História Dança Comigo? - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Karin, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Dança, Hinnata, Karin, Naruto, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Exibições 77
Palavras 1.002
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Capítulo 3


 

Minha mãe costumava dizer que cozinhar era uma bruxaria, que dependia do humor de quem preparava a comida e dos condimentos utilizados. Claro que nunca acreditei muito nisso, mas agora bem que eu queria saber um pouquinho de bruxaria para me ajudar.

Quando arrumei meu primeiro namorado, eu adorava fazer docinhos, sendo o pudim minha especialidade, eu literalmente o havia conquistado pelo estômago!(rs) Com um pouco de sorte, talvez funcione também para conquistar de vez esse emprego.

Nas gavetas encontrei panos e toalhas e nenhum avental, logo hoje que estava com uma roupa tão bonitinha e ainda por cima minha favorita, isso é receita pra desastre, mas como sou esperta, passei um dos guardanapos pela cintura o prendendo na calça ‘Pelo menos a roupa vai sobreviver. Tapeei o senhor destino mais uma vez!’

Próximo passo, procurar comida! Depois que separei a toalha de mesa mais bonita que encontrei, abro a porta da geladeira e quase morro de angústia com a visão que tive, imagina uma enrascada das grandes, daquelas que se você correr o bicho pega se ficar o bicho come!

Quem será que faz compras nessa casa?! De certo são coelhos! Não é possível que só tenha tomates nessa geladeira! Não que eu esteja exagerando, havia também garrafas de água e umas frutas, tipo maçã e um abacate solitário, também descobri um pote de margarina e alguns danones diet, mas eu juro que 90% era só tomate. Até que eram bonitinhos! Vermelhos e redondinhos!

Mas não da pra servir tomate de almoço, só tomate não né! Também não vou dar margarina e danone pra ninguém comer. Chega a dar coceira na cabeça!

Tiro meu avental improvisado e pego minha bolsa de volta, procuro loucamente pelo controle do portão e minha carteira. Por tudo que me é mais sagrado e mesmo que precise gastar meu dinheirinho, eu preciso fazer isto dar certo, e rápido! Só me restava uma hora e meia para fazer uma refeição minimamente decente e ainda lavar as peças de roupa de uma lavanderia que eu nem sabia onde ficava!

Corri como louca pela casa apertando o bendito botão do controle de portão para ver se ele já ia se adiantando, aí eu precisava esperar ele abrir, ainda bem que pelo menos ele estava colaborando... Tá puxado!

Na calçada, olho para todos os lados e pra minha tristeza só encontro mais casas e nenhum mercadinho a vista no horizonte. Bufar e reclamar não eram as melhores coisas que eu poderia fazer naquele momento de desespero, mas não aguentei. O ponteiro do relógio parecia gritar no pé do meu ouvido cada vez que se mexia, o coração acelerou, logo o marido da patroa ia chegar e eu nem comecei a fazer nada ainda!

Pensa Sakura! Pensa!

Já estava entregando os pontos quando vejo uma senhora do outro lado da rua andando calmamente com uma sacola na mão... uma sacola de mercado! Meus olhos deviam estar brilhando! Era a luz do fim do túnel! 

Corri até ela e lhe expliquei minha situação, e ela sorrindo, disse que havia um pequeno mercado a dez quadras dali. De começo fiquei feliz, mas depois foi como receber um balde de água fria. Des quadras! Faltava pouco mais de uma hora! De qualquer maneira a agradeci, quando ela se foi atravessei a rua e fechei o portão, pensei comigo: ‘Tenho uma hora e vinte e cinco minutos, talvez se eu correr feito uma louca desvairada dê tempo de comprar alguma coisa e ainda cozinhar!’.

E foi o que fiz. Imagina só, meus longos cabelos róseos voando ao vento, meus peitos subindo e descendo e a língua de fora.

Querida, em momentos como esse a gente só repara mesmo é no maldito ponteiro do relógio.

Depois de quinze minutos (pois tive que fazer uma pausa ou morreria) cheguei no bendito mercadinho, e por um milagre divino, não tinha quase ninguém. Foi aí que algo me ocorreu: ‘O que dá pra fazer em menos de uma hora e que seja saboroso??’.

Devo ter perdido uns cinco minutos pensando e andando pelos corredores, mas a ideia surgiu! 

Panquecas! Sim, panquecas! A massa é fácil e rápida de fazer e o molho refoga rápido também! E ainda vou fazer o favor de esvaziar aquela geladeira com cara de tomateiro! No açougue compro carne, alguns condimentos básicos, leite, ovos e farinha e corro até o caixa, o pé batia no chão freneticamente por causa da minha impaciência. Paguei e corri o mais rápido que pude (na medida do possível ou perderia os ovos).

Chegando na cozinha e recolocando meu avental improvisado, vou até a horta, quer dizer geladeira e coloco alguns tomates em uma panela com água para cozinhar. Em outra coloco a carne, e enquanto esta refoga, já vou procurando um liquidificador ou uma batedeira para fazer a massa. 

Pouco tempo depois o cheiro preenche toda a cozinha. O molho estava pronto e a massa já estava frita e esperando, coloco na mesa toalha, pratos, copos e talheres e um prato com tomates cortados em salada, simples e adorável. Voltei para a cozinha e finalizei as panquecas e as coloquei no formo, faltavam vinte minutos! Por sorte a lavanderia era próxima e nesse meio tempo em que a panqueca assava, joguei as roupas na máquina na lavagem rápida e deixei o eletrodoméstico fazer seu trabalho.

Realmente Deus ajuda quem cedo madruga! Tudo ficou pronto na hora certinha, coloquei a travessa decorada com salsa e queijo na mesa e pra acompanhar, um suco fresco de tomates também. Sério, nunca vi tanto tomate junto num dia só! Mas tudo parecia gostoso!

Limpando a bagunça que fiz na cozinha, escuto o portão abrindo e o som de motor, devia ser o marido da ruiva. Tiro o avental e corro pra lavanderia, até porque tenho roupa para estender. 

Oração do dia:

Que os céus iluminem aquela mesa e que corra tudo bem, que ele não encontre nenhum um fio de cabelo que possa ter caído acidentalmente e que goste da minha comida! Amém!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...