História Dangerous Games - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Bad Boy, Cantor, Criminal, Drama, Hentai, Ídolo, Justin Bieber, Romance, Sexo
Visualizações 45
Palavras 3.665
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Policial, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


O capítulo tinha ficado mega, ultra, super enorme.. então tive que dividi-lo em dois. Ignorem os erros os erros por favor. Me falem o que estão achando, quero ouvir vocês! Obrigada por estar lendo e favoritando. Se preparem, agora as tretas começam de verdade!

Capítulo 14 - Capítulo 14 - parte 1


Fanfic / Fanfiction Dangerous Games - Capítulo 14 - Capítulo 14 - parte 1

 

POV’S ALICE

-ALICEEEEEEEEE

-O quê? Hãn? O quê?

-Poxa, você não ouviu nada o que eu disse não é? To aqui falando falando e você aí brisando.

-Fumou orégano hoje é baixinha?

-Zayn, quem faz isso é você meu bem. Mals ae ruivinha. To meio distraída.

-O que ta pegando? – estávamos eu, Emma e Zayn conversando no intervalo entre as aulas na faculdade.

-Depois a gente  conversa

-Iiiih já vi que é assunto de mulher e to sobrando nessa. To vazando, depois nos falamos gatinhas – o rapaz deu beijos em nosso rosto e saiu nos deixando a sós – em termos né, pois os corredores estavam cheios de estudante pra lá e pra cá

-Manda o papo

-Cara, lembra daquele carinha que estava me esperando na saída da faculdade na segunda?

-Claro, óbvio, com certeza. O Sr perfeição! – ri pelo apelido, se ela soubesse que de perfeito não tem nada

-Ele mesmo. Então, hoje nós vamos sair. Ele é dono de umas boates e vamos em uma delas. E cara, eu não faço a mínima do que vestir.

-Vou sair com o Charles hoje e não estou tão preocupada assim com roupa.

-Oi? Você? Quem? Como? Você vai sair com o Chaz e nem me contou?

-É porque estou indo contra a minha vontade. Esse gordo ta me chantageando.

-Como ele ta te chantageando?

-Aff, deixa quieto.

-Onde vocês vão?

-Sei lá, ele disse que era um point dele e dos amigos.

-Ih, nós devemos ir pro mesmo lugar então. Ele e o Justin – ela me olhou meio interrogativa – o Sr perfeição – agora ela entendeu – são amigos.

-Menos mal, pelo menos não teria que ficar aturando aquele mala sozinha.

-Por que você não se arruma lá em casa?

-Na verdade, isso seria perfeito. Se meu pai souber que vou sair a noite vai encher minha paciência.

-Ele é tão controlador assim?

-Cara, você tira pelo simples fato que você ta aqui a alguns meses e conhece mais pessoas do que eu que moro a vida inteira nesse lugar.

-Ah, pensei que era por você ser um pouco esquisita

-Cala a boca – ela deu um tapinha no meu braço e fomos nos encaminhando para a aula já que o sinal havia tocado.

 

[...]

 

Estava na sala almoçando enquanto a Ninna via desenho e Nichole tagarelava sem parar no meu ouvido. Ela estava mais ansiosa do que eu para o encontro de hoje. Surpreendentemente ela gostou da idéia da Emma vir pra cá, achei que ela fosse ficar com ciúmes, mas disse que seria bom pra finalmente poder conhecer a ruiva. O interfone tocou ..

-Alice, Nichole. O porteiro informou ter uma menina, Emma Hastings, lá embaixo.

-Ah dona Paulina, pode autorizar a entrada dela. Aproveita avisa o porteiro que ela tem passe livre – pedi que a empregada liberasse a entrada da minha amiga e fui levar meu prato na cozinha pra poder abrir a porta – deixa eu abro a porta.

Dei uma corridinha até a porta porque a apressadinha já estava com o dedo enfiado na campainha. Aliás, como ela subiu rápido.

