História Crazy In Love Second Season - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jasmine Villegas, Justin Bieber
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber, Pattie Mallette
Tags Bern Villegas, Chaz Somers, Christian Beadles, Jasmine Villegas, Jream Andrew, Justin Bieber, Justin Villegas, Ryan Butler
Visualizações 130
Palavras 1.712
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


i'm back bitches! \o/ estava sem internet, por isso que não postei nd até agr, mas ai está mais um capítulo, desculpem se estiver pequeno ;c

Capítulo 4 - Party? (Parte 3)


Fanfic / Fanfiction Crazy In Love Second Season - Capítulo 4 - Party? (Parte 3)

POV Jasmine

Quando deu 9:30P.M. a Mary disse que já podíamos ir pro tal racha, ela estava divina  e eu nem se fala, pelos olhos dela, claro. Fomos pro racha e como era na rua, tinha várias pessoas em volta de um carro fumando, ouvindo música e bebendo, achei aquilo ridículo, mas me lembrou dos velhos tempos, quando eu ainda não namorava. Eu ia a qualquer festa que tinha com a Kethlen, e essa lembrança me deixou animada, Mary ficou mais animada do que já estava. Aproximamo-nos das pessoas que estavam dançando perto do carro e parece que Mary foi falar com um cara que pelo que ouvi, o nome dele era Mason.

Mason: Quem é a sua amiga? Por que não me apresentou ainda? – perguntou pra Mary, porém olhando pra mim.

Mary: Será que é por que ela não é pro seu bico? Mason, sai daqui vai. E me dá isso que está tomando. – ela disse pegando o copo que o cara tinha na mão.

Mason: Mary, você ficou maluca? – perguntou encarando ela, que saiu dali logo em seguida me deixando sozinha com aquele cara, que não me parecia boa pessoa. Ele se aproximou mais de mim. – Qual o seu nome?

Jasmine: Meu nome é Jasmine, e o seu é Mason! Sei. – disse com cara de tédio e bufei.

Mason: Você é amiga da Mary? Nunca te vi na escola. – perguntou curioso.

Jasmine: Não, eu cheguei hoje na escola, só vim pra cá porque ela me pediu, também não queria ficar trancada num quarto pensando em coisas que eu não deveria estar pensando. – disse e olhei pra ele que parecia estar prestando atenção em minhas palavras.

Mason: Tipo o quê? – se aproximou mais ainda de mim, percebi que ele estava olhando pras minhas pernas, mas não reclamei.

Jasmine: No meu namorado! Ele não pôde vir pra cá comigo, está em Los Angeles nos Estados Unidos, só não queria ficar sofrendo sendo que eu sei que irei vê-lo novamente.

Mason: Ah é? Você aqui no México e ele nos Estados Unidos? Se ele não veio, acha mesmo que irá vir algum dia? – perguntou me deixando completamente confusa.

Jasmine: Garoto, cala a tua boca! Ele me ama e se você não parar de olhar pras minhas pernas, eu ligo pra ele agora e quero ver se ele não vai vir pra cá. – ameacei-o.

Mason: Acha que tenho medo? Você nem tem celular ai! – falou rindo.

Jasmine: Ok, eu não tenho mesmo, mas posso pegar o da Mary. – sorri.

Mason: Jasmine, eu não estava olhando pras suas pernas e sim... pro chão. – ele disse olhando pro lado e realmente, olhando pro chão.

Jasmine: Tá. – fingi que acreditei, então ele sorriu olhando pra mim.

Mason: Você chegou na escola hoje e já está andando com a Mary? Se eu fosse você, me afastava, ela é má influência. – ele disse brincando e riu.

Jasmine: Eu só estou sendo legal com ela, porque ela foi legal comigo! Quer me animar agora. – sorri olhando pra Mary que dançava que nem doida.

Mason: Entendi! Mas já que você veio pra se animar, você está fazendo isso errado. – ele disse sem tirar os olhos de mim.

Jasmine: Pois é, estou mesmo, até porque a Mary me deixou aqui sozinha com você. – olhei de canto pra ele.

Mason: Então vem se divertir comigo! – ele puxou meu braço me levando para onde Mary estava dançando, pegou uma garrafa que estava no chão, de champanhe e ficou tomando na boca, ele me ofereceu, mas eu recusei.

Então começamos a dançar, estava passando uma música eletrônica, aos poucos Mason foi insistindo pra eu tomar alguma coisa e eu fui aceitando pra não ficar ouvindo-o insistir a todo o momento, mas não cheguei a ficar bêbada. Quer dizer, até a Mary entrar no meio e começar a dançar com a gente, ela estava com duas garrafas na mão, me deu as duas, insistiu pra que eu bebesse e eu bebi um pouco, depois comecei a beber e aquilo estava tão bom que eu fiquei com a garrafa na mão e bebendo, dançando e curtindo. Parecia que eu não me divertia assim á anos, parecia que eu nunca tinha me divertido assim antes. Eu queria, realmente queria que a Kethlen estivesse ali do meu lado, eu queria ver ela se divertindo assim comigo, mas não, ela estava á quilômetros de distância longe de mim. Não pensei mais nisso de novo. Mas também vi que Mary não estava nenhum pouco bêbada, ela só dançava e bebi uns goles de algumas bebidas, acho que ela queria mesmo era que eu bebesse mais, e conseguiu. Quando eu não aguentei mais ficar de pé, me joguei no chão perto de uma parede e comecei a chorar. Eu chorei mesmo, chorei demais, parecia uma bêbada sofredora, mas eu não estava nem ai e ninguém estava nem ai pra mim. Eu sabia o que fazer, ir embora. Mas eu não podia. Eu vim com a Mary e tinha que ir embora com ela. Apesar de tudo, eu nem conheço essa merda de rua, não sei onde é a casa onde Brad está me hospedando, melhor ficar aqui mesmo, chorando.

