História Creepy Mansion - Interativa - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jeff The Killer, Slender (Slender Man)
Personagens Jeff, Personagens Originais
Visualizações 23
Palavras 2.459
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, FemmeSlash, Hentai, Lemon, Luta, Musical (Songfic), Orange, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Terror e Horror, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello sweets o3o
Beeeem, espero que vocês estejam bem e tenham pensado bastante. O trocinho acabou e já comuniquei a vencedora o3o
Espero que esteja bom.

Capítulo 30 - Ela é meio...


Mirror estava num lugar com paredes cinzentas e portas metálicas. Uma queda tão profunda quanto se dava para ver, parecia impossível ver o fim. Ela segurou a mão de Beast e de outra pessoa para que não desabassem na escuridão e usou todas as suas forças para puxá-los. Era o seu irmão, que agora olhava assustado para o fundo.

-Como passamos?

-Espero que sejam úteis -a espelhada virou-se para os pais que amparavam o menino- não gosto de peso morto, faço ele fazer jus ao nome.

Shiro olhou com desprezo para sua tia e se aproximou de Mirror.

-Como passamos?

Mirror analizou a distância, a altura das fuas plataformas, as paredes e até o teto.

-Akami, me dá pezinho?

-Pezinho pezinho ou pezinho enésimos quilômetros por hora?

-Pezinho enésimos quilômetros por hora -respondeu em tom de deboche.

Akami fez uma concha com as mãos como se fosse fazer uma manchete de vôlei, Mirror chegou bem perto da borda.

-Pronta?

-Sim.

Mirror correu tão rápido que mal era possível vê-la, pulou em Akami e esta praticamente fez uma machete com a menina.

Mirror foi arremessada como uma bola para o outro lado e com uma acrobacia caiu em pé. Foi em direção a uma parede e a tocou, fazendo uma espécie de tela aparecer. Ficou alguns segundos digitando coisas e apareceu uma plataforma do teto e a espelhada olhou para todos.

-Bem, isso vai nos levar até a sala dela, vamos rápido.

As coisas lá lembravam um laboratório, eles rinham visto de quase tudo por lá, desde experiências com abacates que is faziam criam vida até um abacaxi (nta: ABACAXI! :3) vampiro.

-Ahnn, o que é isso?

-Por favor, não perguntem -responde Eliza- Nós ainda nem passamos pelas cabras.

Eles passaram uma sala aonde cabras andavam tranquilamente num pasto com luz artificial e um pequeno bebedouro para elas. Só tinha um problema. As cabras eram rosas choque e conduziam eletricidade sem se machucar, além de estarem andando pelas paredes e teto como se elas colocassem a gravidade na direção que quisessem. E o pior é que ela ficavam pulando o tempo inteiro sem cair.

-Mas o que... -Hiro tentava assimilar o que estava acontecendo.

-Ok, ela se superou -disse Mirror surpresa.

Eles chegaram na sala aonde deveria estar Vibe, e foram surpreendidos por tiros de plasma. Se Akami não tivesse jogado uma rajada de fogo na frente, estariam tão furados quanto queijo suíço.

-Esperto hackear meu sistema, mas fogo? -ela olhou para o grupo, mas especificamente para um deles.

-Mirrurinha! -gritou Vibe.

-Não me chama assim! -gritou Mirror.

Vibe pulou para perto de Mirror. Ela tinha cabelos loiros curtinhos, com várias mechas verdes água, parecia brilhar. Uma parte do rosto dela era metal, ambos os olhos eram violetas, mas o da parte de metal era mais brilhante. Um olho biônico. Seus óculos eram diferentes do normal, parecia que eram eletrônicos também.

-Vieram ver a semi-I.A. mais linda de todas?

Ela fez uma pose engraçada sorrindo. Uma explosão foi ouvida. Ela fez um "o" com a boca.

-Vocês não cansam não é?

O óculos projetam um painel na sua frente e ela começa a tocá-lo.

-Só um momento... -alguns alarmes são ouvidos depois o som de algo sendo esmagado- perdi uma sala, mas valeu a pena.

-Mas você...

-Estava em perigo...

-Eu continuo em perigo amoras -ela vira o painel e mostra um mapa- se eles chegarem até essa sala, eu morro.