-Mas que merda, todo mundo ama enfiar o dedo nessa merda. Enfiar o dedo no cú e cheirar ninguém quer – falei enquanto abria a porta

-Nossa, que bela recepção, adoro ser bem vinda.

-Menina, é só uma saída ou você veio morar aqui? – sem brincadeira, ela vinha carregando uma mala enoooorme.

-Ah cara, eu não sou muito acostumada a ir em lugares assim. Não sabia o que trazer, então achei melhor trazer uma opção de cada tipo.

-Obaaaaaaaaa, vamos brincar de boneca – uma louca apareceu já puxando a mala da mão da ruiva.

-Emma, essa é a Nichole, Nick, essa é a Emma.

-Cara seu cabelo é muito lindooo. Seja bem vinda ao hospício.

-Oba! Então to em casa – sorri vendo aquela cena. Era importante pra mim elas se darem bem. Nichole é uma das pessoas que mais amo na vida e eu estava adorando conhecer a Emma.

-Vamos lá pro quarto meninas! – falei fechando a porta

-Posso ir junto? – Katharina berrou da sala. Ela havia sido liberada mais cedo da escola hoje por falta de luz.

-Pode, mas sem mexer em nada. Estamos entendidas?

-Sim senhora – falou fazendo continência.

-Essa é a Emma, Emma essa é a minha irmãzinha. Katharina.

-Oi Emma!

-Em inglês Ninna.

-Ah, me desculpe. Oi Emma.

-Oi baixinha. Prazer em te conhecer.

-Prazer conhecer você também – minha irmã estava cada vez melhor no idioma daqui, esperta como a mais velha.

Fomos para a minha suíte. Nichole jogou a mala da ruivinha na minha cama já abrindo em seguida. Fui para o meu closet e quando cheguei quase enfartei. Tinham muitas roupas, mas muitas mesmo. Roupas de todos os tipos, todas com etiquetas. Vários pares novos de sapato e uma gaveta enooorme só com lingerie da Victoria Secret. Muitos relógios, óculos e todo tipo de acessórios que antes não estavam aqui também estavam.

-Meu. Deus. De onde surgiu isso? – quase gritei, não porque não fosse algo bom, mas foi mais pela surpresa mesmo.

-Gostou da surpresa mana? – Ninna apareceu seguida de Nick e Emma.

-Você que aprontou isso?

-Eu e a Nick, por isso ela me buscou mais cedo na escola.

-Não briga com ela por ter faltado, mas ela me ajudou muito.

-Eu não vou brigar Nick, eu to chocada.

-Ali, você sempre pensa em todo mundo. Compra tudo pra todo mundo e nunca pra você. Você sempre foi assim. Você agora precisa está divando sempre.

-Ah sem dúvida. Com todo respeito amiga, mas aquele homem não é de Deus.

-Pelo contrário Emma, é de Deus sim. Só Deus pra fazer uma perfeição daquela.

-Heey, vocês podem parar de babar no Bieber?! Quem vai sair com ele sou eu? – perguntei revirando os olhos mas logo mudando minha atenção para as roupas, aquilo estava parecendo uma loja. Ainda bem que as marcas roxas já tinham sumido. Posso vestir o que quiser.

[..]

 

Foi a tarde inteira pra escolher o que vestir. Deixar Nichole se divertir fazendo isso e eu e Emma só íamos descartando o que não queríamos. Acabou que nem precisou nada da mala da ruiva, ela ia com uma das inúmeras roupas novas daquele closet.

Eu tinha acabado de sair do banho. Escolhi uma lingerie preta bem sexy e coloquei um roupão voltando pro quarto. Emma estava tomando banho em um dos quartos de hóspedes. Ela havia dito para o pai que íamos trabalhar em cima do tcc, detalhe: tcc de medicina. Pai gosta de ser enganado mesmo. Nick já estava sentada na minha cama, super maquiada, com um robe de seda e me esperando.

