História Criminal Minds - Capítulo 65


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Barbara Palvin, Criminal Minds, Droga, Justin Bieber
Exibições 470
Palavras 2.161
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


DESCULPEM A DEMORA E O CAPÍTULO BOSTA

Capítulo 65 - Marriage


— Você mandou bem — Candice disse rindo.

— Nem acredito que tive coragem de fazer aquilo, a idéia veio do nada — falei ao relembrar da noite que tive com Justin.

— Foi bom você fazer isso, já fazia tempo que não ficaram a sós — ela disse.

— Agora eu quero os meus filhos — falei.

— Agora você quer ir pra um SPA para ficar perfeita amanhã — Caitlin disse ao entrar no quarto.

— O que tem amanhã? — perguntei me forçando a lembrar se tinha algo marcado para amanhã.

— O seu casamento — Caitlin disse gritando e batendo palmas, do mesmo jeito estava Candice.

— O casamento, porra — Geovanna entrou junto com Ágatha, Rafaella e Caroline.

— Justin e Eu não marcamos ainda — falei parada.

— Vocês não marcaram, mas nós sim — Candice falou.

— Como vocês puderam fazer isso? — perguntei indignada, queria muito perder meu tempo organizando meu próprio casamento.

— Era uma surpresa, mas não tinha como te fazer ir num SPA sem você perguntar o motivo de estarmos sendo tão boas — Caroline respondeu.

— Vocês não deviam... —

— Tá, já sabemos, agora vamos — Caitlin disse enquanto me puxava pelo braço.

— Não! Eu vou atrás do Justin — disse birrenta.

— Ele já foi — Rafaella falou saindo.

— Pra onde?

— Já ouviu falar em Despedida de solteiro? Então.

— COMO ASSIM? — gritei.

Mas ninguém respondeu, apenas começaram a rir enquanto me levavam ao tal SPA.

Justin POV's

Acordei estava em um lugar que não me recordava bem, fiquei me perguntando se ainda estava no motel, mas me lembro bem que fui embora no dia seguinte.

Me levantei de uma espécie de cama feita de cadeiras, o local era num tom vermelho e preto, tinha algumas cortinas e pouca iluminação, não fazia a mínima idéia de onde estava.

— Perdido? — ouvi alguém dizer.

— Ryan! — o chamei, ele apenas apontou para o outro lado.

Olhei e tinha uma mulher, mais especificamente uma striper com o seios de fora.

— O que é isso, Ryan? — perguntei.

— Aproveita! Não vale tocar — ele disse.

A mulher dançava conforme a música, e ia se aproximando cada vez mais, fazia tanto tempo que isso não acontecia que eu já estava ficando duro. Logo apareceu mais uma striper e cada vez que elas se aproximavam aparecia mais.

— Se eu colocar um seio na boca, vai ser traição? — perguntei enquanto olhava todos aquele seios na minha frente.

— Bebe aqui! — Ryan disse me dando um copo com tequila.

— E sim, será traição — ouvi a voz de Christian.

Estava realmente me segurando para não pegar naquele corpo quase nu bem a minha frente, iria beber muitas para me conformar com isso.

Claire POV's

— Gente para com isso, aí — falei quando a mulher apertou demais meu ombro na massagem

— Claire deixa de ser besta e aproveita.

— Eu juro que se o Justin fizer algo errado eu mato vocês — falei enputecida.

As minhas amigas eram as melhores, em vez de me confortarem com algo do tipo "ele não vai errar", "se acalma" , não, elas começaram a rir, é uma desgraça mesmo.

Já estava na hora do casamento, assim como todas as noivas, eu estava nervosa, mas ainda feliz. Não era como se fosse a minha primeira vez ali naquela igreja, mas soava como se fosse, dessa vez era real.


A marcha nupcial havia acabado de começar, iria entrar sozinha já que cada um tinha seu par, e o meu estaria no altar. As portas se abriram lentamente, agradeci a Deus antes de abrir os olhos e andar lentamente com meu coração na mão. Andava feliz pelo tapete vermelho que me apresentava, até perceber que no altar não tinha ninguém.

Tudo em mim caiu, a felicidade sumiu como evaporação, e a preocupação me vencia. Andei rapidamente até o altar a procura de Justin. Só podia ser uma brincadeira.

— Cadê ele? — perguntei a Caitlin.

— Me desculpa Claire, a brincadeira de ontem não deu muito certo — ela disse, e entendi ser a respeito da despedida de solteiro.

Eu sabia, desde o começo eu sabia que isso não ia dar certo.

