História Dançar e Brincar… É só esperar! [BTS - Jungkook] - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Visualizações 103
Palavras 2.081
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei e estou muito emocionada com esse capítulo.

Sei que ele é gigante! Tem duas mil e poucas palavras, mas ele é muito importante!

Espero que gostem!

Boa leitura!

Capítulo 24 - Capítulo Vinte e Um (Part.II) - I love you, baby!


Estela. -  15 de Julho de 2020.



— Eu não sei porque demônios eles querem me tirar de casa. Justo no dia mensal de ver As Dez Coisas Que Eu Odeio Em Você.



Caminhei/ me arrastei da sala até o meu quarto, esbarrando em tudo que tinha no caminho.



Uhuuuu, você esbarrou nas coisas, mas não caiu! Victory! (Vitória!)



Quando eu ia responder o Godofredo, ouvi o toque do meu celular na sala.



Capeta… vou ter que fazer o percurso todo de novo!


Voltei para a sala e peguei o bendito celular.



Clara


O que ela quer?!


Me joguei no sofá e atendi o celular.



— Alô.


Levanta essa bunda agora do sofá e vai se arrumar.


— Claro. Já levantei. — coloquei o celular no viva-voz e comecei a lixar minhas unhas, ainda sentada no sofá.


É a Estela? ouvi Jackson do outro lado da linha.


Sim… Ela não quer vir nesse evento beneficente.


Vai ser uma pena, ela vai perder a chance de conhecer o CNBlue.


Arregalei os olhos e peguei o celular apressadamente.


— Eu ouvi CNBlue?! Eles estão aí?


Ainda não chegaram, mas está planejado um show para daqui a uma hora.


— Aí, meu Deus! Já estou indo me arrumar! Beijos!


Encerrei a chamada e corri para o meu quarto. Corri até o closet tentando achar uma roupa adequada para a ocasião e demorei um bom tempo lá.


E agora? O que eu vou vestir?


Andei de um lado para o outro com a mão no queixo. Olhei para o espelho do closet e tinha um post-it rosa grudado.



“Olhe em cima da sua cama”



Saí do closet e tinha duas caixas grandes de veludo azul escuro.


Como eu não percebi isso antes?!


Me aproximei da caixa e tinha outro post-it rosa.



“Vista-se. Preparei com todo o carinho e ajuda do mundo”



Abri a primeira caixa e quase tive um treco. Havia um vestido maravilhosamente lindo e um singelo relógio.


O vestido tinha os ombros de fora, a parte da frente do corpo do vestido estava fica por causa de duas alças médias, formando um buraco charmoso entre a manga e a alça. Sua saia acinzentada fazia contraste com o corpo azul petróleo do vestido, e era decorada com alguns desenhos de renda da mesma cor que o corpo do vestido.


Ele não era tão curto, nem tão longo. Sua saia batia na altura dos meus joelhos. O relógio era uma graça, ele era pequeno e tinha as alças na cor azul bebê.


Vesti as coisas rapidamente, antes de olhar o que tinha dentro da segunda caixa, e me olhei no espelho.


Ele é lindo! Tem um caimento tão perfeito no meu corpo!



Sorri e fui abrir a outra caixa. Meu coração, que já estava acelerado, começou a bater mais forte do que nunca.



“Tenho certeza de que vai gostar delas, jagi”



Abri a caixa com cuidado e encontrei um par de botas lindíssimo. Elas eram de camurça preta no estilo vitoriano e combinavam perfeitamente com o vestido.


Calçei-as rapidamente e novamente me olhei no espelho.



Eu estou linda, mas falta alguma coisa… Ah! Mas é claro!


Andei até o closet novamente e peguei meus óculos de sol redondos e um chapéu preto. Os coloquei em cima da cama e fui até a minha penteadeira, comecei a me maquiar.


Ao final da maquiagem, passei um batom matte da cor vinho.


Pronta estou!


Ouvi batidas na minha porta e me assustei. Corri para pegar minha bolsa em forma de café, coloquei minhas coisas dentro da bolsa e ouvi, novamente, batidas na porta.


— Já vou!


Abri a porta do meu quarto e me deparei com Jungkook lindo de terno preto e gravata borboleta. Ele estava com os braços cruzados na altura do peito, escorado na parede e com a cabeça baixa.


— Jungkook? — o chamei e ele olhou pra mim.


— Você… — ele sorriu abertamente e segurou minha mão, me fazendo dar uma voltinha. — Não tem como te imaginar. Você, parece, que fica dez vezes mais linda ao vivo do que em minha mente.


Corei absurdamente e meu coração falhou duas batidas, senti um calor confortável se espalhar pelo meu peito, alcançando até a ponta do meu dedinho mindinho. Ficamos em silêncio durante um tempinho, apenas nos encarando.



