História Dancing Love II - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Shawn Mendes
Tags Amor, Bieber, Dança, Justin, Mel
Exibições 939
Palavras 8.170
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OIE. Passando aqui só pra falar que vocês são as melhores de todas! Li cada comentário e só tenho a agradecer, amo quando comentam e me incentivam.

Capítulo 10 - Let Me Love You.


Fanfic / Fanfiction Dancing Love II - Capítulo 10 - Let Me Love You.

 

Seria isso um sonho? 

Eu precisava me beliscar muito pra saber se estava vivendo algo real, não poderia ser tão bom assim... O meu peito soltava fogos de artifícios, meu coração não ia mais de acordo com a frequência que meu sangue bombeava em minhas veias, era tudo tão bom e novo que eu não sabia por onde começar. 

- Abre Mel, quero ver o que é - Clara começou a falar atrás de mim e eu me virei ainda segurando o cartão onde acabei de ler o que me tirou o chão, mas de forma boa. Era como se eu sentisse Justin sussurrando cada palavra em meu ouvido.

Clara não esperou e puxou o cartão da minha mão me deixando sem ação, mordi os lábios notando que ela lia cada palavrinha sorrindo e ao final me olhou.

- Então? - perguntei com receio e ela me olhou arqueando a sobrancelha.

- O que você tá esperando? - me perguntou aliviando mais ainda as sensações do meu corpo - abre logo essa caixa, veste logo isso e vai logo atrás dele... - me encarou e deu mais um passo ficando cara a cara comigo - vai logo ser feliz! 

- Se você não fosse tão chata eu ia te dizer que você é a melhor - disse feliz e me joguei no seu braço dando um beijo melado em sua bochecha, eu não estava acreditando em nada, parecia que eu estava narrando o meu próprio sonho de consumo.

- Ai, credo - Clara reclamou passando a mão no seu rosto e limpando - não me passa essa doença não, eu hein garota...

- Que doença? - perguntei girando meu calcanhar e me voltando pra caixa, eu estava tão eufórica que acabei esquecendo dela.

- Essa de se apaixonar - disse mas eu não vi a expressão dela, automaticamente pensei na minha conversa com Khalil no carro e quis muito dizer que ela era apaixonada por ele e blá, blá, blá mas meu queixo foi ao chão quando eu abri a caixa e estiquei o vestido, era simplesmente perfeito - roxo? 

- Ele gosta - murmurei ainda boba, o vestido era de alça, tinha um pequeno decote na frente e um longo atrás, preso na cintura mas um pouco rodado embaixo e ia até minha perna... Digamos que um pouco curto. 

- Ele tem fixação isso sim - Clara disse e pelo som emitido eu deduzi que ela se jogou no sofá - por que Mônica não voltou com você? 

- Não sei, ela saiu com Ryan - respondi aproximando o vestido do meu corpo admirando.

- Veste logo isso Mel, você deve tá atrasada...

- Que horas são? 

- Quase dez.

- Quê? - arregalei os olhos e ela começou a gargalhar.

- Vai, toma um banho se veste que eu levo algo pra você comer... - Clara se levantou e saiu andando pra cozinha. 

Eu corri com o vestido na mão e o coloquei com cuidado em cima da cama, era lindo e eu não queria amassar. Entrei no banho ainda radiante, os suspiros que eu soltava não eram atormentantes e sim radiantes, a palavra felicidade era pouco pro que eu sentia. 

Quando eu acabei tudo o que tinha pra fazer no banheiro e fui me vestir Clara já estava no quarto e enquanto eu comia ela fazia algumas coisas em meu cabelo, pelo o que vi na internet não é nenhuma premiação de gala, era casual mas elegante... Digamos que só vão as estrelas e provavelmente amanhã estará em todos os lugares caso eu encoste um centímetro em Justin. 

- Clara - chamei sua atenção - o que aconteceu quando Khalil veio te ver? 

- Ele já te contou? - me perguntou meio irritada e bufou.

- Não, mas eu sei que ele veio aqui só pelo seu nervoso.

- Ele disse umas coisas ai...

- Tipo?

- Ai Mel, não quero falar disso eu gosto dele mas não confio nele - confessou meio sem jeito - ele não é o tipo de cara que eu sonhei pra mim, no inicio eu só queria curtir e sei que ele também mas quando ele me pediu em namoro eu sabia que não tínhamos a maturidade pra levar aquilo além então nunca íamos ficar na mesma frequência o que ia acontecer é que eu ia ser constantemente traída! 

- Olha... - soltei um longo suspiro mas nem eu tinha o que falar então olhei pro nada analisando tudo o que ela disse.

- Não precisa me dizer nada.

- Na verd...

- Na verdade - me interrompeu - você já está pronta - girou a cadeira que eu estava e me fez ficar parada de frente pro espelho - pronta pra ser feliz.

Justin POV.

- Você deixou a caixa no endereço certo? 

- Claro que eu deixe JB - Hugo me respondeu e eu bufei irritado, já estava quase na hora e nada de Mel.

- Você tem certeza? - tentei me assegurar e Hugo trocou olhares com Mike já também irritado.

- E tem como errar? Passei quatro anos parado ali...

- Mas... - minha mente pensava em tantas possibilidades de erros que eu ficava assustado.

- JB se você fizer mais uma pergunta eu serei obrigado a pedir demissão - Hugo disse e Mike caiu na gargalhada mas eu o olhei sério. 

- Vou lá fora - Mike disse saindo e eu puxei o ar com força.

- Era pra você ter ficado lá, precisava me certificar que ela está bem...

- Se eu ficar rodeando ela vai ser pior - Hugo me respondeu - mais cedo ela me notou e naquele dia da lanchonete também.

