História Criminal - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Suga, V
Tags Bts, Criminal, Taegi, Yaoi
Exibições 98
Palavras 3.248
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ecchi, Lemon, Musical (Songfic), Policial, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oular ^~^
Taegi inspirada em Criminal da Britney
Nada de mais

Bjs, boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo Único


Eu não sei em que momento me envolvi com ele, não sei quando ele me convenceu a fazer isso. Nem sei porquê estou fazendo isso agora.

 

Ele é um trapaceiro não é bom de jeito nenhum

 

Ele é um perdedor, ele é um vagabundo 

 

Ele mente, ele blefa, ele não é confiável 

 

Ele é um otário com uma arma

 

Eu sei que você disse para me afastar 

 

Eu sei que você disse que ele é como um cão perdido

 

Ele é um rebelde com o coração estragado 

 

Eu até eu sei que isso não é bom

 

- Vem logo, Taehyung! - Ele grita enquanto eu corria despistando os policiais. Assim que entro no carro, ponho o cinto e agarro a bolsa que estava em minhas mãos enquanto ele acelerava. 

- Não anuncia meu nome, idiota! - Falo dando um tapa nele que revida dando uma palmada em minha coxa, que me fez gemer baixo e, um pouco, irritado. - Os caras vão conseguir despistar os policiais? 

Pergunto olhando pra trás e vendo os carros correndo, com sirenes e luzes. Muito coisa de filme de ação, mas eu não podia dizer que não estava adorando essa adrenalina. 

- Claro que vão. Os caras são profissionais. - Diz ele dirigindo loucamente entre os atalhos que, provavelmente, poucas pessoas conheciam. Corremos por mais um tempo até não ouvirmos mais as sirenes e, graças à alguém, tínhamos fugidos dos policiais. - Conseguimos, Baby!

Ele exclama contente e me puxa pela camisa me roubando um beijo, de cara já foi de língua me fazendo arfar e me perder nos lábios de Min Yoongi. 

- Vamos logo, Tae-Tae. - Disse se soltando do cinto de segurança e saindo do carro, fiz o mesmo e parei ao lado dele enquanto ele despejava gasolina no veículo. - Quer fazer as honras? 

Sorri e segurei sua mão, ele acariciou a minha e me deu um selinho. 

- Você faz melhor. - Falei segurando seu braço enquanto ele jogava o isqueiro no veículo fazendo o mesmo ser consumido pelas chamas em poucos segundos. Ficamos um tempo perdido na visão a nossa frente, só saímos do "transe" quando ouvimos as sirenes novamente. - Fudeu!

Fala Yoongi me puxando pelo pulso e correndo pra longe, uma ponte que tinha ali perto. Corremos o mais rápido que pudemos tanto que sentia meus pés doendo, mas, admito que, qualquer dor compensava só de estar com ele.

- Parados! Policia! - Falam os militares, com as armas apontadas pra gente. Erguemos nossas mãos perto da cabeça, como mandado por eles. 

 

Ele é um vilão seguindo as leis do diabo

 

Ele é um assassino só por diversão 

 

Aquele cara é um dedo-duro, ele é imprevisível

 

Ele não tem consciência, não tem nenhuma

 

- Filho! - Exclamou minha mãe, vindo me abraçar. - Você enlouqueceu!?

Apenas revirei os olhos não aguentado o cinismo de minha, quer fazer parecer que se importa comigo sendo que ela me ignorou a minha vida inteira.

- É, eu devo ter enlouquecido mesmo! - Falei a afastando com uma certa brutalidade, que a fez fechar a cara. - Talvez eu estivesse cansado de viver naquela casa onde ninguém se importa comigo! Cansado de você e meu pai querendo me controlar!

- Me respeite, Kim Taehyung! - Ela exclama me fazendo ficar quieto. - Eu sou sua mãe!

Fico quieto respirando fundo, querendo me acalmar, até que ela se virou pra mim e falou:

- Vamos pagar o advogado e a fiança, vamos te tirar daqui e você nunca mais vai ver aquele garoto... - Ela disse mas a interrompi.

- O quê!? Não! - Exclamo me virando pra ela que me olhou irritada.

