História Cupid! - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Cupid, Escolar, Hobi, Hope, Hoseok, Jeon Jungkook, J-hope, Jikook, Jimin, Jin, Jung Hoseok, Jungkook, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Min Yoongi, Namjin, Namjoon, Park Jimin, Personagem Original, Rap Monster, Suga, Tae, Universidade, University, Vhope, Yoongi
Visualizações 117
Palavras 11.689
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi amores, um por semana como combinado!
Espero que gostem!

Capítulo 4 - Ko Ko Bop.


Abri os olhos com o barulho da porta batendo com mais força que o normal, olhei para o lado e percebi que os beliches estavam vazios, o que as meninas faziam fora do dormitório em um sábado de manhã?

- Ya, dorminhoca? - Mary me chamou.

Olhei para trás com os olhos cerrados devido a claridade que entrava no quarto.

- Levanta daí que vamos passar o dia fora do dormitório.

- Por favor, me dê uma boa razão para que eu não te xingue nesse exato momento.

- Sophie topou ir na festa e só aceitou porque eu disse que você iria.

- Ela nasceu colada comigo agora, foi? – Resmunguei afundando meu rosto no travesseiro.

Senti um tapa em minha bunda. – Não seja egoísta.

- Não sou egoísta.

- Levanta! – Mary deu outro tapa.

- Não. – Resmunguei.

- Ninguém mandou passar a noite no celular com o tampinha. – Mais um tapa. – Levanta!

- Eu não vou a festa.

- Ah, você vai. – Mary riu estranhamente e então puxou minha coberta.

- Ei! – Falei sentando na cama sentindo a corrente de ar frio.

- Agora que está olhando para mim, posso falar. – Jogou o edredom em cima da cama. – Nossa amiga está sofrendo por um filho da puta há dias. Ela precisa de diversão e distração.

- Sei que serão excelentes companheiras pra ela. – Forcei um sorriso tornando a me deitar.

- Não sei qual é o lance de vocês duas, mas ela disse que só vai se você for. Então, será que dá pra parar de ser egoísta e levantar daí para irmos ao shopping?

Ri sarcástica. – Shopping. Agora que me enterro nessa cama e…

- Falei que ia ser impossível tirar ela do dormitório para ir ao shopping.

Olhei na direção de Sophie balançando a cabeça positivamente.

- Aceitei ir à festa apenas para ver a reação de vocês.

- O quê? – Naomi questionou entrando no quarto após Sophie e fechou a porta.

- Holly não falou nada da festa a semana inteira, era um pouco óbvio que vocês estavam mentindo para me convencer a ir. – Ela sorriu de lado e então se jogou na cama debaixo.

- Viu? Problema resolvido. – Resmunguei me virando para a parede e me cobrindo mais uma vez. – Ela não vai.

- Mas eu não disse isso.

Abri os olhos ao escutar a voz de Sophie. Mas não ousei me mover.

- Então você vai, independentemente de Holly ir? – Mary questionou.

- É claro. Não nascemos grudadas, nascemos?

Soltei uma risada anasalada me ajeitando em minha cama. Mary assentiu dizendo que era para ela animar que iriam ao shopping, mas nem mesmo em sua voz isso parecia divertido, ela dizia querer comprar algumas coisas já que, segundo ela, coisas básicas como calcinhas e maquiagem estavam em falta em sua mala. Depois de muito insistir, Naomi foi a única quem concordou em ir com ela, provavelmente pensando em comprar alguma outra coisa de estudos e fazer com que ela e Mary se percam pela cidade novamente. Havia perdido totalmente meu sono com a falação das meninas, mas era algo que eu já me acostumava, afinal, nem sempre conseguimos ser silenciosas o suficiente para não acordarmos umas às outras. Desci da cama indo em direção ao banheiro.

- Você realmente não vai?

Coloquei o rosto para fora do banheiro enquanto escovava os dentes. – Não.

- Pra ser sincera eu gostaria que fosse.

- Eu até iria se não tivesse surtada sem ideias para o projeto da Semana de Línguas.

- Vai passar a noite pesquisando?

- Sim. – Respondi simplista.

- Bom, isso é bom. – Ela suspirou.

O quarto permaneceu um tempo em silêncio e então sai do banheiro sentando na cama de Naomi que era de frente para a de Sophie. Ela mexia em algo no celular e então me encarou esperando que eu falasse.

- Como você está?

Essa era uma pergunta um tanto quanto idiota, mas eu me certificava de fazê-la para que Sophie se sentisse à vontade para desabafar. Mas, até então, ela não o havia feito, porém, ao menos, não tornou a colocar fogo em mais coisas de Justin como meio de desabafo. Naquela terça feira, Sophie foi direto para a Coordenação do curso e, obviamente, foi repreendida pelo coordenador quem lhe deu uma advertência vermelha, que era um dos métodos de expulsão daquela faculdade: três advertências amarelas se tornam uma vermelha, e três vermelhas se tornam em expulsão, o que resulta na volta do intercambista para a casa. O tratamento com os alunos nativos era diferente, os mesmos só eram expulsos em casos realmente graves e, jamais, usariam tal expressão com eles. Com os nativos a expressão era: convidado a se retirar.

Sophie ganhou direto a advertência vermelha, o que demonstrou que, definitivamente, ela estava com problemas ali dentro. Segundo ela, o coordenador disse que ela podia colocar a vida de diversos alunos em risco, que foi irresponsabilidade de sua parte, dentre outras coisas, fomos obrigadas a esperarmos do lado de fora para que um segurança do campus fizesse uma revista breve em nosso quarto a procura de cigarros ou qualquer outro tipo de droga, mas tudo o que ele achou foram nossos sorvetes que eram ainda mais viciantes que qualquer substância ilícita. Mesmo com Sophie dizendo que não fumava e muito menos o resto de nós três, fomos obrigadas a observarmos um idiota passar os olhos em nosso quarto o que, ali, era completamente normal e cabível.

- Ainda mal, e você? – Sophie respondeu após um suspiro.

- Normal. – Dei de ombros. – Espero que se divirta na festa.

- Eu também.

- Por que resolveu, hoje, ir? – Questionei curiosa.

Ela deu de ombros se sentando na própria cama. – Eu tive uma semana de merda. Talvez uma festa e algumas bebidas me ajudem.

- Aish, Sophie. – Cocei a testa. – Não faça nenhuma besteira.

Ela riu anasalado. – Por isso queria que fosse.

A fitei confusa e ela logo explicou:

- Porque sei que não me deixaria fazer merda.

- Então você precisa de mim para não fazer besteira? – A  encarei. – Bem madura.

Ela então apontou em minha direção. – Por isso.

- Isso o quê?

- Essa grosseria.

- Estou sendo legal. E não se preocupa, as meninas vão cuidar de você.

Ela riu. – Eu sei que vão, mas não importa o que falem, eu não vou dar ouvidos.

- Quantos anos você tem? Quatorze? Pensei que tivesse oitenta e oito, mas parece uma adolescente revoltada porque os pais não pagaram a viagem para a Disneylândia. – Cruzei os braços esboçando um pequeno sorriso.

- Quando você fala é como se alguém estivesse me esfaqueando porque você é utilmente grossa quando quer. – Ela deixou o celular de lado indo até o armário que nós quatro dividíamos.

- Utilmente grossa. – Refleti. – Isso é uma qualidade a ser adicionada no currículo, não acha?

Sophie me ignorou. – Então, se você fosse na festa, provavelmente me advertiria sobre fazer merda, eu não daria ouvidos e você insistiria sendo grossa, o que me magoaria e faria com que eu tomasse ainda mais coragem de fazer besteira…

- Não estou entendendo como…

Ela me interrompeu me ignorando mais uma vez. – E então você me pararia. Fosse com ainda mais grosseria ou com um tapa, por exemplo.

- Eu não te bateria.

- Nem mesmo se eu estivesse prestes a ligar para Justin dizendo que o perdoo e o quero de volta?

- Você não faria isso. – Cruzei os braços.

- Não duvide.

- Você pensou isso em algum momento?

- Não. Mas, quem sabe o que sou capaz bêbada? – Ela disse abrindo a porta do guarda roupa.

- Pra que beber então?

- Por que não? – Sophie me fitou arqueando uma sobrancelha.

- Jesus, você realmente parece uma adolescente revoltada. – Bufei deitando na cama de Naomi enquanto a fitava.

- Também não acho que faria isso. – Ela sorriu de lado enquanto pegava alguns cabides, novamente, foi um sorriso triste, algo que se tornou comum de ver em seus lábios essa semana.

- Claro que não, você não é retardada. – Sibilei encarando o estrado da cama de cima.

- Mas, por favor, não me deixa sozinha na festa.

Suspirei, eu realmente não queria ir aquela festa. Geralmente, eu até gosto de ir em festas e esses eventos, mesmo que não conheça quase ninguém, acho legal para fazer amizades e vínculos, mas eu realmente queria me dedicar ao projeto que estava fazendo em parceria com Namjoon, já que, ainda não tínhamos encontrado nada e fazia quase uma semana.

Sophie me pediu opinião com qual roupa deveria ir e acabou optando por uma calça jeans e uma blusa qualquer seguido de um casaco, e logo deitou-se ao meu lado voltando a mexer no celular. Naomi e Mary não demoraram a retornar do shopping, ou onde quer que tenham ido, ambas voltaram com algumas sacolas e logo se jogaram em suas camas nos mostrando as coisas novas que haviam comprado, como botas, vestidos, casacos e materiais para estudo, é claro.