— Eu tô aqui — ouvi a voz de Justin.

Ele vinha agarrado com Ryan, com a mesma roupa de ontem, e morto de bêbado.

— Você é um idiota! — falei e joguei o buquê no chão, logo depois sai correndo da igreja.

— Claire, CLAIRE VOLTA AQUI — ouvi Justin gritar.

— Claire, Claire acorda — ouvi Candice dizer.

Levantei toda suada, e assustada, era um sonho que me parecia bem real.

— Cadê o Justin? — perguntei.

— Está dormindo, ainda são 6:30, você estava sonhando e fazendo barulho então vim ver o que era.

Contei todo o sonho que tive, depois fui descansar mais algum tempo, até Candice vir me chamar novamente para me preparar.

Passei maior parte do tempo preocupada, ninguém me dizia onde Justin estava e nenhum dos meninos apareceu por aqui. Era terrível passar por isso e ainda ter amigas como as que tenho... Era pra foder mesmo.

Já estava tudo pronto, até mesmo fiquei pronta antes da hora, e eu já estava perdendo a paciência, estava tão agoniada que estava começando a soar mesmo estando num quarto com dois ar condicionado.

— Candice, cadê ele? — perguntei pela milésima vez.

— Calma! Eu não sei dele ainda, não sai daqui desde hoje cedo.

— Ele provavelmente já está na igreja, já que o noivo chega primeiro! — Caroline falou.

— Meu Deus! Alguém vai lá ver — pedi.

— O que ela tem? — ouvi Rafaella perguntar baixo.

— Ela teve um pesadelo — Ágatha respondeu.

Respirava e inspirava repetidamente, estava como se a pressão estivesse caindo.

— Está na hora, Justin já está ficando nervoso, quase cavando um buraco no altar! — Chaz apareceu abrindo a porta.

— Graças a Deus alguém da uma notícia — me levantei já pronta para sair.

[……]

Já estávamos em frente à igreja, Chaz entraria comigo, logo atrás de Jason e Jenny, depois do pesadelo pedi a Caitlin que mudasse a música de entrada, fiquei muito tensa com aquela marcha nupcial.

Justin não parecia estar nervoso como Chaz havia dito, ele estava bem normal para o que parece ser o seu casamento, coisa que anos atrás ele negava.

— Não mete a língua na boca dela, tá bom? — Chaz falou antes de me entregar a Justin.

— Eu vou meter é outra coisa! — Justin disse me fazendo rir.

Nos viramos e então o padre começou a cerimônia, não antes de nos manda ajoelhar em frente ao altar.

Padre: Noivos caríssimos, viestes à casa da Igreja para que o vosso propósito de contrair Matrimónio seja firmado com o sagrado selo de Deus, perante o ministro da Igreja e na presença da comunidade cristã. Cristo vai abençoar o vosso amor conjugal. 

Estava ansiosa, e um tanto nervosa, não era como se fosse a minha primeira vez ali mas era real, dessa vez. Prestava atenção em cada palavra que o padre falava, até viajar vendo como seria o meu futuro como Sra.Bieber. Era até engraçado isso.

Quando voltei pra terra, percebi que o padre tinha parado de fazer a cerimônia. Todos olhavam para nós, especificamente para Justin.

— O que você fez? — sussurrei.

— Senhor. Pule logo essa baboseira que você vai falar, já sabemos que estamos na casa de Deus, que ele vai nos abençoar, mais eu tô apressado, então, vai logo pra aquela parte, "pode beijar a noiva" — Justin disse.

Ele estava sério, não parecia ser brincadeira, mas, não acredito que esse patife tinha feito mesmo isso.

— Certo! Então vamos para o consentimento — o padre que mais parecia o papa Francisco de tão cansado, falou.

— Justin Bieber e Claire Parks, viestes aqui para celebrar o vosso Matrimónio. É de vossa livre vontade e de todo o coração que pretendeis fazê-lo? 

— Sim! — respondemos em uníssono.

— Vós que seguis o caminho do Matrimónio, estais decididos a amar-vos e a respeitar-vos, ao longo de toda a vossa vida? 

— Sim, estou!

— Estais dispostos a receber amorosamente os filhos como dom de Deus e a educá-los segundo a lei de Cristo e da sua Igreja? 

Assenti logo depois de Justin responder um "sim".

— Uma vez que é vosso propósito contrair o santo Matrimónio, uni as mãos direitas e manifestai o vosso consentimento na presença de Deus e da sua Igreja. 