O que está acontecendo comigo?



— Olhe as horas! Precisamos ir, já estamos atrasados! — ele falou após aquele momento de silêncio e me puxou até a saída do apartamento.


Seguimos em silêncio pelo elevador e chegamos até a portaria.


— Boa noite! — ouvi o porteiro falar, mas não deu tempo de responder. Jungkook estava mais apressado que o Flash.


Me soltei dele assim que saímos do prédio e ele chamou um táxi, que rapidamente estacionou e nós entramos.



[...]



Estávamos passando por um bairro desconhecido por mim, ele era muito fantasmagórico, mesmo com o sol iluminando tudo.


— Nunca te vi tão quieta, lagartixa. O que ta acontecendo?


— Eu fico quieta quando e onde eu quiser, com licença? — rolei os olhos.


— Você está assim por causa daquela bandinha? — ele perguntou com uma voz de desprezo.


Dakchyeo! (Cala a boca!) Não fale deles assim.


— Eu falo deles do jeito que eu quiser!


— Não fala, não! — Comecei a gritar e ele me respondeu gritando também.


— Falo sim!


— Seu idiota!


— JÁ CHEGA! — o taxista parou o carro no meio de uma rua deserta e destrancou a porta. — Os dois são insuportáveis! Podem ficar com o dinheiro, saiam já do meu táxi!


— Mas… Moço…


— Saia, ou eu vou tirá-la a força.


Bufei e peguei minhas coisas saindo do carro, Jungkook já me esperava na calçada de braços cruzados e um bico na cara. No mesmo momento em que eu cheguei na calçada, o taxista disparou com o carro, nos deixando sozinhos naquele bairro fantasmagórico.


— Seu imbecil! Foi tudo culpa sua! — briguei com ele.


— Ah foi… Fui eu que comecei a gritar pra defender uma banda idiota?


— NÃO É UMA BANDA IDIOTA!


— Desisto de você! — ele falou e saiu andando pela rua.


— Tudo bem! Eu não preciso de você! — virei de costas para a direção em que ele foi andando e busquei meu celular na bolsa.


Ele vai ver que eu não preciso dele pra chegar no lugar do evento!


Tentei ligar para minha irmã, para pedir para ela me buscar, mas o celular estava dando sem sinal. Praguejei baixinho e ouvi um barulho assustador vindo de umas latas de lixo que estavam perto de mim.


— JUNGKOOK! ME ESPERA! — gritei e olhei para ele, ele já estava longe.


Comecei a correr, tentando alcançá-lo. Em um determinado lugar, após tantas curvas e becos, eu me vi perdida.


E agora? Droga


Andei mais alguns passos para frente, tentando achar o idiota do Jungkook, mas não havia nem sinal dele. Cheguei na frente de uma escola semi-abandonada, de repente, meus olhos foram cegados por luzes extremamente chamativas.




DROGA! ALIENÍGENAS VIERAM ME PEGAR!



Meu coração disparou com o medo e minhas pernas começaram a ficar dormentes, eu estava prestes a disparar numa corrida, quando li o letreiro chamativo.


“Venha por aqui, Estela. Não tenha medo, idiota.

Ass.: Clara Franci e cia.”



Me aproximei cautelosamente da escola e cheguei até a porta, onde um post-it rosa, igual aos que estavam em minhas coisas. O peguei com medo e li.


“Siga as setas, Saran’ah (meu amor)


Abri a porta da escola e procurei as setas por todos os cantos. Encontrei uma seta enorme no chão. Ela era rosa e tinha glitter.



Maravilhosa! Quando eu crescer quero ser igual a essa seta!



Andei na direção que ela me indicou e encontrei uma mesa repleta de balões das mais variadas cores, tinha um em forma de coração no meio de todos eles. Me aproximei para tocar nos balões e percebi um post-it rosa grudado na mesa.



“Nada melhor do que balões coloridos para representar o quanto de cor meu mundo ganhou depois que você chegou.”



Sorri emocionada e passei a mão por cada um dos balões, chegando ao balão em forma de coração, mais um post-it.



“Por favor, leve meu coração com você. Pois ele já não me pertence mais.”



O balão se desprendeu da parede e eu o segurei com força, procurei por outra seta. Dessa vez ela estava na parede e era azul, também com glitter.


Segui apressadamente na direção da seta e encontrei outra mesa. Ela tinha churros em cima dela.


CHURROS! MEUS PREFERIDOS!


Corri até ela e peguei um, mordiscando-o.


DOCE DE LEITE! Gente… Que saudades dessa coisa!


Olhei para a mesa novamente e não achei nenhum post-it. Só o encontrei quando levantei o olhar para a parede, desiludida.



“Um passarinho me contou que você gostava de Churros”



Isso só pode ter sido obra da Clara, traíra.


