História Criminal Lives - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Pattie Mallette
Tags Camila Senna, Cara Delevingne, Flavia Pavanelli, Kylie Jenner, Nah Cardoso
Exibições 158
Palavras 3.280
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura 📖

Capítulo 8 - Following?


Fanfic / Fanfiction Criminal Lives - Capítulo 8 - Following?

- Sim, eu vou lá depois.

- Tá - começou a andar em direção a enfermaria

 

P.O.V. Camila

Peguei meu celular e disquei o número do meu tio. No terceiro toque ele atendeu.

Ligação On

- Alô - falou uma voz masculina mas não era meu tio - Quem ta falando?

- Isso quem te pergunta sou eu. Quem quer falar com o senhor Jack?

- Porra onde esta o meu tio seu idiota?

- Dona Camila?

- Não o papai noel - bufei - chama logo meu tio seu imprestável.

- Desculpe mas o senhor Jack está ocupado por isso eu atendi.

- Eu te perguntei alguma coisa? Não quero saber se esta ocupado. Não pedi eu M-A-N-D-E-I você chamar ele. Entendeu?

- Mas dona Camila

- Agora - berrei o interrompendo. Ouvi ele suspirar e passos e depois algumas vozes

- Minha querida você esta bem? Porque não atendeu quando te liguei? - perguntou preocupado

- Tava em aula tio. O que você quer?

- Esqueci das aulas. Primeiro queria perguntar se esta melhor, depois de sair do meu escritório daquele jeito não nos falamos mais e também queria pedir desculpas meu amor eu só queria te poupar.

- Eu entendo tio serio, não se preocupe esta tudo bem.

- Ainda bem. Segundo eu quero que você faça um servicinho - sorri na hora.

- Me diz só quem é e o que eu tenho que fazer.

- Te mando os dados dele por mensagem. É simples, só dar um susto daqueles que só você sabe dar, não quero que o mate só quero que ele perceba com quem esta se metendo. Eu podia mandar outra pessoa mas acho que meteria mais respeito mandar você e também você gosta desse tipo de coisa quando ta estressada.

- É, eu preciso mesmo descontar a minha raiva em alguma coisa, já tava com saudades desses servicinhos - rir ouvi ele rir também - ultimamente estou meia afastada dos negócios.

- É, mais agora voltou.

- Sim. Mas é urgente? É que estou no meio de uma aula e depois ainda tenho outra e a tarde tenho o castigo e a hora do almoço é curta demais.

- É meio urgente. Quanto mais cedo melhor entende? E pra evitar que ele faça uma asneira - ficou um pouco silêncio - já sei, você falta a essa próxima aula e depois eu me explico com a diretora.

- Boa - sorri e me lembrei de uma coisinha - tio e depois eu vou voltar provavelmente suja de sangue, cansada e ainda tenho que limpar aquele ginásio enorme - fiz minha melhor voz de fofa

- Ah Camila Marie Blake quem não te conhece que te compre - ri - bom quando você ta limpado alguém fica vigiando?

- Não, mas antes da escola ser fechada o empregado vai verificar se ta limpo - bufei - a diretora até pode liberar as aulas, mas tenha a certeza que o castigo não.

- Já sei. Arranjo alguém para limpar no seu lugar sem ninguém reparar que não é você - sorri satisfeita - mas só hoje - metade do meu sorriso se desfez - você merece.

- Tá bom. Eu só vou voltar para a aula pra pegar minhas coisas, demoro uns 30 minutos por ai. Depois como algo e meto o pé na estrada.

- Quer que eu mande alguém ir com você? Ou quer que eu diga a uma das meninas para te ajudar?

- Claro que não. Dou conta do recado sozinha e também as meninas estão nas aulas ia ser estranho se faltássemos todas.

- Tudo bem, se você diz. Até logo princesa.

- Até logo tio - desliguei

Ligação Off

Fui até a enfermaria ver o Bieber. Fiquei lá na porta esperando uns 10 minutos e ele saiu. A enfermeira me olhou e eu fiz cara de preocupada e cansada de tanto esperar. Ela fechou a porta e começamos a andar.

- Melhorou sua dor? - perguntei rindo

- Um pouquinho - riu também - mas você podia cuidar de mim para ficar bem logo - parou de andar, me olhando e trincando o lábio

- Bieber - ri nervosa - temos que ir para a aula - ele bufou

- Odeio ainda mais as aulas - murmurou para si próprio mas ouvi

- Tá bom. Mas logo depois do seu castigo terminar eu vou te esperar para terminar o que começamos ontem - agarrou minha cintura e beijou meu pescoço. Devo referir que fico maluca com esses beijinhos deles?

