História Criminal - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Exibições 231
Palavras 1.173
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ficção, Policial, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oie, mais um cap pra vocês♥
FELIZ DIA DAS CRIANÇAS VC SENDO CRIANÇA OU NÃO.



♥BOA LEITURA♥

Capítulo 9 - Day 8- No problems. I run.


Fanfic / Fanfiction Criminal - Capítulo 9 - Day 8- No problems. I run.

 

 

*08 de Junho de 2016*

Ruggero Pasquarelli’s Point Of View

Acordei cedo porque tinha que ir no escritório daquele filho da puta saber qual era a segunda condição. Fiz minha higiene pessoal tomei café da manhã e fui dirigindo até o endereço que estava no cartão.

- Pode entrar Senhor... Ruggero. Sala 4B – Disse um simpático senhor assim que me viu.

Entrei me deparando com uma sala muito mal organizada, com papéis jogados e livros tombados na estante, me deu foi vontade de arrumar aquilo.

- Tenho pressa, qual a segunda condição?

- Quem vai correr por vocês tem que ser uma garota.

- QUE? Nem temos mulheres na equipe.

- Se vira, arruma uma, coloca sua irmã pra correr sei lá. Ou é isso ou não vai ter corrida.

- Tudo bem, até amanhã – Sai bufando.

Cheguei ao escritório e Maria disse que Caro e Agustín já me esperavam, pedi para eles virem até aqui para mim falar sobre a condição, para o resto da equipe já havia contado.

- Fudeu, fudeu muito, fudeu pra caralho.

- Ok já entendemos que deu bosta, agora pode contar por favor.

- Frederico quer que uma garota corra pra gente.

- QUE? – Responderam juntos.

- Mas não tem garotas na equipe, e nem pensem em mim – Caro foi rápida em avisar.

- Eu pensei, mas sei que você não iria querer. E agora?

- Olha, se anunciarmos “Corra para a Equipe Vermelha de racha e ganhe uma noite com o Ruggero” acho que a gente consegue.

- Babaca – Ri e joguei uma almofada em sua cabeça.

Karol Sevilla’s Point Of View

Acordei mais ou menos dez e meia e depois de comer, tomar banho e me trocar decidi passar no escritório do Rugge para devolver as roupas de sua irmã, e pegar seu número de novo. Peguei um táxi e fui.

- Olá, eu gostaria de falar com o Ruggero. – Disse para a mulher na recepção

- Ah, você é a namorada que Malena comentou? Pode subir.

- Aaa, obrigada. – Não. Não sou a namorada.

Fui em direção a sua sala pois lembrava qual era e quando cheguei no corredor comecei a ouvir sobre um racha que eles precisariam de uma garota pra correr pra eles, aparentemente aquilo tava gerando uma grande confusão, eles falavam alto, consegui identificar tranquilamente a voz do Agustín, da Caro e do próprio Ruggero. Cheguei perto da porta e vi a Caro e o Agustín de costas pra mim e o Rugge com a cabeça deitada na mesa.

- Eu realmente não sei o que a gente faz. Não tem ninguém pra correr – Agustín falou com um tom preocupado.

- Sem problemas. Eu corro.

- KAROL? – Os três olharam em minha direção.

- Desculpa entrar assim, a secretária me mandou subir.

- De boa, mas como você sabe do que estávamos falando? – Rugge levantou.

- Gritando você quis dizer, qualquer um no corredor ouviria.

- E você corre mesmo? – Foi a vez de Agustín perguntar.

- Sim, em New York eu e meus amigos corremos, só diversão, não competimos com ninguém nem entre a gente, corremos por correr.

- Você faria isso pela equipe deles? – Caro perguntou

- Claro, é uma das coisas que mais gosto.

- Mas é perigoso. – Rugge falou preocupado

- Eu sei, to me oferecendo por minha conta e risco.

- Se você tiver certeza, aceitamos.

- Eu tenho Rugge, quando é a corrida.

- Amanhã. – Arregalei os olhos, já?

- Eu tive a mesma reação. – Agustín deu um tapinha em meu braço.

- Eu vim devolver isso. – Mostrei as roupas – Obrigada aos dois.

- Magina, estamos sempre aqui. E nós vamos indo – Pegou o braço de Agustín e saiu o puxando.

- Senta aí se quiser – Rugge falou sentando em uma cadeira em frente a sua mesa e apontou o sofá ao lado, percebi seu olhar triste.

- Ta tudo bem? Você ta meio pra baixo.

- Ta... ta tudo bem sim.

- Ok, não vou insistir. Quero pedir uma coisa – Ele murmurou um “pede” – Seu número. Meu celular caiu ontem e quebrou inteiro, não teve salvação, recebi mensagem de manhã que nunca vou saber o que era. – Vi sua expressão se tranquilizar, ele pediu meu celular e anotou seu número.

- Quer passar a tarde comigo? – Perguntou me devolvendo o celular.

- Pode ser.

- Vou te levar ao meu lugar preferido dessa cidade. Parco degli Acquedotti.

Eu já falei que amo quando ele fala alguma palavra em Italiano? A gente só conversa em inglês, mesmo eu falando sua língua natal ele prefere falar a minha, então só ouço seu sotaque quando ele se refere a algum lugar.

Ruggero Pasquarelli’s Point Of View

Levei Karol para o meu parque preferido, desde que me entendo por gente eu, meu pai e Caro sempre passamos as tardes aqui. A tarde foi ótima, sua companhia me fazia bem, ficamos sentados na grama conversando a maior parte do tempo só saímos para dar comida pra uns bichinhos que tinha por perto, nem sei quais eram mas a Karol quis ir.

Quando nos demos conta da hora já era seis da tarde, fomos jantar em um restaurante ali por perto mesmo. E de novo perdemos a noção do tempo, estarmos juntos fazia isso, começávamos a conversar e simplesmente esquecíamos que as horas passam. Ficamos até as nove conversando no restaurante, grande parte dessas 3 horas foram eu tentando convence-la de não correr, mesmo sabendo que ela era nossa única opção ficava com medo, nossas corridas são muito perigosas e Frederico é meio louco, não quero que ela se machuque.

Já eram quase dez horas quando deixei Karolzita em sua casa e segui para a minha para descansar, amanhã seria um longo dia.

Karol Sevilla’s Point Of View

Depois de passar a tarde com o Rugge só pensava em dormir, estava cansada e ansiosa para amanhã. Depois de um bom banho já estava deitada assistindo Tv esperando o sono vir quando meu pai me ligou.

-Karol: Oi Pai

-Robert: Oi filha tudo bem?

-Karol: Tudo sim e com o senhor?

-Robert: Tudo ótimo. Filha preciso que a partir de agora você tome muito cuidado.

-Karol: Por?

-Robert: Descobri quem é o Chefe X, tome cuidado com todos aí, se ele te conhecer e souber que você é minha filha pode ser perigoso.

-Karol: E quem ele é?

-Robert: Logo vou dar uma coletiva de imprensa que será transmitida para o mundo todo, e aí você saberá. É confidencial ninguém pode saber. Era só isso meu amor. Fica bem.

-Karol: Ok, tchau pai, fica bem também.

Eu estava tão curiosa, finalmente meu pai conseguiu o que tanto queria e assim como ele eu também sempre quis saber quem é esse cara ou essa mulher, por que para se esconder tanto deve ser de mais.

Será que eu já passei por ele e não sei?

 

 


Notas Finais


E aí o que será que vai acontecer nessa corrida?
Não tenho o que falar hoje.
Sugestões? Criticas? Comenta aí que eu leio tudo♥

♥ESPERO QUE TENHAM GOSTADO♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...