História Crossed Destinies - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cristiano Ronaldo, Irina Shayk, Karim Benzema, Nina Dobrev
Personagens Cristiano Ronaldo
Tags Balé, Comedia, Cr7, Cristiano Ronaldo, Futebol!, Incesto, Nina Dobrek, Real Madrid, Revelaçoes, Romance, Sexo, Tiro
Visualizações 167
Palavras 3.395
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Esporte, Famí­lia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa tarde!!!😁

Capítulo 25 - Eu te amo


Fanfic / Fanfiction Crossed Destinies - Capítulo 25 - Eu te amo

Pov. Irina Shayk

E como planejando o Cristiano Ronaldo me fita com certa incredulidade, seus olhos me encara intensamente sem desviar o seu olhar do meu por nenhum instante. Que saudade sentir desse homem, o tempo só o faz ficar mais gostoso, ele estar em estado de choque porque até agora não disse nada, a sua mente deve estar muito confusa e como já era de se esperar os seus lábios apenas disse Irina. E como sou uma excelente atriz finjo que não me recordo de nada, nem mesmo do meu próprio nome. Pobre de mim, abandonada a própria sorte.

_ Desculpa! O senhor deve estar me confundindo com outra pessoa. _ falo inocente. _ Meu nome é Kelly.

_ Não, seu nome é Irina. _ responde rude. _ Onde você esteve durante esse tempo todo? Eu mandei te procurar e você nunca apareceu.

_ Não te compreendo, não sei do que o senhor está falando. Apenas quero uma foto com o melhor jogador do mundo. _ respondo calma, com um sorriso meigo no rosto, como se fosse uma fanática por futebol. 

_ Qual é a tua? Está querendo me fazer de Idiota? _ pergunta irritado segurando o meu braço com força e me levando para dentro da sua sala.

_ Senhor! Ela está doente não a machuque. _ a velhinha que se passa de minha mãe encara o Cristiano com certo desespero.  _ A Kelly foi encontrada na rua, não se lembra de muitas coisas. Ela sofre de amnésia e agora eu e o meu esposo estamos cuidando dela.

_ Essa mulher se chama Irina e é a minha.... _ Cris suspira frustado e me solta, aliso o meu braço por causa do seu aperto forte. _ Dá licença preciso conversar com ela. _ diz mau humorado fechado a porta na cara dos meus  pais falsos.

_ Sua o quê? _ indago calma me sentando no sofá de couro. _ Você me conhecê? Sabe quem eu sou? Eu quero muito descobri sobre a minha vida, a minha história. Quem são os meus amigos e o que faço. _ começo a chorar na sua frente.

_ Você está querendo me enlouquecer? Só pode! Não é possível que esteja viva, depois de tanto tempo. _ diz com um olhar sofrido.

_ Milagres acontecem e se hoje estou aqui foi graças a esse casal de idosos que me resgataram no mar e cuidaram dos meus ferimentos. _ digo chorando muito, para parecer real. _ Fiquei em coma e perdir a memória, eu não me recordo de absolutamente nada.

_ SABE QUANTAS VEZES EU ESPEREI VOCÊ VOLTAR? _ diz desequilibrado me fitando com ódio. _ QUANTAS NOITES PERDI POR SUA CAUSA, CHORANDO POR NÃO TÊ-LA AO MEU LADO?

_ Eu sinto muito. _ digo fingindo sofrimento, me levanto do sofá e toco o seu rosto. _ Desculpa pela a dor que lhe causei, não consigo recordar o seu rosto.

_ Como assim você não se lembra de nada? _ indaga incrédulo. _ Você me roubou e fugiu com o seu amante.

_ Eu fiz isso contigo? Tem certeza? _ digo indignada. _ Eu nunca faria nada contra você.

_ Não? Então cadê os meus dólares? _ pergunta sarcástico.

_ Eu não sou uma ladra. _ choro agoniada. _ Jamais roubaria o meu irmão.

_ Não somos irmãos. _ ele responde sério e se afasta do meu toque. _ Seus pais são da Rússia, nós éramos namorados. 

