História Daddy? [Yoonmin] - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7, HyunA, INX
Personagens HyunA, Jackson, JB, Ji Nam, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bdsm, Jikook, Yaoi, Yoonmin
Exibições 879
Palavras 1.433
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ecchi, Lemon, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oieeeeee \0/

Não é capítulo, é um POV do Yoongi. Apenas decidi publicar pelos 80 favoritos ㅡ que agora são 83 ㅡ.

Eu não sei como agradecer, nunca imaginei que minha fic teria essa recepção com tão pouco. Obrigado mesmo, fujoshis. 💙

O QUE FALAR DO WINGS? E DE BLOOD SWET & TEARS? EU TÔ NO CHÃO. V É LÚCIFER? SOCORROO, AINDA TÔ DESMAIADO.

Enfim

Tenham uma boa leitura. E feliz dia das crianças. \0/

Capítulo 4 - Yoongi - Point of view


Fanfic / Fanfiction Daddy? [Yoonmin] - Capítulo 4 - Yoongi - Point of view

"Tenho um segredo que eu quero te mostrar

Tenho um segredo e vou te mostrar daqui do chão

Sem provocações, você já esperou tempo demais

Vai fundo, eu vou te dar o que você não consegue pegar

Não se segure, você sabe que eu gosto que use a força

Sei que você está me entendendo

Sei que você gosta disso."

 

 

 

Aqueles olhos incrédulos martelavam a minha mente. Sua voz única, sua mão doce, o seu corpo. Eu desejava muito ter aquele corpo para mim, desejava fazê-lo gritar e se contorcer nas minhas mãos. Gemer meu nome, clamar por mais.

 

Em poucos minutos de diálogo eu desejava foder ele em cima daquela mesa, como fiz com tantos outros.

 

Ele parecia querer me provocar, ou talvez o fez sem perceber. O jeito que mordia os lábios enquanto se controlava para não esbravejar meu nome aos quatro cantos da Terra.

 

Park Jimin me deixou sedento sem nem perceber, porém não podia ser processado novamente, não deixaria cair em tentação por mais um aproveitador. Eu queria acabar com ele no meu quarto, porém não poderia correr o risco do meu nome parar em todos os jornais da cidade: Grande empresário, dono da Min Enterprises é acusado de assédio em local de trabalho. Segundo vítima, ele não foi o único.

 

 

Precisava acabar com essa excitação que expremia meu pênis na calça. Eu precisa me aliviar em alguém. Precisava de alguém submisso, que desejasse sentir o estalar da chibata. Eu precisava tirar Park Jimim da minha cabeça. Ou isso seria minha perdição.

 

Lembro-me do garoto no baile de máscaras. Talvez ele esteja disposto a sentir o fervor de uma chibata tocando sua pele, novamente.

 

Busco pelo meu celular e disco de imediato os números.

 

ㅡ Babe? Preciso da sua ajuda.

 

ㅡ Oh, Yoongi. ㅡ sua voz gemeu do outro lado ㅡ Ou devo dizer daddy?

 

ㅡ Não me provoque se não irá me ajudar. ㅡ esbravejei ㅡ Venha aqui, preciso descontar em você a provocação que recebi hoje.

 

ㅡ Como desejar, daddy. ㅡ ele sussurrou antes de desligar

 

xxx

 

ㅡ Pensei que não fosse chegar nunca! ㅡ esbravejei abrindo a porta para que entrasse 

 

ㅡ A demora apenas aumentou sua excitação. Te conheço tão bem, Min Yoongi. ㅡ ele sussurrou beijando o canto da minha boca e apertando com a mão o meu pênis, já ereto dentro da calça

 

ㅡ Não, você não conhece! 

 

ㅡ O que te aflinge? ㅡ ele disse ao sentar-se sobre a poltrona no meio da sala

 

ㅡ Um novo funcionário. 

 

ㅡ Entendo. ㅡ ele revirou os olhos ㅡ Paixão platônica entre chefe e subordinado, tão clichê, tão falso.

 

ㅡ Não é paixão. ㅡ murmurei ㅡ Apenas desejo pelo corpo dele. Um desejo impossível de ser medido.

 

ㅡ Você quer que eu te ajude com essa excitação? ㅡ ele disse mordendo o lábio inferior, apenas assenti

 

Em passos lentos ele caminhou na minha direção, porém com mais rapidez, minhas mãos agarraram sua cintura o jogando no espaçoso sofá de couro. Beijando toda a região do seu pescoço e mordendo logo em seguida, pude ouvir gemidos e pedidos para que repetisse. 

 

Desabotoei lentamente sua camisa, revelando um tórax definido, digno para seu trabalho em um prostíbulo da alta sociedade. Tirei sua camisa e levei minha boca para um de seus mamilos, desenhando um formato circular com minha língua e logo em seguida o chupando, senti o pênis dele endurecer e se espremer dentro de sua calça.

 

O puxei para dentro do quarto da cor do sangue que é derramado ao cortar-se em uma faca, ou objeto semelhante. Sem cessar os beijos o levei ao grande "X" de madeira no fundo do quarto, o jogando contra o mesmo voltei a distribuir mordidas por todo a extensão do seu pescoço e clavícula.

 

Sua respiração ofegante dissipava o silêncio do quarto, então com as algemas presas ao grandioso "X", o prendi, ambos os braços, e ambas as pernas.

 

A impotência dele me excitava e fazia com que minha calça se tornasse um lugar desconfortável para um pênis latejando e clamando por um alguém.

