História Dangerous Devil - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~Ally_Hictory

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Castiel, Dean Winchester, Lúcifer
Tags Destiel, Dúcifer, Lemon, Romance
Exibições 245
Palavras 5.920
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Tia Soph: OLÁ PRINCESAS
Como vão vocês? ü
Hoje Tia Soph ñ vai atualizar mais uma das suas mil fanfics c o Tio Mattyssy ou uma solo...
ELA VEM TRAZENDO UMA ONE C THE BEST PERSON ✨
Venham cá amorzinhos u.u
Sejam bonzinhos c ela u.u
Aplaudam-na! *u*

Oie ü
Tia Tássy aqui ^-^
Sou nova nisso não me batam ❤
Tô planejando casar com a Sophia, quem tava de olho perdeu ♡
Mas agora sério hihihi espero que gostem

Tia Soph: Como assim, dps q vc avisa do nosso casório vc diz "mas agr sério"?! ;-;
Maldosa ;3;
Meus sentimentos estão partidos...
Pera
Eu ñ tenho sentimentos ü
Hskshskshsks
Então princesas, espero que tenham uma boa leitura ❤
Se divirtam com bastante sexo \o/

Tia Tássy: 💔 Sem sentimentos? ;-;
Perdooa eu ahsususuusu
Love u ♡

\o/ Boa Leitura

Tia Soph: Humpf u.u
Perdoada ❤

Capítulo 1 - Dangerous Devil


Dean sorriu para Castiel, achando graça do que o moreno havia acabado de dizer. Castiel deu-lhe um sorrisinho tímido, ainda meio envergonhado com tudo. Não importava se já estavam namorando há meses, Castiel sempre ia sentir-se como geleia enquanto o Winchester estivesse ao seu lado. Dean tinha a mania de fazer seu coração bater mais rápido e deixar sua mente em branco — nunca sabia o que conversar com o outro.    

— Vai estar mesmo ocupado hoje à noite? — o loiro perguntou, tendo uma mínima esperança que Castiel desmarcar-se o compromisso que teria, e passassem a noite trocando mensagens. Quem sabe até mesmo algo mais interessante como sair para um cinema ou qualquer coisa do gênero. Qualquer coisa para que não tivesse que ficar uma noite inteirinha sem falar com Cass — até porque, se não fosse Castiel, Dean teria que aguentar seu irmãozinho mais novo Sammy e ele não estava nem um pouco a fim.

— Você sabe que sim. Estive esperando isso faz meses! É importante pros meus estudos, você compreende, certo, Dean? — Castiel indagou, vendo o loiro se fazer de difícil — em puro charme, o Novak sabia daquilo muito bem. — Te compro uma torta inteirinha. — talvez devesse de parar de comprar torta durante o intervalo todo o dia para Dean, o loiro estava ficando mimado de mais. Mas como podia resistir àqueles olhos verdes maravilhosos? O brilho esmeraldino sempre deixava Castiel hipnotizado — e o filho da mãe sabia daquilo muito bem e fazia de tudo pra provocar Castiel.

— Okay. — Dean sorriu-lhe. Aquilo valia muito mais que um milhão de tortas para Castiel. Antes que pudessem dizer mais uma coisa, o sinal ecoou por todo o corredor com aquele barulho irritante, avisando aos alunos que deveriam ir para as suas classes. Castiel e Dean despediram-se rapidamente. Infelizmente Castiel era mais velho e não estudava com o outro.

Triste realidade.

A aula passou rápido para Castiel que estava ansioso pelo compromisso que teria à noite, seria entrevistado para a faculdade de Stanford onde pretende estudar medicina, aparentemente sua carta de recomendação da escola atual tinha surtido efeito para a felicidade que o moreno queria entrar, ser médico era seu sonho desde criança sempre achou que era a melhor profissão do mundo, pois para ele não há honra maior do que poder ajudar alguém e salvar vidas.

Castiel estava distraído, perdido em pensamentos e nem percebeu quando o sinal tocou anunciando o final das aulas, estava pensando em como seria incrível poder estudar em uma universidade tão boa quanto Stanford, porém ao mesmo tempo pensava também em Dean, eles estavam namorando a seis meses e agora Castiel já tinha que se preparar pois iria para faculdade no próximo ano e o loiro continuaria ali; sabia que teriam que discutir como ficaria sua relação mas estava tentando ao máximo evitar essa conversa.

— Ei! Terra para Castiel. — Castiel foi tirado de sua discussão interna por alguém o chamava em meio a leves sacudidas; encarou a pessoa a sua frente, e pode ver seus olhos azuis incrivelmente claros iguais aos seus — Dean dizia que olhar para seus olhos dava a impressão de olhar para o céu —, a pessoa a sua frente não tinha apenas a mesma cor no olhar e sim as mesmas característica de Castiel, pele morena, cabelos escuros, os dois tinham até a mesma altura.

