História Daily! Secrets of a Forbidden Love... - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens JB, Youngjae
Tags 2jae, Fluffy, Yaoi
Exibições 80
Palavras 3.681
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura!

Capítulo 1 - Capítulo Único!


 

Capítulo Único!

 

– Jaebum, você é o pior irmão que existe! – Choi Youngjae corria atrás do mesmo querendo recuperar seu diário – Devolva-me isso, agora!

– Se quiser isso de volta, terá que pegar. – Jaebum diz adentrando seu quarto e fechando a porta trancando-a.

– Abra essa porta, agora! – Gritava Choi batendo e chutando a porta do quarto alheio – Por favor, hyung? Devolva meu diário! – Choramingava Choi desistindo de tentar entrar no quarto.

– Vamos ver o que você tanto escreve nessa caderninho ridículo. – Jaebum abre o mesmo e começa a folhea-lo até encontrar algo que lhe chame a atenção – Hm, vejamos isso aqui. “Por que ele não gosta de mim? Tento ser um bom irmão, mas sinto que ele não gosta de mim...”

– Hyung, por favor? – Choi voltava a gritar e bater na porta – Eu imploro! Devolva-me meu caderno – Choi já chorava de desespero, sabia que não o que havia naquele caderno e sabia o que Jaebum não deveria ler.

– Deixe-me ver isso. “Quer saber, estou pouco me lixando para ele. Se ele não gosta de mim, agora eu estou pouco me importando com o que ele pensa de mim. Eu odeio Jaebum” – Jaebum já lia baixo, para só ele mesmo ouvir. – “Eu queria tanto que ele gostasse de mim, mas se ele não gosta, eu não vou mais me importar e nem me esforça para ele mudar de ideia”

Jaebum não entende, mas ficou triste pelo que leu. “Ele não se importa mais?” era o que pensava. Se sentia estranhamente sentido pelo fato de Youngjae, seu meio irmão chato e irritante não se importa mais com ele e pelo fato de o mesmo dizer que o odiava. Por que ele se importava com isso? Nunca se importou com ele, por que agora? Jaebum não entendia.

Youngjae sempre fora um estorvo em sua vida, desde quando nasceu. Nunca gostou da ideia de seu pai se casar de novo e ainda menos de cuidar do filho de outra mulher que não fosse sua mãe. Sabia que aquilo era egoísmo de sua parte, sabia que seu pai tinha o direito de se apaixonar de novo, mas não queria que fosse tão rápido, não queria que ele fosse se apaixonar por outra mulher enquanto minha mãe ainda não completará nem três anos de falecida, mas sabia que deveria apoiar seu pai, via o que ele amara Choi Hyojung, então aceitou a situação, mesmo que por dentro estivera odiando, não deixaria que seu pai ficasse chateado ou até acabasse com seu relacionamento.

Mas agora, Youngjae se tornara uma pessoa intrigante, um garoto que ficava em sua cabeça o tempo todo. Não entendia o por que de ele invadir sua mente e seus pensamentos quase todas as noites e até mesmo dias. Ele queria entender Youngjae, queria poder senti-lo de todas as formas, mas sabia que isso jamais poderia acontecer. Youngjae era a barreira que não podia ultrapassar e se sentia frustrado por isso

– Jaebum hyung? – Choi estranha o silêncio repentino no quarto – Você ainda está aí? – Ele já estava preocupado – Hyung, abre a porta, por favor. – Ele batia forte até que o mesmo abre a porta.

– Desculpe por pegar seu diário sem permissão. – Fala devolvendo o mesmo e se curvando minimamente – Prometo não fazer de novo! – Exclama olhando para o chão e fechando entrando de novo no quarto e fechando a porta

Youngjae não sabia o por que de Jaebum agir dessa maneira de repente. “Será que ele é bipolar?” pensava ainda estático a frente da porta de mais velho. Jaebum sempre fora uma pessoa misteriosa e confusa. Sempre previsível, mas ao mesmo tempo surpreendendo a todos em vários momentos. Sempre fora decifrável, mas existia mistérios por trás de seus olhos negros e opacos. Era realmente uma pessoa intrigante e misteriosa. Queria poder entende-lo, mas o mesmo não dava brechas para isso acontecer.

