História Cuts - Taegi - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Deathfic, Fanfic, Oneshot, Suga, Taegi, Taehyung, Yoongi
Exibições 101
Palavras 2.398
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OOOI GENTEEE
Voltei com mais uma DeathFic (gosto de ver vcs sofrendo kk) TaeGi!!!!
Gente, tá muuuuuuito incrível isso sério nossa nossa nossa nOSSA
Eu fiz com todo amor ela e pa :3

BEUJOS E BOA LEITURAS!!! :D
não vai ter capa do capítulo :<

(Aviso: Não tem Hot)

Capítulo 1 - Capítulo Único.


~POV Taehyung ON~

                Ser adulto é um saco, embora todos digam que eu estou feliz e disposto, eu estou muito, mas muito cansado mesmo. E as crianças ainda reclamam da escola, nem sabem o que é um trabalho.

                Eu namoro com um cara incrível, que todos julgam ser frio ou idiota demais, mas isso é só porque eles não sabem a real pessoa que ele é. Ele é muito fofo quando pode e sempre está me fazendo sorrir, ele me faz feliz. Esse cara se chama Min Yoongi, ou como eu chamo, Yooni, Amor, Docinho, Suga, Açúcar, Lindo, Vida, Coração, Papelzinho, Anjo. Eu sei. Bem meloso né, pois é... Adoro esse tipo de coisa!

                O único motivo para mim não ser feliz o tempo todo, é justamente o Yooni. Não por culpa dele, claro, mas por suas atitudes, o que ele faz me machuca muito, e eu já tentei de tudo mas, ele continua cismando com essas coisas.

                O Suga tem uma doença muito grave, que muitos a julgam dizendo que ela simplesmente não existe, que é uma invenção da cabeça dos preguiçosos, ridículos. Suga tem depressão, ele faz coisas que eu não gostaria que ele fizesse, ele se automutila, cara... Isso me machuca muito...

                Tudo isso ele faz por conta de pessoas idiotas que não sabem que devem pensar antes de fazer ou falar alguma coisa. Tudo o que ele passou também, foi muito difícil, e acho que se eu passasse por tudo o que ele passou e anda passando, eu também ficaria depressivo.

                Quando ele era criança, ele sofreu muito, pois sua mãe usava drogas e seu pai era alcoólico, a única pessoa que ele tinha para confiar era seu irmão.
                Quando ficou adolescente e se assumiu gay, seus pais lhe bateram muito e lhe expulsaram de casa.

                A mãe dele foi caçada pois estava devendo muito dinheiro em relação ás drogas, e a mataram. Depois disso, ele voltou para casa, o que foi horrível. Seu pai continuara alcoólico, abusava sexualmente de seu irmão e agredia Yoongi sempre que podia.
                Num dia, seu pai pegou uma faca e matou o seu querido irmão, e então Suga fugiu, passando a viver sofridamente trabalhando e pagando uma pequena residência no bairro da cidade.

Até que eu encontrei ele, começamos a conversar e, rolou. Eu fui de extrema ajuda para ele, já que eu tinha casa e trabalho fixos. O único problema é que ele continuara com depressão, e isso me incomodava, ainda me incomoda.

                Minha mãe lidou muito fácil com a minha homossexualidade, o que foi ótimo, porque ela conseguiu acolher o Yooni também e fazê-lo parte da família.

                Eu trabalho todos os dias, das 7 da manhã até as 5 da noite. Ele trabalha das 7 da manhã até a hora do almoço. Então quando eu chego em casa, ele já está estabilizado em seu estado “normal”... Ele está sempre chorando com sangue escorrendo de seus pulsos. Se eu falar que ele já gastou mais de 10 mil wons com lâminas, vão achar que é mentira. Eu sempre jogo fora, sempre escondo facas e objetos afiados nos lugares mais altos da casa (até porque eu sou mais alto que ele), mas ele sempre dá um jeito de se cortar, infelizmente.