—Ah, oi Lúci desculpa eu fiquei distraído. — Disse encarando seu irmão gêmeo, Lúcifer era alguns minutos mais velho que Castiel e fazia questão de exibir isso e usar contra o mais novo quando tinham que ficar sozinhos em casa — mesmo que seu nível de responsabilidade fosse bem menor que a de Castiel.

— Tá, vamos logo pra' casa. — Castiel então se levantou e seguiu seu irmão até o portão da escola, olhou para os lados procurando em meio aos outros, um par específico de olhos verdes, mas não viu Dean em lugar algum, pensou então que realmente ficara perdido em pensamentos tempo demais e o loiro já deveria ter ido embora.

***

Castiel chegou a casa sentindo-se cansado. Talvez fosse pela ansiedade que o consumiu a semana inteira e o impediu de dormir por várias noites. Tudo que Castiel sabia por último, era que queria jogar-se na cama e dormir por cinco minutinhos antes de começar a fazer o que tinha de fazer. Só cinco minutinhos.

Mas cinco minutinhos viraram meia hora, e meia hora viraram horas, até que Castiel acordou espantado com alguma coisa qualquer. Sentou-se na cama bocejando e sentindo-se muito melhor e carregado; com um sorriso preguiçoso nos lábios, levantou-se da cama. Olhou para o relógio em cima do móvel de cabeceira para conferir as horas e ver quantos minutos tinha para se preparar com devida antecedência.

Foi quando seus belos olhos safiras arregalaram-se. Haviam se passado horas! Mal tinha uma hora e meia para arrumar-se e chegar a Universidade de Stanford! Com um pulo, começou a arrancar as roupas para entrar no banho com toda a pressa do mundo, deixando tudo espalhado pelos seu quarto — e por mais que Castiel fosse à responsabilidade em pessoa, pouco se importava no momento.

Saiu às pressas de casa sem despedir-se de ninguém — até porque o único que estaria em casa seria Lúcifer, já que os pais de Castiel estavam em uma viajem de negócios de poucos dias — e Lúcifer somente ria do seu irmão mais novo.

Era uma das poucas vezes que Castiel se atrapalhava com horários e coisas do gênero, afinal "o senhor perfeição" — apelido que Lúcifer deu-lhe para irrita-lo — sempre fazia tudo certinho, programado. Quase como um robô.

Ainda rindo, Lúcifer voltou a ver o filme ruim que passava na tevê. Aqueles filmes de terror que não assustava nem criança de seis anos.

***

Lúcifer estava com tédio. Não tinha nada para fazer e como reposta começou a mexer em qualquer coisa que aparecesse na sua frente. Seus pés acabaram lhe guiando até o quarto de Castiel — recinto que poucas vezes o mais velho ia, já que Castiel não gostava que o outro ficasse ali por motivos de pegadinhas. Castiel deveria estar bem atrasado para nem se quer trancar a porta de seu quarto.

Mexendo em uma coisa ou outra — e achando milhares de fotos do seu irmão com o Dean —, acabou achando o celular de Castiel em cima da cama — com milhares de mensagens e ligações perdidas do Dean. Pegou-o sem nem pensar duas vezes. A tela estava bloqueada, mas isso não era um problema para Lúcifer, conhecendo Cass como o conhecia, sabia que sua senha deveria ser a data de aniversario de namoro com o Dean — a coisa mais clichê e previsível que podia imaginar. 

Comemorou quando o celular desbloqueou, dando-lhe total permissão para mexer na vida de Castiel de cabo a rabo. Aquilo ia ser maravilhoso!

Logo na tela inicial se via uma foto de seu irmão e Dean na praia trocando um beijo apaixonado, Lúcifer apenas rolou os olhos para a foto e seguiu a mexer no celular, resolveu invadir as redes sociais de Castiel para descobrir algum podre ou quem sabe alguma traição, afinal adoraria ver o fim daquele namoro que parecia perfeito demais.

Após alguns minutos de puro tédio para o irmão mais velho ele realmente constatou que o "o senhor perfeição" não gostava mesmo de sair da linha, o que era uma pena.

Lúcifer resolveu então ver as mensagens insistentes de Dean, que já passavam de dez; leu com puro desinteresse as recentes conversas que pareciam apenas sobre Stanford entre algumas declarações repletas de corações e outras coisas clichês de namorados, mas a conversa começou a interessar Lúcifer que afinal não tinha nada melhor para fazer, tudo bem comum até Lúcifer bater os olhos em algo que realmente chamou toda a sua atenção.

O moreno não pode deixar de ficar excitado com a foto a sua frente, era Dean nu em frente ao espelho empinando a bunda para o mesmo, na posição que estava o moreno pôde ver uma parte de suas costas brancas e repletas de sardas douradas, o corpo do outro era realmente bem moldado e aquela imagem era digna de uma pintura, Lúcifer já sentia seu membro apertado dentro da calça, por um segundo teve inveja de seu irmão por poder tocar o loiro.