Mas, ainda não entendia a mudança repentina de seu hyung, a poucos minutos estava ativo e irritante, correndo para cima e para baixo fazendo Youngjae chegar ao nível máximo de seu estresse e agora estava totalmente diferente, estava frio e distante, até desculpas pediu. O que será que aconteceu? Abriu o caderninho em suas mãos na página destacada, com certeza a última que o mais velho lera.

– Hyung? – Suspira baixo quando entende o por que dele mudar de repente.

“Eu tentei não te amar, mas fui falho e me arrependo por isso!”

 

***

 

Depois do acontecido, tudo mudou com os meio-irmãos. Se antes sua relação era difícil, agora nem relação existia mais. Jaebum nem mais olhara em seu rosto e nem lhe dirigia a palavra. Choi não aguentava mais essa situação em que se encontrava. Estava se sentindo mal por isso, precisava tomar uma atitude, mas tinha medo do que possa acontecer. Tinha medo de como Jaebum reagiria e o que ele faria depois disso. Estava frustrado por não ter coragem de tomar uma atitude.

“Já faz três semanas...” três semanas que não trocavam uma única palavra. Três semanas que Jaebum não atazanava sua estadia nesse mundo, que se chama vida. Três semanas que se sentia sozinho naquela casa, que agora se percebe ser enorme demais para ele. Sentia falta de Jaebum, sentia falta de quando o mesmo fazia tudo para infernizar sua vida, pelo menos assim poderia ter atenção de mais velho. Pelo menos assim, poderiam ficar juntos, mesmo que por um curto período de tempo.

Seus pais já estranhavam o clima tenso que rodava os dois garotos e estavam ficando preocupados com isso. “O que será que aconteceu com esses dois?” era o que a mais nova Im pensava. Estava estranhando a relação dos mais novos, nem se olhavam direitos, apenas troca de olhares rápidos e singelos que os mesmo trocavam em momentos não convencionais. Mas sabia de uma coisa, tiraria essa história a limpo.

– Posso entrar? – Im mãe olhava para dentro do quarto com a porta entreaberta, recebendo apenas uma confirmação fraca com a cabeça – Posso lhe fazer uma pergunta? Mas quero que seja sincero comigo! – A mesma diz se sentando na beirada da cama e, de novo recebendo apenas um aceno leve da cabeça de Choi que nem olhar para ela olhava – O que esta acontecendo com você e seu irmão?

­– Ele não é meu irmão! – Choi que antes nem o olhara ainda, a olhou nos olhos intensamente. Seus olhos estavam num brilho intenso e misterioso – E nunca será.

– Mas, por que estão se tratando dessa maneira? Não trocam uma palavra sequer e... – A progenitora de Youngjae hesita a continuar – Trocam olhares estranho um para o outro. Pode me explicar o que está havendo com os dois?

– Simplesmente desistimos de tentar nos entender... Paramos de fingir uma afinidade que não temos, apenas para agradar vocês dois... Talvez seja melhor assim – Choi se amaldiçoa por ter dito essas palavras de forma tão sentidas e mais ainda por sentir lágrimas se formarem em seus olhos

– Filho? – Recebe apenas um “hm?” como resposta – O que você sente... – Ela engole em seco – Por Jaebum? – Hyojung teme a resposta, mas tinha que saber, ou melhor, confirma o que já sabia.

– Do que você está falando? – Choi a olha nos olhos, certamente confuso – Como assim “O que eu sinto por ele”?