Eles olharam o mapa típico de jogo, potninhos vermelhos aonde deveria ter inimigos. A sala que ela apontou tinha alguns perto, mas a maioria estava dispersos.

-COMO ASSIM?

-Não é exatamente se entrarem lá, eles podem entrar desde que não perfurem meu coração.

-Seu coração está fora do corpo? -perguntou Hiro.

-Isso é uma história bem interessante, conto para vocês quando tivermos tempo.

Um braço mecânico traz uma caixa com dispositivos para o braço iguais aos dela.

-Comunicação, mapa, posição atual e melhor estratégia, armas do inimigo... -ela abriu um sorriso- menos o seu Mirrurinha! Ele é especial!

Ela piscou e mandou um beijinho. Mirror apenas colocou no braço e viu o dispositivo lançar um abacate.

-Sério isso? -ela estava com uma expressão de desprezo e descrença.

-Fiz ES-PE-CI-AL-MEN-TE para você!

-Você me decepciona.

-E você fere meus sentimentos- ela colocou as mãos no peito e fez um bico- ah é, meu coração não está aqui.

Ela olha para o para o próprio peito.

-Vibe, você se supera. Vocês três aí -ela olha para eles- têm que poderes que prestam?

-Como ousa falar assim comigo?

-Assim, ousando. Se continuar eu vou quebrar seus dentes e fazer você usá-los de piercings.

-Você não teria a coragem.

A sala que estavam foi invadida por um homem, e ele quis usar Mirror de refém. Tirando os novatos, todos sabiam o fim dele, principalmente porque Mirror estava nervosa.

Ela está com um brilho assassino nos olhos, quase igual do que estava da outra vez. Eliza não impediria. Ela sabia o que fazer.

-Ei vocês -os três se viraram para a cega- observem bem isso e pensem bem antes de deixá-la nervosa.

Mirror sorriu.

-Se redam! -o homem gritou.

Mirror riu, riu de um jeito que arrepiava a alma. Um jeito como se algo que ela não tivesse mostrado estivesse saindo. Ela segurou a mão do homem que matinha uma faca em seu pescoço, e nem se importou quando ele foi cortado, sua mãe a olhou com desprezo.

"É isso que devo olhar?"

Ela fingiu estar morta por alguns segundos, mas voltou a rir mais alto ainda.

-O q-que?

A mulher estava boquiaberta. Mirror regenerou sua ferida e saiu do aperto do homem. Ele mirava sua faca tremulamente na direção dela. Mirror abriu um sorriso e tirou suas adagas do suporte que ficava nas suas pernas.

Ela foi indo devagar na direção dele e ele cravou a faca na testa dela, que simplesmente riu e atingiu uma das adagas no ombro do homem. Arrancou a faca da testa enquanto ele agonizava. Arrancou a adaga e com ambas em punho, ela simplesmente as cravou abaixo do esterno (osso que fica no peito entre as costelas, e está escrito certo), depois ela cortou a pela contornando as costelas. Ela queria torturar ele, Vibe estava dando um jeito de ninguém chegar perto da sala, ela tinha sacado o que Eliza estava fazendo. Bem treinada para ser una rainha. Mirror começou a rir histericamente enquanto cravava as facas novamente na ferida e forçava as adagas com força, arrancando a caixa torácica fora, expondo os órgãos do homem. Ela observava o corpo dele agonizando enquanto ria. Ela simplesmente enfiou o rosto naquele local e comeu parte dos órgãos como um animal. E ela não parou por aí, ela tinha uma fixação. Ela comia olhos. Arrancando-os violentamente e os comendo, provocou ânsias na mulher.

-Agora se não quiser ser a sobremesa vamos logo, vamos pegar o coração dessa imbecil e ir.

-Hei -ela fez beicinho- era um experimento válido.

-Igual o experimento da sanguessuga barata?

Ela abriu a boca mas fechou.

-Aquilo foi um erro de cálculos -ela coçou a cabeça.

-Vamos logo.

Mirror abriu o painel e colocou a plataforma. Ninguém disse nada. Eyeless estava quieto demais, era estranho até. Ele sabia que a namorada era violenta, lógico, era uma creepy, mas depois de se apaixonar por ela via alguém inocente que mataria rápido para poupar o sofrimento. Aquele jeito bruto e violento não era conhecido.