- Eu estou mandando, Kim Taehyung! - Fala se aproximando de mim, muito irritada. - Você sempre foi um garoto tão bom, e agora que se envolveu com aquele... bandido, ficou rebelde, me desafia, e agora rouba uma loja!? Onde você tava com a cabeça!?

- Eu não sei! - Falei batendo os punhos com força na mesa que tinha ali, fazendo ela se assustar. - Ele só... ficou com tantas expectativa em mim, fiquei com medo de decepcioná-lo e ele me deixar...!

- Ele. é. um. criminoso. Taehyung! - Fala pausadamente, logo gritando meu nome enquanto eu chorava com minha testa repousada na mesa. - Eu te proibo de falar com aquele garoto!

- Não... - Falei me pondo normalmente para encará-la. - Quando eu sair daqui... vou me certificar de que ele fique em outra prisão. Tipo aquela que seu amante está.

Sorri ladino pra ela que me olhou com fúria no olhar, falamos por um tempo e depois ela saiu da sala e eu fui levado pra cela. 

Fiquei uma semana lá, foi até tranquilo, apenas algumas provocações e alguns apalpamentos. Não liguei muito, logo chegava alguém e informava o abusado que eu era "Kim Taehyung, o filho primogênito dos fundadores da empresa Seul Sky's" que eles já agiam como se eu fosse um gângster que matou o presidente dos Estados Unidos. 

Quando fui liberado, mexi meus pauzinhos para Yoongi não ficar naquela cadeia, suja e cheio de caras que queriam abusar do meu Suga. Ele ficou, simplesmente, na melhor cadeia da Coréia. Com alguns privilégios que eu mesmo cuidei para que ele tivesse, mesmo ele dizendo que não queria e eu não devia me preocupar. 

Mas eu não conseguia deixar de pensar nele, não faltava em nenhuma das visitas semanais que eu arranjei. Ser rico tem sim suas vantagens, ter um nome conhecido e uma família famosa, consegui um lugar mais reservado para poder conversar com ele em particular e...fazer outras coisas.

 

Oh, oh, eu sei, deveria ter deixando ir mas não 

 

Porque ele é um rebelde com coração estragado 

 

E até eu sei que isso não é bom

 

- Dez minutos. - Fala o guarda após Yoongi entrar, já sem as algemas, e fechar a porta atrás dele. 

Fui até ele e o abracei circulando meus braços em seu pescoço, senti seus braços em minha cintura colando nossos corpos. Ficamos um tempo abraçados até ele me afastar levemente e segurar meu queixo, selou nossos lábios brevemente até ouvirmos batidas na porta.

- Sem contato íntimo. - Fala o guarda nos olhando. Revirei meus olhos e me aproximei da porta, estendi cinco notas de cem dólares à ele, que olhou para mim, olhou para os lados e depois pra mim novamente. - O que quer?

- Vinte minutos. - Propus. 

- Dez. - Ele fala firme. 

- Quinze. - Ele assente mudo. - Coloque seus fones e não deixe que ninguém se aproxime. Vamos ter... "contato íntimo"

Estendi as notas pra ele, mas antes que seus dedos pagassem o dinheiro eu as puxei pra longe de seus dígitos, o que fez ele me olhar confuso.

- No fim da vista. - Sorri e ele fechou a janelinha da porta. Me virei guardando o dinheiro no bolso, sentei-me na frente de Yoongi na cadeira e pus minhas mãos sob a mesma. Logo sinto suas mãos segurando as minhas semelhantes e seus dedos me acariciando. 

Carinho nunca foi o forte de Yoongi, ele era meio frio por fora, e um pouco por dentro, mas sempre foi um doce comigo. Por isso comecei a lhe chamar de Suga, como apelido carinhoso e nome de crime. Seguindo esse linha, ele me chamou de V, de vitória dizendo que eu fui a maior conquista dele. 

- Sabe que não precisa vir mais. - Ele fala após ficarmos um tempo em silêncio, olhando nossas mãos entrelaçadas. 

- Eu sei, eu deveria "te deixar ir"... - Suspiro. - Mas eu não consigo, eu simplesmente não quero te deixar.