Passei, praticamente, a tarde inteira estudando projetos, pesquisando artigos, dentre outras coisas de autores significativos de modo que pudesse ter uma pequena base para mostrar a Namjoon e ver se ele concordava com algo. Fiz algumas anotações sobre assuntos diversos relacionado a línguas, e apenas esperava que desse tudo certo. Ninguém mais falou sobre a festa, as meninas tiraram um cochilo pela tarde enquanto eu, não conseguindo dormir, permaneci minha pesquisa e Naomi resolveu copiar os slides da aula de modo que isso a auxiliasse nos estudos quando necessário.

Enquanto as três se arrumavam para a festa, eu apenas as observava me perguntarem se eu iria ou não, encarei meu celular próximo ao notebook e lembrei que Jihoon também havia perguntado se eu iria, e apenas neguei, dizendo que tinha trabalho a fazer, e realmente era verdade. Foi então que Sophie sentou-se na cama, suspirando, enquanto retirava os sapatos.

- Sophie?

Ela encarou Naomi em silêncio.

- Você não vai?

- Realmente não estou a fim.

- Por quê?

Ela coçou a cabeça se jogando na cama de Naomi e, como uma criança de dois anos, apontou para mim. – Por que ela não vai.

Alternei o olhar para a tela de meu notebook as ignorando.

- Vocês nasceram grudadas? – Escutei a voz de Mary do banheiro.

- Isso é o que estou dizendo. – Resmunguei sussurrando.

- Você disse algo? – Sophie perguntou.

- Não.

- Então, também não vou. – Naomi disse sentando em posição de índio no chão.

Sophie ergueu a mão para ela onde as duas deram um high five em complô.

- Ótimo. – Mary apontou para mim com um pincel de maquiagem e então apagou a luz do banheiro. – Então nenhuma de nós vamos, porque se fosse pra ficar sozinha em festa eu já iria bêbada.

Naomi soltou uma risada anasalada dando de ombros e Mary subiu para sua cama retirando o vestido e logo colocando sua camisola.

- Ótimo. – Resmunguei voltando minha atenção para o Notebook. – Só fiquem em silêncio por…

Apenas escutei a voz inicial de CL cantando “Neomu chisahajana”, o verso inicial de “Go Away” e então virei meu rosto na direção do som. Mary me fitou dando um sorriso cínico e começou a cantarolar junto com Minzy quem iniciava sua parte.

- Você pode desligar is…

- Ya, coitada da CL, ela apanha bastante nesse MV, não é? – Naomi perguntou praticamente gritando.

- Acho ela tão bonita, como as pessoas podem considerar ela feia? – Sophie questionou abafado.

A voz desafinada de Mary ecoou pelo quarto fazendo com que eu cerrasse os olhos.

“Tonight! Hapil ddo bineun naeryeo wae…”

Naomi a acompanhou. - “Nae moseup chorahaejigae...”

E então Sophie completou o coral. - “Nal wiro hajineun ma. Ee son chiweo eejae naminikka!”

- Ya, será que vocês poderiam parar?! Vocês estão me atrapalhando! – Berrei mais alto que a música e as vozes.

- Se alguém aqui tá atrapalhando é você! – Mary berrou se sentando na cama a minha frente. – Ninguém vai a festa por sua causa!

- Não estou segurando ninguém. – Dei de ombros descendo de minha cama, fechei o Notebook e caminhei em direção a porta.

- Naomi, segura ela! – Mary berrou, mais uma vez.

Naomi, se colocou a minha frente e apenas a encarei.

- Vamos a festa, Unnie! – Ela sorriu.

- Eu tenho coisas pra fazer. – Suspirei ao ver Mary parar ao seu lado.

- Já que não vai à festa, também não vamos e como castigo, não deixo você sair do quarto. Vai nos aguentar cantando!

- Dá licença. – Pedi tentando passar.

Mary e Naomi me empurraram para trás e Sophie riu sentada a cama.

- Se vocês querem ir à festa, só vão! – Resmunguei forçando a passagem mais uma vez.

E, novamente, fui empurrada para trás. Bufei as encarando e Mary esboçou um sorriso animado e desafiador. Tentei, mais uma vez, passar por ambas, mas fui empurrada ainda com mais força para trás. Tudo aquilo porque queriam que eu fosse a uma festa? Céus! Sophie ficou de pé e então começou a me sacudir.

- Vamos, vamos, vamos, vamos!

- Gente, eu me candidatei a fazer um projeto que nem tinha noção de como era, eu tenho que montar a parada de verdade, porque se não o…

- Seu parceiro de grupo estará na festa. – Mary sibilou. – Por que diabos você vai ficar trancada aqui?

- Namjoon tem livre arbítrio pra ficar no quarto ou ir a festa. – Resmunguei.

- E o tampinha?

Dei de ombros. – O que tem?

- Aposto que ele vai, e se você não for, ele vai beijar outras garotas.

- Bom. – Disse indiferente. – Não temos nada demais.

- Acho que você é a única que…

- Por favor, só vão. – Suspirei cansada. – Vocês vão, se divertem e eu fico estudando até cair no sono. Todo mundo ganha.

- Achei que tinha entendido que ninguém vai se você não for. – Sophie resmungou caminhando até a porta e retirando a chave que estava na maçaneta. – Então, nos ature ou surte.

- Sério, o que eu fiz pra vocês?

- Muita coisa. – Mary resmungou voltando para a sua cama.

- Eu odeio vocês. Isso é real.

- Você nos ama. – Naomi disse sentando-se em sua cama.

Abri o guarda roupa pegando a primeira roupa que vi pela frente. – Não. Eu odeio vocês.

As três me fitaram confusas, mas assim que comecei a me despir na frente das mesmas elas logo entenderam sorrindo em sincronia. Revirei os olhos e então coloquei minha blusa e uma saia, pegando minha jaqueta logo em seguida.

- Você vai? – Mary deu um salto parando a minha frente.

Peguei minha nécessaire caminhando em direção ao banheiro. Não consegui segurar o riso quando escutei a três gritarem como adolescentes após a mãe liberar algo. Me maquiei rapidamente e então ajeitei meu cabelo caminhando em direção a porta e calçando meus sapatos. No instante em que saímos Hyejin, Moonbyul, Wheein e Yongsun também saiam de seu dormitório, as quatro incrivelmente maravilhosas como de costume, e logo as cumprimentamos travando um assunto qualquer e, assim, indo as oito juntas para a festa que era em uma casa próxima a faculdade. As ruas de Seul, exceto no centro da cidade metropolitana, eram repletas de becos e obtivemos uma sorte grandiosa ao encontrarmos as meninas do dormitório vizinho, pois duvido muito que chegaríamos aquele local que, mesmo próximo, era escondido demais para encontrarmos com rapidez.

Chegamos na rua da casa e já podíamos ouvir o som alto tocando uma música animada. Yongsun e Hyejin já começaram a dançar mexendo os ombros, o que me fez rir enquanto observava Sophie e Mary as acompanhar, escutando as risadas de Wheein, Moonbyul e Naomi, peguei meu celular checando se havia alguma mensagem, antes sair resolvi dizer a Jihoon que havia mudado de ideia e estava indo à festa, mas ainda não havia recebido resposta.

- Hoje, é dia de nos acabarmos, girls!

Elas gritaram em sincronia e logo entramos na casa que mantinha a porta aberta. Logo na entrada demos de cara com a casa extremamente lotada, haviam pessoas que eu nunca tinha visto, assim como haviam outras que eu convivia quase que diariamente. Nos espremendo para entrarmos na casa e, enfim, conseguirmos um lugar menos cheio ou alguma bebida, apenas fomos em direção a cozinha, porém percebi que nossa fila indiana parou sem o menor dos avisos. Olhei para frente e logo reconheci ser Eunha, quem estava ainda mais linda com uma roupa incrível. Ela balançou a mão em minha direção e apenas sorri retribuindo, logo em seguida ela puxou Mary pelo pulso indicando um caminho diferente ao que parecíamos ir, o que me fez questionar para onde ela estava nos levando. Não demorou muito para a fila parar e, novamente, eu ter que pedir desculpas para Wheein por ter batido com a cabeça em suas costas, o que a fazia rir todas as vezes. Percebi que estávamos em um local mais folgado, as pessoas estavam apenas se matando para dançarem ao som daquele ritmo animado, confesso que sim, era contagiante e eu não esperava a hora de irmos dançar.

Fui ao lado de Mary e percebi que Eunha a apresentava para duas garotas. Elas estavam abraçadas e ambas possuíam franjinhas fofas, elas esbanjavam sorrisos e pareciam muito felizes. A mais baixinha das duas, que usava óculos e tinha uma feição adorável, me encarou com as sobrancelhas erguidas e apenas abaixei fazendo uma breve reverência.

- Yangmi e Yon, essa é Holly. Holly essas são as donas da casa.

- Ah, prazer em conhecê-las. – Sorri simpática.

- Se divirtam! A festa é nossa, mas todo mundo tá falando que é do Baekhyun. – Yon deu de ombros. – Então, bem-vinda a festa de Byun Baekhyun.

