História Dangerous - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias DAY6
Personagens Jae, Young K
Tags Dirty Talk, Hydrus, Jaehyungparkian, Jaek, Pwp
Visualizações 141
Palavras 2.772
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Lemon, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


é dez da noite e eu postando essa sem-vergonhice
caso vocês pensem "ué, acho que já li esse lemon", é porque eu reciclei as partes de um antigo meu que havia postado
de qualquer jeito, botTOM !YOUNGK ME DEIXA DE PAU DURASSO GENTE ELE É LINDO PRA PORRA💗💓💗💕💞💖💗💗💞💕💖💞💞💗💗💞💓💞💗💞💕
enfim, eu não tenho beta, então podem ter erros viu e eu tô morrendo de sono
aproveitem ✿ฺ

apertar no botão de favorito não vai cair o dedo vcs lêem e n favoritam eu fico TRISTE

Capítulo 1 - Único ; o carro de Sungjin


Brian andava tão aleatório que Jae tinha medo de ir à qualquer lugar com o homem de, agora, cabelo loiro – o que era um exemplo da espontaneidade que havia o consumido nos últimos dias, e Jaehyung, enquanto era arrastado pelo Kang mais uma vez, agradeceria todos os deuses, de todas as religiões e partes do mundo caso aquilo fosse a única coisa que houvesse mudado. Haviam várias outras coisas, como as letras de música que brotavam do nada – que, normalmente, eram sobre relacionamentos fracassados, mas agora falavam de amor, felicidade e sempre tinham um ritmo alegre –, a frequência com que saía com os amigos, presentinhos que apareciam de repente na escrivaninha do argentino, entre outros menores que não faziam tanta diferença, mas com certeza eram notados. E, percebendo onde Young K queria o levar, lembrou-se da coisa que mais mudou naquelas últimas semanas e soltou um suspiro, de um derrotado por parte e de animação por outra: a necessidade de ter Jaehyung à qualquer hora, qualquer lugar e em qualquer ocasião. Levava-o para o carro de Sungjin, o qual havia os dado carona pra aquela festa mixuruca porém com música boa. Brian só havia uma coisa na mente e Jae tinha que se preparar física e mentalmente para aguentar o que viria à seguir, porque o Kang apenas queria saber de foder – não sabia o que havia acontecido com o canadense que tinha o tornado tão necessitado de sexo, mas não ousava reclamar, preferia manter a boca calada e ganhar um oral do que reclamar.

Mas quando Brian abriu a porta do carro e quase o enfiou a força para dentro, sorrindo grande e os olhos felinos observando cada movimento do argentino, sabia que aquilo passaria longe de apenas um oral.

Jaehyung entrou sem protestar de jeito algum, sendo empurrado pelo mais novo, que entrou com pressa e se sentou no colo alheio sem enrolação, já rebolando e ondulando o quadril, segurando os cabelos loiros de seu hyung enquanto observava a expressão de prazer e surpresa que o mesmo havia feito – agarrou o quadril do Kang, que mordeu a língua com os dentes da frente quando o maior olhou-o com as sobrancelhas franzidas. O mais novo riu malicioso, sempre se divertindo com os efeitos que seu corpo havia sobre o loiro mais velho.

— Mas que porra, Younghyun — reclamou baixinho, apertando a carne das coxas do menor que ainda estavam ocultas pela calça. O mais novo ofegou em resposta.

— O que foi, hyung? Você não quer? — perguntou já tirando a blusa, jogando o corpo para trás até se apoiar no banco do passageiro, a cabeça erguida e uma de suas mãos deslizando pelo próprio tronco. — Você não quer isso?

