História Dangerous attraction - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~SweetLight

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Exibições 111
Palavras 1.490
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Isso aí


— Louise, para com essa palhaçada. - ouço Justin bater a porta da frente.

 - onde você tá? Me desculpa caralho.

 — eu quero ir embora. - digo aos prantos, assim que Justin para na frente da escada. 

 — lá, você não vai ter o mínimo de conforto que vai ter com nós aqui, juro que não vou mais encostar um dedo em você se não quiser. - ele sorri e começa a subir as escadas.

 — por que se preocupa tanto? Você não me conhece, eu poderia ser uma ladra, uma serial killer... 

 — você não tem capacidade nem pra correr sem cair, imagina pra matar alguém. - debocha- e eu me preocupo, porque você se machucou por minha causa.- 

 — Agora você se preocupa ? – Soltei uma risada irônica – Você me jogou na piscina sabendo que meu pé estava machucado. 

 - EU JÁ ME DESCULPEI – Ele se aproximou, suspirando um ar de impaciência. - Foda-se, você foi errado nisso ! – Eu insisti repreende-lo. 

 - Você quer assim ? Vai ser assim. Ele subiu as escadas com passos barulhentos, eu ouvi o impacto da porta com a parede, depois de alguns segundos , eu o vi jogando minha mochila no andar de baixo, do topo da escada. - É ASSIM QUE VOCÊ QUER , VAI ! – Ele sumiu naquele corredor longo, Ryan me avistou e se aproximou. 

 - Acho melhor sairmos daqui. – Ele colocou a mecha do meu cabelo atrás da minha orelha, mas eu impedi que ele tocasse em mim.

 - Isso é culpa sua. 

 — você que quis vir. - ele sorri. 

- você quer ir? Vamos, eu cuido de você. - ele acaricia meu rosto.

 — só porque eu quero muito sair dessa casa. - me apoio em seu corpo é juntos descemos as escadas da casa. 

 — eles não vão te deixar em paz. - ele diz pegando minha mochila do chão. 

 — eu vou ignorá-los, todos eles... 

 - Justin é persistente , ele não vai desistir até você se entregar a tentação. – Andamos até a porta principal. 

 - Como assim ? 

 - Quer dizer que ele não irá desistir até conseguir fazer certas coisas com você, sabe o que é. – Atravessamos a porta, aquilo me deixou pasma. 

 - Ele não vai me tocar ! Esse homem é normal ? – Ryan riu. 

 - Ele é um maníaco por certas coisas, mas é legal , relaxe , darei um jeito dele deixa-la em paz. A imagem de Justin e eu na piscina volta a minha mente, e começo a pensar nas coisas que ele teria feito se eu não tivesse o empurrado. 

 — você acha que ele... Me forçaria a fazer... Você sabe, com ele?- digo um pouco temerosa e Ryan da uma gargalhada.

 — geralmente, as garotas se entregam fácil de mais para ele, é difícil alguma rejeita-lo como você fez.

 — você não respondeu a minha pergunta... 

 - Sinceramente, ele é capaz de tudo, então não surpreenderia se ele fizesse isso. – Ryan respondeu, me ajudando a entrar em seu carro.

 - Nesse caso, vamos sair agora dessa casa ! – Eu suspirei fundo , Ryan jogou minha mochila na parte de trás do carro. 

(...)

 Estávamos de volta na pensão, eu repousava a minha perna em cima do meu travesseiro, Ryan estava sentado na beira da cama, ambos estávamos calados, esperando um falar algo com o outro. 

 — você tem certeza de que não quer ir para o hospital? Tá muito inchado. - ele diz, passando a mão delicadamente sobre o meu pé. 

 — não, eu não quero. Vai melhorar. - sorrio e pego meu celular. Várias chamadas não atendidas de um número desconhecido.      Olho para Ryan e olho de volta para o meu celular, que toca no mesmo instante.

 — alô? 

- Olá , bravinha. – Eu ouvi um tom irônico ao outro lado da linha, não podia ser ele. 

 - Quem é ?

 - Justin. – Eu ouvi sua risada.


 Eu desliguei o celular imediatamente, e encarei Ryan com cara feia. 

 - Quem era ? – Ele arqueou as sobrancelhas.

 - O seu amiguinho. – Falei com um tom de irritação – Como ele pegou meu número ? - Eu não sei, eu não tenho o seu número, ele deve ter pego o seu celular e descoberto. – Ele me encarou, ele não tinha meu número, então não foi ele.

 - Ele vai continuar me atormentando desse jeito ? 

 - Talvez. 

 — o que eu fiz para ele? Sério, ele é muito chato. - jogo o celular na cama. 