Os momentos seguintes foram medidas tomadas por puro impulso, Lúcifer estava excitado demais para ignorar uma chance como a que tinha no momento. Rolou as mensagens até chegar às últimas enviadas pelo loiro revelavam que o mesmo não sabia se Castiel realmente tinha ido para a tal entrevista e caso contrário esperava marcar um encontro ou apenas conversar.

Sem esperar mais o moreno enviou uma mensagem: "Oi meu amor, pode vir aqui em casa? Minha entrevista foi remarcada e acabou que estou sozinho." — poucos minutos depois já recebia confirmação de Dean falando que chegava há vinte minutos, agora não tinha como voltar atrás e Lúcifer também não queria isso, tratou de ir tomar um banho e passar o perfume de Castiel, não queria que Dean desconfiasse de nada.

Quando Lúcifer acabou o banho e foi para o quarto de Castiel. Colocou um pouco da colônia do mais novo, sentindo o cheiro de Castiel impregnar-se em si e escolheu alguma roupa de Castiel para por — pelo amor, seu irmão tinha um gosto péssimo para moda, era tudo muito formal! Lúcifer tentou pegar a coisa menos piegas daquele armário.

Ficaram horas procurando uma calça, até que resolveu colocar a calça jeans mais simples que Castiel tinha — já que todas pareciam ter saído de uma revista de moda para empresários —, uma calça escura com pequenos traços brancos verticais. Passou mais horas e horas escolhendo uma blusa.

A campainha até tocou e Lúcifer ainda tinha a parte superior do corpo completamente nua. Talvez aquilo não fosse tão ruim. Sorriu, um sorriso que se espalhou somente para um lado de seus lábios, deixando-lhe com a expressão lasciva. Colou a toalha ao redor de seus ombros e seminu, foi atender a porta. Tinha certeza que Dean ia adorar aquilo — afinal, o loiro não era tão santo quanto Lúcifer achava, assim como seu irmãozinho.

Abriu a porta da casa. No mesmo segundo os olhos esmeraldinos de Dean passaram pelo seu corpo quase todo descoberto. Fora desde seus pés desnudos, até os cabelos pretos, onde algumas poucas gotas de água do banho pingavam. O torso nu amostra estava meio molhado — já que Lúcifer nunca gostou muito de secar-se após sair de baixo do chuveiro — e algumas gotículas de água escorriam por lá. Dean mordeu o lábio inferior com força, controlando-se.

— Cass... — só fora capaz de dizer o nome do namorado. Deus. Se soubesse que Castiel estivesse indo para jogar de forma tão baixa, Dean teria vindo com aquela calcinha rosa de cetim que o outro tanto amava, e ainda por cima deixaria a calça levemente baixa, mostrando de resquício sua roupa íntima!

— Entre, Dean. — Lúcifer convidou-o, fingindo com maestria ser Castiel — depois de anos imitando-o somente para irrita-lo, Lúcifer já sabia fazer o papel muito bem. — Desculpe-me por te atender assim, mas eu acabei de sair do banho. — tentou falar o mais natural e tímido possível, o que era complicado, já que Lúcifer só queria sorrir de forma impura e jogar Dean no sofá e provar daquele corpo pecador — pecador por fazê-lo provar o mais puro pecado da luxuria.

— Claro, sem problemas. — Disse o loiro sorrindo, mas seu olhar estava exalando luxúria enquanto olhava diretamente para o peito desnudo do moreno, não resistiu e aproximou seus corpos acabando com a distância existente entre eles, envolveu o pescoço do moreno com seus braços e selou seus lábios rapidamente se desvencilhando de ‘Castiel’ e indo sentar-se no sofá, o moreno parecia estranho, mas Dean assumiu que fosse nervosismo ainda pela entrevista.

Lúcifer ficou extasiado ao sentir os lábios carnudos do loiro contra os seus, se entregou completamente a sensação que para seu desagrado durou pouco e logo via Dean se afastar e sentar no sofá, se aproximou do mesmo e sentou-se ao seu lado passando um braço por seus ombros, isso não deveria ser estranho para o loiro e Castiel não é? Mas na verdade Lúcifer não sabia muito bem como Castiel agia quando estava sozinho com Dean, será que ele continuava sendo o mesmo cordial e chato de sempre?

— Que tal vermos um filme? — Sugeriu o loiro quebrando o silencio desconfortável que havia se instalado no local.

— Claro. — Respondeu o moreno. — Eu tenho laranja mecânica, pode ser? — Perguntou mostrando a capa do filme para o loiro, que acenou afirmativamente, o moreno então colocou o filme no DVD se juntou ao loiro para assistir.

O filme já estava passando a meia hora e o moreno estava pensando se deveria tomar a iniciativa e fazer algo, já estava cansado de ter tão pouco contato com a pele de Dean, queria deita-lo naquele sofá e realizar todos os desejos altamente impuros que tivera desde que vira aquela foto.