Ri anasalado e ela retribuiu com uma risada logo selando seus lábios nos de Yangmi. Assim que nos viramos, em direção a pista, me assustei com o surgimento repentino de um homem pulando a nossa frente. Ele estava com os braços abertos e um sorriso incrível nos lábios encarando Eunha. Ela apenas riu e se encolheu no abraço do garoto que era extremamente bonito. Ele possuía cabelos castanhos escuros e aparentava ser adoravelmente animado. Eunha soltou um gemido divertido assim que ele a apertou e então outro cara apareceu atrás de si, e era impossível não o ver devido a sua altura. Arqueei as sobrancelhas quando ele colocou as mãos nos ombros do rapaz a sua frente e falou algo com Eunha. Ele também era incrivelmente bonito, e usava um boné para trás o que realçava seu sorriso atraente.

- Venham aqui! – Eunha puxou a mim e Mary, a únicas que ainda a seguiam.

Fizemos uma breve reverência a ambos que retribuíram com sorrisos simpáticos nos lábios.

- Esses são Park Chanyeol e Byun Baekhyun. Chanbaek, essas são Mary e Holly, intercambistas.

- Ah, então você quem organizou a festa? – Mary apontou para Baekhyun.

- Sim. – Ele sorriu puxando o Park para perto de si. – Mas não teria conseguido sem esse grandão aqui.

- Aish, não seja assim. Você organizou grande parte sozinho. – Chanyeol passou os braços em volta da cintura de Baekhyun encostando seu queixo no ombro do mesmo e então nos fitou a sua altura. – Se divirtam garotas.

- Obrigada! – Sorrimos agradecendo.

Os dois logo sumiram em meio à multidão e então bufei tentando achar algum lugar para sentar ou algum conhecido, foi então, que avistei Liam, parado próximo ao balcão da cozinha, segurando um copo vermelho em mãos. Liam olhava para festa tranquilo e quieto, como de costume, mas assim que percebeu que nos aproximávamos, onde eu me mantinha a frente das meninas, sorriu animado, provavelmente por ver rostos conhecidos.

- Oi Liam! – Sorri abrindo os braços e indo abraçá-lo.

- Oi, Holly. – Ele sorriu retribuindo.

- Não sabia que viria! – Mary sorriu indo abraçá-lo.

- Nem eu sabia. – Ele riu cumprimentando cada uma de nós por um abraço apertado.

Apenas sorri e caminhei em direção a mesa pegando uma garrafa de vidro de maekju*, Mary pediu bebidas e acabei servindo a todas com a maekju importada do barril de metal. Hyejin e Liam conversavam animados e não sabia que ambos se conheciam, o que era algo ótimo. Yongsun e Moonbyul sussurravam algo nos ouvidos umas das outras enquanto apontavam para a pista de dança, Mary e Wheein travavam algum assunto divertido com Naomi e Sophie quem logo se arrastou para o meu lado, após negar a maekju, se servindo de soju**. Sophie virou um, dois, três, copos e, no quarto, segurei sua mão o que fez com que ela me fitasse.

- Não posso beber?

Suspirei. – Por que precisa…?

Ela me interrompeu. – Essa pergunta é um tanto quanto idiota.

- Óbvio que você quer…

- Oh, Holly-ssi?

Franzi a testa, era a primeira vez que alguém me chamava de “Holly-ssi”, como uma amiga, mas então sorri ao perceber que se tratava de Kim Namjoon. Fiz uma breve reverência e ele logo retribuiu com um sorriso em seus lábios enquanto segurava dois copos.

- Oi Namjoon! – Sorri contente por vê-lo.

- Que bom vê-la aqui!

- Eu não queria vir. – Ri bebericando minha maekju. – Mas acabei cedendo.

- Estava pesquisando temas? – Ele questionou servindo ambos os copos com maekju.

Balancei a cabeça positivamente.

- Aish, não se cobre tanto! – Ele sorriu destacando suas covinhas adoráveis. – Não quero vê-la doente por isso! Você tem se alimentado?

- Muito bem até. – Escutei Sophie resmungar e então a encarei vendo-a virar mais um copo de soju. Ela fez uma careta e então balançou a cabeça.

Apontei para Namjoon a cutucando. – Sophie, esse é Kim Namjoon. Namjoon, essa é Sophie Moore.

Namjoon fez uma breve reverência e logo estendeu a mão em um cumprimento. – Prazer em te conhecer, Sophie.

Ela apertou sua mão sorrindo simpática. – Prazer Kim.

Namjoon sorriu e então apontou para trás de si. – Estou com uns amigos em um dos sofás, querem ir para lá?

Sorri animada com a ideia de um sofá para sentar. – Claro. – E então encarei os demais torcendo os lábios. – Mas somos muitos.

Ele riu fechando os olhos por uma fração de segundo. – Nós também, venham!

Assenti dando de ombros e então chamei os demais fazendo um sinal para que nos acompanhassem. Encarei a garrafa de soju na mão de Sophie e ela apenas me ignorou. Céus, eu esperava que ela tivesse um estômago invejavelmente forte para suportar a quantidade de bebidas que ela pretendia tomar, afinal, até mesmo um idiota saberia que ela estava ali apenas para se embriagar na tentativa de esquecer seus problemas. O que não adiantaria nada, experiência própria.

A medida que passamos por outro ambiente da sala, que era a pista de dança, percebemos que grande maioria dos móveis estavam ali. Os dois sofás grandes, mesinhas, e algumas outras coisas se encontravam naquele canto próximo a janela, e eu poderia jurar que meus olhos brilharam ao ver um sofá quase que inteiramente vazio. Namjoon parou a frente do mesmo entregando a bebida para o homem loiro, alto e de ombros largos que, assim que se virou com um sorriso nos lábios não consegui não o fitar. Ele era o homem mais lindo que eu já havia visto em toda minha vida! E o homem mais lindo do mundo vinha em minha direção com Namjoon.

- Ya, Seokjinie, essa é Holly. A que estou fazendo projeto junto para o professor Kang.

“Seokjinie” sorriu. – Oh, Holly! Muito prazer! Nam falou muito bem de você!

Fiz uma breve reverência. – Prazer em te conhecer. Ele também falou muito bem de você.

Seokjinie sorriu olhando para o namorado. – Ah, verdade?

Namjoon apenas sorriu de lado o fitando, o que fez com que o loiro lhe desse um beijo estalado na bochecha. Sorri ainda mais ao ouvir a risada de Namjoon, quem, aparentemente não esperava pelo beijo.

Muito prazer, eu sou Kim Seokjin. Mas pode me chamar de Jin ou Seokjinie, não me importo.

- Prazer Jin. – Sorri o fitando. – Eu sou Holly Hayes, mas pode me chamar de Holly.

Ele riu e, mesmo com o som alto percebi que sua risada era engraçada, e, ao mesmo tempo, adorável.

- Vem cá, vou te apresentar os outros. – Seokjin logo me puxou pelos ombros me empurrando em direção a um grupo de amigos que estavam parados próximos a parede. Um deles era o de cabelos vermelhos, mesmo com as luzes coloridas, o reconheci pelo sorriso quadrado.

- Ya, dongsaengs. – Jin aumentou o tom de voz parando ao meu lado, os três pararam de falar e me fitaram.

Apenas sorri fazendo outra reverência e eles logo retribuíram. Ao erguer meu corpo reconheci os outros dois como Jeon Jungkook e supostamente Park Jimin. Olhei para trás encarando Naomi, ela estava olhando em minha direção e logo sorriu com os lábios trêmulos. Então, sim, era, de fato, Jeon Jungkook.

- Gente, essa é Holly Hayes. – Seokjin permaneceu com uma das mãos em meu ombro. – Ela é parceira de projeto do Namjoon.

- É uma das gringas. – O de sorriso quadrado, o qual o nome eu não lembrava, sorriu. – Oi Holly, nos conhecemos no mercado. Eu sou Kim Taehyung e esses idiotas…

- Park Jimin, prazer. – O mais baixo dos três se colocou a minha frente estendendo sua mão. Assim que a apertei ele esboçou um sorriso tão adorável que tudo o que eu queria era apertá-lo. Seu sorriso cativante surgiu em seus lábios e seus olhos se transformaram em pequenas luazinhas. Realmente adorável seu sorriso duplo.

- Prazer, Park. – Sorri completamente contagiada com seu sorriso.

- Jeon Jungkook. – O último veio em minha direção também estendendo a mão. – Prazer.

- Prazer, Jeon. – Sorri a apertando com um sorriso simpático nos lábios.

- Ya, dongsaengs, vamos dan…

Olhamos todos na mesma direção e então sorri ao perceber que se tratava de Hoseok, ele ajeitava a blusa para dentro da calça e então arqueou as sobrancelhas com um sorriso largo nos lábios ao me reconhecer.

- Oh, Holly?!

Sorri o reverenciando brevemente. – Oi, Jung.

- Jung é meu pai. – Ele riu se aproximando e então segurou minhas mãos. – Eu sou Hoseok, ou, Hobi. Não precisa me chamar de Jung. – E então fez uma voz engraçada. – É tão velho!

Ri o fitando. – Desculpe.

Ele apenas sorriu e então puxou Park Jimin junto de si. – Vamos dançar, dongsaeng.

Jimin riu. – Claro, sunbae. – E então puxou Taehyung e Jungkook. – Venham!

Os quatro se afastaram e sorri apenas os observando ir em direção a pista, Jin segurou em meus ombros novamente e então me direcionou na direção de Namjoon, quem agora estava sentado ao sofá de couro preto ao lado de alguém que não me parecia estranho. Assim que nos aproximamos, reconheci ser o emburrado que Mary torceu, a semana inteira, para estar na festa.

