História Crazy In Love - Capítulo 42


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza
Personagens Personagens Originais
Tags 50 Tons De Cinza, Chris Evans, Karen Gillan, Originais, Romance
Exibições 69
Palavras 6.100
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Contém mais de seis mil fucking palavras de: Papai Heartfilia, Lucy sonsa - sansa, sonsa -, simulação e... Vocês iram ler.
PS: Se possível, leiam a parte da simulação escutando a música que está nas notas finais, principalmente por causa do refrão. Tenquiu.
Boa leitura.

Capítulo 42 - E.Q. Sexta Prova: Simulação.


Fanfic / Fanfiction Crazy In Love - Capítulo 42 - E.Q. Sexta Prova: Simulação.

Pov. Zeref.

VOLTANDO PARA A SALA de reuniões, sento na cadeira com os outros conselheiros.

Sim, sou um dos conselheiros por ter a Heartfilia Firearms Manufacturing como principal distribuidora de armas do governo. Quem deveria estar aqui é Victoria, não o moleque filho dela - como Lucas me chama. É ruim ter que discutir coisas com alguém que tem a metade da idade deles - ou menos. Bem, em minha defesa: Não escolho em qual família venho ao mundo e muito menos que seria obrigado a levar a empresa da família nas minhas costas por uma regra que passa de geração em geração.

Obrigado aos meus ancestrais.

- Podemos começar? - Perguntou Dustin pela milésima vez.

- Não, Alexander ainda não se encontra na reunião. - Responde Mike.

- Ele tem relógio e o bom senso para saber o horário da reunião. - Resmungou Lucas. - Não podemos adiar mais.

- Odeio concordar, mas Lucas tem razão. - Disse Dustin fazendo uma careta.

Mike respira fundo.

- O que iremos fazer com a Srta. Rendel? - Pergunta Mike. - Ela infligiu uma regra e ainda atacou outra recruta.

- É mais do que óbvio o que teríamos que fazer com ela. Se essa garota deixa uma rixa banal influenciá-la dessa forma, ela é um perigo para si e aos que estão por perto. - Argumenta Dustin.

- Eu não confiaria a ela a segurança do país e nem a uma missão... - Começa Will.

-... Com essa atitude já saberíamos como iria acabar. - Completo Jonathan.

- Mas bem que a Srta. Filian poderia estar mais atenta. - Rebate Lucas.

O encaro levantando uma sobrancelha. Travo o maxilar para continuar na cadeira e não ir direto de encontro com a jugular dele.

- O que foi moleque Heartfilia? Não gosta que falem mal da sua namoradinha? - Pergunta Lucas com um ar de zombaria.

- Relevo pela sua idade e dificuldade de assimilar uma coisa da outra. - Retruco sorrindo.

- Seu moleque! Sua mãe não lhe deu educação?! - Exclama ele batendo na mesa

Deixo Lucas de lado e me volto para Mike.

- Continuando. - Murmuro gesticulando.

- Mas sim, voltando ao assunto. Não importa se a Srta. Filian estava atenta ou não, Srta. Rendel quebrou uma regra e não podemos admitir isso em nossa organização.

- Não quero que minha vida dependa dela. - Murmurou Dustin fazendo uma careta.

- Qual será a punição? - Pergunta Dustin. - Eu não a quero em minha organização.

Vamos logo as explicações para diminuir a confusão de vocês: Dustin é o diretor da sede do FBI em NY. Mike é o diretor da CIA com sede também em NY. Lucas é o diretor da academia do FBI em Quantico. Will é o diretor do treinamento dos Analistas de inteligência da CIA e Jonathan das Agentes Especiais e ambos são irmãos.

- Nem eu, digo logo. - Disse Jonathan.

- Acho que ela colocaria as pessoas em risco para estar em algo maior que a... Polícia. - Disse Will.

- Um jeito lindo de dizer que não quer também Will. - Resmunga Lucas.

- Então, pela democracia... - Começou Will não dando importância para Lucas.

-... Ou o que restou dela. - Completou Jonathan. - A garota...

- Srta. Rendel. - Corrigiu Will.

- Que seja. - Resmungou Jonathan gesticulando. - Então, é isso. Punição da Srta. Rendel é perder áreas, sendo ela FBI e CIA como Analista de inteligência ou Agente Especial. Deixando apenas áreas ramificadas da polícia.

- Algo a acrescentar Flynt? - Pergunta Mike.

- Por mim, ela não estaria nem participando do Exame.

- Bom que isso não é decidido por você. - Murmurou Lucas.

- Posso dar um jeito de lhe tirar do seu trabalho por invalidez. - Retruco o encarando.

- Os outros iram decidir por base do que sabem se iram querê-la. - Acrescentou Will.

- Posso ir agora? - Pergunta Dustin. - Estou morrendo de fome.

