História Danger vs Love - Capítulo 50


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lucy Hale, One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Lucy Hale, Niall Horan
Tags One Direction
Visualizações 26
Palavras 4.662
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


* Como não consegui terminar de digitar o capítulo quarta-feira, iria postar ontem só que minha internet caiu e eu não consegui. Me desculpa mesmo pessoal.
* Foto mostrando a barriga de 7 meses da Oli.
* O quartinho da bebê estará nas notas finais, caso dê algum problema com o link me digam e eu arrumo ^^
* É novo na fic? Não esqueça de favoritar para não perder nenhum capítulo.
* Divulguem para os amigos, quem quiser huehuehue. Irei agradecer todos.
* Se verem algum erro me perdoem, ok?

Boa leitura amores <333

Capítulo 50 - Capítulo 50


Fanfic / Fanfiction Danger vs Love - Capítulo 50 - Capítulo 50

2 meses depois...

 

Olivia Pov'

 

As festividades passaram e o trabalho retornou, minha empresa vendeu bastante nesse final de ano e eu dei até um aumento a grande parte dos meus empregados. A algumas semanas me enviaram um e-mail com uma suposta proposta de trabalho, aceitei a reunião e em alguns dias uns empresários e o dono da empresa vieram a Londres para nossa primeira reunião. Foram alguns dais de estudo, reuniões e agora minha empresa tem um grande contrato com uma perfumaria Americana e que talvez possibilite em abrir uma filial nos Estados Unidos o que já me deixa bastante ansiosa.

Meu tio está a preparar tudo para sua vinda para cá, estou a ajudar o mesmo em escolher sua futura casa ou até mesmo seu próximo restaurante, ele veio a Londres e ficou apenas duas semanas, mas disse que está prestes a escolher os lugares e que já está a preparar tudo para sua vinda. Fiz um favor a Leonard e outro dia fui a Oxford, tive uma conversa bem agradável com a diretora de lá e conheci bem o curso de odontologia, adiantei com ela a vaga de meu primo, para que ele não chegue em cima da hora e talvez não consiga nada. Eu disse a meu tio que não queria o dinheiro de volta, que seria um presente a meu primo mas meu tio fez questão de pegar minha conta com minha mãe depositar cada centavo.

O casamento de Babi está sendo preparado e eu nunca tinha visto minha amiga mais estressada e atarefada como estou vendo agora, sempre que converso com a mesma ou ligo, ela está fazendo algo relacionado ao casamento ou resolvendo algo errado com o casamento. Dei a dica para que ela contratasse uma cerimonialista, ela logo aderiu e agora a vejo mais tranquila e também consegue ir trabalhar todos os dias e entregar seus trabalhos a tempo.

Minha gravidez está indo tudo bem, Felicity é um anjinho e mexe bem pouco. A cada dia ela fica maior e a cada dia eu perco mais e mais roupas e minha barriga fica bem maior. Uma coisa que percebi é que ela adora o pai, parece que sabe quando ele toca minha barriga e sempre que escuta sua voz, dá chutinhos de alegria e mexidinhas pra valer. Liam está mais feliz a cada dia, ele sempre diz que está louco para que Felicity dê seus primeiros sinais para que nasça logo e que ele a cuide, sei que Liam será um ótimo pai e me ajudará muito com o nascimento de nossa princesa. Seu quartinho ficou definitivamente pronto, é algo que pensei muito e sinceramente, ficou melhor ainda que imaginei. Sempre que chego do trabalho ou antes de ir, entro em seu quartinho e vejo suas coisinhas, imagino minha pequena com a cara de Liam a usar tudo que eu e seu pai compramos para a mesma. 

Agora estou em minha empresa, a passar pelas maquinas que colocam o líquido do perfume e logo em frente uma que fecha suas embalagens, há algumas pessoas a colocar nas caixas ou fazer alguns ajustes, sorriu ao ganhar um perfume que acaba de sair:

_ Perfeitos como sempre, Robert.

_ Perfumes Liv merece as melhores coisas, como a melhor dona e presidente.

