História Criminal Minds - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Drama, Drogas, Romance, Sexo, Violencia
Exibições 66
Palavras 2.207
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


•Selena Gomez é Selena Monstiesky na fanfic.
• Liam Neeson é Rick Miller .
• Boa leitura.

Capítulo 2 - Releases


P.O.V Venus 

 

   Meu corpo nem reagia mais, eu estava farta de estar ali e só piorava ao pensar que terei que passar a minha vida inteira aqui, pagando pelos "ensinamentos" do meu amável papai. Meus dias aqui são repetitivos, nada mais me fazia dar um sorriso sincero, eu estava me tornando uma pessoa insana e fria, a criança dentro de mim morria aos poucos e a esperança já estava enterrada há um bom tempo. No começo eu me enturmei com algumas pessoas, mas agora eu só queria ficar sozinha, eu e meus pensamentos de que um dia eu iriei ser feliz. 

  No instante em que fui presa e traga pra esse lugar todo o meu futuro também foi preso aqui. Foi tudo me tirado naquela noite, os meu sonhos, a minha esperança de ter uma família e o pior de tudo, foi me tirado o direito de amar, eu nunca poderei amar alguém, eu nunca saberei como é amar e ser amada, eu estava condenada a uma vida inteira sem felicidade. Esse era o meu fim e não será como nos filmes, eu não tenho ninguém que lute por mim, e nem um herói que venha me salvar, eu não sou importante para ninguém.

   As lágrimas quentes entravam em contato com as minhas bochechas gélidas e eu me sentia confortada. Eu não posso morrer afogada nas lágrimas que não chorei, eu preciso deixar isso sair antes que eu me torne uma pessoa insensível, no fundo eu ainda tinha uma pontada de esperanças, no fundo eu ainda era a criança feliz que brincava de bonecas e corria pelo jardim feliz, eu ainda era a pequena Venus de quatro anos atrás. 

       P.O.V. Justin Bieber 
     
      "— Ela é minha filha, minha Herdeira... Ela é Venus Miller, Bieber.—"
   
     Cada palavra que Rick falou martelava na minha cabeça. Filha? Como eu não sabia da existência dessa pirralha? Ele a escondeu muito bem, mas o passarinho decidiu explorar o mundo e acabou sendo engaiolada e minha missão era libertar o pequena e indefesa ave.  seja lá o porquê dela ter sido presa, ela não fez isso sozinha, nenhuma criança de 15 anos age sozinha e é condenada a passar a vida inteira naquele lugar, presa por grades e sendo vigiada 24 horas por dia. 

   Eu fechei um acordo com pai da garota  e em troca eu iria ganhar um bilhão de dólares. Mas não era tão simples assim, eu iria abrigar a garota na minha casa até que ela completasse 20 anos (daqui 7!meses) e pudesse pegar meu dinheiro que está guardado no maior cofre central de Londres. Terei que ensinar a vadia a se proteger, terei que preparar ela para a vida fora das grades, terei que preparar ela para enfrentar o mundo, e não seria nada fácil, há muitos caras atrás de Rick, atrás da grana da garota e quando ela sair de lá,  será o alvo e consequentemente eu também. Mas o que a pequena Venus não sabe, é que o meu passado e o de seu pai se cruzaram e isso nos condena. 

   A porta do escritório se abre me tirando dos devaneios. Chris se senta na cadeira a minha frente e apoia os cotovelos na mesa de cerejeira e me encara com uma de suas sobrancelhas arqueadas.

 — Preciso refrescar sua mente querido amigo, é impossível tirarmos a vadiazinha de lá e você sabe.— a voz do garoto adentra meus ouvidos. — Já fizemos isso uma vez e matamos mais pessoas que esperávamos, e salvamos também ... — ele completa. 

  — Então tentaremos novamente.— falo sem dar a mínima. – Eu tenho tudo sob controle, pegue os nossos melhores armamentos no galpão e avise ao resto dos meninos que agiremos daqui uma semana.— falo simples e pego o pequeno copo de vidro e goleio todo o líquido que desce rasgando a minha garganta. 

 — Só espero que não se apaixone pela garota, assim como aconteceu com Selena há 6 anos atrás.— ele se levanta e antes de sair completa — Não quero que tudo volte a ser como antes, então controle seu coração, se é que ainda tem ele.— ele sai e todas as lembranças que tenho da morena voltam, lanço o copo na porta e jogo minha cabeça para trás, por que Christian tocou na porra desse assunto, pronunciar o nome dela é proibido nessa casa. 