– Filho, eu não sei se eu estou misturando as coisas e dando um passo no escuro, mas eu sinto que você tem sentimentos mais intensos por Jaebum do que apenas de irmãos. – Ela diz olhando nos olhos de Youngjae – Estou certa?

– Está – Choi fala baixo, quase um sussurro inaudível, mas suficiente para sua progenitor ouvir. Não podia mas se enganar, nem negar seus sentimentos por Im Jaebum.

– Eu já suspeitava – As lágrimas de Youngjae já caíam constantemente em um choro mudo – Mas eu entendo você, filho... – Fala limpando as lágrimas que ainda caiam dos olhinhos de Youngjae – E te sempre te apoiarei, pois te amo e nunca lhe deixarei na mão – Lágrimas e mais lágrimas caiam dos olhos alheios – Ei? Não chore mais... Eu não ficarei contra você! – Ela sorrir calorosamente tentando confortar o mesmo

– Eu sei que sempre estará comigo e sempre me apoiará mãe! – Ele continuava a chorar, mas agora com soluços o impedindo de falar direito – Mas eu nunca poderei tê-lo... Exite uma barreira inquebrável que nos separa e eu não posso, não consigo fazer nada.

– Se você não consegue derrubar as suas barreiras, filho... – A Im sorrir sincero para o Choi – Você a escala e passa por cima dela! –um beijo ameno nas bochechas de Choi é depositado por sua progenitora – Nunca deixe de lutar pelo aquilo que para você valha à pena lutar – Im sorrir de novo e sai do quarto alheio o deixando só com seus pensamentos.

“Se você não consegue derrubar suas barreiras... Você escala e passa por cima delas!”

Sua progenitora estava certa. Não podia deixar de tentar, para Choi, Jaebum valia à pena. Não lutar pelos sentimentos que se faziam presentes em seu coração estava fora de cogitação, não poderia desistir de seu amor. Não podia perdê-lo, antes mesmo de tê-lo. Estava certo do que faria, e nada e nem ninguém mudaria seu pensamento.

 

***

 

Im Jaebum estava aflito demais. Não conseguia mais ficar no mesmo lugar que Youngjae e trata-lo como um completo estranho para si. Já havia se conformado com o fato, estava loucamente apaixonado por seu meio-irmão, não poderia mais negar tal fato.

Era apenas um jovem que acabara de sair de sua adolescência, nem havia completado seus vinte anos, mas já sabia e não negara seus sentimento, pelo menos, não para si mesmo. Sabia que se alguém perguntasse não conseguiria negar tais sentimentos. E não se importaria em dizer a verdade, na verdade, há dias que não se importa com o resto, Youngjae era a única coisa que rondava a mente e já estava a ponto de enlouquecer com o fato de não poder ter Choi para si. Não podia aceitar que seu amor era impossível. Maldito dia em que aquele ser apareceu em sua vida.

Sempre soube que havia algo de errado com si mesmo depois da chegada do menor em sua vida, sabia que aquela curiosidade que sentia pelo mais novo era intrigante e estranha, até mesmo para si que sempre tinha certeza das coisas, mas Choi o deixava confuso consigo mesmo, deixava sua mente pairando num monte de pensamentos confusos e sem sentido algum para si.

Mas, desde o dia que ele leu o diário alheio, percebeu o quanto apaixonado por Youngjae ele estava e o quanto isso era um problema para os dois. Se apaixonar por seu meio-irmão, em partes, era realmente um problema.

Ele até mesmo pensou que, já que seu pai não era pai do mesmo e que só era “meio-irmão” por consideração, pois nem de sangue o mesmo era, talvez pudesse, de alguma forma, se envolver sentimentalmente com o mais novo, mas dentro de si era errado e, de acordo com sua religião, pecaminoso. Não só por ser seu meio-irmão, mas também por ser seu meio-irmão, ou seja, homem. E isso o deixava confuso e estressado.