- Sim Dustin, pode ir se entupir de comida. - Resmunga Lucas.

Com a reunião dada por encerrada, levando da cadeira abrindo os botões do meu terno.

- Aliás, moleque, como está sua namoradinha? - Pergunta Lucas com o típico tom zombeiro.

- Volta para o Vietnã, velho. - Resmungo me virando.

O deixo resmungando alguma coisa sobre “jovens”. Fecho a porta atrás de mim. Matt não quis participar da reunião, alegando que não tinha nada para completá-la. Deixou a bomba para mim estando cronometrada com um segundo para explodir.

Obrigado, Matthew.

Começo a caminhar para a saída da academia quando meu celular toca avisando que chegou uma nova mensagem de Lucy.

L: Teria a chance de voltar para o hotel hoje, mas não vai acontecer. Taylor, o médico responsável, pediu para repetir uma bateria de exames. Volto amanhã sem horário definido.

Está tudo bem? Quer que eu vá aí?

L: Não, não precisa. Esta tudo bem, só exames corriqueiros, não precisa se preocupar. É apenas "precaução" como Taylor disse.

Taylor? Já está o chamando pelo nome?

L: Ele se apresentou e pediu para chamá-lo pelo nome. Sem ciúmes, meu bem. :)

Ciúmes? Quem disse que estou sentindo isso? Pode me dizer agora, porque quem lhe falou está completamente certo.

L: E isso por acaso é uma novidade?

A essa altura? Não.

L: Tenho que ir agora, nós vermos amanhã.

Até lá estarei em morte lenta sem você ao meu lado.

L: Já começou a definhar?

Desde que li que não iria dormi com você sob o mesmo teto. Meu coração chora a chamar por você.

L: Faça seu coração continuar bombeando até amanhã.

Turn, Turn, Turn.

Turn... Turn, Turn.

Turn... Turn... Turn.

Turn... Turn... Turn...

 

L: Aguente!

Sila. (Força em Russo)

L: Haha Sila.

Sorri comigo mesmo olhando o celular. Essa garota me faz sentir como se fosse um adolescente e... Eu gosto disso. Gosto do jeito que ela me faz sentir. Leve e feliz comigo mesmo. Um tipo de felicidade que não sentia há muito tempo, digo até que uma facilidade maior do que tinha sentindo anteriormente. Eu gosto de me sentir assim. É perturbador, mas... É um sentimento bem-vindo.

Às vezes, tenho medo da profundidade desse sentimento.

Medo de como isso pode acabar.

Não! Não pode. Não mesmo. Sou melhor quando ela está comigo. Não consigo mais me imaginar sem aquela ruiva. Longe de mim. Longe da minha vida.

Respiro fundo e volto a andar esperando pelo novo dia. Quando poderei levar.

Chegando ao quarto, vou direto ao banheiro tomar um banho, quando saiu visto a calça do pijama, como o sono não se fez presente, pego o notebook e começo o relatório para Victoria mandando algumas partes para Matt. Quando o sono finalmente faz morada, coloco o notebook de volta no lugar dele e volto para a cama fechando os olhos, esperando que amanhã eu veja os olhos verdes bipolares daquela ruiva.

ERAM 22H00MINS. DEVERIA ESTAR dormindo. Meus pais estavam no escritório. Eles passam bastante tempo lá. Eles não ligam para mim. Eu não aguentava mais viver nessa casa grande, queria ir lá fora. Bobby estava com Mary. Gosto deles. Eles me tratavam bem. Importavam-se comigo. Eles não me iam ver saindo. Poderia ir pelo lado. Os seguranças não ficam daquele lado. É meu lugar secreto. Shh!

Estava do lado de fora da casa grande que realmente era grande. Por que essa casa é tão grande se tem poucas pessoas lá dentro? Não faz sentido. Balancei a cabeça para tirar esse pensamento da cabeça e começo a andar pelas ruas desertas, tinha algumas pessoas deitadas no chão. Passei por elas, quando dei boa noite eles sorriam, isso me deixou um pouco feliz, mas não sorrir como eles. Não conseguia. Não sentia mais vontade de sorrir por causa dos meus pais.

Continue andando até ele gritar. Jaden estava atrás de mim. Ele deveria estar dormindo. Continuei andando com Jaden ainda me seguindo. Passamos um tempo andando até um carro preto parar. Nunca tinha visto antes. Depois tudo ficou preto.

Cadê meu irmão? Onde ele está? Jaden? Jaden? Jaden?!

Merda!

Acordo abrupto. O corpo encharcado de suor, a respiração pesada. Engulo em seco e espero que minha respiração se estabilize. Desde quando não tenho pesadelos? Desde que esbarrei com ela na lanchonete. Minha cabeça começou a focar na Srta. Filian não deixando os pesadelos tomarem conta, mas eu a tinha e ela não estava aqui.