_ Fala isso porque ganhou um aumento. Coloco a caixa na esteira e saiu andando.

_ Que nada patroinha, sabia que sempre seria a melhor presidente para a empresa.

_ Haha, ok então. Sigo até a esteira de cremes e fico a sentir o doce cheiro. _ Esse creme é maravilhoso, eu amo tanto ele.

_ Sim, melhor creme que eu poderia ter inventado. Riu e concordo. _ É a mistura das flores que a minha mãe mais amava, eu sempre sinto a presença dela quando estão sendo feitos.

_ Que lindo pensamento. 

_ É a mesma coisa que sinto quando o perfume que a senhora fez inspirado em seu pai está sendo feito, sinto a presença dele mesmo nunca tendo o conhecido.

_ Que fofo. Pego em uma de suas bochechas e sorriu, o solto e saiu andando. 

_ Opa, tem um telefonema em sua sala. Ele diz e eu me viro, vejo na tela de seu celular uma mensagem de Renata.

_ Ok, eu vou subir. Qualquer coisa estou em minha sala, ok?

_ Sim senhora. Sorriu e saiu andando, entro no elevador e coloco para ir em direção ao último andar. 

_ Quem era? Pergunto ao sair do elevador.

_ Seu marido senhora, disse que era algo importante.

_ Ok, liga pra ele e passa pra minha sala?

_ Tá bom. Ela pega o telefone e eu vou até minha sala, fecho as portas e saiu andando até minha mesa. Escuto o telefone tocar, coloco os papéis que estava ao lado e atendo:

 

Ligação On'

 

_ Alô?

_ Oi meu amor, como estão?

_ Estamos bem e você?

_ Estou bem de certo modo.

_ O que foi?

_ Tá sentada?

_ Uhum, me diz Liam.

_ Amor o... Pedro pai do Richard tá internado.

_ O que ele tem?

_ Teve um infarto na madrugada e pelo que a irmã dele me disse ele não tá muito bem.

_ Eu quero ver ele...

_ Ok, eu te levo até ele. Por que não me espera? Tenho uma reunião da apresentação oficial de Harry e em uma 1h mais ou menos passo ai.

_ Tá bom.

_ Então tá bom, faça qualquer coisa para se distrair ok? Por favor, não tenta ficar pensando nisso toda hora

_ Eu juro que não vou.

_ Ok, te amo.

_ Te amo bem mais, boa reunião.

_ Obrigado.

 

Ligação Off'

 

Pedro teve um infarto, como assim? Eu converso com ele todos os dias, conversei com ele ontem a noite e ele me disse que estava bem, que estava com saudade e um dias desses iria em minha casa me visitar ou até mesmo viria na empresa. Mesmo que seu filho seja o pior cara da terra e sua esposa uma louca, eu o adoro e o considero meu avô mesmo que nunca tenha o dito. Não consigo acreditar que ele tá passando por isso, meu coração dói e parece que até mesmo minha princesa sentiu que a mamãe dela não está bem agora.

Me levanto ainda chorando e vou em direção a porta, peço para que as meninas não mandem nenhum telefonema para minha sala e que só me chamem quando Liam chegar, se eu precisar chamo elas na hora! Entro em minha sala e fecho as portas, tiro meus sapatos e me deito no sofá que há em minha sala para descansar um pouco e tentar tirar isso de minha cabeça. Fecho meus olhos com a grande vontade de dormir e tentar tirar um pouco de minha mente a vontade de procurar Pedro pelos hospitais de Londres.

 

[...]

 

_ Hey. Ouço em meu ouvido e viro meu rosto, abro levemente meus olhos e encontro Liam. _ Vamos meu amor?

_ Pensei que tinha sido um sonho. Me levanto com a ajuda do mesmo e coloco meus sapatos.

_ Queria muito que fosse, mas enfim.. Ele está mal e sei que quer muito ver ele.

_ Uhum. Ele me entrega minha bolsa e nós saímos, descemos pelo elevador e logo estamos na loja.

_ Quer passar em casa e colocar uma roupa mais quente? Tá bastante frio e a noite fará mais.

