História Crazy In Love - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Amor, Criminal, Emma Lancaster, Justin Bieber, Mistério
Visualizações 264
Palavras 5.341
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Mistério, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Emma contou pro Justin sobre a gravidez. Qual será a reação dele?

Capítulo 30 - Baby.


Fanfic / Fanfiction Crazy In Love - Capítulo 30 - Baby.

Antes de todas as merdas acontecerem eu tinha um propósito, ir pra universidade depois ir ao médico e logo em seguida ir ao shopping comprar uma roupa pra ir na festa da Maya, então foi isso que eu fiz, fui ao shopping e comprei a roupa mais fofa que eu vi, ainda tinha um pouco da velha Emma dentro de mim, talvez porque eu descobri que estou grávida, eu até tentei ficar triste por isso, mas eu não me permiti sentir, não quero sentir nada ruim, porque acho que já sofri o suficiente, na verdade não quero me permite sentir nada, nenhum tipo de sentimento.

Alex virou minha babá, foi ao shopping comigo e andou atrás de mim o tempo inteiro, quando sai da última loja não aguentava mais olhar pra cara dele.

-Você precisa de alguma coisa? Não tá com fome? - ele perguntou pela milésima vez enquanto íamos pro estacionamento.

-Já disse que eu tô bem Alex.

-Você tá grávida tem que comer.

-Eu não quero comer, quando sentir fome eu vou lá e como. Relaxa camarada. - dei dois tapinhas nos ombros dele

Achei que o mesmo ia me deixar em paz, mas o garoto tomou as sacolas da minha mão, eu não estava carregando nada pesado, era um vestido, mas segundo ele eu não posso carregar peso algum, acho que nem a Pattie vai pegar no meu pé como ele está fazendo.

Assim que cheguei em casa Alex fez uma papa que ele chamava de sopa, não estava ruim, mas a aparecia era horrível, porém eu comi e acreditei que o bebê tinha aceitado aquilo, mas foi pura enganação, 5 minutos depois eu já tinha colocado tudo pra fora.

-Você vai ficar desnutrida - Alex disse me ajudando a levantar

-Achei que estava tudo bem. - fiz bico

-Você vai ficar assim durante meses, se acostuma gata. - ele disse e piscou

-Vou tomar banho e depois me arrumar pra festa da Maya, você pode me levar? - perguntei torcendo que sim

-Claro, vou fazer umas coisas enquanto isso. Qualquer coisa me chama.

Ele deu um beijo na minha testa e saiu do banheiro, Alex era o tipo de garota que todo mundo deseja, bonito, simpático, gostoso e fofo, era uma combinação perfeita, pena que não é do tipo Bad Boy que trai a namorada e mesmo assim ela continua louca por ele, é até ridículo não sentir nada por ele, o cara é lindo, mas quando se está apaixonado realmente só se tem olhos pra uma pessoa, no meu caso o traste do Justin.

Tomei um banho longo de dignidade e me arrumei depois de muito tempo, coloquei um vestido preto, um santo e prendi um pouco do cabelo, não fiz nenhuma maquiagem pesada, não pegava muito bem pra ocasião, quando finalmente estava pronta resolvi pegar minha bolsa e sair do quarto.

-Alex? - chamei indo em direção da cozinha.

Ele estava encostado na mesa bebendo uma taça de vinho, era uma boa vista, o cara na minha frente sorriu assim que me viu e ainda correu os olhos por todo meu corpo.

-Uau, você está parecendo gente agora. - ele disse pra me provocar.

-Que pena que não posso dizer o mesmo de você. - provoquei também

-Emma, Emma. É uma pena que suas provocações não me atingem. - ele disse e piscou.

Decidi acabar com aquilo que estava surgindo, um clima, era estranho flertar com outro cara a essa altura do campeonato

-Você está bebendo? Como vai me levar assim?

-É preciso mais uma taça de vinho pra me deixar fora de si Emma. Vamos?

-Ainda não, preciso pegar os presentes. - disse me virando pra ir pro quarto.

