História Dancer - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Show Nu, Won Ho
Tags 2won, Cosmic Girls, Hyungwon, Joohyuk, Trilogy D, Wjsn, Wonho, Yaoi
Exibições 210
Palavras 1.848
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá amores ❤
Mais uma sexta feira, mais um capítulo
Muita gente já sacou o que acontece na fanfic huaheuhaheua espertinhos
Boa leitura ❤

Capítulo 4 - Quatro.


 

Em algum lugar no meio de toda essa confusão

Você era tão perfeito

Você era uma, você era uma ilusão perfeita

 

Hyungwon acordou naquela manhã com um mau-humor de outro mundo. Não sabia explicar o porquê, mas não queria falar com ninguém. Resolveu ficar o dia todo dentro do quarto ouvindo música e mexendo no celular. Mudava a posição na cama a cada minuto, conectava o celular ao carregador e bufava muito, sentindo-se cada vez mais entediado.

Descobriu, depois de muito pensar, o porquê de seu mau-humor. Shin Hoseok. Lembrou-se de que o Shin havia sumido e trancado a porta, acabando com todas as vontades que ele tinha naquela noite. Perguntou-se porquê ele tinha feito aquilo e o que havia feito até agora para não ter lhe ligado dando explicações.

Claro, ele queria ligar para o loiro, pedir desculpas por algo de errado que ele tinha feito e nem percebeu, mas era muito orgulhoso e não seria trouxa ao ponto de rastejar aos pés de Hoseok. Hyungwon podia ser tudo, mas se tinha algo que ele não fazia era correr atrás de quem não estava nem ai para ele. E naquele momento, Hyungwon se sentiu usado e sentiu seu coração doer.

Se sentiu um brinquedo assim como tinha sido avisado por uma das meninas no seu primeiro dia de trabalho. “Ele vai te usar e te jogar fora como faz com todos os outros”, como Bona havia dito. E realmente, fora usado e jogado fora. Sentiu raiva e ódio, odiava ser feito de idiota. Rosnou lembrando de todas as juras de Hoseok, amaldiçoou o Shin de todas as maneiras e o xingou com todos os palavrões que ele conhecia.

E para descontar aquela raiva toda, socou seu travesseiro com toda a força. Rasgou-o, gritou, chorou e quando viu apenas pano e espuma em cima de sua cama, ele parou e respirou fundo, sentindo-se pegar fogo por dentro. Buscou seu moletom em cima da cadeira e o vestiu, saindo de casa enquanto ouvia sua mãe gritar seu nome atrás de si, e naquele momento, ele não deu bola, mas tinha consciência de que se arrependeria.

Hyungwon caminhou o resto da tarde toda por ruas tão conhecidas por ele nos seus ataques de fúria. Chutava qualquer preda que via em seus pés e apertava os punhos com força. Chegou ao campo aberto depois de andar um pouco para fora da cidade e foi até as lixeiras vazias ali. Chutou, bateu, quebrou tudo o que havia ali. Chorou, gritou, xingou, descontou tudo o que sentia e não ligou se tinha alguém lhe olhando.

Estava tão fora de si que nem ligou para a silhueta se aproximando e simplesmente continuou destruindo o computador velho que estava ali.

– Eu já disse que você quebrando tudo não adianta. – ouviu a voz conhecida.

– Cala a boca. – Hyungwon rosnou.

– Hyungwon, a sua mãe que pediu para eu vir até aqui. – Jooheon suspirou. – Ela ficou assustada com o jeito que você saiu.

– Eu sou um idiota, Joo. – Hyungwon deixou as lágrimas caírem. – Deve estar escrito trouxa na minha testa!

– E o que foi dessa vez?

– Hoseok, aquele babaca idiota. – riu e girou o corpo olhando para o céu. – E eu sou ainda mais idiota de ter caído na lábia dele.

– O que ele fez?

– Fez o mesmo que todos os outros Jooheon. Gostou de mim, transou comigo, fez juras, me iludiu e foi embora.

– Mas o q...

– E EU CAÍ DIREITINHO! – Hyungwon gritou e desceu o pedaço de madeira no computador.

– Mas...

– E PRA PIORAR, ME AVISARAM E EU NÃO DEI BOLA.

– CHAE HYUNGWON! – Jooheon gritou e segurou os braços do mesmo com força, fazendo-o soltar a madeira e cair no chão com o amigo em cima de si.

– ME SOLTA!

– VOCÊ ESTÁ DESCONTROLADO, E O PIOR, ESTÁ PIOR DO QUE NUNCA, EU NUNCA TE VI TÃO IRRITADO ASSIM! – Jooheon cuspiu as palavras em Hyungwon. – VOCÊ LÁ TEM CERTEZA DISSO?

