História Dangerous Game - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber
Tags Crime, Dangerous, Justin Bieber, Máfia
Exibições 32
Palavras 3.647
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ENFIMM GENTE
VOLTEI
PRA ALEGRIA DE VOCÊS
FLKMLKDFMLSJFDD
TÁ DÍFICIL, MAS CONSEGUI POSTAR
NÃO SEI SE ESTÁ MUITO BOA
MAS ESPERO QUE GOSTEM
BEIJOKASSS

Capítulo 21 - So... See you next week?


Fanfic / Fanfiction Dangerous Game - Capítulo 21 - So... See you next week?

POV’S Justin.

Ela estava podre de tão bêbada, devia ter bebido muito para ficar assim.

- Eu não preciso que você cuide de mim – teimou com manha.

- Vem – a puxei pelo braço e a mesma tropeçou nos próprios pés e quase caiu.

- Eu não quero Bieber, eu te odeio garoto, te odeio – ela se debatia em meus braços.

Eu devia deixar ela se ferrar mesmo, mas eu tinha que ser O bonzinho para ela cair na armadilha junto com o babaca do paizinho dela.

- E o que eu te fiz para você me odiar? – falei com toda calma do mundo, aquilo era engraçado.

- Nasceu e inferniza minha vida todo o santo dia – falou e eu me fiz de magoado – Não faz essa cara, me desculpa – bufou e eu sorri vitorioso – Mas você é um idiota – mudava de ideia repentinamente e eu ria – Está rindo do que idiota? – não respondi e continuei a tentar tirar sua roupa.

- Para de se debater, estou tentando te ajudar – me irritei.

- Eu não quero que você me veja assim, não entendeu ainda? – se embolou na fala e tentou cobrir o corpo quando e finalmente tirei as peças de roupas deixando a de lingeri o que me fez reparar uma tatto em sua costela estava escrito algo que eu não consegui ler.

- Qual o seu problema, garota? – me irritei, ela nem se lembraria amanhã mesmo.

- Você sabe qual é meu problema – me dilacerou com o olhar – Justin me bate – ficou séria e eu franzi o cenho com a pergunta – Vai Justin – ainda não entendia – Eu preciso sentir algo. Que seja apenas uma vez, mas me bate Bieber, eu não ligo.

- Cuidado com o que deseja – alertei, se eu queria bater nela? Claro, mas se eu começar, ela vai sair daqui desse quarto morta. Ela começou a rir escandalosamente.

- Está rindo do que? – perguntei.

- Eu sou vítima da minha própria mente, todos somos – ficou séria de novo – Você não percebeu, eu matei Justin, matei. Eu já fiz coisas horríveis, não. Eu sou horrível Justin por completo, por dentro e por fora.

- Você é linda Angel, para! – tentei convence-la.

- “Tão linda” que destruo tudo e todos em quem eu toco – fez aspas e abaixou a cabeça. Eu cheguei perto, a vontade de assassinar aquela garota ainda corria pelas minhas veias, mas ao mesmo tempo queria fode-la de todas as formas e então ela me abraçou. Louca? Sim. Bêbada? Muito – Eu preciso de ajuda, eu estou cansada de fingir que está tudo bem, cansada de tudo. Eu tenho tanto a falar, mas ninguém me escuta. Porra! Feche os olhos lentamente e os deixe assim por um tempo e os abra Justin, é assim que você percebe que está e sempre foi sozinho, é assim que você acorda e esse é o problema. Esse é o meu problema – ela cuspia as palavras e ria em meio a tudo aquilo, ela era muito depressiva para aquela idade e no fim tudo o que ela dizia era verdade, mas fazer todo esse drama porque sofreu com uma coisinha ou outra na adolescência? Me poupe, né? Fraca, é o que ela é! Eu já sofri tanto e não faço essa merda de Drama... ok, talvez eu faça, quando eu tomei a decisão de nunca mais me apaixonar por exemplo – Dá para sair agora?

- Mas e se você – fui interrompido.

- Se acontecer algo, eu grito – bufou e eu sai dali pensando em tudo o que ela me disse, talvez seja por isso que ela é diferente, por isso que ela é fria e desconfiada.

Ela saiu depois de um tempo enrolada na toalha.

- Se sente melhor? – perguntei “preocupado”.

- Eu pareço melhor? – dei de ombros com sua grosseria e ela pegou um blusão e colocou apenas uma calcinha.

- Por que você é assim? – a pergunta saiu sem querer.

- Você já sabe, não acha? – perguntou óbvia.

- Mas foi só por isso?