-Peguei quando você estava tomando banho, já ta no carro. Agora vamos que eu tenho umas coisas pra fazer. - ele disse me apressando.

-Que coisas? - fui curiosa

-Coisas de homem gata. - ele disse e piscou

-Ai credo Alex.

-O que? - o idiota perguntou rindo.

-Você paga por sexo? Seu nojento.

-É o que me resta.- ele deu de ombros e saiu do elevador

Andei devagar atrás dele até o carro, assim que entrei peguei meu celular e tinha uma mensagem, achei que era do Brendon porque tinha várias ligações perdidas dele, mas estava enganada, era P.

"Seu amigo atrás de mim custou sua vaga na universidade. Pare de procurar.

                                       -P."

Bosta, só podia ser, só podia ter dedo de P nessa merda toda, P está em todo lugar o tempo inteiro, não consigo entender como alguém sabe tudo sobre você, te vigia e você não consegue ver quem é, parece até mentira.

-Parece que alguém tá irritado. - mostrei o celular pro Alex.

Ele demorou um pouco pra ele mas quando terminou eu vi seu cenho se franzir.

-Esse bosta tá usando você pra me fazer parar?

-P nos quer longe, mas eu não vou parar de procurar. Quero quem colocou aquilo no meu armário o mais rápido possível- disse em tom mandão

-Não acha que foi o próprio P quem colocou isso lá?

-Conheço P e sei que não ia se arriscar tanto assim, mesmo durante a noite ele ou ela sei lá podia ser pego a qualquer momento, tem muitas câmeras e muitos vigias.

-Então acha que foi colocado por um aluno? -  podia ver que pra ele essa ideia era absurda

-Sim, é um caminho bem mais fácil, qualquer universitário faria isso por dinheiro ou até mesmo por drogas. É óbvio.

-Eu vou procurar, mas se tiver alguma coisa vai ser difícil, P não vai deixar passar, mesmo que seja outra pessoa. Não acharam nada nas câmeras, isso quer dizer que ou substituíram a imagem ou apagaram.

-Se tivesse apagado não iam me expulsar sem ter certeza de que eu coloquei aquilo lá, seria uma prova.

-Ou aquilo podia não estar no seu armário Emma.

-Como assim? - perguntei sem entender.

-Dinheiro, o diretor daquela universidade é um velho ambicioso e isso se ve de longe. Eu posso tá errado, mas acredito que não seria difícil aceitar uma boa quantia em dinheiro pra expulsar uma universitária que estuda de graça.

-Eles nem chamaram a polícia e era uma quantidade grande de droga. - disse alimentando a ideia dele

-Existe muitas possibilidades pra isso, qualquer um pode ter colocado aquilo lá, ou não colocado também.

-P nunca paga pelo que faz, mas quem fez isso por dinheiro vai pagar.

Eu podia sentir a raiva na minha voz, queria muito pegar quem fez isso, não sei o que faria, mas eu queria, era uma pessoa que distruiu um sonho por dinheiro ou sei lá o que, era uma pessoa suja.

Minutos depois Alex estava com o carro no jardim da casa do Bieber, não tinha muita gente, a maioria estava indo pro jardim e eu não conhecia boa parte daquelas pessoas.

-Bom quando acabar você me liga tá bom? - Alex disse chamando minha atenção.

-Ta bom. Eu vou pedir pra algum segurança pegar as coisas do porta mala.

-Ta e vê se não come muita besteira. - ele disse todo protetor.

-Pode deixar pai. - fiz graça.

-Eu só quero cuidar de você garota.

-E eu só estou brincando.

Sai do carro antes que ele respondesse e chamei um segurança.

-Sr. Bieber - o cara disse quando chegou perto de mim.

-Estou muito longe de ser uma Bieber, mas quero te pedir um favor. Pode pegar as coisas na mala do carro e colocar no escritório por favor?

-Claro - ele disse sorridente.

Eu fui em direção da entrada principal da casa mas achei melhor não, aquela não era mais minha casa, eu não morava mais ali então fui pelo jardim onde as outras pessoas estavam indo.