 — ah, para, você sabe muito bem que não é de se jogar fora. - Ryan diz, um pouco sério demais.

 — Ryan, por favor né, aquelas gostosonas lá pra ele se divertir, pq logo eu? — você é carne nova... E você é bem mais gostosa que a Jennifer. - ele sorri e morde os lábios.  

  Jogo uma almofada em sua cara e ouço alguém bater na porta, e logo depois ela se abrindo, sem nós ao menos respondermos Apareceu uma mulher loira com os olhos claros, com um tom azul , vi Ryan arregalar seus olhos e levantar da cadeira. 

 - RYAN ! – Ela chamou o mesmo e sorriu , mas em seguida olhou para mim – Quem é você ?

 - O que você está fazendo , Enid ? – Ryan se aproximou dela, mas ela estava os olhos de mim.

 - QUEM É ESSA ? – Ela insistiu, revirei os olhos. 

 - Louise. – Eu respondi seca, mudando meu pé de posição. 

 - O QUE ELA FAZ COM VOCÊ ? – Os seus olhos estavam saindo faíscas de raiva. - O QUE VOCÊ FAZ AQUI ? – Ele a segurou pelo braço. - JÁ ESTÁ COM OUTRA ? MAL TERMINAMOS E ESTÁ COM OUTRA ?  - Ela jogou sua bolsa no chão – VOCÊS IRAM ME PAGAR.

 Ela queria partir para cima de mim, mas Ryan a segurou pela cintura , eu queria rir daquele ataque de ciúmes, mas eu me segurei , eu não fazia idéia de quem seria ela, Ryan a puxou para fora do quarto e fechou a porta. Era possível ouvir a gritaria dos dois do lado de fora, e minutos depois a voz da dona da pensão foi mais alta que a de ambos. 

 — VOCÊS TÃO ACHANDO QUE A MINHA PENSÃO É BAGUNÇA? SE QUISEREM DISCUTIR, VÃO LA PRA FORA. - ela diz aos berros, e Ryan e a garota se calam, os dois entram e Ryan me olha sério. 

 — você consegue ir caminhando até lá embaixo? - ele pergunta olhando para a garota. 

 — eu... Acho que sim. - me levanto da cama, me apoiando no beliche e sentido a dor horrível, mas suportável em meu pé. 

 — eu te chamo lá depois... - ele diz e saio do quarto, me apoiando nas paredes.        

Chego na pequena escada e desço degrau por degrau, lentamente, respirando fundo e tentando controlar a dor. A pensão estava quieta, a porta da frente aberta, e lá fora a rua estava calma, como eu nunca havia visto.  

  Passo pela porta da pensão, e começo a caminhar pela rua, como uma verdadeira louca, com o pé inchado. O meu pé doía, mas eu não aguentava mais ficar sentada, precisava aproveitar a oportunidade e caminhar um pouco.      Depois de andar um pouco, encontro uma pracinha onde alguns pais observavam seus filhos brincar. Me sento em um dos bancos perto dos brinquedos e fico observando cada uma delas. 

 — oi. - ouço uma vozinha me chamando. 

 — oi. - sorrio e viro o rosto para olha-lo, ele era loirinho, com os olhos castanhos e era tão bonitinho que dava vontade de morder.

 — como é seu nome? - ele pergunta curioso. 

 — Louise, e o seu? - pergunta passando a mão em seus cabelos. 

 — Jaxon! - vejo um homem se aproximar com uma menininha loira, provavelmente irmã do garotinho.

 - desculpa moça, ele não entende que não pode incomodar as pessoas. - diz o homem puxando o menino e dando uma risadinha envergonhada. 

 — sem problemas, ele é uma gracinha. - sorrio e olho para o menininho. 

 — você não sabe como. - diz irônico e vira as costas, saindo com as crianças. - agora, vou ter que deixar vocês com o seu irmão, ele não vai gostar muito mas até contratar uma nova babá... - o ouço sussurrar e vejo ali a grande oportunidade do dia. 

 — moço... Desculpa mas... Eu acho que ouvi o senhor falando que precisa de uma babá. - me levanto e ele se vira, me olhando desconfiado. 

 — tá falando sério? - ele pergunta arqueando uma sobrancelha. 

 — claro, meu nome é Louise - estendo a mão pra ele que aperta, e olha pras crianças. 

— ok Louise, me da o seu celular, que eu te ligo. 

 — ok. - dito meu número para ele que anota no celular, e depois sai.  

  Depois de todo esse dia tenebroso, pelo menos alguma coisa deu certo pra mim.    


Notas Finais


Espero que gostem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...