        Flashback On - há seis anos — Atlanta 
        

  Eu observo o corpo da garota no sofá e instantaneamente surge um sorriso nos meus lábios que escorre sangue. Todo meu corpo está ferido e tudo isso porque eu entrei no meio da explosão para salvar a garota. Seu corpo perfeitamente alinhado e seus lábios sujos e ressecados. Eu não sei o que me levou a salvar ela, o plano era tirar somente Dylan de lá, mas seus olhos, sua boca, seu corpo, tudo nela me atraiu e arrisquei a minha vida para salvar a dela.Eu nunca senti aquilo antes, minhas mãos suarem e meu coração sair do ritmo, o que estava acontecendo comigo ? Eu nem sem o nome dela mas nem hesitei na hora de pôr a minha vida em risco para salvar a dela, eu estava ficando louco, ou.... Apaixonado. 

     Flashback Off

   Ela era tudo pra mim, ela era a minha primeira opção, eu daria a minha vida por ela, meu maior arrependimento foi ter salvo ela naquele dia, ter me arriscado por uma completa estranha. Eu não a culpo, eu me culpo por ter amado ela mais que minha própria vida e ela não ter dado a mínima. Ela sentia atração por mim enquanto eu a amava e era completamente apaixonado por ela. E não demorou muito para ela se desfazer de mim, foi tão doloroso ver ela com outro. Ela me ensinou a matar pessoas inocentes a troca de nada, ela me  ensinou tudo de ruim, ela tirou a inocência de um garoto de 16 anos ,fez tornar-me impuro , e depois me entregou direto para a morte. Ela me entregou para ele, meu pior inimigo, Michael Santorini. Que em troca lhe ofereceu uma boa vida em um lugar longe daqui, e eu fui submisso a ele durante 4 anos, até Rick Miller cruzar meu caminho e fazer o trabalho sujo por mim. Eu tinha uma dívida com ele e estava prestes a pagar ela daqui uma semana, e ainda ganharia uma boa grana, eu me esforçarei para ensinar a vadia a se proteger, e eu manterei ela segura de todos, eu prometo isso ao meu amigo, o único que foi capaz de me tirar do inferno. 

•••

    Faltavam três dias para a nossa execução e eu já tinha tudo planejado. Eu entrarei para salvar a garota enquanto dois dos meninos nos esperariam na saída D com o helicóptero. Tenho uns capangas infiltrado lá na cadeia há dois dias e eles posicionaram os explosivos. Já localizaram a cela da menina  e estão observando ela, assim que as bombas explodirem eu entro no corredor de emergência e Dylan já vai estar lá me esperando com a garota. Sairemos pelo saída D onde estará o helicóptero. Pousaremos a poucos quilômetros dali numa via clandestina e Chris estará nos esperando com o carro. Confesso que estou com receio de entrar lá, estou com medo de todas as lembranças daquele lugar voltarem, mas espero que a bomba acabe com aquele lugar, que só fique ruínas, e no instante que isso acontecer ela estará morta para mim, definitivamente. 


 ••• 
   
        P.O.V. Venus Miller 
        

     Abro meus olhos assustada e meu rosto está pingando de suor, eu tive um sonho horrível. Fecho os olhos com força querendo expulsar o que eu acabara de sonhar e voltar para a realidade. Tenho a sensação estranha de estar sendo vigiada, sinto olhares sobre mim e isso me deixa desconfortável, como se estivesse um olhar invasivo ali, eu posso ser muitas coisas, mas louca eu não sou.

 
    Faz uma semana desde de o dia em que chorei feito uma criança e tentei ver os pontos positivos em mim. Nada mais me abalava, eu queria morrer para acabar logo com essa merda e esse inferno no qual estou vivendo. 

             Sonho On

  Seus dedos acariciavam minha pele e eu me sentia tão bem, aconchegada. Seu sorriso branco como a lua e seus olhos brilhavam eu poderia ver eles há milhas de distância. Não conseguia ver seu rosto, uma nuvem preta tampava  sua face, fazendo ele parecer um estranho para mim, mas quando meus longos dedos tocavam sua face eu podia sentir uma sensação extraordinária. 
 
  — Minha pequena estrela d'Alva. Venus, assim como o planeta, o objeto mais brilhante do céu noturno, talvez tenha sido sua luz que tenha iluminado a escuridão que eu  sou, talvez você seja o meu ponto de luz no fim do túnel, minha esperança. Venus, em homenagem a deusa do amor e beleza, eu te a..." — a voz rouca e serena foi interrompida antes que pudesse completar a frase, um barulho estrondoso invadiu o lugar causando ecos. A mancha avermelhada ia surgindo aos poucos na sua camisa branca.      