O jardim estava todo decorado, um lado tinha alguns brinquedos, Pattie realmente leva a sério esse negócio de festa, tinha comida ali pra um batalhão e muita criança, as únicas pessoas que eu vi da casa foram as duas empregadas que eu sempre via, nem as crianças estavam no jardim, então resolvi esperar, até pensei em comer alguma coisa, mas me lembrei de mais cedo e achei melhor não, não queria sair vomitando pelos corredores.

Estava destraida quando alguém chegou me abraçando por trás.

-Olha quem tá aqui. - era o Chris.

-Sua namorada sabe que você tá abraçando outras mulheres assim? - foi a primeira coisa que eu pensei quando vi seu rosto.

-Você não é uma mulher qualquer. - ele apertou meu nariz. - O que ta fazendo aqui fora?

-Esperando a festa começar como qualquer outro convidado ue- disse como se fosse óbvio.

-Acontece que você não é uma convidada qualquer, é mãe de uma e amiga de outra.

-Mas eu tô bem aqui.

-Você ainda é parte da família Emma.

Eu odiava quando ele fazia isso, Chris tinha o poder de saber tudo o que eu sentia sem nem ao menos eu falar, era como se ele me conhecesse melhor do que eu mesma.

-Chris- realmente não estava afim de entrar.

-Vamos, os caras vão ficar felizes em te ver e sua filha mais ainda.

Eu estava com saudades dela, só estava ali por ela então talvez fosse idiotisse não querer entrar.

-Tudo bem, vamos. - disse e ele comemorou

Fomos andando pelo jardim e algumas pessoas pararam para falar com o Chris, quando chegamos na cozinha já dava pra ouvir as risadas e os gritos, ouvi a risada do Justin de longe e percebi o quanto sentia falta desse  lugar, por mais que tenha sido onde meu coração se partiu, ainda era a minha casa, o lugar onde eu conheci o amor.

-Olha quem tá aqui - Chris anunciou quando entramos na sala

Derrepente tudo virou um silêncio e as pessoas me encararam, algumas com cara feia como a Jessye, mas em compensação minha filha literalmente pulou do colo do pai e veio até mim, cambaleando mas veio.

-Mama- ela abraçou minha perna

Peguei a pequena no colo e a mesna abraçou meu pescoço bem forte.

-Que saudades meu amor - disse beijando seus cabelos

Ela estava tão linda, com um vestidinho rosa, parecia uma boneca, do jeito que o Justin olhava orgulhoso pra ela aposto que foi ele que escolheu.

-Emma que bom que você veio - Pattie disse me abraçando

-Não ia conseguir ficar longe dessa coisinha aqui - disse bagunçando o cabelo dá Maya

-Se você soubesse como eu sinto falta de você nessa casa- ela deitou a cabeça no meu ombro

-Também sinto falta daqui - disse baixo e ela riu.

Todos os meninos me comprimentaram, até mesmo o Ryan, eu sentia falta de quando eles faziam isso quando iam pro galpão, era um gesto de carinho que eu não levava a sério.

Todos voltaram pros seus assuntos e eu fiquei com a Pattie boa parte do tempo, mas ela teve que sair e me restou minha filha que tentava falar alguma coisa que realmente não dava pra entender nada.

-Meu Deus Maya- disse colocando a mão na boca dela.

-Que? - ela tirou minha mão da sua boca e disse toda brava.

-Ei mocinha quem te ensinou a ser grossa assim?

Pra idade dela tinha sido muito grossa, ate a cara feia que ela fez me assustou.

-Ninguém - ela deu de ombros

Eu ia falar mais alguma coisa porem o pai dela apareceu.

-Tia Scarlet chegou - ele disse e isso foi o bastante pra menina pular do meu colo e sair voando pra uma direção qualquer.

-Quem é Scarlet?- perguntei pro Justin

-Ninguém importante- ele deu de ombros e saiu andando.

Seja lá quem for Scarlet devia ser uma pessoa muito importante, com o tempo as pessoas foram sumindo de dentro da casa e eu sai também, Pattie tinha contratado ate um fotógrafo, todos estavam em um momento familia e eu me sentia deslocada em um canto qualquer.