- Não posso. Depois do castigo eu tenho - pensei em alguma desculpa mas nada me ocorreu. Porra se ele ficar me esperando vai ver que não sou eu limpando - que fazer umas coisas - ele me largou e ficou olhando para mim com aquela cara ''acha que eu acredito''

- Que coisas?

- Ahn... umas coisa - dei de ombros e comecei a andar ele veio atrás.

(...)

Mal deu o sinal de saída peguei minha mala e sai apressada, o Justin me olhou confuso e desconfiado mas não disse nada, também porque não deu tempo pois sai praticamente voando.

Passei pelo refeitório e peguei um sandes com um suco. Peguei meu celular para ver as indicações, parece que esse favorzinho vai demorar muito, não é que seja longe mas pelo que meu tio mandou ele quer que o cara sofra um pouco e que eu vá devagar para ele aprender de vez. Estava lendo a mensagem distraída ao sair do refeitório. E bati contra alguém.

- Porra não vê por onde and... - parei de reclamar assim que vi que era Nah, Ry, Ky e Chris

- Apressadinha ídola? - Chris perguntou e eu apenas ri

- É tenho muito que fazer

- Tipo? - Ky perguntou. Lhe lancei um olhar de que não podia falar e elas compreenderam na hora

- Ah então, vai logo.

- E tchau - comecei a andar outra vez apressada para não ter o azar de apanhar mais ninguém. Fui para meu carro e sai do estacionamento cantando pneu.

(...)

Cheguei a tal morada que meu tio me mandou, era uma casa de dois andares não muito grande. Fiquei observando vendo se havia algum movimento dentro da casa, não havia ninguém, o jeito é esperar. Comi meu sandes e bebi o suco, ouvi um pouco de música... esperei por volta de 1 hora e vi finalmente um carro parar na garagem, ufa já estava quase morrendo de tédio. Esperei ele entrar em casa e peguei minha arma a colocando na cintura e pus meu celular no bolso do short. Sai do carro e fui até à porta, toquei a campainha, que logo foi aberta.

- Bom dia - ele sorriu

- Bom dia. Senhor Peter? - tenho que ter a certeza que é o cara certo

- Sim, o que deseja? - saquei a arma sem ser notada e encostei na barriga dele, só quando a encostei é que ele notou a presença dela.

- Quero que você entre agora - mandei - temos muito que falar - sorri debochada, ele ficou me olhando - não me ouviu? Entra logo - encostei mais a arma nele.

Ele entrou e logo em seguida entrei ainda apontando a arma pra ele.

- O que você quer? Aqui não tem nada para roubar - gargalhei

- Sério? Acha mesmo que eu tenho rosto de ladrona? Olha bem pra minha cara. Eu não sou ladrona - ele suspirou de alívio - mas no fim disso você vai desejar que eu fosse uma simples ladra.

- O que quer?

- Vim da parte de Jack Blake conhece? - perguntei ignorando a sua pergunta. Ele riu

- Mas seu patrão é um covarde mesmo, mandou uma menina fazer o trabalho dele...

- Cala a boca - lhe dei um murro - primeiro ele não é meu patrão é meu tio... - ele me olhou admirado - segundo essa menina aqui, como você me chamou, vai te fazer chorar igual a uma - dei uma gargalhada

- Ué a princesinha do império veio sujar as suas unhas? - perguntou com a sobrancelha arqueada mas com um tom de deboche

- Já te mandei calar a porra da boca - disse entre dentes - senão essas minhas unhas vão fazer um grande estrago em você... e não é só você - sussurrei a última parte a sua fisionomia ficou mais séria quando percebeu que eu também estava ameaçando a família dele - me siga até a cozinha - ele não se mexeu, dei um tiro próximo dele fazendo-o salta-se assustado - anda rápido faz o que eu digo ou a próxima eu não erro - ele começou a andar, o segui.

- Vai me matar? - perguntou quando eu terminei de o amarrar em uma cadeira da cozinha. Eu ri

- É essa a minha vontade neste momento - ele arregalou os olhos. Larguei minha arma e comecei a abrir as gavetas da cozinha - onde tem facas? - perguntei calmamente como se fosse a coisa mais normal do mundo arregalou mais os olhos e não me respondeu - deixa pra lá, já encontrei - dei de ombros pegando uma faca grande e afiada numa das gavetas - continuando... o que eu estava dizendo mesmo? Ah a minha vontade era de te matar... mas você tem sorte de meu tio por enquanto só querer te dar um aviso - ele suspirou aliviado - ei não fica assim antes do tempo porque eu tenho um péssimo defeito - encostei a faca no rosto dele passando de leve sem o magoar - odeio cumprir ordens - sussurrei. Ele estremeceu - e além do mais quando eu terminar o servicinho aqui - continue passando a faca nele mas desta vez fui descendo a faca pelo corpo dele enquanto falava - você vai desejar ter morrido - parei a faca no seu membro mal acabei de falar. Ele arregalou os olhos assustado. Gargalhei - fica calmo viado é só você ficar quietinha que eu deixo seu amiguinho em paz.