- Ya, Yoongi!

Isso, o nome dele era Yoongi. Mary disse ter ouvido seu nome algumas vezes na mesa. O emburrado parou de falar com Namjoon, no mesmo momento, e encarou Seokjin descendo o olhar até mim. Esbocei um pequeno sorriso, mas não obtive nenhum sinal de simpatia como resposta.

- Essa é… – E então riu. – Oh, que coincidência! Essa é Holly!

Yoongi arqueou as sobrancelhas e mesmo com sua franja tampando sua testa, pude perceber tal coisa. Ele abaixou a cabeça com uma breve reverência e fiz o mesmo ainda a frente de Seokjin quem segurava em meus ombros.

- Prazer.

- Igualmente. – Disse desviando o olhar para Mary quem, agora, se aproximava.

Ela passou os braços em volta de meus ombros fazendo com que Jin me soltasse. A encarei segurando o riso e ela apenas fez referências breves para Namjoon, Jin e Yoongi. Foi no instante em que ela e todos ali me encararam que ri sem graça.

- Ah, claro. – Apontei para Mary. – Gente, essa é Mary. Ela é britânica e minha colega de quarto.

- Prazer em conhecer vocês. – Ela olhou um por um, mas fixou seu olhar no emburrado quem pareceu forçar um pequeno sorriso, sem mostrar os dentes, para ela.

Jin sentou-se ao lado do namorado e então me virei para o lado no instante em que Sophie me puxou entregando a garrafa de soju vazia. Céus, ela bebeu uma garrafa de soju em poucos minutos

- Vou para a pista com nossas vizinhas.

E então estalou um beijo em minha bochecha.

- Você vem Mary?

- Não. – Ela balançou a cabeça negativamente. – Vou ficar por aqui um pouco. Tô com dor nas pernas.

Franzi a testa a fitando e ela apenas sorriu me puxando em direção ao sofá. Sentei de mal jeito, mas logo me ajeitei, assim como Mary quem se ajeitava ao lado de Yoongi o pedindo desculpas por ter esbarrado no mesmo assim que sentou. Segurei o riso pegando meu celular lembrando de Jihoon, mas apenas suspirei ao ver que não havia nenhuma mensagem ou ligação do mesmo.

Sendo, completamente, deixada de lado por Mary, quem puxava papo com Yoongi, ao seu lado, observei a pista de dança enquanto segurava minha garrafa de maekju ainda cheia. Talvez eu fosse dançar em algum momento da festa, mas, geralmente, me contentava em ficar sozinha. Porém, já que estava por lá, não era uma má ideia, de qualquer maneira.

- Eu realmente agradeço. – Escutei a voz de Yoongi seguido de uma risada anasalada. – Você é linda.

Sorri lançando um breve olhar para Mary quem havia se ajeitado no sofá de jeito que ficasse inteiramente de frente para o emburrado – e completamente de costas para mim.

- Mas eu, realmente, não posso fazer isso com meu amigo.

- Amigo? – Escutei Mary perguntar.

Desviei o olhar tentando, ao máximo, não parecer tão óbvio que eu estava prestando atenção na conversa.

- Sim. – Foi a única coisa que Yoongi respondeu.

- Qual amigo?

- Ele riu anasalado mais uma vez. – Não posso dizer. Mas ele prometeu falar com você essa noite, se te visse na festa.

A voz de Mary parecia desconfiada. – Oh, então ele está aqui?

- Sim.

- Na minha frente?

- Não sou eu. – Yoongi riu. – Desculpe.

- Mas… – Mary ajeitou seu corpo se aproximando dele. - E se eu disser que não o quero, mas sim você.

Foi então que Yoongi ficou de pé atraindo meu olhar, que logo o desviei, porém, de canto de olho, percebi que ele estava fazendo uma reverência mais respeitosa em sua direção.

- Terei que agradecer mais uma vez. – Ele a respondeu. – Mas não posso fazer isso com meu amigo.

E então afastou fazendo com que eu encarasse Mary completamente surpresa. O emburrado tinha, mesmo, a rejeitado? Ele rejeitou minha amiga, na cara dura? Uma mulher como Mary? Quero dizer, ela é incrivelmente bonita e divertida, vários são os pontos positivos internos e externos dela para que eu me surpreenda com alguém a rejeitando.

- Mary…

- Você tinha razão. – Ela bufou cruzando os braços. – Ele não é tímido, é um malcomido do caralho.

- Quando eu…?

Ela bufou ficando de pé. – Vou dançar, e bem longe desse ‘Daegu boy’.

- Você sabe onde ele nas…?

Ela me interrompeu novamente. – Você vem?

Apenas balancei a cabeça negativamente ela apenas fez um sinal com o indicador indo na direção oposta à que Yoongi havia ido. Mary caminhava em passos pesados e largos e eu sabia que ela estava irritada com Yoongi, mas não a culpava, pareceu uma desculpa até mesmo para mim quem – não deveria, mas – estava escutando. Escutei alguém me chamar e então virei-me para o lado dando de cara com Namjoon e Seokjin, ambos abraçados onde Jin estava com os braços em volta do pescoço de Namjoon. Jin me chamou com um sorriso pequeno nos lábios e Namjoon apenas entortou a boca. Me aproximei de ambos me arrastando no sofá confortável e então Jin debruçou-se em cima das pernas do namorado me explicando:

- Fala para ela não ficar com raiva.

- Mary? – Questionei o fitando.

- Sim! – Ele balançou a cabeça positivamente.

- Yoongi saiu de um relacionamento péssimo há poucos meses. Ele sempre demora mais tempo que os demais para se recuperar. Por mais que não pareça. – Namjoon explicou. – Então ele se afasta de relacionamentos e tudo isso.

- Parece alguém que eu conheço. – Sussurrei soltando uma risada anasalada.

- O que? – Jin questionou.

Balancei a cabeça negativamente. – Bom, era só ele dizer que não estava a fim. Não precisava de uma desculpa.

- Desculpa? – Namjoon questionou.

- Yoongi não é de dar desculpas. – Jin disse pensativo.

- Ele falou algo de um amigo. Que não poderia porque tem um amigo que está interessado nela.

Jin sorriu se endireitando. Namjoon me fitou:

- Mas tem.

- Wonwoo. – Jin disse sorrindo. – Ele gostou de Mary desde quando a viu na festa de boas-vindas. Mas ele é mais na dele, demorou um tempo até nos contar.

- Ah, entendi.

- Ele realmente não fala muita coisa. – Namjoon riu. – Ele prefere se perder nos livros. Mas é um cara excelente.

Apenas balancei a cabeça positivamente sorrindo e então voltei a fitar a pista de dança. Sentada ao lado de Namjoon logo avistei o emburrado voltar e sentar-se ao meu lado, como quem sequer notasse minha presença ali, mas não fazia diferença. Eu só estava um pouco irritada por ele rejeitar Mary de maneira tão fria, porém, compreendia seu lado de ter saído de um relacionamento conturbado e, ainda mais, que ele o fez pelo amigo. Era algo admirável, até.

Logo quando cheguei em Seul, estava me recuperando de uma traição, há alguns meses. Não foi nada como a traição de Sophie onde, até mesmo depois de uma semana, ela recebia mensagens nas redes sociais perguntando se tudo aquilo era real. Não. Foi tudo bem silencioso. Silencioso em um nível que fui a última a saber. Clichê. E provavelmente estaria com esse merda até hoje se não tivesse chegado mais cedo do estágio, naquele dia. Foi um dia infernal, aquele. Nick e eu morávamos juntos há alguns meses, decidimos que seria melhor para ambos depois de dois anos de namoro. Passamos por tantas coisas juntas e demorei a aceitar que a culpa não era minha. Na verdade, nos primeiros meses tudo o que fiz foi me culpar por tudo, por não me achar boa o suficiente, por estudar muito, por não lhe dar a devida atenção, por não ficar em casa com ele todos os finais de semana, e todas essas merdas. Demorei mesmo para compreender que o problema não era eu, mas sim ele. Clichê novamente, porém muito real. Quem trai sempre é o problema. Não importa o quanto tentem justificar.

O pior de toda a situação era que estava acontecendo bem debaixo do meu nariz. Perdi duas pessoas de uma vez só, quem eu julgava ser minha melhor amiga, mas que dormia com meu namorado todas as tardes desde que havíamos nos mudado para aquele apartamento no centro de Los Angeles, e meu namorado quem eu havia confiado muitas coisas, inclusive, meu futuro. Bom, perder Nicholas e Anna, de longe, foi o mais difícil. O pós tudo aquilo, sozinha no mesmo apartamento, sem ninguém foi ainda pior. Então sim, por essas e outras razões eu, realmente, compreendia Sophie. Mas, diferentemente de mim, ela tem três amigas e colegas de quarto para desabafar e contar com. O que, eu creio, torna as coisas mais suportáveis em certos momentos.

- Tenho um cachorro com esse nome.

Franzi a testa olhando para o lado e então dando de cara com Yoongi. Ele me fitou bebericando sua maekju.

- Desculpa? – Perguntei confusa.

- Holly.

- Sim? – Franzi a testa.

