História Could Have Been Different - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Erik Durm, Marco Reus, Mario Götze, Roman Bürki
Personagens Marco Reus
Tags Borussia Dortmund, Drama, Marco Reus
Visualizações 32
Palavras 917
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


''Eu encontrei uma razão para mim
Para mudar quem eu costumava ser
Uma razão para começar de novo
E a razão é você.''

Capítulo 2 - OIhos Verdes


Fanfic / Fanfiction Could Have Been Different - Capítulo 2 - OIhos Verdes

Abri o celular para ver o que ele queria.

Mas, como sempre, atenção e alguém para desabafar.

‘’Hey, você tá ocupada?

Gostaria de conversar com alguém

Se puder, vamos nos encontrar’’.

Suspirei. E percebi que era hora de dizer não.

‘’Não estou em meus melhores momentos. Desculpa’’. – Digitei e enviei.

Em questão de segundos, Marco já me respondeu.

‘’Então vamos afogar as mágoas juntos. Por favor!’’.

Acabei novamente, sendo convencida.

‘’Ok. Aonde?’’

‘’Pode ser na sua casa?’’ –Ele digitou.

‘’Não, ela não está nas melhores situações’’.

Acabamos combinando de nos encontrar em um bar próximo. O clima estava chuvoso.

Não me troquei, coloquei somente um moletom e fui andando a pé.

Marco já estava me esperando. Claro, eu não tinha um carro.

Ele sorriu quando me viu. Mas notou que meu rosto não estava dos melhores.

-Aconteceu alguma coisa? –Perguntou ele preocupado.

-Primeiro a bebida.

Ele deu risada e chamou o garçom. Estávamos em um dos balcões, isolados.

-O que quer, Madame?

-Dois copos de vodka. Por favor.

-Já vai começar com Vodka? – Reus deu uma risadinha. – Desse jeito você não passa dos trinta e cinco.

-Essa é a intenção – retruquei dando risada.

Ele pediu somente um copo de cerveja.

-Então, o que aconteceu mocinha? – Perguntou o loiro, para começar a conversa.

-Começa você.  Por que queria conversar?

-Estou um pouco ansioso para o casamento, discuti com ela... Sabe.

As bebidas chegaram e continuei prestando atenção.

-Por que discutiram? – Pergunto.

-Ela não me entende sabe. Acha que eu não dou atenção que merecia. Que eu sou penso em mim mesmo. Tudo isso me irrita.

Tomei um grande gole e ele foi bebendo sua cerveja com cuidado.

-Brigas bobas, quer dizer... – Dei um sorriso leve. –Não desperdice tempo com elas.

-E o que eu deveria fazer? Não dá para evitar.

Tomei o outro copo e dei meu conselho.

-Vocês dois se amam. Estão juntos há um bom tempo. E não vai ser por briguinhas bobas que vão terminar. E o seu casamento não vai sumir do nada, deixe acontecer naturalmente. Idiota. –Respondi, já me sentindo leve demais para falar o que quiser, efeito da bebida.

-Você já foi noiva também né?

Dei uma pausa e o sorriso que estava em meu rosto sumiu.

-Sim.

-E ficou muito ansiosa?

-Sim – dei um sorriso de leve e fui mergulhando em memórias – eu tinha o vestido mais lindo do mundo, iria morar numa boa casa. Cursar outra faculdade. Parece que tudo seria perfeito. Minha vida era perfeita. A gente fica muito feliz mesmo.

-Mas então, ele fez aquilo...

Hesitei por um momento e fiquei triste e brava ao mesmo tempo. Ele me chamara para me magoar?

-Desculpa, Samantha! Eu acabei falando sem pensar.

-Tudo bem... Não foi nada.

-Bom, não vamos mais falar do meu casamento. E você? O que aconteceu? Vi que não estava bem.

E você somente piorou as coisas.

Por que me tortura tanto assim? Será que não percebe que me magoa?

-Meu pai. Ele me demitiu.

-O QUE?! TE DEMITIU?

-Indiretamente. Mas me demitiu. – Chamei o garçom e pedi mais dois copos.

-Hey! Para de beber! Vai ter um treco assim! Não, ela não quer beber mais.

O garçom obedeceu Marco e eu fiquei chateada. Eu só queria mais um pouco.

-Como assim ele te demitiu?!

-Ele me culpou pela lesão de alguns jogadores. Chamou-me de incompetente. Disse que essa seria minha última temporada.

Isso deixou ele revoltado.

-Não! Ele não pode fazer isso! Você é a única que eu confio para cuidar de mim! Não!

-As coisas nunca são como queremos, Marco. Nunca – e hoje eu vi mais que tudo, que nada era assim.

-Olha, se ele quiser te tirar. Eu saio do clube também, simples.

-Não seja idiota. Existem mesmo pessoas melhores que eu que podem cuidar de seu joelho. Eu também estou cansada de meu pai. Não quero continuar lá.

-Mas, Samantha! – Isso deixou ele ainda mais revoltado. –Eu...

-Não. Seja. Idiota – respondo com calma. – Você ama esse clube, não se intrometa no meu assunto com meu pai.

Além de amá-lo, ele era meu amigo. E eu me importava muito com Marco, muito mais do que comigo. E nunca iria querer que ele se ferrasse por minha causa.

Aqueles lindos olhos verdes e uma feição meiga me encararam com desconfiança. Ele tinha cara de bebê. Gentil e carinhoso.

-Tudo bem. Se você quer que seja assim...

-Obrigada. – Sorri com falsidade. –Agora preciso ir.

-Eu te levo para casa. –Marco foi pegando suas chaves.

-Não. Eu pego um táxi.

Deixei ele sozinho. Com cara de tacho. E foi uma das únicas coisas que eu fiz com sensatez.

Eu não podia interferir na vida de Marco. Não quero vê-lo magoado. Não quero estragar as coisas.

Tudo que eu quero é vê-lo feliz. Mesmo que não seja comigo.

A garota o fazia feliz, ela era uma boa pessoa e era isso que importava. Se tinha algo que eu não suportava, era ver os outros tristes por minha causa.

Tudo que eu quero, é ver aqueles olhos verdes brilhando de felicidade.

Sai do bar e a tempestade somente aumentou. Fui andando para casa sem me importar em pegar um resfriado ou algo do tipo.

Somente senti falta de algo.

A coisa mais importante da minha vida, estava deixando para trás.

Havia mágoa. Muita mágoa. Que somente se acumulava em meu peito e minha mente.

Mas não arrependimentos.

Então, tomei uma decisão. Eu seria a melhor madrinha de casamento do mundo.

E depois nunca mais apareceria em sua vida. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...