Me afastei de perto deles e fui pra um canto me senti mais sozinha ainda,o que só me fazia pensar na minha vida. Eu estava em um lugar onde ainda devia ser a minha casa, não era justo eles estarem tendo um momento em familia e estarem me excluindo, porque ate mesmo a Jessye estava saindo nas fotos, ate uma mulher que eu não conheço com uma extrema cara de prostituta que ainda por cima não largava minha filha estava fazendo parte desse momento e eu não.

-Possa saber porque você esta aqui sozinha? - Chris perguntou parando do meu lado.

-Só estou pensando.- disse simples

-Pensando exatamente no que?

-Eu estou em um aniversário comemorando a vida de duas pessoas que eu amo muito bem no dia do meu aniversário. - sorri de lado por lembrar

-Seu aniversário? - ele ficou na minha frente.

-É, finalmente 18.

-Emma isso é tão legal. Porque não contou pra ninguém?

-Porque eu não tenho motivos pra comemorar.

-Como não? - ele perguntou com as mãos nos meus ombros. - Você esta viva. Tem motivo maior que esse?

Eu literalmente ri da cara dele, esse negócio de viver já estava sendo uma grande piada.

-Daqui 8 meses nem isso eu vou ter mais.

-Que papo é esse? - ele perguntou sem entender

Não ia esconder isso, não nessa situação eu não tinha esse direito, não quando carregava uma vida.

-Eu estou grávida Chris, você sabe o que isso significa.

Todos sabiam o que isso significava.

-Você ta o que Emma? Se o Justin souber que você engravidou de outro cara ele vai matar você, se der tempo claro, porque você vai morrer, vai morrer e nem vai ver essa criança crescer. - ele estava meio exaltado.

-É do Justin Chris, esse filho é do Justin e eu sei que eu vou morrer, mas isso não importa, eu nem sei se eu quero viver mesmo.

-Mas que merda você ta falando? Parece uma drogada que não tem mais noção de nada.

-Engraçado você me chamar de drogada. Fui expulsa da faculdade porque acharam que eu estava me drogando e que estava traficando, não me surpreendo com mais nada. - sorri fria

Chris me olhava como se eu fosse um ET, mas essa era só o que eu acabei me tornando.

-Você foi expulsa? Expulsa da universidade?

-Você não ouviu o que eu falei? - fui um pouco grossa.

-Eu ouvi tudo o que você falou e não acredito. Quem é você? Porque realmente não é a Emma que eu conheço. Você está gravida e vai morrer, foi expulsa da universidade e esta sorrindo? Qual o seu problema? - ele quase gritou.

-Obrigada por anunciar pra festa toda que eu sou uma viciada condenada. Mas se você quer saber porque eu estou sorrindo é porque tudo isso é uma piada, eu não vou ficar chorando pelos cantos.

-Isso é loucura- ele colocou a mão na cabeça - Foi aquele maníaco que armou pra você não foi? - ele estava se referindo as drogas

-Foi, você acha que eu to me drogando por acaso?

-Eu sei que você não esta se drogando, você ficou igual ao Justin, mas nem tanto.

Ele estava me comparando ao Justin? Tava me chamando de infiel na minha cara?

-Agora acha que eu sou infiel?

-Não, acho que você não tem mais aquilo chamado coração, ta fria, você sorri quando é pra chorar Emma.

-Não estou fria, eu só não consigo mais sentir nada. Depois do Justin todo tipo de sentimento congelou.

-Emma - ele me puxou pra um abraço.

Era o melhor abraço dos últimos tempos, eu sentia tanta falta disso, dos meus amigos.

-Você não precisa enfrentar isso sozinha. - ele disse no meu ouvido

-Sempre fui sozinha. Isso não é um problema pra mim. Agora para de drama, ta tudo bem, eu estou bem.

-Vai contar pro Justin? -ele perguntou se afastando de mim

-Vou, hoje mesmo.