_ Como quiser. Sorriu e nós entramos em seu carro, ele liga e começa a dirigir. Logo estamos em casa e eu me troco, como um lanche preparado por Liam que estava preocupado se eu tinha comido bem no almoço ou não, saímos de casa novamente em direção ao hospital em que Pedro está internado, fico o caminho todo apreensiva e em pensar que talvez essa seja a última vez que eu o veja.

Chegamos e entramos, conversamos na recepção e somos liberados para vermos o mesmo que está no último andar, onde se localiza as UTI's e onde ele está. Ao chegarmos, conversamos com uma moça que nos mostra o corredor onde o mesmo está, seguimos o corredor e eu toco na porta:

_ Oi. Uma senhora diz ao sair. _ São Olivia e Liam, certo?

_ Sim, somos nós. Como a senhora vai? Digo ao abraçar a mesma.

_ Com medo. Ela diz e eu a ouço chorar, me solto da mesma e começo a limpar meus olhos.

_ Ele ficará bem, tenha fé. Liam diz e eu assinto, ela sorri e assente também.

_ Querem ver ele? Um por vez. 

_ Ok, pode ir amor. Aponto para a porta e Liam assente, ele beija minha testa e entra. _ Como aconteceu?

_ Foi do nada, ele tava dormindo e me acordou gritando, só deu tempo de chamar o táxi e logo que chegamos aqui ele foi pra sala de cirurgia. 

_ Ele teve algo que o deixá-se bravo?

_ Não. Ela nega e chora mais. _ Ele ficou o dia todo bem, fomos ao supermercado e depois a um parque, fizemos nosso jantar e ele conversou com você antes de comermos e assistirmos um filme. Meu irmão está bem triste Olivia, tudo que aconteceu com Richard e Maria... Ele sente essa dor sozinho e não quer dividir com ninguém.

_ Não quero que ele se vá. 

_ Eu também não, mas é algo que tem 70% de chance de acontecer. 

_ Maria e Richard sabem?

_ Sim, liguei para o presidio e pedi para que o informassem. O advogado entrou com processo para que ele veja o pai por alguns minutos ou em caso de sua morte... Ela chora um pouco mais. _ Ele vá ao enterro. Agora Maria, o diretor do manicômio disse que ela não está em seu estado normal e que não se importou muito com a notícia, mesmo que ela ainda fale dele dentro da clínica. 

_ Sinto muito por tudo isso, eu sou responsável por eles estarem longe de Pedro.

_ Responsável? É claro que não, são criminosos e tem que pagar pelas loucuras que fizeram! Pedro não tem nenhuma dor contra você, ele diz que a ama muito e é a única pessoa que já lhe deu vários sorrisos e quem ele apostaria todas as suas fichas.

_ Vovô. Digo e sinto minhas lágrimas aumentarem. 

_ Chame ele assim, sei que adorará. 

_ Vou fazer isso. Sorriu e vejo Liam sair, respiro fundo e entro. A cena que vejo em minha frente não é boa, Pedro está com um cano em sua boca e seus olhinhos estão fechados, há vários aparelhos a apitar e fios sobre seu corpo, ele mesmo estando assim me passa tanta tranquilidade. 

 

Flash Back On'

 

Estamos eu e o pai de Richard num parque lindo perto de sua casa, ele me trouxe aqui para experimentar o barquinho rosa que ele fez para mim e disse que seria a melhor coisa que ganharia em minha vida, ficou lindo e eu literalmente amei:

_ Olivia, não tão longe. Ele diz e eu volto. _ Gostou?

_ Sim, eu adorei. Obrigada Pedro.

_ Me chame de vovô, vovô Pedro.

_ Não consigo.

_ Eu sei que um dia conseguirá e eu ficarei orgulhoso de ser seu avô postiço. Sorriu e me sento ao seu lado. 

_ Hoje faz 3 anos que o papai morreu.

_ Eu sei meu amor, eu sei. Por isso sai com você, sempre fica tristinha nessa data e eu não quero te ver triste.

_ Eu não estaria triste se Richard não tivesse matado ele, ele era meu pai. Digo com lágrimas nos olhos.