- O que você quer afinal?

- Quem fala aqui sou eu - mandei um chute na boca dele que logo começou a sangrar - se falar mais alguma coisa - agarrei o maxilar dele com uma mão e com a outra mão apontei a faca para a boca dele - eu corto sua língua. Ele estava cada vez mais assustado, os olhos dele já estavam cheios de lágrimas, mas o que se passa com esses caras de hoje em dia?

Eu ainda nem sequer comecei ainda meu trabalho e ele já está assim? É esse trabalho vai ser mais fácil do que eu pensava.

- Isso é para você aprender a calar a boca na altura certa - passei a faca um pouco no lábio dele fazendo um corte. Ele gritou de dor. Fiz outra vez a mesma coisa mas desta vez com mais força e ele começou a gritar - isso é para você não me chamar de menina - pousei um dos meus pés no membro dele e voltou a gritar de dor mas desta vez mais alto enquanto se debatia na cadeira, abanando as pernas tentando se soltar. Tirei meu pé de lá - isso é para você aprender a ficar com os seus pezinhos e seus bracinhos quietinhos e não tentar me atrapalhar - espetei a faca na coxa dele e a rodei ainda mais espetada na perna, deu um grito grande que quase fiquei surda. Lhe dei um tapa forte na cara - CALA A PORRA DA BOCA AINDA NÃO PERCEBEU QUE FICAR GRITANDO É PIOR PRA VOCÊ?

- Es-tá doendo - gaguejou chorando um pouco

- Sério? Estou te machucando demais? - me fiz de preocupada. Ele assentiu na esperança que eu parasse - ótimo era esse meu objetivo - me aproximei da orelha dele - mas sabe que eu ainda estou começando - sussurrei enquanto fazia um corte com a faca no rosto dele

- Pá-ra p-o-r f-a-v - antes que ele termina-se lhe dei um murro fazendo com que ele se cala-se e o seu rosto vira-se completamente para o lado

(...)

Demorei cerca de 2 horas para terminar o serviço, o cara estava coberto de sangue. Confesso não era preciso ser tanto, mas estava tensa e precisava descontar minha raiva em alguém. O cara também me irritou com aqueles gritinhos.

- Isso tudo foi só um aviso - agarrei o cabelo dele levantando o rosto. Coitadinho nem tinha forças para abrir os olhos. Pousei a faca limpando minha impressões digitais e peguei a minha arma guardando-a na cintura e sai de lá finalmente. Me dirigi até meu carro dando de cara com o Bieber encostado nele.

 

P.O.V Justin

Isso no mínimo é estranho, ela está sozinha... ficou nervosinha quando falei do castigo e saiu assim da sala apressada e depois eu a vi conversar com duas das amigas dela que estavam com o Chris e o Ryan, parece que ela está escondendo algo, algo que as amiguinhas dela sabiam mas disfarçaram e ainda tem o telefonema, ela ficou assim depois daquele telefonema... acho que vou atrás dela para descobrir isso, esta menina é muito estranha e misteriosa e eu odeio não saber das coisas... A segui até uma rua com algumas casas, ela parou o carro e ficou um bom tempo dentro dele, mas assim que um carro parou numa casa.

Já estou a muito mais muito tempo mesmo esperando ela sair daquela bosta de casa, o que ela tanto faz lá dentro? Será que ela… não o cara era bastante mais velho que ela, devia ter uns 40 anos.

Ela não ia andar com um cara assim ou ia? Fui até ao carro dela e me encostei nele impaciente, depois de alguns minutos ela finalmente saiu de casa e veio até o carro.

-Sério isso de me seguir e aparecer em todo lado, isso está começando a irritar - mal chegou e já foi falando besteira - porque me seguiu? - cruzou os braços

-Quem te disse que eu te segui? - arquei a sobrancelha provocando-a

-Tem razão, que ideia a minha, você está no mesmo sítio que eu, encostado no meu carro por puro acaso - ela disse cinicamente. Já disse que ela me irrita com essa voz irônica e cínica?

-Se eu te segui qual é o problema? Está escondendo algo?

-Porra Bieber deixa de ser chato e me deixa em paz… para de me seguir caralho - berrou

-Ei ei ei não grita comigo - falei entre dentes tentando me controlar para não meter a mão na cara dela. Ela bufou passando a mão no cabelo e para ai o que é isso?

- Isso na sua mão é sangue? - perguntei confuso. Porque ela está com as mãos cheias de sangue?