-Ué, vai sair? – perguntei ao notá-la maquiada. Até então ela não tinha me falado nada.

-Sim, Ryan me mandou uma mensagem me chamando pra ir na mesma boate que vocês.

-Hmm... você e Ryan ein – brinquei dando um sorrisinho – Qual é o seu problema e da Emma me escondendo as coisas? Absurdo isso!

-Anda mula, você já ta atrasada. Se o Bieber for pontual, menos de 40 minutos ele está aí.

-Você também não está pronta.

-Mas eu não vou agora. Ryan me disse que você e Bieber vão na frente porque ele tem que resolver umas coisinhas na boate. Aproveitei e perguntei sobre Chaz .. ele vai mesmo levar a Emma pro mesmo lugar. Eles vão vir então nos buscarem juntos.

-Hm .. beleza. Só o exibido que tem que ser diferente né, impressionante.

-Não fale como se você não gostasse. Vem, vou te maquiar.

Sentei na cadeira em frente a minha penteadeira onde já estava todas as minhas maquiagens, e outras novas, enfileiradas. Fechei os olhos e deixei nas mãos da minha fada madrinha. Nick levava todo o jeito pra isso e sinceramente, eu jurava que era isso que ela faria na faculdade, moda e tudo mais, mas ela preferiu a medicina, vai entender.

Ela fazia o trabalho rápido já que eu estava atrasada e em no máximo 10 minutos eu já estava com o rosto impecável. Parecia uma boneca. Além da pele que estava lisinha, meu olho estava com uma maquiagem de gatinho com gliter prata e na minha boca um vermelho bordo. Pra minha surpresa não ficou demais, pelo contrário. Sequei meu cabelo rápido com o secador jogando pro lado, pra que ele ficasse liso e caído. Minhas roupas já estavam pronta para vestir em cima da cama.

Me arrumei e me olhei em frente ao espelho. Eu estava com uma blusa jeans de botão, suas mangas enroladas até um pouco acima do cotovelo e o restante dela estava amarrado em um nó nas costas para que minha barriga ficasse um pouco de fora, não feixei todos os botões optando por deixar um decote mediano. Na parte de baixo eu estava com uma saia longa preta, ela vinha até a cintura e tinha um corte de ponta a ponta, deixando toda a minha perna direita de fora e inclusive a coxa, onde metade da minha tatuagem aparecia. Nos pés eu estava com um boot de cano curto marrom. Para completar o look coloquei o relógio no pulso esquerdo, no direito coloquei várias pulseiras fininhas. Não coloquei cordão para não estragar o decote, optei por usar um maxi brinco. Segundo Nichole, já iam ter muitas piriguetes – incluindo a própria – e que eu tinha que ser a diferentona da noite, mostrar que eu não preciso disso, afinal, hoje eu seria a Mrs Bieber – revirei os olhos quando ela disse isso, mas até que o sobrenome soava bem.

-Com licença Alice – Melanie apareceu na porta do quarto. Eu não gostava nem que ela e nem que a mãe me chamassem de senhora ou senhorita. Elas eram uma parte da família agora – Porteiro avisou que tem um rapaz, senhor Bieber que está lhe aguardado lá em baixo e que ele também pediu pra deixar um recado. Abre aspas, avisa a ela que se ela demorar pra descer, eu largo ela aqui mesmo, fecha as aspas – foi o necessário pra Nick cair na gargalhada

-Nossa, um amorzinho ele. Avisa que eu já estou descendo por favor Mel – passei perfume, peguei minha bolsa de mão e saí do quarto com a morena me seguindo. Gritei pra Emma que já estava indo e ela me gritou de volta desejando boa sorte.

-Não vai comer nada menina Alice?

-Não, obrigada Dona Paulina, como pela rua. Senão é capaz do Bieber enfartar.