_ Eu sou a sua namorada? _ dou um sorriso imenso e entrelaço os meus braços no seu pescoço, ele não me abraça apenas me encara confuso. Está escolhendo se vai me beijar ou me matar por ter desaparecido sem pistas. _ Namoro o melhor do mundo. _ Aproximo os meus lábios dos seus, tocando de leve e quando penso que ele me beijará, Cristiano se afasta abruptamente do meu corpo.

_ Eu....preciso ficar....sozinho. _ responde perturbado passando as mãos pelo cabelo. _ É muita informação num só dia.

Ele saí da sala e segue em direção ao campo do Real Madrid.

_ Vou atrás dele. _ digo determinada, mas o meu pai falso me impede segurando o meu braço.

_ Deixe o cara pensar, refletir sobre a sua volta. _ diz sério.

_ Pensei que ele fosse ficar feliz com o meu retorno e me beijaria naquela sala e depois me fazer sua naquele sofá como nos velhos tempos. _ digo frustada.

_ Se acalme! Ele está confuso, não é fácil rever a sua ex depois de passar os últimos dois anos achando que ela estar morta. _ o Edgar diz calmo.

_ Ele rejeitou o meu beijo. _ digo frustada. _ Aquela tal de Katherine está roubando o meu lugar na vida dele.

_ Você realmente acha que o Cristiano iria te receber de braços abertos sem querer uma explicação concreta? _ Ruth fala séria. _ Espere o cara dirigir essa história de que você está com amnésia. 

_ Vocês acham que o Ronaldo vai me procurar? _ pergunto receosa. _ Ele está bem diferente, mais sagaz e desconfiado.

_ Vamos embora, amanhã decidimos onde encontrá-lo. _ Edgar fala calmo.

Pov. Cristiano Ronaldo

Dois anos vivendo na solidão, tentando colar cada pedaço do meu coração quebrado. Ainda me recordo de como recebir a notícia da morte da Irina. O céu estava nublado e um vento forte fazia as árvores do meu jardim balançar, Marcelo entrou no meu quarto com um olhar triste e ao mesmo tempo indignado e meio receoso de me contar o motivo da sua vinda de madrugada a minha casa. De maneira nada sutil, ele foi direto no assunto sem nenhum rodeio.

_ Irina fugiu com os seus dólares e está desaparecida em alto mar, o jatinho explodiu. _ falou irritado. _ Bem feito! A galinha morreu queimada.

Sim, sentir muita raiva da acusação que ele fez, da maneira como o meu amigo relatou essa notícia bombástica deixando o meu coração partido em mil pedaços. Eu não tinha mais vontade de viver, de comer, de lutar pela minha sobrevivência, só queria ficar preso no meu quarto escuro, vivendo a minha dor e curtindo o meu luto. A morte da Irina tinha me deixado frio, fechado para a vida, eu não queria recomeçar um novo capítulo na minha história, só desejei morrer com ela. E se hoje de pé estou é porque o meu filho precisava de mim, eu não podia continuar sendo fraco ou negligenciar a minha carreira e a minha família.

Visto o meu uniforme do Real Madrid e volto ao campo, eu não consigo desabafar com ninguém, preciso me distrair e descontar a minha raiva jogando sozinho. Já não havia mais ninguém no estádio, deixo o meu celular no banco de reserva, pego a minha fiel companheira de toda a vida: a bola e chuto em direção ao gol.

A minha mente grita várias vezes:

Irina está viva. Irina voltou....

  Eu não sei o que fazer em relação a essa notícia, estou perdido sem direção. Por que ela tinha que aparecer logo agora que estou com a Katherine? Seria tão fácil se o meu coração não sentisse nada por ela, mas ainda restou um sentimento pela Irina. Chuto a bola novamente e ela bate no travessão, amanhã será um novo dia e sinceramente não sei como vou reagir diante dessa situação toda. Meus sentimentos estão confusos e divididos, eu vivi uma história intensa com a Irina que não pode ser apagada assim de uma hora para a outra, mas no meu presente eu estou me relacionando com a Katherine e estou perdidamente apaixonado por aquela patricinha petulante. As primeiras lágrimas começam a cair em meu rosto, não sei a quanto tempo estou treinando, só sei que o céu está escuro, as luzes do Santiago Bernabéu se apagaram e estou novamente preso na minha solidão. As primeiras gotas de chuva cai sobre o meu corpo, uma tempestade está por vim e agora sinto falta da calmaria que tenho nos braços da Katherine.