Lúcifer apesar de que todo o desejo ainda tinha receio, pois não sabia até onde Dean e seu irmão já tinha ido e agora que tinha Dean ao seu alcance, não podia correr o risco de estragar o seu disfarce, mas afinal depois de seis meses de namoro pelo menos carícias íntimas já deveriam ter sido trocadas a menos que seu irmão fosse realmente tão certinho que quisesse esperar o casamento para realizar tal coisa, mas não importava, faria Dean se entregar a ele.

O moreno olhou para o lado onde o loiro estava concentrado vendo o filme, puxou o rosto menor de encontro ao seu e o beijou, um beijo faminto e fogoso, após se separaram ambos se encararam o verde no azul, misturados e se beijaram novamente, dessa vez o moreno segurou a nuca do loiro puxando-o para mais perto, aprofundando o beijo.

Separaram-se novamente e o loiro encarou o moreno sorrindo divertido, puxou uma sacola para o seu colo e tirou de lá um pacote de marshmallow, aproximou-se do ouvido o moreno e sussurrou com uma voz incrivelmente rouca e sexy.

— Você quer brincar? — Para o moreno aquela voz rouca passou por todo o seu corpo e pareceu acumular-se embaixo de seu ventre onde já era possível ver uma ereção se formar, Lúcifer imaginou todos os tipos de "brincadeiras" que poderiam ser feitas com aqueles marshmallows principalmente as "brincadeiras" mais lascivas.

— Claro. — Devolveu no mesmo tom rouco.

— Sabia, sua brincadeira favorita, eu começo dessa vez. — Seu tom de rouco passou totalmente para um tom de voz alegre parecendo uma criança, o loiro pegou um marshmallow do pacote e colocou-o na boca dizendo — Chubby bunny.

Lúcifer encarou o loiro totalmente abismado, então era disso que se tratava? Mas por um lado estava feliz se seu irmão era realmente tão idiota ao ponto de ter esse loiro e não ter feito nada ainda, Lúcifer não era assim e tiraria a expressão inocente de Dean, o moreno decidiu assim entrar na brincadeira.

Os dois brincaram até Dean e ‘Castiel’ já terem quinze marshmallows na boca e o moreno não aguentar uma crise de risos — por ver o loiro com as bochechas completamente estufadas e fazendo um biquinho que o deixava realmente muito fofo —, fazendo-o cuspir todos os marshmallows, sendo seguido por Dean que acompanhou o moreno nas risadas.

— Ganhei! Pela primeira vez. — Disse o loiro rindo e encarando os orbes azuis de seu parceiro que o encarava com uma intensidade que jamais vira antes.

— Nem se acostuma. — Respondeu o moreno rindo e olhando para Dean que tinha os lábios inchados apos a brincadeira, não aguentou mais e se jogou em cima do loiro deixando-o deitado no sofá e segurando seus pulsos acima da cabeça. — Que tal "brincarmos" de outra coisa agora? — Disse olhando-o com luxúria.

— E do que seria? — Perguntou "inocentemente" mordendo o lábio inferior.

— Eu vou te mostrar...

Logo os lábios de Dean e do falso Castiel estavam juntos em um beijo ardente. Dean sentia um beijo diferente do que estava acostumado. Normalmente Castiel era calmo em seus beijos e com toques delicados. Mas aquele beijo era intenso, e não havia nenhum outro sentimento que não fosse desejo, desejo carnal. Dean nunca se sentiu tão violado por um único beijo.

Somente uma mão de Lúcifer continuou a segurar as mãos de Dean acima de sua cabeça — mas nem se quer precisava, afinal, Dean estava completamente entregue aos braços de quem ele pensava ser Castiel —, enquanto a outra ia para o cós da blusa de Dean, levantando-a e deixando a mostra a barriga do loiro. Lúcifer colocou a mão por de baixo do tecido, tocando a pele de Dean.

Por onde aquelas mãos passavam, Dean sentia-se entrando em ebulição. O corpo subindo as mais altas temperaturas, deixando-o cada vez menos lúcido. Ele não sabia o que estava acontecendo com Castiel naquele dia, mas ele sabia que estava ficando louco com os mais simples toques.

O beijo fogoso cessou. O seu lábio inferior foi mordido com uma força mediana e puxado para baixo, e Dean pode ver o sorriso lateral no rosto do moreno. Os olhos azuis de ‘Castiel’ brilhavam com tanta luxúria que chegavam a ficarem mais escuros. Logo os lábios rosados do Lúcifer passavam pelo pescoço de Dean, chupando-o e o marcando. Talvez fosse só o desejo que consumia seu corpo, ou a louva vontade de tornar Dean seu.

Por Deus, aquele loiro estava levando-o a insanidade! A face rosada, a forma como gemia baixinho toda vez que Lúcifer tocava-o, os lábios vermelhos inchados, que Lúcifer tinha vontade de beija-los até que seus pulmões explodissem pela falta de oxigênio. Dean não podia ser humano.