- Só por isso? – “falei merda” – Parabéns você merece o prêmio de babaca do ano Bieber, você acha que é uma idiotice, não é? O que pensou quando te contei sobre minha vida? Deve ter me achado uma idiota, não é? – Aquelas palavras por um momento doeram, mas daí imaginei ela sagrando até a morte e passou – Você deve me achar uma fraca – realmente – Mas a verdade é que você não aguentaria nem um quarto do que eu passei se estivesse no meu lugar – ainda falava um pouco embolado – Mas o único fraco aqui é você.

- Não foi isso que eu quis dizer – tentei explicar.

- Quer saber? Foda-se o que você quis dizer. Eu vou dormir! Boa noite – deitou na cama e virou a cara para o lado da parede.

Uéé, menina louca, só falta ficar sem conversar comigo de novo só por causa disso. Bom, se é melhor ela dormir mesmo, assim ela não me torra a paciência. Resolvi tomar banho quando uma voz manhosa me chamou.

- Justin? – apenas a olhei – Me d-desculpa? – pera! O que? Ela dizendo isso? É música para meus ouvidos.

- Pelo? – falei grosso.

- Eu acho melhor você aceitar, você sabe pelo que. E eu não sou sempre legal assim – bufou irritada.

- Bom se fosse – ri fraco – Tudo bem, tá desculpada.

- Brigadinha – se jogou novamente de bruços na cama e sua bunda ficou virada pra mim. É, acho que meu banho vai ter que ser gelado pra ver se eu consigo tirar essa morena da cabeça.

Saí do banho e me deparei com uma Angel toda desgrenhada e jogada na cama, apenas ignorei e fui para minha cama dormindo.

 

POV’S Pamela.

Acordei com uma fodida dor de cabeça. Que merda foi que eu fiz ontem? Tentava me lembrar da noite passada e a cada flash que passava em minha cabeça, eu desejava que aquilo tudo não tivesse passado de um sonho. Onde eu estava com a cabeça?? Pelo amor de Deus. Levantei rápido e senti uma pontada na cabeça.

- Auu – reclamei.

- Bebeu, agora aguenta – ouvi a voz de quem menos queria ver no momento.

- Bom dia para você, também – ri sem mostrar os dentes.

- Bom dia – retribuiu com o mesmo sorriso falso.

- Fiz muita merda ontem? Fora as que eu lembro, é claro – perguntei.

- Bom, você revelou o quanto você quer dar pra mim e não admite, se lembra disso? – perguntou e meu queixo foi ao chão. “Eu o que?”.

- Não, porque não aconteceu – ri percebendo seu joguinho e ele me mostrou o dedo.

- São quatro pau no cu pra você – falei.

- Como assim? – franziu o cenho.

- Enquanto você me mostra um, sobram quatro pra você ué – ri mais, era uma brincadeira idiota que eu fazia quando menor.

- Até que é boa – começou a rir – Vou usar sempre agora.

- E sobre Peter? – arqueou a sobrancelha para que eu continuasse – Quando vou vê-lo novamente?

- Se quiser hoje ainda – deu de ombros.

- E o que eu falo para minhas amigas? – indaguei com cara de paisagem.

- Fala que está saindo com o gostosão aqui – convencido, essa é a palavra certa para Justin Bieber.

- Menos Bieber, bem menos – ri – Elas vão surtar – foi a vez dele rir.

- É claro que vão – deu as costas e saiu rindo.

...

- Pamela Spencer e Amber? – o professor chamou.

- O que é? – cheguei perto da mesa.

- Eu não quero que o episódio de ontem aconteça novamente, entenderam? – falou sério.

- Tá – bufamos – Era só isso? – perguntei.

- Ah e o trabalho vocês continuam fazendo juntas – bufamos novamente e saímos dali. Eu ia ter que conversar com a vagabunda.

- O que ele disse? – Chris perguntou.

- Que o episódio de ontem não aconteça novamente – fiz uma voz grossa e revirei os olhos rindo.

- Você não cansa de se meter em confusão, não? – riu.

- Falou o santinho – debochei e ele fez cara de santo.

...

Finalmente deu o horário e eu saí desesperada da sala. Tinha que encontrar Lana e Gabi.

- Ei – cheguei correndo em Lana que conversava com Chaz? É isso mesmo pessoal! Adorei – Hmm – olhei os dois e murmurei em tom malicioso fazendo Lana ficar vermelha.

- Então a gente saí às 20:00? – continuaram a conversar e Lana manejou com a cabeça.

- Triste interromper esse momento, mas Chaz vai ter que esperar até o encontro pra falar com ela – ri e os dois ficaram vermelhos, ele parecia daqueles garotos tímidos, nem sei como é amigo do Bieber.