-Ele vai enfartar quando te ver amiga, ta gostosa pra caramba

-Obrigada mana! Vou indo. Mel, meu número, os números das meninas e de quem vai esta com a gente está anotando no quadro na cozinha, qualquer coisa, é só ligar.

-Relaxa Alice, não é a primeira vez que fico com a baixinha.

-Ah mas meu coração dói como se fosse a primeira – fui até a Ninna que estava vendo TV e me abaixei para lhe dar um beijo – Baby, obedece a Mel. É pra comer direitinho e ir dormir na hora que ela mandar, fechado?

-Pode deixar. Dance muito!

-Deixa comigo! – nesse momento o meu celular tocou o alerta de mensagem.

“Não tenho a noite toda” – revirei os olhos, teria que ter muita paciência.

Peguei a chave de casa e saí. Entrei no elevador aproveitando o espelho pra dar aquela jogadinha básica no cabelo. Respirando fundo e secando a mão que suave um pouco de nervosismo, não por estar em missão, mas esse lance de sedução sempre me deixa um pouco insegura, fora que mesmo sendo trabalho, convenhamos, o Bieber pode ser um grande babaca, mas ele é maravilhoso.

Saí do elevador caminhando até a portaria. Dei boa noite ao porteiro que demorou um pouco a me responder, olhando descaradamente para a minha perna. Saí do prédio dando de cara com o Bieber do lado de fora do carro, apoiado no mesmo. Retificando, quando eu disse que ele é maravilhoso, eu estava sendo eufêmica. Ele estava com uma uma camisa de manga cumprida preta, mas a manda estava suspensa até o cotovelo, um colete de couro azul com as golas pretas de coro e uma calça saruel também de couro. Nos pés estavam um coturno preto. Seu cabelo perfeitamente arrumado como sempre, uma corrente de ouro fina e um pouco cumprida pendurada no pescoço e um relógio no pulso. Com seu maxilar travado, as mãos no bolso, ele me encarava sem vacilar.

Respirei fundo e me aproximei dele ..

-Nossa, achei que você fosse ter um filho aqui embaixo.

-Já eu achei que fosse ter que invadir teu prédio e te puxar pelos cabelos, ou então uma opção que estava me soando mais tentadora .. te largar aqui e meter o pé.

-Quer ficar longe de mim assim Bieber? – falei me aproximando dele e apoiando minha mão livre do lado do seu rosto – que estava na altura do meu já que eu estava de salto e ele inclinado no carro – como ele fez comigo mais cedo – tem certeza? – perguntei com a minha boca bem perto da dele. Estávamos tão próximos que eu já sentia seu perfume maravilhoso. Um sorriso presunçoso brincou nos meus lábios quando vi que ele engoliu em seco.

-Vamos logo, eu já to atrasado – ele se afastou já se encaminhando pro lado do motorista enquanto eu abria a porta do seu Bugatti vermelho e entrava do lado do carona. Esse garoto tinha uma concessionária em casa?

O caminho foi totalmente em silêncio, eu apenas observava atenta pela janela. Nunca tinha parado para reparar, mas a cidade era realmente bem bonita. Logo chegamos ao nosso destino. Se eu tinha achado a outra boate legal, era porque nunca havia vindo nessa. A fachada era pelo menos três vezes maior, o letreiro já era mais luxuoso que a outra. O nome “Dubai’s” em letras cursivas brilhavam em dourado no meio de toda a fachada de vidro fumê.

-As regras são o seguinte – Justin começou a falar assim que estacionou, tirando a minha atenção do local.

-Regras? Viaja não Bieber. Não sou sua filha.

-Pode não ser minha filha, mas já que fez questão dessa idiotice toda, vai ser apresentada como minha mulher. E mulher minha tem que se comportar! – olhei pra cara dele e ri, ele era uma piada.