Chris ficou me olhando e eu sabia o que aquele olhar queria dizer, ele estava com dó de mim e dizia que sentia muito, mas nem eu sinto muito por isso. Eu tive um relacionamento com o Justin, um relacionamento que foi muito bom enquanto durou e agora eu estou gerando uma vida por conta disso, em consequência desse amor, pra mim não era um problema morrer por uma criança que vai ter um futuro lindo, que vai ter um pai maravilhoso e uma família unida, seria um problema se eu não quisesse essa criança, ai sim eu seria um monstro.

-Você tem certeza que quer ter essa criança? Porque cara eu estou morrendo de medo por você, vocês nem estão mais juntos.

-Nós não estamos mais juntos, mas eu sei que ele vai ser um ótimo pai. Eu estou condenada a muito tempo Chris, não vou matar uma criança, não sou um monstro.

-Você sabe o que você é? Porque nós dois sabemos que você não é mais a mesma pessoa.

-Você só ta dizendo isso porque eu não estou chorando feito uma criança de 5 anos, eu estou arrasada, quebrada por dentro, você não faz ideia de como eu me sinto mal e sozinha, mas eu não sou fraca Chris, chorar não vai me levar a lugar algum.

-Emma você não está se permitindo ter sentimentos, você está se fechando em um mundo só seu, isso é horrível.

-Eu não sei porque você se incomoda tanto, é a minha vida. Você não tem nada haver com isso.

-Tudo bem- ele ergueu as mãos em rendição - Não está mais aqui quem falou. E a propósito, feliz aniversário. - ele disse e saiu sem nem me dar tempo de agradecer.

Justin Bieber on.

Emma na minha casa era uma tortura, eu já ficava louco quando ela não estava porque cada lugar aqui me lembra a gente e com ela no mesmo lugar que eu o arrependimento batia ainda mais forte.

Eu convidei a Scarlet porque eu achei que ela não viria, na verdade ela disse que não viria, Chaz disse que ela perguntou quem era a garota que estava comigo e pareceu ficar chateada quando soube. A Maya adora a Scarlet e eu tenho certeza que a Emma ficou com ciúmes de ver a intimidade das duas,  eu também ficaria de um cara ficasse tão próximo da minha filha.

Emma estava brincando com a Maya, ela podia estar sorrindo agora, mas eu percebi seu semblante triste desde a hora que ela chegou, alguma coisa estava acontecendo e eu podia ver isso, conhecia aquela garota muito bem, sabia decifrar cada expressão sua, a final, ela era minha noiva, a única mulher que eu amei e na verdade ainda amo.

É muito fácil começar a amar, difícil mesmo é deixar de gostar, eu sinto que jamais vou conseguir não pensar nela, porra é a mulher mais linda que eu ja vi na minha vida, eu posso ter uma gostosa do meu lado agora, mas não é nela que eu penso quando deito minha cabeça no travesseiro, pelo contrário, eu nem lembro que a Scarlet existe.

-Justin? - ouvi uma voz feminina me chamando.

-Que? - respondi sabendo quem era

-Vai passar a festa toda olhando a sua ex? - Scarlet perguntou cruzando os braços.

-Séria uma boa. - dei de ombros.

-Então porque não se junta a ela?

-Sabe, você me deu uma ótima ideia.

Coloquei o copo de vodka na sua mão e sai andando em direção das mulheres da minha vida, mas alguém me impediu no meio do caminho.

-Você sabia que hoje é aniversário da Emma? - Chris perguntou segurando meus ombros.

-É óbvio, ela é minha mulher lembra?

-Sua ex mulher Justin- ele me corrigiu.

-Que seja. O que você quer?

-Porque eu não sabia disso? - ele colocou a mão na cintura mostrando o quanto estava irritado.

-Eu não sei. Achei que ela fosse sua melhor amiga Chris. - disse pra provocar

-Você é um grande idiota e devia ir falar com ela. - ele disse e saiu

Me aproximei das garotas na mesma hora que a minha mãe,ela era maluca pela Emma, qualquer pessoa é, eu não cuparia o tal do Alex se ele se apaixonasse por ela.