- Beijo linda – pegou no queixo dela e deu um beijo na sua bochecha quase relando em sua boca e saiu.

- Assim eu fico com ciúmes – brinquei – Até que enfim Lana, essa noite promete – rimos.

- Para, sua retardada – falou ainda rindo – E então? O que queria fala, porque você já esqueceu dos migos, né? Só saí com o Justin agora.

- Nada a ver – me defendi.

- Tudo a ver – Gabi, que não faço ideia de onde saiu se intrometeu e eu revirei os olhos.

- Feio escutar conversa alheia sabia? – alfinetei.

- Feio é trocar os amigos por macho – retrucou e rimos.

- Nem falem nada que quem sempre serviu de vela para vocês fui eu – me defendi.

- Não vai falar o que queria dizer antes. Não? – Lana me lembrou.

- Bom, é que – enrolei – Eu vou sair com o Justin hoje a tarde – soltei todo o ar de uma vez e elas deram um gritinho histérico.

- Quer dizer que enfim alguém está se apaixonando?? – Lana falou alto e todos nos olharam o que me fez avermelhar.

- Que se apaixonando o que? E não surtem, please. É que ele vai me ajudar achar um emprego, só – menti rápido.

- Eu acho que ele gosta de você – Gabi falou.

- Bom, ele disse isso pra mim, também – falei e as bocas delas formavam perfeitos “Os”.

- Um homem daquele gostando de você e você nem aí. Melhore Pamela – Gabi berrou.

- Isso é o que ele diz – falei.

- Ah mas ele vive se preocupando com você – Lana disse suspirando.

- Vocês também não, né? Lana vai sair com teu “boy” que tu ganha mais – fiz aspas ao dizer boy.

- Pera que boy? To por fora – Gabi falou se direcionando para sua irmã e nesse momento avistei Justin acenando para mim.

- Só digo uma coisa, eu espero que você encontre alguém pra sair hoje – falei para Gabi – Tenho que ir agora – apontei para onde Justin estava e elas sorriram.

- Eu não disse que elas iam pirar – falei chegando perto de Justin e ele riu em negação – Ah e avisa pro Chaz que se ele machucar minha amiga eu corto o pinto dele fora e faço ele engolir – Bieber arregalou os olhos  riu.

- Sempre delicada – que bom que ele reparou – E não vai ser preciso, Chaz de todos nós é o mais certinho, ele é o nerd  explicou.

- Bom mesmo – ri – E por falar nisso, como assim de todos nós? Então vocês são uma equipe? Eles trabalham com meu suposto pai também? – perguntei.

- Curiosa você, não? – falou rindo, mas os olhos dele demonstravam preocupação e ele começou a suar.

- Foi só uma pergunta – coloquei minha mão em seu braço e senti, ele se arrepiando. Gostei disso. Então ele freou brusco no sinal e me encarou. E eu sem pensar mordi os lábios, o fazendo sorrir malicioso e chegar mais perto para me beijar, suas mãos já estavam em minhas pernas, as apertando. Quando seus lábios encostariam nos meus, ouvimos buzinas. Merda, porque isso foi acontecer logo agora. Bufei alto e Justin riu, voltando a dirigir feito louco – Onde estamos indo? – perguntei.

- No hospital – franzi o cenho.

- Como assim no hospital?

- Você queria fazer o teste de DNA não queria? – arqueou as sobrancelhas e logo paramos no local.

- Hoje?

- Não, não. Amanhã não tá vendo? – revirei os olhos.

- Mas é um idiota mesmo – sai do carro e bati a porta com força o que fez Justin me fulminar com olhos.

- Bate a porta assim de novo para você ver o que acontece – saiu do carro e eu lhe mostrei a língua saindo correndo dali com ele atrás.

Assim que entramos no hospital uma moça nos mandou literalmente calar a boca, mas depois que viu o Bieber quem calou a boca foi ela que só faltava babar em cima.

- Boa tarde – Justin proferiu algumas palavras e a moça já começou a se arrumar – Eu.. – começou a falar com a Moça, porém não prestei atenção quando vi a ala de crianças. Comecei a andar rápido até lá, Bieber nem prcebeu já que estava preocupado demais olhando para o decote da recepcionista.

Adentrei a sala e as crianças me olharam surpresa.

- Não pode ficar aqui moça, pode pegar uma doença – a voz de uma menininha soou e eu olhei para baixo encontrando uma garota com manchas na pele.

- Oi, tudo bem? – me abaixei para ficar da sua altura – Meu nome é Pamela – sorri e abri os braços. Ela sorriu abertamente.

