História Crazy Feelings - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Piece
Personagens Personagens Originais
Tags Nalu, One Piece, Zorobin
Exibições 164
Palavras 1.303
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Mixeed Feelings


Fanfic / Fanfiction Crazy Feelings - Capítulo 4 - Mixeed Feelings

Luffy~~

Já estava tarde, por mais que aquilo estivesse divertido, parece que tem algo estranho em volta, parece que estou constantemente sendo observado, isso parece perigoso...

- Nami, vamos embora? - Tirei ela das minhas costas e a peguei no colo normalmente.

- Uhm, claro... - Ela fez um sorriso ao final da frase mas pude perceber que ela estava triste

- Claro huh? Então, que filme você prefere para ver lá em casa? Quem sabe um terror.

- Sua casa? Mas está tarde...

- Você mora ao lado, não tem problema, mas se quiser eu fico na sua casa! - Abri um sorriso, ela corou um pouco o que foi muito engraçado

- Eu não gosto de filmes de terror

- Ah eu deveria imaginar, então vamos ver um filme de terror, daqueles que o cara sai até da cortina pra te da susto.

- Eu vou pra minha casa

- Claro que não! - Levei ela embora ainda segurando-a em meu colo, ela era mais leve do que aparentava, acho que a única coisa que pesa são os peito mesmo, por que meu deus, aquele tamanho já é exagero ficar balançando enquanto corre, chama muita atenção, desse jeito outros caras vão ficar de olho nela!

- Nami, faz um tempo né?

- Uma voz feminina soou da esquina, Nami congelou por um instante e pressionou suas mãos apertando minha camisa

- V- Vivi... - Vivi? A garota da sala?

- Acertooooou, sentiu saudades? - Nami estava soando mais a medida que a garota se aproximava.

- Ei piranha, mantenha distância, não queremos ficar infectados com sua doença, certo Nami? - Falei meio que pra quebrar o clima e olhei para Nami, não melhorou nada, ela estava ficando pálida

- Isso lá é jeito de tratar uma amiga de infância da sua namorada?

- Olha, não sei o que aconteceu entre vocês, mas a reação que a Nami está agora não indica merda de amizade nenhuma, e mais, só eu posso fazer ela se sentir mal então vaza recalcada.

- Huum, você é interessante, "mugiwara"... Talvez eu deva tentar novamente, Nami? Me deixa roubar a pessoa que você ama, outra vez? - Ela falou provocando, Nami escondeu seu rosto no meu peito e disse baixinho

- Não... - Escutei por pouco de tão baixo que foi

- Mugiwara? Como você sabe disso?

- Isso? Hancock me contou quando eu me juntei a gangue - Merda ela ta junto deles? - Mas você não aparenta ser como os boatos, você teria coragem de me socar a morte?

- Olha, estou me segurando para não fazer isso sua travesti maldita, mas não quero traumatizar a Nami pelo resto da vida dela tento que ver um corpo estilhaçado no chão, então dessa vez eu passo, se nos dá licença estou indo - Passei por ela enquanto ela processava que eu acabava de chama- lá de travesti, eu tenho problemas. Cheguei em casa, Nami permanecia calada todo tempo, coloquei um filme que falavam ter muitos sustos na internet, fiz pipoca e comecei a puxar assunto com ela.

- Você está bem?

- Está preocupado comigo? Que fofinho.

- Q- Quem se preocuparia, você é só uma inútil que sabe de mais do meu ponto de vista! - Falei escondendo meu rosto corado

- É... eu devo ser só isso mesmo - Ela falou baixinho - Sim estou bem, e você?

- Por que eu não estaria? Eu sou incrível!

- Aquela... Vivi se juntou com aquela sua gangue pelo que eu entendi, o que você vai fazer? Eles ainda estão atrás de você certo?

- Acho... Que terei de falar com Ace.

- Ace? E onde ele está?

- Um lugar próximo... provavelmente.