-Não é tinta - forçou um sorriso. Peguei a mão dela a força e olhei bem.

-Garota não me faz otário, isso é sangue - olhei para outra mão e para blusa que tinham um pouco de sangue - o que andou fazendo?

-Nada que te interesse - parece nervosa - se mete na sua vida e me deixa em paz - puxou a mão dela e tentou entrar no carro

-Você não vai embora sem me explicar porque tá suja de sangue - agarrei o braço dela

-Bieber não se mete nas minhas coisas. Depois você vai se arrepender, vá embora e pare de me seguir. Você não sabe onde está se metendo.

-Então me diz porra - gritei. Já to ficando sem paciência, ela é muito estranha.

-Eu não tenho que te dizer nada droga - respondeu no mesmo tom

-Já disse pra não gritar comigo - agarrei o maxilar dela

-E eu já te disse pra me deixar em paz - Me empurrou. E porra eu tenho que admitir para uma garota ela tem força, mas não o suficiente para me enfrentar

- Eu não deixo enquanto não me explicar o que veio fazer e porque está desse jeito - puxei toda minha calma, ela ta me tirando do sério e eu não quero bater nela mas se continuar assim eu não sei se me seguro.

- Eu não vou te explicar nada - deu de ombros

- Ai é? Então eu vou entrar naquela casa - apontei para a casa de onde ela saiu - e perguntar para aquele cara o que aconteceu.

-Não! - gritou muito rápido me deixando ainda mais desconfiado, o que raios ela tem tanto pra esconder lá dentro?

- Eu… eu não tava fazendo nada demais, só fui fazer um favor ao meu tio e o amigo dele que mora ali acabou caindo enquanto eu estava lá e se aleijou, ai eu o ajudei por isso estou com sangue - sorriu mas o sorriso parecia nervoso

-Não acredito

-É verdade. Então porque eu ia tar com sangue? - arqueou a sobrancelha - só falta dizer que pensa que eu sou uma vampira e fui ali beber o sangue dele - gargalhou, algo me diz que ela tá tensa.

-Tá bom, eu acredito - acredito uma porra, não acredito em nada do ar ela diz mas depois eu investigo melhor essa parada. Ela suspirou.

-Agora tchau - voltou a tentar entrar no carro mas não deixei.

-Falta me explicar a outra parte, porque saiu daquele jeito do colégio e não vai ao castigo?

-Eu já disse que tinha que vir fazer um favor ao meu tio.

- Eu não sou idiota. Ninguém sai daquele jeito para fazer um simples favor, não iria faltar para fazer um favor.

- Era urgente. Deixa de ser paranoico garoto.

-E porque não vai ao castigo?

-E desde quando eu te devo explicações? - arqueou as sobrancelhas me provocando. Ah vadia irritante.

-Porque não vai? - voltei a repetir a pergunta. Ela respirou fundo

-Porque eu não quero, mas como sabe que não vou?

-Desconfiava depois da resposta que deu, quando disse que nos víamos lá, ficou nervosa mas agora você deu a certeza que não ia. Você sabe que vão descobrir que você não foi certo?

-Descobrem nada, eles nem vão dar conta - sorriu de lado dando de ombros - agora me deixa ir ok? - falou

- Só deixo porque tenho compromissos.

- É você tem o treino – gargalhei negando com a cabeça – não vai pro treino? – juntou as sobrancelhas

- Não dá – respondi simples não ia dizer que não ia porque tinha que tratar de um carregamento de armas.

- Ah! Até amanhã então - virou-se para entrar no carro.

Mas antes a puxei e a virei e lhe dei um beijo simples, um selinho e depois puxei o lábio inferior dela desfazendo o beijo.

- Até amanhã – disse assim que parei o beijo, ela bufou e entrou no carro indo embora. Me dirigi para o meu carro e o liguei para ir para o carregamento, mas antes vou tratar de descobrir o que essa menina tanto escondeu de mim hoje, é porque não acreditei numa só palavra dela... estava mentindo feio só não sei porque, mas não vai ser por muito tempo.

Disquei o número de Alfredo, o meu segurança mais fiel, o que manda nos outros.

- Fala patrão

- Alfredo, preciso que mande um dos capangas para onde estou, veja pelo gps do carro e descubra o que aconteceu esta tarde na casa – olhei para tal casa – n° 126

- O que se passou patrão?

- Não interessa descubra e me ligue depois – desliguei sem ele me responder.

Troquei de marcha e acelerei saindo daquele local.

Continua...


Notas Finais


X Avisos X

Novo link pro grupo no wpp - https://goo.gl/forms/v67wCru8BwGuKIeu2

Gostou? Compartilha com seus amigos!

Xoxo C.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...