Jasmine: Eu não deveria estar aqui! *soluço* Por que essas coisas só acontecem comigo? Eu deveria estar do lado do meu namorado, abraçando-o, beijando-o, eu deveria estar com ele nesse momento, mas não! Eu estou aqui nesse fim de mundo, completamente longe dele, coisa que eu nunca queria na vida. Por que senhor? Por quê? – perguntei olhando pro céu, eu realmente não sabia o que estava fazendo. Fiquei ali me lamentando de todas as coisas que estavam acontecendo na minha vida, até que Mary apareceu na minha frente me chamando pra ir embora, ela me ajudou a levantar e fomos embora. Eu estava tão bêbada que não conseguia andar direito, então ela me ajudou. Fomos embora.

Um mês depois... Sábado – 02 de Junho. Los Angeles, Estados Unidos.

POV Justin.

Um mês se passou depois de tudo o que aconteceu. Eu e os meninos realmente começamos á treinar com o tal de Christian, que quando foi chamado pelo Jream, não demorou muito pra chegar, ele estava mesmo disposto a nos ajudar já que conhecia Jream lá mesmo da Califórnia. E sim, ele está morando em minha casa, junto com Ryan e Jream, Chaz teve que ficar na casa da avó dele. Ryan vai visitar a mãe dele de vez em quando, pra ela não dizer que foi abandonada, pelo o que ele nos diz. Nesse meio tempo, eu tive que fazer alguma coisa pra acabar com essa puta amnésia, digamos que eu fiquei uma semana no hospital e já estou de volta, nem parece que fiquei lá e nem sei o que aconteceu, porque eu me lembro de tudo o que aconteceu nesses últimos tempos. Isso é completamente maravilhoso! Minha mãe ficou até espantada com as coisas que eu dizia, porque depois que eu sai do hospital, eu dizia coisas que antes não faziam sentido pra mim, mas que hoje parecia que eu não sabia de nada daquilo que se passava em minha mente e eu precisava compartilhar aquilo com todo mundo. Eu fiquei dois dias falando sobre tudo com a dona Pattie, ela quase enlouqueceu, mas até que ela ficou feliz por eu estar lembrando-me de tudo que já se passou em minha vida. Lembro-me até quando conheci a Jasmine, antes mesmo disso tudo. Mas isso passou, eu já sei das coisas que vivi, agora estou focado no treino, coisa que eu já estava antes, mas os meninos me fizeram dar uma pausa pra resolver o negócio da minha amnésia, porque eles não queriam e muito menos eu, que eu me esquecesse da Jasmine, já que estava quase chegando o momento disso acontecer. Ah, eu também me lembrei da Chloe, de como conheci ela, do tanto que amava ela e tal. Mas isso não me impressionou muito não. Ela teve o que mereceu e vai ficar por isso mesmo. Jream já estava pensando em como sair de Los Angeles e ir até a Inglaterra pra procurar a Jasmine, mas para isso, nós precisaríamos de pessoas pra nos ajudar, seguranças, sei lá, qualquer coisa. Só que para isso, tinha muita coisa pra fazer ainda. Christian cuidou de tudo, absolutamente tudo. Arrumou um casebre e “seguranças” que eram praticamente capangas, porque viviam armados, coisa que a gente ia começar a ser também. Christian já tinha várias armas, então ele deu uma para cada um de nós, que já tínhamos aprendido á atirar, estava ficando fácil cada dia que se passava. Agora o maior problema era os roubos, nós iríamos roubar pra ter dinheiro pra sair pelo mundo á procura da Jasmine. Os dias foram se passando e cada dia que passava tínhamos uma notícia nova, de que tudo estava saindo como planejávamos. Nosso primeiro roubo foi feito e claro, foi um sucesso. Com a ajuda do Chris tudo ocorreu maravilhosamente bem. Assaltamos um banco, entrando de noite quando não tinha ninguém. Na verdade tinha, tinha vários seguranças, mas nos livramos deles, Jream e eu, que fomos à frente. Chaz foi atrás, Ryan e Christian ficaram lá fora pra ver se não vinha ninguém, só vigiando a entrada do banco. Deu tudo certo, abrimos o cofre com a senha que o próprio Christian achou e pegamos o dinheiro todo que tinha ali, parecia que eu estava roubando a chupeta de uma criança, porque foi fácil demais, deu até uma adrenalina. Depois desse roubo aconteceram mais dois, em bancos diferentes, até termos dinheiro suficiente pra sair do país atrás da Jasmine. Teve um dia que eu e os meninos estávamos no escritório, em minha casa, conversando sobre como seria o próximo passo. Estava de noite. Então meu celular começou á tocar, estava sem paciência pra atender ligações, peguei meu celular e olhei no visor pra recusar logo a chamada, mas quando vi o número, era privado. Olhei pros meninos apontando pro celular.

Justin: O número é privado, a última pessoa que me ligou privado foi a Jasmine. – disse desconfiado, Jream veio em minha direção com um sorriso no rosto.

Jream: Atende essa porra logo! É a chance de sabermos onde ela realmente está...

Justin: Tudo bem! – sorri e atendi a ligação colocando no viva voz – Alô?

 

 

Continua...


Notas Finais


roupa Mary: http://data1.whicdn.com/images/111632382/large.jpg

ESPERO QUE TENHAM GOSTADO!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...