— Cass... — gemeu o nome do namorado baixinho. Lúcifer sentiu raiva. Uma raiva sem sentido, porque bem, ele quem havia começado com aquela história maluca de se passar por Castiel só para comer a bunda do Winchester; mas não conseguia deixar de imaginar como seriam aqueles belos lábios sussurrando seu nome. Implorando-o por mais, ao mesmo tempo em que o pedia para parar.

— Shiu. — pediu contra a orelha de Dean, mordendo o lóbulo assim que lhe sussurrou as palavras. Um arrepio subiu a espinha de Dean, que parecia estar meio desnorteado com tudo. Só pela forma que Dean agia perante aos seus toques, Lúcifer imaginava que o loiro fosse virgem — e se transara, foram tão poucas vezes que a sensação de ser tocado por outras mãos ainda era nova para seu corpo. — Vou te fazer todinho meu, Dean. — a mão de Lúcifer passou por uma das bochechas de Dean, antes de ir para os fios dourados e puxa-los com força, juntando suas bocas em um beijo violento.

Dean podia sentir a outra mão libertando seus pulsos — que provavelmente já estava vermelho de tanto ser segurado, quem sabe até ficaria roxo no dia seguinte —, e indo para sua calça. A mão habilmente começou a massageia-lo por cima de seus jeans, fazendo Dean se contorcer de baixo do maior e gemer contra seus lábios. Dean sentia uma confusão de sensações e emoções invadindo-o.

Lúcifer continuou a provocá-lo vendo como o menor reagia, estava realmente adorando ver o loiro excitado, aproveitou enquanto continuava a massageia-lo para atacar novamente seu pescoço entre mordidas e chupões, queria marca-lo como seu, queria mostrar para Castiel que seu precioso loirinho já não era só seu.

Os dois já estavam excitados demais e aquelas roupas estavam atrapalhando, Lúcifer então segurou novamente o cós da blusa de Dean e puxou-a para cima, sendo auxiliado por Dean, que também ansiava por mais contato, o moreno parou logo após o ato só para poder observar o abdome definido do loiro, sem resistir mais se afundou no peito do loiro distribuindo novas mordidas até chegar a seus mamilos, onde fez questão de chupar até deixa-los enrijecidos.

O loiro estava só sentindo todas as sensações que o moreno o proporcionava, por mais que fosse visível sua falta de experiência decidiu que deveria entrar em ação também, aproveitou um momento de distração de ‘Castiel’ — que estava parado observando as marcas que havia deixado no loiro — para inverter as posições ficando por cima do moreno, que parecia divertido com a situação, soltando um sorriso de lado.

Dean quis proporcionar ao moreno as mesmas sensações que o mesmo havia a ele, viu os lábios entreabertos do moreno, que antes formavam um sorriso e atacou-os beijando-o dessa vez calma e apaixonadamente, pois afinal aquele era seu amado, aquele com quem já tinha planejado uma vida inteira.

Aproveitou que o peito do moreno já estava desnudo para depositar vários beijos e mordidas no peito do mesmo, seguiu uma trilha de beijos até o cós da calça e depositou um beijo sobre a ereção já evidente por baixo da calça, rapidamente desabotoou-a e a puxou para baixo revelando as pernas torneadas do moreno.

Lúcifer estava adorando ver o olhar lascivo que o loiro lançava ao seu corpo, mas decidiu que já houvera enrolação demais e estava muito excitado para continuar com preliminares, inverteu as posições e tratou logo de tirar a calça do loiro deixando-o apenas com uma box azul, Lúcifer então lançou um olhar divertido na direção do loiro que estava ofegante e corado, a box azul logo se juntou a calça jogada em algum canto da sala, enquanto o moreno encarava a ereção do loiro a frente antes de abocanhar o membro do outro que gemeu alto.

Dean não resistiu em levar suas mãos para os cabelos negritos e puxa-los levemente para fazer com que a boca engolisse cada vez mais seu sexo rijo. Dean podia sentir a língua habilmente envolvendo seu sexo, passando vagarosamente pela glande e fenda, deixando Dean vendo estrelas. A boca de ‘Castiel’ era perfeita.

Dean podia sentir as mãos massageando a parte que a boca não conseguia por na boca, e Dean sentia um arrepio — incrivelmente satisfatório — percorrendo seu corpo inteiro. A língua passava desde a base a glande, antes de engoli-lo, quase que por completo e chupa-lo como se fosse um doce.

O loiro sentia que estava cada vez mais próximo de chegar, quando a boca largou seu sexo — e limpando o fio de saliva que escorria pelo canto da boca —, olhando bem fundo em seus olhos. Azul contra verdes.