-Você vive no século vinte? Viaja não baby – destravei o cinto de segurança e me aproximei dele – você vai ficar chocado do quão bem vou me comportar – dei um selinho nele e saí do carro, me controlando pra não ri da cara de choque que ele fez. Mesmo sendo cedo, uma pequena fila já de formava na entrada do lugar.

Antes que eu pudesse me recuperar, senti uma mão na minha cintura e rapidamente fui imprensada contra o carro.

-Já que ia me beijar, podia ter feito o trabalho direito, não acha? – Ele sussurrou totalmente rouco no pé do meu ouvido enquanto segurava firme no meu cabelo.

-E o que seria trabalho direito pra você ein Bieber? – não deixei me abalar, mentira .. não deixei transparecer e sussurrei de volta. Nossas bocas estavam tão próximas que nossos hálitos se misturavam, minha vontade era de agarrar ele ali mesmo, mas nunca que daria esse gostinho. Quando ele achou que estava se dando bem e que eu ia beijá-lo – Ainda não bebê, vai borrar o meu batom – o empurrei de leve já que ele estava distraído e ele saiu da minha frente.

Me dispus a caminhar para a boate, o ouvi bufar e logo o senti caminhar apressado até o meu lado e segurar com firmeza na minha mão. Empinei meu nariz como nunca e coloquei meu melhor sorriso debochado no rosto. Já que seria a Mrs Bieber, vamos fazer isso direito.

Os seguranças assim que nos viram abriram passagem pra gente. Percebi um murmurinho, principalmente entre mulheres quando passamos. Elas se cutucavam e apontavam pra mão do Bieber segurando a minha.

Se eu tinha ficado impressionada em como a boate era no lado de fora, do lado de dentro era palhaçada. Aquilo era o mundo. Haviam no mínimo três bares espalhados na pista, e alguns camarotes pequenos e um pole dance na frente de cada camarote desse. O DJ ficava em um pouco na direção da entrada e a pista no meio onde já tinham algumas pessoas dançando. Garçons passavam de um lado para o outro levando bandejas com as mais diversas bebidas. Isso somente no primeiro andar. No segundo andar, do lado esquerdo, ficavam os camarotes, eles tinham pelo menos o dobro do tamanho dos camarotes do primeiro andar, tinham até sofá. Minha análise ainda não tinha terminado quando me senti sendo puxada para o lado direito. Começamos a subir uma escada e pude perceber uma área que seguia por toda a lateral esquerda pela extensão da boate e tinha uma sala no final dela. Aquela devia ser a famosa área vip do Bieber.

-Esse é meu camarote – olhei em volta e tinha um enorme sofá com algumas poltronas na lateral e uma mesa baixa de vidro no centro. Também tinham algumas mesas e cadeiras altas, como de bar espalhadas – aquela é a minha sala. Preciso ir até lá assinar uma papelada e você fica aqui.

-Se eu quiser sair daqui, eu saio Bieber. Euein.

-Não, você não saí. Não quer brincar? Então vamos brincar direito! – Ele saiu andando sem nem me dar chances de retrucar e seguiu pro escritório, que babaca.

Joguei minha bolsa no sofá grande, já que não tinha ninguém por ali ainda e ia para o andar de baixo para beber alguma coisa. Mas acredite ou não, o segurança não deixou eu descer.

-Oi? Como assim não posso descer?

-Desculpe senhorita, ordens do senhor Bieber. – revirei os olhos e dei meia volta. Eu ia quebrar o barraco com ele, mas tive uma idéia melhor quando vi uma mulher – uma puta – com as roupas que mais pareciam calcinha e sutiã entrando na sala dele.

Me aproximei da sala encostando na grade do camarote e olhando lá pra baixo. Deixei que passasse alguns minutos e quando comecei a ouvir alguns gemidos baixos é que achei que seria a hora do show. Abri a porta sem nenhum cuidado e me deparei com ele sem camisa, sentado no sofá de frente pra porta e com a piranha sem sutiã sentada no colo dele e rebolando. To vendo os papéis que esse filha da puta tinha que assinar.