    As lágrimas escorriam sem parar no meu rosto, eu não sabia a minha relação com aquele garoto mas ele era uma parte de mim, que havia acabado de morrer ali, no meio da frase na qual eu nunca ouvi alguém dizer para mim, ele era o meu primeiro amor e último. E eu não faço a mínima ideia de quem seja ele.

 Sonho Off

   Me encolhi no canto da cela e levantei meu olhar assustado para um dos seguranças e ele parecia estar ali, todo o tempo me observando, seus olhos estavam presos em mim, e eu estava começando a ter medo. Eu ultimamente ando desconfiada de tudo, e depois do meu sonho, só tenho uma pergunta a fazer, O que o futuro reserva para mim ? 

•••

  Já está quase amanhecendo e eu acordo assustada ao perceber uma pequena luz vermelha piscar freneticamente no outro canto do pequeno "quadrado". Me arrasto até lá e consigo enxergar um pequeno dispositivo com alguns números em contagem regressiva. "12, 11, 10..." olho dentre os espaços da grade e o segurança se aproxima e fala baixo, apenas observo seus lábios mexerem. 

 " se afaste, vai explodir." 

 Vou para longe da luz que pisca mais rápido que antes, me encolho e enfio minha cabeça entre os joelhos.Não demora muito e sinto meu corpo colidir com pedras e sinto muita dor, o estrondoso alarme de emergência soa, estou soterrada nos pesados blocos de pedras. Me esforço para sair de baixo dos pesos e sinto alguém retirar aquilo de cima de mim e consigo recuperar o fôlego que me faltava. Meu braço é puxado e minha costas é arremessado em algo duro, o guarda que agora me olha assustado me entrega uma máscara e eu deduzo que seja para não inalar o ar que cheira a produtos químicos e á queimado. Coloco rápido e puxo o ar para os pulmões. Sou puxada novamente e dessa vez fico de pé, meus ossos parecem estar massacrados, o rapaz me empurra em meio a multidão de prisioneiros e seguranças caídos nos escombros. Eu só consigo correr, meus olhos se molham conforme as lágrimas rolam, o que está acontecendo? Por que estou com esse homem?  

"Fechem todas as entradas. Fomos atacados." 

 Uma voz soa nos altos falantes que restaram. Que fomos atacados claramente eu consigo ver, mas quem fez isso ? 

  Entro em um corredor apertado e escuro, parece não ter saída, mas logo já estou em uma sala com um enorme portão prestes a fechar e sou arremessar bruscamente para fora dali, meu corpo se choca com o chão e quando me dou conta eu estou na parte externa, e os porões se fecham posteriormente. Meu peito sobe e desce e nem percebo a presença de mais um menino, seu rosto está coberto ir um tecido escuro e só consigo ver seus olhos amendoados e com um brilho extraordinário, parece que já vi os vi antes.

 — Corram — ele ordena e corre na frente enquanto atira junto com o guarda em policiais, não consigo processar mais nada, eu nem mesmo sei o que estou fazendo aqui correndo com esses homens.

  Tudo iria bem se eu permanecesse correndo, mas uma voz familiar gritou pelo meu nome, senti meu coração disparar e meus passos pararem, meus olhos percorrem todo o lugar em volta e debaixo de algumas pedras consigo ver o braço tatuado de Tristan, giro meu corpo e mudo o destino da minha corrida, ouço meu ser altamente pronunciado, mas dessa vez não é Tristan.

 — Pegue a garota. — olho por cima do ombro e o garoto encapuzado agora está atrás de mim enquanto eu corro desesperada para salvar meu amigo. Tiro algumas pedras de cima de seu corpo e ele respira aliviado, mas sinto meu braço ser puxado e antes que eu posso tirá-lo dali, sinto algo penetrar meu pescoço e logo em seguida doer, meu corpo amolece e o homem me segura antess que eu possa ir ao chão.

— Não, Venus, Venus...— escuto a voz do meu amigo ecoar estridente, mas vai perdendo a intensidade conforme o líquido se espalha dentro de mim.

 — Eu sinto muito.— são as únicas palavras que consigo pronunciar antes da minha visão ficar turva e o peso das pálpebras caírem sobre meus olhos. 
 


Notas Finais


Pode estar meio confuso esses flashbacks, mas logo farão sentido, Comentem o que acharam, bjins.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...