_ CRISTIANO......

Pov. Katherine Collins

Estou esperando o Cristiano voltar do vestiário a mais de meia hora, quase todos os jogadores já foram embora e os visitantes, torcedores também. Creio que só falta o Cris e os funcionários sair do estádio, ligo para o seu celular mas ele não me atende. Será que a Cassandra louca está tentando pegá-lo novamente? Impaciente do jeito que sou, decido ir atrás dele, esbarro com o gandula no corredor e pergunto:

_ Tu viu o Cristiano?

_ Não, a última vez que o vi foi antes do jogo quando ele me deu a chave da minha moto nova. _ diz animado.

_ Ele te deu uma moto? Por quê? _ indago incrédula.

_ Eu faço algumas coisas para ele. _ dá de ombros. _ Então, ele disse que algum dia daria um presente para mim e sinceramente amei a minha moto.

_ Que coisas você faz para o Cristiano? Marcos! _ questiono intrigada. _ Ele está saindo com alguma vagabunda escondido e você está acobertando?

O garoto engole a própria saliva, como se estivesse me escondendo alguma coisa.

_ Não! A única mulher que ele quer pegar é você, Katherine. Com todo respeito é claro. _ diz sério. _ Eu só faço, cuidar das chuteiras dele, vigiar o carro e protegê-lo dos ataques doentio da Cassandra. Por isso, ela está sumida.

_ Bom, se você encontrar ele diga que estou procurando-o. _ falo entediada.

_ Darei o seu recado. _ diz tranquilo e vai embora.

Caminho em direção a sala do Cristiano e quando viro o corredor a direita esbarro com uma morena, alta de olhos esverdeados me fitando friamente. Estranho! Tenho a impressão que a vi em algum lugar, ela me fita dos pés a cabeça com um certo desdém, está acompanhada com um casal  de idoso.

_ Desculpa! _ digo por educação.

_ Cuidado! Da próxima vez tu pode cair em cima de uma faça. _ diz sarcástica. Ela me fita com tanta raiva que sinto um calafrio em minha pele.

_ Você é a garota estranha da boate, né? _ digo pensativa lembrando do esbarrão que ela me deu na calçada.

_ Sim, eu te avisei para você não mexer com o que é meu. E pelo visto você não quis seguir os meus conselhos. _ diz furiosa.

_ Não compreendo o seu raciocínio louco. _ respondo debochada. _ Agora saia da minha frente, antes que eu te faça lamber o chão.

Ela gargalha alto e em seguida diz enfurecida:

_ O seu erro foi cruzar no meu caminho e roubar as minhas coisas.

_ Leve essa louca para o hospício. _ digo rindo para os velhinhos. _ Ela acha que roubei algo dela.

_ Você vez a sua escolha e as consequências serão grandes. _ a estranha diz exacerbada antes de sair da minha frente.

_ Eu não roubei nada dela. _ resmungo baixinho e entro no banheiro feminino.

Preciso respirar um pouco, a presença daquela mulher não me fez muito bem, jogo um pouco de água no rosto para acalmar os meus nervos, pois, eu estava preste a arrancar os cabelos daquela vagabunda. Não sei por quanto tempo fiquei no banheiro, mas quando sai do mesmo percebi que a maioria dos portões do estádio já estão fechados e nenhuma luz circulava nos corredores.

_ Droga! Vou ter que passar a noite aqui. _ resmungo irritada, com a lanterna do celular acessa sigo em direção a sala do Cristiano, mas um barulho de bola sendo chutada me chamou atenção.

Caminho em direção ao campo e vejo um homem vestido com o uniforme branco do Real Madrid jogando sozinho, a luz do meu celular não me ajuda muito a reconhecer a pessoa, mas algo me diz que seja o Cristiano Ronaldo ali chutando a bola várias vezes com uma força assustadora, algumas entraram no gol outras batia no travessão. Parecia que ele está descontando toda a sua raiva na bola, e quando pensei que ele continuaria jogando, vejo-o caindo de joelhos no chão. Não sei se era o cansaço atingindo em cheio pelo esforço físico ou se algo estava machucando-o, a chuva fina começa a cair no campo, mas ele não se move continua inerte com um olhar perdido para o céu. Mesmo, sem ter certeza se era o meu Cr7 ali:  gritei alto, a minha voz ecoa no estádio e ele olha em minha direção.


