História Criminal Love - Imagine Jeon jungkook. - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), G-Dragon, Got7, Jay Park
Personagens G-Dragon, Jay Park, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Imagine Jungkook, Jeon Jungkook, Jungkook, Jungkook The Killer Bunny, Sereal Killer, The Killer Bunny
Visualizações 575
Palavras 2.483
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong pessoas, turu bom?!
Mais um capítulo da nossa cheirosa fic... Criminal Love!😍

Já vou pedindo desculpas a vocês por qualquer erro ortográfico nesse capítulo, ele não foi editado porque tive que postar as pressas, então sorry!

Boa Leitura<3💖

Capítulo 26 - Capítulo 25


Fanfic / Fanfiction Criminal Love - Imagine Jeon jungkook. - Capítulo 26 - Capítulo 25

O beijo agora tinha voracidade, e ambos os dois estavam quase engolindo a boca um do outro.

Ele levou sua mão para de baixo do meu vestido, senti o contato da sua mão na minha barriga me deu até calafrios, e arrepios.

Nos sentimos observados por um minuto mas apenas ignoramos e continuamos.

Aquela sensação estava aumentando ainda mais e decidimos parar o beijo, olhamos pro lado e vimos um menino(foto da capa), nos observando com os olhinhos arregalados e de boca aberta.

Eu rapidamente empurrei o Jungkook de cima de mim, me ajeitei e vi que o mesmo estava estético me olhando e dando breves olhares mortais pro menino.

S/N: Olá, tudo bem? - Falo tentando desfarçar o ocorrido e me levanto indo até ele.

???: S-sim... 

S/N: Qual é seu nome fofinho? - Me abaixo ficando a sua altura e coloco a mão no seu cabelo o massageando de leve.

Eu posso odiar de tudo e todos, mas o que eu adoro e amo de coração são crianças, pelo simples fato delas serem fofinhas e incapazes de fazerem mal as pessoas... resumindo, elas são inocentes!

???: Er... R-Ruykhi

S/N: Mas o que você está fazendo andando por aqui, e ainda sozinho? 

RK: Eu vim atrás da minha bola - Aponta pra uma bola do lado do Jungkook. - E acabei parando aqui! Mas o que vocês dois estavam fazendo aqui, sozinhos?

Eu arregalo os olhos e fico vermelha na hora.

JK: Coisas de adultos, que você não entende!

S/N: Jungkook! - O repreendo, olhando pra ele. - Ele é uma criança, cala a boca caralho! - Falo sussurrando.

JK: O que, só estou falando a verdade, ele não perguntou o que eu e você estavamos fazendo? Então, eu só respondi! - Eu fico o encarando com um olhar mortal e ele também faz a mesma coisa comigo.

RK: Oi, eu ainda tô aqui! - Ele chama nossa atenção. - E aliás, não precisavam me responder porque eu já sabia o que vocês estavam fazendo. - Ele fala calmamente, e eu e Jungkook encaramos ele no mesmo momento incrédulos. - O que foi?

S/N: Nada RuyKhi, olha esquece o que você viu tá? Não conta pra ninguém que você nos viu, nem pra sua mãe, seu pai... absolutamente ninguém! - Ele faz uma carinha triste e abaixa a cabeça. - O que foi? 

RK: Não é nada... - Ele levanta novamente e sorri. 

S/N: Bom, acho melhor você voltar pra sua casa, já está ficando de noite... Pode ser perigoso pra uma criança ficar perambulando por aí sozinha! 

RK: Tudo bem! - Ele foi pegar a bola dele, só que Jungkook estava a segurando. - Pode me dar moço, por favor? 

JK: Deveria? - Faz cara de pensativo. - Por que eu daria ela a você? 

RK: Porque a bola é minha, e você me dando ela posso ir embora logo, e deixar você a sós com sua namorada para continuarem o que estavam fazendo! - Eu arregalo os olhos surpresa com o que ele disse.

JK: Toma! - Ele rapidamente deu a bola nas mãos dele. - Tchau Ruykhi, até mais! - Acenou pra ele.