Mas estava decidido, não poderia mais viver com Youngjae ali e não conseguiria viver sem Youngjae a si. Não teria escolha, a não ser tentar e lutar por um talvez amor. Sabia que o mesmo já o amou como homem, mas se sentia inseguro por achar que esse amor se esvaziou e só restando remorso e arrependimento por uma paixão não correspondida, mas correspondida em segredo. Iria falar com Youngjae. Sim, quando acabasse seu horário de faculdade, iria ter com Youngjae, isso seria a primeira coisa que fará quando chegar em casa.

 

***

 

Youngjae estava no quarto do Im mais novo da família a espera do mesmo chegar de sua faculdade de gastronomia para poder se declarar.

Jaebum era realmente um ótimo cozinheiro seu talento era muito bom e ele, com certeza, se sairá bem se ingressar nessa carreira, será um ótimo chef e muito bem sucedido. Ele sempre foi um aluno esforçado e prestativo, ao contrário de Youngjae que nem se importa em ir as aulas na faculdade de música que ele ingressara, mesmo com uma voz linda e poderosa, ele não se importava para isso e essa falta de interesse, com certeza, afetaria seu futuro, mas no momento, nesse momento, Choi não se importava com isso.

A única coisa que importava, no momento, era Im Jaebum.

 

***

 

Jaebum voltava de sua faculdade de gastronomia com pensamentos voltados a Youngjae e em como poderia se declarar.

Youngjae deveria estar em sua faculdade de música que sua mãe paga com tanto amor e carinho. A mesma deixou de impor ordem para o menor assistir as aulas, sabia que ele não se importava. Youngjae sempre fora do estilo “garoto rebelde” e sua mãe já se acustumou com isso. Isso e outros poréns em Choi que deixava o Im intrigado e curioso. O jeito nem um pouco discreto e que qualquer um o confundiriam com um “carinha inocente”. Mas não Jaebum. Sabia muito bem que Youngjae de inocente, não tinha nada, mesmo não o conhecendo, Im o conhecia. Mesmo não o entendendo, Im o entendia. Mas Im não não se importava com isso, pelo menos, não no momento, não nesse momento.

A única coisa que importava, no momento, era Choi Youngjae.

 

***

 

Choi ouviu o barulho da porta do quarto alheio sendo aberta e o mesmo se levanta por impulso, não deixaria mais para depois, se não fosse agora, não seria nunca mais.

– Youngjae? – Im mais novo parece chocado com a presença do menor em seu quarto, e realmente estava – O que faz aqui? Você está bem?

– Jaebum, eu preciso lhe dizer algo e se não for agora, não será nunca – Choi diz o deixando mais confuso e intrigado do que já estava – Eu não aguento mais esse clima entre nós dois... – Choi tenta achar palavras certas para dizer, mas não encontra e decide soltar tudo de uma vez da melhor forma que puder – Eu gosto de você hyung... Eu sempre gostei, mas não um gostar que um irmão sente por outro irmão... E sim, um gostar que um homem sente por outro homem... Entende? – Choi estava visivelmente nervoso e frustrado e Im percebia isso em suas expressões.

– Eu gosto de você Jae – Im fala baixo, num sussurro que uma pessoa comum ão ouviria, mas Choi não era uma pessoa comum.

– O que disse? – Choi sente as famosas “borboletas no estomago” e fica estático com tais palavras ditas pelo Im mais novo – Você gosta de mim? – Essa pergunta foi mais para si próprio do que para o outro presente.

– Eu... – Im para surpreso quando Choi o abraça pela cintura afundando seu rosto em seu peito e o mesmo retribui o abraço o apertando mais contra seu corpo – Eu te amo Choi Youngjae – Ele sente as lágrimas quentes molharem seu moletom azul celeste com listras em uma escala profunda do cinza e se sente no paraíso.