- É, mas ainda quero que fique de pé você fazer a segurança dela - disse baixo - ela me disse que foi embora por medo o que te faz certo, só preciso saber de quem ou do que.

- Pode deixar, ficarei de olho nela! - Hugo disse e assim que ele acabou de falar Scooter entrou no camarim e atrás dele veio Damon, por pouco Scooter não pega nossa conversa e eu e Hugo respiramos aliviados. 

- Pronto Justin? - Scooter perguntou.

- Sempre, já nasci pronto - respondi dando de ombros e vi Damon prender o riso.

- Ótimo, sua apresentação vem logo após a de Halsey, sem atrasos ok? - Scooter começou a falar e eu bufei irritado assentindo pra ele.

- Tá legal eu já entendi - respondi entediado, Scooter olhou pra mim e pra Hugo como se notasse que paramos um assunto quando ele entrou mas ele não questionou apenas se virou pra ir embora e Damon mandou um sorriso se virando também - Damon - o chamei e ele girou os calcanhares junto com o corpo, dei três passos em sua direção e segurei sua cabeça.

- Que é isso Justin tá doido menino? - perguntou confuso e eu dei um beijo em sua careca.

- Fica até o final que sua queridinha voltou - disse ainda segurando ele que me soltou.

- Ainda nas drogas Justin? Já conversamos sobre isso menino! - Damon começou a brigar, Hugo segurou seu riso mas eu não me contive e gargalhei, Damon ficou puto comigo e saiu batendo o pé.

Me virei pronto pra vestir minha camisa quando o camarim foi invadido por Chaz, Ryan, Shawn e Twist, esses viados não sabem ir a esquina sem mim. Eles se jogaram no sofá e eu dei uma voltinha.

- Então, como estou? - falei me gabando e Twist puxou as palmas e por palhaçada Chaz, Shawn e Ryan bateram palmas - tá bom, tá bom meus fãs não precisam de empolgar tem belieber demais por ai to dispensando vocês.

- Viado - Chaz disse jogando uma almofada em mim.

- Nem vou te dizer eu ia mandar você tomar Justin - Ryan disse estressado e bloqueou a tela do celular.

- Ih para de estresse. 

- Por que tá tão animado? - Shawn me perguntou e eu dei de ombros, Chaz me olhou de lado sorrindo e eu notei que ele sabia por que eu estava tão feliz, Mel é amiguinha dele e deve ter contado tudo mas foda-se só o fato dela tá comigo já me deixa bem. 

- É, só vi esse sorriso ai uma vez na vida brow, andou tomando mel? - Twist brincou e eu travei meu maxilar olhando pra ele, como esse filho da puta ousa brincar assim com ela? Quer graça? Dou um murro nele. Depois que ele deu risada no camarim ficou um silêncio até eu respirar fundo pra não soca-lo.

- Nunca mais brinque assim com ela - disse ríspido e o sorriso que estava em seu rosto sumiu, Ryan e Chaz se olharam mas eu estava puto! 

- Shawn, vamos dar uma volta? Ver umas gatinhas... - Chaz sugeriu puxando Shawn que só nos olhou sem entender - Dude cara assim vamos traumatizar o moleque, ele só presencia briga - disse sorrindo pra aliviar.

- Verdade mas o bom é que vocês se acertam depois - Shawn respondeu rindo.

- Que dia vocês brigaram? - Ryan perguntou confuso.

- No dia que Chaz não quis me falar onde Mel estava - respondi e Chaz me olhou feio puxando o ar com força.

- Você conhece alguma Mel? - Shawn disparou em me perguntar confuso, eu também fiquei não é como se existissem duas Mel por ai, não a minha! 

- Sim, a minha! Porque? - perguntei petulante e ele negou com a cabeça sorrindo e levantando os braços como forma de rendição.

- Vem Shawn - Chaz o puxou e eles sairam.

- Porque só existe ela no mundo - Ryan implicou usando ironia e me olhou - a proposito, quando ela foi sua? 

- Cala a boca Ryan - falei mais calmo e ele tocou em minha mão.

- Tenho que ir, boa apresentação brow - disse e fizemos nossos toques, Ryan saiu e eu fui tomar um pouco de água, na verdade eu não estava com sede eu estava ansioso pra caralho, Mel está atrasada. Eu estava nervoso mas não queria demonstrar tamanho nervosismo.

- JB - Mike apareceu na porta do camarim me chamando, não acredito que já tá na hora de minha apresentação e ela ainda não chegou - ela chegou. 

- Ainda bem, vou dar um relógio pra ela - falei irritando, mentira eu estava feliz mas estava puto por ela me fazer esperar.

- Anda logo - Mike avisou e eu peguei meu violão que estava encostado no sofá do camarim, andei na frente seguido por Mike já no backstage indo na direção pra esperar ser chamado, Halsey estava na sua vez quando Shawn passou correndo por mim quase me levando junto.

- Desculpe ai Justin - Shawn disse mas sem prestar atenção em mim, ele olhava pra algo fixo no salão e seus olhos chegavam a brilhar.

- Que é cara, tá passando mal? - perguntei passando a mão na frente do seu rosto e ele sorriu. 

- Olha lá cara, ela ali - Shawn disse e meu olhar seguiu na sua direção, ele olhava pra quem nunca na vida ele poderia se quer mencionar - é ela a mina que te falei.

- Aquela de vestido roxo? - perguntei apertando firme meu violão tentando me controlar, meu o odio já tinha se misturado à adrenalina em minhas veias e eu queria socar tanto esse filho da puta que ele nem imagina. 

- Sim, o que ela faz aqui? Acho que é o destino porque toda vez nos encontramos sem querer... - ele disse mas eu não aguentei escutar aquilo e larguei o violão me preparando pra esmurrar Shawn, com ela ele não toca, não fala e nem deseja. Tomei impulso com todo meu odio mas Mike me imobilizou.