-Vamo meter o loco? -perguntou Vibe animada com a ideia.

-É -respondeu Mirror erguendo a arma e a destravando.

-Então posso...

-Se não envolver enfiar-nos num tanque de enguias elétricas sim.

Ela riu, e o braço dela de metal virou arma. Muitos olharam surpresos.

-High tech migs, sou atualizada na arte de fazer buracos em pessoas-ela sorriu amigavelmente com um brilho nos olhos tipo "trouxe algumas pessoas semana passada e reduzi elas a nada em sete segundos!".

Mirror sorriu.

-Vamos nos separar. Duplas. Cada uma por uma rota.

Fake insistiu para ficar com Akami por causa do fogo dela, Beast parecia feliz com Eliza que tinha um cuidado maternal pelo pequeno, Sak e Masky só se olharam, Ann sussurrou para Shiro algo do tipo "Você não vai fazer eles explodirem em arco-íris de novo vai?", Lily e Alexander deram as mãos e Mirror e Eyeless encostaram as testas.

-Com quem vou ficar? -perguntou Hiro meio indignado.

-Comigo! -Vibe mandou uma piscadela com um estalo de dedos na direção dele- Quer dar uma volta por aí e explodir coisas?

-Eu tenho escolha? -perguntou apreensivo.

-Não! -ela disse sorridente e o apertou num abraço quase o sufocando.

-Ele não pode ficar conosco? -disse Lily apreensiva.

-Relaxa tiazinha, ele não vai morrer por ter contato com a high tech- Vibe disse num tom sarcástico, fazendo a mulher tremer de raiva.

Vibe o puxa abraçando pelo pescoço até a frente para o lado de Mirror e Eyeless.

-Prove que faz algo direito e preste para algo -disse a mulher áspera.

-Te torturei muito bem -falou sarcasticamente.

-Por que estava amarrada -eles chegaram no local e Mirror saiu da plataforma- vejamos a performance real.

Cada um foi numa direção e Vibe arrastou o menino por aí.

-Quantos anos tem?

-19.

-E é tão agarado aos pais? Pensei que tinha 7 -disse sarcástica e sorridente.

-Você é estranha.

-Qual o seu signo?

-Não sei.

-Menino, vou ter que te reeducar! -ela balança a cabeça negativamente.

Dois homens miram armas nela, e ela ri. Ela simplesmente mira a metralhadora neles e começa a atirar, e na outra mão faz um escudo com o dispositivo.

-E aí, quais são seus poderes?

-Bem... -ele fecha os olhos e o cabelo dele fica branco- isso.

-Nossa, poder incrível, trocar a cor do cabelo! -ela diz num tom sem sarcasmo- Será que consigo pegar de você?

-A-ahhn, não!

Ele simplesmente atravessa a matéria do escudo e as balas passam por ele como se ele não estivesse ali, depois ele dá um soco e parece que sua mão é feita de chumbo, simplesmente esmaga a cabeça de um dos caras, e o outro Vibe faz virar um queijo.

-Ohhhh, poder interessante! -ela diz sorrindo- Posso te analisar?

-Mais tarde? -soou como uma afirmativa duvidosa.

Eles continuam andando até dar de cara com uma parede com abertura no teto e paredes paralelas. Repentinamente Mirror grita pelo aparelho.

-Vibe caralho, vê se arrasta essa carcaça até aqui rápido e me ajuda a dar cabo nesses troço antes que seu coração seja explodido.

-Você quem manda Mirrurinha!

A mulher rosna do outro lado. Ela dá um largo sorriso e vira-se para o garoto.

-Me abraça!

-O q-que?

-Tem uma ideia melhor para escalar as paredes?

-E o que eu te abraçar vai influenciar nisso?

-Caralho muleque, é alérgico a bocetas?

-N-n-não!

-Então em abraça porra!

Ele abraçou ela e ela usou as próteses das pernas para dar super pulos até chegar na saída de cima, aonde ela dá de cara (literlamente) com Eyeless.

-Olhe aonde caí!

O garoto voltou a lutar a Vibe abriu o escudo para defender-se de tiros.

-Cara pra quê tantas armas? -bufou o menino.

