História Damn Sweetness - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Pink, Monsta X, VIXX
Personagens Hyung Won, I'M, Jennie, Jisoo, Joo Heon, Ki Hyun, Leo, Lisa, Min Hyuk, N, Personagens Originais, Ravi, Rosé, Show Nu, Won Ho
Tags Black Pink, Blackpink, Boygroup, Changkyun, Drama, Estrupo, Girlgroup, Hentai, Hyungwon, Jennie, Jennie Kim, Jisoo, Jooheon, Kihyun, Kpop, Lisa, Minhyuk, Monsta X, Otp, Ravi, Romance, Rose, Shipps, Shownu, Violencia, Vixx
Visualizações 114
Palavras 4.042
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 16 - Capítulo 16°


Fanfic / Fanfiction Damn Sweetness - Capítulo 16 - Capítulo 16°

Ainda fiquei ali algum tempo pensando, como seria culpa minha ? E frustrante... Entro pra dentro e estão todos na sala conversando sobre o casal.

— quando será o casamento ? — pergunto sentando no sofá.

— em 6 dias! — Glenda responde animada.

— 6 dias ? Meu Deus...

— oque foi ? — ela pergunta.

— tá muito perto...

— sim, quanto mais rápido Melhor! — Ravi falou com um sorriso confiante.

— bom, boa noite! Vou me recolher, com licença...

Eles acentiram e subi pro meu quarto.

Tranco a porta tiro o tênis, é o vestido vestindo algo mais confortável, apago as luzes e me deito pegando no criado mudo ao lado da cama meu Notebook, liguei e chegou várias notificações, livros com capítulos atualizados, novas fotos do tvxq, Kakao.

Abro o kakao vi que a alguns minutos Jooheon havia falado comigo.

Kakao


(Áudio) ▶ ( Quando não estás aqui, sinto falta de mim mesmo, e sinto falta do teu corpo junto ao meu... meu coração é tão tosco e tão pobre, não sabe ainda os caminhos do mundo. quando não estás aqui, tenho medo de mim mesmo. )

Ele cantou esse verso tocando violão.


- rs, é tão cedo pra sentir minha falta, acabamos de Passar uma semana juntos! Estou cansada, até amanhã... Ah, e eu também te amo... Boa noite Joo.



Kakao : off



Desliguei o Notebook, e me cobrir com o edredom.



(...)


Acordo antes do despertador tocar, me levanto e tomo um banho quente estava frio e chuvoso, vesti um vestido com comprimento até a metade da coxa, uma meia calça é calcei uma bota, desci as escadas a casa parecia está vazia, mas quando abri a porta Marge apareceu atrás de mim.


— onde pensa que vai sem comer ?


— aah, não tô com fome


— o doutor falou que é pra você comer Jennie, quer ficar doente ?

— sei lá tanto faz...

Ela me puxou pra cozinha e me fez comer, que saco... Não gosto de comer. Depois de comer tudo me despedi e sai de casa.



(...)



— oi oppa!

— Jennie! — Hyungwon me deu um abraço.


Sentei na minha cadeira que ficava atrás da dele, a sala ainda estava meio vaga.

— Hyungwon?

— hm ? — Respondeu tirando os olhos do que rabiscava no caderno.

— meu irmão vai se casa essa semana, então tava pensando se você e os meninos querem ir.

— ah eu adoro casamentos, mas não sei se Minhyuk e kihyun vão... — fez uma expressão triste.


— kihyun ainda está doente ?

— sim, e Minhyuk não sai de perto dele, ta até dormindo na casa dele.

— nossa, eu tô preocupada...

— oi gente! — Shownu chegou e dessa vez, sem a cara de sono de sempre.

— oi oppa!

— iai.. — Hyungwon Falou.

— que tristeza essa ?

— preocupação com o kihyun. — voltou a rabisca o caderno.

— ah, também estou, e sabe... Não parece uma doença qualquer ele tá muito deprimido pra ser só um resfriado ou algo do tipo. — Shownu falou se esparramando na cadeira.

— e se fosse só isso, porque Minhyuk estaria tão preocupado ? — questionei.

— vamos na casa dele no fim da tarde ? —

— tenho que trabalhar...

— hoje não, a biblioteca tá interditada!

— oque houve ? — aumentei o Tom de voz por conta de que alguns alunos chegaram fazendo barulho.

