História Crusade of Life - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~Luuna_

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Karin, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shion, TenTen Mitsashi
Tags Hinaneji, Inosai, Naruhina, Narushion, Sakugaara, Sasukarin, Sasusaku, Tenneji
Exibições 30
Palavras 1.583
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa noite!!

Trouxemos mais um capítulo quentinho e dessa vez narrado pela Hinata! O próximo terá narração das duas.

Boa leitura!

- Cherry

Capítulo 2 - Uma semana infernal


Fanfic / Fanfiction Crusade of Life - Capítulo 2 - Uma semana infernal

Crusade of Life

 

Capítulo 2-

 

Uma semana infernal

 

 

Aaah... Antes de tudo! Deixa eu fazer as apresentações.

    Meu nome é Hinata Hyuuga, e o nome do ser que mora comigo é Sakura Haruno. – Minha melhor amiga – Acordei atrasada mais uma vez, porque todos os universitários gostam de dormir mais – menos a minha melhor amiga, ela é especial.
    A Sakura tem os olhos mais lindos que já vi, um tom de verde esmeralda especial, ela é sensível como ninguém mais poderia ser,  é super protetora – De mais até – e educada como ninguém. É tão meiga que me dá nos nervos. Mas ela é a única que posso aceitar...
 Ela possui uma beleza de dar inveja a muitas garotas, é polida demais com todo mundo e bem... Ela me salvou todos esses anos, assim como tento salva-la de todas as merdas que a vida lhe trás. Quero salvar toda a meiguice que sobrou nela, não quero que isso se perca.

É muito especial você ainda notar pessoas e coisas boas.

   Olhei rapidamente o despertador e me assustei – Já são 6h40 a.m. – Saio correndo da cama, olho para o meu sofá azul – O qual sou completamente apaixonada – e pego a primeira calça preta rasgada que vejo, me enfio dentro da mesma e visto uma camiseta branca com uma jaqueta caramelo, e sai agitada a procura de sapatos... Merda! Está tudo desorganizado outra vez. E não acho um único sapato.

   Calcei um claro que achei da Saky e que havia pego emprestado. Éramos assim, vivíamos nos emprestando tudo.

   Fiz minha higiene bem rápido, penteei meus cabelos preto azulado que tem comprimento até minha cintura. – Dá um trabalho infernal, mas algo lindo assim precisa ser bem cuidado – Pulo a parte da maquiagem – Até porque isso é coisa da Saky – Passo apenas um protetor solar seguido de uma base no rosto – Rapidamente – . Corro para a cozinha para me encontrar com a Saky. E estou faminta logo cedo... Bem...Éer... Não tão cedo...

   Estamos a caminho da T.D, onde passamos mais tempo do que em casa, afinal a vida de universitária é complicada.

   Discutimos para botar música como sempre, até que aceitamos o que a outra diz. É engraçado pois nós nunca brigamos.
   As coisas são relativamente fáceis ao lado da Saky.

  Assim que saímos do carro a primeira pessoa que avisto – E a que menos queria encontrar – com seus longos cabelos pretos, pele alva e lisa que me enlouquecia só de olhar.

– Droga, Saky! Vamos logo antes que ele me veja.


– Quem vai te ver, sua louca? – Nessa instante Sakura olha para o lado e arregala levemente os olhos – Oh! Sinto muito, Hina... – Percebeu tarde demais.

–  Oi Hina – ele diz calmamente fazendo meu coração palpitar. Solto um ‘’ Merda ‘’ inconsequentemente, respiro fundo e me recupero o respondendo:

– Hey, Neji. – Tentei parecer o mais seca possível. Fracassei? Talvez.

– Vai falar apenas isso depois de... Bem... De ontem? – ele me pergunta me fazendo um arrepio subir pela espinha.

– Não temos o que falar, apenas esqueça... Por favor. – Respondo sua pergunta já em meio a tremedeiras.

– Bem... De qualquer forma – Fez um gesto com a mão – Eu também prefiro assim. Nos vemos em sala. – Ele completa se retirando sem nem mesmo olhar para trás.

–  Saky, existe por acaso alguma possibilidade de você deixar eu faltar as cadeiras hoje para não ver ele? – Perguntei como quem não quer nada. Afinal, o não eu já tinha, não é mesmo!?

– Possibilidade zero. – Maldita! – Sei que odeia as cadeiras de psicologia social, mas não vai ferrar tudo por ele. –  Ela diz me fazendo concordar e balançar a cabeça afirmativamente.

– Ok, ok! Vamos lá então. Aquela bruxa velha já deve estar em aula. Beijos, vejo você na saída.

– Se cuida, hein. - ela responde se afastando acenando um ‘’tchau’’.

   As aulas da Sakura são no bloco B do sétimo andar. Muito longe de mim , apesar que sempre damos um jeito de nos encontrarmos durante o período letivo. E por ela cursar medicina vai a muitos laboratórios e acaba ficando distante de mim.
   Minhas aulas são no Bloco E, segundo andar. Eu curso psicologia, e meu primo Neji também. É  a droga do ramo da família Hyuuga.

