História Crush - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin
Visualizações 25
Palavras 4.126
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Divirtam-se!~😍💕

Capítulo 1 - Capítulo Único



Ser um estrangeiro em um país com uma cultura totalmente distinta a sua não é muito bom. Ainda mais quando você não se mudou para ele por vontade própria.

Estar no meio de pessoas que não falam seu idioma também não é agradável, porque veja bem, é você que é o único diferente e tem que se esforçar para aprender e entender o idioma nativo do lugar.

E acho que uma das coisas que agravava minha situação é ter amigos que estão no mesmo barco que o meu e não poderem me ajudar muito nos meus problemas de ser um estrangeiro.

Mas o pior de tudo, com toda certeza, e que me deixa aflito todos os santos dias na minha escola, e ter uma crush nativa do país em que eu estou vivendo, e que me faz suspirar pelos cantos apenas por lembrar-me de seu sorriso ou o modo como arruma suas lindas madeixas com cachos.

Parece que você pode entender meu grande drama agora, não é mesmo? Então agora eu já posso me apresentar.

Eu sou Park Jimin, um estrangeiro coreano me aventurando e sofrendo em um país tão distante do meu, o Brasil.

Acho que você até mesmo chegou a pensar que eu como personagem principal, era apenas mais uma garota das histórias clichês que ganhava a viagem dos sonhos para o país dos sonhos para encontrar o garoto dos sonhos e viver o romance dos sonhos.


Mero engano.


Quem me dera viver um pouco desta ficção.


Na verdade o que você lerá vai ser um pouco da desgraça alheia que pode se tornar em algo bom, se no fim você permitir-se ser mais corajoso e ver além do que as coisas realmente aparentam ser.

Bem, mas isso é somente para o fim, não é mesmo? Estamos apenas no início de tudo. Então vou contar um pouco mais da minha história...

Por questões de oportunidades de negócios os meus pais precisaram se mudar para o Brasil. Não era como se tivéssemos um padrão de vida bom, os meus pais lutavam para nos manter estável. Veja bem, se fossemos ricos, não precisaríamos sair de nosso conforto e nos aventurar em uma cultura totalmente oposta da nossa.

Cheguei ao Brasil apto a cursar o ensino médio, só havia um problema, um simples grande problema. Eu não sabia nem me apresentar em português, o que dirá estudar e aprender na escola secular. Mas isto é algo que eu me virei com o tempo, você verá.

Eu me mudei para a cidade maravilhosa, aquela a qual representa o país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza. Rio de Janeiro.

Veja só, o musicista está correto. A cidade é realmente linda, da forma como os pacotes e as revistas turísticas a apresentam. Em seus mínimos detalhes há seu encanto.

Não vou dizer que eu não surpreendi-me com ela porque estarei mentindo. Mas esse encanto durou apenas os primeiros meses, enquanto eu ainda era um turista. Porque, a partir do momento que eu me tornei um morador fixo, as situações desagradáveis de qualquer cidade começaram a surgir.

No caso daquela cidade que era o oposto de onde eu fui criado, encontrei um trânsito louco, um calor infernal, sujeira constante e o pior de tudo: insegurança de andar tranquilamente. Sim, com a sorte que tenho, eu tive o presente de ser assaltado. O que me deixou em pânico por um bom tempo, confesso, e com uma enorme vontade de voltar para meu país.

Mas isso não aconteceu, e eu tive que me adaptar como qualquer animal que tem que se adaptar ao ambiente que se encontra.


Não foi e não está sendo fácil, mas eu estou sobrevivendo.


Vejam só, eu estou escrevendo isso aqui não é mesmo? Então isso significa que estou vivo e mais um dia de minha vida dramática foi superado.

Eu já me encaminhava para o terceiro ano ali. No mesmo bairro, que não fazia parte dos principais ou dos bairros turísticos, ele também não fazia parte do subúrbio, na verdade ele era nas redondezas da capital, mas ainda assim fazia parte dela.

Morava na mesma casa, com a mesma vizinhança. Estudava na mesma escola, com os mesmos amigos e colegas de classe, com a mesma direção e professores, e pode acreditar, me encaminhando ao terceiro ano com a mesma, mesmíssima crush. E isso não é nada, porque eu nunca, nunca sequer troquei uma palavra com ela.


