História Courtship or friendship? - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Katherine McNamara
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Katherine McNamara
Tags Drama, Justin Bieber, Reveleções, Romance
Exibições 59
Palavras 955
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 24 - Castigo


Fanfic / Fanfiction Courtship or friendship? - Capítulo 24 - Castigo

Justin Bieber POV's

De madrugada...
-Amor, acorda, os bebês estão  chorando.-diz Brool tentando me acordar. 
-E daí?-murmuro para ela.
-Eles devem estar com fome, prepara as mamadeiras pra eles...-ela diz.
-Querida, estou muito cansado...-respondo
-Mas já levantei quatro vezes esta noite, faz esse favor pra mim.-ela pedi manhosa.
-Deixe eles chorar!-digo simples. 
-Não é assim que se deve tratar os seus filhos!-ela diz meio chateada.
-Tá bom, eu vou, mas se eles voltarem a chorar, você quem irá.-digo tirando as cobertas de mim. 
Levanto meio atordoado pelo sono.
- Esses bebes estão me dando mais trabalho do que eu esperava!
Se soubesse, teria caído fora a tempo- pensava  enquanto esquentava a mamadeira dos bebês.

No momento em que eu chego ao berço os bebês já haviam parado de chorar.

- Agora que esquentei a porra da mamadeira, os filhos da mãe dorme! Não mereço esse castigo.

-Acordem pirralhinhos! Agora que eu esquentei, vocês vão ter de tomar até a última gota!

Eu balançava as crianças e deles se mexia.

- Acordaaa! Vocês me acordaram, agora eu que estou acordando vocês!

Eu então reparo que a cabeça das crianças estavam azuladas.

Meu desespero foi imediato, pegou as crianças no colo e correu para o seu quarto.

- Querida! Pelo amor de Deus, acorde!

Eles não se mexem! Me ajude!

Brool pulou da cama em desespero e em um segundo já estava com as crianças em suas mãos, estavam mortos

- Elesmorreram!! Olha o que você fez com meus bebês!-Brool fala com eles no colo

- Não foi culpa minha, eu cheguei no berço e eles estavam assim!-as lágrimas jorravam do meu rosto.

- Pelo amor de Deus, diga que não está acontecendo.-ela diz chorando

- Deus! Por que você me castiga deste jeito!-digo. 

E então eu lembro de tudo que eu pensei enquanto preparava a mamadeira.

Eu refleti sobre todos os quatro meses que passei junto aos bebês, nunca fui um bom Pai, enquanto minha mulher se dedicava com todas as suas forças eu os ignorava, e ignorava também a mulher quando cobrava dele

"- Pegue-os no colo, só um pouquinho",

"- Veja amor, eles estão sorrindo"

"- Eles tem cócegas nas bochechas"

"- Amor, você não está olhando"

"- Não chama eles de pirralhos, eles eles são seus filhos."

Senti a culpa tomar conta de mim, sentia me desgraçado, eu era o culpado e não tinha dúvidas disso.

- Fui eu.- disse, havia amargura em meus olhos.- Eu nunca mereci estas crianças, nunca dei amor suficiente, nem pra você, e nem pra eles.- as lágrimas pareciam não ter fim.- Foi Deus quem me castigou! Eles eram meus filhos! Meus filhinhos!- e desabei novamente a chorar.

A essa altura eu esperava por qualquer coisa de Brookel.

"Ainda que me matasse, estaria certa"- pensava. E não era de se espantar se ela o fizesse pois estava com o rosto fechado, seus olhos encharcados pareciam ter morrido junto com os bebês.

Segurava as crianças no colo e não dizia uma palavra.

Então ela quebrou o silêncio, sua voz era rouca e melancólica.

-Deus não castiga.Sei que você nunca deu atenção suficiente aos bebês, eles te adoravam e você nunca ligou pra isso.Mas não te culpo por isso, e apesar de tudo sei que você os amava.- ela sorrira - Se não os amasse, não estaria em tantas lágrimas agora.-ela diz me olhando.

Eu não entendia por que ela me consolava.

"Ela devia me matar"- penso - "Assumi que não presto e mesmo assim ela me consola"

E então eu me lembro de todas as vezes que ela foi amável comigo, e não eram poucas pois em todo o mundo, eu não conseguia pensar em alguém mais pura e gentil.- "Tinha tudo que poderia desejar e nunca dei valor."
- Nessa hora meu choro dobrou de tamanho, não sabia mais se chorava por meus filhos ou por causa de Brool, mas entendo que meu choro era de arrependimento.
Tentou dizer algo pra ela mas uma nuvem branca tomou conta de meus olhos e de repente tudo ficou negro.

- Amor, acorda, os bebês estão  chorando...- era voz de Brool ecoa no quarto

Abro os olhos, estava deitado em meu quarto. E as crianças chorando em seus quartos.  Eles não tinham 4 meses ainda, tinham 3, eu sou um pai super presente para eles, os amo muito e nunca faria com eles o que eu acabei de sonhar.

-Pode deixar que eu vou!-falo levantando da cama para ir dar de mama para meus bebês. 
Entro no quarto de Thomas o pego no colo e depois passo no quarto de Helena pegando para levá-los comigo até a cozinha. Na cozinha coloco eles sentados nas cadeiras de comer deles e fico fazendo brincadeiras com eles para que eles não chorarem
-Cadê o papai?....-eu colocava o pano de prato no rosto-Acho!!!!-eu tirava o pano fazendo eles dar muita gargalhadas.
-Sabe eu amo muito vocês dois! Acho que se a mãe de vocês não tivesse mudado de ideia de tirar vocês dois de dentro dela eu não sei o que seria de m...-fui interrompido pelo som do microondas, pego as crianças e as mamadeiras e vou para o meu quarto e de Brool.
-Ei Jay por que trouxe eles para cá?-ela pergunta se virando para mim que dava de mama para os dois. 
-Eles disseram que queriam dormir hoje com nós!-falo para ela sorrindo.  -Seu bobo ele nem sabem falar ainda!-ela diz rindo.
-Mas eles vão dormir aqui igual!-digo pondo as mamadeiras na cômoda e pondo os dois encima do meu peito para eles dormir ali. 
-É por isso que eu te amo tanto!-ela diz se aconchegado no meu pescoço e fechando os olhos. 
-Eu também te amo!-digo e logo pego no sono também. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...