_ Eu sei o que sente, eu perdi meu pai quando eu era pequeno também e sofri muito.

_ Como ele morreu?

_ O coração dele parou e ele se foi. Me lembro de pedir para ele acordar, para abrir os olhos.

_ Eu fiz a mesma coisa quando a minha vizinha me soltou.

_ E assim mesmo eles se foram. Preferia ver seu pai ainda vivo e em cima de uma cama pra sempre?

_ Não.

_ Eu também não queria meu pai desse jeito. Então foi bom eles se forem, né?

_ Uhum.

_ Fique feliz pelos anos que viveram juntos, fique feliz pelos sorrisos que ele te deu e fique feliz por ainda sim o considerar seu pai e sei que mesmo longe ele ainda te ama.

_ O seu papai também te ama. 

_ Eu sei, eu sinto. Ele coloca sua mão sobre o peito e sorri. _ Agora quer um sorvete?

_ Sim. Digo e nós nos levantamos. 

 

Flash Back Off'

 

Um grande flash back fica a passar em minha cabeça, de momentos felizes que eu e Pedro tivemos em nossa vida juntos. Me aproximo do mesmo e pego sua mão, que mesmo cheia de fios eu não me importo em fazer carinho:

_ Obrigada. Digo e solto um leve sorriso. _ Obrigada por ter sido um cara muito especial em minha vida, obrigada por me defender de Richard em todas as brigas que tiveram e ele envolvia meu nome, obrigada por ser esse cara tão legal e humilde que foi um dia. Um de seus pedidos foi que eu te chamasse de avô, um pedido que para muitos seria inútil e para você era como se fosse um sonho. Se você se for, quero que saiba que tem um lugar especial em meu coração, que mesmo que eu nunca tenha falado você era sim o avô que eu mal tive na vida e era o melhor avô que qualquer neta teria orgulho de ter. Se ver meu pai dá um abraço nele? Diz pra ele que eu vou ficar aqui por mais um tempo mas que eu o amo e nada nesse mundo vai me fazer esquecer ele e muito menos você. Me aproximo de seu rosto e deixo um beijinho singelo em sua bochecha, sorriu e limpo as lágrimas de meu rosto.

Fico mais alguns minutos apenas em silêncio a observá-lo e fazer carinho em sua mão, do nada o vejo chorar e eu chego mais perto de seu rosto:

_ Reagi vovô, por favor. Digo e ele continua a chorar. _ Sua bisneta está aqui inquieta, deve estar passando energias positivas. Escuto os aparelhos fazerem barulhos estranhos e eu os observo, começo a apertar alguns botões e fico a vê-lo. _ Vovô. Digo e nada muda, apenas ouço um barulho mais alto soar._ Socorro. Digo ao sair e ver sua irmã e Liam se aproximar. 

_ O que aconteceu? Sua irmã pergunta.

_ Ele tava bem, conversei e ele começou a chorar e do nada... Me afundo nos braços de Liam.

_ Podem por favor descer e ficarem na sala de espera? Um cara totalmente de branco chega.

_ Não, eu quero ficar com meu irmão! A mulher diz e Liam tenta acalmá-la, vou em direção ao elevador e fico a espera dos dois. 

_ Não vou me perdoar se ele se for. Digo ao abraçar Liam e sentir um beijo do mesmo em minha cabeça.

_ Ele ficará bem. Ele diz baixinho e nós 3 saímos do elevador, seguimos até a sala de espera e nos sentamos.

_ Meu irmão não, meu irmão não. Sua irmã diz e eu a abraço de lado.

_ Vamos ter fé. Digo e ela assente. 

_ Eu vou a uma capela que tem aqui atrás, querem vir?

_ Minha filha tá inquieta, mas rezarei daqui mesmo. Digo e ela assente.

_ Vou ficar com ela. Liam diz.

_ Qualquer coisa me chamem, por favor.

_ Claro. Digo e ela sai.

_ Quer alguma coisa? Liam pergunta em meu ouvido.