Puxou-o para si novamente, cansado de toda aquela provocação, já que Brian era mestre nisso; os lábios do mais velho logo selaram-se aos alheios, com a mesma rapidez, as línguas se encontraram para se acariciarem com urgência, enquanto o Kang segurava firmemente o rosto de Jae com ambas as mãos, gemendo quando conseguia puxar ar. Os estalos ecoavam pelo carro, as respirações estavam pesadas e altas, e mesmo assim, Jae podia identificar a música que tocava ainda na festa – era Come Back Home, seus amigos do Bangtan cantavam, e mesmo que a letra da música não fosse sexual, fazia o clima ficar quente e o ritmo agressivo combinava com cada movimento do corpo de Brian. Parou de prestar atenção na música quando percebeu o mais novo se separar do beijo para encará-lo, não tardando em levar seus dedos esguios ao zíper da calça alheia; sabendo o que viria pela frente, os lábios de Jae voltaram-se para o pescoço, a clavícula e os ombros largos do Kang. O mais velho começou a marcar lentamente o pescoço macio e totalmente entregue a si, uma mordida que deu havia deixado a impressão certinha de seus dentes na área, onde depositou alguns beijinhos como um pedido de desculpas silencioso; faria questão de deixar quantas mordidas bem visíveis quisesse, porque sabia que possuía o consentimento de fazer o que bem entendesse até deixá-lo completamente coberto de marcas roxas e vermelhas, como uma recompensa após passar todo esse tempo tendo que lidar com o fogo do Kang. E enquanto a boca do maior se ocupava com a tez alheia, as mãos do menor encontraram o caminho por baixo da cueca até o falo já rijo e úmido de Jae, que gemeu alto ao sentir o contato dos dedos gelados em sua glande, sendo apertada como provocação. Brian parou-o, ambos se encarando por poucos segundos, mandando um arrepio pelo corpo do loiro ao ver como os olhos escuros estavam banhados em luxúria e, quase literalmente, formando corações – e quase deu um pulo quando Young K praticamente se jogou no chão, agarrando o namorado pela cintura e o puxando para mais perto, fazendo Jaehyung ficar ansioso.

Decidiu não provocá-lo por conta de já sentir sua boca salivar com a vontade que tinha de engolí-lo por inteiro, abaixando as peças para fazer o que desejava logo, sentindo o fundo de sua gargantar formigar pela vontade de tê-lo dentro de si. Logo a glande foi envolvida pelos lábios do menor, a língua o rodeando e brincando com a fenda, o pré-gozo sendo expelido e deixando os lábios de Younghyun lambuzados. O aroma fazia-o ficar zonzo, pois o argentino possuía um dos cheiros de sexo mais atraentes que já havia sentido; estava com tanto tesão que sentia sua língua formigar enquanto a mesma voltava a passear por toda a extensão alheia, sua garganta coçando por ansiar tê-lo indo fundo na mesma, seu próprio pau latejava nas calças sempre que observava como o mais velho gemia e suspirava. Sentia ainda mais tesão enquanto ansiava ter Jaehyung o tocando, murmurando sacanagens em inglês ou coreano em seu ouvido, em como as mãos grandes agarrariam seu quadril quando cavalgasse em seu colo, subindo e descendo tão rápido que o Park não conseguiria controlar todos os seus gemidos e acabaria chamando por Brian mais alto que o normal – quanto mais pensava, mais sua situação ficava pior. Gemeu baixo ao ouvir um gemido longo do mais velho, sentindo alguns espamos do corpo alheio e uma das mãos do mesmo agarrar seus cabelos.

Chupou a glande de modo rude, retirando-a de sua boca para lamber toda a extensão do falo enquanto encarava Jaehyung, abaixando-se mais para brincar com os testículos em sua língua enquanto continuava masturbando-o com rapidez, sorrindo maliciosamente satisfeito ao ouvir os gemidos escandalosos da voz rouca.

— Brian… ah… — gemeu, colocando uma mão contra a boca. Young K levantou uma das mãos, segurando o pulso do Park e trazendo sua mão até seus cabelos, fazendo-o segurá-los novamente. — Brian, só… por favor…

— O que, hyung? — deixou um beijo demorado na glande do mais novo, que mordeu os lábios para reprimir um gemido. — Você quer algo?

Em um ato de coragem e puro desespero, segurou firmemente os fios descoloridos, obrigando Younghyun a engolí-lo por inteiro – chegou a encostar o nariz na barriga do maior, revirando os olhos ao sentir a glande colidir contra sua garganta, o pré-gozo pingando em sua língua e escorrendo lentamente pela mesma até Brian engolí-lo. Puxou-o de volta, o fazendo tirá-lo de sua boca com um 'pwah!' digno de mangá hentai. Encarou Jae ofegante, saliva escorrendo pelo canto de sua boca e os lábios já vermelhos; o canadense quis se impulsionar para frente, ansiando capturar o falo alheio com os lábios e sentir o gosto agridoce do Park novamente, mas o mesmo lhe impediu, sorrindo malicioso para o Kang – Young K sabia o que aconteceria, e estava cada vez mais necessitado.

— Desculpa ter sido tão súbito, é que você fica tão bonito desse jeito… eu poderia te ver assim todo santo dia que sempre seria a visão mais bela que eu já tive — sorriu apaixonado, pendendo a cabeça. — E, nossa… quer me engolir tanto assim, Bri Bri?