   A universidade era ampla e o espaço era arborizado, cheio de plantas e flores coloridas e muito lindas. O lugar favorito da Saky, é abaixo de uma cerejeira na área de trás da T.D, sempre levamos uma toalha e nos deitamos curtindo a sombra e rindo de coisas aleatórias nos nossos períodos livres.
   Apesar de ser um ambiente requintado, ele trazia muita cor e paz. A ventilação era ótima – Por conta da quantidade de árvores – o que trazia uma brisa incrível durante o dia.

   Nossa universidade é uma das mais renomadas e grandes do país – Senão a maior –. Nosso sonho sempre foi vir estudar aqui, onde nossos pais, avós, bisavós – E assim por diante – estudaram. Mesmo que eu quisesse escolher outro curso... Bom, já está no meu sangue ser psicóloga e eu amo a profissão, só não quero ser a filhinha do papai que nasceu em berço de ouro, cresceu em berço de ouro, vive em berço de ouro e vai morrer em berço de ouro. Que vai fazer a mesma faculdade, trabalhar no mesmo local e casar com uma pessoa igual aos meus pais, vivendo a vida deles. Isso eu não quero, jamais! Não que eles entendam isso.
   E eu sou filha única... A pessoa mais próxima que tenho de uma irmã é a Saky.  Talvez eles esperem mais de mim por isso. Mas, nessa história entra o Neji, meu primo, o garoto exemplar pode-se dizer assim, aceita tudo dos pais e vai ter a vida que eles querem, além de ser muito inteligente ele ainda é lindo. Um fato que já foi notado e muito bem avaliado por mim a muito tempo. Não que ele note... Ou se nota, ele não quer porque é contra as regras.

   E cá estou eu divagando novamente, e atrasada para a aula. Merda!

   Chegando na maldita sala de aula e atrasada cerca de dez minutos a professora Orlena já está me olhando de cara amarrada – Como se a mulher pude-se ser mais feia que o normal –. Corro para os fundos e me afundo na primeira cadeira em que vejo.

–  Mais uma vez, hein, Hyuuga! Espero ansiosamente pelo dia que você irá chegar antes de mim. – Ela solta seu veneno. Mas bem... Já estou fora de orbita a muito tempo.
 Não é que eu seja desleixada... Bom, eu sou. Mas minhas notas continuam altas. O tanto que tenho de desleixo, me sobra de inteligência.

   Depois de horas de tortura e três trabalhos extras, saio me arrastando da sala. Do lado de fora está Neji, me olhando com seus olhos cinza impenetráveis.

–  Hey.. Está tudo bem, Hina?

– Porque não estaria? Não é a primeira vez que Orlena pega no meu pé. Só.. Por favor Neji, esqueça qualquer coisa que eu tenha lhe dito ontem... E qualquer coisa que tenha acontecido. Como você sempre me diz, somos uma bela família.

– Eu só estava preocupado, não queria lhe perturbar ou algo do tipo.- Me olha tristemente e sai.

   E é claro que eu acabo sendo a bruxa... Arg... Depois de tudo que eu disse ele continua agindo como o primo perfeito e meu protetor. Quando sempre quis algo a mais dele... Qualquer coisa... Menos essa indiferença.
 

   Sai andando cabisbaixa pelos corredores. Milhões de rostos iguais passando, as mesmas pessoas de sempre. Começo a sentir aquela antiga necessidade queimando dentro de mim e pedindo para eu acabar com ela. Mas eu havia prometido a Saky que não faria mais isso, que eu larguei. E já fazem 60 dias que estou bem..
  Começo a implorar baixinho que passe... Que passe e que não comece tudo de novo.

  Corro para o banheiro mais próximo e me olho no espelho. Meu rosto pálido, meus olhos pálidos. Nada em mim tem cor. Abro a torneira e encho a mão de água a jogando no meu rosto esperando que alivie e me tire a vontade imensa que sinto no momento. Começo a me sentir perturbada e a primeira imagem que vem na minha cabeça é a de Sakura.

   Preciso encontrá-la, preciso sair desse banheiro.
   Saio rapidamente tateando o meu celular dentro da bolsa, assim que o pego tento ligar para ela.

 Chama, chama... Vaca! Deve estar em aula. Corro para a saída, corro e continuo a correr. Preciso de qualquer coisa que me leve para casa, qualquer coisa que me tire daqui...
E que por favor amenize essa queimação... Que amenize essa maldita dor que voltou.

   Olhando para os lados vejo que cheguei ao estacionamento, procuro pelo carro dela. Se eu o encontrar, as coisas vão melhorar, certo? – Errado. 

   Vai diminuir... Vai voltar para essa manhã onde tudo estava bem..
Tudo estava bem! Eu tinha o controle de tudo... Não. Eu ainda tenho o controle de mim mesma.

   Assim que encontro sua BMW me sento no capo e fecho meus olhos tentando me acalmar.

Expira... Inspira... Isso, Hinata. Se acalme. Expira... Inspira.

   Assim que meu corpo começa a relaxar sinto os cheiros, cheiro das arvores, sinto suor das pessoas passando por mim e noto a correria de todos. Uns indo a algum lugar e outros voltando. Sempre em movimento... Sempre correndo.

Até que escuto a voz que eu mais queria ouvir. A dela. Da minha melhor amiga.

 – Pronta para ir para casa? – Ela me olhando sorrindo meigamente.

–  Por favor... Me tire daqui. – Digo desesperada enquanto ela me fita confusa.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...