 

ㅡ Você gosta assim, daddy? ㅡ ele disse de forma pervertida ㅡ Me espanque, daddy. Não me deixe esperando.

 

Caminhei pelo quarto até a grande mala no canto da cama. A abrindo tive a visão de diversos equipamentos e brinquedos para o meu prazer e o de quem estivesse comigo. Busquei pela venda da cor preta e fui até ele que mordia o lábio de excitação. Prendi a mesma sobre seus olhos o tornando impossibilitado de ver qualquer movimento que eu fizesse. 

 

Procurei em um dos bolsos da grandiosa mala, buscando por uma outra mala menor. Ao encontrá-la encarei os diversos plugs que ali se encontravam. Em diversas formas, tamanhos, cores. Uns vibravam, outros apenas estimulavam o corpo com seus formatos divergentes.

 

ㅡ Você está preparado, babe? ㅡ endaguei me posicionando atrás dele com um vibrador em mãos 

 

ㅡ Eu nasci preparado!

 

ㅡ Então me diga, babe! ㅡ rossei meu pênis sobre suas nádegas ㅡ Você tem sido um bom menino?

 

ㅡ Venho me comportando mal, daddy. ㅡ ele gemeu as palavras ㅡ Mereço ser castigado. Apanhar para aprender a lição. 

 

Mordi os lábios e posicionei o vibrador em sua entrada. Ao força-lo para dentro arranquei um gemido rouco de seus lábios, sedento por mais ele clamou para que não parasse.

 

Beijei a nuca dele, enquanto posicionava novamente o vibrador em sua entrada, dessa vez o enfiando sem parar. Seu gemido tomou o quarto, fazendo com que meu membro latejasse.

 

ㅡ Isso, daddy. ㅡ ele gemeu

 

ㅡ Você quer mais, babe? 

 

ㅡ Quero você. ㅡ ele sussurrou

 

ㅡ Me quer como? ㅡ beijei seu pescoço, fazendo movimentos de penetração com o vibrador 

 

ㅡ Dentro de mim, daddy!

 

ㅡ Quando?

 

ㅡ Agora. ㅡ ele disse gemendo 

 

Retirei o vibrador dele, o colocando sobre a grande cama. Busquei por um chicote de couro da cor preta e caminhei até ele, que se encontrava ainda impossibilitado.

 

Deslizando a parte desfiada sobre o seu corpo, observei o mesmo se contorcer e morder a boca lhe deixando branca.

 

ㅡ Você não tem sido um bom menino, babe. ㅡ falei enquanto passava o chicote por todo o seu corpo: barriga, coxa, pênis, costas, nádegas ㅡ Deve ser castigado.

 

ㅡ Sete chibatadas. ㅡ sussurrei em seu ouvido, mordendo-o logo depois 

 

ㅡ Eu não dou trégua, mas serei bondoso hoje! ㅡ falei roçando a cabeça do meu pênis em sua entrada ㅡ Caso não aguente, você precisa dizer uma única palavra. Uma única cor: Vermelho. Então eu paro.

 

Ele apenas assentiu, ainda mordendo o lábio. Ergui o chicote no alto e estalei ele contra suas costas, arrancando um gemido alto de seus lábios. Dois, outro gemido rouco. Três. Quatro. Cinco. Seis, seu gemido de dor e prazer unificados em um só me excitavam mais do que eu já estava. Sete.

 

Abri as algemas que prendiam suas mãos e desatei as cordas que prendiam seus pés. O trazendo para mim ainda vendado, o beijei de uma forma fervorosa. O levando rumo a cama e arrancando sua venda, voltei a beijá-lo. Ele queria, eu queria. Estávamos com nossos desejos e vontades unificados, queríamos a mesma coisa.

 

Ele desejava ser dominado, eu desejava dominar. Ele desejava a dor, e eu queria causá-la. Dizem que nós somos loucos, porventura apenas temos desejos e fetiches peculiares. Gostamos do proibido, do tabu, do julgado. Queremos realizar o que os outros temem, porém sempre fica um vazio. Talvez falte alguém. Alguém que eu realmente não queira machucar.

 

Me posicionando entre suas pernas e erguendo as mesmas no ar, penetro meu pênis em sua entrada lentamente, ouvindo uns murmúrios de prazer saindo de seus lábios.

 

Encaro seus cabelos ardentes como o fogo. Seus olhos apertados para conter o prazer, sua boca carnuda pálida por ter sido prensada com seus dentes. Park Jimin?

 

Me afasto rapidamente do corpo e ele me encara assustado.

 

ㅡ O que aconteceu, Yoongi? ㅡ ele disse incrédulo ㅡ Parece que viu um fantasma.

 

ㅡ É melhor você ir embora.

 

ㅡ Antes de você ter gozado? ㅡ ele disse boquiaberto ㅡ Quem é você? E o que fez com Min Yoongi?

 

ㅡ Não estou me sentindo muito bem. ㅡ murmurei ㅡ Você deve ir embora, me avise quando chegar em casa.

 

Beijei seus lábios e me tranquei dentro do banheiro. Encarei a figura pálida de cabelo escuro no espelho, meu rosto estava mais pálido do que antes. Eu estava assustado. O que estava acontecendo?

 

A lembranças de hoje retornaram, aquele rosto voltou a me atormentar.

 

ㅡ Porra, Park Jimin. ㅡ gritei socando a pia

 

O que está acontecendo comigo?


Notas Finais


Comentários? u.u


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...