                Já levei ele a psicólogos, psiquiatras, médicos, hipnólogos, e tudo o que se possa imaginar. Nada. Simplesmente não muda nada. Ele continua a mesma coisa. Isso me estressa e me preocupa muito, eu estou quase largando meu emprego pra poder cuidar dele, pois os cortes estão muito fundos e, eu não quero que nada de pior aconteça.

                E se você está pensando: “nossa, como a vida deles é triste e deprimente, não acontece nada de bom e divertido”, está enganado, a gente fica feliz sim, mesmo que por um curto período.

                Sempre depois de limpar o sangue e consolá-lo, vamos tomar banho juntos, ás vezes transamos, ás vezes não; é bem variado. Depois do banho, nós nos vestimos e vamos para a sala, eu vou para a cozinha e ele me segue, ficamos conversando sobre assuntos e cantando músicas aleatórias, é incrível a forma que ele se solta quando está comigo.

                Faço o jantar e comemos na sala, assistindo alguma comédia e rindo muito. Levo os pratos na pia, ele lava e eu seco, nos aconchegamos no sofá até que ele dorme, levo ele pra cama e me deito também.

                Isso quando a gente não assiste um programa qualquer e começamos com mão bobas, até que nos beijamos e transamos. Dormimos na sala e acordamos quase atrasados para o trabalho. É realmente muito divertido se atrasar com ele.

 

--o--

 

- Bom dia TaeTae. – Ouço a voz de Min Yoongi e abro os olhos devagar, ao me deparar com seu lindo rosto próximo ao meu, deixo escapar um longo sorriso, o que faz ele sorrir também.

- Bom dia Docinho. – Digo para ele, dando-lhe um beijo no topo de seu nariz, o fazendo sorrir mais do que antes.

- É sábado não é? – Ele pergunta, coçando os olhos.

- Sim, hoje teremos o dia todo só para nós. – Eu tinha vários planos, pedir pizza, ir à casa dos meus pais, sei lá, sair da rotina. Paro de pensar no que iriamos fazer hoje e olho diretamente para seus olhos negros, lindos, pequenininhos por conta do sorriso. Sorrio involuntariamente e o abraço com muita força.

- EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AM...

- Calma... – Diz ele rindo do meu ato histérico de gritar aquela frase que pertencia somente a ele. Soltamos gargalhadas e nos levantamos da cama.

- Vai você no banheiro primeiro. – Falo para ele, já caminhando em direção à cozinha.

- O.K! – Diz ele, gritando do banheiro. Solto uma risadinha leve e me coloco em frente aos armários, para pegar os ingredientes e fazer panquecas, o Yoongi adora panquecas.

                Pego os ovos, o leite, a farinha e o resto dos ingredientes e faço rapidamente a massa, ouço passos vindo em minha direção e sinto braços rodearem minha cintura.

- Panquecas! Vc fez pra mim né seu lindo. – Ele realmente era muito meloso comigo, uma coisa de se estranhar quando você não é muito íntimo de Min Yoongi.

- Eu vou comer também, né safado. – Eu falo e nós rimos muito.

- Vai lá se lavar enquanto eu termino aqui.

- Só não põe fogo na cozinha!

- Eu cozinho melhor que você!

- Mentira sua! – Caminho até o banheiro e ouço risos vindos dele, não entendi muito bem o porque.

                Ao chegar no banheiro, vejo uma lâmina com sangue. Ah Yooni... Não...
Vou andando com um – tom – de preocupação e quando chego na cozinha, vejo a seguinte cena.

                A massa estava escorrendo por todo o fogão e por toda a roupa dele, comecei a rir instantaneamente enquanto o Yoongi tentava se limpar com o pano rindo de seu próprio azar.

- Pelo menos não colocou fogo! – Falei em meio as risadas.

- Cala a boca! – Ele fala irritado mas com um sorriso no rosto e me joga o pano, acertando no meu cabelo, meu pobre cabelinho.

- EU LAVEI ONTEM! – Eu disse, rindo mais ainda.

- Foda-se! – Ele fala enquanto corre até minha direção e pula em mim. Cara, adoro quando ele faz isso.

                Pego ele no colo e levo até o banheiro, coloco ele sentado na enorme pia e me ataco a rir.