-E ai gatinhas - disse quando cheguei perto delas

Os olhos das três mulheres ali se viraram pra mim, de duas mulheres e um pingo de gente na verdade.

-Papai - Maya quis vim pro meu colo.

-Você sempre tira ela de mim- Emma disse fazendo bico.

-Essa dai é doida pelo pai - minha mãe negou com a cabeça

-Todas as mulheres são - fui convencido

Emma apenas sorriu de lado e balançou a cabeça, tinha alguma coisa errada e eu ia descobrir o que era.


Emma Lancaster on.

Depois do parabéns a Maya não demorou muito pra começar a ficar com sono, mas ela não se rendia, não queria ir dormir de modo algum, todas as crianças da escolinha dela já tinham ido embora, mas Jaxon e Jazzy ainda estavam entre nós a todo gás, a noiva do Jeremy estava ficando louca e a Pattie mais louca ainda por ter ela entre nós.

Era mais de 10 da noite quando convenci as crianças de entrarem pra tomar um banho, os convidados do Chaz iam começar a chegar e eu sabia que ia ter muita coisa ruim rolando,muita drogam, muita putaria, um ambiente nada agradável para crianças.

Prometi pros três que depois do banho ia assistir um filme com eles, mas em menos de 20 minutos de filme os três estavam capotados. Ia tirar eles do quarto da Pattie e colocar no quarto da Emma, mas não achei uma boa ideia pegar peso e fui atrás do Andrew, porém acabei encontrando outra pessoa.

-Emma,você por aqui.- Victória disse enquanto segurava uma garrafa de vodka.

-Não, sua mãe.

Ela tinha parado bem na minha frente me impedindo de sair.

-Sempre com essa lingua afiada.

-Victória a putaria é la no jardim, agora me da licença.

-Te admiro garota, você foi a única ate agora que teve coragem de me peitar. 

-Ai pelo amor de Deus, não vem com esse discurso pra cima de mim. Sai do meu caminho.

-Eu sair do seu caminho?- ela riu - É você quem está no meu caminho, nem depois do que viu você deixa o Justin em paz.

Foi a minha vez de rir, ela acha mesmo que eu estava no caminho dela? Logo eu que evito o Justin o máximo que eu posso.

-Você está perdendo tempo aqui, não devia se preocupar comigo e sim com a tal da Scarlet que está la na festa se esfregando no "seu homem." - fiz aspas com os dedos no "seu homemp pra ela sentir a ironia.

-O que? - ela berrou o meu ouvido. - Ele trouxe aquela prostituta? Você sabia que ela é garota de programa?

-Isso não é problema meu Victória.

Já que ela não ia sair do meu caminho eu resolvi passar mesmo assim, empurrei  vaca e passei, já foi o tempo que essa gotica psicótica me assustava.

Achei o Andrew e o chamei pra me ajudar, estavamos quase subindo as escadas quando o Justin apareceu.

-Ei cara onde vai?- com certeza ele estava falando com o Andrew.

-Ele vai me ajudar a colocar crianças na cama. - respondi antes do Andrew.

-Não pode fazer isso sozinha?- Justin franziu o cenho.

-Na verdade não. - disse seria.

Ele pareceu mais confuso ainda e se aproximou.

-Pode deixar que eu ajudo ela.

Ele deu dois tapinhas nas costas do Andrew e vi o mesmo se afastar, queria que ele voltasse e não me deixasse sozinha com o Bieber.

Eu subi na frente e ele veio logo atrás de mim, quando entramos no quarto ele pegou a Jazzy e o Jaxon que eram mais pesados.

-Você pega ela? - ele se referiu a Maya.

Merda, parece que tinha alguém a favor pra que eu contasse logo.

-Não posso pegar peso. - disse sem olhar pra ele.

-Que papo é esse? - mesmo sem ver seu rosto eu podia sentir a confusão em sua voz.

-Depois a gente conversa sobre isso. Eu abro a porta pra você.

