História Crime Lovers - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Esquadrão Suicida
Personagens Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina)
Tags Arlequina, Batman, Coringa, Duas Caras Pinguin, Esquadrão Suicida, Gotham City, Harley Quinn, Hera, Joker
Exibições 376
Palavras 1.356
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Amores boa noite 😍

Capítulo 12 - Fifty shades of crime


Fanfic / Fanfiction Crime Lovers - Capítulo 12 - Fifty shades of crime


 Corro para um carro, imagino ser de um dos capangas.

Acelero o carro, estou morta de saudade do meu pudinzinho. Bom não sei bem se ele vai gostar muito do que eu tive que fazer para escapar mas, eu vou ter que encarar isso. Só de imaginar já fico arrepiada, sigo caminho até nossa mansão e reparo que as luzes estão acesas e o carro de pudim está na garagem. Estaciono o carro em frente à mansão. 
Desço meio tonta, aquela agitação me deixou acabada, olho para meu sapato e percebo que vou ter que comprar um par novo, sento no banco do carro com as pernas para fora e puxo os sapatos, jogo no banco do passageiro, agora sim consiguerei andar até a porta, sigo caminhando até a entrada da mansão. Os seguranças percebem minha presença e parecem pegar o celular. Com certeza vão avisar o pudim que estou de volta. Antes de chegar até porta percebo a mesma se abrir rapidamente, é o pudim e a cara dele não é nada boa, estou ferrada.

- Onde você estava?- pergunta pudim com voz de desagrado - você acha mesmo que pode sumir assim?- derrepenpe ele me pega e me joga em seus ombros me deixando com a bunda para cima e me dando leves palmadas

- Pudinzinho me escute por favooor- digo com dificuldade pela posição- precisamos conversar. Pinguim, Duas-caras e Hera me sequestraram.

-Disso eu sei Arlequina e mais tarde daremos um jeitinho nisso mas, agora eu preciso do seu corpo para o meu prazer-eu sinto uma palmada que me faz pular.

Ah não, isso não está bom. Meu inconsciente está de pernas bambas. Ele está zangado por algum motivo. Seguro em seu quadril pois estou pendurada de cabeça para baixo e ele vai andando com determinação pelo gramado ao luar.

-AONDE VAMOS?- Digo um pouco mais alto 

-Não levante a voz para mim-diz em tom seco-vamos para o quarto, preciso ficar sozinho com você e essa é a hora.

Pudim entra na casa e segue direto para o quarto, mais tarde sinto que terei muitas dores no corpo.
Ele atravessa a porta de madeira do quarto como um foguete e se detém para ligar alguns interruptores. Ouço as lâmpadas estalarem. Pudim me coloca de pé no chão, meus olhos não conseguem desgrudar dele, estou fascinada. Ele está ofegante porque acabou de atravessar o gramado e subir as escadas comigo nos ombros.

-Pudinzinho? - o observo com dúvidas, oque será que aquele gênio do crime está pensando? Mas antes que possa falar algo ele me vira de costas pra ele e me faz apoiar os braços na cama, sinto que talvez o pior esteja por vir com certeza ele vai me bater até eu não aguentar mais andar, meu vestido quase não tampa meu traseiro nu, ele sobe um pouco mais de uma forma que ele possa admirar ele por inteiro, estou usando uma calcinha fio dental rosa, meu subconsciente da pulinhos de alegria ao perceber que ele gostou da vista, ele me dá trez palmadas forte que me fazem gritar, isso com certeza vai deixar marcas mas agora isso não importa.

-Eu quero você e quero agora não estou mais aguentando todo esse tempo longe desse seu traseiro maravilhoso-ele se abaixa e segue dando longos beijos na minha intimidade me deixando arrepiada.

-Me puna meu amor, faça qualquer coisa mas me foda estou ficando louca-digo com os olhos fechados quase não me aguentando em pé.

De repente ele faz um movimento, envolve meu sexo com a mão e enfia o dedo devagarinho dentro de mim. Com o outro braço em volta da minha cintura, ele me imobiliza.

Isso é meu- sussura ele, agressivo- todo meu. Entendeu?

Ele fica tirando e enfiando o dedo, avaliando minha reação, o olhar pegando fogo.

-Sim,seu-sussuro 

Ele me vira e se deita em cima de mim.