Levantei e caminhei cambaleando para o banheiro. Liguei a torneira e lavei o rosto, levantei a cabeça para ser encarado por olhos azuis. Cabelo longo e bagunçado.

Quantos anos eu tenho? Quinze, dezesseis anos? Por Deus!

A única coisa que diferencia é a barba que sempre estou deixando de última hora para me livrar dela.

Poderia me livrar dela agora. É sim. Poderia.

Tiro a calça do pijama e vou para o chuveiro, passo um tempo a mais deixando a água escorrer pelo meu corpo na esperança tola que leve o pesadelo embora. Saindo, volto para a pia tirando, por fim, a barba.

Voltando para o quarto, olho no relógio, 5h25mins. Esta na hora de voltar a fazer a corrida matinal que deixei de fazer a um bom tempo. Coloco uma roupa mais folgada com um capuz e o coloco sobre a cabeça, aperto play para Carnivore do Starset para me deixar inerte e começo a correndo pela trilha junto com alguns recrutas. Quando estou dando a última volta coloco Counting Stars do OneRepublic e aumento o passo voltando para o hotel.

Mais uma reunião. Meu humor não estava o dos melhores. Caso de Rendel foi resolvido. Alexander, um dos conselheiros chegou reclamando, mas Mike o mandou ficar quieto, pois ele não participou da reunião. Ficou calado e cabeça baixa, mas a raiva era clara, porém divertida - para mim.

- E agora? - Perguntou Lucas com uma cara de deboche.

- Analisar. É a última prova. - Responde Mike. - Vocês já estão de olho em alguém? – Acrescenta ele pegando sua folha onde tinha os participantes que ele estava de olho.

- Sim, estou. - Responde Dustin fazendo Lucas revirar os olhos.

- Estou de olho em alguns, porém principalmente em três. - Responde Mike.

- Já imagino quem. Você e todos estão de olho neles três. - Resmunga Lucas.

- Porque são bons. - Disse Jonathan.

- Deixem o Lucas de lado e comecem logo! - Exclamou Alexander.

- Apressado. - Murmurou Dustin.

Mike pega o celular e manda uma mensagem para alguém que imagino quem. E logo Elen entra.

- Vamos logo com isso. - Disse ela entrando, indo direto para o monitor. - Vocês já me mandaram a ficha dos recrutas que estão interessados e vocês estão sincronizados, pois todos querem os mesmos.

- Bom que diminuiu seu trabalho. - Disse Dustin sorrindo.

- Sim, muito obrigada. - Murmura ela voltando para o monitor, o ligando.

Assim, a reunião finalmente começa. Quando Elen liga o monitor e alguns participantes que já tinha visto aparecem. Ela começa a dizer o que tem na fixa e um rápido resumo sobre eles além dos pontos negativos e positivos, por isso não me interessar diretamente, admito que não prestei muita atenção até que a cara de Jimmy aparece.

Nome: James Anderson.

Idade: 23 anos.

Área Desejada: Analista de inteligência - CIA.

Filhos (as): Não.

Pai: Jerry Anderson.

Área: Guru da Tecnologia.

Mãe: Jannie Anderson.

Área: Guru da Tecnologia.

Irmãos (as): Não.

- Tem grande habilidade na área da computação e qualquer meio de tecnologia de informação. Qualquer problema envolvendo um computador poderá ser resolvido por ele. Em resumo: James é um excelente hacker, entretanto suas habilidades em combate são lamentáveis. Não tem nem um tipo de resistência física.

Então a imagem muda para Felix.

Nome: Felix Wyatt.

Idade: 23 anos.

Área Desejada: Agente Especial - CIA.

Filhos (as): Não.

Pai: Coulson Wyatt.

Área: Coronel.

Mãe: May Wyatt.

Área: Tenente-Coronel.

Irmãos (as): Não.

- Diferente de James tem grande resistência física, um dos melhores em combate no Exame, mas deixa a desejar em outras áreas, sendo elas: Inteligência e Liderança. Felix não consegue responder sobre pressão, trava, gagueja. Em potencial seria um péssimo líder. - Elen faz uma pausa respirando fundo. - Bem, tivemos problemas com a próxima, porém deixarei para contar depois.

Nome: Lucynda Filian McGraham.

Idade: 22 anos.

Área Desejada: Não Mencionado.

Filhos (as): Não.

Pai: Joshua Filian McGraham.

Área: Dono do Speed Shop McGraham

Mãe: Christina Filian McGraham.

Área: Contadora.

Irmãos (as): Julie Filian McGraham.

Área: Marketing Empresarial.

Filhos (as): Sim.

Nome: Sherry Filian McGraham.

Idade: 5 anos.

Pai: Não Identificado.

Lucy é tia? Ela não tinha mencionado isso. A menos que nem ela mesma saiba...