- Meu nome é Lola – me abraçou.

- Hmm, então eu acho que vou ficar um tempo aqui com você, o que acha Lola? – Fingi pensar e ela logo abriu um sorriso maior do que a cara.

- Eu quero, eu quero – de repente sua expressão mudou – Mas tia Pam, se você ficar aqui pode ficar doente, assim como eu e os outros – algumas lágrimas saíram dos seus olhos.

- Hey, hey, hey – limpei as lágrimas – Eu não me importo, ok? – peguei ela no colo e fui para uma área onde tinha alguns brinquedos. Peguei um nariz de palhaça, bom, não custa pagar esse mico, né? - Boa tarde gente – exclamei alto e muitas crianças vieram ao meu encontro, então eu comecei a fazer um monte de macaquices e brincadeira, o sorriso das crianças e os olhos eram os mais brilhantes que eu já tinha visto. Foi aí que eu escutei uma voz grossa.

- Pamela??

- Justin? – tirei o nariz de palhaço e ele me olhou desaprovando o meu ato.

- Aqui é uma área restrita sabia?

- Ah então alguém lembrou de minha existência agora? – debochei – E Justin relaxa, eu só vim conversar um pouco com as crianças – reclamei e ele estava pronto para abrir a boca quando aquela mesma menina da entrada disse:

- É verdade tio, não briga com ela. Ela é uma pessoa boa – eu boa? Talvez só crianças consigam ver isso mesmo.

- Tudo bem flor, como é seu nome? – Justin falou com a menininha.

- É Lola – falou acanhada.

- Olha Lola, o pai da Angel tá esperando ela lá fora pra fazer um exame, mas na saída a gente passa aqui de novo para te dar tchau. Tudo bem?? – falou cuidadoso e amenina assentiu.

- Angel? Vocês são namorados? – a garota perguntou.

- Não, não somos – respondi rápido.

- Até gente – eu e Bieber nos despedimos.

- Você só pode ter ficado louca – Justin falou.

- Por que?

- Porque você podia pegar uma doença.

- Ah é, porque é só com isso que você se preocupa – fechei a cara e o segui.

- Filha – o homem abriu um sorrisão.

- Oi – falei tímida.

- Pronta? – assenti com a cabeça.

- Não vai demorar muito, né?  - perguntei e ele manejou com a cabeça.

- Vamos tirar amostra de sangue, então – a enfermeira adentrou a sala. Eu e meu pai sentamos um ao lado do outro e a moça começou a coletar o sangue – Prontinho.

- Quando o teste fica pronto? – Bieber se intrometeu.

- Daqui uma semana – respondeu se oferecendo para ele e eu pude vê-lo revirar os olhos, quis rir.

- Então, filha? Quer que eu vá com você para a faculdade? Bieber vai estar ocupado hoje?

- Com que? Posso ir junto?? – perguntei animada.

- Não, não pode – Justin respondeu rude e eu revirei os olhos, fazendo meu pai rir.

- Já que não tem outra escolha. Sim pai, você pode me levar – ele abriu um sorriso.

POV’S Justin.

Garotinha irritante, primeiro acorda de ressaca, depois vai para lá na ala de criança e agora quer ir buscar o carregamento também? Só por Deus.

- Pamela, eu preciso falar com o Bieber antes de te levar tudo bem? – Peter perguntou.

- Eu vou me despedir de umas crianças lá embaixo, te espero na saída – beijou sua bochecha e saiu.

- Fala aí Peter.

- Sabe, eu gosto de você Bieber – começou – Por isso vou te pedir um favor, eu sei do carregamento que vai chegar essa semana, se não hoje para o seu pai, mas nesse primeiro não quero que haja nenhum extravio – falou cuidadoso.

- Sim, tudo bem. Eu... – me interrompeu.

- Calma, eu não terminei. Eu quero que você proteja minha filha, não deixe ninguém se aproximar dela e assim você será meu filho também – falou por fim. Minha vontade era de gargalhar na cara dele, isso vai ser mais fácil do que eu pensei e pra me ajudar, esse cara ainda é burro. “Ah, se ele soubesse que a única pessoa que vai machucar a filha preciosa dele sou eu”.

- Eu já me considero com seu filho – olhei em seus olhos e ele me deu um olhar acolhedor. Sabe, até que ele não era ruim como diziam e como eu pensei.

- Tudo bem. Pode ir – voltou a sua postura e eu saí daquela sala e fui procurar a pirralha. Cheguei na recepção e ela já estava à minha espera.

- O que vamos fazer agora?? – abriu um sorrisão.