- Me solta Mike - gritei chamando atenção por ali, eu estava que nem um tomate de tanto odio quando Mike me jogou de volta no camarim e eu chutei a mesinha de centro - porque não me deixou socar ele? Por que? Filho da puta do caralho, você viu Mike, viu aquilo?

Ele estava falando dela - comecei a gritar nervoso e Mike me olhava sério quando Hugo entrou no camarim correndo.

- Tá louco Bieber? - Hugo perguntou mas eu não liguei, comecei a andar de um lado para o outro, ele não ia ficar com ela.

- Você viu o que aquele filho da puta disse? Viu? - perguntei nervoso, eu estava fora de mim de tanta raiva.

- Olha lá você indo fazer merda de novo, tá louco porra! - Hugo se exaltou me encarando feio.

- Eu vou lá quebrar ele - disse pisando firma até a porta mas eles se colocaram na minha frente fechando a minha saída - saiam! Isso é uma ordem! - mandei mas eles nem se moveram e quando eu tentei passar fui quase esmagado por eles. 

- Para com isso - Hugo gritou comigo - Shawn não teve culpa, ela não teve culpa, você não teve ninguém teve porra! 

- Não me grite Hugo.

- Grito, quem sabe assim você raciocina. Porra JB ela foi embora porque você fez merda e quando ela tá aqui e você tem a chance de fazer tudo certo você quer bater em Shawn? Que culpa ele tem? - Hugo começou a me trazer pra realidade mas eu ainda respirava ofegante - não faz errado Justin, seja racional. Dessa vez pode não ter volta! 
 

Mel POV. 

Eu desci do carro que ele mandou me buscar e eu já me arrependia. Além daquele tanto de flashes quase me matar era tanta gente famosa que era uau atrás de uau! Eu nunca fui de me deslumbrar com famosos mas dentre os que eu via aqui eu não tinha como não me sentir minuscula.

Eu olha tudo de forma abismada, pra mim aquilo ali era tipo o Grammy ou o AMA, era o ápice de uma festa que eu já fui. 
O centro das atenções era Anne-Marie que cantava uma música que eu não identifiquei porque na verdade eu só escutei uma música dela por gostar, caminhei atenta no meio daquela gente e quase gelei quando me esbarrei em um cara fazendo ele derramar um pouco de sua bebida em meu decote devido a nossa diferença de altura.

- Me desculpe - ele disse sem jeito e eu forcei os olhos pra saber de onde ele era.

- Tudo bem - respondi abanando o local e quando um garçom passou ele puxou um guarnapo me dando - ah, obrigada - disse sem graça e evitando contato visual com ele.

- Você tá com quem? - me perguntou e eu o olhei de boca aberta - digo - pigarrou - você tá com cara de perdida - se corrigiu e eu notei de onde ele era familiar, era Zyan. Atrás dele, por cima de seu ombro pra ser mais especifica eu notei aquele segurança de Justin me olhando, só eles que acham que eu não noto que aquele carinha me observa demais.

- Eu não estou perdida - respondi de forma rude e sorrir no final sem mostrar os dentes - agora, se me dá licença - disse saindo sem dar ousadia pra ele, eu mereço uma coisa dessas agora eu vou ficar cheirando a uísque a festa inteira! 

Comecei, ou melhor, continuei andando entre as pessoas sem saber ao certo onde eu ia parar mas meus pés souberam exatamente onde e o momento de travarem no chão quando o carinha lá começou a falar.

- Daqui a pouco com vocês, Justin Bieber. 

Aplausos, diferente dos shows não haviam gritos histéricos só aplausos e assovios. Girei um pouco meu corpo na intenção de olhar pro palco mas alguém tocou meu braço me assustando.

- Calma - Miley sorriu - então é você mesmo - começou a falar e eu olhei ao redor notando que eu era completa idiiota, eu estava ao lado da ex dele sem notar, a loirinha cochichou algo em seu ouvido e ela sorriu pra mim, não espera ai ela sorriu pra mim? - você é a famosa Mel Lavigne...

- Como sabe meu nome? - disparei em perguntar e ela deu de ombros revirando os olhos, ok agora eu sei como isso é chato e prometo nunca mais fazer.

- Você tá constrangendo a menina - Selena se pronunciou de forma calma me olhando, céus por que eu tinha que ficar sozinha nessa? Justo nessa.

- Que nada - Miley respondeu ignorando Selena, opa! Será que tem treta ai? 

- Seus olhos são bonitos.

- Para Cara - Selena disse e eu me sentia o centro das atenções coisa que eu odeio, nunca me sinto acuada mas essa situação é constrangedora.

- Cuidado Cara porque eu vou contar pra Justin que você tá dando em cima da namorada dele - Miley disse gargalhando e meu rosto queimou, eu fiquei muito sem graça pela situação.

- E-eu não... - tentei falar mas Selena me interrompeu.

- Tudo bem - disse - Miley você não sabe conversar de forma educada? - perguntou entre dentes e eu arregalei os olhos.

- Que tal todo mundo calar a boca que Taylor já vai tocar - Cara sugeriu me olhando e eu fiquei com medo dela.

- Quem liga pra Taylor? - Miley perguntou tomando um gole de seu drink.

- Ninguém - falei sem sentir e notei que elas me olharam espantadas, nunca gostei dela mas nem percebi que falei demais, Miley sorriu mas Selena me olhou arregalando os olhos mas Cara deu um sorriso malicioso e eu me senti muito desconfortável - você não disse de onde me conhece - falei mudando de assunto e Miley virou o copo até a última gota, fez uma careta e me olhou.

- Sou amiga dele - respondeu e virou o copo que estava vazio de cabeça pra baixo me olhando - preciso de mais, fica ai que eu já volto tá? - assenti - não some por quatro anos não que eu só vou ali - fez piada e saiu.