- Como Felix, é uma das melhores no Exame de Qualificação, embora seja uma junção dos dois. Uma ótima aquisição. Uma das melhores tanto em combate como mental. Qualificou-se como melhor em todos os seus exames, porém tanta habilidade assim vem com a arrogância e a petulância. Ela é boa e sabe disso. Tem um temperamento explosivo, pavio curto e quando isso acontece suas habilidades ficam... Bagunçadas. Estranhamente melhores, mas faz o que tiver vontade. Um ponto negativo, mas suas habilidades mesclam e apagam um pouco isso.

- E sobre os problemas? - Pergunta Alexander sorrindo.

- Sobre os problemas ou apenas... Chame de extra. Lucynda é adotada. Foi deixada na porta da casa dos pais adotivos, não sabemos quem. – Elen fez uma pausa. – Então começamos a pesquisa, porém não chegamos a lugar nenhum, entretanto tem nacionalidade Americana, então pode ser aceita no FBI ou CIA. - Mike e Dustin sorriem em resposta. - Seria aceita se... - O sorriso de Mike e Dustin some e o de Alexander aparece. -... Não participasse mais do Exame. - Concluiu Elen sem demostrar nenhuma emoção. Seu rosto estava sério igual como tinha chagado na sala.

O quê? Engulo em seco sem entender nada. Como assim não participa mais do Exame?!

- Iremos fazer uma pausa agora. - Disse Mike. - Retornaremos daqui alguns minutos.

Alexander que estava sentado ao lado de Lucas começa a cochichar rindo. Minha confusão muda para raiva, afasto a cadeira a fazendo arranhar o chão e assustar Alexandre e Lucas que viram na minha direção junto com os que ainda estavam presentes. Dustin que já estava abrindo a porta vira para olhar arregalando os olhos. Vou em direção a Alexander puxando pelo colarinho.

- O que diabo você fez? - Rosno travando o maxilar.

- Oh, calma aí garoto. - Disse Alexandre sorrindo.

- O que você fez?! - Exclamo puxando mais seu colarinho e o empurrando para a mesa afastando uma das cadeiras.

- Ei, moleque. - Começou Lucas.

- Vamos! - Rosno empurrando Lucas para longe.

- Eu não fiz nada. Não posso fazer nada se ela desistiu, garoto.

- Se eu souber que você tem haver com isso...

- O que vai fazer? - Pergunta ele tentando soltar minha mão.

- Espero que você não esteja envolvido para saber. - Rosno o soltando.

Saiu da sala deixando uma cadeira ir de encontro com o chão. Caminho em passos longos em direção ao Beco de Hogan onde era feito as simulações. Ligo para Megan que estava lá cobrindo.

- Megan, Lucy está aí? – Pergunto assim que ela atende.

- Eu estava indo ligar para você para isso. Faz tempo que estou ligando para o celular dela, mas só chama. A vez dela esta chegando e nada, você está sabendo de alguma coisa?

- Estou tentando uma ideia. Você a viu hoje?

- Não. Flynt, o que está acontecendo?

            Meu coração acelera e minha mente começa a embaralhar.

- Continua ligando para ela.

Desligo deixando Megan falar sozinha e vou para a Área Médica onde ela iria ficar. Chegando lá, o Médico responsável por ela, Taylor, disse que ela tinha recebido alta ontem, mas continuou no quarto, optando por sair hoje pela manhã. Passo as mãos pelo cabelo exasperado. E dou uma olhada no quarto onde ela estava, mas nada que me ajude.

Onde diabo ela pode está?!

Quarto.

De volta para o hotel, deixo o elevador de lado e vou pela escada subindo dois degraus de uma vez. Chego a porta do quarto, o abro, não a vejo e vou até a cama e a encontro escorada na grade de proteção da janela olhando para o nada. Ando em sua direção tentando assimilar o que está acontecendo. Ela não pode ter desistido. Ela estava se empenhando de mais. Alguma coisa aconteceu. Alexander deve ter feito algo por causa do filho dele. Ele faria tudo pelo filho dele. Até ir tão longe assim.

Quando me aproximo dela bato em sua mala que estava ao lado da cama a virar para mim. Ao me ver, dá um sorriso triste.

- Ei. – Vou a sua direção. - O que aconteceu? Seja lá o que for, pode me dizer.  Talvez se a dor for compartilhada a torne suportável. - Tento sorrir.

Lucy respira fundo e me olha.

- Quando eu estava saindo do quarto ontem Devon veio me ver, começou com o discurso de sempre, então fiz o de sempre: Não dar importância. Ele foi embora e achei que teria acabado por isso, mas não, depois o pai dele entrou.

- Alexander.

- Me fez uma proposta: Eu namoraria com o filho dele e Rendel recebe a punição se eu não aceitasse ele iria me tirar do Exame.