Timidez? Medo? Constrangimento? Receio?


Pode ser tudo isso. Afinal, vindo de mim, tudo acontece.


Hoje eu já consigo me comunicar no idioma português, apesar da minha fala está carregada de muito sotaque, e das muitas vezes que eu fico confuso com tantas gírias e expressões que esse povo costuma usar.


Por quê apenas não usar a linguagem formal que os aplicativos de idioma ensinam os estrangeiros? Ajudaria bastante!


Enfim. Meu primeiro ano aqui foi horrível, mas eu consegui superar. Tanto as notas vermelhas que eram frequentes no início, que agora estão na média exata para não reprovar.


Já disse que vou para o terceiro ano não é mesmo?


Então, não é engraçado o fato de está em um país repleto de brasileiros e apenas ter amigos coreanos que moram aqui igualmente a mim?


Sim. Eu não consegui fazer nenhum amigo br ainda. Mas não é por falta de vontade deles, que, aliás, são extremamente sociáveis e aparentam ser bem descontraídos e divertidos.

Mas é porque eu realmente sou muito fechado para eles, não consigo manter um diálogo saudável com um que me leve a ter uma amizade. Acho que até por isso mesmo que eles passaram a me olhar de forma estranha.

Porém não é por culpa deles. Houve a oportunidade de eu me socializar, afinal eu era o aluno novo, onde todos estavam curiosos e ansiosos para me conhecer, mas eu agi como um completo estranho me fechando a tudo e todos.

Só consegui interagir mesmo com os coreanos que eu descobri que já moravam no Brasil e iniciavam o ensino médio junto comigo ou com aqueles que já estudavam ali, mas que estavam em séries mais avançadas.


Não eram muitos amigos.


Eu podia contar nos dedos.


Ao total eram seis.


Seokjin, Yoongi e Namjoon eram meus amigos mais velhos, que terminaram o convênio e se encaminhavam agora para um emprego qualquer ou prestariam exame para entrar em uma faculdade e fazer um curso qualquer de seus interesses.

Os que estavam no mesmo ano que eu era Taehyung que estudava na mesma sala que a minha e Hoseok que tinha o prazer de estudar desde sempre com minha crush.

E o Jungkook, o mais novo da turma, que acabava de sair do primeiro convênio para ir para o segundo. Por ser mais novo ele tinha uma cara de bebê e de inexperiente.

Mas era exatamente o contrário. Já que em questão de socialização o mais novo dava de 10 a 0 em mim.


Sim, eu sou uma lástima.


E por fim. Irei falar do meu maior drama como adolescente: minha crush.


Tenho certeza que já falei milhões de vezes dela aqui e vocês estão morrendo de curiosidade para saber quem é ela.


Bem, se acalmem.


Só acho que há coisas mais importantes nela mesmo que precisam ser citadas antes mesmo que eu revele o nome dela. Como por exemplo:


A primeira vez que eu a vi.


Ela andava descontraidamente com suas amigas pelo corredor enquanto falavam e riam de alguma bobagem adolescente qualquer, mantendo o papo e as novidades em dia.

Quando as amigas dela me viram cochicharam algo para ela, e em seguida sua atenção foi totalmente direcionada a mim que fiquei surpreso por estar a encarando no momento.

Ela sorriu docemente como forma de comprimento e eu como idiota que eu sou apenas me mantive sério e me virei prosseguindo o caminho oposto.

Posso dizer que depois disso eu me odiei muito por ser um completo imbecil, até porque aquilo não aconteceu apenas naquela vez, voltou-se a repetir-se e mais uma vez eu fui um idiota quando desviava o caminho para não passar ao seu lado, ou quando desviava o olhar que me era direcionado por ela.

E adivinha só? Depois de um tempo aquilo passou e eu acho que pela minha maldita vergonha e constrangimento fui patético o suficiente para ela passar a me evitar. E assim eu não conseguia mais a ver com frequência.

Na verdade eu só conseguia encontrar com ela na escola quando eu queria a ver. E estudando na mesma escola que ela, era fácil de encontrá-la.