- Ela é louca! - murmurei ainda abismada como ela é e Selena me olhou assentindo, vi que a modelo não estava mais ao seu lado e gostei disso, sua presença me deixa mal.

Me virei na intenção de sair, as luzes foram se apagando e tudo indicada que era Justin que ia entrar no palco.

- Não precisa ir embora por minha causa - Selena disse me encarando.

- Não ia sair - menti com a primeira coisa que me veio a mente e quase quis me queimar por isso, porque tive que da mais um passo ficando ao seu lado e me virando, dito e certo Justin entrou no palco e apenas uma luz ficou sobre ele, meu coração bateu mais rápido e minha boca chegou a ficar seca. 

Respirei fundo e apertei minha mão a fechando com toda a minha força, era como se até Selena sumisse dali, era como se só o perfume dele penetrasse pelos meus poros.

Seus dedos tocaram nos acordes de forma lenta e ele olhava para todos os contos e depois sorriu piscando, era como se ele me procurasse e eu olhei vendo só Selena de "conhecida" ao meu lado.

- I used to believe. We were burning on the edge of something beautiful (Eu costumava acreditar. Que nós estávamos à beira de algo belo) - começou a cantar, ele estava lindo e sem aquele cabelo estranho, estava raspado e usava uma bandana vermelha na cabeça. Lembrei do dia que ele me disse que vivia como 2Pac e sorrir - Somethin' beautiful. Selling a dream. Smoke and mirrors keep us waiting on a miracle (Vendendo um sonho. Fumaça e espelhos nos deixam esperando por um milagre) - respirei fundo entendendo o que aquela música queria e abaixei a cabeça, sim eu deixo mas é que essa merda de destino brinca tanto comigo que eu tenho medo - On a miracle. Say go through the darkest of days. Heaven's a heartbreak away. Never let you go, never let me down (Por um milagre. Seguimos pelos dias mais escuros. O paraíso está a uma decepção de distância. Nunca te deixarei, nunca me decepcione) - olhei ao redor mas a única coisa que me desconcentrou foi o grito de incentivo que Miley deu animada demais - Oh, it's been a hell of a ride. Driving the edge of a knife. Never let you go, never let me down (Oh, tem sido uma baita de uma jornada. Dirigindo pelo desconhecido. Nunca te deixarei, nunca me decepcione) - dava pra notar o quanto Justin tinha mudado até por seu modo de cantar, suas músicas agora falavam mais com a alma o que combinada com sua rouquidão - Don't you give up, nah, nah, nah. I won't give up, nah, nah, nah. Let me love you. Let me love you (Não desista, nah, nah, nah. Eu não desistirei, nah, nah, nah. Me deixe te amar. Me deixe te amar) - eu jamais irei desistir de nós - Don't fall asleep. At the wheel, we've got a million miles ahead of us. Miles ahead of us. All that we need. Is a rude awakening to know we're good enough. (Yeah) know we're good enough (Não durma. Na direção, temos milhões de milhas a nossa frente. Milhas a nossa frente. Tudo que precisamos. É um despertar bruto para que saibamos que somos bons o bastante. (Yeah) saibamos que somos bons o bastante).

- Mel - escutei alguém me chamar e notei que era Shawn, quase tive uma sincope ali mesmo.

- Shawn? - perguntei arregalando os olhos e ele sorriu passando o braço pelo meu ombro - Shawn tá doido? - perguntei tentando me livrar de seu braço e olhei pro palco com medo, depois que Chaz me contou aquilo no carro tudo o que eu não precisava era me esbarrar com Shawn aqui.

- Say go through the darkest of days. Heaven's a heartbreak away. Never let you go, never let me down. Oh, it's been a hell of a ride. Driving the edge of a knife. Never let you go, never let me down (Seguimos pelos dias mais escuros. O paraíso está a uma decepção de distância. Nunca te deixarei, nunca me decepcione. Oh, tem sido uma baita de uma jornada. Dirigindo pelo desconhecido. Nunca te deixarei, nunca me decepcione) - me virei respirando fundo olhando Justin no palco, ele cantava concentrado e por sorte não estava olhando naquele momento.

- Você sumiu hoje mais cedo, por quê? - Shawn perguntou no meu ouvido devido ao som e eu me senti a pior pessoa do mundo, tinha que falar a verdade pra ele urgente, não quero outras bringas como Jonh e Justin brigavam.

- Shawn eu... Eu tenho que falar com você - me virei vendo a música acabar e Selena ao meu lado notou meu desconforto. 

- Pode falar.

- Mas não agora - respondi e vi que a luz estava voltando ao normal, aplausos e mais aplausos, engoli a seco me virando pra frente e notei Ryan me longe quase gritei por socorro.

- Obrigado - Justin disse e respirou buscando fôlego e quando pararam com as palmas ele continuou a falar - eu essa noite queria poder dizer algumas palavras... Há um tempo atrás eu não sabia bem o que era amar, eu sai de um relacionamento achando que era ali o ápice de tudo que eu poderia sentir na vida até que... - soltou um suspirou sorrindo e me olhou - até que um dia a pessoa mais indomável e sortudo em me conhecer surgiu em minha vida, eu era um moleque, achava que carros e dinheiro me fazia o Deus e me completava, raramente alguém me tratava de igual pra igual como ela, ela me puxou a realidade e me deu o que hoje eu noto ser algo mais importante na vida de um homem, não basta amar tem que saber que as vezes o sentimento mais insano é o melhor e que quando Deus coloca uma mulher brigona, ciumenta e mandona em seu caminho - sorriu feliz - acredite, essa é a mulher certa, a mulher de sua vida! 