— Por que parou? — fez um biquinho doce em seus lábios, que se Lúcifer houvesse visto em outras pessoas, definitivamente reviraria os olhos. Mas em Dean? Em Dean só sentia vontade de mordê-lo e beija-lo intensamente. Aquele loiro havia feito uma magia negra muito forte para deixar Lúcifer tão cadinho.

— Não vamos deixar as coisas acabar agora, não acha? — sorriu lascivo, fazendo Dean morder o lábio inferior. Aquele maldito Winchester conseguia seduzi-lo até quando não queria!

Logo Lúcifer ficava em pé na frente de Dean, retirando suas ultimas peças de roupa — de forma lenta, provocando Dean, que olhava para o corpo do outro desde que Lúcifer apareceu a sua frente sem camisa — e ficando nu.

— Cass... — gemeu, vendo o outro joga-lo no sofá com força. O corpo de ‘Castiel’ o prendendo por completo contra o macio do acolchoado.

— Shiiiu, vem cá. — Lúcifer aproximou sua face da Dean, puxando-a para um beijo. O ósculo diferente dos outros era calmo. Parecia que Castiel estava se controlando por algum motivo. Sem todo o intenso dos beijos anteriores, só havia o singelo tocar carnal.

Em uma vira de jogo, Lúcifer sentou-se com Dean em seu colo. O loiro remexia-se contra o sexo rijo do moreno, fazendo-o gemer vez ou outra com o contato das peles desnudas.

Lúcifer com um sorriso mais cara de pau do mundo, retirou um potinho de lubrificante de sua calça — que por sorte estava ao alcance de seus braços.

— Você estava planejando isso desde o começo? — Dean fingia-se de indignado, mas o sorriso em seus lábios e o brilho divertido em seu olhar denunciava uma coisa completamente diferente.

— Eu? Que isso. — fez-se de desentendido. — Somente sou precavido. — e por mais que Dean não conhecesse aquele lado de ‘Castiel’, não tinha o porquê reclamar. — Agora, que tal você me lubrificar e se lubrificar? — sussurrou contra o ouvido de Dean, usando a voz mais rouca e sensual que tinha e sentiu Dean tremer por inteiro.

Aquele loiro estava completamente entregue aos braços de Lúcifer — ou Lúcifer deveria chamar-se de Castiel? Não importa. Dean pegou o potinho de lubrificante das mãos de Lúcifer, com a face corada e as mãos tremendo levemente.

Qualquer um poderia ver que o loiro era totalmente inexperiente naquilo, mas ele não era nenhum ingênuo, sabia o que tinha que fazer, abriu o pote e afundou dois dedos no mesmo tirando-os logo em seguida.

Ainda no colo de ‘Castiel’ o loiro se inclinou para frente e posicionou um dedo em sua entrada e penetrou o digito vagarosamente sentindo os músculos eram forçado a expandirem, enquanto isso ‘Castiel’ observava a face ruborizada agora exibindo uma expressão de dor, mas antes que algum gemido sôfrego fosse proferido o moreno capturou os lábios de Dean em um beijo suave — por mais que Lúcifer quisesse o loiro por completo, iria aproveitar cada momento e sabia que o loiro precisava estar bem preparado.

Dean começou a movimentar seu dedo tirando e colocando-o tentando esquecer a dor, um arrepio correu seu corpo quando ouviu a voz extremamente rouca em seu ouvido — Põe dois pra mim, Dee? — ‘Castiel’ lhe lançou um sorriso lascivo e foi prontamente atendido por Dean que juntou o segundo digito, sentindo-se extasiado da dor que o atingira, logo intensificou o vai e vem de seus dedos tesourando-os.

— O que acha de me lubrificar agora, baby? — Outro sorriso lascivo — Lúcifer estava realmente adorando ver o loiro o obedecendo —, o loiro retirou os dedos de seu interior e lançou um sorriso igualmente lascivo ao moreno, mas invés de se direcionar novamente ao potinho de lubrificante Dean apenas escorregou um pouco pelas pernas de Castiel e direcionou seus lábios — que Lúcifer considerava extremamente pornográfico — diretamente para o membro do moreno que já estava completamente ereto.

Dean lambeu a ponta do pênis do moreno provando do pré-gozo já existente ali, logo abocanhou o membro do outro iniciando um vai e vem lento e ritmado, o moreno não aguentando o ritmo lento imposto, por isso segurou firme os cabelos loiros impondo o ritmo, fodendo a boca do menor enquanto gemidos nada controlados eram emitidos.

Lúcifer parou com os movimentos quando se sentiu perto do ápice ganhando uma expressão interrogativa do loiro, aproximou sua boca do ouvido do menor — Eu acho melhor você usar o potinho, não que eu não goste da sua boquinha, mas não acho que vá ser o suficiente. — Um arrepio passou pelo corpo do loiro que pegou o pote e colocou um pouco na mão que em seguida masturbava o moreno.