Na hora do intervalo, havia duas possibilidades: ou ela sair com sua turma de amigos para a lanchonete e os mesmos isolavam duas mesas inteiras só para se alimentarem e jogarem conversa fora (e na lista de amigos dela inclua Jung Hoseok, meu amigo sortudo); ou ela se mantinha na sala ou saía para um canto qualquer com seus fones de ouvido para ficar isolada, como em um momento só seu, onde pensava na vida, no universo, em seus problemas, em tudo. E posso dizer que vê-la pensativa ou apenas sonolenta enquanto escutava sua playlist, era lindo demais aos meus olhos.

Eu nunca havia contado dessa minha paixão a ninguém. Mas fazia questão de outrora perguntar a Hoseok ou a Jungkook, que eram os amigos dela, como ela era ou se comportava. Claro que eu elaborava a questão perguntando de outros amigos até chegar nela, assim para eu não parecer interessado na mesma.

Mas era adorável ouvir como eles diziam que ela era uma garota divertida, doce, mas com uma personalidade única com mente e posicionamento formados diante a sociedade. Não era alguém leiga ou inocente. Mas que tinha suas virtudes e as mantinhas de modo respeitoso. E apesar de não ser cobiçada apenas por mim, mas me alegrava o fato deles nunca saberem o fato de ela ter ou estar se relacionando com alguém, isso porque ela é uma garota muito reservada.

Apesar de bonitos, vou confessar, mas eu não levava Hoseok o Kookie como uma concorrência para mim em relação a minha crush. Isso porque Jung tinha namorada e Jungkook fazia a linha do pegador das novinhas que estavam dando sopa. Mas eu conhecia meu amigo, ele tinha respeito por aquelas que se mantinham “na delas”, e minha crush era uma dessas. Amém.


E por último vou falar o que mais me agrada nela, claro, além de sua beleza única, é a maneira como ela fala e se expressa.


É extremamente encantador!


Eu tive a oportunidade de uma vez dividir a classe com ela porque o meu professor havia faltado, e assim minha turma se juntou com a dela, que estava em apresentação. E a forma que ela apresentou o assunto e se comunicou. Meu Deus! Aquilo foi mágico!

Vou ser bem sincero: de todos as pessoas que eu já tinha ouvido o português ser falado - e olha que foram milhares porque estou no Brasil, né - o dela foi o que mais me impressionou. Não me pergunte o por que, eu apenas fiquei mais apaixonado.

O que de certa forma me incentivou a aprender mais do idioma e a querer a falar e me expressar da forma a qual ela faz.

Enfim, com ela eu, perdidamente, me apaixonei em cada mínimo detalhe. E me sinto imerso em um mar de sentimentos aos quais eu não sei lidar muito bem quando eu a vejo, apenas me sinto impotente de não conseguir fazer muita coisa.

Ela é realmente uma garota muito incrível, é a forma mais sensata e curta que consigo descrever, porque senão eu escreveria um livro apenas sobre ela com o título de: Biografia não autorizada - Detalhes simples e significativos da crush de Park Jimin.

E acreditem: seria mais de mil páginas!


- Ei cara, acorda aí! - Taehyung apareceu me despertando de meus devaneios, ao seu lado estava Jungkook.


- Você vai querer perder o intervalo mesmo? - Questionou-me o mais novo.


- Mas o sinal já tocou? Eu nem ouvi. - Falei surpreso.


Tudo bem que os dois primeiros horários foram de boas vindas e apresentação, aquela coisa clichê que todas as escolas têm quando se inicia um novo ano letivo. Mas em seguida ter aula de física no primeiro dia de aula, ninguém merece. Por isso não julgue meus devaneios, que são muito comuns em minha vida.


- Levanta aí cara! Vamos lá ao Terceiro-B, o Hoseok e a galera nos convidaram para uma confraternização de boas vindas que a turma deles organizou. - Tae me chamou animado.


- Sério? E você vai também Jeon?


- Claro! Achas que eu iria perder? Vamos logo!


Sem falarmos mais nada, nos encaminhamos para a turma ao lado, onde já havia bastante alunos conversando e brincando, enquanto comiam descontraidamente.