Olhei em seus olhos e senti ele me dar um puxão, me tomando os lábios num beijo simples, mas muito bom pra mim. Separamos o ósculo e nos olhamos, nossas respirações desreguladas, os lábios formigando e os olhos apreciando os do outro. Expus um sorriso ladino e ele me soltou fazendo nós dois nos sentarmos novamente. 

- Mas como tá sendo? Pegam muito no seu pé? - Pergunto o olhando. 

- Um pouco, mas é só eu inventar que meu namorado é Kim Taehyung e eles passam longe. - Fala sorrindo de lado, engoli em seco e me remexi na cadeira. - Tô brincando...

Ele falou ao perceber meu desconforto. Me sentia assim sempre que Yoongi falava que "fingia que éramos namorados", ele sabia que eu gostava de verdade dele, muito mesmo, mas ele parecia não me querer mais do que um dos idiotas que ele usa e depois joga fora. Mas, agora que eu o ajudava a suportar a prisão, ele parecia mais preso a mim do que quando era encerrado atrás das grades de ferro.

- Tudo bem. - Falei e tentei disfarçar. - O que tem te acontecido aqui? Se algum engraçadinho mexeu com você, me conta que eu dou um jeito nele...

Ele segurou minha mão me fazendo o olhar e parar de gesticular com as mesmas.

- Eu tô bem. - Falou calmo e depois me contou das coisas que aconteceram na prisão, nada que eu devesse me preocupar, apenas pessoas estranhas mexendo com ele de vez em quando. 

Mal percebi que o tempo havia passado, só voltei a terra quando ouvi umas batidas sutis na porta. O guarda abriu esta uns minutos depois, talvez o que ele julgou suficiente para que eu e Yoongi nos vestir caso um de nós estivesse... como veio ao mundo. 

- Bem... até semana que vem Tae. - Ele se levanta e me beija novamente, tendo que ficar na ponta dos pés, o que eu acho incrivelmente fofo. - Eu pago os quinhentos dólares depois. 

- Ah Yoongi... isso aqui paga tudo. - Falo passado uma mão discretamente por sua virilha. Ele arfou, o que me fez sorrir. Dei um beijo no rosto dele. - Tchau.

Saí da sala e um outro guarda levou Yoongi de volta pra sua cela, entreguei o dinheiro para o guarda, que fingiu que nada aconteceu, e fui pra casa. 

 

 

E ele tem meu nome

 

Tatuado no seu braço, é o seu amuleto

 

Então eu acho que está tudo bem

 

Ele está comigo

 

E nós escutamos pessoas falando 

 

Fazendo comentários maldosos, tentando nos separar

 

Mas eu nem escuto

 

Eu não ligo

 

- Quer me falar como foi a semana? - Pergunto o fitando da mesa, estava sentado nesta com as pernas cruzadas e Yoongi na cadeira me alisando as coxas, enquanto eu mexia em seus cabelos. - Seu dia?

Ele negou com a cabeça, ele estava tão estranho, quietinho, meio desligado e ficou segurando minha mão deste que cheguei, fazendo carinho nesta e alisando minha coxa.

- Yoongi, tá tudo bem? - Pergunto segurando seu queixo com meus dedos, fazendo ele me olhar. - Aconteceu alguma coisa? 

Novamente, ele nega.

- Eu só... estava com saudades, Tae-Tae. - Falou se levantando e me dando um selinho demorado, levou uma mão para meu rosto acariciando minha bochecha.                        

Ficamos uns cinco segundos naquele beijo até ele separar e puxar minha cintura pra mais perto da dele. - Senti sua falta.

- Mas eu só fiquei fora uma semana. - Disse antes dele selar nossos lábios novamente. Ele separou e me olhou, ainda com nossas bocas se roçando e os olhos se encarando.

- Pareceu muito mais tempo pra mim. - Ele me puxou pela nuca e me beijou mais uma vez, cruzei meus braços em seu pescoço e retribui aproveitando ao máximo. 

Afinal, ele havia sido preso a três semanas e desde então não tivemos nenhum contato mais íntimo que esse. Normalmente, ele só me contava como estava sendo na prisão e falava suas frustações, eu ouvia todas e tentava o convencer a aguentar por apenas um ano mais. Ainda estava cuidando para ele ser solto o mais rápido possível.