S/N: Você sabe o caminho de volta Ruykhi? - Ele olha pra mim.

RK: Sim, até porque se eu não soubesse não viria pra cá sozinho.

JK: É você é um garoto esperto, mas agora é bom você voltar logo porque se não, o bicho papão que anda por aí atrás das crianças vai te pegar! - Fala colocando medo nele.

Eu olho pra ele com cara de "sério isso?", e coloco a mão na cabeça suspirando.

RK: Não precisa enventar histórinhas macabras para eu ir, não se preocupe porque já estou saindo, mas fique sabendo que eu sei que "bicho papão", não existe!  - Ele faz cara de óbvio.

JK: Pode até não existir, mas o que existe mesmo é assaltantes, estrupa... - Quando percebi a merda que ele iria falar, fui até ele rapidamente e tampei a sua boca.

S/N: Tem certeza que pode ir sozinho? - Rio sem graça.

RK: Posso sim - Ele sorri. - Tchau pra vocês! - Continuou sorrindo e virou de costas caminhando pro lado oposto que nós estavamos. - E boa transa! - Ele falou já longe da gente e acabei que não escutei, sei lá ele deve ter dado tchau de novo.

Ainda vendo o menino sumir da minha vista, sinto uma pequena mordida na minha mao, e percebi que ainda estava tampando a boca do Jungkook, rapidamente a tirei dali.

JK: Finalmente! - Suspirou.

S/N: O que deu em você, em? Falar aquelas merdas pra uma criança! 

JK: Nada demais, porque eu percebi que ele é bem espertinho e sabe até de mais das coisas! - Ele me olha malicioso.

S/N: Mesmo assim, não precisava!

JK: Aish, agora virou defenssora de muleques?

S/N: Nao tô defendendo ninguém, apenas quero que aquele "menino" - Destaco por ele ter falado muleque. - Mantenha a mente pura e limpa de criança, já que muitos adultos hoje em dia... não tem! - Solto uma indireta.

JK: Tenho mesmo não - Ele se aproxima. - E é melhor assim! - Ele me abraça e me da um selinho. - Aliás, eu não gostei daquele muleque! - Fala após o selinho.

S/N: Lembrando que ele tem nome Jungkook! Mas porque você não gostou do Ruykhi? Ele e tão fofo, gentil e educado...

JK: Quer que eu refresque sua memória? - Ele começa a beijar meu pescoço.

S/N: Não p-precisa... - Falo com dificuldade. - E eu mudei de idéia em relação á isso - Ele parou o que estava fazendo e me olhou.

JK: Porque?

S/N: Acabou o clima, não vai ter mais graça e aliás, está bem tarde é melhor a gente voltar, porque eles devem estar preocupados achando que a gente se matou! - Ele ri. - E também não quero pegar um resfriado!

JK: "Se matou!" - Ele gargalha. - Só se for de uma coisa... - Ele sorri malicioso.

S/N: Nossa, desde quando você é tão pevertido assim? E eu não te dei a liberdade pra falar essas coisas, tá!

JK: Não preciso da sua autorização querida, e respondendo sua pergunta... eu sempre fui pevertido! - Ele ri sapeca.

S/N: Ata, vou fingir que não escutei nada disso tá? Agora vamos embora logo! - Pego no seu braço e o puxo pra irmos embora.

JK: Mas e a Alice, e seu pai? - Ele vem me lembrar deles justo agora...

S/N: Porfavor não toca nesse assunto... eu só não quero falar sobre isso! 

JK: Tudo bem... desculpa.

S/n On

Ruykhi On

Oi pra vocês, meu nome é Ruykhi mas podem me chamar apenas de Ruy, eu deixo!

Tenho 7 anos e esses ultimos 2 anos... foram os mais horríveis da minha vida! O porque? Veja bem, minha omma que me dava carinho, cuidava de mim e realmente se importava comigo, morreu quando eu tinha 5 anos de idade e fiquei na guarda do meu padrasto que pode-se dizer que me odeia tanto quanto tudo nesse mundo! 