— não sei, parece que ocorreu um vazamento na tubulação e ficou tudo alagado.

— nossa... então vamos.

A professora de inglês chegou, e seguimos a aula.


— vocês comem demais... — falei enquanto Hyungwon e Shownu devoravam um prato de macarrão.

— eu t-to com fome! — Shownu falou de boca de boca cheia.

— deixa de ser Nojento... — Jooheon apareceu na mesa e fez careta pela a ação do amigo.

Sorri involuntariamente, ele estava com uma calça escura junto com uma blusa preta e um moletom cinza, e seu cabelo estava platinado.

— oque houve com você ? — questionei olhando pro seu cabelo.

— ah, pergunta pro Engraçadinho aqui amor... — deu um tapa no Braço de Shownu, que começou a rir.

— ai... — gemeu pelo o tapa. — até que ficou bonito! — ele alisou os fios de Jooheon.

— nunca mais deixo você dormi lá em casa... — ele revirou minha pequena bolsa e pegou um espelho e fez uma cara Triste.

— ficou lindo mesmo! — falei baixo só pra ele ouvir, e logo ele abriu um sorriso.

— está mentindo... — ele bufou voltando a se olhar.

— estou não! — admirei mais um pouco.

— tudo bem, vou acreditar em você! — beijou meu rosto.

— a diretora não vai gostar de saber que os alunos ficam trocando carinhos assim! — Wonho passou por nós, e falou auto chamando a atenção dos outros alunos que estavam ali no refeitório, eu quis sumir quando todos nós olharam.

— babaca... — Hyungwon resmungou.

— Desculpa... — Jooheon viu meu estado.

— tudo bem, ele vai contar ? — vesti meu casaco colocando o capuz.

— acho que não, mas se ele contar ele vai se arrepender... — Jooheon fechou os punhos.

— deixa que eu resolvo gente, relaxa. — Shownu se levantou levando seu prato de volta pra cantina.


(..)


— quero que entreguem esse trabalho amanhã, sem falta! Três páginas.


A professora de filosofia passou um trabalho, e eu e Hyungwon éramos duplas, anotamos sobre o assunto do trabalho e ficamos falando sobre o mesmo, o sinal tocou 13:50 infelizmente, hora de ir.

Encontramos Jooheon no corredor e saímos da escola.

— cadê seu carro Shownu ? — Hyungwon Perguntou não vendo o carro no estacionamento.

— eu dirigi aquele carro por sete horas ontem, não quero ver ele nem pintado de ouro! Por um bom tempo.


Hyungwon bufou pois não queria ir de ônibus, seguimos pro ponto que estava relativamente lotado, me sentei no último banco vago que havia e sentir dois pesos jogados em cima de mim.

— brutos... — resmunguei, e ajeitei a bolsa dos dois no meu colo, Jooheon se manteve com sua bolsa.

O ônibus logo chegou, lotado, ficamos todos em pé.

— isso é culpa sua... — Hyungwon resmungou besliscando Shownu, que abafou um resmungo.

Descemos em um bairro de classe média que eu não conhecia, e logo chegamos na casa de kihyun e Jooheon tocou a campainha.

— toca denovo! — Hyungwon falou já histérico. — ele toca novamente.

— oi pôs n... Ah oi crianças! — o pai de kihyun apareceu, forçando um sorriso.

— olá sr. Queremos saber de kihyun! — Hyungwon como bom folgado, já foi empurrando a porta.

Mas o pai de kihyun forçou contra.

— desculpem ele não quer receber visitas...

— oque ele tem? — Perguntei.

— ele disse que na hora certa vocês saberam! — ele acentiu e fechou a porta.


Seguimos em silêncio para um ponto de ônibus próximo, o bairro em que kihyun morava não era nada calmo, Muito tráfego de carro e lojas, pessoas, acho que é este bairro e próximo ao centro, não sei... Nunca fui ao centro.


— kihyun e Minhyuk estão escondendo algo muito sério da gente... — Shownu bufou.

— óbvio que estão, não precisa disso tudo se fosse algo simples! — Hyungwon completou.

— calma gente, quando ele se sentir bem pra falar, ele vai falar, se ele quer espaço então a gente não pode fazer nada.

— oppa, oque você conversou com Wonho ?