Fizemos o que o padre disse, Justin estava muito sério, respirava fundo de minuto em minuto.

Jenny apareceu com as alianças e ficou entre nós, enquanto Justin pegava uma das alianças.

— Eu Justin Bieber, recebo-te por minha esposa a ti, Claire Parks e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida. — E nos roubos também — ouvi Justin falar baixo.

— Eu, Claire Parks, recebo-te por meu esposo a ti Justin Bieber, e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida. 

— Confirme o Senhor, benignamente, o consentimento que manifestastes perante a sua Igreja, e Se digne enriquecer-vos com a sua bênção. Não separe o homem o que Deus uniu. Bendigamos ao Senhor.

— Graças a Deus. — todos responderam.

— O Noivo, agora pode beijar a noiva — o padre disse.

Olhei com medo para Justin, ele estava tão apressado para essa parte que até dava medo. Mas o que ele fez? Nada! Apenas me deu um selinho normal e pronto.

Todos nos parabenizaram, participaram da festa, Candice me fez chorar com as suas palavras, relembrando tudo o que passamos, os convidados eram apenas os nossos amigos, ninguém desconhecido, e todos sabiam o que aconteceu conosco, então...

Na hora de jogar o buquê Caroline foi quem pegou, Khalil até falou que o casamento já estava marcado, e continuou nos fazendo rir. Realmente estava sendo o melhor dia do ano. Tanto que quase me esqueci do presente de Justin.

— Vem cá! — o chamei.

Como a festa era na nossa casa mesmo, então o levei até uma das salas de tortura que tinha no porão dentro do escritório, estava tudo escuro, Justin não fazia a mínima idéia do que podia estar ali.

— Como já faz tempo, e eu sei o que você queria fazer quando estava na prisão, eu decidi guardar isso pra você, eu li a sua carta e o deixei para você mesmo fazer o que pediu aos meninos — acendi a luz e então Justin que estava com um sorriso enorme, passou a ficar sério, logo depois me vi sendo empurrada na parede tendo Justin grudado aos meus lábios.

— Você é a melhor esposa que alguém pode ter! — ele disse enquanto distribuía beijos pelo meus rosto.

— Certo, agora faça o seu trabalho.

Falei. Justin estava com um sorriso muito grande no rosto, eu até o entendia, depois de passar tanto tempo na prisão por causa da pessoa que estava ali a sua frente, não foi fácil enganar os meninos para pegar Akemi e o deixar vivo por tanto tempo, venho o alimentando por três anos, o deixando preso mas o alimentando da melhor forma, queria deixá-lo forte o bastante para que aguente horas de tortura, sabia que Justin não se confirmaria com uma morte rápida.

[……]

— Claire — ouvi alguém me chamar — Claire o que está fazendo aí?

— E-eu não sei — respondi.

Olhei para a pessoa e vi ser Caitlin, logo atrás Candice. Olhei a minha roupa e estava de lingerie preta, a mesma do uniforme das garotas da boate do Justin, olhei também onde estava e era justamente no palco da boate.

— O que é isso? — perguntei.

— Eu não te disse, como poderia me tornar o seu chefe de novo? — era a voz do Justin.

Olhei para frente e lá estava ele, com o seu costumeiro sorriso debochado, topete, calça caída preta, jaqueta de couro e regata, estava exatamente como sete anos atrás.

Uma das coisas que nunca iria mudar.

E assim continua a vida de Justin e Claire, um casal comprado, juntos pela obsessão e possessividade, separados pelos inimigos e sede de vingança, mas completos por algum motivo óbvio.

Ele a tornou uma mulher crescida e capaz de viver no mundo qual ela não sabia a existência, a tornou uma mãe e ao mesmo tempo uma mulher de negócios.

Ela o tornou um homem mais amoroso, compreensível e capaz de dar valor as coisas que ele não dava atenção. O tornou um pai cuidadoso mesmo continuando com o seu trabalho contra lei.

Não vou dizer que Claire e Justin viveram felizes para sempre, pois todos sabem que não. Com o tempo, todos os finais tristes se tornam alegres. O final triste é só para o autor parar de contar a história. Mas ela continua. Só não é contada.

Fim. 



Notas Finais


Esse fim acabou comigo, apesar de eu não ter gostado do resultado final desse capítulo, mas tudo bem. Foi o melhor que consegui.
Espero que tenham gostado, agradeço por terem ficado comigo até o final, muito obrigado pelos comentários lindos e... O que mais tenho que agradecer? Sei lá.
Só isso mesmo amores. Obrigado de coração. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...