Se eu falar que eu não gelei e não senti aquelas famigeradas borboletas no estômago, eu estarei mentindo. Afinal, aquela sala era da minha crush. E isso significava que eu a veria e ficaria a pouca distância dela.

Tudo bem que eu já tinha visto ela neste dia, quando ela chegou. Mas foi de modo rápido, pois logo o sinal tocou e ela entrou na sala dela.

Encontrá-la novamente naquele ano, significava uma nova oportunidade para conhecê-la de uma vez por todas. E se não desse certo um romance entre nós dois, que era tanto desejado de minha parte, ao menos eu havia tentado.

Por isso, eu deixaria qualquer timidez que me parava e me deixasse vermelho ao ponto da minha boca secar, meus músculos travarem e minha mente ficar em branco quando eu a via.


- Olha, a galera está ali…     Vamos lá! - Falou Jungkook apontando para o canto da sala, onde se encontrava uma roda de adolescentes que conversavam animados.


Hoseok estava lá, e posso dizer que era o mais divertido. Sempre se comunicando com todos e tratando a todos com uma simpatia e educação de dar inveja a qualquer um.

E adivinha só? A garota que eu gostava estava lá. E enquanto eu me aproximava, começava a sentir todas as sensações que uma pessoa apaixonada sente.

Calma. Eu preciso manter a calma e tentar agir normalmente como nunca agi antes!


- E aí galera! - Taehyung chamou a atenção de todos com seu natural escândalo, cumprimentando todo mundo. Jungkook fez o mesmo, já que praticamente, conhecia todos ali também. Eu, entretanto, apenas cumprimentei ao Hoseok e dei um aceno tímido de cabeça as pessoas em geral, o que não foi despercebido pelo meu tão querido amigo sociável e mais velho dali, que fez questão de deixar o meu constrangimento maior.


- Pra quem não sabe gente, esse aqui é Park Jimin. Ele tá fazendo o terceirão como a gente. Mas vai começar a fazer, a partir de hoje, parte da nossa galera também!


E depois desse mico geral não bastou, ele teve que me apresentar individualmente a cada um presente, comigo tocando a mão de cada um e dando um abraço de “mano” tão comum entre os brasileiros.


E por fim, chegou nela.


Eu realmente queria poder escrever em detalhes tudo que eu vi ou senti. Mas naquele momento o meu mundo parou e eu vi tudo em câmera lenta.

Eu escutei a voz de Hoseok e dos outros alunos ao fundo, tão longe que era quase inaudível.


Ela olhou para mim. Diretamente para mim. E sorriu.


Eu posso dizer que naquele momento a minha mente fotografou inúmeras vezes aquela cena só para registrar aquele momento tão especial.


- Jimin, está é Alexia. Alexia, este é Jimin.


Após isso, ainda sorrindo ela me estendeu a mão para um comprimento, e eu como um bobo que sou, ao invés de apenas apertar, primeiramente olhei lentamente para sua mão parada no ar para depois olha-la nos olhos novamente para entender o que significava aquilo.


De modo desajeitado eu apertei sua mão.


Era pequena, fina e macia. Eu atestei isso enquanto a apertava calmamente contra a minha.


Foi mágico.


Como uma corrente elétrica que passará em todo meu corpo me despertando para algo surreal.

Ela tomou a atitude de se aproximar de mim. O que me surpreendeu de tê-la tão próxima, como nunca imaginara.

Ela simplesmente encostou nossas bochechas como um cumprimento amigável, o que era tão comum no Brasil, e depois se afastou totalmente, soltando nossas mãos e voltando à posição inicial.

Para quem estivesse vendo aquela cena, aparentava ser apenas mais uma apresentação comum. Mas não era simplesmente isso.


Eu estava em estado de transe.


Poder sentir seu cheiro me deixou inebriado. É de uma essência jamais sentida por mim. Posso descrever como se fosse um doce leve, sem ser enjoativo. Na verdade posso dizer que o cheiro combinou exatamente com ela, suave, porém marcante. Porque apesar de já esta distante dela, eu ainda podia sentir perfeitamente em minhas narinas.