— ah, falei que não adiantaria ele falar nada pra diretora porque no refeitório tem câmeras ela poderia muito bem puxar os vídeos e ver que vocês não fizeram nada de errado. — Shownu sorriu de lado.

— hmm...

— Eu não conheço mas Wonho... — Hyungwon abaixou a cabeça se abraçando pra conter o frio.


Começou a chover, Jooheon me abraçou e pousei meu rosto no moletom Quentinho dele, a chuva engrossou e graças ao toldo do ponto não ficamos enxarcados, o ônibus chegou alguns minutos depois, com ar condicionado e quase congelamos.

Eu e Hyungwon nos despedimos de Shownu e Jooheon, descemos do ônibus e caminhamos até minha casa, íamos fazer o trabalho.


— Hyungwon qualquer coisa que meu pai ou irmão perguntarem, diga que é gay ou finja! — alertei ele antes de abrir o portão.

— porque ? — franziu a testa.

— Meu irmão não gosta que eu tenha amizades, Principalmente masculinas...

— ah tudo bem, não será tão difícil fingir — ele fingiu jogar os cabelos me tirando risos.


Abri a porta entramos mas não vimos ninguém, fui até a cozinha onde Marge estava sozinha, pedi para que levasse pro meu quarto lanches apropriados pro frio e seguimos pro quarto, a um pé de botar no corredor damos de Cara com meu pai.

— finalmente vai me apresenta um de seus amigos Jennie? — ele analisou Hyungwon sem maldade, e deu um leve sorriso.


— s-sim... E esse é Hyungwon Sr, quer dizer, Pp-... Pai. — era doloroso chamá-lo assim.

Hyungwon fez referência, e deram aperto de mão.

— fico feliz que faça companhia pra minha filha, com licença.


Ele saiu, Hyungwon me olhou estranho e caminhamos até meu quarto. Joguei a bolsa no chão e ele fez o mesmo, tirei o tênis é ele tbm, Nos sentamos na cama.



— porque você haje estranho com seu pai ?

— hmmmm, não quero falar sobre.

— me fala!

— só não gosto de chamar ele de pai... Aaahgr — resmunguei — vamos fazer logo esse trabalho que tem muita coisa pra fazer.


Pedi a ele que procurasse sites bons e completos pro assunto, enquanto eu pesquisava em livros, trovões começaram a da estrondos, ea chuva engrossou, Marge chegou com oque pedi, chocolate quente Bolinhos chá pizza, Marge era a melhor.


— como vai você eo Jooheon ? — ele perguntou tomando uma golada do chá segurando a xícara com as duas mãos.

— eu o amo! — falei sem prévia Fazendo Hyungwon se engasgar com o chá.

— Jennie! — falou em um tom mais alto de reprovação. — só se conhecem a uns dois meses, não está se precipitando ?


E como um eco suas últimas palavras gritaram na minha mente " não está se precipitando ? "



NARRADOR




Essa menina, passou por grandes tempestades; algumas ela achava que poderia não resistir, mas no final, ela estava lá, firme como uma rocha.

A única coisa que ela sabe é que passou.
Tupo passa, sempre passa no fim das contas!

E agora, mais do que nunca, ela quer ser feliz.
Ela não se importa com dinheiro, com meio de transporte, com presentes caros; ela se importa com o carinho que ele dá a ela, a atenção, e até o tempo, que mesmo cansado, ele se esforça e dá.

Somente isso que importa a ela.
Até o olhar que ele dá a ela, e ela fica envergonhada, ela gosta. De que Jooheon faça isso.


Talvez os momentos rodeada do amor e atenção da mãe a deixaram mal acostumada, talvez os maus-tratos estrupos murros ameaças a deixaram desesperançosa, medrosa, depressiva, angustiada, destruída. E de repente uma outra pessoa a lhe dá o mesmo amor de anos atrás, ela se deixou envolver, e sem nenhum ensinamento sobre amor, conselhos de mãe, fofocas de amigas, experiência, ela se deixou levar sem se ou saber oque aquele garoto tinha, Que a fez ver o mundo colorido denovo.

Ela sentiu os pulmões encher de ar e sentiu prazer em viver, Jennie queria acorda todo dia pra apenas ouvir a voz de Jooheon, esse amor sem ela percebe a tomou, tão rápido, tão rápido, que agora que percebeu ela está impressionada.

