História Curse Mark - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Noragami
Personagens Bishamonten, Daikoku, Iki Hiyori, Kazuma, Kofuku, Kugaha, Kuraha, Mayu, Nora, Personagens Originais, Rabou, Tenjin, Yato, Yukine
Tags Noragami
Exibições 33
Palavras 1.473
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Surpresaaaaaaaaaaa!!!

Já que o último capítulo foi atrasado e nem foi lá essas coisas, decide adiantar esse. Então sem mais delongas...

BOA LEITURA!!!!

Capítulo 7 - RABO!!


Fanfic / Fanfiction Curse Mark - Capítulo 7 - RABO!!

-Como assim? Eles te convidavam? Por que? Quando? Vocês conversaram sobre o que? - Yato começou a ser interrogado assim que contou a Hiyori sobre o convite de seus pais.

-Calma! Hoje eles me chamaram para agradecer pelo meu ato de heroísmo! -disse o moreno estufando o peito.

-Você ficou recusando esse encontro por duas semanas, por que está se achando agora. -pergunta Daikoku o fitando.

-É mesmo Yato, o que você está aprontando? -agora é a vez do loiro interroga-lo.

-Nada de mais. -responde dando de ombros. - Só quero descobrir um pouco mais sobre a família Iki, para completar o pedido da Hiyori.

-Sério?!- gritou a menina animada. -Até que fim você vai começar a realizar meu pedido!

-Você realmente está preparada para o que for que seja!?-diz Yato chegando para mais perto da garota.- E se for uma tragédia para sua família? Você realmente quer saber? -ao fazer essas perguntas os olhos de Yato vai ficando cada vez mais na cor do puro safira.

-Eu vou aguentar, mesmo sendo a pior coisa do mundo eu vou aguentar. -diz a morena ficando de costa para Yato. -Pois eu quero saber o que impede a felicidade do meu pai e porque a possível culpa é da nossa família. -completou a menina decidida.

-Hiyorinnnnn, você é um exemplo de filha!! -gritou Kofuku pulando em cima dela (novidade a rosada pular em alguém).

-Me pergunto se eu conseguiria te falar o motivo se soubesse que te machucaria! -sussurrou o moreno.

-O que você disse Yato? -pergunta a garota que não escutou.

-Nada. -suspira. -Absolutamente nada!

                    <><><><><>

*Quebra de Tempo*

Depois de ensinar algumas coisas ao Yukine,  Hiyori resolve ir embora já que dali à algumas horas seria o jantar de agradecimento para Yato.

-Até mais tarde Yukine-kun! -se despedia a garota acenando paro o loiro que estava na frente do bar de Kofuku.

-Tchau! -acenou de volta.

Yukine esperou até Hiyori sumir em meio as ruas lotadas do Centro para poder voltar para o bar mas sem querer faz uma pequena comparação em sua mente ao ver que o Cassino Ebisu estava cheio(como sempre) e o bar da Kofuku estava sem uma alma penada que fosse.

-Ela é realmente azarada!! -era a única coisa que se podia imaginar, já que o bar tinha as melhores bebidas no mercado e um espaço realmente aconchegante.

-Não é!? -Yukine toma um susto quando derrepente o moreno aparece ao seu lado. -O bom é que sobra mais bebidas para nós. -disse dando de ombros e saindo do bar.

-Você não tem geito!- suspira. -Ta indo para onde em?

-Só vou dar uma volta, antes do horário para o jantar na casa da Hiyori.

-Ok... -disse o loiro entrando no bar.

                          <><><><><>

Depois que falou com Yukine, Yato voltou a dirigir seu foco e seus pensamentos a outra coisa. O que vem te tirando a concentração,  o sono nas últimas duas semanas, mas se contar de verdade foi desde do dia que ele a salvou. Sim a coisa, ou melhor a pessoa que vem causando tudo isso era Iki Hiyori,  a garota de sorriso cativante e fã de artes marciais.

-Drogaaaaa, por que ela não sai da minha mente!? -dizia o garoto mentalmente. -Não é que eu goste dela, esses sentimentos são diferentes do que eu tinha pela Sakura. -suspira. -To perdidinho, mas quando eu resolver o caso dela vou me afastar se não vou enlouquecer. -disse decidido.

Realmente não era como se ele a amasse, era só que seu corpo reagisse incondicionalmente se ela estivesse em perigo. Como na vez que ele a salvou, quando ouviu que ela tinha desaparecido seu corpo se moveu sozinho para salvá-la, mesmo sem saber onde ela estava aquele sentimento (de ter que acha-la), fez que ele a encontrasse.

-O que eu faço Sakura. -dizia em voz alta, agora dentro de um templo.

Era o mesmo que ele tinha visto a garota pela, primeira vez. Mas esse não era o propósito dele ali. Ele tinha ido lá para meio que pedisse ajuda da Sakura. Então atendeu um incenso e começou a rezar/orar (não sei qual é o certo).

-Você não era tão sensível assim Yatogami? -dizia um homem colocando uma katana no pescoço do rapaz. -Ou melhor traidor.