_ Que ele fique bem. Digo com algumas lágrimas nos olhos e ele me beija.

_ Vamos ter fé, vamos?

_ Vamos!

 

[...]

 

Se passaram umas 2h e nada dos médicos ou enfermeiras chegarem e falar alguma coisa, Liam já subiu algumas vezes e eles sempre dizem a mesma coisa, que tem que esperar na sala de espera que em algum momento alguém virá. A irmã de Pedro retornou e disse que rezou muito por ele e eu mesmo sentada sem muita reação, fiquei a mandar minhas forças mais positivas para que nada de ruim aconteça com meu avô.

Vejo um homem alto de branco e uma enfermeira virem do corredor do elevador, eles param e ela olha numa prancheta:

_ Alessia Mary Bastos. Ela anuncia e nós três nos levantamos.

_ O que? Meu irmão está bem. O médico entorta sua boca e eu fecho meus olhos, por entender o que ele irá nos dizer.

_ Fizemos de tudo, nós sentimos muito mas ele se foi. Vou em direção as cadeiras enquanto ouço Alessia a gritar desesperada e chorar muito, me sento e apoio meus cotovelos em minhas pernas.

_ Amor, tudo bem? Liam pergunta e eu levanto meu olhar.

_ Meu avó se foi Liam, ele se foi. Abraço o mesmo com força e sinto ser correspondida. 

_ Calma, tudo ficará bem.

_ Ele era um homem bom, não merecia isso. Digo ao me soltar. _ E mesmo Richard sendo o crápula que é, não merecia ter perdido seu pai assim.

_ Fique calma, por favor minha vida. Liam pede. 

_ Pega algum remédio pra mim? Por favor, minha cabeça tá latejando. 

_ Vou pedir a alguém, fique aqui.

_ Tá. Ele sai andando e eu pego meu celular, disco para minha mãe e deixo meu celular ligar:

 

Ligação On'

 

_ Oi meu amor, tudo bom?

_ Nada bem.

_ E por que? Algo com minha neta?

_ Mãe o... Pedro acabou de falecer.

_ Oi? Como? Filha, como assim?

_ Ele teve um infarto, mãe. Eu não entendi, mas ele morreu a uns minutos.

_ E por que não me disse Olivia? Ouço a mesma chorar do outro lado da linha. _ Ele... Ele.. A não.

_ Mãe, eu não seu o que fazer. 

_ Vem pra cá, fica um pouco comigo?

_ Vou falar com Liam, ver como será o funeral e.. Nós vamos depois.

 _ Ok, vou preparar seu quarto. 

_ Tchau mãe.

_ Tchau meu amor.

 

Ligação Off'

 

_ Aqui. Liam me entrega um comprimido com um copo d'água.

_ Obrigada. Sorriu e o bebo.

_ Com quem estava falando?

_ Com minha mãe, podemos ficar com ela essa noite? James viajou com as crianças e ela tá sozinha.

_ Claro que podemos, vou falar com Alessia e nós vamos, ok?

_ Ok. Solto um falso sorriso e Liam sai, continuo a pensar em Pedro e imaginar qual será a reação de Richard ao descobrir essa grande tristeza.

Liam retorna até mim e diz que Alessia está mais calma, disse que ela ficará bem sozinha e que nos ligará quando souber do horário do velório que provavelmente seja de manhã. Vamos até seu carro e eu entro no lado do passageiro, apoio minha cabeça na janela e fico com meus olhos fechados a sentir minhas lágrimas caírem em meu rosto. Chegamos na casa de minha mãe e eu toco a campainha, a vejo abrir as portas a chorar:

_ Filha. Ela me abraça forte.

_ Ai mãe, eu tô muito triste.

_ Eu também meu amor, eu também. Como foi que aconteceu isso?

_ Alessia disse que foi do nada, ele acordou de madrugada com dores e eles foram ao hospital, ele entro na sala de cirurgia e morreu a um tempo. Liam diz.

_ Ele não merecia ir assim, não merecia. Ela diz assim que nós 3 nos sentamos no sofá. _ James está voltando.

_ Sério? O que ele disse?