— Me deixa te chupar logo, Jaehyung, fode minha garganta de uma vez — falou autoritário, franzindo o cenho. — Você não faz ideia de como eu tô duro, de como eu quero sentir logo a sua porra descendo pela minha garganta, então para de bancar o ativão e para de me impedir.

— Meu Deus — riu baixo soltando o cabelo de Brian, que logo abocanhou o membro alheio novamente. — Não sei se esse seu fogo é uma bênção ou uma maldição — falou entre gemidos. O Kang fazia uma garganta profunda em si enquanto o encarava, às vezes revirando os olhos quando o membro de Jaehyung batia em sua garganta de modo agressivo. — Ah, caralho... — o mais novo gemeu e apertou o banco, sentindo uma fisgada forte; xingamentos realmente o excitavam, e Jae percebeu isso na hora. — Você gosta de chupar meu pau, Brian? Parece uma vadia desse jeito, me engolindo inteiro como se não tivesse problema algum com isso… é isso que você é? Uma putinha, Young K? — perguntou sorrindo, ouvindo o mais novo gemer, retirando o pau do Park de sua boca, apenas para passar a língua por cada Veia que encontrava.

— Sim, eu sou uma putinha — disse entre gemidos.

— Então se toque pra mim, Brian — ouviu Jae mandar, logo levando a mão livre até o próprio membro por baixo da calça, começando a se masturbar um pouco desesperado. — Isso me deixa com tanto tesão… porra, Brian, engole outra vez — o fez colocar todo seu membro na boca, começando a estocar na cavidade úmida. O canadense revirou os olhos em puro prazer, sentindo que poderia gozar a qualquer momento. — Merda… hmmm… eu vou gozar — gemeu alto, jogando a cabeça para trás, sua voz começando a falhar. — Eu amo a sua boquinha… Brian… jagiya…

Percebeu os gemidos alheios ficando mais altos, anunciando que o maior já estava próximo do ápice, então, tirou-o de sua boca e começou a masturbá-lo de modo rápido e firme – deixava selinhos na glande enquanto encarava os olhos finos, que já estavam semicerrados. Puxou uma das mãos do namorado e obrigou-o a se masturbar, lambendo os lábios ao ter a bela visão de Park Jaehyung tocando-se, gemendo arrastado seu nome e se contorcendo no banco, a cabeça jogada pra trás e a boca aberta.

— Goza na minha cara, hyung — Brian disse manhoso, abrindo a boca e deixando sua língua para fora, observando os movimentos alheios.

O maior inclinou-se para frente posicionando a cabeça do falo acima da língua que pingava saliva de Young K, que, sorrindo malicioso, rodeou a área algumas vezes. Estava quase no ápice quando o menor chupou a glande como faria com um pirulito, o barulho de 'pop' e a sucção forte fazendo Jaehyung chegar em seu limite, apertando uma parte do estofado até as juntas de seus dedos ficarem esbranquiçadas, sujando os lábios e uma parte do rosto de Brian, que engoliu o que havia dentro de sua boca e, com as pontas dos dedos, pegou os resquícios em seu queixo, lambendo-os ao encarar a expressão satisfeita do mais velho em sua frente. Jaehyung não aguentou a provocação e segurou os cabelos loiros com força, puxando Younghyun para cima e unindo seus lábios – sentiu o próprio gosto, lhe deixando mais excitado ainda.

— Tira o resto — pediu rouco, e o mais novo o obedeceu.

Observou a rapidez da qual Brian tirou as próprias calças e cueca – mas, antes de jogar as peças no chão, enfiou a mão no bolso de trás e tirou de lá um tubinho de lubrificante, sorrindo para Jaehyung de um modo que parecia ser inocente; virou-se de costas, abraçando o banco do passageiro da frente. Jae já não queria saber de enrolação, passando o lubrificante de modo rápido, deixando dois dedos deslizarem para o interior alheio direto – Brian gemeu alto abraçando com força o banco, suspirando um pouco aliviado após sentir os dedos compridos saírem de si. Sentiu Jaehyung puxando seu corpo para si; o mais novo soltou um gemido – grito – ao sentir o membro do mais velho invadí-lo sem aviso prévio. Contudo, rebolou, a ardência não era nada comparada ao tesão que estava sentindo naquele momento – o resultado foram murmúrios desconexos misturados com gemidos vindos de Jaehyung, após o mesmo dar uma investida rude. Brian não sabia direito o que era o Paraíso, mas Jae estava o levando para lá sem fazer muito esforço.