-Mãos na cabeça-se ajoelha para afastar mais minhas pernas -isso vai ser rápido e é para o meu prazer, se você gozar vai apanhar.

Uma estocada rápida e ele está dentro de mim. Dou um gemido, ele põe as mãos sobre as minhas, estou presa entre seu corpo, sinto seu peso gostoso em cima de mim ele me preenche por inteira e goza, derrepente ele sai me deixando com sede de mais. Ele me olha com raiva.

- não se masturbe. Quero você frustada, assim que me senti com você fora todo esse tempo, agora levantesse troque de roupa que vamos resolver nossos negocios.

Eu sabia que ele se referia a meu sequestro e nesse momento escutamos barulhos vindo do porão.

-Parece que a brincadeira vai começar- Joker se veste rápido - eu te espero lá embaixo docinho você vai vir brincar com agente, se arrume e desça.

Ele me dá um beijo e sai do quarto, olho um pouco para o teto, vou precisar de um banho para acalmar, desço da cama nua e me dirijo ao chuveiro. Depois de um banho gelado me sinto um pouco melhor, desço até o porão e escuto a risada do pudim.Desço as escadas e chego no porão, pudim me vê e abre um sorriso lindo e diabólico.

-Venha meu amor vamos nos divertir um pouco mais - ele me chama e eu vou até ele.

Vejo que duas caras, Hera e o safado do pinguim estão amarrados nas cadeiras.Hera está desacordada, os capangas do pudim devem ter feito algo com ela mas não ligo para isso, duas caras e pinguim estão acordados, duas caras não parava de me olhar de forma obscena deve ser pelas minhas roupas serem bem curtas já pinguim não para de encarar pudinzinho. Pudim percebe que duas caras não para de me observar.

-Eu não olharia assim para a garota de um cara como eu se eu fosse você- ele anda pela sala até estar atraz de duas caras- agora eu quero que vocês me expliquem porque sequestraram meu bebe.

Eu ando até a mesa cheia de armas e percebo que uma de minhas pistolas preferidas estão aqui em baixo, pego ela é engacho ela no meu shorts, me sento na mesa. 

-Andem logo não me obriguem a mandar minha menina atirar em vocês-pudim diz mas ninguém diz nada-como ninguém vai responder, Harley meu amor porque não atira no primeiro, ele me olha e eu dou um leve sorriso, levanto minha arma e miro na cabeça de duas caras. Só escuto o estalo da arma,e derrepente Hera acorda com o barulho.

-Olha só quem acordou -eu digo e observo hera- como foi a soneca docinho? - eu me aproximo e sento no colo de hera tentando provocar pudinzinho, eu adoro quando ele me olha com aqueles olhos quentes de raiva.

-Harley quantas vezes já te disse você não deve flertar com nossos brinquedinhos- ele se aproxima de mim e puxa meu braço com força adimito que machuca.

- Vadia, você teve mesmo coragem de fazer depois da nossa noite de diversão, me deixou lá desmaiada - diz Hera, no momento que ela diz isso sinto o sangue ferver por culpa dela o pudim vai me matar. Caminho até ela com os olhos queimando de raiva.   

-Filha da puta não sabe ficar de boca fechada- dou um tapa no rosto dela que faz seu lindo rosto ficar vermelho. 

Pudim me olha e eu já sei oque vai acontecer comigo a vagabunda vai me fazer brigar com meu pudim

- Harley você pode me explicar oque a ruiva está falando? - eu o olho entre dentes e fico corada- ande me explique logo.

-Eu não sabia como escapar e estava com muita saudade de você, acabei transando com a planta para conseguir fugir, pudim me perdoa eu estava entediada e as vozes estavam me deixando louca! eu não sabia oque fazer...- de repente sinto uma pancada no rosto e percebo que estou sangrando.

-Suba agora antes que eu acabe com você vagabunda, eu dou um jeito aqui e já subo para conversar com você- ele se vira sem prestar atenção como estou- sem drama vadia ande suba logo.

Eu passo correndo por ele tropeçando, vou para o meu quarto e deito na cama eu me odeio, como eu pude trair ele dessa forma?mas talvez se a ruiva não tivesse falado nada, nada disso tinha acontecido, estou cada vez soluçando mais alto, até que adormeço.



Notas Finais


Amores volteiiiii espero que gostem e obrigada pelos 50 fãns 😍 smile


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...