O cara implica comigo o tempo todo, não me deixa em paz sequer um minuto! Odeio ele.

Enfim, depois da perda inesperada da minha omma, isso mesmo, ela apareceu morta na sala da minha casa ainda lá em Seul, meu padrasto diz que foi um bandido que invadiu a casa pra assaltar e ela reagiu, pode até ser mais não duvido nada que tenha sido meu padrasto, ele é tão filho da puta que seria até capaz de fazer isso!

Aí depois de tudo isso, viemos morar no Japão, contra a minha vontade, claro! 

Só vou na escola porque é obrigado, e também porque eu quero, se fosse por ele eu vivia jogado pelo mundo, e por isso tive que aprender a me virar sozinho, e juntando as pressões psicológicas com a minha "idependência", tenho a mente bastante avançada, com a mentalidade de um adulto algo bem raro para uma criança de apenas 7 anos, até minha professora recomendou para me transferir pra uma escola de nível mais avançado, e meu padrasto apenas ignorou e me deixou na escola que "estava", é até da escola ele me tirou, isso foi um pretesto para ele desfazer a minha matrícula resumindo, dependendo dele eu não vou ser nada na vida! Ah omma, como eu sinto á sua falta... queria tanto que a senhora estivesse aqui, comigo. Pra me encher dos seus carinhos, os quais não recebo a 2 anos! 

[...]

Um milagre aconteceu, o meu padrasto me chamou para sair com ele, isso é raro, muito raro mesmo!

Perguntei aonde nós iriamos e ele falou que nos dois iamos passear um pouco, conhecer mais essas redondezas, ele disse que eu precisava já que vivo trancado 24 horas dentro dessa casa!

[...]

Não sei o que deu em mim, sinto que meu padrasto está tentando mudar nossa relação... ele parou pra comprar dois sorvetes pra gente e por impulso eu saio correndo para fugir dele talvez? o mesmo nem me vê por estar distraido.

 E com isso acabei que me perdendo... mas isso não é problema! Posso me localizar de acordo com o Sol, nos sentidos mas... Ah não acredito! O Sol esta se pondo, e agora?!

[...]

Estou muito ferrado, só isso que tenho á dizer!

Ainda com a minha bola em mãos, isso mesmo vim com minha bola, ela é minha companheira neste momento! 

Estava caminhando perdidamente pela areia da praia, e derrepente minha bola escapole das minhas mãos e saí girando rápido pelo vento, eu corro para alcançá-la e depois de uns minutos de sufoco, vejo ela parada pelo um bloqueio, o qual esse era um homem e uma mulher aos beijos, sério! Eles não tem outras opções de lugares pra fazerem isso? Tipo um motel, hotel, carro ou até mesmo a casa deles? Ninguém é obrigado a ver essas coisas, sei que eu tenho mente aberta sobre isso mas ainda sinto e tenho nojo dessas coisas!

Acabo que observando eles demais e derrepente eles param, a mulher bem bonita podé-se dizer e tenho certeza de que ela não é da Ásia! Mas o homem sim, ele é!

Enfim, ela empurrou o cara e veio em minha direção, deu vontade de rir da cara que ele fez, parecia que necessitava daquilo e por 10 segundos se não morria, era tipo isso!

???: Olá, tudo bem? 

???: S-sim... - Falo meio sem graça.

???: Qual é seu nome fofinho? - Ela se abaixa a minha altura e afaga meus cabelos, hum... que bom, faz tanto tempo que não recebo esse tipo de carinho.

???: Er... R-Ruykhi 

???: Mas o que você está fazendo andando por aqui, e ainda sozinho? - Não posso falar que saí correndo do meu padrasto, ela vai achar que sou louco.

RK: Eu vim atrás da minha bola - Aponto pra ela que estava do lado do homem que me olhava agora transparecendo raiva.. - E acabei parando aqui! Mas o que vocês dois estavam fazendo aqui, sozinhos? - Eu sem muito bem o que eles iam fazer, pois ainda estavam começando, perguntei só pra parecer um garotinho inocente.

???: Coisas de adultos, que você não entende! - Entendo sim querido, e muito bem...