Eu vou acabar com esse velho e o filho mimado dele! Me levanto da cama deixando Lucy gritar meu nome ao fundo. Pego o celular e faço a discagem rápida. Saí do quarto e enquanto chamava, passo a mão pelo cabelo exasperado. Eu disse que iria fazer de tudo para protegê-la e irei cumprir. Não fiz nada o que estava ao meu alcance com Melissa e não vou deixar que nada e nem ninguém fique no caminho.

- Sim? - Responde Victoria do outro lado da linha. - Estava esperando sua ligação, meu filho.

- Já sabia?! – Rosno.

- Me informaram um tempo atrás. Alexander não tem limites.

- Quero que reverta isso.

- Já estou trabalhando nisso. Não é apenas você que quer proteger o futuro da Lucynda. Se ela não conseguir algo será por erro dela mesma e não por Alexander estar usando as fontes dele para tirar uma recruta do Exame de Qualificação por não aceitar namorar o filho dele.

- Qual é o custo da sua boa ação? - Pergunto.

- Você acha que eu não poderia fazer isso pela minha nora? - Pergunta ela fingindo estar ofendida.

- Pensaria isso se não a conhecesse. Diga logo qual é a condição para me preparar mentalmente.

- Sua condição? Algo simples: Quero que se refira a mim e ao seu pai como deve e não pelo nome.

- É isso?

- Sim, apenas isso pela ajuda. Ah, propósito, fale para ela se recompor e mande-a para o Beco de Hogan, ela irá entrar daqui alguns minutos.

- Mas... - Fecho a boca. - Obrigado.

- Obrigado o quê?

- Obrigado... Mãe.

- Não por isso, meu filho. - Responde e sei que ela está sorrindo do outro lado da linha.

Gostarei de saber o que ela esta aprontando, mas para começar a pesquisar iria contra o que disse para Lucy. Não iria pesquisar sobre os pais dela e nem perguntar para Victoria, pois assim como ela e Elen saberão quem são os pais dela.

Voltando para o quarto, coloco a mala de Lucy para perto da parede tirando da passagem.

- Vamos. Você tem uma última prova antes de começar a relaxar.

- O quê?

- Sem perguntas, apenas venha. Você tem alguns minutos. Aproveite que já estava arrumada para ir embora sem me dizer nada.

- Estava lhe esperando.

- Anda Lucy! Tira esse belo traseiro daqui.

Lucy levanta uma sobrancelha e sorriu em resposta. Ela levanta e me dá um beijo rápido, antes de sair sussurra algo em meu ouvido, porém não consigo assimilar.

Oh, eu poderia dar uma carona para ela, não?

Como conselheiro ganhei um carro e motorista a minha disposição. Ser eu tem suas vantagens.

Vou a sua direção a encontrando na porta.

- Aceita uma carona?

- Carona? - Pergunta ela sorrindo. - Você já não fez demais?

- Um pouco a mais não vai fazer diferença? - Pergunto piscando para ela. - Então? - Pergunto estendendo a mão para ela.

Lucy revira os olhos e pega em minha mão. Sorriu em resposta e caminhamos.

Chegando ao Beco de Hogan, Lucy desce do carro e corre. Agradeço ao motorista e saiu, andando, não correndo.

Quando chego à sala onde é passada toda a prova por uma tela, a sala está lotada de Jornalistas, avisto Megan e caminho até ela.

- Conseguiu? Me diz que você conseguiu!

- Claro que consegui.

Megan respira aliviada.

- Ah, Matt pediu para avisar quando você chegar, que você tem que ir ali em cima.

Reuniões.

- Obrigado.

Caminho em passos lentos para a sala. Bato uma vez antes de entrar.

- Você está atrasado. - Disse Mike.

Seu semblante não era de raiva, ele estava se divertindo com algo.

- Estava ocupado.

- Garotas. - Comentou Dustin rindo.

- Então, sobre o que é essa reunião mesmo? - Pergunto sentando.

- Nada. - Responde Jonathan. - Estamos esperando alguém.

- Esperando quem? - Pergunto levantando uma sobrancelha.

Mas já sabia do que tratava e agradeço por ter não perdido isso. Esperamos alguns minutos antes de alguém bater na porta. Elen aparece abrindo a porta com alguém atrás dela.

- Bom dia, senhores. - Cumprimenta entrando na sala.

Jeremy? Victoria mandou ele?

- Jeremy? - Pergunta Mike levantando indo cumprimentá-lo. - É bom vê-lo.

- Não nessas circunstâncias. Vamos logo direto ao assunto. Quanto mais rápido, melhor. - Disse sério. - Para você. - Acrescenta colocando um papel na frente de Alexander.

- O que é isso? - Pergunta Alexander.

- Leia e descubra. - Responde com um sorriso de canto de boca.