– TENHO! – Hyungwon respondeu na mesma intensidade.

– ENTÃO PORQUE AO INVÉS DE VIR ATÉ AQUI BATER NO COMPUTADOR E XINGAR O TROUXA ALHEIO, VOCÊ NÃO VAI ATÉ LÁ E DIZ TUDO NA CARA DELE?

Hyungwon respirava tão ofegante e com o corpo ardendo. Soltou-se dos braços de Jooheon e se levantou, caminhando em direção a rua, com os pensamentos em apenas uma coisa. Não ligou para Jooheon e simplesmente mandou-o se foder quando tentou tocá-lo novamente enquanto andava.

Correu rápido até demais, despistando Jooheon e não voltou para sua casa, apenas norteou-se para a boate. Atravessou aquela rua movimentada com o semáforo aberto, desviando dos carros e sem se importar com o risco de ser atropelado. Ao chegar até a mesma, viu a figura que tanto conhecia na frente da porta para os dançarinos.

– Eu disse pra me deixar em paz. – Hyungwon cerrou os dentes.

– Se você entrar ai nesse estado vai matar alguém.

– Me deixa Jooheon, eu não sou uma criança.

– Hyungwon você está totalmente fora de si! – fora empurrado por Hyungwon mas mesmo assim o impediu.

– JOOHEON, APENAS ME SOLTE. – gritou forte.

A porta preta fora aberta e uma figura brava apareceu cruzando os braços. Shin Hoseok. Hyungwon sentiu seu sangue ferver ainda mais, sendo segurado por Jooheon para não pular em Hoseok.

– Solte-o, estou te dando uma chance de vida. – Hoseok ditou para Jooheon.

– Se eu o soltar, você será assassinado.

– Solte-o. – disse pela última vez.

Jooheon soltou Hyungwon e o mesmo apenas caiu no chão de joelhos, apertando os pulsos com força e sorrindo psicopata para o chão que o mesmo encarava.

– Fique longe dele, como ele mesmo disse, ele não é uma criança.

– Isso é uma ameaça? – Jooheon pigarreou.

O primeiro erro de Lee Jooheon foi afrontar.

– É um aviso. – Hoseok sorriu sarcástico.

– Deixe o Jooheon em paz... – Hyungwon levantou a voz.

– Calado Hyungwon, estou fazendo isso para o seu bem e para o desse jovem.

– Me ligue depois Hyungwon. – Jooheon olhou feio para Hoseok e virou-se, entrando no carro estacionado e saindo logo depois.

Hyungwon olhava para Hoseok como se quisesse mata-lo, e realmente, ele queria, não tinha controle em seus ataques de fúria e isso acabava se tornando um problema, pois ninguém conseguia pará-lo.

– Entre e vamos conversar. – Hoseok se virou, esperando que Hyungwon o seguisse.

E assim Hyungwon fez, seguiu o Shin por todo o percurso até sua sala e quando entrou na mesma, apenas bateu a porta com força, chamando toda a atenção para si. Hoseok o olhava inexpressivo.

– Quero explicações.

– Você é um babaca Hoseok, e eu sou mais babaca ainda de ter caído no seu joguinho. – Hyungwon começou.

– O que? – o loiro riu.

– Você me usou, e simplesmente me deixou.

–Hyungwon... – Hoseok riu alto. – Quando eu fiz isso?

– Ontem! Sumiu e não me disse nada.

– Eu estava aqui Hyungwon, esperando você acabar de ser elogiado pelas meninas.

– A porta estava trancada. – Hyungwon disse sem expressão.

– Você demorou, eu tive assuntos importantes para resolver. – o Shin sorriu.

– Por que não me ligou?

– Tive de me encontrar com um conhecido meu, era importante, cheguei em casa eram quase três da manhã, se eu te ligasse iria me matar por atrapalhar seu sono. – Hoseok explicou, cruzando os braços.

– Ainda não me acostumei com suas saídas repentinas... – Hyungwon disse, se lembrando de todas as vezes que Hoseok havia saído aquele mês.

– Por que essa raiva toda? E por que tão descontrolado?

– Ataques de fúria, Hoseok, sou capaz de matar um. – Hyungwon suspirou, reparando em suas mãos totalmente machucadas.

– Enfim, o que acha de um pedido de desculpas? – Hoseok perguntou, olhando-o com um sorriso ladino nos lábios.

– Ah... Desculpe. – Hyungwon murmurou.

– Não Hyungwon... Você entendeu errado... – Hoseok se aproximou do pequeno, tirando os cabelos negros dos olhos do mesmo.

– Ah... É, pode ser. – o outro respondeu.

– Quer mesmo?