_ CRISTIANO

Deixo a minha bolsa no banco de reserva, corro em sua direção, fico de joelhos e abraço o Cris, ele retribui o abraço me apertando tão forte que quase sinto os meus ossos se quebrando.

 _ O que houve? _ Indago preocupada acariciando o seu rosto, não me importo se a chuva havia aumentado e que agora estamos molhados, eu preciso saber se ele está bem.

_ Eu preciso de você. _ A sua voz saiu embargada, havia lágrimas escorrendo pelo seu rosto, além da chuva. _ Não me faça perguntas difíceis, eu não estou me sentindo bem.

_ Está machucado? _ indago apreensiva.

Cristiano segura a minha mão e leva até o seu coração.

_ Estou literalmente confuso, dividido em duas partes e não sei qual caminho seguir. _ diz sério, um raio ilumina o céu e assim vi nitidamente o seu olhar angustiado, ele está sofrendo.

_ Me deixa te curar. _ digo baixinho e me sento no seu colo, ele coloca as suas mãos na minha cintura, enquanto as minhas estão acariciando o seu rosto. _ Me deixa te amar, Cris! Eu quero arrancar essa dor do seu olhar.

_ Por que você está aqui, Katherine? _ indaga confuso, enquanto retiro a sua camisa molhada.

_ Porque eu quero, e se tu me pedir para ir embora não irei. _ digo firme. _ Primeiro porque você precisa do meu carinho e segundo porque estamos presos aqui.

_ Hoje não é um bom dia para fazermos amor. _ diz sério. _ Você pode ficar doente nessa chuva forte.

_ Quero ficar doente contigo. _ digo calma e calo a sua voz com um beijo quente.

Adentro os meus dedos em seu cabelos aprofundando o nosso beijo, ele corresponde na mesma intensidade e chupa a minha língua provocando um certo calor em meu corpo, pouco me importo se estamos no meio do campo, com a chuva nos molhando, pois sei que o fogo da nossa paixão não se apagará tão fácil assim. Seus lábios dominam os meus com certa destreza, deito sobre o seu corpo e continuo saboreando do seu beijo quente, molhado pelas gotículas d'água. Mordisco o seu lábio inferior e rebolo sobre o seu membro recém ereto, eu sempre quis transar com o Cris de uniforme desde a primeira vez que o vir jogando em campo. Ele aperta a minha bunda, tentando colar ainda mais os nossos corpos.

_ Hoje você é meu e ninguém vai nos separar. _ digo séria fazendo uma trilha de beijos no seu pescoço até o seu peitoral durinho, tão perfeito. Ele nada diz apenas acaricia as minhas costas com muito zelo e suspira fundo quando abaixo o seu short e libero o seu membro. Começo lambendo a sua cabeça, arrancando alguns grunhidos roucos do Cristiano.

_ Garota malvada! Não me chupa desse jeito. _ diz excitado. _ Eu posso me apaixonar.

Continuo chupando o seu pau sem desviar os meus olhos dos seus, alguns raios no céu nos fazia manter o contato visual.

_ Você já é apaixonado por mim. _ digo tranqüila, e volto a aumentar o ritmo, chupando o seu membro ora rápido, ora lento. Ele acaricia o meu cabelo, sinto o gosto do seu sêmen pré ejaculado na minha boca.

_ Para! Vou gozar só na sua bucetinha. _ diz sério.

_ Você que sabe. _ falo calma agora só masturbando o seu membro com a mão fazendo um vai e vem na sua extensão do seu pau.

_ Eu quero te ver gozando, gosto muito de ouvir os seus gemidos sexy em meu ouvido. _ diz malicioso, retirando a minha blusa e o sutiã vermelho. _ Estamos molhados, debaixo da chuva e agora pelados. _ diz safado retirando a minha saia e a minha calcinha, em seguida ele me deita na grama e fica sobre o meu corpo.

Seus lábios se apossam dos meus, chupando a minha língua sofregamente, suas mãos deslizam em meu corpo nu, deixando um rastro de fogo em todos os lugares que ele me toca. Suspiro de olhos fechados sentindo a sua língua lambendo o meu seio antes de chupá-lo demoradamente.