Alexander começa a folhear e a cada folha que ele ler sua expressão ficava mais dura. Raiva ia crescendo e meu divertimento também. Jeremy olha para mim e levanta uma sobrancelha, dou de ombros em seguida.

- Isso só pode ser brincadeira! - Exclama Alexandre batendo na mesa levantando.

- O que é brincadeira? - Pergunta Will.

- Com que autoridade você tem de me transferir? - Grita Alexander.

- Você não leu? - Pergunta Jeremy que respira fundo em seguida. - Usar sua posição para preferência aos gostos do seu filho e tirar uma recruta por não aceitar namorar ele? Você é lamentável. Poderia ter pena de você, porém você não merece minha pena.

- Você não tem essa autoridade! – Exclama levantando da cadeira.

- Agora eu tenho. - Jeremy vira e da algumas batidas na porta.

Dois seguranças entram e vão à direção de Alexander.

- Você vai ter a sorte de apenas ser colocado em outro setor. Vá com os senhores sem barulho, entendeu? Se não eles terão que usar a força. Sabe como é. - Completou piscando.

- Eu vou acabar com vocês! - Gritou Alexander apontando para Jeremy.

- Claro que vai, estarei lhe esperando. Agora vá. - Jeremy dá um sinal com a cabeça para os seguranças levarem Alexandre.

Quando pegam em seu braço, ele o solta e anda na frente. Jeremy dá um sinal para seguir ele e me levanto.

Matt estava sentado no canto da sala observando tudo, quando olho para ele, o mesmo da de ombros.

Os guardas continuaram escoltando Alexander na frente. Passamos por um corredor onde estavam preparando os recrutas para a simulação. Distribuindo os equipamentos.

- Olha se não é a Srta. Filian.

Ergo o olhar para Alexander na frente, Lucy estava de costas para ele prendendo o suporte do colete, ela vira lentamente para ele.

- Você está em boa companhia, Srta. Filian. - Continua Alexandre. - Seria mais fácil se apenas tivesse aceitado minha maldita proposta! Você é tão influente e nem sabe. Os conselheiros também sabem e por isso estavam recolocando no Exame, mas Victoria foi mais rápida. Porque ela também sabe. Aprenda: Um Heartfilia não faz nada se não ganhar algo em cima.  Ela quer você como trunfo e o filho quer você na cama.

- Andando. - Resmunga um dos guardas.

- Você é muito ingênua ou muito arrogante. Você realmente não tem ideia de quem são seus pais? - Pergunta Alexandre rindo.

Lucy sorri e se aproxima dele.

- Não, não sei quem são e no momento, não quero saber. Seus amigos tem que levar você para algum lugar, não? - Pergunta ela sorrindo. - Agora eu tenho uma prova para fazer e em sua homenagem, vou passar com honras. Coisa que seu filho não vai conseguir sem a sua ajuda. - Completa piscando para ele.

- Sua... - Alexander ia partir para cima dela, mas os guardas o seguraram.

- Oh, não, não. Sem violência nesse recinto.

- Leve ele. - Ordenou Jeremy.

Os guardas pegam em seus braços e o levam embora.

Ingênua ou arrogante? Acho que já sabemos qual é a resposta.

Um dos examinadores acompanha Lucy para começar a simulação.

- Flynt. - Chama Jeremy me tirando dos meus devaneios.

- Sim. - Respondo me virando para ele.

- Aquela é a Lucynda que sua mãe tanto fala e que você está envolvido?

- Sim, é ela.

- Ela estava naquele dia na escola, não? - Pergunta.

- Sim, estava. Aliás, como você chegou aqui tão rápido?

- Quando ligou para a sua mãe eu já estava a caminho.

- Você sabe... Hm...

- Quem são os pais da garota é o motivo da sua mãe querer ajudá-la.

- Quando ela descobriu?

- Ela pesquisou quando a viu no colégio. Achou ela parecida com alguém e acabou por confirmando que ela é...

- Não, não quero saber.

- Medo de soltar a boca e acabar falando para ela?

- Ela não quer saber quem é e vou respeitar isso. Pelo menos agora sei onde obter a informação quando ela mudar de ideia.

- Entendo.

- Quem vai ficar no lugar do Alexander?

- O Governo irá mandar alguém, só não sei quando.

- Ela vai dar um jeito de colocar alguém em uma posição boa para ela.

- É sua mãe, ela sempre faz isso. - Respondeu dando de ombros. - Agora eu tenho que completar o resto da transferência de cargo. Vejo você depois.

- Jeremy. - O chamei.

- Sim?

- Veio até aqui, por que... Minha... - Respiro fundo. - Porque minha mãe pediu ou por que quis?

- Ambos. Sua mãe sabe ser persuasiva quando quer, todavia... Você gosta dessa garota, então... Um pouco dos dois.