– Eu.. Te.. Amo Im Jaebum... – Im desfaz do abraço para olhado nos olhos e tragar para si os lábios alheios

Nenhum sabia expressar o que estavam sentido naquele beijo calmo e desajeitado, que logo se torna intenso e necessitado.

Para Im, era como a gravidade...Era o que o deixava no chão!

Para Choi, era como a água...Que lavava sua alma!

A necessidade que sentiam um do outro era imensa e infinita. Aquele beijo era a simples forma de um provar para o outro que o amor deles não se cessaria, pelo contrário, a cada dia que passasse, apenas cresceria e aumentaria. Como o fogo que queima e destrói. Como o tormenta que agita os mares e corrói os monumentos. Assim era seu amor e sua paixão, cada dia que as passa, apenas se tornará mais forte e intensa.

Sabiam que depois daquela noite, tudo mudaria. Passariam a lutar um pelo outro e passariam a se amar intensamente a cada dia que passe. Já deixaram muito tempo se passar e, a partir de agora, se depender deles, seu amor se fixará como a raiz da árvore da vida.

“Pois o nosso amor vai além dos prazeres humanos... Pois nosso amor vai além de tudo”

 

***

 

Youngjae sente a luz forte da manhã invadir o quarto e fazer o mesmo choramingar em reprovação. Não queria se levantar, mas mesmo contragosto, abriu seus olhos. Olhou ao redor e se lembrou do que houve ontem à noite e sorrio inconscientemente. Finalmente teve Im Jaebum para ele, por completo. Finalmente ele teve Im Jaebum e agora tem mais que certeza que, não importa o que aconteça, nada os separariam.

Jaebum já não se encontrava no quarto, já havia se levantado e ido trabalhar, coisa que Choi também deveria fazer, mas não estava afim no momento. Contragosto, de novo, se levanta e vai em direção ao banheiro do quarto do Im mais novo e faz ali sua higiene matinal.

Veste a mesma roupa que havia usado ontem, pois não estava em seu quarto e não havia outra roupa ali disponível e desce para o térreo da casa dos Im, mesmo sendo da família, em partes, não considereva aquela como sua casa e sim como a casa de sua mãe e o marido dela.

Ao andentrar a cozinha da casa encontra sua mãe e seu padrasto tomando café da manhã. Sua mãe estava distraída demais para notar sua presença olhando para sua xícara de chá, como se aquilo fosse a coisa mais interessante do mundo e o Im eminente da casa lendo alguma notícia desinteressante em um jornal dominical antigo.

– Bom dia – Choi ainda estava com a voz sonolenta e rouca

– Bom dia – Seu padrasto sorrir fraco não rompendo o olhar da folha de papel velha e amarelada, com certeza qualquer coisa era mais interessante que aquele jornal velho

– Bom dia, filho – Ela lança um sorriso acolhedor para Choi – Então dormiu bem? – Sua progenitora pergunta fazendo menção com as mãos para o mais novo no recinto se juntasse a si na mesa

– Dormir! – Choi não se conteve ao sorrir de orelha a orelha, um sorriso lindo demais para quem teve uma noite de sono normal e mais uma vez Youngjae se amaldiçoou por não conseguir abranger seus sentimentos para si – Quer dizer... Sim, obrigado por perguntar! E você?

­– Eu tive um noite de sono acolhedora, obrigada. – Mais uma vez a agora Im Hyojung sorrir. Com seu sorriso que forma um coração – Mas por que do sorriso brilhante?

– Nada não... – Ele fica tenso, mas não deixa isso transparecer – Só que eu tive um sonho muito bom – Mentiu

– Eu fui no seu quarto ontem e você não estava lá! Onde estava Choi Youngjae? – O Im mais velho se manifestou – Dormiu fora? Com alguma garota? – Sorriu malicioso, o que deixou Choi mais tenso ainda agora soando frio.

Youngjae não consegue mais dizer uma sequer frase, pois sabe que qualquer coisa que disser será facilmente desmentida de tão inacreditável que fosse, não lhe restava nada a não ser dizer a verdade.