— Agora fica de quatro. — Dean nunca se sentiu tão submisso, mas não teve palavras para negar o que lhe foi ordenado — e também que não sentia vontade alguma de negar —, o loiro então seguiu para o lado do sofá ficando apoiado pelos cotovelos e joelhos sendo sempre observado pelo olhar predador de ‘Castiel’, o loiro poderia até ter se sentido envergonhado se não estivesse não excitado com toda a situação.

Lúcifer sentia seu membro pulsar com a cena a sua frente — ver Dean Winchester empinando a bunda para si é uma coisa que com toda certeza deixaria qualquer um excitado —, o moreno não estava mais aguentando, posicionou-se de joelhos atrás do loiro e posicionando seu membro na fenda rosada do outro, começou a penetrá-lo.

Sem pensar muito, Lúcifer começou a estocar a bunda empinada do loiro; começou com movimentos lentos e aos poucos os movimentos aumentavam. Segurou a cintura de Dean, os movimentos ecoando cada vez mais alto pelo quarto, logo a próstata do loiro fora acertada, fazendo com que pequenos gemidos virassem gritos desesperados.

O som dos corpos se chocando. O barulho dos gemidos de Dean. Os leves grunhidos de Lúcifer. O som do pecado.

O único problema é que Lúcifer também queria ver a face do pecado e todas as suas caras e bocas enquanto metia sem piedade alguma naquela bunda branca. Deu um tapa estalado na bunda de Dean, e ouviu um gritinho de susto da parte do Winchester. Sorriu.

Retirou-se de Dean por alguns poucos segundos, ouvindo o loiro gemer em desagrado com aquilo e sentou-se mais uma vez.

— Cavalga em mim. — sorriu para Dean, que corou mais do que já estava — Lúcifer achava que aquilo era impossível —, e logo o loiro começou a engatinhar na direção de Lúcifer. Não tardou para que estivesse montando-o.

Lúcifer auxiliou o mais novo, segurando a cintura do loiro, todavia o aperto era tão forte que provavelmente deixaria maracas. Mas não importava. Porque tudo que Dean sabia era que seu corpo sentia-se confortável e em extremo prazer ao abrigar ‘Castiel’.

Seus movimentos aumentavam aos poucos. Podia ver a face de Dean, e como seus olhos estavam semiabertos, assim como sua boca, as bochechas estavam tão vermelhas que Lúcifer podia sentir o calor que elas emanavam. Dean estava tão lindo pulando no seu sexo. Não resistiu e beijou mais daqueles lábios maravilhosos.

— Geme meu nome, loirinho. — pediu, mordendo o pescoço de Dean por inteiro, deixando marcas. Sua língua lambia-o habilmente e os lábios trilhavam um caminho de pura malícia. Dean requebrava em seu colo toda vez que sentia um prazer enorme.

— Cass. — gemeu, revirando os olhos e jogando a cabeça para trás, dando a Lúcifer a chance de provar de seu pescoço sem impedimento algum.

— Não. Meu nome. — riu alto, e o Dean o olhou de forma confusa — mas em momento algum parou de lhe cavalgar, Lúcifer sentia vontade de rir com aquilo, com o desespero do menor —, até mesmo chegou a inclinar a cabeça de lado como seu maldito irmãozinho fazia! — Vamos, Deanno. — sussurrou as palavras contra o ouvido de Dean, vendo os olhos esmeraldinos arregalaram-se.

— Lúcifer?! — exclamou. Reconhecia aquele tom e a forma de chama-lo, muito diferente da de Castiel. Seu corpo ficou paralisado por alguns segundos, ouvindo a risada macabra do mais velho.

— Good moorning, Vietnã. — falou, como se fosse para confirmas as dúvidas de Dean — não que o loiro precisasse, ele tinha certeza somente com a frase anterior.

Dean continuou paralisado, não sabia o que fazer, afinal estava transando com o irmão de seu namorado e nem sequer percebera a diferença?! Claro que eram gêmeos, mas sua personalidade era tão diferente, como fora tão estúpido de não perceber?! Dean se xingava mentalmente de todas os palavrões que conhecia. Mas se isso era tão errado por que não conseguia sair do colo do moreno?

Lúcifer percebendo a excitação do loiro, inverteu as posições ficando por cima do loiro deitando-o no sofá e segurando seus pulsos acima da cabeça — pensava que se Dean saísse do estado catatônico provavelmente tentaria fugir, mas agora que haviam começado Lúcifer não pretendia parar antes do ápice.

Dean percebeu tudo o que estava acontecendo e sentiu Lúcifer voltar a estocá-lo, não pode evitar gemer quanto uma estocada acertou próstata assim como as seguintes, decidiu então desligar sua mente e deixar seu corpo se entregar ao prazer que sentia, por mais errado que isto fosse.

— Isso Deanno, geme pra mim, percebeu agora quem é o irmão certo? — Pontuou as palavras dando estocadas fortes mirando sempre a próstata do loiro, que gemia cada vez mais alto e parecia mais entregue ao moreno que soltou seus pulsos; os braços do loiro logo abraçavam as costas do moreno como que querendo aprofundar ainda mais seu contato.