Mirror praticamente dançava e brincava com sua habilidade para acrobacias e equilíbrio, porque estava realmente metendo o louco, desvia de tiros com acrobacias, esfaqueava e atirava com aquela arma esquisita. Ela também usava umas granadas que ela tinha trazido (não é trago amores, trago é de tragar, relacionado a fumo).

-Wow... -ele olhava a irmã lutando.

-Tá esperando o que? -Vibe atirava com metralhadora e causava danos incríveis já que por algum motivo as balas causavam mini explosões- Vai meter o loco!

O garoto então foi e começou a lutar. Quando todos tinham terminado, chegou mais uma tropa com uns cinco e eles foram explodidos por um arco-íris.

-Shhhh -disse Shiro bem séria com um prima na mão- sem comentários.

Ann estava com um deles na mão com um machado enterrado na cabeça.

-Nada a comentar sobre.

Sak chegou melada de sangue, com sua faca em punhos. Masky estava com ela não tão melado de sangue.

-Foi mal -diz ela numa risada meio nervosa- descontrolei um pouquinho.

-Nem deixou eu aproveitar... -disse Masky emburrado.

Akami chegou normal, sem forma de fênix.

-Por queeeeee? -Fake insistia.

-Não quero que toque minhas asas caralho. Simples.

Alexander e Lily chegaram juntos, ambos usavam uma espécie de arma.

Eliza chegou perfeitamente limpa fazendo a limpeza de sua katana com um pano. Mitsu estava ao seu lado com as patas um tanto sujas de sangue e Beast estaba ao seu lado montado numa lhama.

-Por que uma lhama? -perguntou Alexander.

A lhama cuspiu na cara dele.

-Por isso! -disse ele com uma raiva infantil.

-Todos aqui, agora Vibe, enfia essa merda no seu peito?

-SIM SENHORA MIRRURINHA!

Mirror estava com um olhar tão assassino que chegava a dar medo.

-Pode me ajudar? -pergunta ela ao Hiro.

-O q-que? Como?

Ela pegou o coração (que estava batendo) , colocou numa posição específica e segurou na frente do peito numa altura determinada.

-Pode agora por favor colocar? Não quero abrir meu peito.

Ele pegou e segurou, enfiou a mão até sentir que o coração estava no espaço "vazio" e o deixou.

-Aham... -ela se escaneou com o dispositivo- pode por mais para a direita?

Ele enfiou a mão de novo um tanto agonizado. Era de fato a menina mais estranha que já tinha conhecido, por isso devia parecer tão interessante. Tirou e ela sorriu. 

-Obrigada! -ela lascou um selinho nele.

O garoto ficou meio incrédulo e a mulher ficou furiosa.

-Isso é um absurdo, como pôde fazer uma coisa dessas?

-Relaxa aí tia -ela sorriu alegremente- seu filho não é alérgico a bucetinhas para ter algum problema beijar garotas.

Ela era a típica garota sem parafuso e Hiro não duvidava que fosse no sentido literal.

-Vamos embora logo! -disse Akami impaciente.

Todos tocaram nela e foram transportados. Akami desmaiou logo após fazer isso, caindo em cima de Mirror. Ela coloca a garota na cama e a cobre.

-Bora cambada, vamos deixâ-la dormir.

-Onde estamos?

-Numa mansão.

Ela sorri na direção de Hiro, que fica corado ao se lembrar do beijo. Alexander e Lily tentam impedi-la, mas é simplesmente impossível. Ela o pega e o arrasta por aí.

-Vou te analisar!

-T-tá.

Ele estava vermelho. Ela encontrou Eliza.

-Onde posso ficar? -perguntou ainda agarrando o garoto.

-Naquele quarto -ela aponta.

-Valeu.

Ela entra e vê o quarto simples. Joga o menino na cama.

-Por que seus pais são tão superprotetores? -ela escaneou o menino- Isso é tão chato!

-Eu sei.

-Agora por favor fique deitado -ela coloca o aparelho no teto.

-Quanto tempo vou ficar aqui?

-Oito horas, agora fique queitinho.

O garoto suou frio. Oito horas preso num quarto com uma menina, muito muito estranha e bonita. Seus pais iam surtar.


Notas Finais


Hello sweets! o3o
Todos conhecem uma Vibe ou eu moro num lugar estranho mesmo? Beijinhos amores, durma bem o3o


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...