-Traidor!? -Yato então começa a abrir os olhos lentamente. -O que faz por aqui Rabo?

-Um servicinho. -disse dando de ombros. -Eu deveria aproveitar essa chance e te matar agora. Mas não teria graça lutar com você assim. -recolhe a espada para dentro da bainha.

-Assim como? -pergunta Yato se levantando.

-Você está sem nenhum instinto assassino, ou até mesmo percepção, já que nem me percebeu aqui até eu me anunciar.

-Devo ter perdido meu instinto e percepção para a rodada de bebida de ontem. -respondeu sarcástico.

-Minha vontade era te arrasta de volta agora. -disse o homem se virando para saída.

-E por que não faz isso?

-Porque tenho a sensação que vamos nos encontrar de novo em breve. -disse dando uma risada louco e entrando num carro.

Ao ouvir aquela última frase Yato teve um pressentimento ruim e foi correndo para casa (casa de Kofuku na verdade), com medo de ter acontecido alguma coisa com alguém de lá.

Não demorou muito tempo e ele já se encontrava na frente do bar.

-Yukineeeeee! -gritou invadindo o bar correndo. Mas quando deu uma boa olhada lá dentro, percebeu que Kofuku e Yukine estavam sentados no balcão conversando enquanto Daikoku estava num outro canto lendo, é lógico que depois do grito todos direcionadas a atenção ao moreno.

-O que aconteceu Yatinho? -pergunta Kofuku preocupada, pois o rosto de Yato estava um pouco em pânico.

-Eee, aaahh. -balbuciou. -O Rabo não esteve aqui?

-Rabo?! Quem é esse?- pergunta Yukine.

-Esse cara está aqui?- Daikoku fala em fúria arremessando o livro de Shakespeare em sua mão para longe. -Para que Yato? -agora o grandalhão chega perto do garoto e agarra o cachecol (aquele pano rasgado que Yato insistia em chamar de cachecol), esperando uma resposta dele.

-Ele disse que ta num trabalho! -disse com um pouco de dificuldade pela falta de ar. -Agora me solta.

-Desculpe! -Daikoku percebeu que tinha perdido a razão por um momento, então tratou de voltar a si rapidamente.

-Vamos tomar providências. Não precisa se preocupar Yato, tenho certeza de que ele não aparecerá aqui. -dizia Kofuku com um tom mais sério.

-E se aparecer o rebento! -gritou Daikoku voltando a ler, mas nem sabia se ia conseguir se concentrar mais.

-O que esse cara fez? -perguntou Yukine sem saber porque de tanta fúria.

-A única coisa que você precisa saber é que ele não é bem vindo aqui! -agora o olhar de Kofuku era pura raiva. -É melhor vocês se arrumarem ou vão se atrasar para o jantar na casa de Hiyori.

-Sim... -os dois responderam juntos, sentindo a tensão na voz dela.

Então os dois começaram a se aprontar.

                    <><><><><>

Desde que Hiyori chegou em casa, -já faz um pouco mais de uma hora. - ela tenta escolher uma roupa adequada para a ocasião. Mas finalmente chegou a uma conclusão, um vestido negro um pouco acima do joelho Rodado Em Renda Com Mangas Longas e uma sapatilha confortável de mesma cor, que ficava perfeito nela, dizendo no pé da letra a deixava mais sexy.

Após isso a garota tomou um banho rapidinho, se arrumou correndo e desceu para a sala de jantar indo de encontro com sua mãe.

-Lindaa! -exclamou a mais velha.

-Você também está linda mãe! -disse a abraçando. -Mudando de assunto, quem é o dono desse aroma maravilhoso! -dizia capturando o cheiro no ar.

-É um bufe que contratei. Maravilhoso não!?-dizia o pai dela descendo as escadas.

-Sim! Agora só falta eles chegarem.- ao completar a frase a casa é preencgida pelo ressoar da campainha.

"Ding Dongg"

-Eu atendo! -disse Hiyori se derigindo para a porta.

-Kami-sama!! -exclamou o ruivo. -Esse deve ser o anjo que me levará para o céu!?-disse com tom de malícia.

-Você não! Vim buscar essa fofura ao seu lado. -retruca a menina puxando ambos os garotos para dentro da casa.

-Bem vindos!! -anunciou os pais dela juntos.

-É um prazer reve-los. -disse Yato num tom mais sério.

-Quem é esse? -sussurra a garota para Yukine.

-Também não sei. -respondeu o loiro abismado.

Todos se dirigiram a mesa de jantar com um ambiente leve e descontraído, parecia que o resto do jantar seria assim. Mas tudo mudou quando o pai de Hiyori pediu para entrar o jantan.

-Sim, sim estamos indo. -uma voz conhecida por quase todos  ali respondeu causando terror para que reconheceu a voz. -Aqui está o prato principal! -então o homem adrentou o local com a bandeja em cima de um carrinho e a colocou em cima da mesa. -O nosse prato é vírus ayakashi a milanesa. -completou com requinte de loucura.


Notas Finais


Até mais... a e juro que reviseiiii se tiver algo errado culpe o celular, pois escrevo por ele...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...