Ele deu o amor e conforto com ela precisava, ela aceitou e retribuiu, ela não sabia se era certo ou oque o futuro guardava pra ela Jennie só queria se sentir a pessoa mais especial do mundo para alguém.



NARRADOR (OFF)



Olhei nos olhos dele, Hyungwon esperava minha resposta.

— Não Hyungwon, não estou! — voltei a ler o livro.


(...)


Já era por volta das 08:30 da noite, eu e Hyung acabamos o trabalho, que eu revisei e tive certeza de 10! A chuva tinha dado trégua, Hyung pós a mochila nas costas e descemos a escadaria e antes de Abrir a porta a Voz amaldiçoada do demônio soou.


— quem é você ? — com passos lentos se aproximou até nós.

Quando eu ia abrir a bota pra Falar, ele impôs a mão me calando.

Hyungwon fez referência — me chamo Hyungwon, colega de classe e Melhor amiga da Jennie! — Hyungwon pós um doce sorriso, e Ravi o olhava de cima a baixo.

— amiga ? — Ravi franziu a testa.

— ah, conheceu o amigo de Jennie ?

— Sr. Hyung não gosta que se refira a ele de forma masculina... — alimentei a incenação.


Ficou calado por uns segundos processando minha fala.

— aaah, perdão Hyungwon! — Sr. Fez referência, aceita por Hyung.

Ravi ainda o encarava, perverso.

— porque não janta conosco ? Marge fez um ensopado incrível. — Sr. Convidou, nesse momento o celular de Hyungwon começou a tocar.

— oh, que gentileza, mas terei de recusar! Meu namorado não para de ligar, preciso ir... — Hyungwon mostrou a tela do celular, Shownu o ligava.

Ravi aliviou o olhar.

— fica pra Proxima então! — falei.

Despediram-se formalmente e saímos de casa, caminhamos até o carro do motorista rindo baixinho.

— isso foi hilário, ja pensou em ser ator ? — falei abafando os risos.

— eu tenho muitos talentos Jennie! — falou arrumando uma gravata imaginária.

— entra e fala o endereço a ele! — falei apontando pro carro, Hyungwon me abraçou e entrou no carro.


Começou a serenar e voltei pra dentro de casa, onde Ravi estava apoiado na coluna da escada me encarando, não havia mais ninguém ali além de mim e ele, meu coração acelerou mas ele apenas se manteu parado.

— Jennie, você sabe que nosso pai está doente ?

— não sabia... — continuei parada atrás da porta.

— ah não ? Agora sabe, ele não diz oque tem então eu não sei oque ele tem, mas saiba que ele ficará aqui quando eu for embora, e se algo acontecer com ele será Culpa sua. — ele falou calmo.

— mas..

— mas nada, faça oque ele pedir pra fazer!

Ele subiu a escada, e mas uma vez me deixando sem compreender. Porque seria culpa minha ?
Subi as escadas entrei no quarto e tranquei a porta, tirei os livros de cima da cama e me deitei.


(...)


Ainda estava frio, peguei outro casaco a mochila e entrei no carro.

Assim que cheguei pude ver Wonho na porta de entrada da escola, comecei a tremer, mas não pelo o frio. Olhei para os lados e não vi nenhum dos garotos é ele me encarou, segui firme tentando fingir que ele não estava ali, eu senti medo como se ele podesse repeti oque fez antes.


— Bom dia princesa, tudo bem ? — falou me seguindo.

Não Respondi, simplesmente fingi que não ouvi.

— que mal educada... — novamente ignorei.


Resolvi me sentar em um banco onde perto havia um Segurança Armado, abri meu livro e comecei a ler, Wonho só observava.

— você fica tão bonita com cinza! — falou observando minha vestimenta, eu estava com calça camisa e casaco cinza, tirando o converse roxo. Ignorei denovo.

— que tal nós tomarmos chocolate quente ? Ein ? Me responde Jennie!

— é amor, vamos tomar chocolate quente! E Realmente uma boa ideia! — Jooheon apareceu atrás de mim me levantando suavemente pelo o braço.

— haha amor... — Wonho zombou, assim que me alevantei segurando forte o braço de Jooheon.

Nós ignoramos e caminhamos pra longe dali.

— ele tava te perturbando ?

