História Da inocência pra putaria - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Quase Incesto
Visualizações 391
Palavras 1.093
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Escolar, Festa, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oiiii gente que saudades de vocês
Aí eu sei que devo explicações, a verdade é que eu tive um terrível bloqueio de criatividade :( ela afetou todas minhas fanfics. Mais agora ela voltou a mil e vcs vão gostar de saber que escrevi uns 4 cap de uma vez.

Muito obrigado aos favoritos, sério gente eu não sabia que uma fanfic minha poderia ser tão amada assim.
Leitores novos sejam bem vindos, fiquem a vontade pra comentar viu? Agora sem mais delongas o tão aclamado capítulo.

Capítulo 9 - A Orgia Mais Loka


Fanfic / Fanfiction Da inocência pra putaria - Capítulo 9 - A Orgia Mais Loka

Eu gemia loucamente, cada gemido era um tapa na minha bunda, o Deus eu não vou sentar tão cedo....

[...]

Eu havia gozado umas duas vezes e o loiro umas três, nós encontravamos cobertos de suor e os vidros do carro todos embaçados. Não demorou muito e ouvimos um bater na porta, o loiro me olhou assustado e as batidas continuaram.
- Quem será? - Ele pergunta sussurrando.
- Não faço ideia, tome cuidado pode ser um ladrão.
- Tomarei -  ele se veste e me dá as roupas pra me vestir também. Ele vai pra frente e abre a porta do passageiro.
- Opa no que posso ajudar seu guarda? - Ixe polícia, fudeu.
- Saia do veículo e sua amiga também.
- Cla...claro - o loiro me olha e saí do carro, arrumo minha roupa e abro a porta de trás saindo e dando de cara com o policial, não vou negar, que policial gatinho.
- Sabia que fazer sexo no carro em um estacionamento é estritamente proibido? - Ele me olha e depois olha o loiro.
- Eu fiz uma pergunta.
- Não senhor eu não sabia - o loiro fala e o policia vai até ele.
- Identidade e documento do veículo.
- Só um minuto - ele entra no carro e logo volta entregando o que o policial gatinho pediu. Depois de alguns minutos analisando ele finalmente fala.
- Senhor Ícaro Ramires, o senhor está preso, sua carteira de motorista parece que expirou e você tem muitas multas que não pagou. Woly leve ele pra delegacia - um outro policial saí da viatura que estava ali, ele era grande e moreno, me deixou ne uma tesão. O moreno algemou o Ícaro e o levou pra viatura, mais antes disse algo no ouvido do gatinho.
- Uma boa ideia, me espere um pouco.
- Sim senhor - e então o moreno foi pra viatura.
- Posso ver sua identidade senhorita...?
- Lilian...
- Posso?
- Não estou com ela no momento.
- Claro, sinto muito mais vou ter que leva lá, ao menos que... - ele me encara, sorrio de canto.
-  Um policial que gosta de transar com seus prisioneiros, essa nova.
- Venha pra uma festa comigo e você não verá nem o cheiro da prisão.
- É? E como vou saber que não ingana as mulheres pra estrupa-lás?
- Não sou desse tipo, juro.
- Não estou convencida.
- Sou policial, não minto.
- Qualquer coisa e eu ligo SOS.
- Como quiser, vamos o Woly vai nos deixar na festa.
- Certo... - entro na viatura junto ao policial gatinho e ele da partida.

O caminho foi um pouco longo e por todo o percurso os dois sempre encaravam minhas pernas e meus seios. A viatura para e eu e o gatinho descemos, ele me leva até o portão e antes de abrir ele me olha.
- Não se assuste tá? Ninguém vai te machucar.
- Tá né... - agente entra e ele me leva até onde tava a tal festa. 
Pelo que parecia era uma festa normal na piscina mais só parecia, pois pra mim tava mais como paraíso. Só tinha homem gostoso alguns de cueca e outros de sunga.
- Se divirta - o policial some na multidão e eu vou pra mesa de bebidas, obviamente como eu não tinha idade pra beber, não conhecia nenhuma daquelas bebidas.
- Nossa, o que uma menina tão linda faz tão sozinha? - Me assusto e olho pra trás vendo um belo moreno de olhos azuis.
- Eu não conheço ninguém aqui... - falo um pouco tímida.
- Oras isso não é problema, qual é o seu nome?
- Lilian...
- Prazer Lilian eu sou o Léo, vou te apresentar aos outros - o moreno me puxa pelo braço e me arrasta até uma galera que estava conversando na beira da piscina.
- Galera essa é a Lilian, ela não conhece ninguém aqui.
- Finalmente uma mulher! Achei que teria que fuder uns caras pra me divertir - disse um ruivo e o Léo ô repreendeu. 
- Stive! Se comporte cara o que a Lilian vai pensar de nois? Desculpe Lilian - ele me olha. - Nem todos são assim.
- Tudo bem.

O que aconteceu logo depois foi tudo muito rápido, pelo menos foi o que pareceu, em um momento estava dançando loucamente com os meninos e em outro momento me encontrava nua junto ao ruivo em um quarto da casa, ele fodia minha buceta com força, seu desespero era claro e meus gemidos altos.
- Sua gostosa do caralho geme mais geme - ele me apertava contra a  parede.
- Ahha Stive não paraaa.
- Quem mandou falar alguma coisa?! - ele me da um tapa na cara, mais nesse momento Léo abre a porta de uma vez.
- Eu ouvi um ba... - ele fica paradão.
- Cara não sabe bater na porta?! - Stive me solta e se vira pro moreno.
- Seu ruivo desgraçado filho da mãe não acredito que teve coragem de fazer isso...
- Olha Léo foi ela que me chamou cara...
- Seu desgraçado custava ter me chamado?! 
- Ual por essa eu não esperava - diz o ruivo.
- Nem eu - falo.
- Aceita uma trepada a dois Lilian? - Léo me olha com um olhar malicioso.
- Com quantos quiser...

E essas três palavras foram minha passagem pro país das rolas, Léo me pegou pelo braço e me levou pra sala, lá tinha umas 6 pessoas, ele falou umas coisas sobre puta e sexo e em questão de minutos, já tinha filinha pra ganhar um boquete meu.
O policial gatinho tava naquele meio e foi o primeiro a fuder meu cuzinho depois os demais começaram a se revezar entre meu cu, minha buceta e minha boca. Devo adimitir aquela foi minha melhor experiência, ter todos aqueles paus pra mim foi tão gostoso.
Claro que uns eram bem insatisfatórios mais os outros, meu Deus.
Depois da nossa festinha o policial gatinho me levou pra casa, seu nome é Erick ele me deu um beijo de despedida junto ao seu telefone, ele disse que quando eu quise se repirir a dose era só ligar.
Dei o meu pra ele também e lhe dei mais um beijo antes de entrar em casa, ao chegar na porta e coloca a chave pra abrir vi que já estava aberta, o que era bem estranho. Abria a porta e entrei dando de cara com Davi.
- Onde esteve a tarde toda?


Notas Finais


Espero que vcs me perdoem pelo sumiço, sabe que amo todos vcs <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...