- Você não sabe? Depois eu que sou inútil

- Cala a boca menina pervertida, é só que, por mais que Ace e eu sejamos próximos, quando nos enfrentamos é só para brigar mesmo, na última vez, ele disse "se precisar de mim, você vai precisar me encontrar" ele nunca havia falado isso antes... espero que ele não se envolva onde não foi chamado.

- Ele parece ser importante para você...

- Não sei o que faria se perdesse ele, mesmo que sejamos irmãos adotivos.

- Adotivos? Não brinca, eu e a minha irmã também!

- Sério? O destino deve estar nos pregando uma peça - Falei sorrindo para ela

- Mas e Ace, como vai encontrar ele?

- Amanhã vou encontrar um antigo amigo, ele provavelmente vai saber onde ele foi.

- Eu também vou!

- Vai pra escola isso sim

- Não sou sua filha sabia?

- Claro que sei, eu não sentiria tesão por uma filha, que tipo de pervertido acha que eu sou?

- Um completo idiota, é um caso perdido!

- Pelo menos não fui visto semi nu

- Isso porque eu não invadi sua casa!

- Não? Não mesmo? Certeza? - Falei rindo

- Oh verdade, vi você nu daquela vez, só faltou um reboladinho

- Hum, que tal você fazer um pra mim agora? - Falei já empurrando ela até deixar ela deitada no sofá, ficando assim por cima e então

- NÃO, NÃO NÃÃÃO, POR FAVOR, TENHA PIEDADE

-Caralho - Nami e eu berramos em coro e olhamos em direção ao filme para então ver as tripas dele serem arrancadas e comidas, que bosta é essa, canibalismo? Foi mal, prefiro comer do jeito tradicional!

- Acho que vou vomitar depois dessa!

- Não foi pra tanto, eu estava prestes a comer você também, embora de outro jeito, mas da no mesmo!

- Acho que vou vomitar se olhar na sua cara.

- Ei o que quer dizer com isso?

- Huh - Olhei para o lado e ali estava Chopper "escondido" atrás de uma mesinha

- Eita corói, esqueci de você Chop! - Falei surpreso

- Eu pensei que iria morrer paralisado

- Obrigada - Nami falou com sarcasmo

- Não, estou falando da cobra!

- C-Cobra - Nami falou segurando o riso

- E ei, chop!

- Tomate ambulante- Ela disse me olhando, rindo até de mais. 

- Nami, tire sua blusa pra mim.

- Que? Não, pervertido!

- Vai dormir aqui?

- Nah, quero ir embora mesmo, está tarde de mais

- Que pena a porta ta trancada.

Disse isso e deixei ela na sala mesmo, Chop e eu fomos cada um para seu quarto, coloquei uma música no fone e fiquei vendo a hora passar, cerca de três horas fui pegar água (mania de tomar água no meio da noite) e quando passei pela sala vi Nami dormindo, peguei água tomei, e depois passei um dos meus braços por baixo de suas pernas e o outro por seu pescoço, peguei com cuidado e a coloquei em minha cama, abracei ela e peguei no sono.

Acordei primeiro, a essa altura o bagulho tava invertido, ela tava me abraçando, acordei-a chamando

- Nami, levanta

- Ahn? Luffy? Por que eu to aqui?

- Você que veio andando mesmo, falou até que se eu quisesse poderia tirar sua blusa

- E-Eu o que?

- E disse também que me amava - Ela corou instantaneamente, mas então Sanji apareceu.

- Levanta Luffy, vai atrasar - Ele berrava, e então abriu a porta do quarto  - Desculpe - Ele falou se curvou e saiu.

- Luffy compre mais bebida, ta acabando - Zoro berrava da cozinha

- Compra você folgado - Fui sair e só então percebi que Nami ainda me abraçava - Corei um pouco, mas me desfiz do abraço.

- Ah, hm, eu sou sonâmbula?

- Você é muito séria, fui eu que trouxe você pra minha cama, não tinha cobertas sobrando e não queria que pegasse um resfriado - Falei acariciando levemente seu rosto me aproximando cada vez mais enquanto via seu rosto vermelho.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...