_ Ele conhece Pedro e o considera muito, vai pegar o primeiro voo hoje á noite e disse que irá ao enterro dele conosco. 

_ Que bom. Solto um falso sorriso e apoio minha cabeça no ombro de Liam.

_ Querem comer algo?

_ Tô sem fome, sogrinha.

_ Eu também. 

_ Ah não filha, você não! Acha que Felicity não está com fome?

_ Mãe, acho que não tem clima para comer algo.

_ Podia ser no meio de uma guerra mas eu iria a qualquer lugar arrumar nem que fosse um pouquinho de arroz pra você comer. Vou fazer uma sopa.

_ Mãe, não precisa.

_ Claro que precisa, está grávida e deve se alimentar muito bem. Ela beija minha testa e sai andando, sorriu para Liam e faço carinho em suas mãos. 

_ Daqui a pouco vou ligar para Alessia e ver se ela já sabe onde será o enterro amanhã.

_ Tá bom. Digo ainda com algumas lágrimas em meus olhos, me levanto e vou em direção a cozinha. _ Mãe, onde colocou as roupas que eu deixei aqui?

_ Estão no meu armário, pode procurar. 

_ Ok.

_ Ah e fale a Liam que eu pego uma roupa de James já já.

_ Tá. Vou em direção a sala e vejo Liam conversar com alguém ao telefone, falo baixinho e ele assente. Subo as escadas e vou em direção ao quarto de minha mãe, entro e começo a procurar em seu armário. Após achar um vestido que caiba em mim, me visto e guardo a roupa que estava em meu antigo quarto, vou até a janela e vejo o céu escuro com uma chuva fina a cair.

"Pai, ajuda o Pedro a chegar ai no céu? Ele é um cara bom e espero mesmo que cuide dele ai em cima como sei que ele cuidará bem de você. Eu os amo muito, estão em meu coração como homens que vieram em minha vida para cuidar de mim e me proteger, mesmo os dois estando longe eu os amo muito e só quero o melhor a você. Vovô, obrigada por fazer parte em minha vida, desculpa não perceber a tempo que o senhor seria a melhor pessoa para se transformar naquele avô que eu fui privada pela dor da morte de ter, mas agora está ao lado do senhor Deus e espero mesmo que o tempo que teve na terra, tenha aproveitado com tudo que queria e que agora que virou um anjinho, proteja eu, minha filha e meu marido. Nós o amamos e só queremos a melhor coisa ao senhor, vá em paz vovô."

 

[...]

 

No outro dia...

 

Acordei com o celular de Liam a despertar, tomei um banho rápido já que o velório começará ás 8h e nós queremos estar lá cedo. Me vesti com uma roupa no tom preto que é de minha mãe, ela é um pouco mais gordinha que eu e como estou grávida, coube certinho em mim. Desci e tomei meu café ainda desanimada, James chegou de madrugada e deixou os meninos na casa de Karen e Geoff que não irão ao velório e disseram que cuidariam de Maria e Eduardo.

Saímos de casa todos tristes, Liam vai dirigindo e eu fico a todo momento a observar o caminho e com meus olhos cheios de lágrimas querendo descer e eu as impedindo para deixar descer apenas na hora do velório. Chegamos no cemitério e eu percebo ser o mesmo que meu pai está enterrado, desço do carro e eu vou em direção a uma loja de flores:

_ Vou comprar algumas pro seu pai também. Minha mãe diz.

_ Também vou. Digo e vou em direção as coroas de flores, escolho alguma e peço ajuda a um menino.

_ Quer que escreva algo especial?

_ Para o melhor avô do mundo. Digo e ele assente sorrindo, pego uma rosa no tom vermelho e um vaso.

_ Só isso?

_ Uhum.

_ Sabe qual capela nós devemos entregar?

_ Ele estará na 12 amor. Liam diz e o menino assente, pago as coisas e saiu andando apenas com a rosa e o vaso. 