Ele então estalou os dedos, como se tivesse chamando um cachorro. Tornei a franzir a testa o fitando. Ele então soltou uma gargalhada e tornou a encarar a pista. Desviei o olhar achando aquele cara completamente estranho, e logo peguei meu celular fitando o ecrã sem mensagens ou ligações. Fiquei de pé resolvendo dançar um pouco, e então bebi, de uma única vez, o que havia restante em minha garrafa. Deixei a mesma em cima da mesinha redonda de centro e fui para o centro da pista e, após empurrar algumas pessoas e pedir licença a outras, encontrei Naomi, Sophie, Mary, Yongsun, Liam, Moonbyul, Wheein, Hyejin e um cara alto quem falava no ouvido de Mary. Assim que fui cumprimentar Liam e Hyejin ambos se aproximaram iniciando um beijo intenso. Arqueei as sobrancelhas e então escutei gritos vindos de Moonbyul e Yongsun quem sorriam ao vê-los beijarem. Assim que ambas me viram, fizeram questão de me puxar pelo pulso de modo que dançasse com ambas e me afastasse do recém-formado casal. Sorri erguendo os braços e então percebi que Sophie, Wheein e Naomi se aproximaram, se afastando de Mary e o cara quem, também, iniciavam um beijo intenso.

- Todo mundo se beijando! – Sophie riu. Suas bochechas estavam mais vermelhas.

- Devíamos, Moonbyul? – Yongsun a fitou.

- Por que não? – Moonbyul deu de ombros e então segurou na nuca da loira selando os lábios de ambas.

Surpresa, tudo o que fiz foi sorrir, eu realmente não sabia que ambas tinham algo, mas, eram intensamente fofas. Moonbyul e Yongsun pareciam ainda mais incríveis juntas. Me afastei de ambas, me sentindo em um labirinto de casais e então fui puxada por Sophie quem se afastou, permanentemente daquela área de casais. Agora, em outra parte da pista, Sophie, Naomi, Wheein e eu dançávamos em passos diferentes, mas todas no ritmo da música. Foi quando escutamos um grito de excitação, e logo que encarei de onde vinha, Sophie tornou a me puxar para a roda que havia se formado em volta de pessoas que pareciam arrasar na dança. Arqueei as sobrancelhas ao perceber que se tratavam de Park Jimin, Jeon Jungkook e, claro, Jung Hoseok. Já havia visto-o dançando algumas vezes, de brincadeira, na cafeteria, mas, céus, ele era muito bom!

Nos encolhemos entre o restaurante das pessoas e antes mesmo que pudesse perceber, escutei a voz grave do garoto de cabelos vermelhos, ele gritava os nomes dos três enquanto batia palmas assim como o restante das pessoas, completamente animados com aquele show. Hoseok era o centro dos meninos e ele, de fato, parecia não ter ossos, se movia de maneira frenética e seus movimentos eram incríveis, ele se desdobrava para os lados, para frente e para trás, parecia ser de elástico ou qualquer coisa do tipo. Era, realmente, surpreendente. Jimin, por sua vez, também dançava incrivelmente bem, ele tinha movimentos leves e parecia ser incrivelmente flexível, ele dançava ao lado de Hoseok e simplesmente fechava os olhos se entregando a dança, mas sempre que os abria, parecia outra pessoa, ele era capaz de fazer uma cara sexy de arrepiar. Mesmo. Jungkook se encontrava do lado esquerdo de Hoseok e se mexia tão rápido quanto o ritmo da música, ele passava a mão por seu corpo e encarava o chão, mas vez ou outra olhava na nossa direção e recebia de Taehyung um sinal de joinha. O que me fazia sorrir.

- Oh, 3J estão dando show de novo?

Olhei para trás vendo Seokjin, Namjoon e o emburrado se aproximarem. Taehyung balançou a cabeça e então tornou a olhar para frente. Jimin saiu de perto de Hoseok puxando um outro alguém consigo, o que fez com que Jin soltasse um grito animado o puxando, também. O garoto de cabelos pretos e sorriso tímido logo se juntou a eles mexendo seu corpo com tanta intensidade que, de imediato, os meninos ao meu lado gritaram. Ele também era, realmente, muito bom. Mas não o havia visto em nenhum momento anterior aquele. Batendo palmas e os acompanhando, os quatro deram um show espetacular. Apenas vieram na direção de Taehyung, Seokjin, Namjoon e Yoongi quando a próxima música se iniciou, mas antes mesmo que pudessem abraçá-los ou parabenizá-los, Hoseok apontou em minha direção, o que me fez sorrir um pouco mais, mas ele logo mudou o olhar de direção para o meu lado.

- Oh, é a outra gringa! – Ele sorriu fazendo uma breve reverência. – Você está melhor?

Sophie balançou a cabeça positivamente o encarando com um sorriso enorme nos lábios.

- Ah, good! – Hoseok disse arrastado. – Quando saiu da sala, aquele dia, fiquei preocupado.

- Está tudo bem. Obrigada. – Sophie disse simpática e então apontou para a pista. – Você dança muito bem.

Hoseok levou a mão até o peito. – Você acha?

- Sim, claro! Como você consegue fazer tudo aquilo?

Ele gargalhou a respondendo e então encarei Naomi quem me fitava com um sorriso significativo nos lábios. Ela sabia, tanto quanto eu, que Sophie tinha uma pequena queda por Hoseok.

- Ya, é Holly, certo?

Olhei para o lado dando de cara com Taehyung e seu adorável sorriso quadrado. – Sim. Taehyung, certo?

- Me chame de Tae. – Ele sorria e então apontou para Jungkook e Jimin quem conversavam com Seokjin, Namjoon e o emburrado. – Vamos dançar, vocês querem vir?

- Dançar? – Hoseok gritou e tornou a fitar Sophie. – Vamos, vou te ensinar uns passos.

Ela apenas sorriu assentindo em silêncio e Hoseok liderou todos nós para o centro da pista, mais uma vez. Hoseok logo saiu dançando como se não houvesse amanhã e tudo o que fiz foi sorrir, acompanhava o ritmo com o corpo, mas, de longe dançava como os “3J”, estava mais para Namjoon e Seokjin, com movimentos atrapalhados, mas ambos nos faziam rir à medida que víamos.

Não percebi quanto tempo ficamos dançando na pista lotada, mas, por fim, os únicos que restavam eram eu, Sophie, Naomi, Hoseok, Jimin e Jungkook. Estava fazendo o meu máximo para não deixar transparecer o fato de Naomi não desgrudar o olhar de Jungkook, pois Jimin a fitava confuso com a situação e Jungkook começava a perceber.

Resolvemos nos sentar após um tempo, assim que caminhamos em direção ao sofá, Mary parou na minha frente com um sorriso enorme nos lábios, ela estava de mãos dadas com alguém bem mais alto que ela e que, assim que se virou, reconheci ser Wonwoo, amigo de Jihoon. Agora tudo fazia sentido, era Jeon Wonwoo quem estava a fim de Mary e, pelo visto, ela dele.

- Oi Jeon. – Sorri o cumprimentando.

- Ei, Holly. – Ele sorriu de lado.

- Como vai?

- Não sei onde está o Jihoon.

Franzi a testa o encarando. Wonwoo riu coçando a nuca, um pouco perdido no assunto. Mary segurou meus ombros me chamando e então aproximou os lábios de minha orelha, sussurrando:

- Vou sumir por um tempinho.

Assenti em silêncio e logo vi Sophie e Naomi indo em direção a cozinha. Mary sorriu para Seokjin e Namjoon e então puxou Wonwoo pela mão, sumindo de nossas visitas. Escutei a risadinha de Seokjin e logo tornamos a andar em direção ao sofá que estávamos antes. Hoseok foi o único quem permaneceu dançando, com uns amigos de seu curso e disse que depois iria para o lugar.

Nos aproximamos das pessoas ali sentadas e, no instante em que um grandão de covinhas se virou em nossa direção, Namjoon sorriu caminhando até ele. Os dois se abraçaram rapidamente, como se não se vissem a um longo tempo, e logo em seguida ele fez o mesmo com Seokjin quem disse ter sentido saudades. Ele me fitou sorrindo adoravelmente de modo que sua covinha se destacasse e sorri de volta. Ele estendeu a mão, me cumprimentando.

- Prazer, Lee Jooheon. – Ele disse em inglês.

- Prazer em conhecê-lo. – Respondi em minha língua natal. – Holly Hayes.

- Você está aqui há quanto tempo?

- Dois meses.

- Jooheon acabou de voltar de Los Angeles. Ele estava estudando música lá, através da nossa universidade. – Namjoon explicou.

- Ah, sério? – Sorri animada. – O que achou de lá?

- Incrível! – Ele sorriu também animado. – Mesmo sentindo falta daqui, eu não queria sair de lá!

- Ah, você foi no Letreiro ou no Griffith?

- Sim! – Ele apontou em minha direção. – Você é de lá?

- Nascida e criada. – Sorri um tanto quanto nostálgica.

- Ah, sabia! – Ele riu. – Vai ficar por quanto tempo?

- Um ano. Dois semestres letivos, no caso.

- Ah, eu fiquei por lá seis meses. Mas pretendo voltar, porém, como músico. – Ele bateu palmas sorrindo.

- Espero te ver por lá. – Sorri simpática e então olhei na direção de Jungkook e Jimin que, lado a lado no sofá, mantinham os rostos próximos.

- Ah, esses dois. – Jooheon sorriu os fitando e então sussurrou. – Eles sempre dão problemas. Parece difícil para eles ficarem juntos e felizes como tanto querem.