Andei rápido até eles e antes que ela pudesse ao menos pensar a puxei pelos cabelos longos de aplique a jogando no chão, peguei a camisa dele que estava próxima e joguei na cara dele, podendo ter uma visão do seu belíssimo – e repito, belíssimo – abdômen, ele me olhava em choque, sem acreditar e sem saber o que fazer.

-Não posso te deixar 5 minutos sozinho que você já apronta, querido. Queridinha, obrigada por distrair ele em quanto isso, mas a mulher dele chegou. Vaza! – cruzei os braços olhando pra cara dela, ela tinha uma expressão de ódio e parecia que ia voar em cima de mim, mas antes que ela pudesse fazer qualquer coisa ele falou.

-Pode ir – ela olhou com uma expressão de quem não acreditava. Pegou o sutiã e ia saindo quando gritei pra ela.

-Fecha a porta flor. – ela me encarou um pouco e saiu batendo a porta com força.

-Qual é a sua, ficou maluca? – ele levantou puto da vida e gritando comigo assim que a piranha saiu.

-Ficou maluco é você! Proibida de descer? Surtou foi? Ta pensando que eu sou o quê?

-Garota, se toca de uma coisa. Você ta no meu mundo, e quem manda aqui sou eu.

-HÁ HÁ. Se toca você – falei me aproximando dele ainda de braços cruzados – eu não sou como as mulheres que você está acostumado a lidar Bieber. Quer jogar? Vamos jogar! Mas não espere que eu fique passiva no jogo. Não sei se você esqueceu, mas perdeu uma aposta. E hoje VOCÊ tem que fazer o que EU quiser. Portanto, você vai se comportar e isso incluí não pegar nenhuma piranha. Afinal, tem que respeitar a sua mulher, não acha? – perguntei debochada.  Se ele pudesse, tenho certeza que me quebraria inteira.

-Olha, eu realmente não vou me estressar com você. Só não se esqueça que amanhã é meu dia. Cuidado pra não pegar pesado, talvez você não agüente a volta. Sabe como é né, ação .. reação.

-Pode vir Bieber, eu agüento – falei bem próximo dele e sim, com total duplo sentido do mundo.

Não demorou nem dois segundos e ele me puxou colocando o meu corpo com violência contra o dele e me beijando com todo desejo do mundo, da minha parte não era diferente. Ele me excitava e todo esse desafio me deixava com mais vontade ainda. Ele foi caminhando comigo e me imprensou contra sua mesa, fazendo minha perna livre pela fenda da saia subir até sua cintura enquanto ele apertava firme minha coxa.  Eu já estava a muito tempo sem sexo e aquilo me fazia arrepiar com uma rapidez impressionante.

-Quero ver essa tatuagem inteira – ele sussurrou sexy no meu ouvido. Antes que eu pudesse responder, abriram a porta me fazendo pular de susto e empurrar o Bieber.

-Coéeee rapaziada, deixa pra transarem depois, chegamos. Bora curtir!!

-Porra Ryan! – Bieber jogou um porta lápis no loiro que desviou na hora.

-Vão borá, ele não vai deixar a gente em paz – me desencostei da mesa e passei pelo Bieber. Fui me ajeitar no espelho enquanto ele vestia a blusa e o colete.

-Hey – ele me chamou me fazendo virar pra ele – até o fim da noite você não me escapada, querida. – passou por mim me dando um selinho e agora quem ficou com cara de idiota com certeza fui eu.

-Justin! – o fiz parar e segui até o seu lado – Tem marca de batom no seu pescoço e não é da mesma cor que o meu. Pega mal – falei limpando a marca no pescoço dele com força

-Calma amorzinho, assim vou achar que você está com ciúmes.

-Sonha bebê – assim seguimos para fora da boate. Seria uma noite e tanto.

Continua ..

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...