Jeremy viu minha cara e riu.

- Estava esperando que eu tenha vindo apenas por causa da sua mãe? Você tem uma noção errada nossa, Flynt. Erramos na maneira como criamos você. Não podemos voltar no tempo e tentar consertar.

- E por isso começaram a fazer diferente com Jaden e a So.

- Sim. - Confessou. - Mas mesmo fazendo de um jeito errado você cresceu do jeito certo. Tenho que agradecer a Mary por isso.

- Por que isso agora?

- Antes tarde do que nunca? Agora tenho que ir. Vejo você depois e conversamos com mais calma e me apresente a garota devidamente. - Pediu colocando a mão no meu ombro.

- Sim, pai. - Prometi me permitindo sorrir para ele que retribui.

Ele se junta mais a frente aos guardas e segue sem olhar para trás.

Não sei que confissão foi essa. Agora eles começaram a se arrepender? Depois de vinte e três anos? Não é um tempo muito longo para rendição? Balanço a cabeça para parar de pensar sobre e volto para a sala na hora que Felix está gritando com James.

- Anda Jimmy!

- Olha, não me apressa, está bem? Estou fazendo o melhor que posso.

- Você tem que fazer ainda melhor se quiser passar nessa prova, droga.

- Cale a boca e faz seu trabalho que eu cuido do meu. - Resmungou Jimmy mexendo em um monitor na parede, que iria abrir a porta para a próxima fase, porém quando Jimmy está mexendo, algo o chama atenção e olha.

- Felix! - Grita, porém seria tarde de mais se o inimigo não tivesse caído ao chão com Lucy atrás dele guardando a arma.

- Ouvi por aí que as simulações eram em trio. - Disse ela sorrindo enquanto piscava para eles.

- Você demorou um pouco. - Reclamou Jimmy.

- Burocracias. - Respondeu Lucy dando de ombros. - Agora, faça o que tem que fazer. Você tem uma escolta a mais.

Jimmy começa a mexer novamente no painel.

- Isso é divertido. - Comenta Megan ficando empolgada. - Nunca a vi em ação. Isso é muito empolgante! Mas espera. Como ela está?!

- Com uma costela fratura, mas ela liga para isso? Olha onde ela está!

- Bem, é a Lucy. – Resmunga Matt mexendo a cabeça.

Jimmy consegue abrir a porta que leva a um corredor com dois caras esperando. Esconderam-se atrás da porta.

- Pronta? - Pergunta Felix.

- Vamos. - Concorda Lucy.

Eles continuam seguindo, mas dessa vez usando armas. Da última vez que vi Lucy atirando ela acertou metros de distância e não centímetros do alvo. Era realmente horrível, mas agora? A garota acertou com um tiro. Ficou boa assim como? Por Deus!

A simulação não era longa. Era divida por fases para testar combate corpo a corpo, testar o analista, mira, teste liderança e o bônus: Justiça. O que é apenas um renome bonito para o que eles querem que você faça ou acredite.

Teste do analista era em todas as provas, já foi o de mira, agora era combate.

Jimmy abre mais uma porta. Onde novamente tinha dois homens esperando, sem armas dessa vez. Lucy olha para Felix que sorri em resposta. Jimmy dá um passo para trás, então eles começam a andar e à medida que vai se aproximando os homens ficam em posição esperando o ataque. O homem que está de frente para Felix tem as pernas mais abertas esperando um ataque aéreo e o outro está mais fechado, estava mais atento que o outro, esperando qualquer tipo de ataque.

Quando estava no meio do caminho começam a correr, os homens se preparam mais e quando estão a centímetros Lucy e Felix trocam de lugar. Lucy acelera e usa o impulso para ir por debaixo das pernas do homem e puxa, o fazendo cair de cara no chão e o outro com a guarda mais fechada leva um chute de Felix rolando para trás.

- Isso foi muito legal. - Disse Jimmy atrás deles sorrindo.

- Mas ainda não acabou. - Avisa Lucy. - Consegue fechar a porta, Jimmy?

- Como ass... - Jimmy olha para onde Lucy esta olhando. - Vou fechar a porta agora.

Da outra sala mais homens vinham ao encontro deles. Jimmy corre até o painel e consegue fechar a tempo de nenhum dos homens passarem.

- Eles podem abrir iss... - Jimmy começa a falar mais Lucy passa por ele e quebra o painel com uma coronhada da arma. – É... Isso pode ajudar. E agora?

- Felix.

- Sim? – Pergunta Felix inerte.

- Você tem que decidir o que iremos fazer. Você foi nomeado líder.

- Eu? Hã, é... Sim. Sou o... Sou líder.

- Sim. - Responde Lucy séria. - O que iremos fazer?

- Poderia aproveitar e... Sair.

- A porta não iria segurá-los a tempo de Jimmy abrir a outra porta.