Apenas sorri de lado, não era desinteresse de minha parte na história de ambos, eu inclusive os achava extremamente adoráveis e percebia o quão fofos ficavam juntos, mas, infelizmente, eu me preocupava com os sentimentos de minha amiga quem, naquele momento, percebi estar parada, mais distante, encarando ambos. Suspirei sentindo meu coração apertar e desviei o olhar para Jimin e Jungkook quem iniciaram um beijo calmo, porém, visivelmente apaixonados. Naomi os fitava segurando seu copo em mãos enquanto Sophie, ao seu lado, literalmente batia cabelo. Como uma drag queen. Sophie a cutucou dançando completamente animada segurando outra garrafa de soju em mãos. Suspirei andando até elas e então Naomi se virou de costas saindo dali. Sophie a fitou completamente confusa e quando se deu conta que a amiga havia saído dali começou a gritá-la.

- Ei, coisinha.

- Ela me fitou. – Unnie…  A Naomi ela saiu daqui do nada.

- Eu vi. – Falei dando tapinhas em seus ombros. – Fica aqui que eu vou atrás dela.

- Unnie, me deixa ir, também! Ela parecia querer chorar…

- Não. – A interrompi tentando parecer a mais simpática possível. – Deixa que eu vou. Fica aqui pra quando a Mary voltar.

Ela então balançou a cabeça positivamente. – Certo.

- E pare com a bebida se não, daqui a pouco, vai fazer algo que se arrependa.

Ela riu de uma maneira tão fofa que não evitei o sorriso. – Não vou! Deixei o celular em casa.

- Certo. Não saia daqui, ok?

Ela ergueu o punho assentindo séria, mas no instante em que cambaleou para trás, tornou a rir. Apenas sorri e logo fui na mesma direção que Naomi, esperando encontrá-la o mais rápido possível. Ficando na ponta dos pés para achá-la, percebi que a mesma saia do local em direção a porta, empurrando algumas pessoas que a fitavam confusas com o que estava acontecendo. Suspirei e logo fui na mesma direção, saindo da casa um pouco depois devido à dificuldade que foi em abrir caminho.

- Naomi! – Berrei atraindo sua atenção.

A música abafada tocava do lado de fora da casa, mas nem mesmo a animação da batida foi capaz de fazer com que a feição da canadense me passasse despercebida. Desci os degraus da pequena escada a frente da porta e parei a sua frente sentindo meu coração apertado.

- Ei… – Sussurrei calma. – O que foi?

Pergunta idiota. Eu sabia do que se tratava, ou melhor, de quem. Naomi apenas secou as lágrimas fungando.

- Vou pro dormitório, não estou me sentindo muito bem.

- Não vai aproveitar a festa? – Questionei fazendo minha feição mais triste.

- Não. Vou indo.

- Vou com você então. – Me coloquei ao seu lado esboçando um sorriso.

Naomi suspirou e então a fitei percebendo que ela havia fechado os olhos.

- Unnie, você não é idiota e sei que percebeu o que tá acontecendo. – Ela tornou a me fitar com seus grandes olhos verdes. – Então, por favor, me deixa ficar sozinha.

- Mas, Naomi…

- Por favor Holly. Eu quero ficar sozinha.

Suspirei, o que eu diria? Naomi queria ficar sozinha e seu desejo deveria ser respeitado, por mais que eu quisesse abraçá-la e dizer que tudo ficaria bem. Porque ficaria, eventualmente, ficaria. Ela apenas se virou e então caminhou em direção a faculdade, logo sumindo de minha vista. Eu realmente não tinha muito a dizer, porque compreendia ambos os lados. Naomi gostava de Jungkook, e Jungkook gostava de Jimin, quem também gostava dele. Nenhum dos três estava errado, Jimin e Jungkook não sabiam dos sentimentos de Naomi pelo estudante de artes, assim como Naomi nada podia fazer a não ser aceitar. Merda, talvez Mary tenha razão, somos as quatro fodidas no amor. Quem será a próxima?

Espantando os pensamentos negativos, voltei para a festa completamente desanimada, estava mal por causa de Naomi, mas não cabia aos outros saberem de algo tão pessoal dela. Assim que me aproximei da mesa, fui puxada por Taehyung quem riu, visivelmente alterado, enquanto me pedia desculpas por tê-lo feito.

- Desculpa te puxar dessa maneira, Holly-ssi. Mas eu preciso de ajuda.

- Claro, o que houve?

Jooheon, quem estava sentado à sua frente, apenas balançou a cabeça negativamente.

- Preciso aprender algumas palavras em inglês.

Ri anasalado o encarando. – Certo. Mas… Vocês viram minha amiga? Uma meio baixinha, de cabelo longo e…

- Aquela? – Tae apontou para trás de mim.

Virei na direção apontada e logo sei de cara com Sophie, no meio da pista, dançando completamente animada. Era bom vê-la daquela maneira, mas muito eu sabia que toda aquela animação era por causa do álcool e logo passaria. Ela acenou em minha direção e logo esbocei um sorriso acenando de volta. Virei-me na direção de Taehyung o escutando reclamar com Jooheon.

- Ya, Jooheon-hyung, como eu digo pra uma garota, em inglês, que eu quero passar mais tempo com ela?

- Aish, pra que quer saber Taehyung? Tá a fim da Holly?

Ele me encarou com os olhos arregalados, percebi que o emburrado e o cara que ele conversava olharam para trás.

- Não! – Taehyung berrou.

Arqueei as sobrancelhas um pouco surpresa com aquele grito de “não". Jooheon permaneceu o encarando e o emburrado riu discretamente – o que não foi discreto o suficiente, já que eu percebi. Cerrei os olhos encarando Taehyung e ele pareceu ainda mais assustado.

- Não! Não é isso!

- Aish, Taehyung… – Jooheon ficou de pé caminhando para longe. – Sinceramente.

Taehyung ficou de pé em um salto. – Não foi isso que quis dizer, Holly-ssi! – Ele ergueu as mãos em minha direção. – Você é linda, incrível e…

Coloquei a mão em seu ombro e ele desviou o olhar para minha mão. – Não se preocupe, Taehyung-ssi, você não faz meu tipo.

Tae franziu a testa me encarando e segurei o riso lhe dando as costas em direção a cozinha. Passei os olhos pelo emburrado e o bonitinho com quem ele conversava, ambos possuíam um sorriso debochado nos lábios e apenas segui meu caminho completamente te orgulhosa. Como assim não era meu tipo? Honestamente, Kim Taehyung era o tipo de qualquer pessoa com aquele rosto farto de traços perfeitos, aquela altura e corpo. Ele era realmente muito bonito.

Caminhei até a cozinha pegando outra garrafa de maekju, optei por encostar no balcão e ali ficar por um tempo enquanto pensava em Naomi. Ao mesmo tempo em que queria ir atrás dela, enchê-la de abraços, também queria respeitar o pedido dela de ficar sozinha, Naomi sempre foi muito reservada em relação aos sentimentos, se não fosse por Mary – quem passa mais tempo com ela por estudarem no mesmo prédio – eu jamais saberia do sentimento dela por Jungkook. O que era um sentimento ruim naquele momento, afinal, ele já tinha alguém. Eunha quem diga, seis anos amando Jeon Jungkook e seis anos sem o mísero de sucesso com o mesmo. Mas ninguém pode culpá-lo, aposto que se pudesse ele jamais escolheria partir tantos corações como vem ocorrendo.

Voltei para perto dos meninos, tomando o máximo cuidado possível para não perder Sophie de vista, como se fosse uma criancinha em um parquinho. Sentei ao lado de Namjoon, assim que o mesmo me chamou e então permaneci conversando com ele e Seokjin, onde passamos a conhecer mais uns dos outros.

Kim Seokjin além de um homem incrivelmente bonito e simpático, era natural de Anyang, mas veio para Seul quando adolescente graças a sociedade empresarial do pai: um CEO bem-sucedido, mas Seokjin fez questão de falar que não usava o dinheiro do pai para, praticamente, nada, que tudo o que possuía era trabalhando como fotógrafo, já que era formado em Fotografia e possuía um trabalho profissional em uma das revistas mais cobiçadas de Seul. Ele estava na sua segunda faculdade, de gastronomia, que, segundo ele, era seu grande sonho, pois adorava cozinhar.

Kim Namjoon, dois anos mais novo que Jin, era natural de Ilsan de onde saiu para cursar sua faculdade de direito aos dezoito anos a mando do seu pai, ele acabou trocando de curso aos vinte e quatro anos, mudando drasticamente para Línguas onde estava cursando o quarto período. Namjoon acabou contando que ser um advogado, de longe, era o que ele queria e pretendia, então ele mudou para algo em que tinha certeza que era bom, mas ainda assim tinha o intuito de cursar música ao término do curso de Línguas. Kim Namjoon possui um QI maior de 140 e é totalmente plausível o fato dele ser chamado de gênio por seu namorado.

Kim Taehyung, o de cabelos vermelhos, logo se juntou na conversa com seu sorriso quadrado, ele se desculpou por ter falado comigo daquela maneira e apenas ri achando ainda mais fofa sua atitude. Percebendo que falávamos sobre quem éramos, Taehyung logo começou a contar que era natural de Daegu – onde acabei descobrindo que o emburrado também era, pois Tae falava – e estava em sua primeira faculdade, de artes cênicas, pretendia ser ator e o modo como ele expôs seu sonho fez com que eu sorrisse.