– Ele não estava no quarto dele pois estava dormindo comigo! – Outra voz se fez presente no recinto, deixando Youngjae mais tenso do que podia ou que fosse significadamente possível. – Algum problema?

Hyojung estava estática e, assim como Choi, tensa. Enquanto Im mais velho, finalmente, transfere seu olhar de seu jornal para olhar nos olhos do Im mais novo e logo depois para Choi.

– Não compreendo? – Ele dobra seu jornal deixando sobra a mesa e dando um gole simples em seu café preto – Como assim... Dormindo com você?

– Eu estava com insônia, pois esses dias tenho tendo pesadelos terríveis e...

– Ele estava dormindo comigo, pois estamos apaixonados e decidimos que ficaremos juntos, não importa o que aconteça – Choi fecha os olhos com uma expressão de “Ferrou” e Hyojung não contém um sorriso fraco.

– Você sabia disso Hyojung? – Ele olha com um semblante irritado para a Im, mas com sua voz ainda calma e pacífica, o que deixava tudo mais tenso ainda – E deixou tudo isso acontecer? Debaixo de nosso teto?

– Ela não sabia de nada... Foi tudo um mal entendido – Choi tenta amenizar o clima pesado que se formara ali

– Mal entendido?  - O mais velho rir com deboche –Mal entendido é quando você vê uma coisa e entende errado, mas aqui eu entendi tudo... Entendi que o meu filho etá transando com você – Ele já fala com a voz alterada e irritadiça – Seus viadinhos malditos

– Não ouse falar assim com eles Im Chanyeong! –A Im se levanta e se põe a frente dos dois garotos – Eles são dois garotos que descobriram o amor um pelo outro. O que há de errado nisso? – Suas mãos vão ao seu rosto incoscientemente quando sente o tapa áspero e seco do Im mais velho – Você é um monstro! Nunca mais toque em mim ou em um dos garotos novamente.

 

***

 

– Tem certeza disso senhora Choi? – Jaebum pergunta sobre o apartamento novo que a mesma comprará para os dois – Mas, e você?

– Eu vou continuar vivendo com o seu pai – Ela diz sorrindo – Mas não se aflitam, ele não fará nada comigo. Eu comprei esse apartamento para vocês poderem ficarem juntos e sem medo do preconceito de pessoas com Chanyeong. – Ela diz abraçando Im e Choi respctivamente – Bom, vou indo agora. Fiquem bem!

– Você também omma! – Digo dando um beijo em sua testa – Obrigado, por tudo. Eu amo você, muito!

– Eu também te amo, meu amor. – Ela sorrir calorosamente – Vocês dois. E quero que sejam muito felizes juntos!

– Você também senhora Choi – Im sorrir curvando-se minimamente para a progenitora de Choi – Obrigado por nos ajudar!

– Não me chame de senhora Choi, rapaz – Ela sorrir para o mesmo – Me chame de omma! Agora, querendo ou não, você faz parte da família Choi e Youngjae da família Im

Depois da despedida a Im mais velha vai embora deixando apenas Choi e Im a sós em sua nova casa, um apartamento demasiadamente grande o suficiente para uma família de cinco.

Agora, finalmente estariam juntos, até o fim. Nada poderia atrapalha-los, nem se quisessem. Ali estariam protegidos do tudo e de todos. Não ali naquele apartamento. E sim, Naquele abraço reconfortante para ambos.

“Pois mesmo se quiserem... Não podem afastar duas almas laçadas pelo amor!”


Notas Finais


Olá pessoas ^^
Essa oneshot, diferente das minhas outras fic's, como podem ver, não tem Lemon, apenas um pequeno Lime.
Mas enfim, essa one era para ser Fluffy mesmo ^^
Muito obrigado se você chegou até aqui !
Bye babes <3
Até a próxima?
~Bjs do Klei


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...