- Então... Podemos... Eu não sei, eu... Eu não consigo pensar direito. - Felix começa a andar de um lado para o outro. - Eu não posso fazer isso. Não consigo! Não sou meus pais, não consigo liderar uma operação!

- Ei, tudo bem. Não precisa exigir de mais de si mesmo. - Disse Lucy pegando em seu ombro. - Pegue o Jimmy e o leve para abrir a porta. Dê cobertura para ele.

- E quanto a você? – Pergunta Jimmy.

- Alguém tem que ficar aqui.

- Isso não parece certo. E a fratura? – Pergunta Felix.

- Não tem que parecer certo, só precisa fazer o que eu disser. A única condição para a simulação ser um sucesso é o analista chegar ao final. Nossa missão é proteger o Jimmy a todo custo. Não perca mais tempo.

Felix hesita, mas concorda e começa a correr na frente com Jimmy. Lucy fica os olhando até sumirem no corredor. Vira para a porta que os homens batem a amassando até que conseguem abrir. Lucy sorri e inclina a cabeça.

Queria saber o que estava passando pela sua cabeça.

Os homens olham ao redor e começam a andar em sua direção. Lucy inclina cabeça e corre na direção do mais próximo o socando enquanto um se aproximava pelo lado levando um chute da mesma, ela começa a fazer ziguezague entre eles, porém um a agarra por trás, um tira proveito e a soca onde sua costela esta fraturada, Lucy se contorce de dor, mas o cara que a esta segurando a mantem em pé para que o cara que ela socou venha e transfira um soco nela também.

Respiro fundo tentado a interromper isso.

Assim, eles começam aproveitando que ela esta presa e transferem golpes seguidos nela.

Fecho a mão em punho travando meu maxilar.

Lucy ergue o rosto com a boca sangrando, quando mais um dos homens se aproxima, usa o cara que a segurando como impulso e dá um chute, seu rosto de contorce, a fratura não irá deixar se mexer tão livremente e muito menos depois de acertarem a mesma, porém ela é teimosa e continua, acerta com o cotovelo no que está a segurando o fazendo a soltar, gira e o acertar com a outra mão e mais uma vez a dor vem a fazendo arfar.  Três caras restantes começaram a contornar em volta dela, o que está atrás a agarra e a empurra contra a parede na intenção de prendê-la, porém ela usa a parede como apoio e gira sobre o cara o fazendo soltá-la, abaixa rapidamente e acerta um chute na perna do homem o fazendo cair, levanta e leva a mão à costela enquanto sua respiração ficava mais pesada, entretanto ela continua e vai atrás do outro enquanto chutava o que estava aparecendo do lado, um dos golpes do homem a acertar enquanto mais um cai no chão sobrando apenas ele. Lucy leva a mão aos lábios onde, novamente, seus dedos voltam com sangue, passa a língua por cima e corre na direção do homem usando o joelho do próprio como apoio, prende a cabeça dele com as pernas e começa a girar o fazendo cair no chão. Lucy aterrissa ao chão apoiada com um dos joelhos, levanta a cabeça tirando os cabelos dos olhos e levanta voltando a colocar a mão sobre a costela. Olha ao redor e ver os homens sentados escorados na parede levantando o polegar, sinal que ela poderia continuar.

Chegando ao local Jimmy estava apertando o último botão para confirmar e finalmente a porta abre. Quando os três esperavam a porta abrir um homem aparece no final do corredor segurando uma arma apontada para Jimmy. Eles se viram, mas o homem atira, Lucy se joga na frente de Jimmy e Felix acertar o homem.

Analisador está a salvo.

A porta abre dando para uma sala que não se encontra completamente escura por uma luz no meio da mesma estava em cima de um homem sentado em uma cadeira amarado, seus olhos estavam cobertos. Ao lado dele tinha descrições do crime que ele tinha cometido e em baixo uma ordem: Matar.

Jimmy olha para Felix e Felix para Lucy que olha para eles em reposta. Jimmy da um passo para trás. O trabalho de analista dele já foi feita, agora era um teste para os agentes especiais.

O intuito do teste era simples: Saber se os agentes conseguem seguir uma ordem de matar se necessária independente se parecer certo ou não.

Felix engole em seco e olha para Lucy antes de negar com a cabeça e dar um passo para trás, Lucy fecha os olhos e olha para o cara inclinando a cabeça, o que ela faz quando esta pensando, então em um movimento rápido saca a arma e atira no homem e vira para Felix e Jimmy.

- Nunca ouviram falar do: “Minha mão esta coçando para matar vagabundo”? – Perguntou Lucy. – Fazer o que eles querem é chamado de justiça. 


Notas Finais


Thirty Seconds to Mars - Hurricane: https://www.youtube.com/watch?v=mdJDPepGOAM


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...