Sorri comigo mesma e voltei a andar quando achei a seta verde e brilhante.


Mais uma mesa, agora ela tinha unicórnios de pelúcia. Eles eram pequenininhos e fofinhos, peguei um deles e sorri vendo algumas borboletinhas coladas na parede, ao lado de outro bilhetinho.


“Pequenininhos e mágicos como você, são esses animais.”



Peguei uma que estava soltando e quase caindo e tive a surpresa de encontrar mais um post-it.


“Você me faz sentir esses bichinhos dentro de mim a cada vez que abre um sorriso”



Segui a seta amarela com purpurina que estava no chão, ela indicava uma porta grande. Havia um móbile de bebê pendurado na frente da porta, ao invés de bichinhos, tinha nuvenzinhas de algodão doce e outro post-it girando.



“Como você consegue me fazer ter sonhos doces mesmo acordado?”


Peguei uma nuvenzinha e mordi um pedaço. Abri a porta e dei de cara com uma galeria de fotos minhas. De todas as partes do meu corpo, algumas estavam cortadas e borradas, outras me pegavam em expressões esquisitas do dia-a-dia. Em algumas eu estava toda suada e cansada de mais um ensaio que eu tive deles, em outras eu estava mais arrumada que tudo.


Mas o que me marcou mesmo, foram as flores que estavam em baixo de cada uma das fotos. Meu coração já estava batendo a mil quando me aproximei da primeira flor.


Era uma camélia rosada, ela estava embaixo de uma foto minha ao lado de Jin, a discrepância de tamanho era enorme.



“Camélia rosada: grandeza da alma.

Irônico, não?”



Idiota… Como se você fosse muito mais alto que eu.


Mesmo com a piadinha infame, não consegui deixar de sorrir. Parti para a outra foto, que na verdade era uma colagem de expressões minhas. Em quase todas elas eu estava de sobrancelhas levantadas e com um olhar de puro desdém, no resto, eu estava mexendo no cabelo com expressões de vaidade e modéstia.


“Cravo amarelo: desdém;

Hortência: Frieza, indiferença;

Narciso: Egoísmo, vaidade;

Violeta: Modéstia.

São os seus defeitos, mas são perfeitos para mim”



Segui para a próxima foto, eram os meus pés com a sapatilha de ponta. Eles pareciam tão machucados e estragados que eu tive vergonha.


Seus pés são as coisas mais lindas que eu já vi na minha vida.

Eles mostram todo o seu esforço para chegar onde quer.

Camélia vermelha: reconhecimento;

Dália rosada: delicadeza;”



Meus olhos transbordaram, não aguentando as lágrimas acumuladas e meu peito se encheu cada vez mais de amor. Fui andando pelas mesas com as fotos e quando cheguei na última, havia um buquê de cravos e crisântemos, rosados, vermelhos, brancos e amarelos.


“Cravo branco: amor ardente, ingenuidade, talento;

Cravo rosado: preferência;

Cravo vermelho: amor vivo;

Crisântemo amarelo: amor frágil;

Crisântemo branco: verdade.

São adjetivos que explicam o meu sentimento por você.”



Segui pela porta que a seta vermelha estava me indicando e eu cheguei em uma espécie de ginásio com gramado.

Havia uma cadeira e um telão com um datashow. Andei, tremendo até a cadeira e vi um controle com um post-it.



“Chegamos ao último post-it. Quando você estive pronta, aperte o botão de play.


P.s.: Eu te amo!”



Me sentei na cadeira e apertei o botão. Soltei uma gargalhada quando percebi que era uma cena do meu filme preferido. As Dez Coisas Que Eu Odeio Em Você.


Continuei vidrada no filme, quando uma música já conhecida por mim começou a tocar. No começo eu achei que fosse apenas o filme, pois a cena em que o Heath Ledger cantava nas arquibancadas tinha acabado de começar.


De repente o filme parou e uma mensagem enorme apareceu.


Olhe para trás, jagi.


Me virei rapidamente e quase tive um treco. Comecei a chorar vendo Jungkook recriando a cena do Heath Ledger na arquibancada. Ele sorria para mim e dançava pela arquibancada da escola semi-abandonada, cantando na hora exata com um inglês cheio de sotaque.


Quando a música ia chegando ao final, ele foi se aproximando de mim e eu me levantei da cadeira.


— Vire-se, por favor. — ele sussurrou perto de mim.


Eu me virei e vi todos os meus amigos e minha irmã com letras em mãos, formando a frase que acabou comigo.


“Estela, você quer namorar comigo?”


Me virei incrédula para ele e tive outra surpresa. Ele estava ajoelhado com uma caixinha de anéis e um buquê de copos de leite, minhas flores favoritas.




Notas Finais


Espero que tenham gostado tanto quanto eu! Vejo vocês no próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...