_ Hum.... Muito excitante transar no Bernabéu. _ digo rindo.

Cristiano mordisca o meu outro seio e antes de chupar diz calmamente:

_ Toda vez que eu jogar irei me lembrar desse momento surreal.

_ Me faz sua, Cristiano. Daquele jeito que só você sabe fazer. _ digo excitada, sentindo o seu membro duro tão próximo da minha bucetinha e ele não entrou ainda só para me deixar desesperada.

Ele abandona os meus seios e desce calmamente com a língua para a minha intimidade, me fazendo gemer alto com o contato da sua língua quente e a água fria da chuva em minha pele.

_ Minha.... _ diz possessivo me chupando lentamente, agarro com força o seu cabelo molhado, enquanto a sua boca me leva a loucura.

_ Somente sua. _ Afirmo em um sussurro chegando cada vez mais perto do meu orgasmo. Ele mordisca levemente o meu clitóris me deixando mais molhada e queimando de desejo. Quando sinto a mistura perfeita da sua boca me chupando e os seus dedos habilidosos me penetrando firme e forte alcanço o meu orgasmo imediatamente.

_ Cris.... _ mumurro o seu nome suplicando para ele parar de me chupar, mas ele continuou me dando prazer até meu corpo estremecer com outro orgasmo intenso.

Ele beija a parte interna da minha coxa e sobe os beijos até chegar em meus lábios, seu corpo se encaixa com o meu, estou perdida nos seus beijos quentes e selvagens. Abraço a sua cintura com as minhas coxas aproximando os nossos corpos e fazendo o seu membro me invadir gostosamente, me fazendo arranhar as suas costas largas, enquanto o seu pau me come forte e rápido. Cristiano continua me beijando e o seu membro quente me penetra mais fundo, estávamos tão envolvidos em nosso mundo particular que parecia que nenhum mal nos atingirá nesse momento peculiar. Sua mão direita aperta fortemente a minha coxa, ele me fode mais rápido aumentando as estocadas.

_ Awnn...

_ Você tem razão, eu estou apaixonado por ti. _ ele diz com a respiração ofegante, sem parar de se movimentar no vai e vem gostoso. _ Katherine Collins!

_ Eu te amo, Cristiano Ronaldo! _ falo sincera fitando os seus olhos castanhos nublados pelo prazer. Cris para de se mover, seu rosto não continha nenhum pingo de emoção, está indecifrável.

Merda! Não era hora para falar dos meus sentimentos para ele, fecho os olhos me sentindo uma idiota.

_ Kathe! _ sua voz está serena, porém firme, encaro o seu rosto a milímetros do meu. _ Eu não posso lhe dizer o mesmo, porque ainda estou aprendendo a te amar. Mas, ficou lisonjeado por estar me amando.

_ Não esperava que você me diria o mesmo, só não aguento esconder mais esse sentimento. _ digo séria.

_ Te quero. _ diz mais calmo e volta a me penetrar como antes, chupando o meu pescoço enquanto sinto o quanto me deseja o seu corpo molhado, suado, embriagado de prazer Igualzinho ao meu. _ Estamos fazendo amor na chuva. _ sua voz rouca sussurrada ao pé do meu ouvido me faz gozar imediatamente, Cristiano contina me fodendo por alguns minutos até gozar dentro de mim, dessa vez puder sentir seu jato quente na minha intimidade.

Ps: Droga! Esquecemos a camisinha.

_ Cris! A gente esqueceu de ...

Ele me beija afoito sem me deixar falar nada, correspondo o seu beijo gostoso e suspiro frustada quando ele se afasta de mim.

_ Já ficamos muito tempo na chuva. _ diz preocupado e me ajuda a se levantar da grama. _ Vamos procurar algo quente para nos aquecer.

_ Seu corpo por si só, já me aquece. _ respondo maliciosa resgatando as nossas roupas.

_ Safadinha! _ Cris rir, me pega no colo com facilidade e me leva para o banco de reserva onde resgata o seu celular e a minha sacola.

Estou tão feliz por ter escolhido ele, espero que está paz dure para sempre.


Notas Finais


Capítulos cheios das emoções. 👏👏👏


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...