Justin não disse nada e saiu com as crianças indo em direção ao quarto da Maya, abri a porta pra ele e o mesmo colocou os dois na cama, enquanto ele foi buscar a Maya eu cobri as crianças e depois quando ele voltou cobri a propria Maya.

-Ai meu Deus ela já tem dois anos.- disse sem acreditar.

-Não me lembra disso.

-Você a imagina mais velha? Tipo com 15 anos?- perguntei me virando pra ele.

-Não, não quero que ela cresca e arrume namorados, eu não vou deixar nenhum marmanjo tocar minha filha. - ele disse todo emburrado.

-Ai como você é machista.

-Não sou machista, ela é meu bebê, ninguém toca nela. Vai morrer virgem.

-Você é ridiculo. - disse por fim.

-E você só está me enrolando. Vamos conversar agora Emma.

Engoli a seco e concordei, ele abriu a porta que dava no seu quarto e eu entrei, olhei em volta e preferi não me sentar, queria ser o mais rápida possível.

-O que ta acontecendo? - Justin perguntou de cara

Ele me conhecia e sabia que tinha alguma coisa acontecendo comigo, e odiava aquele cara por me conhecer tão bem.

-Tenho duas coisas pra te contar, as duas são ruins.

-Ta, pode falar.- ele parou na minha frente.

Analisei bem as coisas que eu ia falar e cheguei a conclusão que eram três coisas, uma era boa e as outras duas ruins.

-Na verdade são três coisas e apenas uma dela é boa.

-Você ta me enrolando de novo, fala de uma vez. Você é péssima em fazer rodeios

Ele tinha razão, eu era péssima, então resolvi começar pela expulsão da universidade.

-Eu fui expulsa da universidade. - disse e ele franziu o cenho.

-Você foi expulsa? Ta brincando comigo? - ele achava que eu estava mentindo.

-Eu to com cara de quem ta brincando? Eu fui expulsa de verdade.

-Porque?

Justin estava com as mãos na cintura me encarando de uma forma que me dava medo, assim eu ficava mais apreensiva em contar.

-Por droga, acharam droga no meu armário.

-Que? Desde quando você se droga?

-Eu não me drogo.

-Aposto que foi aquele tal de Alex que te fez usar.

-Justin - tentei fazer ele calar a boca.

-Eu vou matar ele, aquele idiota não podia ter feito isso com você....

-Não foi ele,foi P.

-P? Desde quando P voltou?

Uma vez eu disse pro Justin que P tinha me deixado em paz e ele acreditou.

-P nunca foi embora Justin. - confessei

-Você me disse que tinha acabado, o que você virou? Uma grande mentirosa?

-Eu só queria que você não se preocupasse. - disse baixo.

-Não me preocupar? A gente ia casar caramba, é claro que eu me preocupo. Você devia ser honesta comigo.

-Quem é você pra me falar de honestidade? Você me traiu e agora está namorando uma prostituta, aquela garota pega a nossa filha no colo. - disse indignada.

-Não tente virar o jogo, não estamos falando de mim, estamos falando de você. Não se preoupe com a Scarlet, ela é uma pessoa boa.

-Eu não quero saber se ela é uma pessoa boa, eu só quero ela longe da Maya.

-Maya é minha filha, eu decido quem pode ficar perto dela ou não.

Fiquei o olhando sem acreditar no que ele tinha falado, Bieber nunca tinha jogado isso na minha cara, ele nunca tinha dito que ela não era minha filha e foi uma coisa horrível de escutar.

-Agora que está tudo bem eu não sou mais a mãe dela, entendi. - sorri de lado.

-Não foi isso que eu quis dizer.

-Não me interessa o que você quis dizer. - disse enquanto pegava o papel na minha bolsa. - Lê isso. - dei pra ele.

Ele me olhou desconfiado e depois começou a ler, ele ia descobrir que ia ser pai, vi seu cenho se franzir e aposto que ele não estava entendo.

-Não estou entendo. - Justin me olhou.

-Lê a última linha. - pedi

Ele desceu seus olhos pro final da folha e quando terminou de lê me olhou assustado.

