História Creppypasta (Reader) - Nos espere, Sempre á Meia Noite. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lendas Urbanas
Personagens Personagens Originais
Tags Ben, Jack, Jane, Jeff, Mansão Creppy, Nina, Reader, Red Angel, Sally, Você, You
Visualizações 31
Palavras 1.041
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Ecchi, FemmeSlash, Ficção, Fluffy, Harem, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Universo Alternativo, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Oi leitores!

Só pra avisar é a minha primeira fanfic de Creppypastas, decidi fazer mesmo estando atolada de outras fics.

É provável que demore para eu postar, por isso, se alguém quiser ser meu co-autor, eu agradeceria muito! :3

Reader + Creppypastas = Loucuras na certa.

Se é Reader, então é você e os personagens (óbvio). E lá vai mais uma fic de Reader!

Palavras-chave:
S/N: seu nome;
S/S: seu sobrenome;
S/A: seu apelido;
C/O: cor dos olhos;
C/C: cor dos cabelos;
C/P: cor da pele.

A menina que inslustra a capa do cap e a capa da fanfic, é a minha personagem. Mas como é reader, imaginem ela do jeito que quiserem.

Chuva de Ben's pra vocês Sz!

Capítulo 1 - Capítulo 1- Perseguida.


Fanfic / Fanfiction Creppypasta (Reader) - Nos espere, Sempre á Meia Noite. - Capítulo 1 - Capítulo 1- Perseguida.

Capítulo 1- Perseguida.







Se existe uma palavra que defina sea minha vida é:

Tédio e monótonia.

Monótonia é uma palavra existente?

Não? Foda-se! Se não existia, agora existe!

Eu sou a S/N S/S e, prazer é só na cama.

Adoro falar as coisas, kk. Me julguem.

Tenho dezessete anos e moro junto do meu irmão mais velho, Len, um ser humano irritante.

Você não deve saber (óbvio), mas eu sou aquele tipo de pessoa nerd, otaku e que adora Creppypastas.

Sim, sou nerd. Qual o problema? Adoro escutar e sou zoada por isso... Minha vida é uma merda.

Sou uma Cdf com orgulho. Pelo menos não tiro zero nas provas, seus otários.

Eu retardada assim mesmo, esse é o meu jeitinho. Nem parece que eu sou uma Nerd e Cdf, mas okay.

Esqueci de dizer que adoro memes também, e vou usar a pakas nessa desgraça.

[...]

Acordei as seis e meia da manhã. Odeio acordar cedo.

Levantei parecendo um zombie, tipo The Walking Dead, sabe, e fui direito para o guarda-roupa. Lá eu tirei a primeira desgraça que eu vi na minha frente e joguei em cima da cama, peguei roupas intimas e joguei, também, em cima da cama.

Peguei (eu falo muito peguei mesmo, vai ter que me aguentar) uma toalha e fui tomar meu banho.

Como sempre meia hora depois eu sai do banho. Vesti a minha roupa intima e pus a minha roupinha, que era um vestido branco, peguei também uma meia-calça e botas. Arrumei meu cabelo e pronto, tô linda (sóquenão).

Quando olhei no relógio quase tive um infarto:

- SEIS E CINQUENTA? - gritei pegando a minha mochila.

Desci as escadas quase tropeçando nos degraus.

- O que é isso S/A?

- Uma pessoa atrasada! - falei pegando uma maçã - Tchau meu demonio - beijei a bochecha dele ouvindo ele ri.

- Tchau capeta - riu.

Mandei um beijinho pra ele e abri a porta.

- CARALHO EU VOU ME ATRASAR! - gritei (novamente) correndo desesperada pelas ruas.

Não sei se é por que eu estava correndo pela rua igual à uma demente, mas eu me senti vigiada.

Medo? Não! Já queria ter um Stalker mesmo, só pra saber como é ter um.

Pelo amor do meu deus Yato. Parece que a cada segundo eu demoro mais para chegar na merda da escola.

Eu quero morrer.

[...]

Se o Flash é o homem mais rápido do mundo. Eu sou a mulher mais rápida do mundo. Tá comprovado!

Numa caminhada que eu demorava meia hora lerdando, eu fiz em dez minutos.

Cadê meus aplausos? Hein?

Cheguei na sala já querendo me matar, era aula vaga, o professor havia faltado.