Sem chão, mas dessa vez no paraíso. Cada pessoa ali que bateu palma pra Justin não imagina que pra ele falar isso em público foram tempos e tempos afastados e não havia mais esperança de um futuro pra nós. 

- Bieber tá apaixonado - Shawn disse me tirando dos meus devaneios e quando olhei de volta Justin estava saindo do palco, ou seja ele ia encontrar Shawn aqui e isso não ia ser legal.

- Shawn meu brother - Chaz apareceu abraçando ele e me lançou um olhar terrível, mas que culpa eu tive? 

- Ah - Selena se pronunciou pigarrando - meninos eu preciso trocar uma palavrinha com Mel - disse me puxando e vi Chaz a metralhar com os olhos, eu nem sabia pra onde ela estava me levando e travei meus pés no chão.

- Espera ai - parei me recuperando e tomando fôlego - não temos nada pra conversamos - disse séria e ela sorriu.

- Eu sei, só notei que você não estava confortável e te tirei de lá.

- Por quê tá sendo boazinha se eu nem gostava de você? - perguntei cruzando os braços e ela se surpreendeu.

- Não gostava de mim? - perguntou apontando pra si - mas ai, me conta o que eu te fiz - pediu me encarando e eu desarmei minha guarda.

- Bom... - fiquei sem jeito - diretamente nada, mas deu trabalho juntar Chaz e Justin novamente - falei dando de ombros e ela me olhou séria.

- Não tem porquê ter ciumes, escutou tudo o que ele disse? Ele é apaixonado por você e acredite o carinho que tenho por ele agora não é como namorados - me disse serena demais, eu estava ali na defensiva e ela me desarmava a cada palavra sua - você escutou? Ele não esconde de ninguém que você é a razão do novo album.

- Tenho sim, eu dancei quase um ano naquele palco as músicas que foram feitas pra você - cuspi em cima dela, inclusive nunca escutarei Boyfriend na vida.

- Então parece que o jogo virou não é mesmo? - perguntou sorrindo, talvez eu esteja sendo criança mas não nego que tenho ciumes, ele tem ela tatuada não é pra menos meu ciume.

- O que fazem aqui? - Justin perguntou com o cenho enrugado - isso foi estranho - comentou intercalando seu olhar entre eu e Selena.

- Ela quer falar com você Justin - Selena disse saindo e eu dei um passo na direção pra sair também mas recuei, eu tremia e queria rir mas era de nervoso, eu juro! 

Selena saiu e eu e Justin paramos um de frente pro outro, ele estava confuso e não é pra menos. Eu não queria raciocinar, queria apenas agir e foi o que eu fiz, o puxei pela camisa diminuindo a distância entre nós dois ele entrou na brincadeira e quando eu fui pra beija-lo ele desviou e eu fiquei brava mas antes que eu fosse brigar ele me puxou pela nuca me beijando. 

Eu sempre acho que chego um pouquinho ao paraíso quando ele me toca e agora não foi diferente, Justin diminuiu a distância entre nossos corpos e nos colou, sua língua trilhava com a minha e sentimos a necessidade do toque um do outro, caminhando as cegas ele me prensou contra a parede ainda me beijando, um calor tomava conta de mim, sua mão me apertava na cintura quase rasgando o meu vestido e eu o puxei pela nuca também e acabei tirando sua bandana mas to nem ai, Justin partiu o beijo sem me dar tempo e partiu beijando meu pescoço de forma urgente, sua boca sugava o mesmo e eu mordi o lábio pra não emitir sons, mesmo estando mais afastados não deixa de ser um lugar cheio de gente.

- J-ju-justin para - pedi quase gemendo mas ele continuou chupando meu pescoço - para - pedi e saiu mais como um gemido.

- Só se você me deixar te leva daqui - disse me encarando e me deu um selinho, na verdade vários.

- Porque ainda estamos aqui? - perguntei atiçando ele que me apertou mais e me deu um longo selinho se afastando, nosso sorriso poderia iluminar a cidade era nitido em nós dois.

Justin se afastou um pouco ajeitando sua roupa e me puxou pela mão abrindo caminho entre as pessoas, alguém sempre o parando e ele tentava ser rápido, quando passamos pelos meninos Chaz sorriu vendo nossas mãos entrelaçadas mas vi que Shawn olhou sem entender, Justin passou a me guiar pela cintura como se quisesse marcar território.

- Uhuuuuul - Miley gritou passando por nós e apertou a bunda de Justin.

- Não liga que ela tá bêbada - Justin disse me meu ouvido quando me viu fechando a cara mas eu suspirei abstraindo o que ela fez, ele continuou me guiando pela cintura até a saída onde entramos em uma Land Rover preta. 

Justin assumiu o volante e eu me sentei no carona, ele ligou o carro em um desespero que só, eu queria dar risada mas me contive e fiquei na minha. Ele pisou fundo no acelerador e eu quase fui projetada do banco.

- Justin! - o repreendi me virando de lado mas ele não me disse nada, passou a língua de forma preguiçosa pelos lábios me causando um fogo fora de mim, me ajeitei na cadeira e ele sorriu notando e pousou sua mão em minha perna fazendo um carinho que só tinha malícia, sua mão subia na parte interna da minha perna  e por dentro do meu vestido, ele estava me provocando a todo tempo e se ele queria assim ok que assim seja.

Me inclinei mais no banco e beijei seu pescoço, ele ficou surpreso com meu ato mas riu gostando e eu continuei, beijei seu ombro e parei minha mão em sua perna fazendo o mesmo que ele mas minha mão foi mais ousada e eu abri o ziper de sua calça tirando seu membro e fazendo um vai e vem com a mão, ele estava quente e já quase no ponto, aquilo era ótimo.