-O que é isso? - Bieber apontou pra folha

-Isso é um exame de gravidez que é meu e que por um acaso deu positivo.

-Você ta grávida?- ele perguntou sem acreditar.

-Sim, eu estou grávida.

Dizer isso em voz alta era estranho, mas era bom, era como se eu finalmente estivesse admitindo pra mim mesma que tinha alguém dependendo muito de mim agora.

-É meu?

Pronto, agora Justin estava achando que eu era prostituta, que estava gravida de um homem qualquer.

-É claro né Justin, você acha que eu sou o que? - perguntei brava

-Foi aquela vez que você dormiu aqui quando a Maya caiu?

-Foi, estou de 2 meses.

-Eu vou ser pai? - um sorriso enorme se abriu no seu rosto.

-Um Bieber legítimo- disse a frase que ele tinha e dito uma vez é o mesmo deve ter se lembrando porque deu uma gargalhada alta.

Justin me puxou pra um abraço forte e eu o abracei de volta, era o melhor abraço de todos, sentia como se nada fosse acabar comigo naquele momento, era só nós é o nosso bebê.

-Eu prometi não prometi? - ele estava se referindo sobre a gente ter outro filho.

Quando eu sofri o acidente e perdi o bebê Justin me prometeu que me daria outro filho, outro Bieber legítimo.

-Você me prometeu o mundo. - era o momento das lembranças, eu me lembrei de tudo que ele tinha me dito.

-Eu também disse que amar pode curar, amar pode remendar a alma, e também pode ser difícil, que você sabia que podia ficar difícil as vezes. Mas esse amor era o que me fazia sentir vivo naquela hora e agora ele faz eu me sentir vivo novamente. Obrigada por isso, por me transformar em um homem e me da uma família.

Ele desfez o abraço e de abaixou pra dar um beijo na ponta do meu nariz, isso me fez sorrir.

-Tem mais alguma coisa pra me falar ou ja posso gritar?

Vendo o quanto ele estava feliz não quis estragar o momento, não quis contar sobre a grande chance que eu tinha de não aguentar ficar na hora do parto, ele não precisava saber naquele momento.

-Só queria te dizer que eu também nunca vou me esquecer de nós. - disse  e ele sorriu

Bieber se aproximou de novo e passou os braços em volta do meu pescoço apoiando seu queixo na minha cabeça, abracei seu corpo e agradeci mentalmente por ter conseguido contar.

Nós não dissemos nada, apenas ficamos abraçados meio que curtindo o momento, mas ele tinha que estragar.

-Tenho uma coisa pra você. - ele disse se afastando de mim.

Bieber foi até o closet e voltou com uma caixa pequena de presente na mão, ele não tinha se esquecido.

-Não sou bom em escolher presentes, mas foi de coração. - ele me entregou a caixa

Abri a mesma e tive a visão de uma coisa mais fofa, era um daqueles colares que dentro do pingente tinha fotos dentro, tinha uma foto de toda a familia junta de um lado e do outro só eu ele e a Maya, era lindo.

- Só queria que você se lembrasse que sempre vai ter uma família.

Não sabendo o que falar o abracei forte e voltamos a mesma posição que estamos antes, mas dessa vez ele deu um beijo na minha testa.

-Olha pra mim. -Justin pediu

Olhei e ele sorriu de uma maneira linda, o homem na minha frente ficou me olhando e mordeu os lábios, vi seus olhos se encherem de lágrimas e não entendi o que estava acontecendo, ele ia chorar.

-Justin o que foi? - perguntei preocupada.

Ele apenas negou com a cabeça e beijou minha testa de novo, depois meu nariz e depois me deu um selinho, acompanhado de mais dois. 

-Quando você estava no hospital eu disse que quando eu estivesse longe ia me lembrar  de como você me beijou

no banheiro da boate dá  6ª. Eu espero que você também se lembre e se lembre que você é a única mulher que eu vou amar em toda minha vida.


Notas Finais


Desculpem a demora. Espero que gostem pessoal. ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...