- Viu o que você faz! – Fala enquanto me dá tapinhas fracos e ri.

- EU? Vo... Você... Você que não sabe cozinhar! – Eu digo em meio as risadas e ele faz uma falsa cara de indignação.

- RETIRE O QUE VOCÊ DISSE AGORA! – Grita.

- NÃO!

- RETIRE AGORA KIM TAEHYUNG NELSON DA SILVA!

- ESSE NEM É MEU NOME! – Retruco.

- VAI SE FUDER!

- ATÁ! SIM! – Digo irônico e começo a fazer cócegas no mesmo que já estava sem ar de tanto rir.

- PARA COM ISSO VIAD... AI MEU BRAÇO! – Ele muda rapidamente sua expressão de riso para uma de dor e levanta a manga da camisa, revelando os profundos cortes que ele havia feito pouco tempo antes, ainda estavam sangrando.

- Aigo Yooni... – O encaro com um tom de tristeza e preocupação, seguro suas mãos e logo junto nossos corpos num abraço apertado e aconchegante. Ambos já estávamos chorando.

- D-desculpa Tae... Desculpa mesmo. – Fala choroso enquanto molha minha camiseta com suas lágrimas.

- Não é culpa sua Yooni, não mesmo. – Digo com dificuldade pois eu também estava chorando, o abraço mais forte ainda e o deixo chorar por quanto tempo precisasse.

                Ele estava chorando muito, seus soluços ecoavam dentro do cômodo, eu também estava chorando, mas em silêncio.
                Não demorou tanto tempo para que ele se acalmasse, então me desfiz do abraço e segurei seu rosto com as mãos enquanto dava um sorriso reconfortante.

- Eu te amo meu pequeno, saiba disso, o.k? – Dou-lhe vários beijos por todo o seu rosto sentindo o gosto salgado das suas lágrimas.

- Também te amo criança. – Diz enquanto sorri em reação ao meu ato.

                Sinceramente, prefiro mil vezes ele sorrindo do que chorando.

 

--o--

 

                Foi bem calmo hoje, fomos ao parque e tomamos sorvete, depois fomos ao cinema e escolhemos um filme qualquer, que não gostamos muito então saímos da sala do cinema e resolvemos dar uma caminhada na cidade; já era noite.

- Por mais que aquele filme tenha sido ruim, eu gostei do dia de hoje. Obrigado amor. – Ele ri enquanto me abraça de lado.

- Também te amo meu bonequinho de porcelana. – Digo, bagunçando seus cabelos, rindo logo em seguida.

- Oxi, novo apelido? – Pergunta em tom de deboche.

- Talvez. – Respondo em meio a risos.

                Fomos para casa pois já estava tarde, e como estávamos muito cansados, tomamos um banho juntos, e depois fomos dormir.

 

--o--

 

                Acordei umas 4 da madrugada não sentindo o leve peso de Min Yoongi ao meu lado. Imaginei que estivera no banheiro, fazendo... algo... Mas não estava, não estava em lugar nenhum da casa, até que encontro a porta destrancada.

                Me desesperei e sai correndo pra fora de casa gritando o nome do mesmo.
Pego o celular e ligo desesperadamente para ele, que dá na caixa postal.

               

                Cara... Isso não tá’ certo...

 

                Acho que fiquei mais de 3 horas andando de pijama pela cidade só procurando por ele, pessoas me olhando feio, pessoas rindo da minha aparência, mas eu não me importava, eu só queria meu açúcar comigo, mas não; não achei.

                Até que eu penso na pessoa menos provável que possa saber dele e de quem eu tinha muito medo. O Pai dele.

 

--o--

 

                Fui até a casa do meu “querido” sogro e vejo uma cena que ninguém quer e nem muito menos merece ver.

                Yoongi estava deitado no chão, sangrando; chorando.

                Seu pai estava com uma lâmina cheia de sangue na mão e estava gritando coisas que nem mesmo ele entendia, acho que estava bêbado.

 

                O cenário imundo, fedorento, desorganizado e nojento realmente combinava com aquele velho babaca.

