História Criminal Minds - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Drama, Drogas, Romance, Sexo, Violencia
Exibições 65
Palavras 1.424
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


•Postarei capitulo novo no domingo (27/11)
•Relevem os erros de ortografia, escrevi pelo celular.
•Boa leitura

Capítulo 3 - She's mine


Fanfic / Fanfiction Criminal Minds - Capítulo 3 - She's mine

 P.O.V. Justin Bieber

   Ergui as bochechas e abri um sorriso de orelha à orelha. Dylan já estava com a vadia que corria logo atrás dele com a máscara de oxigênio presa em seu rosto pálido e um pouco sujo. Seus cabelos são da cor do sol e seus olhos parecem o oceano, ela tropeça em seus próprios pés mas continua a correr sem fraquejar, boa menina.O garoto corre na minha frente para dar comando ao helicóptero, ele conhece esse lugar como a palma de sua mão, ele já ficou preso aqui uma vez. Meu corpo para e eu fico intacto assim que ouço o nome da vadiazinha ser berrado. Olho para trás e ela já não está mais ali, ela agora segue outra rota, caminha para as ruínas que sobraram do lugar, merda. 

 — Pegue a garota.— a voz de Dylan sai falha mas eu consigo entender. 

 — Hora do plano B.— sussurro e posteriormente tiro do bolso da farda uma seringa com o líquido amarelado.Sigo os passos da garota  e puxo seu  braço sem dó, impedindo que ela tire a última pedra para salvar o garoto soterrado. Injeto bruscamente em seu pescoço o objeto e empurro a parte traseira liberando o líquido dentro do seu corpo que cai em meus braços e consigo escutar nitidamente os gritos do menino. Tiro a arma da cintura e aponto para o seu braço. 

 — Foi mal, mas tenho os ouvidos sensíveis.— arqueio uma das minhas sobrancelhas e aperto o gatilho acertando o lugar que eu queria nele. Corro com dificuldades  por estar com um corpo nos braços, sinto minha mão suar dentro da luva, sinto ela escorregadia. 

 Ryan me ajuda com a garota e colocamos ela no helicóptero, que sai do chão assim que adentro-o. Respiro aliviado por termos conseguido, meu corpo relaxa no banco enquanto observo o caos que deixamos lá em baixo, e instantaneamente abro meu melhor sorriso, acabou.

 ••• 
 
   Não demora muito para Chris avisar que pousaremos em uma pista clandestina. Sinto a "máquina" descer aos poucos e Dylan já se prepara para correr com a loira que ainda continua adormecida. Sinto a parte interior do helicóptero entrar em atrito com o chão. Abrimos rapidamente as portas e meus olhos quase saem para fora assim que vejo dois carros de policia nos cercando.

  Deu merda. 

 Os meninos se entreolham em pânico, não temos um pano C. A porta de uma das viaturas se abrem e uma voz conhecida ecoa em uma gargalhada alta. Assim que vejo o homem meu peito desce, liberando o ar preso nos pulmões. 

 — Devia ver sua cara Bieber, estava hilário.— Miller fala e vem até nós a procura de sua filha.

 — Filho da puta. — falo em um tom divertido mas por dentro eu queria metralhar ele. — Como descolou essas viaturas ? — pergunto ainda com a respiração acelerada. 

 — Uns esquemas, nada que lhe interesse. — fala pegando o corpo da menina e nos olha confuso ao ver que ela não está em sã consciência.

 — O que fizeram com ela ?— sua voz passa de divertida a ameaçadora. 

 — A Vadiaz.... ela tentou fugir e não tivemos outra escolha, relaxa ela acordará em algumas horas. — falo sem dar muita atenção.  

 ••• 

  Rick se despediu da garota que ainda não havia acordado, e eu tive que prometer a ele mais uma vez que 'cuidaria' dela. Os meninos estavam no escritório enquanto eu falava para Elisabeth o que ela deveria fazer com Venus. Pedi para que ela a vigiasse e me avisasse quando ela acordasse. 


             P.O.V. Venus Miller

  Meus olhos começam a arder e minha cabeça a formigar. Sinto minha garganta seca e tudo o que consigo ver ao abrir os olhos é uma luz fraca vindo de um abajur. Não consigo lembrar de nada que aconteceu, me viro e meu corpo automaticamente dá um pulo. Meu peito sobe e desce e eu arregalo os olhos para aquela mulher um pouco velha que me encara.

 — Não precisa se assustar minha querida.— ela fala simpática e se levanta acendendo a luz. Olho ao redor e é um quarto simples, porém muito melhor que as celas.