Permanecemos um bom tempo conversando e foi então que Mary voltou ao lado de Wonwoo, os dois sorriram sentando-se no sofá e logo se aprofundaram na conversa. Não muito tempo após voltarem, resolvi ficar de pé para pegar mais bebida, no instante em que o fiz esbarrei em alguém com tanta força que cambaleei para trás logo percebi que se tratava de Sophie, no exato instante em que a encarei caída ao chão com os cabelos na frente do rosto.

- Desculpa, desculpa, desculpa. – Disse me abaixando e segurando em seus braços.

- Ah, você nem olha por onde anda! – Sophie disse aceitando minha ajuda e ficando de pé.

Arrumava seus cabelos fazendo uma careta. – Desculpa.

- Cala a boca, para de pedir desculpas. – Ela bufou, enfim, me fitando.

Esbocei um pequeno sorriso e então encarei Hoseok quem se aproximava com a feição preocupada, mas, ao mesmo tempo sorridente.

- Ya, você está bem?

Ela balançou a cabeça positivamente esboçando um sorriso. – Sim. Obrigada.

Hoseok apenas sorriu e então ergueu suas mãos para ajudá-la no exato instante em que Sophie se virou em sua direção com o intuito de ir até a cozinha pegar mais bebida. Hoseok fez uma piadinha sobre ela tomar cuidado para não cair, mas ela apenas riu se sentindo sem graça por estar, literalmente, nos braços de Hoseok. Talvez o coração dela tenha disparado ou qualquer coisa relativa, pois eu podia jurar que a vi estremecer. Me aproximei de Sophie apta para segurá-la quando ela, enfim, resolvesse se soltar de Hoseok e no instante em que ela o fez foi para curvar o corpo para frente. Demorei alguns segundos para entender do que se tratava e só compreendi quando Hoseok se afastou com uma cara não muito boa.

A música tocava, mas, mesmo assim, eu sabia que as atenções estavam todas viradas para ela quem tinha acabado de vomitar em Jung Hoseok. O cara por quem ela vivia babando na sala, antes de se fechar para o amor. Em um movimento rápido segurei seus cabelos longos para trás enquanto ela vomitava como se não houvesse amanhã. Ela ergueu a mão tentando pedir desculpas, mas tornou a vomitar. Encarei Hoseok quem encarava seus pés completamente sujos e apenas fiz uma breve careta, mas antes que pudesse me desculpar com o mesmo, por Sophie, percebi a presença de Jin do outro lado dela, ele segurava um guardanapo e então o segurou em sua testa de modo que segurasse seu rosto para que ela não caísse para frente.

Namjoon também ficou de pé indo até Hoseok quem parecia não saber muito o que fazer, mas logo entendeu quando Namjoon lhe estendeu papéis descartáveis, o emburrado e o amigo com quem conversava também se levantaram caminhando na direção de Jung, quem começava a limpar os sapatos com cara de nojo. Eu riria se fosse em qualquer outra situação, mas estava um pouco preocupada com Sophie, mesmo sabendo que ela estava “bem”.

Sophie ergueu o corpo puxando o ar para seus pulmões e Namjoon ergueu alguns guardanapos em minha direção, agradeci com um sorriso e então limpei a boca de Sophie quem fazia uma careta, provavelmente por causa do gosto amargo em sua boca. Sorri de lado a tranquilizando e ela então secou as lágrimas que escorriam devido a força que ela havia feito para vomitar. Se eu dissesse que não esperava que Sophie bebesse tanto a ponto de vomitar, estaria mentindo.

- Vem, vamos sentar. – Falei a puxando em direção ao sofá.

Ela resmungou algo que não compreendi e logo se sentou deitando a cabeça no encosto do mesmo. Sentei de um lado e Jin do outro enquanto a observava fitar o teto. Era preferível ela ficar “viajando” do que dormir. Pelo menos por enquanto. Suspirei olhando para frente enquanto Jin a perguntava se ela estava querendo algo, apenas observei o emburrado voltar da cozinha – que não havia percebido que o mesmo tinha saído até então – e parar a frente de Hoseok lhe erguendo uma das garrafas de água que carregava em mãos. Hoseok lhe agradeceu e ele então veio em nossa direção com a mesma cara de costume. Encarei sua mão assim que ele ergueu a garrafa de água o que fez com que ele balançasse a mesma, visivelmente impaciente.

- Para ela. Ela vai precisar.

- Obrigada. – Agradeci segurando a garrafa.

Ele esboçou um pequeno sorriso e voltou para perto de Hoseok passando em volta da poça de vômito líquida que Sophie havia criado. Entreguei a garrafa para Sophie e a auxiliei a bochechar, cuspindo em um dos copos que ali estavam parados, mas, no instante em que ela o fez, novamente, ela curvou o corpo para frente vomitando um pouco mais. Assim que ergueu o rosto, ela tornou a deitá-lo no encosto e Mary veio até nós passando o guardanapo no rosto de Sophie, de modo que secasse o suor e as lágrimas.

- Eu te amo Holly. – Sophie resmungou deitando o rosto em meu ombro.

A empurrei de modo que ela ficasse ereta e, consequentemente, acordada. – Ei, não dorme.

- Apesar de estar barulhento, aqui parece um excelente lugar pra dormir.

- Sophie, não dorme. – Disse dando tapas leves em seu rosto.

- Não vou. – Ela berrou de olhos fechados e então se jogou no colo de Jin.

Ele a segurou de modo que ela não deitasse. – Não é bom dormir agora, Sophie. – Ele explicava. – Se você fechar os olhos só acorda depois de um longo tempo. E pior.

- Não me importo. – Ela então ficou de pé. – Hobi!

Fiquei em pé logo em seguida a segurando. – Fica quietinha aqui.

- Desculpa Hoseok! Eu sinto muito! – Ela pedia com a voz embargada tanto de álcool quanto de arrependimento por ter vomitado nele.

Hoseok apenas sorriu berrando que estava tudo bem enquanto fazia um “ok” com a mão.

- Por que eu tinha que vomitar logo nos pés do único cara que eu beijaria essa noite? – Sophie questionou alto o suficiente para que Jin e Mary a escutassem.

Olhei para Jin quem segurou o riso e fez de conta que sequer a olhava ou prestava atenção em seu lamento, mas eu sabia que ele estava escutando.

- Por que Hoseok? Por que não aquele emburrado? – Ela se virou para trás apontando na direção de Yoongi.

Puxei sua mão no instante em que ele a fitou, forcei um sorriso e então virei Sophie na minha direção a repreendendo, mesmo sabendo que de nada adiantaria.

- Vem, vamos para o quarto. – Falei segurando em sua cintura.

- Vamos… Tô com sono.

- Mary? – A fitei – Me ajuda?

- Claro. – Ela concordou e então encarou Wonwoo quem permanecia sentado observando tudo o seu redor. – Me liga, ok?

Ele apenas balançou a cabeça positivamente e caminhamos com Sophie para longe das poças. Agradeci a cada um deles e me despedi até mesmo dos que não sabiam o nome, pedi desculpas a Hoseok e então forçamos Sophie a parar de pedir desculpas para Hoseok a puxando com força dali. Hoseok, apesar da cara de nojo, estava sendo simpático diante de Sophie, o que, provavelmente, a deixaria mais tranquila quando ela estivesse sóbria o suficiente para entender o que tinha acontecido.

Mary e eu a carregávamos para fora da festa enquanto atraímos os olhares de curiosos, mas não nos importamos. Sophie era surpreendentemente pesada, e amolecendo o corpo tudo ficava ainda pior. Quem diria que alguém tão magra pudesse pesar tanto. Paramos logo nos degraus da entrada para respirarmos e sacudirmos Sophie de modo que ela não dormisse. Enquanto discutíamos modos de levá-la sem pesar tanto, a porta se abriu fazendo com que a música animada não ficasse mais tão abafada. Encaramos Jung Hoseok, com um casaco em mãos, e um pequeno sorriso nos lábios. Ele passou por nós e parou no primeiro degrau colocando um dos joelhos no chão.

- Ya, vamos Sophie.

Mary e eu nos entreolhamos.

- Me desculpa, Hopi! – Ela pedia visivelmente dramática. – Eu sou a pior pessoa do mundo.

Ele riu. – Sobe nas minhas costas que vou ouvindo tudo o que tem a falar.

- Tá pão. – Ela riu de si mesma. – Bom. Eu quis dizer bom.

Segurei o riso desviando o olhar de Sophie e me virei quando percebi que ela se jogava para frente de modo que subisse nas costas de Hoseok. Mary e eu a ajudamos de modo que não ficasse desconfortável para ele, mas Hobi parecia numa boa. Ele entregou seu casaco para Mary e então sugeriu que colocássemos em Sophie para aquecê-la de modo que a mesma não pegasse uma gripe. Mary logo o fez e então Sophie deitou seu rosto nas costas de Hoseok.

- Não dorme, ok? – Hoseok virou seu rosto para trás.

- Tudo bem. – Ela disse de olhos fechados.

- Ya, estamos falando sério. – Mary a sacudiu. – Não dorme.

Sophie empurrou sua mão. – Já entendi!

Hoseok se colocou a andar na frente. O dormitório feminino e masculino era no mesmo prédio, porém em portas diferentes, então ele, automaticamente, sabia o caminho. Mary e eu o acompanhamos em silêncio, este que eu queria quebrar de qualquer maneira, mas apenas era quebrado por Hoseok quem sacudia Sophie em suas costas. Ele parecia, acima de tudo cansado, mas muito mal o vi parar de dançar, então, era justificável.