– Sim. – Hyungwon respondeu.

O Shin acabou com o espaço entre os dois corpos, iniciando um beijo calmo, sabia que Hyungwon não estava querendo aquilo, mas sabia muito bem como fazê-lo sentir-se excitado com poucos toques. Antes que pudesse fazer qualquer coisa, o telefone tocou. Hoseok olhou o aparelho em cima da mesa e xingou mil e uma vezes quem estivesse lhe ligando.

Hyungwon bufou, saindo da sala e voltando ao camarim. Sentou-se no sofá e olhou em volta, observando os olhares dos outros dançarinos sobre si. Se sentiu desconfortável demais e afundou o rosto nas palmas das mãos, e assim sentiu o afago de Cheng em seus cabelos.

– Está tudo bem? – ela perguntou.

– Não, mas não se preocupem, eu estou bem. – ele respondeu.

– Vamos abrir em meia hora. – Kihyun entrou no camarim. – Aonde estão as outras meninas?

– Bona, Mei Qi e Seola estão chegando. A Xuan Yi e a Eunseo não trabalham hoje, lembra?

– Ah sim. – Kihyun coçou a nuca.

– Kiki. – Shownu chamou o de cabelos rosa. – Esse tal Changkyun é seu amigo?

Kihyun olhou o celular do maior e sorriu.

– Sim, ele é. – entregou o aparelho a Shownu.

– Hm... – Shownu apenas respondeu.

A porta de entrada do camarim foi aberta, revelando Bona e Mei Qi, que pareciam confusas. Seola não estava, e todos estranharam.

– Cadê a Seola? – Cheng perguntou. – Ela nunca falta.

– Não sei, acho que a família dela viajou. – Mei Qi deu de ombros. – A casa estava toda quieta, batemos na porta, tocamos a campainha, e nada.

– Estranho...

– Hyungwon, vocês saíram ontem? – Bona perguntou.

– Sim, eu a deixei na porta da casa dela. – o menino respondeu.

– Bom, depois nós damos uma passadinha lá. – Cheng se levantou. – Temos um show para realizar.

Naquela noite, Hyungwon não dançou na mesma intensidade que no primeiro dia. Seola não saia de seus pensamentos, e toda vez que pensava na mesma, sentia algo estranho dentro de si. Odiava seus pressentimentos ruins e por mais que tentasse, não pensava nada positivo. Nada mesmo.

Quando a noite acabou, ele tentou se despedir de Hoseok, mas o mesmo não se encontrava mais na boate. Andou até sua casa cabisbaixo, sentindo que algo estava errado, que estava tudo fora do lugar, e sempre que se sentia assim, ele estava certo em sentir que acontecimentos ruins iriam vir a tona. Chegou em casa e apenas checou se sua mãe dormia calmamente.

Despiu-se e se acomodou na cama bagunçada, sentindo-se cansado e dolorido. Odiava seus ataques de fúria, odiava sentir-se mal e não saber o porque. Odiava o fato de não saber onde Hoseok se metia, apenas justificando que eram assuntos importantes. Com a mente carregada, e pelo cansaço, Hyungwon adormeceu profundamente.

 

“Fuja! Fuja Hyungwon! Você está se metendo com o alguém errado! Vai acabar se dando mal!”

“Quem é você e por que diz isso?”

“Fuja Hyungwon, não é amor Hyungwon, é uma ilusão!”

“Quem é você?”

“FUJA!”

 

Hyungwon acordou subitamente, sua respiração descompassada e a pele banhada em suor. “Fuja!”, a palavra ecoava em sua mente, martelando fortemente. A dor de cabeça apoderou-se de seu corpo e o fez levantar para tomar um banho gelado, a febre podia ser sentida facilmente. Procurou por um remédio ao sair do banheiro e tentou voltar a dormir. Queria esquecer o sonho, que ele resolveu apelidar de pesadelo, sem saber que deveria ouvi-lo.

O quarto erro de Hyungwon foi não ouvir o seu sonho.

 

.


Notas Finais


FUJA! E ai gente, o Hyungwon devia ouvir o sonho dele e fugir? Ou ele vai ser idiota?
Música: Perfect Illusion - Lady Gaga

Bom, obrigada pelos 128 favoritos <3 Eu amo muito vocês aaa ❤

Leiam as outras fanfics da Trilogy D:

Desire: https://spiritfanfics.com/historia/desire-7059585
Diligent: https://spiritfanfics.com/historia/diligent-7059507

Será que vocês já estão entendo a fanfic? Hm.
Qualquer coisa, só me chamar no twitter: https://twitter.com/foolmonstax

Um beijo e um pão de queijo, até sexta ❤
Obs.: Amanhã sai Diligent


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...