 Começo a me recordar, eu corria atrás de um homem, o seguindo até a voz estridente de Tristan surgir em meio a minha fuga. Ele estava debaixo dos blocos de concreto, eu estava quase o salvando até sentir meu pescoço doer e tudo apagar. Onde estou ? Quem é essa mulher? O que estou fazendo aqui ? 

 — O senhor Bieber está a sua espera no escritório dele.— ela falou e veio até mim.— Vista isso, eu te espero do lado de fora para lhe levar até ele.— ela me entrega roupas dobradas e sai em seguida.  

  Me levanto rápido e arrasto para o lado a cortina, tem uma porta de vidro que permite acesso à varanda, tento abri-la mas falho, merda. Analiso as peças sobre a cama e resolvo vesti-las, eu ainda estava com a roupa da prisão, alaranjada. 

  As roupas ficaram um pouco apertadas mas nada que vá rasgar quando eu respirar. Era uma calça preta de couro, uma regata branca e chinelos preto. Vou até um espelho e meu reflexo está péssimo, meu cabelo bagunçado e minha pele arroxeada e com olheiras. Me
dirijo até um banheiro que tem ali e ligo a torneira enchendo minhas mãos com água e lavando o rosto. 

 Respiro fundo e rolo a maçaneta dando de cara com a tal moça de minutos antes. Ela sorri e faz um maneio para que eu a seguisse pelo extenso corredor. Descemos as escadas, e fico deslumbrada com tanta luxuria, aquele lugar era lindo mas não fazia o menor sentido, nada tem sentindo para mim faz quatro anos. 

 — Ele está a sua espera, bata quando estiver pronta para enfrentar a fera.— ela fala e sai do meu campo de visão. Talvez eu nunca esteja preparada. Fecho os olhos , encho meus pulmões de ar e bato na porta 3 vezes.  E sem demora ela é aberta, e eu não me arrependo de ter feito isso assim que vejo um homem com as íris carameladas, boca no formato de coração e cabelo em um perfeito topete. Ele abre um sorriso assim que me vê.

 — Bem vinda, vadia.— ele dá espaço para que eu passe e adentre o local, e assim faço. Percorro meu olhar por todo lugar e pairo ele quando minhas pupilas vai de encontro com as do garoto que me encara. 

 — Sabe porque está aqui ?—ele quebra o silêncio e eu nego com a cabeça, ele se aproxima do meu rosto e passa seu indicador por minhas bochechas . — Você é tão ingênua pequena Venus, nem me parece que eu te tirei daquele lugar onde só ficam assassinos.— ele sussurra no meu ouvido e meus pêlos se arrepiam, sua voz rouca e sedutora dá calafrios.

 — O-o que estou fazendo aqui? .— pergunto seca sem desviar o foco.

  — Sim claro que foi ele, seu querido pai, o causador disso tudo.— ele estica os braços nas laterais do corpo. — É por ele que você está aqui, ele te entregou a mim.— ele fala com os olhos sobre meu corpo.  

  — E porque acha que irei acreditar em você ?— falo em um tom de deboche. 

 — Sabe quem eu sou ? — ele me pergunta e eu apenas fico em silêncio, espero que ela entenda que não faço a mínima ideia de quem ele seja. — Sou o maior traficante de Atlanta, e seu pai fazia parte disso. — ele vai até a enorme mesa e abre uma gaveta para pegar alguns papéis e vem até mim. —  Aqui está.— ele me entrega as folhas e eu encaro elas já em minhas mãos, me sento em uma cadeira e começo a deslizar meu olhar nas escrituras.


  Eu ainda estava perplexa e incrédula com tudo que estava escrito ali. Meu coração estava fora do compasso e minhas mãos suavam, então era verdade, meu pai havia me entregado a Justin Bieber, o maior traficante de Atlanta, e em troca disso, a minha liberdade. O garoto iria ficar com todo o dinheiro que era destinado a mim, e isso aconteceria daqui 7 meses, assim que eu completar 19 anos, eu não seria mais obrigada a morar aqui, com esse monstro.

 Deixo os papéis sobre a mesa e levanot-me indo embora, mas meu braço é puxado e mais uma vez meus olhos vão de encontro com os dele. 

 — Agora você só tem a mim. — ele fala lentamente. — Você é minha, só minha Venus Miller. — ele literalmente soletra cada palavra. Eu estava submissa a ele, agora sim eu estava no inferno.


Notas Finais


Capitulo curto porque o próximo será bem longo, não esqueçam de comentar, bjins.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...