— tava... Que bom que chegou logo! — apertei um pouco mais forte seu braço, ele beijou minha testa.

— você quer ir tomar chocolate quente ?

Concordei o sorri.


Fomos pra cantina e estava parcialmente vazia, era muito cedo. Jooheon fez o pedido e esperamos.

Ele passou o braço para meu ombros e me abraçou, era incrível como seus braços era o meu lugar favorito no mundo. E quando eu estava ali eu nunca queria sair.

Nosso pedido chegou fumaçando.

— no que está Pensando ?

— hm, nos cachorros dos avós de Hyungwon... — sorri enquanto falei.

— hmmmm...

— atrapalhamos o casal ? — Shownu apareceu com Hyungwon changkyun e lisa, e foram se sentando.

— não... — Jooheon respondeu.

— finalmente apareceram... — comentei olhando lisa e chang.

— da preguiça de sair de casa quando tá chovendo. — chang comentou.

— me dá um pouco! — Hyungwon foi pegando a xícara da minha mão.

— Trouxe os trabalhos né unnie ?

— claro oppa!


Segurei fortemente a mão de Jooheon quando Wonho entrou no refeitório, lançando um olhar sombrio.


POVS JOOHEON


Não foi agora que reparei a aflição de Jennie quando ver Hoseok, sempre ficava me perguntando oque ela me escondia. Ela apertou tão forte minha mão, não sei do que ela tem medo mas a protegerei.

O sinal tocou, fui deixá-la na sala dela é fui para a minha.


(...)


— seu motorista veio te buscar hoje... — observei o cara que sempre vinha deixá-la na escola.

— oque ? — ela olhou, logo largou meu braço, ficando mais pálida do que já era.

— oque foi Jennie?

— n-nada... Preciso Jooheon! — ela olhou no fundo dos meus olhos, como se pedisse algo.

Caminhou até o carro, onde um cara saiu e falou algo com ela Deduzi ser seu irmão, ela entrou no carro e fui até o estacionamento onde os garotos estavam apoiandos no capô do carro de Shownu, pedi para ele me deixa no centro da cidade.

— oque vai fazer lá ? — Lisa perguntou.

— compra uma coisa pra Jennie!

— posso saber oque ? — Hyung Perguntou.

— pode não!

— seu Grosso.. — ele resmungou.


(...)


Caminhei pela aquela ruas que todos os dias estão lotadas, mas hoje não, por conta do temporal.

Pedi informações de onde fica alguma loja de animais, e depois de andar por uns cinquenta minutos achei.

Entrei na loja que tinha até sapos a venda, e uns incrível variedade de pássaros. Observei os cachorros de grande porte.

— boa tarde, posso ajudar em algo ? — uma funcionária da loja apareceu.

— ah, sim. Quero algum filhote de pequeno porte!

Ela Acentiu e caminhou para o outro lado do loja.

— temos esses!

Todos dormiram, fiquei com vontade de comprar todos, pareciam ursinhos, mas um que dormia de barriga pra cima me fez sentir que Jennie amaria ele.

— Gostei desse! — me aproximei do cãozinho.


(...)



— Vocês tem caixas de presente ? — Perguntei no balcão do caixa.

— sim!

— vou querer também! Á e uma fita por favor.


Enrolei o cãozinho no meu casaco e fui pro ponto de ônibus.



POVS JENNIE


Ele viu eu agarrada ao braço de Jooheon...


Agora eu tentava conter o sangramento em minha barriga.



Flashback 




Ele saiu me arrastando pelos cabelos quando saímos do carro, entrando em uma casa que nunca vi. meus pés quase sem encostar no chão, ficou me questionando quem era aquele cara é porque eu estava segurando seu braço. Me jogou no sofá e mandou eu tirar a roupa, novamente eu estava encurralada, sem saída.

Amarrou minhas mãos e tornozelos, e com uma navalha furava Minha barriga.

— eu queria tanto te dá um murro! Mas não posso, mas vou te machucar onde ninguém pode ver.

Precionou a faca contra minha barriga, e eu gritei, mas ele tampou minha boca, o suor escorria na testa caindo em meus olhos fazendo arde.

Os pequenos fortes espeliram gotas de sangue.

— se vira! VAI!!! fica de costas Vagabunda.