Se fodeu!

Isso veio na minha mente, tipo GTA tá ligado. Sério. Naquele momento, eu queria morrer.

Coloquei a mochila na minha carteira, com a cara de paisagem mais perfeita do mundo, e me sentei.

Como a minha carteira era do lado da janela, decidi ficar olhando para o lado de fora e algo me intrigou.

Eram quatro. Quatro pessoas. Dois mais  e outros dois menores. Os menores tinham silhueta feminina, já os outros masculina.

Eles estavam de costas, pareciam conversar, e a todo momento apontavam para a minha direção.

Será que são sequestradores? Ou pedofilos? Ou os dois?

Quero nem morrer, nem perder a única coisa "pura" de mim; o cabaço. Por que é só isso de puro que eu tenho mesmo.

Parei de encara-los, vai que é loucura da minha cabeça. Eu estava com sono, morrendo de sono, eu então cruzei os braços e apoei a minha cabeça ali e dormi.

[...]

Pra tu ver como meu sono é pesado, eu só acordei quando o sinal do intervalo bateu, ou seja, eu dormi as duas primeiras aulas (do professor que faltou) e ainda dormi a aula inteira de um professor que eu nem sei qual é.

Já disse para baterem palmas pra mim! Eu mereço!

E o prêmio de maior trouxa do ano vai para... S/N!

PALMAS!

O recreio (sim eu chamo de recreio) passou rápido. E eu como uma excelente aluna que eu sou (sou a melhor em termos de nota e comportamento, me respeita) dormi mais as últimas duas aulas.

Motivo?

Fui dormir as cinco e meia da manhã.

Eu dormi só MEIA HORA, como um ser viviedormindo só isso?

NÃO TEM COMO!

Dormi mesmo, e se reclamar dormo de novo. Todo mundo tem seus dias ruins!

Os meus são todo dia, mas, abafa o caso.

Eu só queria dormir, tava' lá maior de boas sonhando que estava pegando o Todoroki, daí do nada

DO nada

DO NADA

Eu escuto um:

"Acorde S/A" - A voz era grave, fria e eu não a reconhecia, um dos motivos de minha pessoa ter pulado da cadeira e ter caído de bunda no chão.

Olhei ao redor - e não vi ninguém - e logo me levantei.

- Ainda bem que ninguém viu - ri guardando meus materiais.

Sério. Eu estou até agora assustada com isso.

Voltei a olhar a janela. Aquelas mesmas quatro pessoas de antes, no mesmo lugar mas, dessa vez elas olhavam pra mim.

Engoli seco e de uns passos atrás muito assustada.

- Não pode ser! - disse antes começar a correr.

Era tão irrel, que eu pensei estar louca. Passei pelo portão da escola correndo e assim eu continuei, e não me atrevi a olhar para atrás e nem precisei.

Por que? Esbarrei numa pessoa e cai de bunda no chão.

PALMAS PRA MIM CARALHO!

- Tudo bem, S/A? - era mesma voz grave de antes. Ele estava de capuz, mais eu podia ver seu sorriso.

- Jeff the killer - disse com os olhos arregalados. - não, não, não!

Me levantei catando minha mochila, e sai correndo de novo. Aquilo estava me dando medo.

- SILVIO SANTOOOOOOOOS! - gritei correndo igual uma desesperada que eu sou - É PEGADINHA NÉ, SILVIO SANTOS!

Corri, corri e corri. Até a exaustão, ou melhor, até eu chegar em casa.

Pra uma pessoa que sofre de falta de ar, problemas no coração e demência (que?) eu fui bem.

Abri a porta desesperada e a fechei no mesmo nível.

- LEEEEEEEEEEEEEEEN! ME PROTEGEEEEEE - berrei.

- Que foi sua demônia? Vou sair para o trabalho.

Que? Trabalho? Iiiiiih, verdade, tem isso.

Eu pude ouvir uma risada não muito distante, tranquei o cú, é hoje que eu vou morrer.

- Len.... - disse recuperando o ar - Você... não pode ir, não hoje!

- Aí, pelo amor de deus né, S/N? - me empurrou da porta - Não posso me atrasar - beijou minha testa - se cuida meu demônio favorito!

Me cuidar? Vai ser difícil com Jeff the killer e mais outras três figuras na minha cola!


Notas Finais


Capítulo não betado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...