Quando Brian percebeu, já subia e descia rápido, chocando-se com o corpo de Jaehyung, que impulsionava o quadril para cima com toda a força que ainda possuía em seu corpo. O barulho da colisão era alto, mas não tanto quanto os gritos que o Kang soltava mesclados com os gemidos do Park, que começaram a fazer eco no carro inteiro, os movimentos fazendo o carro balançar demais. A garganta de Younghyun começava a doer de tanto chamar pelo nome do namorado, que fazia o máximo para continuar na velocidade que estava, mas, naquele ritmo, estava cansando rápido demais para durar; o canadense notou quando a velocidade começou a diminuir, mesmo sendo por uma minúscula diferença sentia o maior estocá-lo com menos violência, por isso, impulsionou o corpo para trás e colocou ambos os pés apoiados nos bancos para deixar Jaehyung descansar – rebolava e quicava sem parar, mordendo os lábios em puro deleite enquanto o maior fazia o mesmo, ouvindo a voz linda de seu namorado chamar desesperadamente e retribuindo toda vez que Young K forçava o quadril para baixo com violência. Ajudava um pouco por segurá-lo pelas coxas, apertando com as unhas e deixando marcas pela extensão onde a ponta de seus dedos alcançavam; era delicioso ter seu pau engolido pelo buraquinho guloso de Brian, sentindo a entrada se contrair e o fazer revirar os olhos em prazer.

Os gemidos de Jaehyung ficaram mais graves, virando grunhidos de prazer, e reconhecendo que já estava próximo do orgasmo, segurou firme na cintura de Brian e o jogou no banco, e segurando o menor pela cintura mais uma vez, encaixou o próprio membro no meio da bunda já marcada do Kang, roçando lentamente seu falo naquela região, forçando a glande vez ou outra apenas para provocá-lo – Young K abriu a boca para reclamar e mandar o namorado fodê-lo logo, mas a única coisa que saiu do fundo de sua garganta fôra um grito manhoso de surpresa após o Park penetrá-lo sem dó, acertando sua próstata em cheio, e dessa vez não foi sorte, Jaehyung apenas conhecia o corpo de Younghyun bem demais. Colocou toda sua força nas investidas que começou a dar no interior do rapper, que gemia alto em exagero, arqueando as costas ao máximo quando sentia uma pontada de prazer mais aguda – só parou após sentir a necessidade de suplicar para que o namorado não parasse e para que gozasse dentro de si. Implorava enquanto as lágrimas escorriam por suas bochechas e logo caíam no banco escuro.

Finalmente, Brian começou a arranhar o estofado, choramingando, os jatos brancos manchando sua barriga enquanto via estrelas e diferentes formas em um pequeno espaço escuro em sua visão – revirando os olhos ao sentir uma investida rude e Jaehyung o preencher enquanto soltava um rosnado, sentindo um espasmo terrível por estar sensível.

Jaehyung se apoiou nos próprios cotovelos, escondendo o rosto no pescoço de Younghyun, que respirava pesadamente, enquanto encarava o teto. Sorriu e deixou um beijo no pescoço do argentino, rindo baixo ao abraçá-lo – retribuiu, se retirando de dentro do menor e o puxando para ficar sentado, o fazendo olhar para janela atrás do maior, onde a festa ainda acontecia e podia ouvir uma música diferente.

E, então, aquela se tornou a pior situação na qual eles haviam se metido.

Encarando os dois com a raiva de mil portugueses quando roubaram seus baguettes, o dono do carro, Park Sungjin, permanecia estagnado no local, como se não tivesse acabado de presenciar a foda selvagem de seus amigos; Brian puxou a própria blusa do chão para os cobrir, retribuindo o olhar de seu hyung, completamente chocado. Quando Jaehyung percebeu, virou a cabeça como se estivesse possuído, agarrando Brian com firmeza.

— É melhor vocês saírem daí logo e vestidos — Sungjin estava pertinho do vidro, os olhos vidrados e o dedo indicador contra o vidro. Apavorante. — E se eu encontrar uma gotinha de porra no meu banco, eu mato os dois — terminou e saiu, deixando-os sozinhos e assustados.

Poucos segundos depois, a zona começou. Brian colocou sua roupa, Jae arrumou qualquer bagunça que tivessem feito e nenhum dos dois realmente ligou se estavam sujos ou não. Saíram do carro rindo de si mesmos, tropeçando em seus próprios pés.

Depois daquela noite, Brian combinou com Jae que apenas fariam sexo em casa. Só para evitar que um Sungjin irritado os flagrassem.






Notas Finais


come back home parece muito um pornô


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...