História Da inocência à sedução - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Anjos, Demonios, Ódio, Paixão, Romance, Vampiros
Exibições 127
Palavras 1.129
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Super Power, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem ♡

Capítulo 2 - Além Do Manto


Fanfic / Fanfiction Da inocência à sedução - Capítulo 2 - Além Do Manto

Aquele homem, estava na minha janela e se aproximava de mim, meu coração acelereu.

 Fique onde está! Quem é você? E como sabe meu nome??? – Falei tremendo.

Ele se aproximou mais, como se não me ouvisse, tirou o manto, que cobria seu rosto, era um homem de cabelo escuro como a noite e olhos azuis como o mar, existia mais intensidade em seus traços do que em livros de romance, estranhamente bonito com um sorriso maligno, o vento passava por seu cabelo, e a luz do luar iluminava sua presença fazendo aquele momento fascinante ao meus olhos.

 Elizabeth, fique calma, não faça tantas perguntas – ele falou com calma, voz rouca, ele tirou o manto e colocou em cima de uma cadeira ao seu lado.

 O que você quer aqui? Eu vou gritar!

 Não, você não fará isso. – Ela falou com certeza na voz. 

– Você está enganado! – falei me afastando dele, balançando a cabeça negativa do o pensando dele. 

– Você quer ouvir o que eu tenho pra falar – ele começou a caminha pelo meu quarto, eu o observei atenta –  Sou John Stephen.. não se preocupe não quero machuca-la, vim para te fazer uma proposta. – Ele se aproximou com passos lentos, senti um frio na barriga.

 Uma proposta, é isso? – Falei tentando distraí - lo enquanto  pegava um copo em cima da minha cômoda. – Fique longe. – Minha respiração oscilava, fazendo transparecer meu medo, aquele homem me dava arrepios, e então sem pensar muito tentei acertar o copo nele, mas nem cheguei perto, ele usou algo tipo de magia que fez o copo ser jogado ao outro lado do quarto e cai em pedaços no chão.

 Elizabeth, você não quer fazer isso, não tenha medo, quero que seja como eu, essa é minha proposta.

 Como você? E o que você é? – Falei com indignação.

 Um demônio, você é incrivelmente linda, vejo a inocência nos seus olhos, isso é exatamente do que precisamos.

– O QUE ?? ESTÁ LOUCO, SAIA DAQUI OU VOU GRITAR, SE VOCÊ NÃO SAIR VOU SER OBRIGADO A USAR MEUS PODERES DE ANJO!

 Eu sei que você não quer viver o resto da vida aqui, tudo bem não responda agora, eu estarei lá quando se decidir.

Ele sumiu junto do vento, eu  deslisei até na parede até o chão. Aquele homem, aquela proposta, não saia da minha mente, talvez estivesse louca de pensa tanto, eu fiquei mas perdida ainda nos meus pensamentos.

Em uma terça pela manhã eu estava no jardim com as crianças do castelo, eu estava explicando sobre as flores, e ensinando os nomes delas, Mel colocou sua boneca no gramado e começou a olhar as flores comigo e as outras crianças.

– Esse é o girasol, vocês sabiam que ela sempre vira o caule se posicionando em direção ao sol.

Enquanto eu falava da flor, um coelho veio e pegou a boneca da Mel com os dentes e correu para floresta, Mel começou a chorar desesperada, eu ao tentar acalmar ela, e então me ofereci para ir buscar a boneca. 

– Fiquem aqui eu já volto. – falei limpando a lágrima que rolava no rosto de Mel.

Eu entrei na floresta olhei ao redor e comecei a caminhar e vi o coelho a poucos metros, eu corri até ele que estava com a boneca na boca, o coelho me fez correr durante alguns minutos, atravessei um pequeno rio e finalmente o coelho parou de corre, me aproximei e peguei a boneca da boca do coelho.

– Finalmente. – Falei sorrindo e fazendo carinho na cabeça do coelho.

– Finalmente mesmo você é lenta. 

Eu me virei e vi o homem que sempre aparecia pra mim sentado em uma pedra, eu arregalei os olhos e senti um frio na barriga, e corri do homem, então começou a chover sem nenhuma explicação, o frio me tomou e a floresta parecia não ter fim, eu não conseguia desviar dos galhos na minha frente então me batia em todos, eu terminei tropeçando quando fui atravessar o pequeno rio. Eu me levantei e o homem já estava na minha frente parado olhando para mim.

– Você tem que fazer sua escolha. – Ele falou e simplesmente sumiu.

Eu estava assustada e completamente molhada, quando um dos guardas da minha mãe apareceu.

– Finalmente eu te achei Elizabeth, sua mãe está preocupado. Venha comigo...

Eu caminhei de volta pro castelo com o guarda, devolvi a boneca da Mel, assim que minha mãe me viu veio correndo me abraçar.

– Oh céus, você está bem.. o que você estava fazendo na floresta Elizabeth? – Ela me olhou nos olhos enquanto esperava uma resposta.

– Eu fui buscar a boneca da Mel, que um coelho pegou. – Ela me soltou. – Agora eu quero ir pro meu quarto estou encharcada.

–Elizabeth eu espero que não faça isso de novo a floresta é perigosa. – Ela caminhou até a janela e olhou para fora. – Não estamos tão seguros quanto pensávamos, apenas quero que tome cuidado, agora pode ir para seu quarto.

– Eu vou tomar cuidado.

Eu subi as escadas para meu quarto e fui tomar um banho, vesti uma roupa seca e me deitei, eu realmente me sentia perdida. Mas com o passar das semanas, parei de encarar aquela proposta como algo assustador, e comecei a pensar como o destino. Sempre ficava no jardim esperando ver o tal John novamente, ficava as noites em claro olhando a janela do meu quarto, esperando aquele homem, mas ele não aparecia, parece que tinha sumido. (Preciso encontrar aquele homem).

Não desejava se alguém mal, apenas desejava a liberdade, estava completamente perdida nos meus pensamentos. As horas pareciam anos.

 Olha só a sonhadora... tão pensativa. – Falou Chris uma amiga, não a via a tempos, me virei surpresa e a dei um abraço.

– Que surpresa, estou tão feliz em te vê, estava morrendo de saudades. Por onde esteve?

– Elizabeth, eu sei, também te amo.. estiver em missões.

Ela sorriu... Nós passamos a tarde juntas, tentei decidir se deveria contar tudo aquilo a minha melhor amiga, mas parecia irreal, ele me contou diversas coisas desde pequenas a grandes, coisas que tinha feito na sua missão.

E ela me perguntou:

 Tem um discurso preparado pra manhã?

– Amanhã? O que terá amanhã?

 Parece que está realmente com a cabeça nas nuvens... – Ela sorriu 

 Sua apresentação ao povo de Movich, haha..

 Ah, c.. claro esqueci completamente.

Ficamos conversando até a chegada da noite, e Chris foi pra sua casa, me deixando novamente sozinha. Alguém abriu a porta do meu quarto.

 Elizabeth venha comer. – Ian.

 Estou sem fome, quero dormir. – falei sem dar muita importância.

 Tudo bem, se mudar de idéia estarei lá embaixo. 

Ele sorriu pra mim veio na minha direção e beijou minha testa, ele saiu, naquele momento decidi que deveria encontrar aquele homem. Eu precisava de respostas, precisava de certezas.

Dei uma volta pelo castelo, estava completamente quieto, parece que todas estavam dormindo, vi que era minha oportunidade..

 Agora ou nunca!


Notas Finais


Aceito sugestões ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...