Senti suas mãos descerem até minhas coxas e as apertarem levemente, me fazendo arfar baixo e o puxar pra mais perto. Passei minha língua por seu lábio superior, pedindo passagem que ele logo cedeu explorando minha boca como nunca antes, e eu fazia o mesmo. 

Nossos quadris se roçavam causando uma sensação boa em nossos íntimos, e o beijo estava muito envolvente e excitante. Sentia suas mãos explorando cada parte de meu corpo, ainda por cima dos tecidos que me cobriam, impedindo Yoongi de sentir minha pele.

Ele pareceu perceber aquilo e logo começou a me despir, tirou meu casaco e separou o ósculo, descendo seus lábios por meu pescoço mordendo, beijando e chupando minha pele alva.

Levei minhas mãos até sua roupa e comecei a despí-lo, separávamos o beijo para tirar aquelas peças incômodas e logo voltávamos a nos beijar de modo desesperado. Senti as mãos de Suga em minhas costas me deitando sobre a mesa, eu, estando apenas com minhas calça jeans, me arrepiei ao sentir o frio da madeira em contato com minha pele desnuda. 

Suas mãos pousaram uma de cada lado de meu pescoço, se apoiando na mesa ficando por cima de mim, virei meu rosto para beijar seu braço e pude ver sua tatuagem no pulso, um pequeno "V" feito pra mim. Olhei pra ele e sorri, dei um selar ali e subi por seu antebraço até chegar em seu rosto lhe beijando os lábios novamente. 

Ele me beijou com veemência enquanto tirava o restante de minhas roupas, meu membro, já ereto, fez Yoongi soltar um riso anasalado e levar sua mão para a glande, espalhando o pré-gozo por meu pênis me fazendo gemer baixo. Beijou meu pescoço, me fazendo arrepiar e começou a me masturbar lentamente, levei minhas mãos para suas costas arranhando levemente enquanto ele aumentou a velocidade dos movimentos em meu íntimo. 

Seus lábios foram até meu peito, e senti sua língua contornar meu mamilo já rijo pela excitação. Gemi baixo e depois alto quando senti ele morder levemente e chupar aquele parte sensível de meu corpo, meu prazer era grande, sua mão em meu membro e sua boca em meu mamilo e ele comigo. 

Ele desceu os lábios até minha virilha e mordeu aquela parte me fazendo gemer, depois parou a masturbação e lambeu o pré-gozo na minha glande. Soltei um gemido rouco e segurei em seus cabelos, pressionando sua cabeça pra baixo o incentivando a ir rápido com aquilo.

Arqueei minhas costas quando senti sua boca em meu membro, ele deu uma chupada rápida logo começou com os movimentos de vai e vem me fazendo delirar e meu corpo estremecer.

Ele continuou me chupando, brincando com a língua e, vez ou outra, passou os dentes perigosamente sobre meu membro. E, em pouco tempo, chego em meu ápice me desfazendo em sua boca. 

- Delicioso. - Ele afirma após engolir meu líquido e lamber seus lábios, de forma sexy e provocante. Me convidando a lhe puxar para um beijo, o qual tinha meu gosto.

Trabalhamos juntos em tirar suas roupas, logo ele estava despido me beijando enquanto me deitava na mesa novamente. Vi ele se abaixar entre minhas pernas novamente, e senti sua língua em meu orifício me fazendo soltar um gemido arrastado.

Sua língua me adentrava lentamente, me arrepiando completamente, depois sinto um dedo me alargando e dando mais espaço pra sua língua que me lubrificava lentamente me dando um prazer indescritível. Depois sinto o segundo fazendo os movimentos de tesoura me deixando bem preparado para si. 

Ele afastou seu rosto de minha entrada posicionou seu membro nesta, roçou sua glande me provocando e me fazendo rebolar, pedindo mudo pra ele me foder de uma vez. 

Mas sei que ele queria ouvir direito de meus lábios. 

Sinto ele começar a me penetrar lentamente, como uma forma de tortura, e eu gemia cada vez que sentia ele dentro de mim. Quando ele já estava completamente em mim, ele ficou parado esperando o incômodo em mim passar.

