu. — ele levantou-se, me fazendo imitá-lo. — Eu vou ir atrás de algumas pessoas hoje e lhe apresentarei ao seu irmão.

Eu segui ele para dentro do escritório. Minha mãe estava ali e só pudesse olhar com raiva para ela.

— VOCÊ SABIA DISSO? — gritei.

— Jimin, meu filho, eu só quis…

— Vocês só querem! — eu sai do escritório.

— Ele vai entender quando tiver com a cabeça fria, Subin.

Ele vai entender quando tiver com a cabeça fria, Subin.” era o que eles sempre diziam. Que eu entenderia alguma hora, mas nunca me diziam a verdade para eu tentar entender desde o começo.

Entrei no meu quarto me jogando na cama e arrancando o colar que meu pai me deu e jogando para longe.

Eu cresci acreditando que tinha um irmão morto e, de repente, ele aparece vivo e pronto para voltar para casa para ver o meu casamento.

Aquilo me atormentava e muito. Meu irmão poderia ser qualquer pessoa com quem já cruzei por aí e nem sequer sabia. Sentia-me tão injustiçado que comecei a descontar a angústia que tomou meu corpo, dando socos no travesseiro e na cama. Bagunçava meu cabelo, sentindo minha cabela formigar com as informações que tinha recebido.

— O que foi Jimin? — Jungkook entrou no meu quarto. — O que aconteceu com você?

— MEU PAI FALOU QUE MEU IRMÃO ESTÁ VIVO! — gritei.

— O qual você disse que morreu? — ele sentou-se na cama.

— É. — respondi, com um tom de voz mais baixo. — Tudo por causa de uma maldição.

— Q-que maldição?

— Eu não quero explicar isso. Por que não pergunta você para ele, hein? — eu olhei desconfiado para Jungkook. — Você deve saber onde meu irmão está, não? Por isso essa cumplicidade com meu pai.

— Claro que não Jimin. Eu nem sabia que você tinha um irmão antes de me contar.

Jungkook pegou meu rosto.

— Isso de ter um irmão é muito bom. — ele sorriu. — Você pode ir para Seul comigo e não ter problema de deixar seu pai na mão. Sooyoung está quase perto de descobrir como podemos ir para o outro lado.

— Você demorou tanto lá.

— Foi apenas uma discussão que rolou entre eu e os outros. — ele abaixou o olhar. — Eu não queria ir embora e te deixar.

— Você estava planejando isso? — eu tentei tirar as mãos dele no meu rosto, mas ele não permitiu. — Eu disse que queria ir com você.

— Eu estava com duvida sobre você e sua família. Seu reino. — ele voltou a me olhar. — Só que seu irmão estar vivo, faz que essa dúvida praticamente não exista.

— Eu não estou acreditando no que você estão falando, sabia? É cada coisa… Eu quero ir embora daqui antes de conhecer meu irmão.

— E sabe quando vai conhecê-lo? — Jungkook perguntou, curioso.

— Meu pai disse que ia buscar umas pessoas. Possivelmente meu irmão e a família que o criou.

— Bem, tem uma possibilidade de Sooyoung descobrir ainda hoje. — ele me deu esperança. — É só irmos. Você está disposto a arriscar isso? De verdade?

— Sim, eu estou. — respondi baixo.

Jungkook me beijou, agarrando meu pescoço. Coloquei minhas mãos em sua coxa, no mesmo momento que ele se aproximava de mim. Aquele beijo era o que conseguiu acalmar toda a bagunça que passava na minha cabeça naquele momento. Eu também não via a agora de estar longe dali e poder conhecer a tão famosa Seul que me perseguia desde o momento que Jungkook chegou naquele lugar.

— Jimin? — ele me chamou entre o beijo, mas não tive coragem de abrir os olhos.

— Hmm? — eu tentei voltar com o beijo.

— Eu amo você. — ele disse baixo. — De verdade!

Meu coração acelerou naquele momento. Eu nunca tinha ouvido um te amo de outra pessoa e a sensação era a melhor possível.

— Eu amo você, Kookie. — respondi.

Pude ouvi a risada dele e seus lábios me atingirem para outro beijo.


Notas Finais


Gostaram?
Aviso prévio: BOMBA NO PRÓXIMO CAPÍTULO!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...