A conversa ainda continuou entre os outros adolescentes, mas eu permaneci ali, em meu mundo, onde existia apenas eu e o ser mais lindo que meus olhos puderam contemplar. Alexia.

De repente me vi sozinho, Taehyung estava ao meu lado, mas ele estava distraído demais para me dar alguma atenção. E bem, eu fiquei meio sem o que fazer, literalmente boiando no assunto alheio. Até mesmo minha paixão falava alguma coisa interessante com suas amigas ao seu lado.


- Alexia, vai lá à cantina buscar mais refrigerantes.


Sua amiga, que se eu não me engano se chamava Hanni, falou alto o suficiente para que eu pudesse ouvir. Ela aparentou ficar surpresa com a proposta, mas logo aceitou, quando ia saindo outra amiga sua chamada Géssyca falou:


- Jimin, por quê você não vai lá e a ajuda, hum? - Questionou-me sugestiva.


Eu realmente fiquei muito surpreso com a proposta, tanto que nos primeiros minutos eu não soube nem o que falar ou como reagir. Apenas fiquei pensando que eu e minha crush estaríamos andando lado a lado, sozinhos, e isso só podia ser perfeito.


- Você vem? - Alexia me perguntou.


- E-eu vou… - Respondi meio pateta, mesmo assim ela não se importou e foi caminhando à minha frente enquanto eu a seguia.


Parecia surreal ainda.


Minha respiração estava descompassada e por um momento eu me perguntei se estava andando da maneira correta como um humano comum.


Como alguém consegue ser linda até de costas?


Eu fiquei até mesmo encantado com seu jeito de andar. Era minha nova admiração nela.


O caminho até a cantina foi silencioso.


Eu não sei ao certo, mas ela parecia estar acanhada também. Mas óbvio, não tanto quanto eu, porque pra me superar, só eu mesmo!


Tudo estava se encaminhando bem. Graças ao pai, eu ainda não havia tropeçado ou infartado. Então acho que poderia concluir aquela ação da melhor forma possível.

Até que em vez da Alexia continuar o caminho de forma reta que nos levaria a cantina, ela simplesmente virou no corredor lateral que nós levava a área de lazer da escola, com um ambiente mais natural, sem quadros e carteiras.

Eu não entendi muito bem, mas continuei a seguindo até que ela parou, sentou-se em um banco mais no canto e apontou para seu lado para eu sentar igualmente, o que eu fiz de forma estranha e desconfiado.


- É... N-nós não tínhamos que ir à cantina pegar os refrigerantes?


- Na verdade não. - Ela me disse simplório abrindo um sorriso muito doce e divertido. - As meninas falaram aquilo apenas para que eu pudesse falar com você a sós.


- Ah, sério? - Eu a questionei em um sorriso desacredito. Não podia crer que aquilo finalmente estava acontecendo. Eu estava ali, sozinho com minha paixão. - Mas por quê?


- Bem, é que eu nunca tive a oportunidade de falar com você antes e também eu tenho uma pergunta. - Me confessou timidamente.


Ouvindo-a falar tão perto me faz apreciar outra coisa em si. Sua voz. Um timbre tão nítido e harmonioso, que me faz pensar que não poderia ser uma voz comum. Em uma sonoridade constante poderia até mesmo se torna uma melodia aos meus ouvidos.


- P-pode perguntar… - Permiti mais atento para o que viria.


- Você não acha estranho o fato de estudarmos na mesma escola há dois anos, nos vemos praticamente todos os dias e essa é a primeira vez que estamos nos falando? - Questionou-me com seu típico sorriso simpático e lindo no rosto.


Eu queria dizer que era realmente estranho, e confessar que eu sempre tive vontade de conhecê-la, que era meu maior desejo, mas não fazia por medo, receio, timidez, e um tantão de coisas de uma pessoa complicada igual a mim. Mas ao fim dos meus pensamentos eu apenas concluo em falar:


- Sim, isso é realmente estranho. - Me permiti rir.


- Vou confessar que eu sempre tive curiosidade de te conhecer. - Ela disse assim, na lata, na sinceridade, sem aviso prévio.