- Pode se mexer, Yoongi... - Sem nenhum outro aviso ou preparação, ele começou a me estocar forte e fundo. Nem tão rápido e nem tão lento, uma velocidade agradável. - A-Anw Yoongi...

Gemi baixo mordendo meu lábio inferior, jogando minha cabeça pra trás, perdido no, apenas inicio, do prazer que só Yoongi conseguia me proporcionar. E, com os movimentos, estando a cada momento mais rápido, me deixavam mais extasiado.

- Aanw Yoongi! - Gemi alto levando minhas mãos até seus ombros, cravando as unhas em sua pele clara, lhe arrancando um gemido baixo, junto com os arfares e suspiros. - M-Mais... v-vai mais r-rápido... por favor...

Sinto ele sair de mim e, antes que pudesse protestar, ele me vira de costas e empurra meu quadril, me fazendo ficar apoiado na mesa. Ele segura minhas nádegas e me penetra novamente, de uma só vez, me fazendo soltar um grito e, por conta disso, levei um tapa na coxa. Pra conter o gemido alto que o tapa me fez soltar, mordi meu lábio forte.

- Não grite, baby... - Ele fala em meu ouvido me fazendo arrepiar por completo e cravar minhas unhas na madeira da mesa. - Alguém pode ouvir. E não queremos que acabem com nossa diversão. Não é? - Assenti com a cabeça. - E o que você quer, baby boy?

- Q-Quero você... - Falei manhoso.

- Seja mais específico. - Falou sussurrado e rouco em meu ouvido.

- Quero que me foda, Daddy. - Gemi quando ele voltou a me estocar, desta vez mais rápido e fundo. Estava adorando tudo aquilo, o som dos nossos corpos se chocando, os nossos gemidos juntos, o som da mesa que rangia e parecia que iria quebrar a qualquer momento. - A-Ah! Yoongi! Mais forte!

Ele segura meu quadril me puxando na direção de seu, dando investidas fortes e fundas. Sinto minha próstata ser tocada com brutalidade me fazendo gemer alto e cortado, por conta da mordida que dei em meu lábio para conter o mesmo. Ele, satisfeito, tenta sempre acertar o mesmo ponto, quase sempre conseguindo, me levando ao delírio do prazer.

Sinto seus lábios em minha nuca, mordendo e chupando, me marcando em meio a todo o resto de suas ações que me deixavam louco de prazer.

- A-Ah! Yoongi e-eu te amo.. Ah! - Deixo escapar e, pouco tempo depois, chego em meu ápice, chamando alto seu nome. Com mais algumas estocadas, ele sai de dentro de mim e se desfaz fora de meu interior. Nos vestimos e nos apoiamos na mesa, eu com meu rosto encostado em seu ombro enquanto ele afagava meus cabelos. - D-Desculpe...

Falo e sinto ele mover minha cabeça, me fazendo olhá-lo. Seus lábios vem de encontro aos meus nos beijamos por uns segundos até ouvir os malditos barulhos na porta. Anunciando que a hora da visita acabou.

Me despedi de Yoongi com um selinho demorado, saímos da sala e ele logo é algemado pelo guarda. Entrego o dinheiro para o mesmo e estava tomando meu caminho de volta quando ouço Yoongi:

- Hey! - Me viro para olhá-lo, o mesmo parou de ser arrastado pelo guarda. Percebi suas bochechas ganharem uma coloração avermelhada. - Eu também te amo.

Sorri e mandei um beijo no ar pra ele, que sorriu e voltou a ser levado pelo guarda. Me virei e tomei meu caminho pra fora do presídio com meu coração batendo de uma forma estranha, boa, mas estranha.

 

Porque, mamãe, eu estou apaixonada por um criminoso

E esse tipo de amor não é racional, é físico

Mamãe, por favor não chore, ficarei bem

Deixando a razão de lado, não posso negar, eu amo aquele cara


Notas Finais


É isso perdoem qualquer erro :3
O lemon ficou meio bostinha ;w; mas fiz meu máximo
Fiz ao som de All Star, Nando Reis cover de P.Landucci <3 S2
Obrigado por ler ^.^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...