 

                O pai dele falou comigo, mas eu não entendi nada; eu corri em direção ao Yooni e o abracei com força.

- Yoongi, Yoongi você está vivo. – Eu estava horrível, eu estava chorando muito.

- Não. – Ele diz num tom sério e se vira para mim, me deixando ver.

                O pai dele havia cortado toda aquela pele branquinha, muito forte.
Eu não acreditei no que eu estava vendo, eu não acreditava que tudo aquilo estava acontecendo, até que Yoongi desmaia em meus braços.

- YOONI, NÃO! – Grito com todas as minhas forças enquanto o abraço forte e tento acordá-lo.
                O pai dele estava bêbado demais para falar de um modo que fizesse sentido.

- SEU IDIOTA! SEU MONSTRO! CARA, O QUE VOCÊ TEM NA CABEÇA? TENHO CERTEZA QUE A BEBIDA JÁ CORROEU TODO O SEU CÉREBRO DE POMBO! SEU IMUNDO! COMO TEM CORAGEM DE FAZER ISSO COM SEU PRÓPRIO FILHO?! – Grito em fúria.

- ELE NÃO É MEU FILHO! – Fala com dificuldade por conta das bebidas.

- CLARO QUE É! VOCÊ NÃO VÊ? EU GOSTARIA MUITO QUE NÃO FOSSE, POIS NINGUÉM MERECE UM PAI COMO VOCÊ.

                Não espero sua resposta e ligo para a ambulância e para a polícia.
Ambos chegam em torno de 25 minutos e ajudo os enfermeiros a por o Yooni na maca.

                Eu estava cansado, com sono, nervoso, com medo, com raiva, eu estava horrível. Mas eu estava lá, esperando por notícias do meu açúcar.
                Reparo num doutor vindo em passos lentos em minha direção com uma expressão triste no rosto. Já sei que boa coisa não é. Me levanto rapidamente.

- Você é Kim Taehyung, o namorado de Min Yoongi. Certo? – O doutor pergunta olhando fixamente em meus olhos.

- S-sim, como está ele? Está bem? – Falo em euforia.

- Bom. Ele perdeu muito sangue, e... Infelizmente... – Falha sua voz, as minhas lágrimas já não poderiam mais ser controladas e eu estava chorando silenciosamente.

- Infelizmente?

- Ele não resistiu e, veio a falecer. Sinto muito. – Nessa hora, meu mundo para. É como se uma parte de mim tivesse partido, como se eu não tivesse mais sentido para acordar as manhãs, como se eu não estivesse mais vivo.

                Saí pra fora do hospital e comecei a soluçar de choro, a única coisa “boa” agora era que o pai dele havia sido preso.

                Resolvi ir para casa, pois era a única coisa que eu poderia fazer por agora.

 

--o--

 

                Cheguei em casa e resolvi me matar internamente, vendo fotos e outras coisas do Yoongi, apenas para lembrar sabe...

                Estava procurando algumas coisas a mais, até que encontro um caderninho em baixo da cama, onde vejo coisas que não eu esperaria ver.

 

                --/--/----

Hoje, de novo, eu fui assediado pelo meu pai, eu realmente não aguento mais
Eu tô’ cansando, isso só me piora a cada madrugada.
Já tentei me matar mas, tentar fazer isso enquanto pensa em Kim Taehyung é meio difícil.
Ah, Kim Taehyung, como eu te amo.
Eu faria de tudo para que você não precisasse me aturar com essa minha depressão, até por que ninguém merece ter que cuidar de alguém com depressão, por que depressão é um saco.
Mas você, Taehyung, fazia eu esquecer dela, fazia eu me sentir uma pessoa normal novamente. Você, Kim Taehyung, me fazia feliz.
Eu te amo mais do que eu mesmo.
<3


Notas Finais


ENTÃAAO; o que acharam?
Cara, eu chorei escrevendo ela e eu achei daora :>

Me digam nos comentários se vcs acharam algum erro ou algo que não gostaram muito na história, ou dizer o que gostaram :D Também vale!

Agradeço desde já pelas leituras e pelos comentários!

Beijos e até a próxima fanfic :DDD


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...