Lúcifer tinha vontade de rir, rir de seu irmão, tinha agora seu namoradinho gemendo em seus braços, parece que Castiel querendo ser o todo perfeito havia esquecido o loiro, deixando-o de lado, trocando-o por Stanford. Mas Lúcifer não cometeria o mesmo erro, nem que fosse só por uma noite, ele a faria especial, pois para ele a única coisa que importava no momento era Dean.

O moreno sentindo seu ápice se aproximar começou a masturbar o loiro que gemia cada vez mais alto, beijou Dean calmamente não se podia negar que havia paixão, eram como dois amantes secretos, seus corpos estavam em perfeita sincronia.

Os dois chegaram ao ápice juntos um chamando o nome do outro, Lúcifer sorriu satisfeito ao ouvir seu nome junto com os gemidos de Dean e depois caiu sobre o loiro tentando normalizar sua respiração, assim que se recuperou rolou por cima loiro deitando ao seu lado e puxando-o para deitar-se em seu peito. Dormiram assim nus e aconchegados um no outro nem perceberam quando a porta da frente foi aberta.

— Mas que porra tá' acontecendo aqui? — Perguntou Castiel vendo seu irmão e seu namorado abraçados nus na sala.

Dean e Lúcifer só tiveram tempo de olhar para a porta e ver um Castiel furioso ali parado. No segundo seguinte o moreno saia da casa a passos furiosos. Dean nem se quer teve tempo de chamar por Castiel. Seus olhos esmeraldinos foram banhados por lágrimas e seus lábios tremularam. Estava com vontade de chorar.

Em um pulo, saiu do sofá e começou a procurar suas roupas, vestindo-se às pressas. As chaves de seu carro fora em algum momento parar de baixo do sofá — Dean não tinha ideia de como —, e quando Dean levantou-se do chão após pega-las, Lúcifer já trajava suas roupas. Dean franziu o cenho.

— Vou com você. — sorriu-lhe de maneira lasciva. Dean nem contestou, não tinha tempo a perder e sabia que Lúcifer não iria deixa-lo ir facilmente. Sem escolhas, não disse nada e correu para o Impala preto estacionado na frente da casa dos Novak's.

Dean colocou o acelerador no máximo, tentando achar o carro de Castiel que já tinha alguns minutos de vantagem. Por ser de madrugada a rua estava praticamente vazia. Dean não precisou se preocupar com a alta velocidade.

Durante o trajeto todo, Lúcifer fez questão de ficar falando mal de Castiel para Dean, dizendo que o loiro deveria larga-lo e ir para seus braços. Dean só sentia mais ódio de tudo. De ser engano, por se deixar enganar... Por ter ficado, mesmo depois de descobrir. Ele tinha que ter dado um tapa na cara de Lúcifer e ter sumido! Mas não, a carne é fraca e rendeu-se aos desejos do corpo.

As ofensas de Lúcifer a Castiel tornaram-se ainda mais constantes e agressivas quando Dean finalmente alcançou o carro do moreno. Dean agradeceu aos céus pelo golpe de sorte em acha-lo. Agora só pedia para que Lúcifer calasse a boca.

Com os olhos marejados e com a raiva sendo bombeada cada vez mais forte em suas veias, Dean estacionou no meio da rua por alguns poucos segundos, jogando Lúcifer para fora do carro sem nem dizer uma palavra. O moreno ficou atônito, e antes que pudesse fazer mais alguma coisa, ou dizer algo, Dean pisou no acelerador com força.

Com os olhos embaçados pelo choro, a leve neblina que caia sobre a madrugada e seus olhos focados no carro de Castiel, Dean mal percebeu a curva fechada a sua frente.

Os peneis do carro derraparam sobre o asfalto, deixando um cheiro de borracha queimada; o carro começou a girar, com o controle completamente perdido, fazendo voltas e voltas na pista. O som do Impala se chocando contra uma árvore ecoou por toda a rua, sendo ouço até por Lúcifer que estava alguns metros longe.

Castiel parou seu carro em desespero, saindo na mesma hora do banco do motorista para ir verificar Dean. Lúcifer começou a correr para o local do barulho, vendo de longe uma fumaça sair do motor do Impala — estava pegando fogo.

O último barulho da noite foi à explosão do Impala, os gritos desesperados de Castiel e Lúcifer, e barulho das sirenes da ambulância.


Notas Finais


Tia Tássy: Sexo e Dúcifer ❤
Quase perdi minha noiva nessa história ahaushshsu 💍
Espero que tenham gostado ❤ *u*

Tia Soph: Humpf u.u
Toma conta de mim, hein ❤
Se gostaram, deixem um favorito, um comentario, um Dean Winchester... Aceito fabricas de sorvete de morango também!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...