Eu fiquei surpreso, e nem ao menos tive tempo de esconder minha surpresa. Tanto que fiquei com cara de assustado feito um bocó.


- E-eu também…


- Você o quê?


- Eu sempre tive curiosidade sobre você. - Disse meio perplexo ainda.


- Sério? Que engraçado. - Riu.


Já falei que amo o sorriso dela?


- Sim! - Eu ri também.


Parece que saber aquilo foi algo que permitiu me libertar. Tanto que eu já não me sentia tão estranho assim, e poderia falar normalmente sem parecer um louco que fugiu do hospício mais próximo.


- Eu espero que possamos nos conhecer mais então, crush.


- Espera! Você me chamou de quê?! - Perguntei assustado e atordoado.


Meus ouvidos só poderiam ter me enganado.


Eu ouvi errado, tenho certeza!


Quer dizer que me minha crush me crushava!?


Eu fiquei encarando-a com os olhos piscando esperando uma resposta, como se dependesse do que ela falaria para viver.


- De crush… - Ela se assustou com meu susto também, por isso que ao me responder, fez de forma temerosa.


- E-eu, eu sou seu crush?!


- É. Bem, quero dizer, você não precisa se chatear com isso, e nem se aborrecer comigo, certo?


- Não! - Respondi rápido.


- Não? - Perguntou-me triste.


- Não! - Disse. - Pera. Não é isso. É que eu tô surpreso mais ao mesmo tempo feliz em saber disso. Eu na verdade tenho um crush em ti desde a primeira vez que te vi, e nossa, parece que eu falando tudo isso agora, vou morrer em paz. Mas, na verdade, eu só não falava com você antes por ser muito tímido e ter receio de sei lá o quê, mas agora é como se tudo fosse um sonho e de repente eu fosse…


- Jimin! - Ela me interrompeu, falando um pouco alto para chamar minha atenção.


E ela fez muito certo porque tenho plena certeza que se não fizesse isso eu não pararia de falar hoje.


- Desculpa… - Ri sem graça vendo-a rir também.


- Eu sou sua crush? - Ela me perguntou desacreditada também.


- Sim. - Sorri abertamente ao ponto dos meus olhos virarem dois riscos apenas.


- Por que você nunca me falou comigo antes?


- Por nervosismo, sei lá…


- Poxa crush! Me ajuda a te ajudar… - Falou me de forma brincalhona me fazendo gargalhar. - Você é o Park Jimin, certo?


- Sim. E você é a Alexia Monteiro, certo?


- Sim! Muito prazer.


- Muito prazer!


- Sabe, eu vindo andando na sua frente, eu jurava que iria ter um encontro com o chão. - Me confessou animada.


- Sério? - Ri não me contendo. - Mas por quê?


- Olha, é muito difícil pra mim! Garoto, eu te endeuso desde sempre!


Gargalhei. Além de linda, era divertida.


“Se você soubesse que eu te contemplo todos os dia Alexia...” - pensei.


- Então isso significa que nosso crush pode dar certo? - A questionei.


- Podemos fazer dá certo agora. - Me disse simplista.


- Já é então. - Falei, reunindo todas as forças e coragem que existiam em mim e me aproximei mais dela naquele banco.


Levei uma de minhas mãos ao seu rosto, tocando-a suavemente, que com a ação fechou os olhos para sentir o carinho do meu toque. Tirei um cacho perfeitamente formado da frente de sua face, levando-o para trás. E ela sorriu, abrindo os olhos.

E agora nós nos encaramos de mais perto e à medida que nos aproximávamos um do outro igualmente parecia que os sentimentos correspondidos eram transbordandos no olhar.


Era impossível não sorrir com ação.


Agora fazia todo sentido.


Eu via nos seus olhos que ela queria aquilo tanto quanto eu.


Como eu fui um idiota!


Se eu soubesse a mais tempo, hoje não estaríamos nós conhecendo, e sim apreciando mais um dia de um relacionamento lindo e duradouro juntos.


Ela sempre gostou de mim, da mesma forma que eu gosto dela.


Se eu falar que eu não estava explodindo de felicidade por ter um amor correspondido eu estaria mentindo.