???: Jungkook! - Ela o repreende. - Ele é uma criança, cala a boca caralho! - Fala sussurrando mas acabo que escutando.

JK: O que, só estou falando a verdade, ele não perguntou o que eu e você estavamos fazendo? Então, eu só respondi! - Eles ficam se encarando mortalmente.

RK: Oi, eu ainda tô aqui! - Chamo a atenção deles. - E aliás, não precisavam me responder porque eu já sabia o que vocês estavam fazendo. - Falo naturalmente e eles me olham incrédulos. - O que foi?

???: Nada RuyKhi, olha esquece o que você viu tá? Não conta pra ninguém que você nos viu, nem pra sua mãe, seu pai... absolutamente ninguém! - Ah porque ela tinha que me lembrar da minha omma?... - O que foi?

RK: Não é nada... - Não vou falar sobre isso, primeiro que não conheço eles pra contar , e outra que não quero tocar nesse assunto... é muito delicado. 

???: Bom, acho melhor você voltar pra sua casa, já está ficando de noite... Pode ser perigoso pra uma criança ficar perambulando por aí sozinha!

RK: Tudo bem! - Fui até minha bola mas o cara estava a segurando. - Pode me dar moço, por favor? - Faço carinha de pidão.

JK: Deveria? - Faz cara de pensativo. - Por que eu daria ela a você? - Essa eu vou responde-lo.

RK: Porque a bola é minha, e você me dando ela posso ir embora logo, e deixar você a sós com sua namorada para continuarem o que estavam fazendo! - Ele arregala os olhos mas logo sorri de lado e me olha diferente.

JK: Toma! - Ele rapidamente me deu a bola. - Tchau Ruykhi, até mais! - Acenou pra mim.

???: Você sabe o caminho de volta Ruykhi? - Eu encaro ela.

RK: Sim, até porque se eu não soubesse não viria pra cá sozinho. - Mentira.

JK: É você é um garoto esperto, mas agora é bom você voltar logo porque se não, o bicho papão que anda por aí atrás das crianças vai te pegar! - Ele fala sombrio, "tentando" me por medo algo que deu errado, bem errado!

RK: Não precisa enventar histórinhas macabras para eu ir, não se preocupe porque já estou saindo, mas fique sabendo que eu sei que "bicho papão", não existe! - Faço cara de óbvio.

JK: Pode até não existir, mas o que existe mesmo é assaltantes, estrupa... - Sei bem o que ele iria falar e estava disposto a escutar mas a moça foi e tampou a boca dele o calando.

???: Tem certeza que pode ir sozinho? - Ela me olha sem graça.

RK: Posso sim - Sorrio. - Tchau pra vocês! - Me viro de costas e ando com receio pra longe deles. - E boa transa! - Falei já longe deles pra não escutarem, eu não quero que eles saibam a minha mentezinha maliciosa, lembrem-se de que eu sou "inocente".

[...]

Graças á Deus consigo me localizar da onde eu estava, e vejo meu padrasto de longe assim que me vê corre em minha direção com uma cara nada boa, eu me encolho ao ver que ele tirava seu cinto das calças para me bater, ele nunca chegou á esse ponto, de me bater... E eu achando que ele tinha mudado, fui inocente uma vez na vida...

PDT: Aonde você estava seu muleque?? - Pega meu braço com força e me arrasta pra um beco. - Vai levar uma boa surra pra aprender a não tentar fugir de novo! 

E alí mesmo na rua que estava vazia, algo bem normal, ele começa a me bater com o cinto, grito de dor e a cada vez que isso acontecia ele me batia mais forte, fazendo minha pele arder e meus olhos se encherem de água.

Eu implorava chorando pra ele parar mas era inevitável, ele estava cego de raiva e continuava a me bater, eu começo a fraquejar, sera que ele vai me matar de tanto espancar?

RK: A-alguém me a-ajuda... porfavor! - Grito com voz falha pelo choro e dor que estava sentindo.

ByeBye


Notas Finais


Beijinhos de Toddynho<3♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...