- Bom, você, eu não sei, mas eu pelo visto vou ter que bancar a babá – ela revirou os olhos.

- Pois, eu tenho uma proposta para você- abriu um sorriso, o que me fez desconfiar – Bom, eu não to nem um pouco afim de ficarmos andando para cima e para baixo grudados e preciso procurar um emprego – me deu um olhar, mas eu não estava entendendo nada, então, ela bufou e continuou – Ou seja, você pode fazer o que quiser enquanto eu procuro trabalho – agora sim, eu estava entendendo e não era má ideia, mas eu realmente tinha que ficar no pé dessa garota.

- Nada disso, além disso você nem precisa trabalhar, tem um pai rico – ela revirou os olhos – Nem revire os olhos, mesmo que você vá procurar trabalho, eu vou junto.

- Rá, rá – riu falso – Parece que alguém aqui gosta do trabalho de “babá”, não é mesmo?

- Não provoca, estou fazendo isso pelo seu pai, não por você – ela revirou os olhos.

- Saco… - resmungou – Então será que podermos ir? Ou tenho que esperar a babá aí resolver os seus assuntos “pendentes” e mega chatos com o resto do mundo? - debochou.

- Vamos – falei simples- E até parece que você não adora minha presença – acrecentei confiante.

- Não enche, falou? - se emburrou e fez bico de uma forma até engraçada.

- Você que manda – saí em desparada – Onde e pra que quer procurar um trabalho?

- Bom, (a)no shopping têm bastante empregos e (b)não vou depender do meu pai como Amber e suas cachorrinhas, por exemplo, fazem – respondeu simples, sem desviar o olhar da janela.

- Acho que entendi – estava tentando puxar assunto – Então, vamos para o shopping.

POV’S Pamela.

O caminho inteiro fora silêncioso, aquele silêncio deságradavel, que parece ter um barulho irritante e que fica martelandoi na nossas mentes e criando monólogos .

Enfim, chegamos ao estacionamento.

- Você fica fazendo sei lá o que – falei – enquanto eu procuro trabalho só não me atrapalhe – me virei e saí desesperadamente a procura de trabalho.

Já estava ficando tarde, quando eu finalmente encontrei um trabalho, como vendedora numa loja de roupas caras e de marcas, mas enfim é um trabalho e é isso que importa. A moça, acho que o nome dela era Mel, não lembro, pediu que eu levasse uns documentos segunda que vem, para ela confirmar. Saí e recebi uma mensagem no celular de imediato.

“Eu tô na praça de alimentação” – Justin Gostosão Bieber.

Ri internamente, eu nem tinha visto ele colocar seu número aqui e quem coloca o nome desse jeito no celular dos outros??

- Voltei – me sentei ao lado dele.

- Até que enfim, conseguiu alguma coisa?

- Bieber, eu sou Pamela Spencer, o que você acha? – revirou os olhos e rimos.

- Viu amanhã, eu vou viajar – soltou o ar – Você vai ter que ficar com os meus amigos.

- Merda – murmurei – me livro de um, recebo outros – ri e ele também – Vai viajar por quê??

- Vou ver minha mãe – explicou – Viajo hoje de noite, pra chegar lá amanhã.

- Então – o encarei, pensando se eu devia mesmo e tasquei o beijo nele, quando terminamos ele me encarou meio que surpreso.

- Ok, por essa eu não esperava – suspirou – Não que eu esteja reclamando.

- É claro que não – ri – Foi só pra me despedir. Quando volta?

- Acho que só semana que vem – fez um biquinho – Acho que mereço outro beijo, não acha?

- Não, não acho – ri e joguei batata frita na cara dele.

- Vamos, já está tarde e eu vou viajar, lembra?? – bufei e ele me puxou pelo braço até entrarmos no carro. O caminho foi sem muitas palavras e quando sai do carro.

- Então... – mordi o lábio inferior – Até semana que vem?

- Até – deu uma risadinha – Tchau, Angel.

“É isso agora, sou eu por eu mesma”.

“I feel like I'm just missing

Something whenever you leave

We've got all the ingredients

Except you loving me

 

Eu sinto como se estivesse faltando

Algo sempre que você se vai

Nós temos todos os ingredientes

Exceto seu amor por mim”

- Mela.nie Martinez > Cake


Notas Finais


E AÍI GENTE??? GOSTARAM??
SE SIM COMENTEM POR FAVOR
E ME DIZ QUEM QUER PAMELA SE METENDO EM CONFUSÃO ENQUANTO BIEBER ESTÁ "FORA"??
Beijokas
Ah e se eu demorar mais pra postar é porque ainda não tenho total acesso a internet


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...