Assim que viramos a esquina e avistamos a faculdade, Hoseok desfez o silêncio.

- Vocês estão todas no mesmo quarto?

- Sim. – Respondi.

- Vocês parecem bem próximas. – Ele sorriu adorável.

Balancei a cabeça positivamente, e Mary se pronunciou:

- Somos. Estava com medo das colegas de quarto que encontraria, mas tive sorte.

Hoseok virou-se na direção de Mary. – Também tive. Divido o quarto com Namjoon e Yoongi. Eles são realmente bons amigos.

Mary sorriu e percebi, de imediato, que foi um sorriso forçado e sabia que era por causa de Yoongi.

- É realmente bom quando encontramos pessoas boas.

- Sim. – Ela concordou balançando a cabeça. – Tipo você.

Hoseok abriu um enorme sorriso. – Oh, obrigado.  

Mary riu. – Você tá carregando a menina que vomitou nos seus sapatos.

Ele riu. – Era meu caminho de qualquer maneira.

- E você podia muito bem ter seguido seu caminho sem ajudar. – Mary disse tomando a frente no instante em que chegamos em frente a porta de vidro, ela a empurrou e segurou de modo que Hoseok e eu passássemos.

- Obrigado, mais uma vez. – Ele sorria completamente simpático.

- Não há de quê. – Mary sorriu indicando o caminho.

Sorri o fitando e então caminhamos pelo extenso corredor em direção ao nosso quarto que era o primeiro de intercambistas. Nem mesmo o quarto os nativos e não-nativos dividiam, era, realmente, muita coisa separada. Poucas eram as aulas que coreanos e intercambistas faziam juntos, por isso, normalmente, o contato era mais escasso. Mas não tinha o que reclamar, os nativos com que convivia, mesmo que apenas academicamente, eram simpáticos e ajudavam o suficiente quando havia necessidade.

Paramos a porta do quarto e então Hoseok chamou Sophie quem, de imediato, não respondeu. Suspirei checando sua respiração e percebi que ela estava apenas adormecida, em um sono profundo que faria com que ela tivesse uma bela de uma ressaca no dia seguinte. Mary bateu a porta após eu dizer que Naomi estava por ali e Hoseok ajeitou Sophie em suas costas.

- Obrigada, Hoseok. Pode deixar a Sophie sentadinha no chão que já vamos entrar. – Encarei Mary batendo a porta mais uma vez. – Assim que nossa amiga atender.

- Ela tem razão. Pode deixar a Sophie com a gente que agora damos conta.

Ele riu um pouco curvado para frente. – Ya, está tudo bem, ela não é pesada.

- Que educado. – Disse irônica.

Hoseok riu. – É sério! Experimentem carregar Yoongi ou Jimin pra vocês verem. Eles pesam mais que uma tonelada, tenho certeza!

Soltei uma risada anasalada e então me aproximei de Hoseok. – Você tem que ir. Se a supervisora do dormitório feminino acordar e te encontrar aqui, não importa o que fale, lhe trará problemas.

Mary concordou batendo a porta novamente. – Ela tem razão. Você deveria ir.

Hoseok nos encarou, ao mesmo tempo em que sabia que estávamos certas ele hesitava em nos deixar ali, mas, no fim ele pareceu concordar. O último menino que foi pego no dormitório das meninas foi suspenso por um semestre inteiro e ele estava apenas entregando alguns livros para a estudante de artes. De madrugada. Ok, talvez tenham sido imprudentes, mas ainda assim acho exagerado tudo isso.

Após um tempo Hoseok concordou e logo se abaixou de modo que segurássemos nos braços de Sophie, ela resmungou algo, porém, não acordou completamente, apenas resmungou algumas coisas indecifráveis e tornou a dormir pesadamente. Mary segurava de um lado e eu do outro enquanto quase nos curvávamos para frente tentando mantê-la de pé.

- Bom, vou indo então.

- Obrigada Hobi. – Mary agradeceu sorridente.

- E desculpa pelos sapatos. – Disse sorrindo de lado.

Ele olhou para os próprios pés. – Tá tudo bem. Tenho outros. – E riu simpático colocando as mãos nos bolsos da jaqueta.

- Obrigada mais uma vez. – Agradeci fazendo outra reverência.

- Vocês vão ficar bem? – Ele apontou para a porta.

- Vamos. Naomi demora um pouco a acordar. – Mary sorriu e então fez uma breve reverência. – Obrigada.

- Tudo bem. Tchau! – Ele acenou se virando para nós.

No exato instante em que Hoseok virou o corredor em direção a saída, bufamos soltando Sophie, com cuidado, deixando-a sentada e adormecida ao chão.

- Aish, ela é realmente pesada! – Mary resmungou sentando ao lado de Sophie.

- Céus, coitado do Hoseok. – Resmunguei encostando minhas costas na porta enquanto batia na mesma mais uma vez.

- Essa maluca não acorda?! – Mary perguntou me fitando.

Ri anasalado. – Ela deve ter caído no sono enquanto chorava.

- O que houve?

- Jungkook…

- E Jimin. – Mary completou.

- Exato. – Concordei encostando a cabeça na porta.

Ficamos um tempo em silêncio, realmente me perguntava se Naomi não abriria aquela porta.

- Holly, você prefere se arrepender de algo que fez ou algo que não fez?

Encarei Mary completamente confusa com a pergunta repentina.

Ela fechou os olhos suspirando. – Só responda.

Franzi a testa pensativa. – Não sei. Mas acho que prefiro me arrepender de algo que fiz. Porque, pelo menos, tive a chance de fazer e saber como é. – Dei de ombros esboçando um pequeno sorriso.

Ela apenas balançou a cabeça positivamente e então permanecemos em silêncio, ambas sentadas ao chão com Sophie adormecida ao nosso lado. Bati a porta mais uma vez, mas assim que ia chamar Naomi me surpreendi ao sentir os lábios de Mary nos meus. A princípio não soube o que fazer, porque não esperava que ela o fizesse, mas assim que a mesma se afastou me encarando com seus olhos castanhos, compreendi. Esbocei um pequeno sorriso, perguntando:

- Se arrependeu?

Ela riu balançando a cabeça negativamente. – Não.

- Ótimo. – A fitava. – Mas “selinho” não conta como beijo.

Mary me fitou com as sobrancelhas erguidas e então riu. – Você está querendo mais, senhorita Hayes?

Aproximei meu rosto do seu. – Por que não?

Mary sorriu e então selou nossos lábios mais uma vez, iniciamos um beijo calmo e tranquilo, porém muito bom. Se alguém me dissesse que beijaria uma das minhas colegas de quarto enquanto a outra estava desmaiada ao nosso lado eu me julgaria maluca, mas não parecia, nem um pouco, uma má ideia. Segurei em seu rosto enquanto ela subia uma de suas mãos para meu ombro e, antes mesmo que me desse conta, Mary se ajeitava em cima de mim, sentada no meu colo com uma perna de cada lado de meu corpo. Segurei em sua cintura a apertando de leve e a senti morder meu lábio parando o beijo por alguns poucos segundos, tornei a beijá-la sentindo o gosto de cerveja que sua língua possuía e então que quebramos o beijo ao escutarmos algo oco no chão. Olhamos diretamente para o lado e vimos Sophie, que antes estava sentada, agora caída. Fiz uma careta e Mary me fitou:

- A cabeça dela vai doer mais que o normal.

- Ainda bem que Naomi tem um estoque de remédios.

Mary riu e então tornamos a aproximar nossos rostos, porém, no instante em que íamos nos beijar, novamente, senti meu corpo cair para trás devido a porta que, enfim, fora aberta. Encarei Naomi de cabeça para baixo e mesmo assim sua cara confusa e surpresa era perceptível.

- Eu abro a porta e vejo você, Mary, no colo da Holly, Sophie desacordada… Que porra aconteceu? – Naomi disse após um tempo analisando a situação.

Mary saiu de meu colo ficando de pé e então me levantou soltando uma risadinha, dizendo:

- Há coisas que não precisam de explicação. Mas prometo te contar tudo depois de carregar Sophie pra dentro.

- Certo. – Balancei a cabeça estalando os dedos. – Vamos carregar a bêbada para o dormitório. 


Notas Finais


Sim, a Holly e a Mary são bissexuais, amém.
Jeon Wonwoo é membro do Seventeen e Lee Jooheon do Monsta X. O amiguinho conversando com Yoongi é o Yoo Kihyun do Monsta X e quem o Hoseok puxa na pista é o Lee Taemin, do Shinee. Eles provavelmente aparecerão de novo com os nomes :)
Hyejin, Yongsun, Wheein e Moonbyul são do Mamamoo, respectivamente conhecidas como Hwasa, Solar, Wheein e Moonbyul (stages names).
Byun Baekhyun e Park Chanyeol são do grupo EXO.
Liam, Yangmi e Yon são personagens originais.
*maekju: é a cerveja coreana.
**soju: é uma bebida fermentada e destilada feita, originalmente, a partir de grãos, tais quais arroz, trigo e cevada. Como é feito por meio de destilação, a bebida tem um elevado teor de álcool, podendo variar entre 16.7% a 45%.
Agora me digam, com quem vocês shippam quem nessa história? LHADFHDFHLK
Beijos nenes!
Ah, vocês já leram essa divindade chamada "Sound Of Your Heart"? Se não leram, vão ler!
> https://spiritfanfics.com/historia/sound-of-your-heart-8868260
Beijos, e até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...