Passei meu polegar pela cabecinha e Justin segurou firme no volante soltando um gemido, continuei beijando seu pescoço e sugando sua pele ali, fui aumentando o ritmo de minha mão até que fui parando e sem ele esperar eu me inclinei mais sugando sua glande, passei a língua três vezes e depois suguei sua cabecinha novamente, olhei pra cima e ele tentava se manter controlado e atento ao trânsito mas ele acabou fazendo um desvio que me assustou, levantei um pouco a cabeça mas Justin me segurou pela nuca.

- Continue Mel apenas continue - mandou agoniado, Justin embaralhou sua mão em meus cabelos e eu comecei a fazer o que ele mandou, eu nunca senti tanta saudade de algo na vida como de Justin. Fui chupando seu pau e minha mão se movimentava no vai e vem ao mesmo tempo, Justin liberou seu líquido pré-ejaculatório e isso me fez aumentar a velocidade, ia passando minha língua e quando ele gemeu foi música aos meus ouvidos mas notei que ele estava se controlando ao máximo então eu fui mais fundo nas investidas, logo senti sua mão puxando a minha calcinha e ele passou os dedos me fazendo arrepiar e levantar a cabeça, ele mordia os lábios da forma mais gostosa que ele poderia fazer - não pare vadia - disse sorrindo, claro que ele nunca ia perder esses "apelidos". Sorri com minha mão ainda o masturbando e fui até sua boca mordendo de leve seu lábio quando o carro parou no sinal, ele me penetrou com dois dedos e eu não tive como não gemer.

Quando o sinal abriu eu voltei, nunca fiz boquete dentro de carro é desconfortável mas a adrenalina era boa, agora ele tirou seus dedos de mim e gemeu voltando a segurar em meus cabelos e me puxou pra cima.

- Que foi bebê? - perguntei passando a língua pelos lábios me sentando no banco mas ainda de lado pra ele - não quer gozar? - perguntei sorrindo e ele quis me matar.

- Acredite se eu gozar vamos morrer porque eu vou bater com o carro - me respondeu eufórico e virou a curva com tudo, eu parecia um io-io naquele carro.

- Quer nos matar? Por quê virou aqui? - perguntei ajeitando meu vestido.

- Por que chegamos - disse quando um grande portão se abriu e ele pisou fazendo o carro se mover. 

- Você não morava no Calabasas? - perguntei confusa vendo ele desligar o carro - foi expulso de lá po... - antes que eu terminasse minha frase ele me deu um tranco forte onde eu parei em seu colo - ai - reclamei mas ele não ligou, começou beijando meu busto por todos os lados e subindo pro meu pescoço, segurei em sua nuca sentindo seus lábios em meu pescoço e logo estavamos nos beijando outra vez, sua mão estava na minha cintura mas por dentro do vestido e nossa urgência se tornou necessidade.

Justin abriu a porta do carro comigo em seu colo, paramos o beijo e eu passei meus braços pelo seu pescoço, suas mãos espalmadas em minha bunda me seguravam firmes, comecei a beijar seu pescoço e ele me apertou mais onde eu sei que as marcas de seus dedos estarão ali, entramos pela porta dos fundos a sorte era que não tinha ninguém por ali e por segundos me perguntei se Maria trabalhava ainda com ele e só sai dos meus pensamentos quando ele começou a subir a escada comigo.

- Você pesa - disse me olhando, nossa posição nos permitia isso.

- Você que tá fraco - respondi roubando um selinho dele que abriu uma porta e fechou com o pé, no segundo seguinte eu fui jogada em cima da cama como sempre e ele parou segundos me olhando ainda de joelhos na borda da cama e tirou a blusa, com o meu pé eu comecei a passar pelo seu membro por cima da calça, Justin sorriu e segurou meu pé passando mais duas vezes por ali e me afastou tirando a calça ficando apenas de cueca preta. Ele se enfiou entre as minhas pernas mas não deitou por cima de mim apenas beijou do meu pescoço até meu decote e se inclinou mais deslizando seus dedos pela alça até meu decote onde ele forçou e rasgou meu vestido de cima a baixo - porquê você continua pré-histórico? - perguntei abismada com sua atitude e ele sorriu - eu gostei do vestido lá legal? 

- Eu também, por isso comprei - disse calmo passando sua mão por minha cintura e apertando.

- E por quê rasgou? - perguntei emburrada e ele me inclinou mais por cima de meu corpo me dando um beijo curto.

- Porquê quando eu comprei eu já imaginei arrancando ele de você - sussurrou safado contra os meus lábios e eu não tive como resistir, puxei seu lábio mordendo e nos beijamos, as mãos de Justin queimavam em meu corpo e eu arquei as costas quando as mãos deles tocaram no meu sutiã e ele abriu jogando longe, suas mãos atrevidas começaram a massagear os meus seios e sentir seu toque já era quase um orgasmo ataquei seus lábios mas ele não deixou durar muito logo se separou e deu dentre prendeu de leve meu mamilo o chupando em seguida, levei minha mão até sua nuca e como ele não dorme me serviço enquanto beijava, mordiscava e chupava meus seios sua outra mão já estimulava meus clitóris. 

Ele se afastou de meus seios mas ainda me estimulava me olhando nos olhos, os gemidos que escapavam me minha boca não eram meus, era fruto do prazer que eu estava sentido, sua mão era ágil e estava já me faltando oar quando Justin parou.

- Porque parou? - perguntei ofegante e ele riu.

- Calma, temos a noite toda - respondeu sereno e foi tirando a cueca, porra tem noção da visão dos deuses que é ele assim? 

Justin flexionou meus joelhos e ainda ajoelhado ele beijou meu pé, seus beijos foram subindo até a parte interna da minha perna, ele me olhou e eu não tive forças para falar nada apenas apertei firme nos lençois quando sentia sua respiração bater ali, ele beijou lada lado até chegar no ponto que desejava, primeiro sua língua foi tranquila e ele deu um beijo em mim depois ele foi me torturando e penetrou um dedo em mim.