Tentei mas por conta dos tornozelos amarrados eo cortes, eu não consegui. Sentir uma pressão é uma dor tão forte crescer em meu corpo quando ele chutou minha barriga, desfaleci.


Flashback off


Quando acordei já estava no meu quarto, me alevantar da cama foi muito difícil a cara movimento contraía os cortes, ea dor interna por conta do chute. Eu não sentia forças a única coisa que consegui fazer foi chorar, e falar baixinho " me ajuda Jooheon "

Não sei de onde conseguir forças para me alevantar, mesmo cambaleando consegui encher a banheira e entra. Tomei varios remédios sem ler pra quer serviam, fiquei dopada.



POVS JOOHEON


O filhote não se aquietava na caixa, a coloquei no chão e toquei a campainha, se passava das 08:00 da noite já.


— posso ajudar ?

— ah oi, eu sou... — parei pra pensar um pouco. — Namorado da Jennie, ela está ?

— sim pode entrar... — a senhora abriu a porta, peguei a caixa é entrei.

— o quarto dela é o último nesse corredor a direita.

— obrigada!

Subi as escadas da enorme e chic casa.


Abri devagar a porta, é quase larguei a caixa no chão, ao ver um rastro de sangue no chão.

Seguir correndo vendo os rastros até o banheiro.


— Jennie!! — gritei ao ver Jennie mergulhada em poça de sangue.

A tirei do fundo da água mas ela não reagia, a tirei da banheira, fiz pressão no seu peito e ela tossiu toda a água pra fora. Mas continuou desacordada.

A levei pra cama e voltei pro banheiro, abri o ralo da banheira pra água descer, e vi caixas de remédios jogadas no chão.

Sentei na beira da cama e a fiquei olhando, ela estava tão pálida e sua pele cheia de rugas. E só me fazia Pergunta oque aconteceu ali.

Abaixei o lençou e cobrir com outro pano seus seios, sua barriga estava com cortes e alguns hematomas, o mesmo na suas pernas. Sequei ela é procurei alguma pomada antibióticas e passei sobre os cortes, a cobrir novamente. O cachorro havia dormido na caixa, sai do quarto a procura daquela senhora, ela não viu nada do que aconteceu ?


A casa parecia vazia, mas quando entrei na cozinha a vi.


— Jennie quase morria agora! — chamei a atenção dela, a fazendo saltar em um susto.

— oque ? Oque está falando?

— Jennie estava se afogando, ela está dopada de remédios.

Ela encheu os olhos de lágrimas e correu em direção às escadas e segui ela.


Ela apertou o rosto de Jennie e sentiu seu pulso.

— você não sabia de nada ?

— não não, nem a vi chega da escola. Meu trabalho e ficar na cozinha!

— eo irmão dela ? Ele foi buscar ela na escola hoje!


Ela arregalou os olhos, me deixando desconfiado.

— onde ele está ?

— também não o vi chegar...

— eo pai dela ?

— trabalhando.

— então se eu nao tivesse chegado Jennie estaria morta ?

Ela voltou a atenção a Jennie.

— rapaz, para o bem da sua namorada não saia desse quarto e deixe a porta trancada.

— porque ?

— o irmão de Jennie te mataria se te visse aqui com ela, então fique aqui e fique quieto.

Concordei e ela saiu do quarto, tranquei a porta.


Eu queria ver Jennie sorrir com oque Trouxe pra ela, se eu tivesse demorado um segundo a mais teria perdido minha Garota.


(...)


POVS JENNIE


minha cabeça girava, abri os olhos com esforço e vi o teto do quarto girar, é uma explosão de dor se alastrou em meu corpo.

Olhei pro lado e pude ver alguém deitado ali do meu lado, senti meu coração explodir me estiquei pra acender o abajur, e pro meu alívio e susto era Jooheon.

— Jooheon ? Aaahn — gemi pôs contrai o estômago sentindo uma dor horrível.

— Jennie ? Jennie! — Jooheon desesperado acordou me abraçando.


— aahnwh, Jooheon minha barriga.

— Desculpa meu amor Desculpa, se deita. — me deitei com ajuda dele.

Ele acendeu a luz e sentou-se do meu lado.

— Jennie, me conta oque houve por favor!



Meu Deus, oque eu digo...













Notas Finais


Oque acham que Jennie vai dizer ?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...