_ Acho que ele gostará, não é? Liam pergunta com um pequeno vaso em suas mãos, assinto com um pequeno sorriso nos lábios e nós entramos no cemitério. Eu literalmente não gosto de ir em velórios, o primeiro e único que tinha ido era o de meu pai e eu passei mal em menos de 20 minutos dentro da capela, fiquei fora por um tempo e só tive vontade de levantar novamente para jogar uma rosa que min mãe tinha comprado para jogar no túmulo de meu pai. 

Chegamos na capela de número 12, vejo um caixão e Alessia um pouco a frente, libero as lágrimas que estava guardando e abraço Alessia:

_ Ele não merecia ir assim, não merecia. Ela diz e eu apenas a aperto mais e choro em seu ombro, me solto e vou em direção ao seu caixão. Ele literalmente parece que está dormindo, vejo um suave sorriso em seus lábios e eu sorriu ao vê-lo assim, mesmo que tenha partido ainda passa tranquilidade e sempre está com seu sorriso no rosto. Mais algumas pessoas chegaram e a coroa de flores que encomendei chegou e ficou atrás de seu corpo junto a várias outras, Alessia decidi logo ir enterrar o corpo de Pedro pois Richard e Maria só poderão ver o enterro e como está chovendo, os dois estão a espera no local do sepultamento. 

Alguns homens pegam o caixão de Pedro e o fecham, o erguem e todos aqui presente começa a seguir o mesmo com grande tristeza no olhar e eu vou o caminho todo com várias lágrimas nos olhos e abraçada a Liam e minha mãe. Chegamos no local do sepultamento e eu vejo Richard completamente choroso com sua mãe ao lado, que obviamente está em outro ''lugar'' por não estar se importando muito com o corpo de seu marido que acaba de chegar. Um homem que não presto muito atenção fica a falar várias coisas e eu fico apenas a observar colocarem o caixão de Pedro dentro de um buraco e várias pessoas chorarem mais, vejo minha mãe andar em direção a Richard e dar um grande abraço no mesmo, me surpreendo mas sei que ele está passando por algo difícil e mesmo sendo um cara ruim, precisa de forçar para alguém essa grande dor.

Os homens começam a jogar terra sobre o caixão de Pedro e eu jogo minha rosa, arranco uma das flores do vaso e vou em direção a Richard, o entrego e vejo ele soltar um leve sorriso e logo em seguida jogar:

_ Oh, está esperando bebê? Maria pergunta ao segurar minha barriga com força e eu vejo Liam aparecer e me segurar por trás.

_ Sim. Digo com medo.

_ Que linda, eu tenho um filho também. Richard é dono da maior empresa de perfumes de Londres, eu tenho um grande orgulho de meu filho. Vejo Richard chorar mais e mais e se afastar de sua mãe, mais lágrimas se forma em meus olhos e eu pego em sua bochecha.

_ Fico feliz pela senhora. Ela sorri e beija minha testa, me afasto da mesma e fico no mesmo local que antes. Os homens terminam de enterrar Pedro e eu me aproximo de seu túmulo, me abaixo e jogo um pouco da terra que estava ao lado sobre seu túmulo.

_ Obrigado. Richard diz em minha frente e logo o vejo sair andando, volto meu olhar a sepultura de Pedro e fico assim por um tempo.

_ Quer ir no túmulo do seu pai antes de irmos embora? minha mãe pergunta e eu assinto, me levanto e saiu andando com ajuda de Liam. Chegamos no túmulo de meu pai e eu faço o sinal da cruz, coloco o vaso sobre sua sepultura e sorriu. 

Sei que está com Pedro agora, a entrar pelos portões do céu a mostrar a ele seu novo lar. Proteja a mim e minha filha pai, seu nascimento está próximo e eu morro de medo que algo dê errado e que impeça minha filha de vir ao mundo. Antes eu tinha apenas um anjo da guarda que era meu próprio pai, agora eu tenho dois. Meu pai e meu eterno avô..."

 

[...]

 

 


Notas Finais


Quartinho da bebê: https://imgur.com/a/PXp8w
O que acharam do capítulo? Deixem ai embaixo que eu responderei ^^
Aceito dicas também.
Beijos e obrigada por lerem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...