- Annw - soltei um gemido apertando mais os lençóis e sentindo Justin sugar meu clitóris, sua língua passeava entre meus lábios maiores e menores de uma forma vil, assim era tortura fora do comum, eu não ia aguentar por muito tempo - Justin...

- Shiu amor - pediu subindo uma de suas mãos e apertando meus seios. Ele aumentou o ritmo mais uma vez e eu já sentia meu corpo tremer.

- Justin - gritei gemendo, ele intensificou seu dedo e não evitei um orgasmo, estava ofegante demais e já estava sem disposição quando Justin subiu em mim me beijando terminando de roubar o resto do meu fôlego - você tá acabando comigo - murmurei e ele riu.

- Você não viu nada, agora senta aqui que meu pau tá doendo de tão duro - disse rolando pela cama e fazendo eu ficar por cima, minhas pernas estavam bambas mas mesmo assim eu me levantei um pouco posicionando o pau de Justin na minha entrada e fui descendo aos poucos, ele foi me invadindo lentamente e segurando firme em minha cintura. 

Ia descendo e subindo lentamente, espalmei minhas mãos em seu peitoral e ele deu um tapa estalado em minha bunda aumentando mais os movimentos, Justin e eu primeiro estávamos curtindo um ao outro agora estamos fodendo com força. Agora eram os momentos insanos que tínhamos e que sempre falavam alto.

Rolamos pela cama quando ele ficou por cima tomando mais ainda o controle da situação, na cama eu era dominada não só por ele e sim pela saudade, nos beijamos enquanto ele ia sem piedade fundo em mim, arranhei suas costas, o suor ia descendo e unindo mais ainda nosso corpo, Justin afundou sua cabeça no meu pescoço onde ia falando coisas sujas que me davam mais tesão! 

- Fica de quatro - mandou saindo de mim e eu obedeci, fiquei de quatro na cama empinando a minha bunda o máximo que dava mas ele ficou brincando de esfregar sua glande na minha entrada mas não colocava logo.

- Para com isso - pedi manhosa e ele riu.

- Então pede - sussurrou próximo ao meu ouvido - pede amor... - beijou meu ombro e eu suspirei, não ia pedir mas ele sabe torturar.

Me inclinei passando meu braço e o beijei, ele riu rodeando a minha cintura e entrou fundo em mim me arrancando outro gemido do fundo da alma. Ele foi impondo outro ritmo até que ele começou a ir fundo, meu corpo não aguentou ficar de quatro e eu fui caindo e ele por cima de mim até que ouvi ele urrar em meu ouvido.

Respirei ofegante e sentia a respiração dele batendo em meu ombro onde ele beijou até chegar em minha boca, Justin me virou e foi me penetrando lentamente, ainda nos beijando eu sentia meu orgasmo chegando e minha perna tremer quando cheguei ao meu ápice.

Continuamos nos beijando até o nosso último suspiro de fôlego.

- Eu to morta - disse olhando pra ele que riu me selando.

- Eu te amo - disse sem delongas olhando em meus olhos, era a segunda vez que eu escutava aquilo e agora eu não queria mudar de assunto, entrelacei meu braço eu seu pescoço nos aproximando mais e mais.

- Eu - dei um selinho - te amo - sussurrei dando outro selinho e vi um sorriso brotar de seu rosto - muito - outro - te amo - dei um útimo selinho demorado e ele já ia transformar em beijo mas eu cortei - sem pulmão pra mais beijos - disse e ele riu.

- Você anda muito fraca - brincou.

- Você acabou comigo - disse me jogando na cama.

- Vamos tomar banho - ele levantou me puxando mas eu me arrastei, eu sinceramente só tomei banho porque estava suada demais, eu e Justin trocamos algumas caricias mas nada mais que isso, eu ia morrer. Saimos do banho e ele me deu uma camisa sua, sorri lembrando da primeira vez que isso aconteceu - uma foda por seus pensamentos - Justin perguntou me abraçando por trás e eu ri.

- Você só pensa em sexo? 

- Também, vai dizer que você não pensa? 

- Não como você - respondi sentindo ele beijar meu ombro.

- Duvido - respondeu se afastando e me puxando pra cama, Justin deitou e eu me deitei em seu peito, isso era bom demais pra ser um sonho e eu peço a Deus pra não acordar. Justin ficou afagando meus cabelos e notei quando ele soltou um longo suspiro.

- Fala - disse inclinando a cabeça e o olhando. Sabia que ele queria falar alguma coisa e ele nem negou isso descendo um pouco mais ficando na altura de meu rosto, seu polegar fez carinha na minha bochecha me dando um selinho.

- É... É que não usamos proteção - murmurou com cautela, agora eu entendi porque disso, na mente dele eu havia tido um aborto antes e o assunto era delicado. Desenhei sua boca com o dedo e sorri.

- Amanhã eu tomo - disse tentando ser séria ou verdadeira mas a verdade é que depois do parto de Julie eu tive complicações e não posso mais ter filhos.

- Mas eu quero que você tome remédio sempre entende? - me perguntou e eu assenti, seus olhos entregavam como ele estava mal com isso e eu mil vezes pior - não quero que passe por aquilo novamente - disse e eu assenti deitando de novo minha cabeça em seu peito.

- Não passaremos - respondi segurando uma lágrima pra ele não ver, suas mãos continuaram me fazendo carinho até que eu adormeci, sentindo seus carinho.