Essa sensação é tão maravilhosa!


Sem prolongar mais qualquer ato. Depois de poder fotografar mentalmente todos os detalhes mínimos em sua face que em conjunto, formavam para mim a perfeição, eu simplesmente juntei nossos lábios.


Selando de uma forma doce, jamais sentida por mim. E os efeitos daquele beijo tão simples foram tão fortes para mim, que eu tenho certeza que ela sentiu o mesmo.


E aquele beijo também significou o início de uma nova história na minha vida e na vida da Alexia.


E se você quer saber, foi apenas um selinho mesmo. Afinal, estávamos na escola, e não se pode fazer mais que isso.


Eu particularmente estava satisfeito.


Ela era minha crush, eu era seu crush. Nós havíamos começado algo especial e isso significava que nós teríamos infinitos momentos juntos para aproveitarmos da forma que quiséssemos.


E pode acreditar, eu iria me esforçar para ser o Par(k) perfeito para ela.



Notas Finais


Eai?
Gostaram?!
Deixem seus comentários!!😄💖

E agora vou passar pra um momento mais íntimo onde eu parabenizo uma amiga, a qual esta oneshot foi dedicada!😍💕

Ps. Fiquem à vontade para ler!

FELIZ ANIVERSÁRIO MINHA PRINCESA!!!🎉🎊🎉🎊👏👏
Você sabe que eu estou muito feliz com este dia e que tive o prazer de preparar este simples presente a você!💕
E antes de te desejar infinitas coisas maravilhosas em sua vida, quero relembra-lá de algumas coisas, okay?
Eu primeiramente fui uma leitora sua, lembra?? Um pouco louca e surtada com o imagine do Jin, mas tudo bem! Ksksksks
Eu precisei da sua ajuda com a conclusão de um sonho meu e você simplesmente aceitou e me ajudou, sempre me auxiliando e me dando incentivo para terminar tudo! E eu consegui néh, graças a você e outras pessoas, mas vc teve muita influência nisso! MUITO OBRIGADA!😍❤
Já faz um ano que nos conhecemos??! Eu acho que sim! Ou está prestes a fazer...
E o que eu acho mais lindo é que se foi construindo uma amizade entre a gente naturalmente, sem ninguém forçar nada, independente de idade ou distâncias que nos separam. Posso te dizer que você é minha primeira amizade virtual de verdade!
E durante esse ano tantas coisas aconteceram néh?
Coisas boas e ruins, e sempre estávamos presentes, mesmo que longe, para ajudar, apoiar, repreender e dar amor uma a outra. Isso não tem preço!
Você é uma garota única! Muito madura, apesar da idade e muito diferente das garotas da sua idade.
Eu sempre fui a irmã caçula da minha família, mas o que nós temos vai além da amizade, porque como sua Unnie, me sinto no dever de cuidar de você, o que te faz ser minha irmã mais nova!💖 E eu amo isso!😍
Espero que com essa oneshot você possa ter se divertido e que tenha lhe proporciona um pouco de ilusão com seu UTT, nosso querido Park Jimin!💖😍
Desejo que você continue sendo essa pessoa maravilhosa, que está sempre disposta a ajudar os outros, e que possa ser uma Alexia realizada, tanto na escola, na vida pessoal e na carreira profissional, e que seus os seus sonhos, um a um possam dar certo, e eu quero ter o prazer de vivenciar um deles com você, onde nós duas juntas possamos ir em um show do BTS e conhecer os meninos pessoalmente, Deus nos ajude, amém! Ksksk
Que acima de tudo você continue tendo fé em Deus, para que sempre Ele possa te dar saúde e condições a sua família! Que Ele derrame chuva de bênçãos sobre sua vida hoje e sempre, e que você possa sentir no seu coração todos os dias o desejo de se tornar uma pessoa melhor e mais feliz do que foi ontem. Não deixando mínimas coisas te aflingirem e desanimarem ao ponto de te fazer querer desistir. Pode contar comigo, okay? Sabe que eu realmente te amo e quero seu bem!❤
E aguarde viu? Seu presente físico, a camiseta do Park Jimin, quando você menos espera chega na sua casa!💖💕😍😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...