Acordei sozinha na cama, olhei ao redor pedindo que a noite passada não fosse um sonho e não era! Dei um pulo da cama pra procurar Justin e sai do quarto parecendo uma criança que acabou de ganhar um presente era mais do que notável a minha felicidade, desci as escadas pulando de felicidade e fui andando, como a casa era nova pra mim eu me perdi um pouco até achar a sala o que me guiou foram as vozes que soavam de lá, caminhei descalça e com a camisa de Justin até a sala e dei de cara com Scooter conversando com uma mulher loira mas assim que me viu ele parou.

- Bom dia Scooter - sibilei animada, fazia bem questão dele me ver ali. Agora eu estava por cima não ele. Scooter me olhou abismado como se não esperasse por minha presença ali e a mulher ao seu lado me olhou também, sua cara era um tanto conhecida mas eu não dei bola, continuei exibindo meu sorriso de vitória pra ele que me olhava furioso mas não podia fazer nada.

- O que faz aqui? - perguntou entre dentes quase rosnando.

- A casa é sua? Acho que não né porque caso o contrário eu não estaria aqui - disse com desdem e vi ele fechando os punhos de ódio. 

- Você teve a ousadia de voltar? - continuou rosnando e eu dei um passo em sua direção.

- Pois agora quem irá rodar aqui é você - o disse petulante - pode apostar que seus dias estão contados por tudo que fez a nós três Scooter, você vai pagar e eu faço questão que seja com seu sangue - disse fria, nada tirava da minha que ele pegou minha Julie de mim - agora se me dar licença preciso comer algo, estou cansada - disse jogando meu cabelo e me virando saindo dali o deixando com cara de tacho. 

Eu posso não ter certeza do perdão de Justin porque sei que errei, posso até não ter certeza se minha Julie está viva mesmo essa possibilidade doendo meu peito mas que Scooter irá pagar... Ah disso eu tenho a maior certeza da vida, nem que pra isso eu empenhe a minha vida em ferrar com a dele. Caminhei até achar a cozinha, Maria estava de costas fazendo algo e quando se virou e me viu apenas sorriu.

- Imaginei que você estava ai - cochichou e eu me inclinei pra escutar.

- Pensei que ia soltar fogos mas você nem deu bola - respondi me fazendo de ofendida e ela riu de novo - como sabe que eu estava aqui? - perguntei mas ela voltou a sua postura virando-se e eu fiquei com cara de nada, só entendi o porquê quando senti as mãos de Justin me puxarem pela cintura e ele me abraçar por trás. Ele disse a Maria que eu estava aqui, só pode.

- Bom dia - ele disse abraçado a mim e eu não me importava de passar a vida assim.

- Bom dia - me virei o beijando mas Justin não sabe beijar e pronto ele tinha que esquecer que Maria estava ali e ficar passando suas mãos ousadas pelo meu corpo - Justin para - pedi com vergonha mas ele riu me selando e me entregou um pacotinho - o que é isso? 

- Seu remédio - me respondeu, eu fiquei sem graça e apenas assenti sorrindo roubando outro beijo dele - toma logo - disse e eu sorri.

- Vou tomar - respondi me desgarrando dele e pegando o copo, ele foi mexer na fruteira e eu joguei o remédio no ralo sem que ele notasse e tomei a água do copo, voltei pra perto dele - eu tenho que ir - falei e ele me olhou feio.

- Porquê? - quis saber se abraçando a mim.

- Por quê eu preciso, nem roupa aqui eu tenho - respondi o fazendo notar que eu vestia sua blusa, Justin olhou por longos pro nada e eu sei que quando ele faz isso é por que tá procurando uma solução pra algo e quando ele voltou seu olhar pra mim foi bem isso que aconteceu.

- Pega uma roupa com Maria, te dou meu cartão e você compra outras - disse me olhando.

- Tá querendo que eu me mude pra cá? Não posso, Clara deve tá preocupada comigo - fiz uma manha e ele me olhou rindo e beijou meu pescoço - Justin não estamos a sós...

- Sim a intenção é essa - me respondeu me selando - e deixa aquela barata cascuda com Khalil, hum? Que tal? - sugeriu beijando meu pescoço só pra me persuadir.

- Bieber? - uma voz grossa tomou conta da cozinha, era um dos seguranças de Justin - Scooter tá a sua espera - ele avisou, Justin se colocou em minha frente tapando totalmente a visão do cara.

- Tá, pode ir - respondeu grosso e escutei o cara saindo - vai pegar uma roupa com Maria - mandou me dando um selinho e um tapa na bunda e saiu.

Suspirei mas de felicidade e me virei vendo Maria, nem precisei pedir ela sorriu e fez um gesto para que eu a acompanhasse. Entramos em seu quatro de empregada e ela abriu os armários.

- Ao seu dispor - disse brincando e eu puxei um short jeans e me surpreendi.

- Maria danada hein, e eu pensando que você só saia daqui pra ir a igreja - falei e ela riu negando com a cabeça, me troquei rapidinho pra Justin não me ver saindo e corri até a porta.

- Ué mas você vai embora? - perguntou e eu assenti - vai fugir dele? - brincou - ele vai te buscar.

- Pior que eu sei, mas preciso avisar a Clara - respondi saindo pelo quarto e ela logo atrás, fiz o caminho dos fundos com ela me orientando logo atrás e quando eu já estava no portão ela me chamou e eu me virei.

- Ah Mel - me inclinei a olhando - quando jogar o remédio fora da próxima vez tome mais cuidado pra ele não ver - disse e saiu me deixando de cara no chão, Maria parece um guru ou mestre dos magos, como ela me viu jogando o remédio fora? 

- Merda Mel - murmurei sozinha.
 


Notas Finais


Amo ler o comentário de vocês e sinto falta de algumas figuras que estão sempre por aqui, tipo ~Lu_p.
O que acharam de Cara Delavigne, Selena e Miley Cyrus??? Quem sabe uma delas fique pra causar!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...